Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, agosto 31, 2008

ELIZABETE LIBARDI FEREZINI 102 ANOS DE VIDA FELIZ

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
Rádio Educadora de Piracicaba AM 1060 Khertz
Sábado das 10horas ás 11 horas da Manhã
Transmissão ao vivo pela internet : http://www.educadora1060.com.br/

A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/

Entrevista 1: Publicada: Ás Terças-Feiras na Tribuna Piracicabana

Entrevista 2: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://www.tribunatp.com.br/

http://www.teleresponde.com.br/index.htm

http://blognassif.blogspot.com/


Entrevistado: ELIZABETE LIBARDI FEREZINI

DATA: (24 DE AGOSTO DE 2008)




No dia 26 de agosto o Lar dos Velhinhos completou 102 anos de fundação. A mesma idade da nossa entrevistada!


Dona Elizabete, ou Isabel como também é conhecida, reside em sua própria casa, no bairro da Paulista. Sob os olhares cuidadosos da sua grande família que em um revezamento pré-agendado a acompanha de perto. Se o Lar dos Velhinhos passou por inúmeras transformações e tornou-se a Primeira Cidade Geriátrica do Brasil, Dona Elizabete mantém os hábitos adquiridos imutáveis, entre eles rezar um terço todos os dias, bordar crochê, e sorrir, sempre sorrir! Ela carrega um sorriso quase santificado, terno, brando, suave. É impossível não se render de imediato á uma pessoa tão carismática. Que conversa regularmente, conta causos, fã do Padre Marcelo. Todos os dias Dona Elizabete assiste a missa transmitida pela televisão! Devota fervorosa de Nossa Senhora Aparecida, conserva em seu quarto, imagens da mesma. E não dispensa um pouco de vinho ingerido á refeição principal. Em 1950 o armazém do bairro rural Pau Queimado foi adquirido pela família, onde o casal permaneceu até 1976. Era o ponto de encontro dos moradores próximos. Na época havia umas oito olarias nas proximidades. Tinha cancha para jogo de bocce, campo de futebol. Na igreja local eram celebradas missas por vários religiosos, entre eles Frei Agostinho de Penápolis, Frei Paulo, que percorria andando a pé os seis quilômetros de distancia do bairro até a cidade. Descia o denominado na época de Morro do Enxofre, hoje final da Avenida Madre Maria Teodora. Seguia até onde hoje existe o terminal de ônibus e continuava caminhando no sentido de Anhumas. Existem até hoje a igreja, o armazém, o bocce, o campo de futebol. Participamos de uma reunião de família, onde ouvimos algumas palavras de descendentes de Dona Elisabete. Um dos filhos, o Guido mora em outro estado do Brasil. .

O que a senhora está fazendo agora?
Trabalhando neste guardanapo, fazendo crochê. Este trabalho não demora muito para ser feito. Em dois dias fiz os arremates do guardanapo em crochê. Comecei a fazer crochê aos oito anos de idade hoje estou com 102 anos! Nasci em 17 de junho de 1906 em Saltinho. Sou descendente de tiroleses.
O que a senhora faz para ter tanta saúde?
Não faço nada! Levanto, tomo café e começo a trabalhar bordando. Hoje já rezei o terço para todos os meus filhos, para as pessoas doentes. Este terço veio de Pirapora, meu filho Roque é quem trouxe para mim. Eu almoço, durmo umas duas horas.
A senhora gosta de vinho?
Gosto! Gosto de tomar de vinho na hora do almoço. Meu nonno apanhava a uva, colocava-a em uma esteira, onde permanecia por um ou dois dias para enxugar a água contida na uva. Depois ele pisava, dentro da metade de uma cartola de madeira. O líquido era colocado dentro de uma outra cartola, fechada, onde ficava por três dias, quando era então retirado. Depois de oito dias permanecia para se apurar. Assim saia o vinho.
Qual a quantidade de vinho que a senhora considera ideal para acompanhar a refeição?
Meio copo de vinho. Apenas isso, não se deve misturar com outras bebidas alcoólicas.
Na vida toda da senhora, só trabalhou bordando?
Nom! He...he! (Ela responde com sotaque italiano bem acentuado). Trabalhei como uma condenada quando era moça. Eu era mocinha e já trabalhava com enxada, lá na fazenda do Velho Vitorião (Vitório Bortoletto). Eu morava no Bairro Passa Cinco. Meu pai Pedro Libardi era da família Libardi, de Saltinho, ele plantava milho, arroz, feijão. Minha mãe Emília Bortoletto, era filha do Velho Vitorião. Eles tiveram seis filhos. Eu apanhava café, com a mão pegava na vareta do pé de café e puxava. O meu “nonno” (avô) tinha mais de dois mil pés de café. Meus pais nasceram na Itália. Conheceram-se e casaram-se no Brasil.
Não machucava a mão?
Oh! Mas diga nem! Não só as mãos, como também os braços.
Como era a alimentação?
O café da manhã era polenta brustolada na gradella. Colocava-se a polenta em cima da gradella e a brasa em baixo, bebia-se leite. A água ficava em um garrafão de vidro, que ficava na sombra. N almoço comia-se arroz, feijão, verduras.
Qual era a roupa usada para trabalhar?
Vestido grosso, com manga, chapéu de palha. O sapato era andar na terra, descalço. Perto da nossa casa havia uma igreja, nós íamos á missa.
A senhora morou em Saltinho até quando?
Casei-me, aos 21 anos de idade com Antonio Ferezini. O casamento foi realizado na Catedral de Piracicaba. Mudei para o Bairro do Pau Queimado, exatamente no lugar onde é chamado de Morro do Sapo. Era propriedade de Jacob Ferezini casado Filomena Ferezini Pessatto. Em 1975 completamos 50 anos de casados.

Como filho primogênito do casal qual o nome que o senhor recebeu?
Meu nome é Oscarlino Ferezini, nascido no dia 14 de maio de 1930, sou o primeiro filho do casal. Hoje tenho 78 anos. Nascido no Bairro Pau Queimado, freqüentei a escola até o quarto ano, que ficava no bairro anteriormente denominado de Matão, hoje já como bairro urbano, integrante da cidade de Piracicaba, é denominado de Itapuã. Casei-me com Maria Luiza Carone Ferezini, tivemos cinco filhos, oito netos e uma bisneta. Portanto minha mãe Elizabete é tataravó!
Qual era a forma utilizada pelo senhor para chegar até a escola?
Vinha a pé. Vínhamos pela estrada. Naquele tempo ainda não tinha sido construída a Igreja da Paulicéia, vínhamos assistir a missa na Igreja Sagrado Coração de Jesus, comumente denominada Igreja dos Frades. Arrumava um companheiro para vir junto. A escola era das 8 da manhã até as 12 horas. Eu saía de casa ás seis e meia da manhã, trazia os cadernos em uma bolsa de pano. Vinha descalço. Comecei a usar sapato aos 14 anos de idade.
O senhor não gostava de calçar sapatos?
Não tínhamos condições para adquiri-los!
Havia alguma coisa para comer na escola?
Não existia nada!
Como era o café da manhã do senhor?
Café com queijo. Quando voltava, almoçava e ia ajudar o meu pai. Meu pai trabalha fornecendo para o Mercado Municipal, eu ficava até a noite para amarrar maços de verduras. De duas a três vezes por semana ele trazia verduras para o Mercado, utilizava carrinho com tração animal. Meu pai tinha dois alqueires de terra no Bairro do Matão. As verduras eram molhadas com regador, a água era retirada de um ribeirão que existe no local. Naquele tempo era possível beber a água do ribeirão, embora existisse poço de água em casa.
A seguir nasceu Dona Carmem?
Exatamente! Meu nome é Carmelina Ferezini, também chamada por Carmem nascida em 16 de julho de 1932. Quando nasci ainda estávamos no Morro do Sapo, vizinho ao Pau Queimado. Freqüentei até o quarto ano. Casei-me em 1960, na Catedral, com Nelson Andia, agricultor. Temos três filhas, cinco netos. Trabalhei por muito tempo, como costureira em uma camisaria chamada Camisaria Brasil, que ficava no final da Rua Governador Pedro de Toledo.
O próximo filho a nascer foi o Roque?
Perfeito! Meu nome é Roque Ferezini, sou casado com Antonia Madalena Sartori Frerezini, tenho três filhos. Nasci no Pau Queimado. Do Pau Queimado, ali no Morro do Sapo. Mudamos para o Matão. Eu vinha a pé até a escola Dr. João Conceição, situada no prédio que existe até hoje, ao lado da Igreja dos Frades. Eu vinha a pé para escola cortando o caminho por baixo. Saia do Matão subia o Morro do Enxofre, e chegava até a escola. Nós vínhamos em um grupo com três ou quatro colegas, todos de sacolinha de pano e descalços. Trabalhei um tempo na fábrica de fogos de propriedade de José Balistiero Filho, que ficava no Pau Queimado. Chamava-se Pirotécnica São Benedito. Fazia bomba, rojão, fogos de artifício. Muitas vezes viemos queimar fogos de artifício na Catedral de Piracicaba. Íamos muito á Anhembi, na Festa do Divino. Eu ajudava a montar a bateria de fogos.
Essa fábrica fazia o rojão de vara?
Fazia! O rojão de vara é feito com vara cortada no mato, chamada propriamente de vara de rojão, faz-se um estopim, amarrado na ponta.
Ao dirigir-se á escola o senhor correu de algum boi bravo?
Muitas vezes chegávamos a ter medo, evitávamos em passar muito próximo do animal.
Havia uma carregadeira de boi da Estrada de Ferro Paulista, (N.J. Onde hoje existe um terreno baldio, ao lado do Restaurante Frios Paulista é parte remanescente do que foi no passado prolongamento da Estrada de Ferro. Essa área se estendia até onde hoje há um depósito de areia, pedras, na esquina da Avenida Nove de Julho).
O trem parava para a descarga de gado vivo. A cada vagão esvaziado a locomotiva realizava um movimento para alinhar a porta do próximo vagão com a prancha de descarga. Ás vezes a composição permanecia por períodos maiores, impedindo o tráfego da Rua do Rosário. Os pedestres se arriscavam a passar debaixo dos engates entre um vagão e outro.

O senhor chegou realizar esse tipo de travessia?
Nós tínhamos que esperar. Ás vezes nós ficávamos enjoados de ficar ali esperando, então passávamos por debaixo! Existia no pátio de manobra da estação um dispositivo para girar a frente da locomotiva a vapor no sentido contrário a que tinha chegado na estação. Eu gostava de ficar olhando.
(N.J.A seguir nasceu Brasília, filha de Dona Elisabete. Que não estava presente no momento. Em seguida o Filho Jacob Ferezini).
Jacob o senhor nasceu no Matão?
Meu nome é Jacob Ferezini, que é o nome do meu avô, pai do meu pai. Tenho um filho que se chama Jacob Ferezini Júnior. Eu nasci em 8 de outubro de 1940. Estudei no Grupo João Conceição, ao lado da Igreja dos Frades. Vinha a pé do Matão até a escola. Minha primeira professora foi Dona Maria Baiana, era muito brava. Para ir ao banheiro era necessário levantar dois dedos. Não havia merenda e nem cantina. Cada um levava seu próprio lanchinho: uma banana, um pedaço de pão, um pedaço de batata doce. Não havia uniforme. A criançada ia descalça. Era comum usarem as famosas Alpargatas Rodas. O pé era deformado, por não usarem calçados. As Alpargatas por serem molinhas, de tecido, era confortável. Eu tinha 11 anos de idade quando a nossa família comprou o armazém do Pau Queimado. Meu pai vinha ao Mercado vender, antes de voltar para casa, ele ficava lendo o jornal na casa de um tio. Ele achava que não dava para ficar todo mundo na roça, a família tinha crescido. Ele dizia que iríamos comprar um comércio. Um tio nosso, chamado João Canale, pai do falecido Décio Canale. Ele alugou no período de 1949 á 1951 ao Sr. Izidoro(Nenê) Lopez, o armazém. O João Canale resolveu vender para o cunhado dele, que é o meu pai. Foi quando o Oscarlino assumiu a frente do armazém. Isso foi em 1951. Ele vinha de carrinho de tração animal buscar pão na Padaria Cruzeiro, do Berto Saches. Ficava na Avenida Dr. Paulo de Moraes, quase em frente onde hoje está o Toninho Lubrificantes. Levava pão salgado, pão doce. Quando chovia era triste. O cavalo desse carrinho chamava-se Palhaço, ele balançava!
Qual era o prato que se a Dona Elisabete fizesse todo mundo ficava com água na boca?
Os filhos não pensam duas vezes para responderem: Polenta com frango!
O rádio, assim que apareceu funcionava como?
No antigo bairro Matão hoje Itapuã não existia energia elétrica. O rádio funcionava com bateria, acumulador. Nós pegávamos no Lilo Barbosa, aqui próximo ao Pontilhão da Paulista. O primeiro rádio que tivemos a marca era Imperial.
Na época existiam umas velinhas que eram acesas com água e óleo dentro de um copo?
Essas velas eram chamadas de “mariposa”! Acendia-se em louvor á um santo ou mesmo para deixar uma luz funcionando.
Qual a primeira condução que a família teve?
Roque responde: Foi um Ford 1929, uma caminhonete. Eu cheguei a transportar crianças para a escola com essa caminhonete. Colocava um toldo na carroceria e levava a criançada do Serrote ao Pau Queimado. Iam doze a treze crianças. Isso quando elas eram pequenas, ao final do curso como tinham crescido nesse período já não cabia mais na caminhonete! Eu ganhava da prefeitura para fazer essas viagens. Havia três assentos na carroceria.
Daniel Ferezini, o senhor é o caçula?
Exatamente! Nasci no dia 21 de novembro de 1947. Casei em 12 de maio de 1973. Estudei na Escola do Pau Queimado, que é a Escola Professor Carlos Sodero. Naquele tempo nós vendíamos muito querosene, porque não havia luz no sítio. Outro item que saia bastante era o fumo de corda. Geralmente a pessoa ia comprar, mas não tinha muito dinheiro. Queria apenas um pedacinho. Quando eram cinqüenta gramas era pesado na balança. Agora menos do que isso a balança não pesava, tinha que ser cortado no cálculo visual. Sempre tinha aqueles clientes exigentes. Quando eu ia cortar o pedaço de fumo eles diziam: “-Não vai cortar a unha!”. (risos).







Free Counter

NATUREZA


sábado, agosto 30, 2008

XXXV SALÃO INTERNACIONAL DE HUMOR DE PIRACICABA


"O passado é um pecúlio para os que já não esperam nada do presente ou do futuro ; há ali sensações vivas que preenchem as lacunas de todo o tempo."
Machado de Assis




Free Counter

Helládio do Amaral Mello *18/08/1917 +28/08/08

Helládio do Amaral Mello *18/08/1917 +28/08/08

Helládio do Amaral Mello nasceu em Piracicaba, em 18 de agosto de 1917. Estudou na Escola Normal de Piracicaba, hoje Instituto de Educação Sud Mennucci. Engenheiro Agrônomo formado em 1943 pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ) da USP, teve sua carreira fortemente influenciada por Edmundo Navarro de Andrade e por seu avô, Vicente do Amaral Mello, fazendeiro em Rio das Pedras/SP, que aliava a atividade econômica da cultura do café ao bem-estar dos funcionários e à permanente preocupação com a proteção dos recursos naturais.

De 1944 a 1951, trabalhou no Serviço Florestal de Estradas de Ferro de Goiás em Araguari, com a incumbência de reflorestar uma área recém-adquirida com eucaliptos, destinados à fabricação de dormentes para suprir a ferrovia. De 1951 a 1954, trabalhou como adido na Casa da Lavoura de Rio Claro: realizou plantios de café, observando as regras para a conservação do solo, modelo que lhe rendeu prêmio da Secretaria da Agricultura.

Em 1954, ingressou na USP/ESALQ, a convite do prof. Philippe Westin Cabral de Vasconcellos, para ocupar a cadeira de Horticultura. Aceitou o convite com a condição de ficar na área de Silvicultura, que não tinha expressão na Escola até então. As aulas práticas de Horticultura deram-lhe uma grande experiência de viveiros e plantio de mudas.

Em 1962, com o desdobramento da 12ª. cadeira em duas, prestou concurso e passou a ser Titular da cadeira de Silvicultura. Na década de 1960, a convite do ministro da Agricultura, Hugo de Almeida Leme, integrou o grupo de trabalho encarregado da reformulação do Código Florestal Brasileiro, aprovado em 1965.

Em meados de 1960, conseguiu uma bolsa de estudos da Fundação Rockefeller para aperfeiçoar seus conhecimentos na Escola de Florestas da North Carolina State University, onde conheceu o prof. Bruce Zobel, especialista em melhoramento vegetal. Acompanhando-o em suas visitas a empresas da região, viu como funcionava um programa de cooperação entre a universidade e o meio de produção para realização de pesquisa no setor florestal. Voltou ao Brasil com a idéia de planejar um programa semelhante e isto foi o embrião do Ipef. Assim, em 1968, liderou a equipe de empresários do setor florestal que criou o Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais (Ipef), sendo seu diretor científico até 1980, por ocasião de sua aposentadoria.

Galgou todos os degraus da carreira universitária: foi vice-diretor da gestão do prof. Ferdinando Galli (de 23.12.1970 a 22.12.1974) e, por ocasião da Reforma da USP em 1970, foi chefe do departamento de Silvicultura, hoje departamento de Ciências Florestais, até a sua aposentadoria em 1980. Em 1971, conseguiu autorização para a criação do curso de Engenharia Florestal na USP/ESALQ, o terceiro curso do País, que já formou mais de 760 engenheiros florestais.

Em 1976, conseguiu implantar o curso de Pós-Graduação em Engenharia Florestal na Escola, em nível de mestrado. Foi responsável pela incorporação à USP/ESALQ da Estação Experimental de Anhembi/SP (1974) e da Estação Experimental de Itatinga/SP (1988), visando sua preservação e uso para programas de ensino, pesquisa e extensão universitária.

Atuou ainda como consultor de diversas entidades, como o CNPq e Comitê de Ciências Agrárias da Fapesp. É autor de mais de 50 trabalhos científicos, além de 200 artigos de divulgação e amplo material didático.

O seu importante trabalho realizado pelo desenvolvimento florestal brasileiro foi reconhecido inúmeras vezes com a concessão de prêmios e distinções, como a Medalha Navarro de Andrade (duas vêzes). A Biblioteca do Ipef, idealizada por ele, leva o seu nome, sendo um dos mais importantes Centros de Documentação Florestal da América Latina, com um acervo florestal com mais de 90.000 referências bibliográficas, disponibilizadas em site na Internet. A revista Ipef, também idealizada por ele, divulga os resultados da pesquisa realizada pelo convênio Ipef e USP: hoje Scientia Forestalis é uma revista científica com artigos florestais de toda a comunidade florestal brasileira, cujos artigos são indexados em base de dados internacionais.

Em 1981, foi instituído o prêmio Helládio do Amaral Mello, concedido todos os anos ao diplomando do curso de Engenharia Florestal da USP/esalq que obtém a melhor média final.

O prof. Helládio do Amaral Mello faleceu na noite de quinta-feira, 28 de agosto de 2008, às 23h. O corpo está sendo velado no Edifício Central (saguão do Salão Nobre) da USP/ESALQ. O sepultamento será hoje, 29 de agosto de 2008, às 15h, no Cemitério Parque da Ressurreição.






Free Counter

terça-feira, agosto 19, 2008

Professor Doutor Almir de Souza Maia

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
Rádio Educadora de Piracicaba AM 1060 Khertz
Sábado das 10horas ás 11 horas da Manhã
Transmissão ao vivo pela internet : http://www.educadora1060.com.br/

A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/

Entrevista 1: Publicada: Ás Terças-Feiras na Tribuna Piracicabana

Entrevista 2: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://www.tribunatp.com.br/

http://www.teleresponde.com.br/index.htm


Entrevistado: Professor Doutor Almir de Souza Maia

DATA: (16 agosto 2008)


Ao chegar a Piracicaba, em 1881, Miss Martha Watts foi recebida pelo próprio Prudente de Morais, futuro presidente da República. Em 1882, no confronto de opiniões e divergências sobre quais deveriam ser os papéis das mulheres na sociedade paulista e brasileira, quando a maioria masculina ainda se mostrava contrária à emancipação feminina. Mademoiselle Marie Rennotte, mulher de idéias avançadas, foi contratada para lecionar no Colégio Piracicabano, fundado por metodistas do sul dos Estados Unidos na cidade de Piracicaba, em 1881, ano esse em que se fundou a terceira Igreja Metodista no Brasil. A proposta educacional dos colégios protestantes valorizava o ensino das matérias científicas. Belga de origem, Marie Rennotte nasceu em Wandre, em 1852, tendo imigrado para o Brasil em maio de 1878. Além de professora, Marie Rennotte foi também uma médica ilustre. Seu Diploma de Medicina foi emitido no Women's Medical College of Pennsylvania, Philadelphia, em 1892, quando tinha cerca de 40 anos. O protestantismo trazia para o Brasil os valores da sociedade burguesa. Idéias que, na França e nos Estados Unidos, haviam desferido dois profundos golpes nasociedade aristocrática, através de suas revoluções, lembrando que "todos os homens foram criados iguais, que foram dotados, por seu criador, de certos direitos inalienáveis, entre os quais estão: a vida, a liberdade e a busca da felicidade".
O Professor Doutor Almir de Souza Maia é o tema do livro escrito pela jornalista e escritora Beatriz Vicentini Elias. Com o título “Além das Crises, esperança”. E o sub-título: “Almir Maia: educação como compromisso” o livro é uma catarse. (N.J. Efeito salutar provocado pela conscientização de uma lembrança fortemente emocional, até então reprimida). É a documentação de um período efervescente da história da educação em Piracicaba.
O senhor é nascido em Piracicaba?
Nasci em Pirapetinga, Minas Gerais, divisa com o Rio de Janeiro, em 15 de setembro de 1945. Sou formado em odontologia, pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Essa foi a profissão que escolhi para trabalhar e dar a minha contribuição para com a sociedade. O trabalho com a educação falou mais alto. Principalmente depois que em 1978 me convocaram para vir á Piracicaba, quando a Universidade Metodista de Piracicaba estava iniciando o seu trabalho. Vim como diretor do Centro de Ciências Biológicas e Profissões da Saúde. Logo depois fui para a Vice-Reitoria na época do Professor Elias Boaventura. Após oito anos, em 1986 fui indicado para ser o Reitor da Universidade e Diretor Geral do Instituto Educacional Piracicabano.
O senhor permaneceu em Pirapetinga por quantos anos?
Essa é uma história muito interessante, inclusive encontra-se descrita no livro! Meus pais eram sitiantes, na região de São Pedro, Estado do Rio de Janeiro. A falta de uma perspectiva maior para a educação dos filhos fez com que meus pais mudassem para uma cidade onde os filhos pudessem estudar. Eu tinha apenas três anos de idade! Meus pais Braulino de Souza Maia e Alcides de Souza Maia. Era primos, na época era muito comum o casamento entre primos. Um detalhe bastante curioso é o nome de mamãe ser Alcides, na verdade o nome dela era Alcídia. O cartório ao registrá-la simplesmente escreveu Alcides! Mamãe assinava o seu nome correto: Alcídia, e isso ás vezes gerava algum tipo de confusão. Éramos sete irmãos. Quatro homens e três mulheres.
Seus estudos foram feitos todos em Juiz de Fora?
Estudei em escola pública, minha família era muito humilde. O sonho era estudar em um colégio da Igreja Metodista, era um internato masculino: Instituto Metodista Granbery. Foram comuns algumas cidades brasileiras possuírem a instituição internato. Com uma educação diferenciada, o Instituto Metodista Granbery sempre uniu a busca pelo conhecimento acadêmico-científico à formação ética de seus alunos. O ex-presidente da República Itamar Franco, estudou lá.
O senhor chegou montar seu consultório?
Eu me formei em 1973. Trabalhei no consultório durante sete anos. Quando vim para Piracicaba, nos primeiros dois anos tive consultório aqui. Quando assumi as funções de Vice-Reitor e Reitor, não houve a possibilidade de conciliar as atividades acadêmicas com o consultório.
O senhor casou-se em que cidade?
Casei-me em Juiz de Fora, com uma mineira também, Suzana Maia, filha de família muito tradicional. Ela é formada como pedagoga na Universidade de Juiz de Fora, trabalhou no Instituto Metodista Granbery como coordenadora, e durante vinte e sete anos dedicou-se aqui no Colégio Piracicabano.
Essa escolha pela religião metodista foi uma opção do senhor ou seus pais já eram metodistas?
Os meus pais já tinham uma relação com a Igreja Metodista. Quando eles tiveram a propriedade rural, por ali passavam os pastores que visitavam as pequenas igrejas existentes na região. A minha família hospedava os pastores no nosso sítio. Era interessante, era oferecida para eles a melhor comida, o melhor quarto. Essa relação com o líder religioso é válida também para os padres da igreja católica. É uma relação muito afetiva, da família com os pastores. Um dado interessante, quando eu nasci, estava em minha casa um missionário muito famoso, que se chamava Almir. Em homenagem á ele os meus pais recebi o nome de Almir. Naquela época, as crianças nasciam em sua própria casa, não havia o conforto dos hospitais, maternidades. Meus irmãos nasceram dentro desse sítio. Um dos meus irmãos, o Adriel, no dia em que nasceu, estava também em visita lá, um pastor bastante conceituado, chamado Adriel. Minha família também homenageou o Reverendo Adriel dando o seu nome ao meu irmão Adriel.
Qual é a atuação do senhor dentro da Igreja Metodista?
Como leigo, tenho ocupado todos os cargos. Só não sou clérigo. Decidi pela área educacional, e na área de educação me realizei nesse contexto metodista desde 1972, quando me indicaram para ser membro do conselho diretor do Instituto Metodista Granbery, em Juiz de Fora. Eu era muito jovem ainda, no meio de pessoas com mais experiência de vida. Isso foi a primeira inserção na educação como membro do conselho diretor.
Quando o senhor veio para Piracicaba, a Unimep estava passando por um período de mudanças?
Tive uma participação muito rápida no Departamento do Centro de Saúde da Universidade. Isso foi entre 1978 e 1979. Em julho de 1978 o Dr. Richard Edward Senn foi substituído pelo vice-reitor, Professor Elias Boaventura. Fui indicado por ele para ser o seu vice-reitor, função em que permaneci por seis anos. Foi um período muito importante da instituição. A transferência das atividades de ensino para o Campus Taquaral. Imagine que nesse período também foi instalado o Campus de Santa Bárbara D`Oeste. Imagine o que significa isso! Em uma época muito difícil. Construir, criar cursos, preparar professores. Não tínhamos qudros nem administrativos e nem acadêmicos para a Universidade. Isso foi o que me trouxe á Piracicaba. Eu queria era fazer pós-graduação! O plano era voltar para Minas Gerais! Vim para fazer mestrado e doutorado na Unicamp, depois prestar concurso na Universidade Federal para ser professor universitário da Universidade Federal de Minas Gerais, onde estudei.
A revitalização do prédio da Rua Boa Morte, onde funciona o Centro Cultural Martha Watts foi uma ação muito importante para Piracicaba?
Em termos arquitetônicos é um prédio muito bonito, tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Piracicaba. Quando cheguei á Piracicaba, em 1978, vim de ônibus, ao subir pela Rua Boa Morte, foi o primeiro prédio que contemplei. Eu não conhecia Piracicaba! Embora já estivesse um pouco deteriorado, era um prédio imponente! Todo os esforços da universidade estavam direcionados para o campus Taquaral e para Santa Bárbara D`Oeste.
A área onde hoje se situa a Unimep, no Taquaral, já pertencia á universidade?
Foi uma negociação realizada. Era uma fazenda com plantação de cana. Era área rural. O Campus ia ser instalado onde hoje é a região do Shopping Center Piracicaba, na Avenida Limeira. O projeto inicial do campus não era no Taquaral! Foi uma decisão acertada, hoje seria uma região saturada. Na época da implantação do Campus Taquaral todo mundo achava distante. Os estudantes, os professores, os funcionários, reclamavam. Todos diziam: “Mas que distancia!” Hoje é uma região urbana! Com isso o prédio onde hoje funciona o Centro Cultural Martha Watts só pode ser recuperado entre 2003 e 2004. Na época precisamos resolver a situação da clínica de psicologia que funcionava aqui, em condições desfavoráveis. Foi ai que surgiu a idéia de implantar um centro de memória, de referencia, que em um primeiro momento eu sonhava em fazê-lo no Taquaral. A Universidade Metodista é a primeira universidade da América Latina.
No ensino metodista Piracicaba é uma das localidades pioneiras?
O Colégio Piracicabano é o primeiro colégio metodista do Brasil, e o terceiro da América Latina! O primeiro é no México, em Puebla, Instituto Madero, o segundo na cidade de Rosário, na Argentina. A diferença de datas de instalação é bem pequena entre as três instituições. Elas foram criadas pelos missionários e missionárias norte-americanos. A igreja metodista tem uma filosofia que considero fantástica: “Onde tem uma igreja, tem uma escola.” Essa dimensão da fé e essa dimensão do conhecimento que John Wesley nos passou como aquele que trabalhou o movimento metodista no século XIIX na Inglaterra. Como educador, como ser humano, me apaixono por saber que essas dimensões da fé e do conhecimento andam juntas. Não podem ser separadas, é inerente a vida. Não podemos separar a cultura da vida humana. Eu ia fazer um Centro de Memória no Campus Taquaral, mas surgiu a idéia de aproveitar o espaço já tombado pelo patrimônio, e restaura-lo como antigamente. Foi uma das obras que mais alegria deu á instituição, a mim, e á cidade de Piracicaba. Não se vê essa preocupação com restauro na amplitude e na profundidade em que fizemos. Restaurando o que deve ser restaurado, mas também dando maior utilidade social ao uso do interior daquele prédio.
Hoje está se tornando comum empresas privadas realizarem um pequeno museu, mais propriamente denominado de “memorial”?
Essa preocupação com a memória, com a história, com o passado, não é coisa muito própria de nós brasileiros. Nem nas universidades essa questão da memória é lembrada! Nem na área da educação. Nós certamente nadamos contra essa cultura que despreza, descarta! Para fazermos o Centro Martha Watts, contamos com parte da memória, parte da história do Piracicabano. Algumas pessoas criticam o fato de ter sido recriado um quarto da mesma forma que existia na época. Criticam o espaço físico ocupado pelo ambiente. Afirmam que poderia ser colocada uma sala de aula, ou alguma atividade que rende dinheiro para a escola. Não é isso! O projeto do Centro Cultural é guardião da história do Colégio Piracicabano, que é uma das escolas mais importantes para a educação brasileira! Nós sabemos da trajetória que o Colégio Piracicabano tem na historiografia da educação brasileira. Com o apoio de Prudente de Moraes.
Hoje a visão em todos os campos é extremamente materialista?
Exatamente! O papel da educação é o de ser plantada para vir a atender gerações! Toda a filosofia da educação metodista transcende essa dimensão que hoje está muito comum no Brasil e em outras partes da América Latina. A educação passou a ser um comércio. É algo muito triste, mas essa é a verdade.





Free Counter

domingo, agosto 17, 2008

LUIZ DA SILVA

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
Rádio Educadora de Piracicaba AM 1060 Khertz
Sábado das 10horas ás 11 horas da Manhã
Transmissão ao vivo pela internet : http://www.educadora1060.com.br/

A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/

Entrevista 1: Publicada: Ás Terças-Feiras na Tribuna Piracicabana

Entrevista 2: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://www.tribunatp.com.br/

http://www.teleresponde.com.br/index.htm



Entrevistado: Luiz da Silva

DATA: (12 agosto 2008)


São vários atributos que formam uma pessoa de sucesso. Escolher o que vai fazer da sua vida, amar essa função e nunca, jamais, desistir dela. Muita dedicação e humildade. Uma determinante para chegar cada vez mais longe é procurar se superar cada vez mais. Traçar uma meta baseando-se em ultrapassar os próprios limites. Dessa maneira, quando menos esperar, chegará mais alto. Luiz da Silva é um exemplo de fé, persistência, humildade, e determinação. Muitas pessoas têm com a mãe de Luiz, Dona. Emília uma dívida impagável. Só aqueles que freqüentaram o seio dessa família podem avaliar a importância anônima e avessa á qualquer tipo de divulgação sobre as inúmeras pessoas e famílias que foram beneficiados pela Dona Emília, mãe de Luiz, Nilza e José. Essa educação sólida, embasada em valores morais e espirituais é que ainda faz com que o ser humano acredite ser dono de qualidades, fraternidade, solidariedade, que muitos consideram ultrapassados, em nome de um materialismo avassalador. Luiz da Silva nasceu em 31 de março de 1934, na cidade de Piracicaba. Filho de Emília Vieira e Silva e João Silva. São seus irmãos Nilza Silva e José Maria da Silva.
Luiz o senhor nasceu em uma casa construída pelo seu pai e seu avô?
Eles eram construtores, e no período de 1932 a mão de obra era paga em material. Foi assim que construíram a casa. Meu pai era carpinteiro. Minha mãe nasceu em 4 de julho de 1908, meus vós, seus pais, vieram de Portugal. Somos primos dos videntes de Fátima: Lucia, Jacinta e Francisco. Meu avô veio de Portugal, ele tinha um primo que o aguardava em Batatais. Quando ele chegou á Santos, o encarregado dos imigrantes e falou com meu avô que ele iria trabalhar em uma fazenda de café em São Pedro. Foi muito difícil para ele.
Como ele mudou-se para Piracicaba?
Depois de um tempo, com o auxílio dos frades capuchinhos, eles moraram em uma casa em frente á Igreja dos Frades. Ele então pediu que vendessem propriedades que ele tinha em Portugal. Foi quando ele adquiriu a casa onde passaram a residir. Na época onde é a garagem da Prefeitura na Avenida Dr. Paulo de Moraes era tudo pasto! Aonde hoje é o Toninho Lubrificantes funcionava uma empresa de descaroçamento de algodão. Nós brincávamos na esquina da Rua Joaquim André com José Pinto de Almeida, onde era um terreno descampado. Havia uma casinha, naquele quarteirão, onde morava Dona Carula e Seu Francisco, eles tinham cinco ou seis filhos. Houve uma época em que houve uma febre muito violenta, morreram quatro filhos deles em uma semana! Tod dia saía um caixão da casa deles, com um filho morto. O único que não morreu era um dos filhos que na ocasião encontrava-se na casas dos tios em São Paulo. Depois desa situação minha mãe presenciou uma fumaceira danada naquela casa. Ela foi até lá ver o que estava acontecendo. Tinham aconselhado o casal a queimarem tudo que eles tinham para não transmitir a doença. E eles estavam queimando tudo! Tudo que existia dentro da casa! Foi nessa época em que a minha mãe acolheu o casal. Eles permaneceram morando e uma dependência que tínhamos anexa á nossa casa.
A Dona Emília estava sempre pronta para ajudar a quem necessitasse?
Ela acudiu “meio-mundo” aqui em Piracicaba! Parentes e não parentes! Quanta gente morou em casa!
Seus primeiros estudos foram feitos onde?
Foram feitos no Externato São José, no prédio aonde depois veio a funcionar a Escola de Odontologia, na rua D.Pedro I. Era uma escola excelente! Nesse período, em 1940, faleceu o meu pai. As freiras fizeram questão que nós três continuássemos alunos do externato, oferecendo uma bolsa de estudos integral para nós três, que até então éramos alunos que regulares, inclusive pagando regularmente as mensalidades. Assim completamos o quarto ano primário no Externato São José. Nessa ocasião mudamos para o Bairro Monte Alegre. Eu vinha a pé do Monte Alegre até o Externato São José. O Dr. Lino Morganti e Dona Odila quando me viam na estrada me colocava no carro deles. Eu ia de carro! Quando tinha ônibus, o Dr. Lino deu-me passagens para utilizar os ônibus todos os dias. Ele deu ordem aos motoristas, para quando me vissem dessem carona, tanto para ir como para vir. Teve uma ocasião em que peguei carona na garupa de um burrico, foi difícil agüentar as gozações que meus parentes e amigos fizeram! (risos). Para vir á escola saía de lá ás 10 horas da manhã, para chegar á escola ás 12 horas. As aulas acabava ás 16 horas e 30 minutos, conforme a disposição física chegava ao Monte Alegre ás 18 ou 18 horas e trinta minutos.
De lá o senhor foi estudar onde?
Fui estudar na Escola de Comércio do Professor Zanin, meu irmão já estava estudando lá, onde se formou. Eu permaneci por dois anos lá. Eu era coroinha na Igreja dos Frades e tinha um colega coroinha também o Mário Perin, que se tornou sacerdote. Eu fui para o seminário onde permaneci até o primeiro ano de teologia. Fui para Rio Claro, de Rio Claro para o seminário de Ribeirão Preto, onde permaneci por muito tempo. Quando saí do seminário me senti sem opção de trabalho. Meu irmão conhecia a oficina radio técnica do Lillo, que era mariano, na Igreja dos Frades, e estava estabelecido na Rua Benjamin Constant. Carregava baterias para os rádios de sítio. Ele saiu para atender clientes e me deixou lá. Havia rádios ás pencas para consertar. Eu substituí a válvula de um deles e deixei funcionando. Quando ele voltou disse-lhe: “-Lillo, não sei podia fazer isso, esse rádio aqui tinha a válvula queimada e eu troquei.” Ele me olhou espantado e perguntou se eu entendia de rádio. Eu contei á ele porque era rádio técnico. No seminário, quando mudamos para Ribeirão Preto, todas as noites queimavam os fusíveis e ficava aquela escuridão danada. Eu disse ao Padre Modesto: “-Posso examinar o que está acontecendo?”. Ele disse-me “-Está á sua disposição!”. Comecei a olhar o que acontecia: Queimavam-se os fusíveis. Mas por quê? Subi no forro. Estava tudo em ordem, não tinha nada de especial. Eu estava no quarto ano de ginásio, estava estudando ciências, passei a freqüentar a biblioteca, á procurar causas. A biblioteca do seminário tinha coisas á beça. Tudo que dizia respeito á eletricidade eu devorei! Subi novamente no forro para examinar qual era a causa. Disse ao Padre Modesto: “-Quando fizeram a parte nova do seminário, alguém ligou os fios da parte nova na parte já existente!”. Ele disse-me: “-O que vamos fazer? ” Disse-lhe: “Se o senhor comprar os fios eu coloco-o lá!”. Ele comprou, acho que 600 metros de fio. Era um seminário imenso. Tive que esticar aqueles fios. Toda quarta-feira á tarde os seminaristas iam jogar futebol, era quando eu subia no forro para trabalhar, colocar roldanas, chaves, esticar os fios. Como o serviço era feito só as quartas-feiras á tarde, demorou meses para que eu concluísse. Pus as chaves, os fusíveis, separei a fiação da parte nova com relação á parte velha. Nunca mais deu pane!
Qual foi a reação dos padres?
O Padre Modesto como prêmio me deu o curso do Instituto Monitor. Em prazo de três tempos eu dei conta daquele material, e eu estava formado por correspondência como técnico. Quando fui trabalhar com o Lillo eu já era formado!
Quais eram os maiores problema que aconteciam com os rádios na época?
Queima de válvula, transformador, bobinas, receptores, o grande problema eram as baratas que entravam nos rádios e causavam esses danos. A primeira providencia era remover a barata. Limpar tudo e trocar o componente danificado.
Na casa do senhor tinha rádio?
Um dos primeiros rádios que apareceu em Piracicaba, foi na minha casa. Nós morávamos na Rua Ipiranga, e eu me lembro como vinha gente para ouvir rádio em casa! A tardezinha vinha muita gente para ouvir a Rádio Nacional, Tupy, novelas, programa de auditório, noticiário, Hebe Camargo, ficavam lá até as dez ou onze horas da noite. Meu pai era músico, tocava qualquer tipo de instrumento. Eu não toco nenhum instrumento. Mas participei de muitos corais, aprendi a cantar!
Quanto tempo o senhor permaneceu com o Lillo?
Alguns meses apenas. Eu estava querendo entrar em uma empresa de maior porte.
Quantos idiomas o senhor fala?
Latim, grego, espanhol, inglês, italiano, francês. Já falei correntemente, hoje por falta de uso já não falo com a mesma habilidade. Sempre tive uma memória bastante eficiente. Sempre escrevia tudo que o professor falava. O pessoal percebeu que eu escrevia tudo que o professor falava, queriam meu caderno! Acabava a aula, na hora de estudo, meu caderno passeava. Na hora de escrever eu dominava a matéria. Bastava escrever para gravar a matéria.
O senhor chegou a fazer taquigrafia?
Tentei! Mas descobri que escrevia mais rápido se usasse a minha forma natural de escrever.
O senhor foi trabalhar na Romi?
Entrei na Romi á 16 outubro de 1958. Permaneci lá por quarenta anos.
O senhor participou do projeto da Romi-Isetta?
Não participei! Eu trabalhava na divisão de fabricação de tornos. (N.J. Fabricado durante cinco anos em Santa Bárbara d`Oeste pelas Indústrias Romi S.A., o primeiro automóvel fabricado em série no Brasil teve seu lançamento oficial em 5 de setembro de 1956.)
O senhor foi trabalhar na fábrica da Romi em Santo André?
Eu já estava no topo da faixa salarial em Santa Bárbara d`Oeste. Meu salário não progredia. Vi no jornal o anuncio de Curso de Controle de Qualidade que estava sendo ministrado em São Paulo pelo período de um mês. Era um curso caro. Falei com a minha esposa, concordamos em investir as nossas economias nesse curso. Ao chegar a Romi, falei com o meu chefe, Amauri, comuniquei que iria fazer o curso em São Paulo. Ficaria um mês fora de empresa e depois retornaria. Logo depois ele anunciou que eu iria fazer o curso e que a Romi iria pagar o curso! O curso era á noite, eu estava em São Paulo, passava durante o dia na fábrica de Santo André. A principio eu ficava apenas disponível na fábrica, logo tomei a iniciativa de participar das atividades da empresa, por minha própria vontade. Ao terminar o mês, eles simplesmente não permitiram que eu retornasse á Santa Bárbara. Arrumaram uma casa para que eu morasse com a minha família. Passei a fazer um curso de engenharia que existia na época. Passava dia e noite na fábrica, inclusive aos sábados e domingos. Teve uma ocasião em que tínhamos o compromisso de entregar se não me engano 50 tornos para o México. Passamos dia e noite trabalhando. Lembro-me que teve um dia em que dormi por uma hora deitado em cima de uma mesa! Conseguimos cumprir o nosso compromisso! Eu tive alguns dias de folga depois!
Luiz, o senhor tinha um computador de sua propriedade, lembra-se da marca?
Era um TK-75. Com fita cassete, utilizava um gravador de som comum, era ligado em uma televisão normal. Isso foi em Santo André. Olhando o computador, pensei que poderia ser útil na fábrica. Em Santa Bárbara d`Oeste havia os equipamentos IBM. Levei para a fábrica de Santo André. Tínhamos que mandar informações para Santa Bárbara. Comecei a realizar os registros no TK-75. Após 500 registros acabava a capacidade! Fui dar treinamento na nossa unidade de Joinville. Á noite ia para a biblioteca que tinha um material fabuloso sobre informática. Eu estava preocupado com o limite do TK-75. Eu mexi no cerne do programa, usando a linguagem assembler, foram mudados alguns trechos do programa. De 500 registros passamos a ter uma capacidade muito maior. Ele abriu, expandiu. Quando chegou aos cinco mil registros aquilo era lento! Estudei á valer o equipamento. Para entrar quarenta itens a coitada da máquina ficava perdida. Calculei em quanto tempo a moça levava para digitar com cada registro. Era cerca de dois minutos. Usei esse tempo para aliviar o computador. No dia seguinte ao terminar de digitar, a moça ao terminar de digitar me chamou dizendo: “-Luiz, aconteceu alguma coisa errada aqui!”. A informação estava pronta! O engenheiro Enzo quando chegou, viu aquilo, na semana seguinte recebi um computador IBM completinho, com impressora e tudo! Era o que havia de melhor na época, um XT.
O senhor teve uma moto, com a qual ia até o seu trabalho em Santa Bárbara?
Era uma Jawa-Monark de 125cc. Não havia capacete, nem blusão de proteção.
O senhor treinou muitos profissionais na área técnica?
Eu tive a satisfação de formar mais de 3.500 alunos dentro da fábrica. Chegou aos ouvidos do Senai, que passou a oferecer certificados a esses alunos, isso dentro da fábrica. Saiam mecânicos abalizados!







Free Counter

TEATRO MUCIPAL DR. LOSSO NETTO PIRACICABA

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
Rádio Educadora de Piracicaba AM 1060 Khertz
Sábado das 10horas ás 11 horas da Manhã
Transmissão ao vivo pela internet : http://www.educadora1060.com.br/

A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/

Entrevista 1: Publicada: Ás Terças-Feiras na Tribuna Piracicabana

Entrevista 2: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://www.tribunatp.com.br/

http://www.teleresponde.com.br/index.htm


Entrevistado: OLÍVIO NAZARENO ALLEONI

DATA: (09/AGOSTO/2008)


Olívio Nazareno Alleoni é médico, nascido em Piracicaba, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba. Em seu livro “Uma Fresta Para o Passado”, trata da presença Italiana em Piracicaba. Escreveu o livro “Cururu Em Piracicaba”. Realizou uma obra de fôlego, abordando o período de 1906 á 2006 em sua obra “Lar dos Velhinhos de Piracicaba”. Reunindo informações, pesquisando, garimpando, agora lança mais uma obra: “Teatro Dr. Losso Netto – Três Décadas de Cultura”. São 30 anos de informações que atestam não só o período da construção física do prédio, mas também de contrastes e mudanças de costumes da própria população. O período que antecede a construção do “Teatro Dr. Losso Netto”, época do velho Teatro Santo Estevão, é descrito de forma clara. Detalhes da derrubada do palco sagrado, onde pisaram artistas de renome. O projeto original do “Teatro Dr. Losso Netto” tinha a dimensão de um administrador que sempre pensou de forma maiúscula, falecido repentinamente. Esse projeto, na época ainda em construção, foi amputado, mudado, transformado, mas passou a existir um espaço para que a arte milenar do teatro se apresentasse á Piracicaba.
O primeiro livro que o senhor escreveu “Uma Fresta Para o Passado” chegou a atingir localidades bem distantes de Piracicaba?
Apesar de ser um livro escrito sobre Piracicaba, nada mais é do que uma mostra do que aconteceu em todo o Brasil com os imigrantes italianos. Muito pouco diferiu aqui com outros locais. Isso cria uma memória, não com o empenho de fazer revanchismo, mas com o empenho de mostrar o que os imigrantes passaram. Esse livro abrange até o período da Primeira Guerra Mundial. Era para ser dada continuidade em um segundo livro. Surgiu a necessidade de escrever sobre Sebastião da Silva Bueno, o Nhô Serra. Cururueiro extremamente importante. Observamos o cururu em toda essa região que abrange Piracicaba, São Pedro, Capivari, Tietê, indo até Pirapora, avançando por Sorocaba até Barra Bonita. Esses livros tiveram uma repercussão tão boa, que me senti extremamente honrado quando o Dr. Jairo Ribeiro de Mattos, Presidente do Lar dos Velhinhos, me convidou para escrever sobre os 100 anos do Lar dos Velhinhos de Piracicaba. Foi um desafio grande, fiz questão de revirar todos os papéis, fazer todos os levantamentos possíveis. É um livro que foi feito em quatro cores, os direitos foram doados ao Lar dos Velhinhos, que é uma entidade que necessita de ajuda. Esse livro encontra-se á venda no Lar dos Velhinhos e a renda é inteiramente voltada em benefício do Lar dos Velhinhos. Quem puder adquiri-lo estará contribuindo para gerar renda para o Lar dos Velhinhos. O livro tem mais de quatrocentas fotos. Tive mais uma surpresa esse ano quando fui solicitado para escrever sobre o Teatro Municipal de Piracicaba. Foi um livro escrito falando de uma entidade e de uma grande personagem. O Teatro Municipal de Piraicaba leva o nome de Teatro Municipal Dr. Losso Netto, que dedicou a sua vida ao jornalismo, á defesa dos direitos humanos. Inclusive, em um tempo em que não se falava muito sobre condições ambientais, nas décadas de 50, 60, ele se atirou de corpo e alma em uma luta contra alguns fatos que degradavam o meio ambiente. Se ele venceu, ou deixou de vencer juridicamente essa contenda, ele conseguiu com que notificações extremamente grandes fossem executadas em Piracicaba, salvaguardando o meio ambiente. Dr. Losso assumiu o Jornal de Piracicaba na década de 40 juntamente com seus irmãos, permanecendo nessa luta até a década de 85, quando ocorreu o seu falecimento. Ironicamente digo nesse livro que Dr. Losso Neto empunhou da caneta e utilizou-a para fazer Piracicaba crescer. Usando-a inclusive como espada para combates em defesa de direitos individuais e direitos coletivos. Toda a população e toda pessoa merece respeito.
O local onde foi construído o teatro o que era anteriormente?
Esse local, na década de 50 era um pasto. Nesse pasto passava o Riacho Itapeva, tinha uma bica um pouco á direita chamada Olho de Nhá Rita.
O Olho de Nhá Rita é a nascente do Itapeva?
Não. O Riacho Itapeva continua mais acima. O Riacho Itapeva é formado pelo Olho de Nhá Rita, por uma outra bica de água que nascia e descia do Seminário São Fidelis. E ainda por uma terceira bica d água menor, que nascia mais acima, na direção da Avenida 31 de Março e formavam o Riacho Itapeva.
Esse pasto era de propriedade pública?
Esse pasto era de propriedade particular. Muito apreciado pelos moleques, que gostavam de nadar em um dois poços de água. O poção onde nadavam os maiores e o poçinho onde os menores também nadavam. Uma parte dessa área pertencia aos Frades Capuchinhos, isso em 1900 aproximadamente. Depois passou a ser propriedade das freiras. Esse terreno foi desapropriado no tempo do prefeito Guidotti e lá veio a ser erigido o teatro. O Teatro Municipal começa a sua história de uma maneira irônica e tormentosa.
Onde eram levadas ao público as peças antes da construção do Teatro Dr. Losso Netto?
Anteriormente havia o Teatro Santo Estevão. Ele foi construído por volta de 1870 na região central de Piracicaba. Nas proximidades do local onde hoje está o monumento aos combatentes de 1932. Ele abrangia aquela área do jardim. Tinha vinte metros de frente por trinta de profundidade. Atrás havia um pequeno sanitário, externo. Em 1850 já havia sido construído um barracão, Arcanjo Dutra que solicitou a construção do barracão, com o intuito de se criar um teatro. Era uma construção extremamente rústica. Em 1890 passou por uma reforma. E na década de 10 passou por outra reforma. Quando foi transformado o prédio em uma construção feita por tijolos é ainda discutível.
Até quando o Teatro Santo Estevão permaneceu?
Permaneceu até 1953. Teve sua fase áurea com apresentações com Procópio Ferreira, Lyson Gaster, e outros artistas. Ele começou a cair em certo ostracismo. Nas décadas de 30, 40, foi decrescendo. Na década de 40 caiu um grande teatro em Campinas matando duzentas pessoas e ferindo mais quatrocentas. Segundo dizem isso criou certa neurose com relação aos edifícios velhos. Havia o temor de que alguns edifícios viessem a ruírem e provocassem acidentes de grandes proporções. Essa preocupação parece que se estendeu até Piracicaba, foi formada uma comissão, e essa comissão optou pela derrubada do Teatro Santo Estevão. Essa é uma das histórias. A derrubada do Teatro Santo Estevão é bastante prolixa. Existem outros fatos, outras teorias. Existem algumas hipóteses relatadas como prováveis, mas nada há de concreto. Nesse período em que foi derrubado o Teatro Santo Estevão, fato ocorrido em 1953. Não houve outro teatro em Piracicaba á disposição da população. Havia o Teatro São José, quando menciono á disposição da população me refiro á preços módicos. A acústica deixa há desejar um pouco, mas ele nunca deixou de funcionar, mas sempre a preços que fugiam ao acesso popular. O cine Broadway poderia eventualmente ser utilizado como teatro. Assim como o Dispensário dos Pobres foi um local muito utilizado como teatro amador de Piracicaba. Havia uma série de ambientes religiosos onde eram utilizados como teatro. A acessibilidade para peças mais severas, com maior contexto, foi distanciada do povo. A Prefeitura Municipal tentou comprar o Teatro São José por duas ou três vezes, sem que conseguisse realizar a negociação. Piracicaba ficou sem um local onde pudessem ser apresentadas peças teatrais. Enquanto isso Campinas continuava crescendo, outros centros desenvolvendo-se e infelizmente Piracicaba delegada a um segundo plano. Essas motivações permaneceram até a década de 60, quando tomou posse o Prefeito Luciano Guidotti. A fase de 1964 trouxe uma série de modificações na distribuição monetária aos municípios. Isso permitiu que em 1965 os municípios se vissem recebendo um excesso de dinheiro. Foi um tempo de “folias”. Muitos prefeitos não sabiam o que fazer com os recursos. Criavam fontes luminosas, chafarizes, jardins. Graças ao tino administrativo do Sr. Luciano Guidotti, foi nessa fase que se pensou em criar um estádio municipal, foram construídas as duas pontes, e se lançou o Teatro Municipal. Se por um lado Luciano Guidotti tinha um tino administrativo extremamente bom, por outro lado ele tinha certa mania de realizar grandes obras. O Teatro Municipal quando foi começado a erigir era um teatro de primeira linha. Bastam imaginar que ele tinha palcos totalmente móveis com mecanismos hidráulicos, escapes laterais. Aonde se situava o Cine Grande Otelo era nada mais do que o poço de orquestra! Havia condições de trazer peças de grande envergadura, óperas. Se tivesse saído um teatro dessa magnitude nós teríamos um teatro de primeira linha até hoje. Os valores envolvidos nesse projeto eram bem significativos. Nessa época Luciano Guidotti, após um jantar sofreu um infarto que lhe tirou a vida. Com isso o teatro foi relegado á um segundo plano. Na metas de outros governantes que sucederam á Luciano havia outras metas mais importantes a serem atingidas.
Quantas pessoas cabem hoje no teatro?
Na sala principal comporta 670 a 680 pessoas na sala principal. Mais 120 pessoas na sala Dois. Além disso, existe uma área na recepção do teatro onde cabem 500 a 600 pessoas.
A inauguração do teatro foi feita com a presença na platéia dos trabalhadores que o construíram?
Exatamente! As ações governamentais das décadas de 70 e 80 eram ações com alto timbre socialistas, onde se tentava privilegiar de maneira intensa as pessoas que tivessem as menores condições possíveis. Nessa filosofia, quando o teatro foi inaugurado, os trabalhadores braçais, foram chamados para assistirem ao show de Ivan Lins. A peça que deveria ter sido utilizada era de Gianfrancesco Guarnieri “Eles não usam Black-tie”. Que é também uma peça de cunho político.
O principal papel do teatro e suas apresentações é instigar o público a raciocinar?
É obrigar a pessoa a ver não só aquilo a que ela está acostumada, como também a ver outras verdades. Que eu também não sei se são sadias ou não. Cabe á própria população decidir.
O senhor foi muito feliz em colocar fotos de cartazes de alguns dos principais espetáculos encenados no Teatro Municipal.
Esses cartazes me causaram muita angustia. Eu tinha á disposição de 400 a 500 cartazes, de peças que foram levadas no Teatro Dr. Losso Neto. Isso é uma pequena mostra do que foi apresentado. A movimentação foi muito maior. Por ano foram apresentadas aproximadamente 100 peças grandes. Sem contar as peças do teatro amador na sala Dois. Se contabilizarmos ao todo duzentas peças por ano, são 6.000 nesses trinta anos!
Optei em colocar alguns cartazes, com um resumo básico do texto, para situar o leitor com relação ao cartaz em destaque. De 500 escolher 50 cartazes foi difícil. Senti-me um pouco arbitrário em discriminar esses cartazes, mas oportunamente espero trazer ao público a totalidade desses valores.
Qual foi o critério que o senhor usou para selecionar esses cartazes?
O critério está embasado em parte nas próprias modificações que o teatro causou na sociedade. Fui ver as peças mais significativas dentro das modificações sociais, culturais na sociedade.
Qual é a importância do teatro em uma cidade como Piracicaba?
Em minha opinião, o teatro é sempre uma alfinetada existencial! Quando o ator incorpora a personagem ele consegue transmitir sua mensagem com uma veracidade arrasadora. O público, a cada momento, dentro do seu estado de espírito, irá incorporar alguma coisa, que o ator está tentando veicular. Não se discute o que o teatro traz para uma pequena, média ou grande cidade. Desde que se tenha um público sensível á uma discussão interna pelo que o teatro está transmitindo ele já causou um impacto existencial. Se ele criou uma discussão interna, já provocou uma modificação.





Free Counter

Os rábulas de D. João VI

Os rábulas de D. João VI
Penas, beca, capelo, perucas e rapé
Roberto Paraiso Rocha*
Nestas comemorações do centenário da chegada de D. João VI ao Brasil e no mês em que se celebra o Dia dos Advogados (11 de agosto) – é bom recordar aqueles que, em l808, arribaram nestas plagas com o nosso então Príncipe Regente. Para começo de conversa, a maioria deles – como acontecia com os desta Colônia - não era de advogados, mas de simples rábulas.
Não no sentido comum atual de "advogado de limitada cultura e chicaneiro" (Houais), mas designando aqueles que, na Colônia, no Império e no início da República, exerciam a profissão sem possuírem o diploma de bacharel.
Era uma classe de "práticos do Direito", também denominados de "provisionados" – pois exerciam funções advocatícias graças a uma "carta de provisão", que lhes permitia atuar em um determinado processo judicial. Somente em 1985 foram proibidas novas inscrições destes "provisionados" na Ordem dos Advogados.
Para os brasileiros, naquela época, era muito difícil formar-se em direito, já que teriam de procurar as academias portuguesas, especialmente a famosa Faculdade de Coimbra. Assim, somente os mais abonados tinham condições financeiras para isso. Sem dúvida, foi graças à presença da Corte Portuguesa no Brasil que se criaram, em Olinda e S. Paulo (1827), os primeiros cursos jurídicos e foi nelas que se forjaram as mentes da maioria dos estadistas do Império e do início da República.
Imagem - Mas a figura daqueles rábulas e advogados era muito diferente daquela que agora ostentam os jovens causídicos, hoje quase todos sem barba, cabelos curtos, vestindo elegantes ternos pretos, gravatas vistosas, camisas de panos finos e de mangas compridas, com belas abotoaduras. E alguns fumando elegantes cigarrilhas.
Naqueles tempos d’El Rei, os causídicos eram, em geral, gordos senhores, usando sapatilhas com grandes fivelas, escrevendo com penas de aves e obrigados ao uso de becas, capelo e perucas. E todos habituados ao uso do rapé.
Penas – A redação das peças processuais era feita à tinta, com o uso de penas de aves, procurando-se sempre a mais bela caligrafia – sob pena (perdão pelo trocadilho) de não serem lidas pelos juízes e, assim, certamente indeferidas. Mal poderiam eles imaginar a revolução que viria com a máquina de escrever e jamais poderiam sonhar com a maravilha da digitação em computadores!
Becas – De uso obrigatório nos recintos forenses, era um "traje talar", de cor preta - uma espécie de batina, vestida por cima dos trajes comuns. Como se pode imaginar, um tremendo incômodo neste nosso clima tropical. Por isso, muitos as colocavam sobre o corpo quase nu, correndo o risco das ventanias e acidentes que revelassem a verdade sob os fatos...
Hoje, o uso da beca está restrito ao ambiente dos Tribunais, com um figurino mais simplificado e sempre colocada sobre os ternos (vestidos ou terninhos femininos) ainda geralmente exigidos aos advogados.
Capelo – Com a firme esperança de que o corretor automático de textos de meu computador - ou o revisor da revista - não tenham "corrigido" a palavra para cabelo... – devemos lembrar que se trata de uma espécie de chapéu, de formato alto e circular, usado na cabeça ou trazido nas mãos. Hoje, somente usado nos Tribunais, pelos magistrados, em cerimônias solenes.
Perucas – Como ainda hoje na Câmara dos Lordes da Inglaterra e em alguns países de tradição britânica, as perucas eram de uso habitual. E sem falar nas perucas comuns, de uso não raro pelos causídicos de pouca proteção capilar superior...
Rapé – "Tabaco em pó, para cheirar" (Aurélio), foi vício que nasceu e morreu com o regime imperial. Dele, não escapavam os bacharéis... Nos versos humorísticos e maliciosos de Luiz Gama – ex-escravo e poeta de valor – aqui transcritos com alguma licença poética – todos tomavam o rapé
... Toma "quem inda é calouro,
Que o tomar não é desdouro
...............................................
Toma a velha, a moça toma,
Toma a negra, toma a branca,
Toma o rico, toma o pobre
Tendo a venta sempre franca.
..............................................
Toma o rude lavrador,
Toma o sábio professor.
..............................................
Secretário e bedéis,
Veteranos, bacharéis..."
*
- Hoje, transformaram-se os hábitos, alterou-se o perfil dos advogados, a mulher conquistou seu merecido espaço, mudaram-se os trajes, mas esperamos que não se tenha perdido o ideal da busca pelo aperfeiçoamento intelectual, moral e ético de todos – rábulas ou sábios!
_______________
*Procurador do Estado do Rio de Janeiro aposentado. Professor Titular da Faculdade de Direito - UERJ aposentado




Free Counter

terça-feira, agosto 12, 2008

A propriedade é boa, o que estraga é a vizinhança

A brasileira Lily Safra, viúva de Edmond Safra, vendeu uma propriedade de 80 mil metros quadrados na Côte D'Azur, por 500 milhões (R$ 1,2 bilhão). É o valor mais alto já pago em uma transação imobiliária. Já adiantamos que o comprador não é nosso conhecido. Alguns de nossos amigos foram instados a comprá-la, visitaram a propriedade, mas não gostaram muito da vizinhança.




Free Counter

sábado, agosto 09, 2008

Enlevos

"Mas que é a vida senão uma combinação de astros e poços, enlevos e precipícios? O melhor meio de escapar aos precipícios é fugir aos enlevos."
Machado de Assis




Free Counter

Ópera

"A vida é uma ópera bufa com intervalos de música séria."
Machado de Assis




Free Counter

terça-feira, agosto 05, 2008

Pensando em auxiliar a comunicação, foi formulada uma solução prática e rápida!!! Chegou o sensacional e insuperável curso 'The Book is on the Table"


Veja como é fácil!
a.) Is we in the tape! = É nóis na fita.
b.) Tea with me that I book your face = Chá comigo que eu livro sua cara.
c.) I am more I = Eu sou mais eu.
d.) Do you want a good-good? = Você quer um bom-bom?
e.) Not even come that it doesn't have! = Nem vem que não tem!
f.) She is full of nine o'clock= Ela é cheia de nove horas.
g.) Ooh! I burned my movie! = Oh! Queimei meu filme!
h.) I will wash the mare. = Vou lavar a égua.
i.) Go catch little coconuts! = Vai catar coquinho!
j.) If you run, the beast catches; if you stay, the beast eats! = Se correr, o bicho pega, se ficar o bicho come!
k.) Before afternoon than never. = Antes tarde do que nunca.
l.) Take out the little horse from the rain = Tire o cavalinho da chuva.
m.) The cow went to the swamp. = A vaca foi pro brejo!
n.) To give one of John the Armless = Dar uma de João-sem-Braço.

Outras exemplos, de outros idiomas, dessa 'versão do mundo':
CHINÊS
a.) Cabelo sujo: chin-champub.)
Descalço: chin chinelac.)
Top less: chin-chu-tian
d.) Náufrago: chin-lan-chaf.)
Pobre: chen luz, chen agua e chen gaz

JAPONÊS
a.) Adivinhador: komosabeb.)
Bicicleta: kasimotoc.)
Fim: ka-bod.)
Fraco: yono komo
e.) Me roubaram a moto: yonovejo m'yamahaf.)
Meia volta: kasigiro
g.) Se foi: non-tah.)
Ainda tenho sede: kero maisagwa

OUTRAS FRASES, EM INGLÊS :
a.) Banheira giratória: Tina Turnerb.)
Indivíduo de bom autocontrole: Auto stopc.)
Copie bem: copyright
d.) Talco para caminhar: walkie talkie

RUSSO (também! - esse livro é incrível!)
a.) Conjunto de árvores: boshkeb)
Inseto: moshkac.)
Cão comendo donut's: Troski maska roskad.)
Piloto: simecaio patatof
e.) Sogra: storvo

ALEMÃO (o livro é realmente fantástico!)
a.) Abrir a porta: destrankenb.)
Bombardeio: bombascaenc.)
Chuva: gotascaend.)
Vaso: frask

Colaboração by Moni



Free Counter

sexta-feira, agosto 01, 2008

MAESTRO VICENTE GIMENES

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
Rádio Educadora de Piracicaba AM 1060 Khertz
Sábado das 10horas ás 11 horas da Manhã
Transmissão ao vivo pela internet : http://www.educadora1060.com.br/

A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/

Entrevista 1: Publicada: Ás Terças-Feiras na Tribuna Piracicabana

Entrevista 2: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://www.tribunatp.com.br/

http://www.teleresponde.com.br/index.htm

Entrevistado: MAESTRO VICENTE GIMENES

DATA: (30/julho/2008)


O objetivo que o ser humano persegue é alcançar certo equilíbrio, no qual nem o interior nem o exterior predominem, mas ambos sejam igualmente complementares um ao outro. As pessoas têm se tornado tão voltadas para fora que não conseguem, nem mesmo por um simples momento, sentar em silêncio. O medo é encontrar o vazio e uma vez que ele seja encontrado, a vida perde todo o interesse, todo o sabor, todo o sentido e significado. Muitos fogem de si mesmo. E chamam de divertimento a essa fuga. Culturalmente nosso povo não põe a educação como um objetivo central da vida. A Finlândia criou, com medidas simples e focadas no professor, o mais invejado sistema educacional Quem entra numa escola na Finlândia se espanta com a simplicidade das instalações. O segredo da boa educação finlandesa realmente não está na parafernália tecnológica, mas numa aposta nas duas bases de qualquer sistema educacional. A primeira é o currículo amplo, que inclui o ensino de música, arte e pelo menos duas línguas estrangeiras. A segunda é a formação de professores. O título de mestrado é exigido até para os educadores do ensino básico. Vivendo praticamente no anonimato, dono de uma cultura invejável, cercado pelos seus inúmeros títulos, diplomas, troféus, medalhas e títulos. Uma vasta biblioteca, e alguns instrumentos de valor sentimental ou mesmo curiosos, como por exemplo, o cilício, uma série de pequenas correntes que eram atadas ou mesmo utilizadas nas sexta feiras como instrumento de suplicio do postulante á carreira religiosa. Um instrumento de flagelo Para a religião católica, evitar o sofrimento nem sempre é bom. Pelo contrário, a dor pode ser bendita e glorificada. A renúncia aos prazeres mundanos, ou até a busca de sofrimento físico, são considerados louváveis se vistos como forma de se entregar a Deus. Maestro Vicente Gimenes é nascido no município de São Paulo, mas é Cidadão Piracicabano, Cidadão Barbarense, Cidadão Saltinhense, Cidadão Riopedrense, Cidadão Sãopedrense.
O senhor nasceu onde?
Nasci em 13 de novembro de 1916, na localidade de Belém, hoje denominada, Franco da Rocha, na época Município de São Paulo, e uma choupana feita de barro e coberta de sapé. Com três anos de idade meus pais foram para a cidade de Igarapava. Mudamos para Araçatuba quando eu tinha uns quatro anos de idade. A Estrada de Ferro Noroeste estava no fim da sua construção. Meu pai João Gimenes mudou-se para lá porque a cidade estava em franco progresso, ele como carpinteiro, tinha muito serviço, toda casa que era construída precisava ser feito o madeiramento. Minha família era muito religiosa, fui coroinha na capela da vila até meus treze anos de idade. Vim para o Seminário Seráfico São Fidélis em Piracicaba, trazido pela minha mãe, Trindade Garcia Gimenes. Minha mãe nasceu em Argel, na Argélia. Meu avô, não queria que ela tivesse a nacionalidade africana, com menos de um ano de idade ela foi registrada como nascida na Espanha! Terminei meu curso onde estudei: português, geografia, história, ciências, civilidade, religião, música, canto gregoriano, italiano, francês, latim, grego, noções de regência e rudimentos de teatro. Tive o início musical com Frei Leonardo encarregado da música figurativa. A formação completa de Canto Gregoriano eu tive com Frei Alberto, formado no Conservatório de Viena. Com o mesmo frade tive aulas de latim. Do Seminário Seráfico São Fidelis, fui para o Seminário Diocesano de Campinas, cujo reitor era Emílio José Salim, fundador da Faculdade de Filosofia de Campinas. Nesse seminário além dos demais estudos tive aulas de grego com o célebre Padre. Ludovico, em conjunto com os meus colegas, que são os padres Talassi, vigário em Rafard e Padre Romário, já falecido. Tive aulas de canto gregoriano com Monsenhor Moura. Saindo do Seminário Diocesano, passei alguns dias em São Paulo onde recebi orientações sobre canto gregoriano do Maestro Furio Francesquini professor de música no Seminário do Ipiranga. Voltei para Piracicaba, para fazer o Noviciado com os padres capuchinhos. Após concluir esse período fui fazer o curso de Filosofia em Mococa. Nesse curso tive aperfeiçoamento da língua latina, rudimentos da língua hebraica, com Frei Fidelis. Passei a fazer o curso de Teologia. Quando faltavam três anos para a ordenação sacerdotal, tomei a decisão de não ser sacerdote. Permaneci morando em Piracicaba, obtive o registro definitivo no Ministério de Educação e Cultura para lecionar greg, latim e música. Terminei o curso de canto. Em 1954 conclui o Curso Superior de Canto Orfeônico.
O senhor é regente?
Em 1970 recebi o certificado de compositor e regente da Ordem dos Músicos do Brasil. Na ocasião foi feita uma homenagem onde estavam presentes: Francisco Petrônio, Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Vanderléia.
Quais foram os corais que o senhor já regeu?
Foram: o Coral do Seminário Seráfico, de 1934 a 1935, sendo meus cantores: Otávio Ribeiro, Angelin, José Roveli, depois passou a ser Frei Paulino. Regi o Coral Santa Cecília, misto, na Vila Anastácio, São Paulo. Regi o Coral dos Filósofos e Teólogos de Mococa. Sou um dos fundadores do Coral Pio XI em Campinas. Organizador do Coral Santa Cecília da Igreja Bom Jesus, fundado pelo Padre Amaral, depois Bispo de Taubaté. Fui um dos organizadores do Coral Santa Cecília de Botucatu, com o Padre Pisani. Regi os corais de São Pedro, Santa Bárbara D`Oeste, das normalistas do Colégio Santa Bárbara, da Vila Rezende, Coral “Mário Dedini”(das indústrias Dedini, composto só por vozes masculinas). Coral Diocesano da Catedral, isso foi no tempo do primeiro Bispo de Piracicaba Dom Ernesto. Um dos fundadores e organizador do Coral São Luiz fundado em 24 de fevereiro de 1952. Coral das Indústrias Philips. Coral de Saltinho. Formei o orfeão da Escola Dario Brasil, com discos gravados em São Paulo. Regi o Orfeão das Normalistas do Sud Menucci que fora fundado e organizado por Fabiano Lozano. Reorganizei o Orfeão Piracicabano com uma música executada no velho Teatro Santo Estevão. Comecei a tocar na matriz de Santo Antonio, hoje Catedral em 1943.
O senhor é compositor oficial dos hinos de algumas cidades?
Sou compositor oficial do Hino de Santa Barbara D´Oeste, de Saltinho, de Borebi.
O senhor participou da fundação de vários colégios?
Sou um dos fundadores do Colégio “Emílio Romi” de Santa Bárbara D`Oeste juntamente com o Professor José Noronha e Professora Lourdes Grisoto. Também do Colégio São Pedro juntamente com o Professor José Noronha e professor Benedito Cotrim sou um dos fundadores. Participei da fundação do Colégio “Monsenhor Gerônimo Gallo” com os professores Ivo Ducatti, Grillo, Di Lello. Em Rio das Pedras juntamente com Dona Iza e Professor Jussiê, além de outros mestres, fundamos o Colégio de Rio das Pedras.
O senhor possui vários arranjos para músicas sacras e profanas?
Fiz arranjos e composições a 4 vozes mistas de músicas sacras e profanas, entre elas está o arranjo a 4 vozes mistas de “Piracicaba” de Newton de Mello. Esse arranjo foi executado por corais de São Paulo, Alemanha, Suíça, França, Estados Unidos pelo coral “La Chanson” de Friburgo, Suíça.
O senhor lembra-se das línguas que aprendeu ainda jovem?
(Com ar indignado ele pergunta) Se eu me lembro? Claro que sim! Nesse momento Maestro Vicente dá uma volta ao mundo falando em diversos idiomas: espanhol, italiano, latim, grego, francês! Só fica um pouco tímido para falar em hebraico!
O senhor deu aula de línguas no Sud Mennucci?
Lecionei grego, latim, espanhol e música no Sud Menucci!
O senhor chegou a usar habito no seminário?
Usei. Até transferir-me para o Seminário Diocesano de Campinas.
Por que o senhor acha que não seguiu a carreira religiosa?
Vocação é um mistério! A certeza existe na cabeça do indivíduo, só que a realidade nem sempre obedece a essa certeza.
Qual é a diferença entre regente e maestro?
Quem rege é regente. Não é maestro. Maestro tem que ter curso superior de música. Eu tenho o curso superior de música, feito em São Paulo, do tempo do Canto Orfeônico João Batista Julião, com orientação de Villa Lobos.
O que atrai o senhor na música?
Ainda como coroinha eu já cantava a ladainha. Minha voz de menino era admirada por aqueles que a ouviam.
O senhor toca órgão?
Toco! O órgão da Catedral veio da cidade de Santos. Lembro-me quando foi montado esse órgão. O montador do órgão chamava-se Rigatto. Para a inauguração veio um grande maestro de São Paulo. Após a inauguração, o primeiro que colocou a mão fui eu!
Qual a diferença entre orfeão e coral?
Orfeão geralmente é cantado após decorarem a música. Coral lê a musica!
O que sente um maestro ao reger um coral?
O maestro transmite o sentimento para os cantores! O maestro quando rege dá o seu sentimento! Ele dá o colorido da execução! A personalidade do maestro é que faz o coral.
Quantos ensaios devem ser feitos por semana?
Geralmente dois ensaios.
O senhor conheceu o Teatro Santo Estevão?
Regi o Coral Piracicabano no Teatro Santo Estevão! A Cidinha Mahle era minha cantora na época!
O senhor conheceu o Comendador Mário Dedini?
Conheci! E executei com o Coral São Luiz várias músicas dentro da casa dele, ali na Rua Santo Antonio! Apesar de ser um homem de posses não era orgulhoso!
O senhor esteve com algum Papa?
Eu estava visitando o Vaticano e tinha uma comissão francesa que havia marcado audiência com o Papa. Eu via aquela turma, vi que fizeram uma fila, entrei na fila, me deram um cartão de acesso! Percebi que durante o trajeto até onde estava o Papa olhavam para mim com ar de interrogação, como dizendo: “Quem será esse sujeito?”. Ao chegarmos ao destino, foi feito um semicírculo, nesse momento entrou João Paulo II. Imediatamente eu gritei em latim: “Dá-me sua benção! Para mim e para minha família!”. Ele deixou a todos e perguntou-me se eu falava latim. Perguntou-me de onde eu vinha. Disse-lhe que era brasileiro e de Piracicaba! Ao despedir-se de mim o fez em italiano. Em latim quando se chega a algum lugar deve-se cumprimentar dizendo Ave! As palavras dirigidas pelos gladiadores ao imperador, antes de entrarem em luta eram: “Ave Caesar, morituri te salutant” que significa: “Salve César, os que vão morrer te saúdam”. Eu acho que o Papa deveria despedir-se e latim: Salve! (Até logo!). Posso dizer que falei com o Papa em latim!
O senhor lembra-se da missa em latim?
Lembro-me sim! “Introibo ad altare Dei” (Entrarei ao altar de Deus). “Ad deum qui laetificat juventutem meam” (A Deus, que alegrou minha juventude). Era isso mesmo, não é? Pergunta o maestro com a expressão do coroinha do tempo em que Araçatuba era sertão.




Free Counter

Arquivo do blog