Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, agosto 31, 2008

ELIZABETE LIBARDI FEREZINI 102 ANOS DE VIDA FELIZ

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
Rádio Educadora de Piracicaba AM 1060 Khertz
Sábado das 10horas ás 11 horas da Manhã
Transmissão ao vivo pela internet : http://www.educadora1060.com.br/

A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/

Entrevista 1: Publicada: Ás Terças-Feiras na Tribuna Piracicabana

Entrevista 2: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://www.tribunatp.com.br/

http://www.teleresponde.com.br/index.htm

http://blognassif.blogspot.com/


Entrevistado: ELIZABETE LIBARDI FEREZINI

DATA: (24 DE AGOSTO DE 2008)




No dia 26 de agosto o Lar dos Velhinhos completou 102 anos de fundação. A mesma idade da nossa entrevistada!


Dona Elizabete, ou Isabel como também é conhecida, reside em sua própria casa, no bairro da Paulista. Sob os olhares cuidadosos da sua grande família que em um revezamento pré-agendado a acompanha de perto. Se o Lar dos Velhinhos passou por inúmeras transformações e tornou-se a Primeira Cidade Geriátrica do Brasil, Dona Elizabete mantém os hábitos adquiridos imutáveis, entre eles rezar um terço todos os dias, bordar crochê, e sorrir, sempre sorrir! Ela carrega um sorriso quase santificado, terno, brando, suave. É impossível não se render de imediato á uma pessoa tão carismática. Que conversa regularmente, conta causos, fã do Padre Marcelo. Todos os dias Dona Elizabete assiste a missa transmitida pela televisão! Devota fervorosa de Nossa Senhora Aparecida, conserva em seu quarto, imagens da mesma. E não dispensa um pouco de vinho ingerido á refeição principal. Em 1950 o armazém do bairro rural Pau Queimado foi adquirido pela família, onde o casal permaneceu até 1976. Era o ponto de encontro dos moradores próximos. Na época havia umas oito olarias nas proximidades. Tinha cancha para jogo de bocce, campo de futebol. Na igreja local eram celebradas missas por vários religiosos, entre eles Frei Agostinho de Penápolis, Frei Paulo, que percorria andando a pé os seis quilômetros de distancia do bairro até a cidade. Descia o denominado na época de Morro do Enxofre, hoje final da Avenida Madre Maria Teodora. Seguia até onde hoje existe o terminal de ônibus e continuava caminhando no sentido de Anhumas. Existem até hoje a igreja, o armazém, o bocce, o campo de futebol. Participamos de uma reunião de família, onde ouvimos algumas palavras de descendentes de Dona Elisabete. Um dos filhos, o Guido mora em outro estado do Brasil. .

O que a senhora está fazendo agora?
Trabalhando neste guardanapo, fazendo crochê. Este trabalho não demora muito para ser feito. Em dois dias fiz os arremates do guardanapo em crochê. Comecei a fazer crochê aos oito anos de idade hoje estou com 102 anos! Nasci em 17 de junho de 1906 em Saltinho. Sou descendente de tiroleses.
O que a senhora faz para ter tanta saúde?
Não faço nada! Levanto, tomo café e começo a trabalhar bordando. Hoje já rezei o terço para todos os meus filhos, para as pessoas doentes. Este terço veio de Pirapora, meu filho Roque é quem trouxe para mim. Eu almoço, durmo umas duas horas.
A senhora gosta de vinho?
Gosto! Gosto de tomar de vinho na hora do almoço. Meu nonno apanhava a uva, colocava-a em uma esteira, onde permanecia por um ou dois dias para enxugar a água contida na uva. Depois ele pisava, dentro da metade de uma cartola de madeira. O líquido era colocado dentro de uma outra cartola, fechada, onde ficava por três dias, quando era então retirado. Depois de oito dias permanecia para se apurar. Assim saia o vinho.
Qual a quantidade de vinho que a senhora considera ideal para acompanhar a refeição?
Meio copo de vinho. Apenas isso, não se deve misturar com outras bebidas alcoólicas.
Na vida toda da senhora, só trabalhou bordando?
Nom! He...he! (Ela responde com sotaque italiano bem acentuado). Trabalhei como uma condenada quando era moça. Eu era mocinha e já trabalhava com enxada, lá na fazenda do Velho Vitorião (Vitório Bortoletto). Eu morava no Bairro Passa Cinco. Meu pai Pedro Libardi era da família Libardi, de Saltinho, ele plantava milho, arroz, feijão. Minha mãe Emília Bortoletto, era filha do Velho Vitorião. Eles tiveram seis filhos. Eu apanhava café, com a mão pegava na vareta do pé de café e puxava. O meu “nonno” (avô) tinha mais de dois mil pés de café. Meus pais nasceram na Itália. Conheceram-se e casaram-se no Brasil.
Não machucava a mão?
Oh! Mas diga nem! Não só as mãos, como também os braços.
Como era a alimentação?
O café da manhã era polenta brustolada na gradella. Colocava-se a polenta em cima da gradella e a brasa em baixo, bebia-se leite. A água ficava em um garrafão de vidro, que ficava na sombra. N almoço comia-se arroz, feijão, verduras.
Qual era a roupa usada para trabalhar?
Vestido grosso, com manga, chapéu de palha. O sapato era andar na terra, descalço. Perto da nossa casa havia uma igreja, nós íamos á missa.
A senhora morou em Saltinho até quando?
Casei-me, aos 21 anos de idade com Antonio Ferezini. O casamento foi realizado na Catedral de Piracicaba. Mudei para o Bairro do Pau Queimado, exatamente no lugar onde é chamado de Morro do Sapo. Era propriedade de Jacob Ferezini casado Filomena Ferezini Pessatto. Em 1975 completamos 50 anos de casados.

Como filho primogênito do casal qual o nome que o senhor recebeu?
Meu nome é Oscarlino Ferezini, nascido no dia 14 de maio de 1930, sou o primeiro filho do casal. Hoje tenho 78 anos. Nascido no Bairro Pau Queimado, freqüentei a escola até o quarto ano, que ficava no bairro anteriormente denominado de Matão, hoje já como bairro urbano, integrante da cidade de Piracicaba, é denominado de Itapuã. Casei-me com Maria Luiza Carone Ferezini, tivemos cinco filhos, oito netos e uma bisneta. Portanto minha mãe Elizabete é tataravó!
Qual era a forma utilizada pelo senhor para chegar até a escola?
Vinha a pé. Vínhamos pela estrada. Naquele tempo ainda não tinha sido construída a Igreja da Paulicéia, vínhamos assistir a missa na Igreja Sagrado Coração de Jesus, comumente denominada Igreja dos Frades. Arrumava um companheiro para vir junto. A escola era das 8 da manhã até as 12 horas. Eu saía de casa ás seis e meia da manhã, trazia os cadernos em uma bolsa de pano. Vinha descalço. Comecei a usar sapato aos 14 anos de idade.
O senhor não gostava de calçar sapatos?
Não tínhamos condições para adquiri-los!
Havia alguma coisa para comer na escola?
Não existia nada!
Como era o café da manhã do senhor?
Café com queijo. Quando voltava, almoçava e ia ajudar o meu pai. Meu pai trabalha fornecendo para o Mercado Municipal, eu ficava até a noite para amarrar maços de verduras. De duas a três vezes por semana ele trazia verduras para o Mercado, utilizava carrinho com tração animal. Meu pai tinha dois alqueires de terra no Bairro do Matão. As verduras eram molhadas com regador, a água era retirada de um ribeirão que existe no local. Naquele tempo era possível beber a água do ribeirão, embora existisse poço de água em casa.
A seguir nasceu Dona Carmem?
Exatamente! Meu nome é Carmelina Ferezini, também chamada por Carmem nascida em 16 de julho de 1932. Quando nasci ainda estávamos no Morro do Sapo, vizinho ao Pau Queimado. Freqüentei até o quarto ano. Casei-me em 1960, na Catedral, com Nelson Andia, agricultor. Temos três filhas, cinco netos. Trabalhei por muito tempo, como costureira em uma camisaria chamada Camisaria Brasil, que ficava no final da Rua Governador Pedro de Toledo.
O próximo filho a nascer foi o Roque?
Perfeito! Meu nome é Roque Ferezini, sou casado com Antonia Madalena Sartori Frerezini, tenho três filhos. Nasci no Pau Queimado. Do Pau Queimado, ali no Morro do Sapo. Mudamos para o Matão. Eu vinha a pé até a escola Dr. João Conceição, situada no prédio que existe até hoje, ao lado da Igreja dos Frades. Eu vinha a pé para escola cortando o caminho por baixo. Saia do Matão subia o Morro do Enxofre, e chegava até a escola. Nós vínhamos em um grupo com três ou quatro colegas, todos de sacolinha de pano e descalços. Trabalhei um tempo na fábrica de fogos de propriedade de José Balistiero Filho, que ficava no Pau Queimado. Chamava-se Pirotécnica São Benedito. Fazia bomba, rojão, fogos de artifício. Muitas vezes viemos queimar fogos de artifício na Catedral de Piracicaba. Íamos muito á Anhembi, na Festa do Divino. Eu ajudava a montar a bateria de fogos.
Essa fábrica fazia o rojão de vara?
Fazia! O rojão de vara é feito com vara cortada no mato, chamada propriamente de vara de rojão, faz-se um estopim, amarrado na ponta.
Ao dirigir-se á escola o senhor correu de algum boi bravo?
Muitas vezes chegávamos a ter medo, evitávamos em passar muito próximo do animal.
Havia uma carregadeira de boi da Estrada de Ferro Paulista, (N.J. Onde hoje existe um terreno baldio, ao lado do Restaurante Frios Paulista é parte remanescente do que foi no passado prolongamento da Estrada de Ferro. Essa área se estendia até onde hoje há um depósito de areia, pedras, na esquina da Avenida Nove de Julho).
O trem parava para a descarga de gado vivo. A cada vagão esvaziado a locomotiva realizava um movimento para alinhar a porta do próximo vagão com a prancha de descarga. Ás vezes a composição permanecia por períodos maiores, impedindo o tráfego da Rua do Rosário. Os pedestres se arriscavam a passar debaixo dos engates entre um vagão e outro.

O senhor chegou realizar esse tipo de travessia?
Nós tínhamos que esperar. Ás vezes nós ficávamos enjoados de ficar ali esperando, então passávamos por debaixo! Existia no pátio de manobra da estação um dispositivo para girar a frente da locomotiva a vapor no sentido contrário a que tinha chegado na estação. Eu gostava de ficar olhando.
(N.J.A seguir nasceu Brasília, filha de Dona Elisabete. Que não estava presente no momento. Em seguida o Filho Jacob Ferezini).
Jacob o senhor nasceu no Matão?
Meu nome é Jacob Ferezini, que é o nome do meu avô, pai do meu pai. Tenho um filho que se chama Jacob Ferezini Júnior. Eu nasci em 8 de outubro de 1940. Estudei no Grupo João Conceição, ao lado da Igreja dos Frades. Vinha a pé do Matão até a escola. Minha primeira professora foi Dona Maria Baiana, era muito brava. Para ir ao banheiro era necessário levantar dois dedos. Não havia merenda e nem cantina. Cada um levava seu próprio lanchinho: uma banana, um pedaço de pão, um pedaço de batata doce. Não havia uniforme. A criançada ia descalça. Era comum usarem as famosas Alpargatas Rodas. O pé era deformado, por não usarem calçados. As Alpargatas por serem molinhas, de tecido, era confortável. Eu tinha 11 anos de idade quando a nossa família comprou o armazém do Pau Queimado. Meu pai vinha ao Mercado vender, antes de voltar para casa, ele ficava lendo o jornal na casa de um tio. Ele achava que não dava para ficar todo mundo na roça, a família tinha crescido. Ele dizia que iríamos comprar um comércio. Um tio nosso, chamado João Canale, pai do falecido Décio Canale. Ele alugou no período de 1949 á 1951 ao Sr. Izidoro(Nenê) Lopez, o armazém. O João Canale resolveu vender para o cunhado dele, que é o meu pai. Foi quando o Oscarlino assumiu a frente do armazém. Isso foi em 1951. Ele vinha de carrinho de tração animal buscar pão na Padaria Cruzeiro, do Berto Saches. Ficava na Avenida Dr. Paulo de Moraes, quase em frente onde hoje está o Toninho Lubrificantes. Levava pão salgado, pão doce. Quando chovia era triste. O cavalo desse carrinho chamava-se Palhaço, ele balançava!
Qual era o prato que se a Dona Elisabete fizesse todo mundo ficava com água na boca?
Os filhos não pensam duas vezes para responderem: Polenta com frango!
O rádio, assim que apareceu funcionava como?
No antigo bairro Matão hoje Itapuã não existia energia elétrica. O rádio funcionava com bateria, acumulador. Nós pegávamos no Lilo Barbosa, aqui próximo ao Pontilhão da Paulista. O primeiro rádio que tivemos a marca era Imperial.
Na época existiam umas velinhas que eram acesas com água e óleo dentro de um copo?
Essas velas eram chamadas de “mariposa”! Acendia-se em louvor á um santo ou mesmo para deixar uma luz funcionando.
Qual a primeira condução que a família teve?
Roque responde: Foi um Ford 1929, uma caminhonete. Eu cheguei a transportar crianças para a escola com essa caminhonete. Colocava um toldo na carroceria e levava a criançada do Serrote ao Pau Queimado. Iam doze a treze crianças. Isso quando elas eram pequenas, ao final do curso como tinham crescido nesse período já não cabia mais na caminhonete! Eu ganhava da prefeitura para fazer essas viagens. Havia três assentos na carroceria.
Daniel Ferezini, o senhor é o caçula?
Exatamente! Nasci no dia 21 de novembro de 1947. Casei em 12 de maio de 1973. Estudei na Escola do Pau Queimado, que é a Escola Professor Carlos Sodero. Naquele tempo nós vendíamos muito querosene, porque não havia luz no sítio. Outro item que saia bastante era o fumo de corda. Geralmente a pessoa ia comprar, mas não tinha muito dinheiro. Queria apenas um pedacinho. Quando eram cinqüenta gramas era pesado na balança. Agora menos do que isso a balança não pesava, tinha que ser cortado no cálculo visual. Sempre tinha aqueles clientes exigentes. Quando eu ia cortar o pedaço de fumo eles diziam: “-Não vai cortar a unha!”. (risos).







Free Counter

Arquivo do blog