Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, agosto 17, 2008

TEATRO MUCIPAL DR. LOSSO NETTO PIRACICABA

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
Rádio Educadora de Piracicaba AM 1060 Khertz
Sábado das 10horas ás 11 horas da Manhã
Transmissão ao vivo pela internet : http://www.educadora1060.com.br/

A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/

Entrevista 1: Publicada: Ás Terças-Feiras na Tribuna Piracicabana

Entrevista 2: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://www.tribunatp.com.br/

http://www.teleresponde.com.br/index.htm


Entrevistado: OLÍVIO NAZARENO ALLEONI

DATA: (09/AGOSTO/2008)


Olívio Nazareno Alleoni é médico, nascido em Piracicaba, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba. Em seu livro “Uma Fresta Para o Passado”, trata da presença Italiana em Piracicaba. Escreveu o livro “Cururu Em Piracicaba”. Realizou uma obra de fôlego, abordando o período de 1906 á 2006 em sua obra “Lar dos Velhinhos de Piracicaba”. Reunindo informações, pesquisando, garimpando, agora lança mais uma obra: “Teatro Dr. Losso Netto – Três Décadas de Cultura”. São 30 anos de informações que atestam não só o período da construção física do prédio, mas também de contrastes e mudanças de costumes da própria população. O período que antecede a construção do “Teatro Dr. Losso Netto”, época do velho Teatro Santo Estevão, é descrito de forma clara. Detalhes da derrubada do palco sagrado, onde pisaram artistas de renome. O projeto original do “Teatro Dr. Losso Netto” tinha a dimensão de um administrador que sempre pensou de forma maiúscula, falecido repentinamente. Esse projeto, na época ainda em construção, foi amputado, mudado, transformado, mas passou a existir um espaço para que a arte milenar do teatro se apresentasse á Piracicaba.
O primeiro livro que o senhor escreveu “Uma Fresta Para o Passado” chegou a atingir localidades bem distantes de Piracicaba?
Apesar de ser um livro escrito sobre Piracicaba, nada mais é do que uma mostra do que aconteceu em todo o Brasil com os imigrantes italianos. Muito pouco diferiu aqui com outros locais. Isso cria uma memória, não com o empenho de fazer revanchismo, mas com o empenho de mostrar o que os imigrantes passaram. Esse livro abrange até o período da Primeira Guerra Mundial. Era para ser dada continuidade em um segundo livro. Surgiu a necessidade de escrever sobre Sebastião da Silva Bueno, o Nhô Serra. Cururueiro extremamente importante. Observamos o cururu em toda essa região que abrange Piracicaba, São Pedro, Capivari, Tietê, indo até Pirapora, avançando por Sorocaba até Barra Bonita. Esses livros tiveram uma repercussão tão boa, que me senti extremamente honrado quando o Dr. Jairo Ribeiro de Mattos, Presidente do Lar dos Velhinhos, me convidou para escrever sobre os 100 anos do Lar dos Velhinhos de Piracicaba. Foi um desafio grande, fiz questão de revirar todos os papéis, fazer todos os levantamentos possíveis. É um livro que foi feito em quatro cores, os direitos foram doados ao Lar dos Velhinhos, que é uma entidade que necessita de ajuda. Esse livro encontra-se á venda no Lar dos Velhinhos e a renda é inteiramente voltada em benefício do Lar dos Velhinhos. Quem puder adquiri-lo estará contribuindo para gerar renda para o Lar dos Velhinhos. O livro tem mais de quatrocentas fotos. Tive mais uma surpresa esse ano quando fui solicitado para escrever sobre o Teatro Municipal de Piracicaba. Foi um livro escrito falando de uma entidade e de uma grande personagem. O Teatro Municipal de Piraicaba leva o nome de Teatro Municipal Dr. Losso Netto, que dedicou a sua vida ao jornalismo, á defesa dos direitos humanos. Inclusive, em um tempo em que não se falava muito sobre condições ambientais, nas décadas de 50, 60, ele se atirou de corpo e alma em uma luta contra alguns fatos que degradavam o meio ambiente. Se ele venceu, ou deixou de vencer juridicamente essa contenda, ele conseguiu com que notificações extremamente grandes fossem executadas em Piracicaba, salvaguardando o meio ambiente. Dr. Losso assumiu o Jornal de Piracicaba na década de 40 juntamente com seus irmãos, permanecendo nessa luta até a década de 85, quando ocorreu o seu falecimento. Ironicamente digo nesse livro que Dr. Losso Neto empunhou da caneta e utilizou-a para fazer Piracicaba crescer. Usando-a inclusive como espada para combates em defesa de direitos individuais e direitos coletivos. Toda a população e toda pessoa merece respeito.
O local onde foi construído o teatro o que era anteriormente?
Esse local, na década de 50 era um pasto. Nesse pasto passava o Riacho Itapeva, tinha uma bica um pouco á direita chamada Olho de Nhá Rita.
O Olho de Nhá Rita é a nascente do Itapeva?
Não. O Riacho Itapeva continua mais acima. O Riacho Itapeva é formado pelo Olho de Nhá Rita, por uma outra bica de água que nascia e descia do Seminário São Fidelis. E ainda por uma terceira bica d água menor, que nascia mais acima, na direção da Avenida 31 de Março e formavam o Riacho Itapeva.
Esse pasto era de propriedade pública?
Esse pasto era de propriedade particular. Muito apreciado pelos moleques, que gostavam de nadar em um dois poços de água. O poção onde nadavam os maiores e o poçinho onde os menores também nadavam. Uma parte dessa área pertencia aos Frades Capuchinhos, isso em 1900 aproximadamente. Depois passou a ser propriedade das freiras. Esse terreno foi desapropriado no tempo do prefeito Guidotti e lá veio a ser erigido o teatro. O Teatro Municipal começa a sua história de uma maneira irônica e tormentosa.
Onde eram levadas ao público as peças antes da construção do Teatro Dr. Losso Netto?
Anteriormente havia o Teatro Santo Estevão. Ele foi construído por volta de 1870 na região central de Piracicaba. Nas proximidades do local onde hoje está o monumento aos combatentes de 1932. Ele abrangia aquela área do jardim. Tinha vinte metros de frente por trinta de profundidade. Atrás havia um pequeno sanitário, externo. Em 1850 já havia sido construído um barracão, Arcanjo Dutra que solicitou a construção do barracão, com o intuito de se criar um teatro. Era uma construção extremamente rústica. Em 1890 passou por uma reforma. E na década de 10 passou por outra reforma. Quando foi transformado o prédio em uma construção feita por tijolos é ainda discutível.
Até quando o Teatro Santo Estevão permaneceu?
Permaneceu até 1953. Teve sua fase áurea com apresentações com Procópio Ferreira, Lyson Gaster, e outros artistas. Ele começou a cair em certo ostracismo. Nas décadas de 30, 40, foi decrescendo. Na década de 40 caiu um grande teatro em Campinas matando duzentas pessoas e ferindo mais quatrocentas. Segundo dizem isso criou certa neurose com relação aos edifícios velhos. Havia o temor de que alguns edifícios viessem a ruírem e provocassem acidentes de grandes proporções. Essa preocupação parece que se estendeu até Piracicaba, foi formada uma comissão, e essa comissão optou pela derrubada do Teatro Santo Estevão. Essa é uma das histórias. A derrubada do Teatro Santo Estevão é bastante prolixa. Existem outros fatos, outras teorias. Existem algumas hipóteses relatadas como prováveis, mas nada há de concreto. Nesse período em que foi derrubado o Teatro Santo Estevão, fato ocorrido em 1953. Não houve outro teatro em Piracicaba á disposição da população. Havia o Teatro São José, quando menciono á disposição da população me refiro á preços módicos. A acústica deixa há desejar um pouco, mas ele nunca deixou de funcionar, mas sempre a preços que fugiam ao acesso popular. O cine Broadway poderia eventualmente ser utilizado como teatro. Assim como o Dispensário dos Pobres foi um local muito utilizado como teatro amador de Piracicaba. Havia uma série de ambientes religiosos onde eram utilizados como teatro. A acessibilidade para peças mais severas, com maior contexto, foi distanciada do povo. A Prefeitura Municipal tentou comprar o Teatro São José por duas ou três vezes, sem que conseguisse realizar a negociação. Piracicaba ficou sem um local onde pudessem ser apresentadas peças teatrais. Enquanto isso Campinas continuava crescendo, outros centros desenvolvendo-se e infelizmente Piracicaba delegada a um segundo plano. Essas motivações permaneceram até a década de 60, quando tomou posse o Prefeito Luciano Guidotti. A fase de 1964 trouxe uma série de modificações na distribuição monetária aos municípios. Isso permitiu que em 1965 os municípios se vissem recebendo um excesso de dinheiro. Foi um tempo de “folias”. Muitos prefeitos não sabiam o que fazer com os recursos. Criavam fontes luminosas, chafarizes, jardins. Graças ao tino administrativo do Sr. Luciano Guidotti, foi nessa fase que se pensou em criar um estádio municipal, foram construídas as duas pontes, e se lançou o Teatro Municipal. Se por um lado Luciano Guidotti tinha um tino administrativo extremamente bom, por outro lado ele tinha certa mania de realizar grandes obras. O Teatro Municipal quando foi começado a erigir era um teatro de primeira linha. Bastam imaginar que ele tinha palcos totalmente móveis com mecanismos hidráulicos, escapes laterais. Aonde se situava o Cine Grande Otelo era nada mais do que o poço de orquestra! Havia condições de trazer peças de grande envergadura, óperas. Se tivesse saído um teatro dessa magnitude nós teríamos um teatro de primeira linha até hoje. Os valores envolvidos nesse projeto eram bem significativos. Nessa época Luciano Guidotti, após um jantar sofreu um infarto que lhe tirou a vida. Com isso o teatro foi relegado á um segundo plano. Na metas de outros governantes que sucederam á Luciano havia outras metas mais importantes a serem atingidas.
Quantas pessoas cabem hoje no teatro?
Na sala principal comporta 670 a 680 pessoas na sala principal. Mais 120 pessoas na sala Dois. Além disso, existe uma área na recepção do teatro onde cabem 500 a 600 pessoas.
A inauguração do teatro foi feita com a presença na platéia dos trabalhadores que o construíram?
Exatamente! As ações governamentais das décadas de 70 e 80 eram ações com alto timbre socialistas, onde se tentava privilegiar de maneira intensa as pessoas que tivessem as menores condições possíveis. Nessa filosofia, quando o teatro foi inaugurado, os trabalhadores braçais, foram chamados para assistirem ao show de Ivan Lins. A peça que deveria ter sido utilizada era de Gianfrancesco Guarnieri “Eles não usam Black-tie”. Que é também uma peça de cunho político.
O principal papel do teatro e suas apresentações é instigar o público a raciocinar?
É obrigar a pessoa a ver não só aquilo a que ela está acostumada, como também a ver outras verdades. Que eu também não sei se são sadias ou não. Cabe á própria população decidir.
O senhor foi muito feliz em colocar fotos de cartazes de alguns dos principais espetáculos encenados no Teatro Municipal.
Esses cartazes me causaram muita angustia. Eu tinha á disposição de 400 a 500 cartazes, de peças que foram levadas no Teatro Dr. Losso Neto. Isso é uma pequena mostra do que foi apresentado. A movimentação foi muito maior. Por ano foram apresentadas aproximadamente 100 peças grandes. Sem contar as peças do teatro amador na sala Dois. Se contabilizarmos ao todo duzentas peças por ano, são 6.000 nesses trinta anos!
Optei em colocar alguns cartazes, com um resumo básico do texto, para situar o leitor com relação ao cartaz em destaque. De 500 escolher 50 cartazes foi difícil. Senti-me um pouco arbitrário em discriminar esses cartazes, mas oportunamente espero trazer ao público a totalidade desses valores.
Qual foi o critério que o senhor usou para selecionar esses cartazes?
O critério está embasado em parte nas próprias modificações que o teatro causou na sociedade. Fui ver as peças mais significativas dentro das modificações sociais, culturais na sociedade.
Qual é a importância do teatro em uma cidade como Piracicaba?
Em minha opinião, o teatro é sempre uma alfinetada existencial! Quando o ator incorpora a personagem ele consegue transmitir sua mensagem com uma veracidade arrasadora. O público, a cada momento, dentro do seu estado de espírito, irá incorporar alguma coisa, que o ator está tentando veicular. Não se discute o que o teatro traz para uma pequena, média ou grande cidade. Desde que se tenha um público sensível á uma discussão interna pelo que o teatro está transmitindo ele já causou um impacto existencial. Se ele criou uma discussão interna, já provocou uma modificação.





Free Counter

Arquivo do blog