Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

terça-feira, setembro 23, 2008

ADILSON (GAROA) VICENTE SCARPELIM

A dermopigmentação é o ato de pigmentar ou colorir a pele. Também chamada de tatuagem, em francês tatouage ou tattoo em inglês. O termo tem sua origem em línguas polinésias na palavra tatau. Era o som feito durante a execução da tatuagem,onde se utilizavam ossos finos como agulhas e uma espécie de martelinho para introduzir a tinta na pele. Pesquisas arqueológicas afirmam que já foram feitas tatuagens no Egito entre 4.000 a.C e 2.000 a.C. Nativos da Polinésia, Filipinas, Indonésia e Nova Zelândia, tatuavam-se em rituais ligados a religião. Na Idade Média baniu-se a tatuagem da Europa. Em 787 ela foi proibida. Qualquer cicatriz, má formação ou desenho na pele não eram vistos com bons olhos. No século XVIII, porém, a tatuagem se tornou bastante popular entre os marinheiros. Com a circulação dos marinheiros ingleses, a tatuagem e a palavra tattoo entraram em contato com diversas outras civilizações novamente. Em 1879 o governo da Inglaterra adotou a tatuagem como uma forma de identificação de criminosos. A partir daí a tatuagem ganhou uma conotação fora-da-lei no Ocidente. Durante a Segunda Guerra Mundial, a tatuagem foi muito utilizada por soldados e marinheiros, que gravavam o nome da pessoa amada em seus corpos. Para identificação, nos campos de concentração os segregados eram tatuados no antebraço com números de série, ou outras identificações. Prática muito utilizada para identificar o povo judeu no período nazista. Com a evolução dos meios de comunicação, a tatagem passou a ser uma opção pessoal. São inúmeros os motivos que levam uma pessoa a marcar em seu próprio corpo um símbolo que ela poderá manter pela vida toda. O cantor Chico Buarque junto com Rui Guerra são autores da música cujo título é Tatuagem, composta em 1972 para a peça teatral Calabar:
Quero ficar no teu corpo feito tatuagemQue é pra te dar coragemPra seguir viagemQuando a noite vemE também pra me perpetuar em tua escravaQue você pega, esfrega, negaMas não lavaQuero brincar no teu corpo feito bailarinaQue logo se alucinaSalta e te iluminaQuando a noite vemE nos músculos exaustos do teu braçoRepousar frouxa, murcha, fartaMorta de cansaçoQuero pesar feito cruz nas tuas costasQue te retalha em postasMas no fundo gostasQuando a noite vemQuero ser a cicatriz risonha e corrosivaMarcada a frio, a ferro e fogoEm carne vivaCorações de mãeArpões, sereias e serpentesQue te rabiscam o corpo todoMas não sentes.
Adilson Vicente Scarpelim é um nome pouco conhecido em Piracicaba. Mas se for chamado pelo apelido de Garoa, veremos que é uma pessoa bem popular, principalmente entre aqueles que apreciam a arte da tatuagem. É interessante notar que de calça e camiseta Garoa não parece estar tatuado. Só quando retira sua camiseta é que percebemos o seu apreço pela atividade que realiza seus ombros, tórax, costas e braços estão estampando figuras, usando a própria pele como tela de pintura.
Garoa, você é um tatuador profissional, reconhecido pela qualidade do seu trabalho, não só em Piracicaba como em outras localidades onde já atuou. Quando foi despertado seu interesse pela arte de tatuar pessoas?
Trabalho com arte desde criança, no início pintava telas, quadros, camisetas. Era um hobby. Com o tempo fui direcionando esse talento para essa área, que mais complexa. Essa atividade acabou gerando um recurso financeiro maior do que obteria com quadros e camisetas. A partir dos dezesseis anos de idade eu passei a ter acesso a materiais apropriados, eu também tinha evoluído minhas aptidões para o desenho. Considero que a partir desse período é que eu estava fazendo arte. Até então eu estava fazendo o que é chamado de laboratório, ou seja, experiências. Praticamente sem nenhum compromisso maior. Eu nasci no dia 5 de julho de 1964, em Piracicaba, na Vila Rezende, mais exatamente no então Bairro do Paieiro, situado na Avenida Armando Dedini (Essa avenida passa em frente ao Shopping Piracicaba Hotel Íbis, ao lado do Shopping Piracicaba). Para começar meus estudos eu tinha duas opções, iniciar o primeiro ano com seis anos e meio de idade ou esperar que completasse os sete anos de idade. A idade regulamentar para iniciar os estudos era 7 anos de idade. Na ocasião o Sesi 165, uma escola da Vila Rezende, através da sua direção resolveu realizar um teste comigo. Esse teste implicava entre outras coisas, desenhar a minha família. Fiz tão bem o desenho que os responsáveis pela escola consideraram que eu tinha estrutura para começar a freqüentar o ano letivo com seis anos e meio de idade.
O artista geralmente passa a ter seu trabalho reconhecido de forma mais expressiva após morrer, e você quis sair dessa circunstancia?
Eu resolvi não ficar esperando que isso ocorresse!
Outras pessoas da sua família também desenham?
Eu tenho uma sobrinha, a Caroline, que desenha muito bem. Meu irmão, que é o pai dela, incentiva o seu trabalho. A técnica que ela utiliza é baseada em grafite (lápis). Ela tem como eu tive em minha infância, muito contato com livros, revistas, isso desperta na criança, no adolescente o interesse. No caso da Caroline, ela teve sempre á sua disposição papéis e lápis á disposição para usar á vontade. Isso acabou desenvolvendo sua veia artística. Meu filho Juliano desenha muito bem, também. Eu não acredito muito na existência de talento de uma pessoa para arte. Acredito na prática e na oportunidade. Logicamente que deve haver interesse da pessoa por aquilo que ela tem á mão.
A profissão de tatuador é regulamentada?
Não. Mas existem portarias que regulamentam a fiscalização, em particular da vigilância sanitária. Pelo fato de trabalharmos utilizando objetos perfurocortantes, a secretaria olhou para essa questão e há uma fiscalização muito rígida, que considero muito importante. Isso valoriza o trabalho daqueles que trabalham de acordo com as normas da vigilância sanitária. Isso transmite tranqüilidade para aqueles que desejam serem tatuados.
Você tem uma aparência pessoal que não é muito comum entre os tatuadores profissionais, que tem um visual mais radical. Isso é fruto da sua formação educacional?
Com certeza! È fruto da educação que recebi, do meio em que cresci. Por muito tempo trabalhei como office-boy, fui guarda-mirim, aos 10 anos de idade. Por realizar a função de office-boy, na época, havia um contato próximo com executivos das grandes empresas estabelecidas na cidade. Era um trabalho de confiança, onde é exigido um bom comportamento e muito respeito e educação. O comportamento tem que ser bastante discreto. Acredito que essa é a origem da minha característica, de não ser uma pessoa espetaculosa. Não uso tatuagem no antebraço, piercing, isso não significa que eu reprove quem usa. Não tenho cabelo cumprido, apesar de o tempo ter levado uma boa parte! (risos). Algumas pessoas quando vão ao eu estúdio pela primeira vez, sofrem uma decepção em suas expectativas de encontrarem um profissional com visual gritante. Perguntam para mim: “Cadê o Garoa?”.
Como você analisa o fato de ter começado a trabalhar aos 10 anos de idade na Guarda Mirim?
Foi excelente! Na época a lei permitia. Nessa fase é que começam a serem formadas algumas características da moralidade, vão se formando os conceitos do indivíduo sobre a sociedade. Se não existir o contato com o mundo, com os princípios de responsabilidades, acabam se formando um vácuo, um vazio, na formação intelectual e moral da pessoa. O meu trabalho não afetava meu desenvolvimento físico, não era um trabalho braçal. Não atrapalhava meus estudos. E ainda eu tinha uma remuneração que ajudava. A lei que rege as normas a serem adotadas com relação ao menor é muito genérica. Ela acaba não cumprindo o seu papel social. Tem que ser estabelecidas emendas para regulamentar da melhor forma possível essa situação. È importante que os menores trabalhem em boas empresas, que sejam influenciados por essas empresas, com isso no futuro haverá um profissional já preparado para o mercado. Se tiver que esperar o jovem completar 18 anos de idade para então passar a se integrar no mercado de trabalho, somente após a sua formação acadêmica, cria-se um período em que não há pessoas para realizar atividades básicas. O que acontece é que se coloca uma pessoa com 20 anos de idade para realizar uma tarefa que qualquer garoto faz. Essa pessoa está em uma faixa etária em que deve realizar atividades mais importantes! Mais complexas. Com isso é tirada a oportunidade do menor ter uma formação adequada e cria um adulto frustrado por ocupar cargos que não o realizam plenamente.
Como surgiu o seu cognome de Garoa?
Surgiu quando eu tinha uns 12 anos de idade, fui morar em São Paulo, na casa de um primo, e quando eu voltava para Piracicaba, meus amigos perguntavam: “-Como é a terra da garoa?” Ficou essa coisa de garoa, garoa, pegando o apelido.
Quando surgiu a sua decisão de realizar tatuagens?
Se você observar, irá notar a necessidade do ser humano de registrar fases da vida. Os que mais sentem essa necessidade são os jovens, eles são mais abertos á novidade. O jovenzinho está sempre se cutucando, querendo fazer um sinalzinho. Na minha época, na escola, havia aqueles que usavam a ponta do compasso para fazerem algum tipo de marca. No afã das paixões, pode ser o nome de uma namorada, um coraçãozinho. Quando passei por esse período não fiquei só na ponta do compasso. Peguei agulhas e tintas e fiz em mim mesmo. Existe uma definição de uma socióloga que achei muito interessante. Ela diz que a tatuagem vem suprir as necessidades de rituais que faltam na nossa cultura. Temos poucos rituais que registram nossas fases de vida: batizado, crisma, casamento. È um número baixo de rituais. O ser humano tem uma necessidade intensa de registrar, marcar suas fases. Surge então o impulso de se tatuar. Hoje existem muitos casos em que a tatuagem deixou de simbolizar uma fase da vida do indivíduo e passou a ser adorno decorativo!
Além de ter começado fazendo tatuagem em você mesmo, quem mais foram as suas “cobaias”?
Meus amigos! Acho que fui o inimigo público número 1 do bairro! As mães não aprovavam tatuagens. O resultado obtido não era uma coisa tão bonita para ser apreciada. Era um trabalho grosseiro. Ficava mais como se estivesse manchando, sujando a pele do que algo bonito de se ver.
Quantas tatuagens você realiza por dia, em média?
Em torno de três por dia. Já faço tatuagens há 30 anos. Só que durante esse tempo, houve alguns intervalos na realização de tatuagens.
Em quanto tempo você realiza uma tatuagem relativamente simples?
Uns vinte minutos. Pode ser uma borboleta, uma flor. Um beija-flor.
Se um jovem menor de dezoito anos for fazer uma tatuagem é necessário ter autorização dos pais ou responsáveis?
Não pode ser feita tatuagem em jovem menor de dezoito anos de idade. Existe a Lei Estadual de São Paulo de número 9.828, do Deputado Campos Machado, que proíbe desde 1997, a aplicação de piercings e tatuagem em menores de idade, mesmo com o consentimento dos pais. Essa lei existe pelo fato de uma menor, que durante a sua adolescência foi se tatuando e houve negligencia por parte dos pais na orientação dessa menina. Isso foi em São Paulo. Ela procurou um deputado pedindo que ele a ajudasse a remover as tatuagens que ela havia feito, no período em que ela não tinha total consciência, não tinha muita responsabilidade, inclusive ela acusou os pais de não a terem orientado da forma correta. Ele viu a necessidade de fazer uma lei para proteger menores de seus pais que forem considerados irresponsáveis. Existe, infelizmente, tatuadores que agem de forma irresponsável, tatuando, marcando as pessoas de forma definitiva. De novo a lei vem de uma maneira generalizada, ajuda no sentido de inibir, mas prejudica quem com bom senso, com responsabilidade, quer fazer uma tatuagem pequena, em uma parte discreta, que não irá afetar em nada o futuro dessa pessoa. Quando me procuram, mesmo a pessoa sendo adulta, eu converso bastante e procuro esclarecer que aquilo não irá sair mais. (N.J. No artigo 129 do Código Penal Brasileiro, nos parágrafos 9 e 10 consta que: “Equipara-se à lesão corporal simples a colocação de tatuagens, piercing em qualquer parte do corpo, de menor de 18 (dezoito) anos de idade e maior de 14 (catorze) anos. Aumenta-se a pena de um sexto se a vítima é menor de 14 (catorze) anos de idade.”).
Tatuagem envolvendo o nome da pessoa amada, no caso de uma separação é possível de ser mudada?
Dá para fazer uma alteração no desenho. Faço muito isso, assim como correção de trabalhos que não agradaram a pessoa. A pessoa faz a tatuagem: “Maria ama José”, rompe com José e passa a namorar o Paulo. Eu posso transformar essa tatuagem em diversas outras figuras: um dragão, um ramo de flor.
Qual a pessoa com idade mais elevada que você já tatuou?
Foi o Seu Salvador, aposentado, já na terceira idade. Tatuei em Barra do Sahy, ele é de Rio Claro e mora lá. Ele tinha uma cruz, tatuada no braço, de forma primitiva. Essa cruz virou o rosto de uma índia.
Você já fez tatuagens em regiões inusitadas do corpo?
Já! Inclusive no lado interno do lábio de três rapazes.
Você fez tatuagem em uma modelo que posou para a revista Playboy?
Fiz, foi uma fada tatuada na altura da cintura. Foi a Simone Dreyer Peres, mais conhecida como Syang. Têm várias que freqüentam a revista Caras e que eu tatuei.
Houve um caso em que o tatuado tinha vitiligo?
Foi em uma pessoa que tinha grande constrangimento por ter manchas na região peniana.
Quais os cuidados para se fazer uma tatuagem?
É obrigatório que o tatuador use luvas, máscara, óculos. O ambiente deve ser esterilizado. Uso de material descartável. O que não for descartável tem que ser feito uma assepsia em autoclave.
Você teve um caso em que a pessoa tatuou na sola do pé?
A pessoa tatuou um olho na sola do pé, ele brincava que era para ver bem onde pisava!





Free Counter

Professora Doutora Neide Antonia Marcondes de Faria

A Professora Doutora Neide Antonia Marcondes de Faria estará lançando mais uma obra literária: “Na Trilha do Passado Paulista – Piracicaba, Século XIX, Fazendas, Engenhos e Usinas”. Será no próximo dia 26 de setembro, ás 19 horas e 30 minutos, na
Estação da Paulista. Em companhia do Professor Doutor Manoel Lelo Bellotto (pai de Tony Bellotto), ela esteve dia 20 de setembro, sábado passado, nos estúdios da Rádio Educadora de Piracicaba onde ambos participaram do programa Piracicaba Histórias e Memórias. Conforme o Professor Doutor Manoel Bellotto observa no preâmbulo do livro: “Neide Marcondes neste Na Trilha do Passado Paulista, permite-se descrever, abordar e analisar uma realidade geográfica, arquitetônica, agroindustrial e empresarial, que abrange não só uma poética dimensão histórica, pois se reporta às últimas décadas do século XIX e as primeiras do XX, mas que mostra também, exuberante e promissora nesta inquietante realidade. Sua definição espacial foi pela macro-região de Piracicaba, na então Província e no atual Estado de São Paulo; a preocupação fundamental foi , além das referências às terras piracicabanas e ás suas atraentes histórias, descrever e caracterizar o aí edificado patrimônio rural, construído e disseminado em fazendas, engenhos, usinas e engenhos-centrais, com suas arquiteturas, ambiências e entornos, e sua exuberante realização agrícola consubstanciada no plantio e na colheita do café e da cana, desta derivando a produção do açúcar, de amplo consumo no Brasil e no exterior”. A autora já publicou entre outras obras: “O Partido Arquitetônico Rural, São Paulo do Século XIX”, “Na Trilha do Passado Paulista: Jesuíno do Monte Carmelo, o Mestre de Itu”, “Entre Ville e Fazendas”, “(Des) velar a Arte”, “Bernini...O Êxtase Religioso em Dobras e Catástrofes”, “O êxtase do Martírio , São Sebastião em Bernini e Debussy”, “Labirintos e Nós: Imagens Ibéricas em Terras da América”, “Turbulência Cultural em Cenários de Transição, O Século XIX Ibero-Americano”, “Cidades Históricas, Mutações Desafios”. É intensa a promoção de exposições e instalações propiciadas por Neide Marcondes, com obras de sua autoria em inúmeras cidades do Brasil e do exterior como na Espanha, Itália, França, Holanda. Obras suas integram os acervos artístico-culturais da Universidade de Poitiers, na França.

A senhora escolheu a cidade de Piracicaba para fazer o lançamento do livro, principalmente por ser a região abordada por ele?
Esse trabalho é resultado de uma tese de doutorado defendida na Universidade de São Paulo, na Escola de Comunicação e Artes. Isso já faz algum tempo. Essa pesquisa foi toda elaborada para transformar-se em livro. Mais interessante para se ler do que propriamente uma tese com todas as fases científicas. Sou professora titular de História e Teoria da Arte da Unesp fiz livre docência também na Unesp, no Instituto de Artes e fui professora na Pós-Graduação da ECA, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, onde fiz meu doutorado.
Quanto tempo á senhora levou para escrever esse livro?
O início foi essa pesquisa de mestrado em artes, ainda na década de 70. Toda essa pesquisa realizada progrediu na década de 80 tornando-se quase uma continuação da pesquisa realizada para o mestrado.
Quantos livros a senhora já escreveu?
Além de artigos, periódicos, são oito livros. Alguns apenas coordenando junto com o Professor Bellotto e outros autores, inclusive espanhóis e portugueses. Em 1996 foi publicado um outro trabalho em que trata da influência dos mestres de obras italianos na propriedade rural paulista, aqui de Piracicaba e região de Tietê.
Como são escolhidas as capas dos seus livros?
Tenho escolhido as capas. Tenho uma filha que faz designer gráfico e em algumas das capas ela também trabalhou. Eu também faço uma linguagem artística de pintura e colagem.
Como foi que a senhora realizou as ilustrações e plantas dessas construções rurais?
As propriedades rurais geralmente não possuem plantas, nem a programação de todo o terreno, de toda a propriedade. Foi necessário que eu fizesse um croqui na hora da pesquisa. Nem a própria planta baixa da casa é encontrada. Existia a idéia ainda do chamado “risco no chão”. Era feito um risco no chão, que era por onde deveria subir as paredes. Para realizar essas plantas, fui fazendo esse risco no papel, e com a participação de arquitetos, como Edgar Couto, foi que procedeu nessa linguagem arquitetônica das plantas e da programação das próprias fazendas.
Se contarmos desde o início das pesquisas até hoje decorreram 38 anos, essas propriedades ainda permanecem?
Aqui em Piracicaba algumas casas já não existem mais. De uma forma geral todas permanecem. Inclusive algumas foram restauradas. Outras propriedades, como a antiga Usina Monte Alegre, os edifícios anteriormente utilizados para a produção, bem como as casas então denominadas de casas de colonos, estão completamente abandonados. O bairro ali está inteiro. O Engenho Central em Piracicaba está sendo utilizado com finalidades culturais. Quando eu fiz todo esse trabalho de pesquisa, houve também um processo de conscientização dos proprietários. Alguns diziam: “A senhora documenta e registra, porque isso eu vou por abaixo, de velho chega eu!”. Eu procurava dizer que o fato dele possuir tanto terreno permitia que ele preservasse aquele espaço. Acho que deveria haver um diário de pesquisa, porque muita coisa acontece! Alguns proprietários recebem o pesquisador muito bem, outros sentem um pouco de medo, são a princípio desconfiados. Para realizar as fotos é necessário enfrentar dificuldades naturais. Coisas interessantes acontecem! Ao lado desse levantamento de campo, há a idéia da pesquisa histórica junto a documentos da propriedade, e também o que foi feito no arquivo do Estado de São Paulo, no arquivo de Piracicaba, nos Cartórios, para termos a origem dessa terra.
Como a senhora vê a preservação de imóveis antigos, inclusive na área urbana?
Existem várias controvérsias. Alguns arquitetos defendem a restauração, mesmo que seja utilizado outro tipo de material diferente do utilizado originalmente. Outra idéia, muito comum na Europa, é permanecer a construção original, e eles constroem edifícios modernos ao lado ou atrás da construção primitiva. Um exemplo que temos em São Paulo foi o que aconteceu na Avenida Paulista na Casa das Rosas. Foi conservada a construção anterior e construído o edifício abraçando aquela casa. Há uma integração. Isso é bastante novo. O pensamento de algum tempo atrás era por abaixo e construir os novos edifícios. Esse novo conceito está prevalecendo agora, junto ao patrimônio, arquitetos e historiadores.
Existem casos em que construções históricas evaporaram na calada da noite.
Existe a atuação da especulação imobiliária. Foi o que aconteceu também na Avenida Paulista, em São Paulo, com a casa da família Matarazzo. O alto preço do metro quadrado praticado naquela região fez com que muitas casas construídas no período áureo do café, desaparecessem na calada da noite.
Quem perde com isso?
É uma situação de cultura. Naturalmente quem perde é a própria população, o entorno desse local.
A senhora acredita que é interessante para alguns não conservar marcas do passado?
Também! Por razões pessoais, ou por simplesmente não haver interesse.
Em seu livro a senhora cita que “só o novo, completo e belo é valorizado”.
Exatamente. Existe uma situação também em que o restauro é muito caro. É muito mais fácil e construir outra coisa.
São gastos milhões em outras atividades, porque não há interesse em investir em cultura?
Já existe uma ligeira idéia em investir-se em cultura. A publicação de livros, por exemplo, é uma ação muito dispendiosa. Tem que ser feito um trabalho árduo existe leis que regulamentam o setor, e o apoio pode sair ou não. Em particular, no caso deste livro, me sinto honrada por ter uma publicação do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba.
Qual foi a maior dificuldade que a senhora encontrou para realizar esse livro?
Fiz uma especialização em História da Arquitetura com Leonardo Benévolo (N.J. Nascido em Orta, Itália em 1923, Leonardo Benévolo estudou arquitetura em Roma e doutorou-se em 1946. Desde então passou a ensinar História da Arquitetura nas Universidades de Roma, Florença, Veneza e Palermo. Leonardo Benevolo é o mais conhecido estudioso italiano da história da arquitetura. Publicou já muitas obras dentro da sua área. Fonte de referência: Livraria Almedina) , quando ele esteve em São Paulo dando esse curso. Os professores Nestor Goulart, Benedito Lima de Toledo foram incentivadores desse trabalho. Inclusive o Professor Nestor, em tom de brincadeira disse-me para realizar um trabalho envolvendo o interior de São Paulo, porque os arquitetos não gostam muito de sair para longe da sua prancheta. Assim foi que comecei. Primeiro conheci a região localizando-a no mapa, a prefeitura ajudou muito contribuindo com idéias, e em seguida indo a campo. Pegando o carro e saindo! Foi necessário adaptar a linguagem para poder obter informações sobre as construções. Muitas vezes recebia a resposta; “Tem uma casa velha lá, aquela casa não serve para nada, porque a senhora quer ir para lá?” Eu então tinha que explicar. Foi um período de várias visitas á Piracicaba e região. Fazer esse trabalho de entrar, pedir. Em alguns momentos fui muito bem recebida. Como na Chácara Nazareth, pelo então Deputado João Pacheco e Chaves. Isso foi em 1980.
Em suas pesquisas de campo foram encontradas telhas, tijolos com marcas identificando-os?
Encontrei! Telhas da Fazenda Milhã, tijolos com algumas iniciais. Guardo algumas peças comigo. Geralmente eram símbolos das próprias olarias. Na Fazenda Pau D`Alho o que pode ser chamada de senzala tanto a estrutura como as paredes eram feitas com pedras.
Existe alguma diferença entre as fazendas da região de Piracicaba e as do Vale do Paraíba?
Na História da Arte conheci a arquitetura exuberante, deslumbrante, que nós temos do Norte, do Nordeste, da Bahia, do Rio de Janeiro. São Paulo sempre teve essa arquitetura, das casas bandeiristas, da casa do Padre Inácio. (O Sítio do Padre Inácio, com sua casa grande, tombado pelo IPHAN, constitui marco importantedo ciclo bandeirista-jesuístico e depois tropeiro na cidade de Cotia). São construções com soluções plásticas muito significativas, embora bastante simples. As casas do Vale do Paraíba são mais antigas, pela entrada do café, que se iniciou no Vale do Paraíba e depois veio para São Paulo e Oeste de São Paulo. Hoje existem muitas casas restauradas, que se transformaram em pousadas. São casas mais bem elaboradas plasticamente. Inclusive em seu mobiliário.
A senhora freqüenta um ambiente bastante intelectualizado em São Paulo e também o ambiente mais simples do interior. Como o intelectual do grande centro vê o interior?
Há um interesse muito grande no interior de São Paulo, que é um interior muito rico culturalmente. Estão descobrindo esta parte do interior de São Paulo. Inclusive esse trabalho já foi apresentado em um congresso em Carmona, Sevilha. A arquitetura rural, especialmente a de Piracicaba, foi apresentada aos espanhóis. Já há um interesse muito grande nesse interior, particularmente de São Paulo.
O Brasil que se resumia no eixo Rio-São Paulo está voltando seus olhos para o interior?
Sim. Inclusive com preocupação com essa plantação progressiva da cana de açúcar. Podemos imaginar essa plantação próxima do Pantanal, próxima da Floresta Amazônica. Em 1980, quando fui entrevistar o dono da Fazenda Milhã, ele disse-me que estava bastante preocupado. Note que isso foi em 1980. Ele disse-me: “Em qualquer época vamos ter só cana, não teremos mais arroz e feijão. Isso me preocupa”.
Essas propriedades que a senhora visitou são todas produtivas?
Todas elas são produtivas. Algumas com produção de subsistência. Todas elas tem uma produção.





Free Counter

Clemência Pecorari Pizzigati

A professora e artista plástica Clemência Pecorari Pizzigati é descendente de várias gerações de artistas. Seu pai, seu avô, o pai do seu avô, e outros ancestrais fora exímios artesões em madeira. Ela ainda conserva alguns móveis construídos ou restaurados por eles. Uma das peças que mais impressiona é um armário de cozinha, cujas portas se movimentam através de um pino em cada extremidade, simplesmente não usam dobradiças! Panelas de cobre feitas por Francisco Crócomo, réplicas de peças medievais. Tudo em sua casa está na mais perfeita ordem. A arte está presente em todos os detalhes. Pastilhas de cerâmica com perfeita mobilidade, montadas em uma malha especial cobrem os braços dos sofás, dando um toque de rara beleza. O material utilizado pela artista é facilmente encontrado no comércio, muitas vezes ela transforma um objeto de uso pessoal, como um par de brincos em um magnífico suporte de uma rara relíquia. Talvez ela seja a única pessoa em Piracicaba que tem uma lasca do osso de Santa Clemência, autenticado com o selo do Vaticano! Para quem gosta de arte e da história que existe em cada objeto antigo, visitar Clemência é como um adolescente ir á Disneylândia! Com eterno bom humor, quebrado apenas quando o assunto é injustiça de qualquer natureza, Clemência tem sempre um sorriso carinhoso, que a torna mais carismática. Um grande número de ex-alunos, muitos ocupando cargos de destaque no Brasil, e até no exterior, rendem manifestações de apreço e carinho aquela que não se limitou apenas a ensinar a matéria de um currículo. Ela os educou para viverem. A função de formar pessoas com caráter, personalidade, visão da realidade. A legítima função de professora sempre foi exercida com brandura e firmeza por Clemência Pizzigati. Infelizmente hoje um professor para sobreviver carrega uma estafante, quase insana, carga horária. Muitas vezes a remuneração é insuficiente até mesmo para manter um padrão mínimo aceitável. Clemência é responsável por muitas obras espalhadas pela cidade, entre elas o painel que foi pintado no muro da Igreja dos Frades, com seus alunos do Colégio Estadual Jorge Coury. Recentemente foram pintados painéis sob a sua orientação, nos muros do Cemitério da Saudade. Um imenso painel foi idelizado e realizado por ela há trinta anos no Mirante do Rio Piracicaba. Hoje Clemência tem um sonho: fazer um memorável piquenique com a presença de seus ex-alunos e respectivas famílias, bem como a todos aqueles que quiserem participar. O objetivo é comemorar os trinta anos do painel instalado no Parque do Mirante. A data marcada é dia 12 de outubro próximo, um domingo, antecipando as comemorações do dia do professor. As adesões podem ser feitas com Miguel Salles no período das 17 horas até as 20 horas, tods os dias da semana, através do telefone (19) 3493.1581. Para os piracicabanos, particularmente aqueles que residem na Vila Rezende será um momento de nostalgia. Muitas famílias costumavam ir até o Mirante, para á sombra das árvores passarem momentos de lazer com a família, degustando os quitutes que traziam de casa. A seguir algumas das revelações feitas por Clemência em entrevista gravada na sua residência.
Existem algumas passagens marcantes em sua vida, uma delas é a visão do “follieri” na Piracicaba de alguns anos passados?
Eu não me lembro o nome completo dele, sei que é o pai do Francisco Crócomo, ele era folheiro, artesão que fazia panelas, lanternas, lamparinas. Uma profissão que na Itália era passada de pai para filho. Napoleão Bonaparte ganhou o território que conquistou porque a Nestlé na Suíça inventou o processo de armazenar a comida em latas. Quando a folha de flandres permitiu a fabricação de latas, o leite em pó, a comida em lata, foi a grande opção para alimentar os batalhões de soldados. Não foi só o material bélico que possibilitou os avanços das tropas. Eram latas de qualidade muito boa, que ainda hoje são encontradas, apesar de serem feitas por volta de 1800. Essas latas após serem utilizadas eram recebiam os cabos e tampas, transformando-se em utensílios domésticos como panelas como, por exemplo. Quando o pai do Francisco Crócomo, avô do professor universitário Francisco Constantino Crócomo, chegou ao Brasil, o país importava muitos alimentos enlatados. Peixe, cerveja, vinha tudo em grandes latas. Lembro-me de que o folheiro tinha um varão de madeira colocado sobre o ombro, onde na frente eram colocadas as peças oferecidas para a venda. O cliente poderia simplesmente adquirir ou permutar, uma caneca com cabo era oferecida em troca de três latas vazias. Aquilo era lindo, as panelas, frigideiras, canecas, eram dispostas em uma pilha dependurada nos varais. Ele saía vestido de terno de linho branco, gravata, com os filhos acompanhando. Ele descia pela Rua XV de Novembro, na época ele morava em local próximo onde hoje é o terminal urbano. Ele vinha descendo e gritando: “Follieriiiiii!”. Esse grito apregoando a mercadoria permanece nítido em meu ouvido até hoje! Quando ele chegava á Rua do Porto, o som ecoava sobre ás águas do rio, lá embaixo ouvíamos aquele grito. O barulho das peças dependuradas no varal se chocando iam dando um tom característico. Essa função foi trazida da Europa, onde era comum. Quando surgiram as indústrias de panelas no Brasil, eles passaram a trabalhar com calhas para telhados. O Francisco Crócomo, após aposentar-se, passou a realizar artesanato em cobre, e expunha na Praça da Catedral. Eram peças muito bem elaboradas, inclusive alambiques. Ele foi escolhido por uma iniciativa do governo estadual da época para ir expor em São Paulo. Ele passou a vender seu trabalho em uma feira de São Paulo. Um dia chegou até a feira um senhor de aspecto bem apessoado, desceu do carro conduzido por seu motorista, olhou as peças de cobre que Francisco Crócomo estava expondo e disse: “-Eu quero comprar todas as suas peças”. Passados uns quatro meses, esse homem veio até Piracicaba, procurando o Francisco Crócomo. Era na realidade um senhor italiano. Ele disse ao Crócomo: “-Esta chaleira foi feita pelo tataravô.” Ele disse que havia comprado todas as peças uns meses antes porque ele era da mesma cidade de origem do pai de Francisco Crócomo, e que foi vizinho deles na Itália! As peças confeccionadas em cobre pela família Crócomo na Itália recebiam um símbolo embaixo delas, caracterizando como marca própria. Francisco Crócomo desmanchou a chaleira feita pelo seu antepassado distante, fez o molde, e produziu uma chaleira para cada filho, três para o italiano e uma para Clemência Pizzigatti.
A senhora tem um modelo de chaleira idêntico aos que eram utilizados com mandrágora?
Tenho sim! É uma chaleira utilizada na Idade Média, onde muitas poções eram preparadas com as raízes da mandrágora, além de folhas e ervas. Eram utilizadas pelos alquimistas.
A senhora fez o cartaz de uma peça teatral realizada por alunos do Colégio Estadual Dr. Jorge Coury?
O cartaz foi feito utilizando a técnica de xilogravura. A peça “Dez Vidas” dirigida por Miguel Salles, com crítica de João Chiarini, foi encenada por alunos no Clube Cristóvão Colombo da Rua Governador Pedro de Toledo. Trata-se de uma peça abordando a Inconfidência Mineira.
A senhora conheceu o Clube Português em Piracicaba?
Conheci com todos os seus detalhes. Eu nasci em frente, freqüentei muito, fazia parte até histórica do clube! Existiam livros precisos de Machado de Assis, Eça de Queiroz, Os Lusíadas, completo. Havia uma mesa da presidência com uma cadeira que formavam um conjunto maravilhoso. Existiam cem cadeiras esculpidas pelo Nardin, de palhinha, que compunham o salão. Além de brasões, bandeiras. Era muito bonito.
A senhora morou em outras localidades além de Piracicaba?
Por 15 anos morei em São Carlos. Depois residi 11 anos em Águas de São Pedro.
A senhora lembra-se das Festas do Divino ocorridas na Rua do Porto?
Eu tenho 73 anos de idade, acompanho desde criança, conheço da Rua do Porto como eram as rezas, as contorias. A Rua do Porto quando começava a novena, todos eram envolvidos. Meu avô tinha a Arapuca lá. O Armazém do Pecorari, junto com a olaria era o meu ambiente. A minha mãe nasceu na Rua do Porto. A Festa do Divino até determinada época foi uma. Depois quando foi renovada, passou a ser uma festa pasteurizada. As crianças que participavam cresciam adultos com fé. Hoje é evidenciado o lado comercial. Houve um prejuízo na fé. As regras da Irmandade eram rígidas. Se um deles morria, eles permaneciam por quarenta dias andando descalços para fazerem penitencia. As atividades da Irmandade, de socorro econômico, de assistência, faziam com que a Irmandade existisse efetivamente. Minha mãe dizia que era barriga verde. Quem nascia na Rua do Porto á cidade chamava de Barriga Verde. Quando a cidade era pequena, a Rua do Porto era periferia. Havia um menosprezo com relação a quem morava na Rua do Porto.
O avô da senhora foi um líder da região da Rua do Porto?
O meu avô era um líder, um dos motivos é porque ele sabia ler e escrever. O nome dele de batismo era Xenofonte Pecorari, mas o povo não aceitava com facilidade chamá-lo de Xenofonte, ele passou a assinar como Afonso. Depois ele teve que apostilar o nome dele como Afonso Xenofonte Pecorari. Ele era um italiano que comprava barricas de vinho, de azeitonas, e em seu estabelecimento, o então chamado de secos e molhados, onde havia de tudo. Ele matava porco, fazia lingüiça, um dos produtos muito procurados chamava-se copa (defumado de carne suína). Eram vendidos no balcão sanduíches. As pessoas que iam pescar compravam seus apreciados sanduíches de pão com lingüiça. Era muito comum estarem por lá os membros das famílias Dutra, Pacheco. Aos fins de semana podia ser encontrado Lagreca, Erotides de Campos, gente da cidade. Formavam aquela roda, onde comiam e bebiam. Meu avô era sócio do Clube do Livro, e recebia livros em francês e italiano. Ele lia as histórias, tornando-se um bom contador de casos. Tinha uma freguesia que se sentava nos sacos de arroz, feijão, batata e ficava lá ouvindo as histórias, Ele assinava o jornal Fanfulla, depois passou a assinar O Martelo. As pessoas residentes nos bairros dos Marins, Pau Queimado, vinham pedir para ele escrever cartas. Pediam que ele arrumasse um advogado quando precisavam, e ainda que ele os acompanhasse. Ocasiões em que ocorria batismo, casamento, era na venda que acontecia. O correio entregava correspondências até a Rua XV de Novembro, não levava carta na Rua do Porto. O filho mais novo dele ia á Rua XV onde ficava guardada a correspondência e entregava as cartas para seus destinatários. Só que as pessoas que recebiam as cartas não sabiam ler! Eles iam ao armazém para meu avô ler as cartas! A Rua do Porto tinha uma vida interessantíssima, havia as casinhas dos pescadores, aquele pessoal simples, humilde. Á tarde eles colocavam uma bacia com água, sentavam na porta, para lavar os pés antes de dormir. Isso quem se lavava. Os que dormiam em rede tinham um pauzinho, quando ia deitar na rede para dormir, para tirar a terra do pé, raspavam com o pauzinho. Meu avô aplicava injeções, curava ferida. Qualquer um que estivesse doente minha avó já fazia uma canja para mandar. Naquela época ele vendia marcando as despesas em caderneta. Quando uma pessoa morria na família que comprava lá, ele fazia um “X” e perdoava o pagamento. Ele pertencia á diretoria da Società Italiana de Mutuo Socorro. Meu avô paterno, Natali Pizzigatti era bastante politizado. Ele estudava filosofia. Meu avô era da Irmandade do Santíssimo, usava a opa, ajudava o padre. No período da Revolução Constitucionalista de 1932, o Monsenhor Gallo, que era muito respeitado, subiu no púlpito, e passou a apregoar para que os casais que tivessem filhos homens para que os mandasse para a revolução. Meu avô Natali com sete filhos homens, saiu do altar, foi em frente do púlpito e disse ao Monsenhor Gallo que ele estava incentivando os filhos de outras pessoas para irem á frente de combate pelo motivo de não ser pai! “Essa revolução é uma luta de irmão contra irmão!” disse ele. Ficou uma polêmica muito grande dentro da igreja. Meu avô Natali teve uma grande atuação como elemento formador de opinião para as massas, a ponto de algumas pessoas recomendarem á meu pai, que procurasse controlar as ações do meu avô!





Free Counter

Arquivo do blog