Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, dezembro 21, 2008

Marco Antonio Cavalari

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/

Entrevista: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/

Entrevistado: Marco Antonio Cavallari






O olhar de um artista plástico é diferenciado, ele tem uma percepção própria e única. Cada artista tem sua personalidade expressa em sua obra, como uma impressão digital. Jamais dois artistas trabalhando um mesmo tema, realizarão obras exatamente iguais. Ambas são meritórias. Marco Antonio Cavallari nasceu no bairro Vila Rezende, em Piracicaba, no dia 29 de outubro de 1948. Filho de Agenor Rosário Cavallari e Rita Bertolazzo Cavallari. Têm inúmeras obras espalhadas pela América Latina, EUA e vários países da Europa. Sés trabalhos abrangem as áreas: Anatomia Humana, Arte Arquitetônica, Arte Decorativa e Utilitária. Desenho, Escultura, Máscara Facial, Maquetes, Miniaturas, Monumentos, Pintura, Réplicas e Formas, Reconstituição Craniométrica, Restauração, Simbologia Maçônica, Troféus, Comendas e Medalhas. Autor da obra "Aprenda a Desenhar, Desenhando”, com 14 Estágios Modalidades de Desenho e 48 meses de duração como Curso. Autor do livro "Desenho Artístico para Crianças de 7 aos 10 anos", com 15 Estágios Modalidades de Desenho, para crianças na faixa etária dos 7 aos 10 anos e com 28 meses de duração como Curso. Autor do "Tratado de Cerâmica Artística Rústica", com 10 capítulos e com 18 meses de duração como Curso. Autor do livro-documento sob título "Trabalho de Reconstituição Craniométrica do Padre Marcelino José Bento Champagnat". Autor do filme-documento sob título "Trabalho de Reconstituição Craniométrica do Padre Marcelino J. B. Champagnat". 2002 - PEQUENA MEDALHA DE OURO, pelo desenho a lápis-de-cor sob título; "ORVALHO", no III Salão Nacional de Artes Plásticas do Centro Universitário Adventista de São Paulo - Campus 2 - Engenheiro Coelho - SP. 2001 - MEDALHA DE BRONZE, pelo desenho a giz-pastel-oleoso, sob título: "LÁGRIMAS DE MARIA" , no III Salão de Arte da ALIE, promovido pela Associação Limeirense de Educação - Limeira -SP. 2001 - MEDALHA DE OURO, pela escultura em bronze "EXEMPLO DE AMOR", no III Salão de Arte da ALIE, promovido pela Associação Limeirense de Educação - Limeira - SP. 2001 - GRANDE MEDALHA DE PRATA, pelo desenho a grafite sob título "NONA", no II Salão Nacional Adventista de Artes Plásticas promovido pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo Campus 2 - Engenheiro Coelho - SP. 2000 - MEDALHA DE OURO, pela escultura "ORAÇÃO", no II Salão de Arte da ALIE - (Associação Limeirense de Educação) em Limeira - SP. 2000 - GRANDE MEDALHA DE OURO, pela escultura "BANHISTA", na Mostra Almeida Júnior - X Salão de Artes Plásticas da Associação Piracicabana dos Artistas Plásticos (APAP). 1997 - PEQUENA MEDALHA DE BRONZE, pelo Desenho a grafite "NONA", na Mostra 97 - Almeida Júnior: IX Salão de Artes Plásticas da Associação Piracicabana dos Artistas Plásticos (APAP).1997 - PEQUENA MEDALHA DE OURO, pela escultura "A MORTE DO GLADIADOR", na mostra 97 - Almeida Júnior: IX Salão de Artes Plásticas da Associação Piracicabana dos Artistas Plásticos (APAP).1995 - GRANDE MEDALHA DE PRATA, pela escultura "UM GRANDE CAMPEÃO", na mostra 95 - Almeida Júnior: VII Salão de Artes Plásticas da Associação Piracicabana dos Artistas Plásticos (APAP). 1994 - "OUR CONCOURS", no I Salão Regional de Artes Plásticas de Tatuí, com o conjunto de esculturas "DOIS CORAÇÕES" e "O PEDREIRO". 1993 - "OUR CONCOURS", no XXXI Salão Ararense de Artes Plásticas, com a escultura em bronze, "ELA E O VENTO". 1993 - GRANDE MEDALHA DE BRONZE, pelo conjunto de esculturas: "POR UMA QUESTÃO DE HONRA" e a "FUGA", na Mostra 93 - Almeida Júnior: V Salão de Artes Plásticas da Associação Piracicabana dos Artistas Plásticos (APAP). 1992 - MEDALHA DE BRONZE, pelo conjunto de esculturas: "DAMA DOS GATOS" e "DOIS CORAÇÕES", no X Salão de Artes Plásticas de Araraquara. 1991 - PEQUENA MEDALHA DE BRONZE, pela escultura "DESCANSO DO BÓIA-FRIA", na Mostra 91 - Almeida Júnior III Salão de Artes Plásticas da Associação Piracicabana dos Artistas Plásticas (APAP). 1985 - 2º PRÊMIO EM DINHEIRO, pela escultura "MÃE-DE-LEITE", no XXXIII Salão de Belas Artes de Piracicaba. 1984 - MEDALHA DE BRONZE, pela escultura "O PEDREIRO", no II Salão de Artes Plásticas de Rio Claro. 1984 - MEDALHA DE BRONZE, pelo conjunto de esculturas "A METAMORFOSE DE ADÃO", "MEMÓRIAS" e "FÚRIA SELVAGEM", no XI Salão Limeirense de Arte Contemporânea. 1983 - PRÊMIO "TORQUE", pelo conjunto de esculturas "DAMA DOS GATOS" e "DOIS CORAÇÕES", no XI Salão Ararense de Artes Plásticas. 1983 - 2º PRÊMIO EM DINHEIRO, pela escultura "BRUNO, O BISCOITEIRO", no XXXI Salão de Belas Artes de Piracicaba. 1983 - MEDALHA DE OURO, pela escultura "DAMA DOS GATOS", no VI Salão de Artes Plásticas de Itu. 1983 - MEDALHA DE BRONZE, pela escultura "CACHIMBANDO", no I Salão de Artes Plásticas de Rio Claro. 1982 - PRÊMIO DE AQUISIÇÃO - PREFEITURA MUNICIPAL, pela escultura "GRILHÕES", no XXX Salão de belas Artes de Piracicaba.1982 - PRÊMIO "USINA SÃO JOÃO", pela escultura "SERESTEIROS", no IX Salão Ararense de Artes Plásticas. 1981 - MEDALHA DE PRATA, pela escultura "O PEDREIRO", no XXIX Salão de Belas Artes de Piracicaba. 1981 - MEDALHA DE OURO, pela escultura "O PEDREIRO", no VII Salão Ararense de Artes Plásticas. 1980 - 2º PRÊMIO EM DINHEIRO, pela escultura "DOIS CORAÇÕES", no XXVIII Salão de belas Artes de Piracicaba. 1980 - GRANDE MEDALHA DE OURO, pela escultura "O PEDREIRO", no V Salão Oficial de Belas Artes de Matão. 1980 - GRANDE MEDALHA DE PRATA, pela escultura "LAVANDO A CARA", no V Salão Ararense de Artes Plásticas. 1980 - MEDALHA DE BRONZE, pelo conjunto de esculturas "DAMA DOS GATOS", "MIGUÉ, O TOCADOR DE LATINHAS", e "CACHIMBANDO", no VIII Salão Limeirense de Arte Contemporânea. 1979 - MEDALHA DE PRATA, pela escultura "DESCANSO DO BÓIA-FRIA", no VII Salão Limeirense de Arte Contemporânea. 1979 - MEDALHA DE PRATA, pela escultura "DESCANSO DO BÓIA-FRIA", no III Salão Ararense de Artes Plásticas. 1979 - MEDALHA DE BRONZE, pela escultura "FARRAPO DE GENTE", no I Salão Nacional de Artes Plásticas de Leme. 1978 - MEDALHA DE BRONZE, pela escultura "POR UMA QUESTÃO DE HONRA", no I Salão Ararense de Artes Plásticas. 1977 - MENÇÃO HONROSA, pela escultura "FARRAPO DE GENTE", no V Salão Limeirense de Arte Contemporânea. 1973 - MEDALHA DE BRONZE, pela escultura "A FUGA", no XXI Salão de Belas Artes de Piracicaba.

Qual era a profissão dos seus pais?
Ele era ajustador mecânico do Engenho Central, e minha mãe costureira. Meu avô Hugo Cavallari imigrou da Itália junto com um amigo, o Grande Oficial Mário Dedini. O Mário Dedini chegou a convidar o meu avô para juntos montarem uma oficina, meu avô achou aquilo uma loucura, o momento era para plantar café. O resultado nós conhecemos: o Mário Dedini progrediu de forma vertiginosa e o meu avô teve o desgosto de ver o café dando-lhe um tremendo prejuízo, fato comum á todos os cafeicultores da época. Mesmo assim meu avô teve uma boa qualidade de vida, na época como funcionário qualificado do engenho tinha uma série de benefícios. O fato de falar fluentemente italiano e francês ajudava muito.
O senhor é casado?
Sou casado com Marilda dos Santos Cavallari sou pai de dois filhos, Marco Antonio Cavallari Júnior e Mariana Gabriela Cavallari.

O curso primário o senhor realizou em que escola?
Estudei no Grupo Escolar José Romão, na Escola Estadual Jerônimo Gallo. Aos 10 anos de idade comecei a trabalhar em uma oficina de funilaria, propriedade do Neno e do Elpídio Rossin, ficava bem próxima de casa. Lavava peças, parafusava e desparafusava algumas partes. Sindo de lá fui trabalhar em uma oficina de torno, propriedade de Duílio Borghese, ficava atrás da Escola Industrial. Permaneci lá por uns dois anos. Trabalhava com torno. Naquele tempo o patrão fazia o papel do instrutor. Considero um grande erro a proibição de hoje as crianças não poderem trabalhar. É uma lei absurda essa em vigência. O que não se pode é explorar o trabalho de uma criança. Tem que ser dada a oportunidade para que a criança estude e fazer com que ela trabalhe. Só assim teremos grandes homens. Digo isso por tudo que passei minha família sempre foi pobre, e batalhamos muito para progredir. Cheguei a vender sucata de ferro, então chamada de ferro-velho, para poder comprar um presentinho a ser dado no Dia das Mães. Criava coelho, vendia rato branco para a Esalq usar em suas experiências de laboratório. Onde hoje é o Hospital dos Plantadores de Cana havia uma argila espetacular, era cinzenta. Fiz uma carriola, de madeira, com roda de borracha, trazia a argila de lá e fazia as minhas pequenas esculturas. Fazia as “minhocas”. Com o rolo de macarrão fazia as placas, cortava, construía as peças e vendia. Aprendi também a fabricar vassouras. E sou fundidor de ferro. Sei fazer vassoura de piaçava, fazia quarenta dúzias por dia, isso na Fabrica de Vassouras Marabá que ficava na Vila Boyes.
O pai do senhor tinha uma veia artística?
O Pedro Alexandrino freqüentava muito a minha casa. Aprendi a tocar violão com o meu pai. Cheguei a ir até a televisão, no então Canal 4, TV Tupi. Era o programa “Gaiola de Ouro”, de Alfredo Borba. Fomos, eu, minha irmã e o Misael de Oliveira do Super Som 7. Cantei a música Perfídia, a letra de Trini Lopez. Meu pai era desenhista, cantor,.poeta e trabalhava com argila também. Só que na época o artista plástico não era valorizado. Ele trabalhou como ilustrador de quadros anatômicos para o Grupo Escolar José Romão e para a Escola Baronesa de Rezende. As aulas eram dadas com folders, papéis que mostravam como era o sistema digestivo, circulatório, respiratório. Na época não havia á venda esses quadros. Hoje é muito comum serem impressos em gráficas. Naquele tempo tinha que existir um artista para fazer esse trabalho. Eu ficava fascinado com o trabalho do meu pai. O colorido que ele dava para cada detalhe.
Em que ano o senhor foi estudar na Escola Panamericana de Arte em São Paulo?
Foi em 1964. Ia a pé até a rodoviária de Piracicaba, pegava o primeiro ônibus para São Paulo, ficava o dia todo lá e chegava de volta em Piracicaba ás nove horas da noite. Isso era feito dois dias por semana. A escola ficava na Avenida Angélica. Tive como professores o Ziraldo, Manoel Vitor Filho, Walter Forster, Danilo Di Pretti. O curso durou quatro anos. Fiz também em Piracicaba a Escola Megatec, com os professores Danilo Sancinetti e Chico Gobbo. Passei a executar os trabalhos que o meu pai fazia: os desenhos anatômicos, geográficos, para o Grupo Escolar José Romão e para a Escola Baronesa de Rezende. Um dia a irmã Clara, perguntou se eu conseguiria ilustrar umas paredes com temas infantis. Pintei. Nesse meio tempo Dona Hilda Gobbo viu o meu trabalho e me convidou para realizar pinturas onde era o Centro de Reabilitação, hoje funciona o prédio do Senac, próximo ao correio. Pintei dois quadros de 6 por 3 metros com os temas A Dama e o Vagabundo e A Branca de Neve e os Sete Anões. Acabei sendo contratado para dar aulas no Centro de Reabilitação, onde permaneci por sete anos lecionando. Tinha 64 alunos sob a minha tutela. Formei com alguns alunos a Turma de Produção Especial em Cerâmica, a Tupec. Eles tinham um uniforme próprio, sentiam-se valorizados. Faziam e vendiam seus próprios trabalhos.
Em seguida o senhor foi trabalhar na Coopersucar?
Eu já estava casado. Iniciei trabalhando no departamento de segurança da Coopersucar. Eu tinha que ilustrar todo o material a ser divulgado em 78 usinas de açúcar. Era sobre primeiros socorros, prevenção de acidentes, proteção contra incêndios. Não havia nada a respeito dos assuntos. Fiz vários cursos sobre segurança. Produzia todo material didático visual para os supervisores darem aulas. Fui inovador e pioneiro em transparências colorizadas com caneta de transparências, mas com características usadas em quadro a óleo. Misturava as cores e conseguia obter cores secundárias, terciárias, com álcool etílico. Até réplicas de canas cheguei a fazer. Esculpia a caninha, pintava na cor e depois ela era enclausurada em acrílico. Fizemos cana de gesso. Doze dessas amostras de variedades que a Coopersucar havia desenvolvido foram dadas ao Presidente João Baptista Figueiredo como presente. Permaneci por 14 anos na Coopersucar. Eu entrava no centro do canavial, ia pegar as canas no meio do canavial, para usar como modelo e reproduzi-las em pinturas e maquetes. As canas da periferia do canavial sofrem a influencia do sol e mudam de cor. Eu trazia as canas protegidas, embrulhadas em um pano, entrava na minha câmara escura, com a luz dirigida apenas para o meu desenho. No final de uma das minhas obras, retrato detalhes de cada tipo de cana em bico de pena.
O senhor é perfeccionista?
Sou. Tem um provérbio que diz que quando o artista atinge o seu apogeu, ele está morto. Ele tem que parar ou assumir a abstração, sob o risco de revelar a sua decadência ou mediocridade. Picasso fez isso e foi muito bem sucedido.
Depois da saída do senhor da Coopersucar qual foi a sua próxima atividade?
Montei um estúdio e passei a trabalhar como artista autônomo. Trabalhei para empresas de publicidade, fiz muitos modelos de estojos para óculos. Até para a Bolívia eu trabalhei. Sou formado em desenho publicitário pelo Senac.
O senhor tem uma noção de quantas obras já foram realizações suas?
Tenho muita coisa registrada, mas já perdi a conta. Bustos mesmo eu acordei para registrá-los há pouco tempo. Devo ter mais de 500 bustos espalhados pelo Brasil. Inclusive um pequeno que foi entregue ao Rei Gustavo da Suécia.
O senhor tem um trabalho realizado para uma instituição religiosa?
O fundador do Instituto dos Irmãos Maristas, Marcelino Champagnat, nasceu na França, era um sacerdote da igreja católica, e após ter realizado dois milagres, que foram confirmados, ele foi beatificado. Em 1999 ele iria ser canonizado pelo Vaticano. Porém não existiam fotografias dele. O Vaticano pediu que fosse providenciada a melhor imagem possível dele. Só existia uma pintura feita por um amigo seu. Outra pintura dele foi feita quando ele já estava morto. Vestiram o cadáver com sua batina, e o pintor muito rapidamente o retratou. Os maristas da Província de São Paulo conheciam o Badan Palhares, que tinha sido o coordenador do trabalho feito com o Josef Mengele. O Dr. Badan entrou em contato comigo e passamos a trabalhar juntamente com o legista Dr. Nelson Massini. Ficamos 230 dias nessa reconstituição. Fiz a réplica de uma cópia do crânio de Marcelino Champagnat que mandaram da cidade francesa de Saint Chamond para cá. Recebi visita até da CNN após ter concluído o trabalho.
Era realmente do Mengele o corpo encontrado em Bertioga?
Era ele sim. Foi inclusive feito o exame de DNA dele na Inglaterra. Ele possuía uma fistula (N.J. um sinal clínico) e foi essa fístula que confirmou sua identidade também. O meu nome saiu como escultor no laudo oficial da polícia brasileira, alemã, israelense e americana.
Qual é o processo desenvolvido para dar as formas do rosto, a cor de pele?
Isso é feito posteriormente. No crânio humano, existem os pontos craniométricos. Eles limitam em milímetros aquilo que existia antes de tecido, glândulas, músculos, gordura. Isso permite resgatar o ser humano e a raça a qual pertence. Isso não implica em definir quais eram as características fisionômicas. Essas características são adquiridas através de fotografias. Ou através de informação oral.
Quanto tempo o senhor levou para fazer o trabalho com o crânio do Mengele?
Uns dois meses. Foi rápido.
Foi um trabalho que teve grande repercussão internacional?
Saiu em todas as revistas da Europa. Ele era um componente do primeiro escalão nazista.
Com esse trabalho o senhor escreveu o seu nome na história?
Acredito que sim. Tem um provérbio de Marco Cavallari que diz: “O acaso gera muito mais satisfações do que o propósito”.
Em que ano o senhor trabalhou na reconstituição de Mengele?
Foi em 1986. O de Champagnat foi em 1998.
De onde saí tanta criatividade?
Do alto.

Arquivo do blog