Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

sábado, janeiro 24, 2009

Prof. Dr. Edmar José Kiehl







PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com


Sábado, 24 de janeiro de 2009
A Tribuna Piracicabanahttp://www.tribunatp.com.br/Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:http://www.tribunatp.com.br/http://www.teleresponde.com.br/
Nos sites:
www.teleresponde.com.br
Nos Blogs
BLOG DO NASSIF (Letras Maiúsculas mesmo, no jargão jornalístico, caixa alta)
http://blognassif.blogspot.com/
http://memorial-piracicaba.blogspot.com/

ENTREVISTADO : Prof. Dr. Edmar José Kiehl

Piracicaba tem o grande privilégio de poder contar com pessoas abnegadas, destemidas, e até mesmo ousadas em seus empreendimentos em favor da comunidade. Muitos atuam de forma quase anônima, e infelizmente alguns só recebem o merecido reconhecimento da cidade quando falecem. A ausência mostra o valor do trabalho que estava sendo realizado.
O engenheiro agrônomo, Prof. Dr. Edmar José Kiehl é uma pessoa de hábitos discretos, com um eterno sorriso, próprio dos que vivem de bem com a vida. Seu olhar brilha como o de um menino quando fala do zoológico, da Cidade da Criança. Em seu colo trouxe do Rio de Janeiro até Piracicaba um bebe que mais tarde passou a ser o famoso chipanzé Petrônio. Aclamado por unanimidade foi eleito o primeiro presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba. Mantém uma intensa atividade levando seus conhecimentos científicos adquiridos na Esalq ao longo dos anos. É requisitado para palestras, pareceres técnicos. Um dos seus maiores prazeres é cultivar o habito da dança de salão, atividade que realiza semanalmente com sua esposa. Dr. Edmar é um habilidoso mágico amador, que entre suas muitas aparições, apresentou-se em espetáculos de até duas horas de duração no Teatro Santo Estevam. Recentemente esteve em um hospital infantil, voltado para o tratamento de câncer, na cidade de São Paulo, onde mostrou suas reconhecidas habilidades como mágico.

Por volta de 1740, um jovem prussiano, militar, junto com outros companheiros de ideal, planejou uma revolta contra o poderoso estado militar de Frederico II, que em sua sede de conquistas anexou diversas regiões da Europa ao seu império. Fracassada a insurreição, os revoltosos partiram para destinos incertos. O próprio nome do jovem, Pedro Kiehl, pode ter sido adotado como forma de estratégica, para manter-se no anonimato. Chegando ao Brasil, desconhecendo a língua, fixou residência na Vila de Itu. Impressionado com o número de igrejas, passou a fabricar relógios para as torres das mesmas. A família passou a mandar-lhe da Europa, chapas de bronze, parafusos, eixos, moldes, todo o material necessário, o que fez do jovem um relojoeiro especializado em grandes relógios para igrejas. Casou-se com Maria Umbelina Teixeira, com quem teve quatro filhos. O filho mais jovem, Pedro, estabeleceu-se em Campinas como farmacêutico. Com o advento da febre amarela que grassou na cidade de Campinas, Pedro Kiehl vende sua farmácia e muda-se para São Paulo com sua esposa Henriqueta Morgan Snell, com quem teve oito filhos, entre eles o filho Eduardo. Após os estudos preparatórios, Eduardo entrou para a recém criada escola Politécnica formando-se na primeira turma de engenheiros civis, diplomados pelo estabelecimento em 1899. Se primeiro trabalho foi o de fazer o levantamento topográfico de uma chácara situada no centro da cidade de São Paulo, pertencente aos herdeiros do Brigadeiro Luiz Antonio de Souza, avô de Luiz Vicente de Souza Queiroz. Logo depois ingressou na Secretaria da Agricultura e Obras Públicas do Estado de São Paulo tendo como um dos primeiros encargos realizar o levantamento planialtimétrico da cidade de São Pedro. O jovem engenheiro conheceu na cidade de São Pedro uma moça muito formosa, com quem se casou. Mas ninguém melhor do que seu filho para narrar essa história que parece ser roteiro de filme.
Dr.Edmar José Kiehl, o senhor é piracicabano?
Nasci em Piracicaba, no dia 14 de junho de 1917. Tenho 91 anos de idade. Nasci na Rua Tiradentes, 52, que mais tarde recebeu o número 98. Próximo á Escola Industrial. Essa casa existe até hoje. Meu pai é Eduardo Khiel. Ele construiu para o governo a Escola Sud Mennucci, reformou a escola Barão do Rio Branco, com a planta que veio de São Paulo, foi responsável pela construção da Ponte Nova sobre o Rio Piracicaba. Essa ponte liga a Avenida Barão de Serra Negra á outra margem do Rio Piracicaba. É a ponte Irmãos Rebouças.
Seus pais conheceram-se em São Pedro?
Meu pai e a minha mãe são naturais de Campinas. Meu pai mudou-se para São Paulo e a minha mãe para São Pedro. Meus avós maternos Aurélio Teixeira de Andrade e Baptistina Teixeira de Andrade tiveram os filhos Euclides e Euthália. Foi em São Pedro que meu pai conheceu a minha mãe, Euthália. A minha mãe estudou em uma escola particular que funcionou em regime de internato por um tempo no prédio que havia sido a residência de Estevam Rezende. Por um determinado tempo passou a ser sede da Prefeitura Municipal de Piracicaba. Mais tarde esse prédio foi demolido para dar lugar a um estacionamento que existe até hoje, na Rua São José esquina com a Rua Alferes José Caetano. Meus pais casaram-se em São Pedro, no dia 31 de maio de 1905, ás três horas da madrugada, o único trem que deixava a cidade rumo á capital saia as seis horas da manhã. Encerrrado o casamento eles seguiram em um trole para a Estação Sorocabana. Na estação de Mairinque os passageiros que vinham do ramal de São Pedro tinham que fazer baldeação. Ao chegar a nova composição, um vagão especial trazia o Secretário da Agricultura e Obras Públicas do Estado de São Paulo, Dr. Paulo de Moraes Barros. Vendo seu engenheiro e sua acompanhante na plataforma, sabendo serem recém-casados, convidou-os a viajar no luxuoso carro, de cadeiras giratórias e restaurante servido por um garçom
Entre as habilidades da mãe do senhor, uma delas era ser exímia atiradora?
Minha mãe atirava muito bem. Ela apanhava abacate, laranja, atirando no galho que segurava a fruta. Quando ela e meu pai casaram-se, meu pai a cada viagem que fazia para São Paulo trazia para ela uma caixa com balas. Eram balas de revolver. Quando se casaram, meu pai levou a minha mãe para Santos. Nessa época meu tio Carlos Khiel, que também havia formado-se junto com meu pai na primeira turma da Politécnica de São Paulo, trabalhava no Porto de Santos. Mês pais e meu tio estavam passeando, quando encontraram vários oficiais militares. O grupo passou a conversar. Viram que havia uma garrafa boiando no mar. Vários militares passaram a atirar por diversão, para ver quem conseguia quebrar a garrafa. Nenhum deles conseguiu. Meu tio Carlos disse que a minha mãe Euthália era uma ótima atiradora. Os militares olharam para aquela mocinha de 17 anos, e ficaram duvidando da capacidade de tiro dela. Insistiram muito para que ela realizasse o que eles não estavam conseguindo fazer. Foi emprestado á ela um revolver para realizar o desafio. Ao fazer a pontaria, perceberam pela sua expressão, postura, que ela acertaria o alvo. Foi o que aconteceu, no primeiro tiro ela quebrou a garrafa.
O pai do senhor viajava muito inspecionando obras?
Ele fiscalizava, orientava, obras de muitas cidades da região. Ele passava de segunda a sexta feira viajando. Quase não parava. Ele fazia plantas. Minha mãe disse-lhe que fizesse á lápis que ela copiaria em nanquim. Ela foi aprendendo. Ele passou a orientar o que queria e ela passou a fazer também á lápis. Ele corrigia. Ele tinha que fazer memorial descritivo, ela passou a ajudá-lo. No fim ela passou a fazer memorial, planta, tudo enfim. Durantea semana aparecia alguém de alguma cidade, perguntando pelo Dr. Khiel, minha dizia que ele estava viajando. O construtor dizia que tinha alguma duvida, minha mãe perguntava qual era a dúvida, olhava a planta, resolvia o problema. Com isso era comum chegarem pessoas que perguntavam se a Dona Euthália estava.
Quantos filhos os pais do senhor tiveram?
Tiveram cinco filhos: Helena, Jorge, Maria Dulce, Eduardo e eu Edmar. É interessante a origem do meu nome Edmar. Havia na escola de agronomia de Piracicaba um estudante chamado Edmar Kühn. O carteiro levava as cartas em casa. Meu pai devolvia a carta para o correio, dizendo que seu nome era Eduardo e a carta era para Edmar. Nessa época minha mãe estava grávida esperando um filho. Ela dizia em tom de brincadeira, que era o Edmar que ia chegar. Quando nasci ela colocou o nome de Edmar. Quando foi realizar o batismo, o padre perguntou qual era o nome da criança. Ao falarem que era Edmar, ele disse em tom enérgico que Edmar não era nome de santo, tinha que por nome de santo. Acabaram colocando Edmar José, por um dia não acabei me chamando Edmar Antonio, que era o nome do santo do dia seguinte.
O senhor estudou em que escolas em Piracicaba?
Comecei o primário no Grupo Moraes Barros, depois fui estudar na então Escola Normal, hoje Sud Mennucci, que foi construída pelo meu pai. Na época o governo criou o colégio universitário. Para entrar na Escola Luiz de Queiroz tinha que fazer o colégio universitário.
Fazia-se um vestibular para entrar no colégio universitário e depois se fazia um vestibular para entrar na escola de agronomia. Eu entrei na Esalq em 1936 e saí em 1941. Em 1956 morei um ano nos Estados Unidos.
O senhor fez a opção de trabalhar em que área da agronomia?
Fui trabalhar no Instituto Agronômico de Campinas. Eles precisavam de um agrônomo. Trabalhei por dois anos lá. Depois eu saí e fui trabalhar em uma fazenda de propriedade da industria de camas Patente, o dono era o Luiz Lício. Ele comprou uma fazenda, derrubava a mata para a serraria que ele possuía em São Paulo. As molas da cama eram no estrado. Com o aparecimento do colchão de molas a fabrica de camas Patente foi fechada.
O senhor acabou voltando para Piracicaba?
O Professor Tuffi Coury me convidou para preencher uma vaga na cadeira de química agrícola na Esalq. Aceitei. Entrei em 1947 e aposentei-me em março de 1980. Eu estava em uma cadeira que fazia estudos de adubos e adubações. Quando entrei lá me disseram que havia professores dedicados cada um em uma área: nitrogênio, fósforo, potássio, enxofre e cálcio. Para mim restou estudar adubo orgânico. Era uma coisa que ninguém queria. Estava uma febre de adubo mineral. Adubo orgânico é o aproveitamento de resíduos vegetais e animais. Eu me empolguei. O húmus é o produto que colocado no solo melhora todas as qualidades físicas, químicas, biológicas do solo. Nenhum produto químico faz essas três coisas.Só faz uma delas. Trabalhei 16 anos com a Enterpa, 8 anos com a Vega Sopave que coletavam o lixo de São Paulo. Tenho quatro livros escritos sobre adubação orgânica.
O problema do nordeste brasileiro é de adubação de solo?
O nordeste tem um solo aparentemente pobre, só que tem sais minerais.Ele não tem é água. Em primeiro lugar deve ser fornecida água, em segundo a matéria orgânica. Os sais minerais já existem naquela região.
O senhor gosta de realizar atividades inovadoras, como foi a história do Petrônio?
Fiquei sabendo que havia uma mulher no Rio de Janeiro que queria doar um chipanzé. Telefonei, acertei com ela, a prefeitura cedeu um veículo, e eu fui busca-lo. Era pequenininho, veio no meu colo. Fomos em uma Kombi, eu pensei que era um animal maior. Ele permaneceu em casa por algum tempo depois foi para o zoológico. Eu era diretor do zoológico. Eu era professor da Esalq e membro do Lions Club Centro, só tinha esse naquela ocasião. A saída da estrada de Rio Claro não era como é hoje. Dava uma volta.
Quando fizeram a estrada reta, ficou uma meia lua de terreno que embora pertencesse á Esalq a estrada havia separado. Para a escola era uma área sem interesse. Era areão, observe a grafia da palavra. Muitos a escrevem de forma errônea, areião. Pensei em fazer um zoológico, falei com o pessoal do Lions. O zoológico foi construído pelo Lions e pelo Rotary.
Um animal em cativeiro pode ter uma qualidade de vida inferior ao animal em seu habitat?
Já foi feita uma experiência com um leão. Através de recursos eletrônicos um leão em seu habitat foi monitorado em todos os seus detalhes de comportamento. O mesmo procedimento foi feito com um leão em cativeiro. O leão que vivia na selva estava estressado, havia a necessidade de alimentar-se, ele passa ás vezes uma semana sem alimentar-se. Quando consegue alimentar-se, acaba comendo em excesso. O leão em um zoológico tem regularidade na alimentação. Os estudos mostram que o fato de estar enjaulado não o deixa estressado.
E a Cidade da Criança?
Convenci o Prefeito Cássio Paschoal Padovani a ir até a Cidade da Criança em São Bernardo do Campo. Fomos juntos, foi a primeira vez em que andei de automóvel Galaxie.Ele gostou da idéia e perguntou-me se eu poderia construir algo naqueles moldes. Eu disse que podia fazer sim. Dei o nome de Paraíso da Criança. Ficava na outra metade de espaço livre, que não era ocupado pelo zoológico. Tive um amigo, João Domingos Salmazi, era aposentado da Sorocabana, que era um homem muito habilidoso. Levei-o para trabalhar para mim. Dr. Losso Neto me forneceu uma série de fotografias de brinquedos próprios de um parque infantil. Uma dessas fotos era a de um leão de boca aberta, que funcionava como bebedouro. O Salmazi construiu uma réplica perfeita.Esse bebedouro está lá até hoje.Também trouxemos um avião desativado, o Salmazi fez as poltronas, revestiu internamente, um cinegrafista fez um vôo pela cidade, filmou, e nós projetávamos em uma tela dentro do avião. A sensação era a estar voando sobre Piracicaba. Tivemos também um bonde desativado. Ficava em uma área isolada do acesso livre, porém com perfeitas condições de ser visto, admirado.









Arquivo do blog