Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, abril 26, 2009

OSMAIR FUNES NOCETE

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista joaonassif@gmail.com
Sábado,25 de abri de 2009
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/ http://blognassif.blogspot.com/


ENTREVISTADO: OSMAIR FUNES NOCETE


Com um custo estimado em 10 bilhões de dólares, o trem bala que fará o percurso entre Rio de Janeiro e São Paulo, com extensão até Campinas retoma um assunto que gera ferrenhas discussões: o transporte ferroviário no Brasil. Com o estabelecimento das concessões ferroviárias, cujos prazos atingem até 50 anos, desapareceu o trem de passageiros, a malha ferroviária está a serviço do transporte de cargas. O valor a ser aplicado na construção do trem bala se aplicado na construção de ferrovias convencionais, considerando o valor de 1 milhão de dólares por quilometro permitiria a construção de 10.000 quilômetros de ferrovia em todo o país. Percebe-se claramente que recursos não faltam, o que se têm pela frente são decisões de cunho político. Vivemos tempos de internet de alta velocidade, quando já são realizados testes para a transmissão por fios de energia elétrica, onde qualquer tomada de luz poderá passar a ser um ponto de conexão com o mundo, com alta velocidade, muito acima das utilizadas até o momento. Em meio a essa verdadeira panacéia fazemos uma incursão ao passado recente. Uma figura quase extinta das nossas lembranças é o telegrafista. A chegada de um telegrama era um acontecimento. Fechamento de negócios. Notícias familiares. Tudo que era de extrema urgência tinha no telegrama o seu instrumento maior. Até então a telefonia era precária, era muito comum ir e voltar á São Paulo em um tempo menor do que conseguir uma ligação telefônica para o mesmo local. Isso em uma época de estradas e veículos com tecnologia muito inferiores a atual. Osmair Funes Nocete é ferroviário aposentado e filho de ferroviário, iniciou trabalhando como telegrafista chegando a ser Chefe de Estação. É ele quem proporciona uma rápida lembrança da realidade que já pertence ao passado. Nascido em Rio das Pedras, em 31 de dezembro de 1938, filho de Francisco Funes Fernandes e Laura Nocete, descendentes de espanhóis.
O seu pai, Francisco Funes Fernandes trabalhava na ferrovia?
Ele era funcionário da Estrada de Ferro Sorocabana, trabalhava na via permanente, responsável pela conservação da linha do trem. Seu ingresso na empresa deu-se quando ele tinha aproximadamente 25 anos de idade. O ramal da Sorocabana vinha de São Pedro e ia até Itaici. Em Itaici existia a escolinha de telegrafistas. Havia o entroncamento, o trem que vinha de Piracicaba seguia para Jundiaí. O trem que vinha de Mairinque ia para Campinas.
Em Jundiaí, assim como em quase todas as outras estações havia vendedores de produtos alimentícios?
O trem parava, havia os vendedores de biscoito de polvilho, um cone de papel com amendoim salgado dentro, uva, figo. Na região de Jundiaí já havia a produção de figos e uvas.
Seus primeiros estudos foram feitos onde?
Cursei a escola primária em uma localidade denominada Chave do Barão, não restou mais nada das construções da época nessa localidade, era o que chamávamos de Turma de Conserva, havia umas cinco casas construídas no local. Indo pela estrada que liga Rio das Pedras á Mombuca próximo á Fazenda Lageado ficava a Chave do Barão. Ali moravam o feitor, o encarregado e os trabalhadores. Meu pai era o encarregado. Moravam cinco famílias, cada um em uma casa. As casas eram de alvenaria. Era composta por: sala, dois quartos e cozinha. O banheiro ficava na área externa da casa, ainda no sistema de fossa séptica. Havia dois poços de água em frente ás casas. Fazíamos o primário lá. Lembro-me do nome de uma professora: Elza Moura Barbosa. O quarto ano primário era feito em Mombuca, nós íamos de trem, como era filho de ferroviário tinha o passe livre para viajar pelo trem. Uma das minhas professoras nessa escola foi Dona Nair. Ela era da família Siqueira que tinha uma loja de ferragens na Rua Governador Pedro de Toledo esquina com a Rua XV de Novembro, a Casa Siqueira. Quando eu mudei para Piracicaba já tinha 13 anos de idade. Passei a minha infância entre Rio das Pedras e Mombuca.
Você ainda pequeno já ajudava nos afazeres domésticos?
Eu era criança, punha o bigolo nas costas, com dois baldes pequenos, um de cada lado e ia buscar água na bica.
O que era bigolo?
Era um pau, á semelhança de um cabo de enxada, com um prego em cada extremidade, para evitar que o balde caísse, um balde equilibrava o outro, fazia o contrapeso.
A linha de trem exigia uma área lateral a ser preservada ao longo do seu trajeto. Quantos metros eram reservados para a linha de trem?
A faixa da Companhia é de 15 metros de cada lado da linha do trem. Isso era de acordo com o regimento.
Porque ao longo da linha, junto aos trilhos, havia a plantação de erva-cidreira?
Era para retenção de aterro, contenção de erosão. E evitava a invasão do mato sobre a linha de trem. Lembro-me do tempo em que os dormentes eram assentados diretamente sobre a terra. Depois fizeram o que foi denominado de empedramento, foram colocadas pedras na linha. O dormente passou a ficar sobre a pedra, e quando chovia a água infiltrava através das pedras. Chamávamos isso de deixar a linha “laqueada”. Funcionava como um dreno evitando o apodrecimento do dormente.
Qual tipo de madeira que era utilizada para fazer os dormentes?
Ultimamente era o eucalipto. Mas houve uma época em que era utilizada madeira de lei. Naquele tempo havia abundancia. A madeira já vinha prontinha, na forma de dormente, para ser colocada no leito da linha.
A furação para fixação da linha junto ao dormente como era feita?
Furavam na verruma, um trabalho manual. Tinha vários tipos de prego. Um modelo era fixado mediante golpes de marreta. Tinha um que nós chamávamos de tirefon, esse utilizava rosca para ser parafusado no dormente.
Qual era a bitola da Sorocabana?
Era a bitola de 1 metro, bitola métrica. A Companhia Paulista era de 1,60 metros. Não existia um acordo entre as ferrovias. A bitola de 1 metro leva desvantagem, não pode andar a mais de 80 quilômetros por hora. Quando passou a ser Fepasa, em Campinas havia um guindáste que retirava o vagão da bitola estreita e punha em cima da bitola larga. Quando houve a fusão entre a Sorocabana e a Paulista, aqui em Piracicaba para tirar o trem de dentro da cidade na Água Branca foi feita uma ligação com a Companhia Paulista. Na ocasião eu trabalhava na Estação da Paulista.
Você começou a trabalhar como telegrafista com que idade?
Eu comecei a trabalhar de fato em 1958. Fui trabalhar em Pedro Barros, próximo a Juquiá. Eu estava completando 18 anos, já tinha feito o curso de dois anos para exercer a função de telegrafista.
Você conheceu o Rancho Alegre, em Piracicaba?
Funcionava como um buffet. Cheguei a trabalhar lá como ajudante de confeiteiro. Eu tinha uns 14 anos. A proprietária era a Dona Joaninha. Trabalhei como ajudante de padeiro na Padaria Di Giacomo, na esquina da Catedral onde está hoje um supermercado. O forno era a lenha, nós ficávamos enrolando os pãezinhos. Era tudo feito no braço. Padeiro não tinha pelos no braço. Tinha o filão também conhecido por bengala. Havia outros tipos de pão como o filãozinho, pão italiano, pão trançado. Eu ficava a noite inteira trabalhando, e ainda, como ajudante eu fazia o café para todos tomarem a noite. Um café com pãozinho feito na hora é uma delicia. Nessa época eu praticava telegrafo durante o dia e fazia bico na padaria.
Você tinha linha aberta de telégrafo para praticar?
Praticávamos na linha intermediária. Havia uma que se comunicava de Piracicaba até São Pedro. Outra linha intermediária que se comunicava com Rio das Pedras. Havia duas linhas exclusivas com São Paulo, nessas linhas nós não interferíamos.
Havia diversos aparelhos de telégrafos na mesma sala, o som de um não atrapalhava o outro?
Não! Cada um encostava-se ao seu telegrafo e tinha que ficar concentrado nele.
O primeiro local que você passou a trabalhar como telegrafista foi onde?
Foi em Pedro Barros, no dia 5 de agosto de 1958. Éramos dois telegrafistas, eu e o Saccaro de Rio das Pedras. A cidade mais próxima era Miracatu. Para chegar lá era só pela ferrovia, levava um dia para chegar. Para vir a Piracicaba tinha que acumular as folgas, isso porque era um dia para vir e mais um dia para voltar. Na época em São Paulo não havia estação rodoviária. Cada empresa de ônibus tinha uma agencia na cidade. A Estrada de Ferro Sorocabana fornecia em Pedro Barros um quartinho para usar como dormitório, só que a comida nós tínhamos que nos virarmos para prover. Era um quartinho de madeira, fazia um calor tremendo.
Você usava uniforme?
Na Sorocabana não usávamos uniforme. O traje exigia o uso de gravata, e a companhia mandava um quepe em que estava escrito telegrafista.
Havia uma cooperativa para fazer as compras de consumo doméstico?
A cooperativa ficava em Itu ou São Vicente. Só quando era solteiro não comprava. Era um sistema semelhante ao cartão de crédito hoje, só que era feito através de uma caderneta, onde marcávamos os produtos que queríamos e ao final do mês vinha descontado no pagamento. O trem trazia as encomendas, vinha em um saco branco.
Quanto tempo você permaneceu em Pedro Barros?
Fiquei por um ano. Depois disso pedi a minha transferência e o único lugar disponível era Acaraú. Em Pedro Barros já havia certa infra-estrutura. Acaraú não tinha energia elétrica, só tinha água que caia da serra e era depositada em um tanque. Tinha a estação, a casa do mestre de linha, um barracão de madeira meio caindo, e duas casas de madeira dos portadores. Eu comia pão com banana. Comi muito pão com banana. Acaraú era denominado de Quartel General dos Borrachudos. Permaneci ali por 4 anos. Até hoje tenho sonhos com esse local, na verdade quase verdadeiros pesadelos! Uma curiosidade topográfica. A Via Anchieta tem de aclive sete por cento. A Estrada de Ferro Sorocabana, de Evangelista até Gaspar Ricardo tem quatro por cento de aclive. Tanto que a locomotiva subia com 350 toneladas. De Mairinque até Santos existem 32 túneis. Isso foi construído em 1932, projetado para linha dupla até Samaritá e para eletrificação. Quando sai de Acaraú estavam terminando a eletrificação. Quando mudou para a Fepasa tudo virou sucata.
Como era o apelido do aparelho de telegrafo simples?
Era Pica-Pau. Por causa do barulho semelhante ao que a ave faz com seu bico. É um aparelho de origem inglesa. O espanholete ou cabeça de cavalo era assim denominado por ter duas teclas.
O que é staff?
São bastões de ferro, integrados a uma argola de couro, para facilitar a entrega ao maquinista. O bastão é engatado embaixo. Em Acaraú o trem passava a 40 quilômetros por hora, ele pegava o staff de Acaraú e deixava o dele em um arco na entrada. Em Nova Odessa o trem passava em alta velocidade e eles jogavam o staff no chão da estação. O maquinista pegava no braço o staff da estação.
Você permaneceu como telegrafista até quando?
Até quando foram unificadas as ferrovias, passando a serem denominadas de Fepasa. Nessa época o meu cargo passou a ser denominado auxiliar de estação. A função era a mesma. Havia uma devoção do funcionário para com a empresa, e na época sentíamos que uma grande injustiça estava sendo feita com os funcionários, que sentiam orgulho em trabalhar em uma ferrovia. Nosso salário não era reajustado de acordo com os índices econômicos. Nas minhas horas de folga passei a trabalhar como taxista para complementar o meu salário. Tinha um amigo, o José Segredo, trabalhávamos de forma alternada com o táxi. A cada noite um trabalhava com o táxi. Fazíamos ponto ali na Rua XV de Novembro com a Avenida Armando Salles. Chamava-se Ponto Santa Clara, mas era conhecido como Ponto Guerra, ficava de frente para o Supermercado Guerra, onde mais tarde funcionou a Márcia Pisos.
Quantos anos você trabalhou como telegrafista?
Permaneci por 15 anos. Na época tudo era feito por telegramas. Telegramas de aniversários, negócios. Em Pedro Barros tinha diversos bananicultores, quando Santos mandava um telegrama mandando carregar frutas, já sabíamos o teor do telegrama. O texto era: “Confirmo carregamento 800 cachos banana exportação embarque vapor Ana Maru Santos dia (dava até o dia)”. Lembro-me até hoje Eram exportadas muita banana por lá. Eram dois a três trens por dia. Quando falavam o nome de um bananicultor já sabíamos que era para carregar banana.
Como era cobrado o telegrama?
Era cobrado por palavras. Mais do que 25 caracteres cobravam-se como duas palavras.




Arquivo do blog