Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

sábado, agosto 28, 2010

Maria de Fátima Carvalho Esteves

JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 29 de agosto de 2010
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/
ENTREVISTADA: Maria de Fátima Carvalho Esteves
Por inspiração do Ano Internacional das Pessoas Deficientes em 1981, o conceito em relação ao deficiente foi alterado: não é o deficiente que tem que adaptar-se à sociedade, mas a sociedade tem que adaptar-se às pessoas "diferentes". A deficiência não é então um atributo do indivíduo, mas está relacionada à forma como a sociedade o vê. Esse processo pelo qual a sociedade se adapta para poder incluir em seu contexto as pessoas com necessidades especiais é denominado inclusão. Incluir alguém em um grupo é dar-lhe condições para que possa participar ativamente das idéias e atividades do mesmo.


A segunda colocada no concurso Miss Brasil 2008, Vanessa Vidal é deficiente auditiva desde que nasceu. Para ela, é importante aproveitar a visibilidade para apresentar ao mundo as comunidades que são minorias, como os deficientes. “É preciso mostrar para a sociedade que somos todos capazes, mesmo com as diferenças.” Sobre as coisas que aprendeu com o concurso Miss Brasil 2008, ela completa: “A maior lição é que somos todos capazes de alcançar nossos sonhos. Temos apenas que lutar, sermos perseverantes e não desistirmos desses sonhos. Com humildade e determinação podemos realizar tudo o que quisermos”. Desde 1991 existe uma lei no Brasil que obriga as empresas com mais de 100 funcionários a contratarem pessoas portadoras de deficiências. A lei prevê que uma determinada quantidade de vagas, que varia de 2% a 5% do número total de funcionários, deve ser reservada para pessoas deficientes. Com isso, um número crescente de portadores de necessidades especiais está entrando com força total no mercado de trabalho. Junto com esse fenômeno, vem também a necessidade de adquirir habilidades e conhecimentos para exercer tais funções. No Brasil a história da educação de surdos iniciou-se com a criação do Instituto de Surdos-Mudos, o atual Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES). Fundado em 26 de setembro de 1857, pelo professor surdo francês Ernet Hwet, que veio ao Brasil a convite do Imperador D. Pedro II para trabalhar na educação de surdos e mudos. Segundo a FENEIS (Federação Nacional dos Surdos), o surdo–mudo é a mais antiga e incorreta denominação atribuída ao surdo, e infelizmente ainda utilizada em certas áreas e divulgada nos meios de comunicação. Para eles o fato de uma pessoa ser surda não significa que ela seja muda. A mudez é outra deficiência. O surdo é alfabetizado e tem a Libras, Língua Brasileira de Sinais, como sua língua própria. Em Piracicaba a Apaspi, Associação de Pais e Amigos de Surdos de Piracicaba tem realizado um trabalho de inclusão social dos mais proveitosos e representativos. Dezenas de profissionais atuantes em empresas localizadas em Piracicaba foram freqüentadores da Apasp. A presidente da Apasp Maria de Fátima Carvalho Esteves é um exemplo de quem se mobiliza por uma causa sem motivação de cunho espiritual, religioso, político ou de qualquer outra ordem a não ser a abnegação. Os progressos realizados por cada deficiente auditivo trazem uma satisfação tão imensa que todos os seus esforços para conciliar sua vida profissional, doméstica e de voluntária na Apasp são extremamente compensados. Nascida em Piracicaba a 5 de abril de 1953, filha de Antonio Pinto Carvalho e Helena Lopes Carvalho, é casada com o advogado José Aref Sabbagh Esteves. É diretora da empresa Delta Org que exerce atividades nos setores de contabilidade, imobiliário e advocacia.

Há alguém com deficiência auditiva em sua família?

Não! Muitas vezes eu me pergunto o que me levou a participar da Apaspi, Associação de Pais e Amigos de Surdos de Piracicaba, simplesmente eu passava em frente, quis conhecer, entrei, e lá já estou a dezessete anos como voluntária e há seis anos como presidente. Júlio Lázaro Sierra foi presidente de Apaspi por 22 anos, ele era gerente de uma agencia bancaria em Piracicaba, ficou sabendo que a Apaspi iria encerrar suas atividades caso alguém não assumisse a sua direção. Sensibilizado pela situação ele assumiu a direção da entidade permanecendo como presidente por 22 anos.

A Apaspi arrecada seus recursos de qual forma?

As prefeituras das cidades que assistimos contribuem, recebemos doações de pessoas e empresas que contribuem com valores indeterminados, de forma voluntária, realizamos eventos como bazar, bingo, venda de pizzas, tudo visando cobrir nossas despesas. Mantemos um quadro de profissionais qualificados para atender aos nossos alunos, a nossa folha de pagamento com os encargos legais, torna-se bastante representativa diante do nosso orçamento.
A Apaspi recebe também crianças de outras localidades?
Atendemos crianças de Tietê, Charqueada, Santa Barbara D`Oeste, Rio das Pedras. Recebemos a todos que nos procuram.

Como são as atividades com os alunos?

Cada criança tem uma necessidade própria, tendo para ela a sua atendente habilitada. Conforme a necessidade individual é dado o tratamento adequado. Atendemos desde recém nascidos até pessoas com 21 anos. Os recém nascidos atendemos na Santa Casa de Misericórdia de Piracicaba, a nossa fonoaudióloga que realiza o “teste da orelhinha”, nos moldes do “teste do Pezinho”. Atualmente é uma exigência legal que se realize a avaliação auditiva do recém nascido. Dispomos de uma sala na Santa Casa, ao nascer a criança é conduzida para que façamos o teste da orelhinha, não apresentando nenhuma anormalidade auditiva emitimos uma carta de responsabilidade atestando a plena capacidade de audição do recém nascido. Caso a criança apresente alguma deficiência ela é assistida gratuitamente.

Além dos jovens a Apaspi é procurada por pessoas de outras faixas etárias?

Estamos sendo procurados por pessoas da terceira idade, muitas vezes são problemas auditivos decorrentes de diversos fatores característicos da própria idade. Todos são atendidos gratuitamente.
Atualmente quantas pessoas são assistidas pela Apaspi?

São 56 crianças. É interessante que existem ex-alunos que já estão aptos para seguirem seus caminhos, costumamos dizer que estão “de alta”, mas que permanecem conosco, não querem se desligar da Apaspi. Muitos nos ajudam em eventos, em atividades promovidas pela Apaspi. Tínhamos cerca de 110 pessoas assistidas pela Apasp, a empresa Nabisco contratou umas 50 delas para trabalhar na empresa. Temos outras pessoas educadas por nós trabalhando no Supermercado Jaú, no Hospital da Cana. Hoje há uma grande demanda do mercado, que necessita contratar deficientes, por força de lei. Para o deficiente são as oportunidades que ele nunca teve e que agora aparecem. Antes, ninguém queria contratar um deficiente auditivo.
Como é o desempenho profissional dos deficientes auditivos?

É ótimo! Ao iniciarem suas atividades em uma empresa, há um acompanhamento por parte da Apaspi, com uma pessoa do nosso quadro de funcionários monitorando até ocorrerem às perfeitas adaptações do contratado ao serviço.
Os deficientes auditivos que passam pela Apaspi constituem família?

Levam uma vida normal. Há até o caso de uma professora nossa que se casou com um deficiente auditivo que foi aluno da Apaspi. Conheceram-se, casaram e hoje tem um filho.

A senhora acredita que em Piracicaba e cidades da região existam mais deficientes auditivos que não conhecem a entidade?

Acredito que existem deficientes auditivos que não nos conhecem Estamos realizando um trabalho de divulgação junto a creches, escolas, procurando levar informações sobre o trabalho que a Apasp realiza. Queremos trazer todos os deficientes auditivos para dar-lhes melhores condições de vida. A lei que abriu as perspectivas de trabalho para os deficientes proporciona melhores expectativas ao mesmo tempo em que valoriza o ser humano.
Os deficientes auditivos assistem a filmes?

Chamamos de “interprete” a pessoa que os acompanha e através da língua dos sinais faz a ponte de comunicação, há grupos de deficientes auditivos que vão ao cinema no Shopping Piracicaba, após assistirem ao filme tomam lanches no Mac Donalds. Estamos com um curso disponível á todos os interessados, não precisa ser deficiente auditivo para freqüentar, é o curso de língua dos sinais.

Todo surdo é mudo?

Nem todos, alguns ao colocarem o aparelho auditivo passam a falar. Temos as mais diversas situações possíveis. Recebemos um menino com uma série de problemas, entre eles a deficiência auditiva. Era uma criança que não tinha a capacidade física de sustentar-se em pé. Hoje ele com o auxilio de aparelhos já caminha. Para nós isso é extremamente gratificante.

Entre muitas passagens marcantes de situações com alunos há alguma que a senhora lembre-se no momento?

Foi com uma menina, conseguimos adquirir um aparelho auditivo para ela, a mãe não sabia. (nesse momento Maria de Fátima fica com a voz embargada, revive com muita emoção o fato). Quando a mãe veio buscar essa criança a emoção foi muito forte, a criança disse: - Mamãe! Isso me marcou muito, são situações como essa que compensam todo nosso esforço, nos motiva a trabalhar cada vez mais.

Os alunos da Apaspi são alegres?

São muito alegres, cantam, temos o nosso coral! São cerca de doze pessoas. Para nós é uma grande alegria.

Os alunos freqüentam a Apaspi em que dias da semana?

De segunda a quinta feira, nos horários das 8 ás 11 horas e das 13:30 ás 16:30 horas.

É significativo o custo de um aparelho para audição?

Conforme a necessidade do paciente é um tipo de aparelho e um custo, mas são valores significativos.

Como surgiu a vocação da senhora para prestar serviço voluntário?

É algo que existe dentro de mim, nem imagino em deixar de prestar esse tipo de serviço. Podem tirar tudo de mim, mas as minhas crianças não! (Maria de Fátima refere-se aos alunos da Apaspi como “minhas crianças”). Há muitas entidades necessitando de voluntários.

A Apaspi recentemente recebeu a visita de representantes de uma grande empresa?

Representantes da empresa Hyundai estão percorrendo todas as entidades assistenciais de Piracicaba, no nosso caso passaram o dia 11 de agosto conosco, acompanhando as nossas atividades. Mostramos o nosso trabalho e eles nos mostraram o que a empresa faz. Acredito que tanto nós como eles saímos muito emocionados, participamos juntos dos trabalhos realizados nesse dia.
A senhora acredita que dessa visita resulte alguma parceria entre a Apaspi e a Hyundai?

Acredito que sim, embora não exista nenhum protocolo de intenções.

A Apaspi recebe apoio de alguma grande empresa ou indústria?

Não recebemos nenhum apoio dessa natureza.

A Apaspi segue alguma crença religiosa?
Não temos vínculos com nenhuma religião.

Como os seus familiares vêm a sua dedicação á entidade?

A minha família participa ativamente de todos os eventos que são realizados lá, eles me apóiam muito. Na ultima segunda feira realizamos uma passeata com os deficientes pelo centro da cidade, saímos do Mercado Municipal e fomos até a praça central, o objetivo foi de sensibilizar as demais pessoas de que os deficientes podem participar ativamente da sociedade, a inclusão do deficiente é muito importante. Na terça feira a noite, no Shopping Piracicaba, foi realizado um desfile de modas só com modelos portadores de deficiência.
Qual é a visão do mundo do deficiente auditivo?

Eles não se entregam, estão sempre felizes. Digo que sempre que vou á Apaspi recarrego minhas baterias! Cada rostinho está sempre feliz, eles nos transmitem segurança, nos apóiam!

Há vagas para voluntários?

Estou recebendo de braços abertos. Os únicos pré-requisitos é ter vontade e gostar de exercer o voluntariado. Temos grande necessidade de voluntários que atuem voltados para a área de informática, estamos montando uma sala, mas ainda não temos professores. Aqueles que queiram fazer doações de equipamentos de informática, mesmo que sejam usados, estamos aceitando. Contamos com um gabinete dentário, porém atualmente estamos sem dentista, os profissionais que desejarem ser voluntários serão muito bem recebidos. Realizamos a Feira da Economia no Teatro São José que é cedido graciosamente.

É longa a durabilidade de um aparelho de audição?

A vida útil de um aparelho sofre variações conforme a faixa etária, geralmente crianças tendem a se descuidarem mais do que adultos.









sábado, agosto 21, 2010

Victor José Ferreira

JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
Sábado 21 de agosto de 2010
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
ENTREVISTADO: Victor José Ferreira
A concorrência comercial entre países é bastante acirrada, centavos de dólar é um fator decisivo em negociações de grande magnitude. O Brasil é um país de dimensão continental sendo o seu principal meio de transporte o rodoviário. É de conhecimento público que a relação custo/beneficio do transporte ferroviário de cargas é uma das mais atraentes, em qualquer parte do mundo. O transporte de passageiros tem no metrô um dos maiores exemplos de viabilidade econômica, desde que planejado com o devido cuidado, e não como em alguns casos ocorridos no passado em que um traçado ferroviário ia de parte alguma para lugar nenhum, obedecendo mais o caráter político do que técnico para a dispendiosa implantação de uma ferrovia. Os desacertos, a estagnação, interferências políticas, foram uma bela vidraça que o transporte ferroviário ofereceu para os defensores de setores rodoviários atirarem as suas pedras. O que vimos foi uma verdadeira dilapidação do patrimônio ferroviário, o desmantelamento das redes de alimentação elétrica para as ferrovias, a malha ferroviária foi preterida em função do transporte rodoviário, em um momento em que diversos países buscaram a solução do transporte intermodal, integrando transporte ferroviário, fluvial e rodoviário, e conseguindo reduzir o custo de transporte, tornando os produtos mais competitivos no mercado interno e externo. Pessoas de reconhecida projeção acreditam na viabilidade econômica do trem, preservam com muita dedicação a memória do que o trem de fato representou em nossa sociedade até algumas décadas. Essa memória não foi de toda varrida, ela existe e é preservada, não apenas no aspecto saudosista, mas na importância econômica e social que o trem teve no Brasil. Um dos grupos mais representativos é o Movimento de Preservação Ferroviária, que tem entre os seus objetivos, divulgar junto aos formadores de opinião a verdadeira importância econômica e social do transporte ferroviário em nosso país. Um trabalho feito por abnegados voluntários, que dão sua cota de contribuição em beneficio de todos. Piracicaba tem uma participação efetiva nesse processo. O lançamento do livro "Trilhos & Letras, o Trem na literatura" aconteceu no dia 20 de agosto, sexta-feira no Centro Cultural Martha Watts. Organizado por Victor José Ferreira, Presidente do Movimento de Preservação Ferroviária., com 232 páginas, desdobra-se em três partes: Trem dá Prosa, Trem da Verso e Trem dá Música. A obra contém trabalhos de Adélia Prado, Affonso Romano de Sant'Anna, Almir Maia, Arnaldo Niskier, Fernando Brant, Ferreira Gullar, Gustavo Alvim, Hélio Dias, Ivan Lins, Martha Medeiros, Paulo Coelho, Rubem Alves e diversos ferroviários. A programação incluiu além da sessão de autógrafos, um painel sobre o tema "Nos trilhos da memória", com os autores de Piracicaba Almir Maia, Gustavo Alvim e Hélio Dias.

Victor José Ferreira, em que cidade o senhor reside atualmente?
Sou natural de Volta Grande, Minas Gerais onde nasci em 11 de fevereiro de 1943. Volta Grande é também a terra onde nasceu o cineasta Humberto Mauro. Em 1967 mudei para o Rio de Janeiro onde resido até hoje.

Qual era a profissão dos seus pais?

Sou filho de Durval Nazário Ferreira e Maria Moreira Ferreira meu pai era barbeiro e minha mãe, dona de casa.

Quando foram os seus primeiros contatos com o trem?

Antes de completar 14 anos, fui selecionado e admitido como aluno-aprendiz na Escola Profissional Ferroviária de Além Paraíba, em Minas Gerais, mantida pela Estrada de Ferro Leopoldina associada com o SENAI. Conclui o curso de torneiro mecânico e por 4 anos fui professor no Centro de Formação Profissional de Governador Portela, em Miguel Pereira, Rio de Janeiro. Dentro da Rede Ferroviária Federal quais funções o senhor exerceu?

Trabalhei exercendo funções gerenciais em diversos escalões, chefiei a Divisão de Administração de Pessoal da RFFSA, Rede Ferroviária Federal S/A, até 1984, quando passei a Diretor de Recursos Humanos da CBTU – Companhia Brasileira de Trens Urbanos. Em maio de 1985 voltei a REFFSA onde exerci outras funções, como Chefe do Departamento de Desenvolvimento da Organização, Chefe do Gabinete da Presidência, Superintendente Geral de Informática e Superintendente Geral de Pessoal. Aposentei-me e desliguei-me da empresa em 1994.

E na área educacional?

Fui voluntariamente membro dos Conselhos Diretores do IEP, Instituto Educacional Piracicabano, mantenedor da UNIMEP, Universidade Metodista de Piracicaba e do Colégio Piracicabano; do Instituto Metodista Granbery, do IMB – Instituto Metodista Bennett, mantenedor do Centro Universitário e do Colégio Bennett onde exerci também as funções de Diretor Geral, Reitor e Diretor do Colégio. Fui Diretor Executivo do Cogeime, Instituto Metodista de Serviços Educacionais, entidade que integra e supervisiona a Rede Metodista de Educação. Voluntariamente, presido o MPF – Movimento de Preservação Ferroviária e sou Coordenador do GFPF, Grupo Fluminense de Preservação Ferroviária.

O senhor ainda trabalha no setor ferroviário?

Desde 2008 trabalho em uma autarquia federal vinculada ao Ministério dos Transportes, a Sesef, Serviço Social das Estradas de Ferro. De 1994 até 2008 trabalhei como consultor, fiz inclusive consultoria para a área rodoviária também, além de prestar consultoria á Vale do Rio Doce, Ferrovia Centro Atlântica.

Como surgiu o Movimento de Preservação Ferroviária?

Em março de 1994 aposentei-me, com alguns companheiros ferroviários fundamos o Movimento de Preservação Ferroviária, que nasceu em 1997 em Passa Quatro, no sul de Minas Gerais. Em 2003 ele formalizou-se como uma associação. Contamos com muito apoio da UNIMEP que tinha como seu reitor o Prof. Almir Maia, o Prof.. Gustavo Alvim era o vice-reitor, o Prof. Eliezer Barreto, também vice-reitor, nos deram muito apoio, assim como o Prof. Helio Dias, na ocasião diretor da Faculdade de Arquitetura. A UNIMEP foi fundamental para fortalecer esse movimento.

Quais são as premissas básicas desse movimento?
Trabalhamos com dois vetores, um é a preservação do patrimônio histórico cultural ferroviário, o resgate, a valorização a difusão de patrimônio tanto material denominado como patrimônio construído, oficinas, galpões, caixa d`água, carros de passageiros, locomotivas, estações, assim como o patrimônio imaterial, que é o folclore ferroviário, as tradições, musicas que tem o trem como tema, literatura. Além de trabalhar nessa linha, outra é a de apoiar projetos que tangem revitalizar o transporte sobre trilhos no país, principalmente os que visam o transporte de passageiros, assim como os trens turísticos e culturais.
O transporte ferroviário de passageiros é economicamente viável?
No mundo inteiro é viável, na Europa viaja-se para todos os lados de trem, o Japão e a China estão investindo fortemente nisso, a China já têm alguns e está construindo mais quinze trens de alta velocidade, inclusive um que opera com levitação magnética, está em fase de desenvolvimento de projeto de um trem com levitação magnética para atingir a velocidade de 1.000 quilômetros por hora, um verdadeiro avião. No mundo inteiro o transporte ferroviário funciona. No Brasil é que um conluio entre empreiteiras, indústrias do petróleo, indústrias automobilísticas, autoridades corruptas, a partir do final da década de 40 literalmente fez com que o nosso pais saísse literalmente dos trilhos. A nossa matriz de distribuição de transporte contradiz o que acontece no mundo. Em nenhum lugar existem caminhões e ônibus que façam viagens tão longas! O normal no mundo é que o transporte rodoviário faça as pontas e as partes urbanas, sendo que nos centros urbanos predomina o transporte por metrô. No Brasil somos exceção. Mas estamos retomando, vendo perspectivas boas principalmente para transportes de passageiros, há alguns projetos como o trem de alta velocidade do Rio de Janeiro á Campinas, há um projeto denominado de “trens regionais de passageiros”, são 64 trechos que o BNDS identificou na malha ferroviária brasileira que tem potencial para trens regionais. Não os trens tradicionais pesados, mas sim o VLT, Veiculo Leve sobre Trilhos, para transporte de passageiros, com vários horários por dia, para ser uma alternativa para o transporte de passageiros. O trecho entre Piracicaba e Campinas é um dos 64 selecionados. E temos os trens turísticos e culturais, são trens de pequenos percursos que funcionam aos fins de semana e feriados, já temos mais de 20 funcionando em todo o país que transportaram mais de 2 milhões de passageiros por ano.
O que a Petrobras pensa a respeito?

A Petrobras tradicionalmente foi parceira da RFFSA, inclusive a RFFSA foi uma grande transportadora de petróleo antes de serem construídos oleodutos. A Petrobras é uma empresa que tem que estar afinada com a política do governo. A política do governo atual é de fortalecer a ferrovia.

Quem pode participar do Movimento de Preservação Ferroviária?

Qualquer pessoa, o movimento é constituído por voluntários, não cobramos mensalidades, basta a pessoa participar dos nossos eventos, visitar com freqüência o nosso site www.trembrasil.org.br, fazemos vários seminários todos os anos, no inicio de março de 2009 fizemos em Piracicaba um encontro regional, agora em setembro faremos o XI Seminário Nacional que denominamos de Preserve 2010, é um seminário que abrange todas as nossas áreas de preservação. O primeiro dia será no auditório do CREA no Rio de Janeiro, o segundo dia será no Teatro Universitário do Instituto Metodista Bennett, vem participantes de todo o país. Nosso movimento não opera trem e nem nasceu para isso, ele estimula pesquisas, projetos, organizar seminários, livros, trabalhos acadêmicos. Temos um bom relacionamento com o Ministério Público Federal, por isso quando acontece uma ameaça ao patrimônio, locomotivas, carros de passageiros e temos conseguido que eles acionem a justiça para protegê-los.

Recentemente tivemos o caso de uma concessionária literalmente picar vagões ferroviários, a APF acionou o Ministério Público?

Soubemos e denunciamos a Procuradoria Geral da Republica e eles estão sendo processados por isso. Fizemos a mesma denuncia também para a Agência Nacional de Transportes Terrestres que tem aplicado multas. A America Latina Logística, ALL, foi recentemente multada em um por cento do seu faturamento por ter destruído uma ponte tombada pelo patrimônio histórico e ao reconstruí-la não ter observado as características de origem. Estamos vigilantes, temos denunciado os casos que tomamos conhecimento e temos obtido sucesso.
O que se faz com as vias permanentes ( linhas de trem) abandonadas?

O Presidente da Republica deverá assinar por esses dias um decreto autorizando a revisão dos contratos de concessão e as concessionárias terão que responder por esses trechos que elas abandonaram. Nos trechos em que elas abandonaram e houve depredação elas deverão ser responsabilizadas por isso, porque quando assinaram o contrato de concessão assumiram o compromisso de devolver da maneira que receberam. O Ministério Público Federal tem chamado a responsabilidade a Superintendência de Patrimônio da União, a ANTT, e alguém irá responder por isso. Nenhuma área pública da União pode ser utilizada sem autorização. Nós da APF quando recebemos alguma denuncia concreta se possível com fotografias, havendo a confirmação de agressão ao patrimônio fazemos a denúncia ao Ministério Público Federal imediatamente.
Com relação ao trem bala ligando Campinas ao Rio de Janeiro há questionamentos sobre a viabilidade comercial?

Existem alguns dados que foram levantados afirmando que a demanda está superestimada, mas a experiência existente no mundo inteiro é de que à medida que o projeto é implantado a demanda cresce. O passageiro vê que o trem de alta velocidade, a partir dos 250 a 300 quilômetros por hora é altamente competitivo com o avião. Sai do centro da cidade, não está sujeito a fenômenos climáticos, não exige a chegada antecipada como nos aeroportos, é muito confortável, seguro, permite uma liberdade que o avião não oferece.

O que falta para que o trem de alta velocidade seja implantado no Brasil?

Acho que era a vontade política, e agora está acontecendo, no atual governo está havendo uma retomada do transporte ferroviário. Esta começando a ser construída a ferrovia Oeste-Leste na Bahia, esta dando prosseguimento mais acelerado a Norte-Sul, o governo do estado de São Paulo está investindo fortemente no transporte metropolitano, o metrô de São Paulo está transportando 2,2 milhões de passageiros por dia. A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, CPTM, mais 2,2 milhões de passageiros com perspectivas de chegar a transportar em curto prazo a 2,5 milhões. Na região serrana do Rio de Janeiro, em Nova Friburgo, abriu a licitação para construir um sistema urbano sobre trilhos, há uma retomada á ferrovia, o chamado Custo Brasil é muito onerado pela opção rodoviarista, a saída está nos trilhos.

Na safra da soja ocorre um congestionamento de dezenas de quilômetros de caminhões transportando o produto para o porto de Paranaguá, qual é a saída para isso não ocorrer?
O caso do Paraná é muito sério, mas até agora não se tem nada de concreto, a solução é a duplicação da ferrovia no trecho da serra, é uma obra muito cara, que um dia deverá ser realizada. A atual situação dificulta a competitividade da nossa soja no exterior.
Qual é a perspectiva para o transporte intermodal?

Dentro do principio em que o caminhão faz as pontas e o trem fazendo as distancias mais longas é um principio praticado no mundo inteiro. Isso já ocorreu no Brasil com a primeira ferrovia construída em nosso país. O Barão de Mauá quando implantou a primeira ferrovia brasileira inaugurada em 30 de abril de 1854, no fundo da Baia de Guanabara ligando o Porto da Estrela até a raiz da serra de Petrópolis, já era um transporte intermodal. O imperador saia do Rio de barca da Praça Mauá e iam até o Porto da Estrela, pegavam o trem até a raiz da serra e de lá faziam os seis quilômetros restantes de carruagem. D. Pedro II era o Imperador Ferroviarista, dizemos que ferroviário é quem trabalha ou trabalhou na ferrovia e ferroviarista é quem se empenha em favor do trem tendo sido ou não ferroviário. Durante o governo de D. Pedro II a malha ferroviária expandiu muito e ele ia às inaugurações até de estações.













domingo, agosto 15, 2010

Tereza Takagi Sato e Susumu Sato

JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 14 de agosto de 2010
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/



ENTREVISTADOS: Tereza Takagi Sato e Susumu Sato

A comunicação imediata de qualquer acontecimento no planeta colocou por terra as grandes distâncias entre os povos de cada nação, um fato impensável há um século. A mobilidade de massas populacionais pelas mais variadas razões, fatos políticos, pouca disponibilidade de recursos naturais para a sobrevivência, discriminações religiosas, e algumas vezes o espírito de buscar novas oportunidades fez com que os países da América ganhassem uma nova face, uma fenomenal mistura de raças que conserva as melhores características de cada uma delas. No Brasil os japoneses e seus descendentes são respeitados pelo profissionalismo e honestidade de propósitos com que atuam nas mais diversas áreas. Os descendentes já nascidos no Brasil são carinhosamente denominados também de japonês. Ninguém questiona a qualidade de um pastel feito por um japonês, da mesma forma que confia no projeto estrutural de um edifício feito por um engenheiro calculista japonês. O imigrante japonês sempre foi muito criativo, adaptou-se logo ao Brasil, transformou o que seriam dificuldades em oportunidades, á custa de uma dedicação obstinada avançou com coragem e firmeza, conquistando o respeito e admiração, evoluindo rapidamente na pirâmide econômica e social. Uma enorme diferença cultural, de hábitos alimentares, costumes, barreira do idioma, foram obstáculos demolidos pelo imigrante japonês, a custa de muito suor, com raríssimas exceções podemos afirmar que é um povo que veio, viu e venceu. O bairro da Liberdade em São Paulo é um pedaço do Japão no Brasil, em Piracicaba o bairro com maior presença de japoneses e seus descendentes é a Paulista, que exibe entre outros, sobrenomes como Takaki, Sato, Ito, Nishimura, Kawai, Kubo, Otsubo, Icizuka, Mizutani, Takematsu, Hara, Yamashita, Komatsu, Nishide, Kamiyama, Hayashi, Onishi, Sudo, Miyazaki. Nas esquinas da Avenida do Café com Rua Sud Mennucci está a sede do Clube Cultural Nipo Brasileiro de Piracicaba, que preserva os costumes e tradições japonesas. Tereza Takagi Sato nasceu no Porto João Alfredo, hoje Ártemis, em 10 de junho de 1930, Susumu Sato nasceu em Yokohama, Japão, a 27 de outubro de 1924 casaram-se há seis décadas conforme o antigo costume japonês, onde a futura esposa era escolhida e após a concordância paterna celebrava-se o casamento. Ela é filha de Shigueki Takaki, o primeiro imigrante japonês falecido em Piracicaba, cujo nome denomina uma das mais conhecidas praças de Piracicaba situada na Paulista. Takaki em japonês significa “árvore grande”.

Susumu o senhor veio com quantos anos para o Brasil?

Ao completar seis anos vim com a minha família composta pelos meus pais e mais cinco filhos. Descemos em Santos, de onde seguimos para Piracicaba, ao chegarmos havia uma recepção festiva com banda de música e tudo, ficamos contentes achando que era pela nossa chegada, quando na realidade era em homenagem ao Governador do Estado que vinha naquela composição. Fomos para a Fazenda Pau D`Alho de propriedade de Paulo Moraes Barros, médico e político piracicabano, era colônia de café. No Japão não se carpia o mato, e sim se arrancava com a mão, aos imigrantes carpir era quase uma novidade. Plantávamos arroz no Japão, para consumo próprio.

Ao chegar à fazenda foram residir em casa?

Cada família passou a residir em uma casa da colônia, já havia japoneses que havia chegado antes. O primeiro impacto que sofri foi com a barreira da língua, próximo a minha casa moravam uns meninos negros, tínhamos vontade de brincar, mas não havia forma de nos comunicarmos pela palavra. Tanto a linguagem como as brincadeiras eram muito diferentes. Logo que cheguei já fui para a escola, só que por três anos permaneci estudando no primeiro ano, simplesmente não sabia falar português! Alguns colegas japoneses, que tinham chegado antes, tinham um pouco mais de domínio da língua e nos ajudavam. Em matemática conseguia excelentes notas, mas quando o professor fazia o “ditado”, onde ele lia e nós tínhamos que escrever, eu recebia péssima nota. A professora era a Dona Candinha.

Com que idade o senhor passou a trabalhar?

Minha família após permanecer por três anos no Bairro Pau D`Alho, mudou-se para o Bairro dos Marins, fomos tomar conta da chácara do Sr. Emilio Fabri. Minha mãe estava grávida, logo nasceram meus irmãos gêmeos, a Maria e o Mario, seu Emilio queria batizar as crianças, ele e a sua filha batizaram a menina, a sua esposa e o filho batizaram o menino. Com seu Ford 1929 ele ia sempre ao sitio, era proprietário de um armazém situado onde hoje está o Bradesco da Paulista, ali ele tinha uma área que abrangia boa extensão do quarteirão, além do armazém tinha um salão onde estocava algodão que adquiria de plantadores da região. Nossa família mudou-se para Tanquinho, de lá mudamos para o bairro da Assistência, próximo a Rio Claro. Com doze anos passei a trabalhar na lavoura, arar, gradear, em lavoura de algodão, isso na Fazenda Itaúna, onde permanecemos por sete anos.

No período da Segunda Guerra Mundial os japoneses no Brasil sofreram algumas restrições?

Pelo fato de morarmos no sitio sentimos pouco as medidas tomadas em relação aos imigrantes. Como era natural, tínhamos armas de fogo para a defesa contra possíveis ataques de animais silvestres. Meu pai tinha um revolver Smith & Wesson que ele deu para o administrador da fazenda guardar. Desmontamos as espingardas, acondicionamos em papel e as colocamos debaixo do paiol. Não podíamos ter rádio, os japoneses, italianos e alemães eram chamados de “quinta-coluna”. (Quinta coluna é um termo usado para se referir a grupos clandestinos que trabalham dentro de um país ou região, ajudando a invasão armada promovida por outro país em caso de guerra).

Qual foi o próximo trabalho que o senhor realizou?

Meu pai percebendo que a rentabilidade do trabalho na lavoura estava ameaçada pela ambição do proprietário das terras arrendadas, decidiu que deveríamos mudar, ou para nossa própria terra ou para a cidade. Estávamos cansados de tanto trabalhar com agricultura, decidimos mudar para a cidade, adquirimos o Restaurante Central, na cidade de São Pedro. Não entendíamos nada de cozinha brasileira, conhecíamos a comida japonesa, permaneceram trabalhando conosco o cozinheiro e dois garçons. Eu e meu cunhado tomávamos conta do restaurante, fomos adquirindo prática.

Nessa época que o senhor e sua esposa se conheceram?

Minha esposa morava com a família em Artemis, ia sempre á São Pedro para visitar um irmão que morava lá.

O namoro japonês é diferente?

Naquela época não havia namoro, os padrinhos é que ajeitavam o casamento. O Chico, que era verdureiro, foi quem ajeitou meu casamento. Toda vez que a Tereza ia visitar seu irmão, passava em frente ao bar onde eu trabalhava. O Chico falou com o pai dela, ela nem sabia que iria se casar comigo.

Dona Tereza, como a senhora recebeu a noticia que iria se casar com uma pessoa que praticamente nem conhecia?

Eu tinha dezenove anos, o Susumu tinha quase vinte e cinco anos, eu disse que não queria me casar, mas meu pai me convenceu a aceitar. O padrinho falou com o meu pai e já marcaram a data do casamento. O casamento foi realizado na igreja de São Pedro no dia 28 de março de 1951.

Após o casamento o senhor trabalhou no que?

Permaneci trabalhando no restaurante de nossa propriedade. Após algum tempo fui plantar em uma área de terras cujo administrador era o Sr. Orestes, por um ano cultivei arroz e algodão, ia para lá na segunda feira, retornava na quarta feira, na quinta feira já ia de novo para a lavoura, era próxima a Santa Maria da Serra, ia de caminhão com o encarregado da fazenda, isso foi em 1952. Minha esposa permanecia trabalhando no restaurante. Terminada a colheita, um conhecido que tinha uma leiteria ofereceu-me uma área de terras para cultivar verduras, assim passei a fazer, e ajudando-o a entregar leite para a sua freguesia, era litros fechados com sabugo e palha de milho. Meu pai voltou para a fazenda Itaúna e me convidou para ir fazer uma lavoura de dez alqueires de mandioca, sempre fui muito bom para riscar a terra. Meu sogro em uma visita que nos fez achou que eu poderia ter melhores condições trabalhando na cidade, meu cunhado Julio ajeitou um trabalho com o Seu Maneco, um português que tinha um bar e restaurante na esquina da Rua Governador Pedro de Toledo com a Rua D.Pedro II, onde hoje está à loja de roupas Hot Point. Trabalhei lá por um ano como pasteleiro, fazia coxinhas. Dia 15 de junho de 1953 mudei para uma casa de propriedade do Sr. Vecchini, situada na Avenida do Café, 533, onde morei por três anos, as ruas eram de terra, com pedregulhos.

Qual é o segredo de um bom pastel?

Pastel é a coisa mais simples de se fazer, não adianta ensinar, mesmo ensinando nunca fazem igual, a massa de pastel é feita com farinha, água, sal e óleo, não se acrescenta mais nada, nem fermento, pinga, ovos. Fazíamos pastel de carne e queijo. Comprava no mercado frangos, galinhas, abatia-as e fazia coxinhas.

Em seguida o senhor trabalhou onde?

Comprei banca no mercado, no tempo em que tinha mesas de um metro, parte do prédio era descoberta, nessa época o mercado foi reformado, por três anos fiquei no mercado. Eu tinha trabalhado como pasteleiro com o Abe, pai do Antonio, Ricardo e do Fernando, aos sábados e domingos ele me chamava para ir trabalhar na pastelaria. Os irmãos Plínio e João Zaia tinham um bar situado atrás da Catedral, chamava-se Americana, encostado ao bar existia a agência de viagens da Viação Piracicabana, ele ofereceu-me porcentagem sobre as vendas de pastel para ir trabalhar com ele. Entrava às seis horas da manhã e ficava até as onze horas da noite, nessa ocasião eu morava no Jaraguá. Até a esquina da Rua do Rosário com a Avenida Dona Jane Conceição havia casas, da Rua do Rosário para baixo, sentido do Jaraguá não havia nada, apenas pastos. Cheguei a jogar futebol no Campo do MAF, no campo do Jaraguá Futebol Clube. Na quadra entre a Rua da Palma, Rua Campinas, Avenida Dona Jane Conceição e Avenida Dr. Edgar Conceição era o campo do MAF. As ruas estavam com suas quadras definidas, mas era tudo mato. Quando eu tinha horta, como havia muitos animais soltos, vacas, cavalos eu catava esterco por essa região onde hoje é o Bairro Jaraguá. Após para com a horta aprendi a trabalhar como cabeleireiro, montei um salão na Rua Prudente de Moraes entre a Rua do Rosário e a Rua Tiradentes. Corto cabelo até hoje. Meu cunhado Ângelo fez o curso de cabeleireiro em São Paulo veio trabalhar comigo, uma mocinha era a manicure. Eu penteava os cabelos de senhoras, fazia permanente. Minha esposa passou a trabalhar também como cabelereira.Uma das minhas freguesas era funcionária da Ultralar na Rua Governador Pedro de Toledo, eles precisavam de uma pessoa para trabalhar lá. A princípio eu fui trabalhar com botijão de gás. Aprendi a montar e desmontar fogões a gás e passei a cuidar dsso, fazia entregas, tive a oportunidade de conhecer a cidade de ponta a ponta.

Sr. Susumu o senhor era católico?

Pelo fato de ser japonês, tinha o budismo como religião em minha terra natal. Quem nos casou foi o padre Peroni, era muito conhecido na cidade de São Pedro. Em Piracicaba, participei do Movimento dos Cursilhos de Cristandade, queriam me batizar. Fui batizado quando tinha 52 anos, pelo Cônego Luiz Gonzaga Juliani.

Da. Tereza o seu pai, Shigueki Takaki veio morar onde?

Ele dirigiu-se a Fazenda Pau D`Alho, em seguida ele adquiriu uma área na Fazenda Cachoeira.

Como se deu a denominação da Praça Takaki em homenagem ao seu pai?

Meu pai foi o primeiro imigrante japonês a falecer em Piracicaba, em junho de 1958, fizeram essa homenagem a ele e a colônia japonesa, a Praça Takaki foi inaugurada em 17 de abril de 1960, a Paulista é o bairro onde existe a maior concentração de japoneses. Meu pai foi um dos fundadores do Clube Cultural Nipo Brasileiro de Piracicaba.

Qual é o objetivo principal do Nipo Brasileiro?

Quando o meu pai fundou o objetivo principal era fortalecer a união entre os japoneses, desde aquela época existe a gincana, onde há a participação de concorrentes em diversas modalidades de atrações com premiação aos melhores colocados. O baseball já existia. Festas de casamentos eram realizadas ali, naquele tempo era um clube destinado exclusivamente á japoneses, atualmente temos até diretores brasileiros, como o nosso Vice-Prefeito, o médico Dr. Sergio Pacheco.

Sr. Susumi como surgiu o grupo da terceira idade dos japoneses?

Na administração do prefeito José Machado, a primeira dama Janete Machado disse que seria interessante montar um grupo de terceira idade dos japoneses, na época uns trinta associados nessa faixa etária participava do baseball, incluímos essa turma toda no novo grupo. Com o tempo foram aproximando-se mais associados, inclusive brasileiros. Tanto eu como a Tereza por vários anos fomos diretores do grupo da terceira idade.

Dona Tereza, a senhora como cabeleireira conheceu muitas pessoas importantes da sociedade piracicabana?

Conheci, a esposa de Erotides de Campos foi minha cliente, senhoras francesas esposas dos diretores do Engenho Central, moças da família Kraide, Ana D`Abronzo, moças e senhoras da família Ometto.







sábado, agosto 07, 2010

LUIZ ANTONIO COPOLI

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 07 de agosto de 2010
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/

                                                                                            Foto by JUNassif
Luiz Antonio Copoli e sua esposa Terezinha Aparecida Furlam Copoli
ENTREVISTADO: LUIZ ANTONIO COPOLI
A imaginação humana sempre criou um fascínio pelo desconhecido. Basta ver a atração que as chamadas redes sociais da internet exercem sobre milhões de pessoas. O rádio sempre foi um dos grandes elementos que aguçam a criatividade do seu ouvinte, como foram os célebres contadores de história ao correr do tempo. Versos de Camões, modinhas, repentes, desafios, histórias de cordel, são relatos que estimulam o imaginário, cada individuo dá forma própria aos fatos relatados. O cérebro, esse nosso desconhecido, atua de forma maravilhosa, expande fantasias, dá seu colorido próprio, a cenografia e a sonoplastia são características de cada individuo. O bom orador sabe trabalhar muito bem com seu público, estimula ao máximo o exercício de criatividade de cada ouvinte. Saber trabalhar de forma interativa com sua audiência é a grande magia do apresentador de rádio. Transforma o comunicador em alguém muito próximo do ouvinte, passa a ser quase intimo do individuo. Essa é uma das razões pela qual ao conhecer um locutor o ouvinte parece estar revendo uma pessoa de suas relações mais próximas, mesmo sem nunca o ter visto antes, para aquele que acompanha um programa de rádio, o apresentador é uma pessoa que integra o seu cotidiano. Saber interpretar esses sinais de interação, conduzir o imaginário do ouvinte, despertar emoções é a grande habilidade de um apresentador de rádio. Muito diferente de uma pessoa que simplesmente fala ao microfone. Piracicaba tem um grande apresentador de rádio, que com seu “Programa da Amizade” encanta seus ouvintes há quase 30 anos. Conduz seu programa com maestria, tem um público extremamente fiel, é um Midas da propaganda. Titio Luiz é o alter ego (outro eu) de Luiz Antonio Copoli. Assim como Pelé é o alter ego de Edson Arantes do Nascimento. Titio Luiz acumula grandes performances, quer desenvolvendo campanhas de arrecadação ou motivando centenas de ouvintes a viajarem de navio pela primeira vez na vida. Se alguns torcem o nariz ao ouvirem seu programa, muitos o escutam de forma apaixonada, já o integraram em suas vidas, ele é uma extensão da família de cada um deles. Luiz Antonio Copoli nasceu em 22 de dezembro de 1946, é um homem de estatura elevada, que se veste de maneira clássica, esbanja simpatia, sempre atento aqueles que se dirigem a ele. Refere-se ao Titio Luiz como uma terceira pessoa, o cidadão Luiz Antonio Copoli tem plena consciência de que ele é responsável pelo ídolo Titio Luiz.
Quando foi o inicio do programa que o senhor apresenta?
O Programa da Amizade que apresento pela Rádio Educadora, fará em janeiro próximo 30 anos de existência, iniciei em janeiro de 1981. A estréia do programa foi em uma segunda feira, no domingo à tarde ainda não tinha encontrado o nome que daria ao programa. Dirigi-me á uma estante, para pesquisar alguns nomes, quando me deparei com o título do livro “A Amizade” pensei: “- Esse é o nome!”. O formato do programa foi sempre o mesmo, o fato de ser improvisado torna-o cada dia um novo programa. Não produzo nada antes de apresentá-lo, não crio nenhum roteiro prévio, não sou a favor disso, mas pelo fato de ser sozinho posso ter esse privilégio. Tudo acontece de forma natural, e assim transcorre a cada programa, apresentado diariamente das nove horas da manhã até ao meio dia.
Onde o senhor busca inspiração para motivar o seu público?
É algo que me perguntam, posso dizer que devo muito ao Padre Jorge iniciei com ele na década de 60, acredito que foi em 1964 ou 1965, o Padre Jorge me ensinou muito, a Igreja Católica Apostólica Romana me ensinou demais, além dos meus pais quem me educou foi o Padre Jorge. A minha educação é muito católica, apesar de hoje eu não freqüentar mais a igreja devo muito a igreja católica. Acredito que Jesus deixou uma doutrina, não deixou uma religião, visito locais de outras religiões sempre que me convidam. Gosto muito de ouvir padres, pastores, pregadores, acompanho pela televisão os pregadores que me despertam a atenção, tenho acompanhado o R.R. Soares, alguns pastores da Igreja Universal, Padre Jonas Abib da Canção Nova, Padre Eduardo da TV Século 21, Padre Zezinho, acompanho os bons pregadores. Deus para mim é você. Hoje meu Deus é o meu próximo. Digo às pessoas que se nós perdêssemos a bíblia e ficássemos apenas com “Amar a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a si mesmo”, nada estaria perdido, meu Deus é o amor ao próximo. Começo na minha família, não adianta amar seu irmão de caminhada se não amar a sua família. Não somos santos, e nem a minha família é perfeita, a minha família é composta por pessoas imperfeitas. Na minha profissão, na ótica do meu filho, procuro respeitar as pessoas, aceita-las como são. Há um bom tempo eu queria mudar as pessoas, mas não queria mudar a minha maneira de ser. Hoje procuro mudar a mim mesmo e não aos outros, cada um tem os seus direitos, não existe uma única verdade, cada um tem a sua verdade, temos que lutar pela nossa verdade.
Algum dia o senhor pensou em tornar-se padre?
Quando eu era moço foi cogitada a possibilidade de tornar-me missionário passionista, fui convidado por uma congregação de Curitiba. Pelo fato de ser o filho mais velho, portanto arrimo de família e de meu pai ganhar pouco, em hipótese alguma eu poderia ir ao seminário. Somos cinco irmãos, renunciei a ser missionário passionista em função dos meus pais e meus irmãos. Acredito que hoje o meu trabalho é tão importante quanto ao de um padre ou de um pastor, tenho o privilegio de falar para um numero maior de pessoas através do radio.
Qual é a faixa etária do público que o acompanha?
São pessoas com mais de vinte e cinco anos, poucos jovens ouvem o meu programa, porque poucos o entendem, o perfil dos jovens da minha época e os atuais, mudou muito, mesmo que eu queira que os jovens ouçam o meu programa eles não saberão o porquê de me ouvirem. As minhas palavras ajudam, àqueles que não a entendem atrapalha um pouco e até incomoda.
Seus ouvintes o procuram para conversar fora do horário do programa?
Diariamente atendo a pessoas que dizem: “-Seu programa mudou a minha vida!”, “-Seu programa mudou a minha família”, “-Seu programa me tirou da depressão, me tirou do fundo do poço”. São pessoas com mais de vinte cinco anos. Recebo em minha sala pessoas que me procuram, são pelo menos dez pessoas a cada semana. Muitas vêm com problemas sérios, acredito que o que o padre escuta no confessionário eu escuto aqui. A minha sala foi feita especialmente para isso, tem uma porta mais larga, é só o espaço vazio, não tem as folhas da porta, está permanentemente aberta. A minha esposa Terezinha fica logo ali, ao lado. Converso de portas e coração aberto.
Já houve muito choro na sua sala?
Muitas lágrimas foram derramadas, já trouxeram muito desespero, mas eu tenho tido a Graça de Deus, um presente de Deus, que as pessoas saem daqui confortadas. Com toda minha pequenez diante de Deus e pela misericórdia dele ele me dá a palavra, a palavra vem.
São problemas de origem financeira?
Não! Atualmente os grandes problemas da humanidade são os ciúmes e a desconfiança. Ninguém mais acredita em ninguém! Quando se trata de marido e mulher não é diferente, e isso tende a crescer, aqueles que não conseguem administrar alimentam as desconfianças e os ciúmes.
Homens ou mulheres o procuram mais?
Os problemas afetam a ambos, só que o homem é mais resistente a buscar ajuda, uma atitude machista, quando me procuram é por problemas com a família, filhos envolvidos com drogas. Atendo a todas as pessoas que me procuram.
Na maior parte do tempo o senhor escuta ou aconselha?
Geralmente eu só escuto a pessoa que me procura, assim como a que procura a um padre ela necessita falar, são poucas as que estão prontas para ouvir. A cada dez ou vinte palavras que ouço, falo apenas duas! Ouço coisas terríveis. Em minha casa às vezes Terezinha diz que estou muito quieto. É tão cansativo ouvir, que por isso admiro os padres, que não tem com quem conversar, não a respeito do problema, mas simplesmente conversar após ouvir por muito tempo problemas geralmente muito sérios. A falta de dialogo é muito grave atualmente.
A depressão é a moda do momento?
Depressão é uma forma de fugir da realidade. Você faz a opção por ela. Para depressão não existe remédio, você a cura. Existem casos em que é mais fácil optar pela depressão do que estar de bem com a vida, estar deprimido é uma forma de fugir de um problema, só que problemas existirão sempre! Temos que aprender a resolvê-los! Colocar acima de tudo a humildade, a paciência, a renuncia, o que não é fácil! Nos dias de hoje uma das coisas mais difíceis é renunciar. Por que os casamentos atualmente não vão bem? Porque nenhum dos dois quer renunciar. “- Eu tenho razão, eu mando, eu faço!”. Com isso surgem os atritos que acabam em separação.
A atual tendência para um individualismo mais acentuado pode acarretar em problemas?
Algumas pessoas acham que são donas da verdade, do mundo e das coisas. Só elas estão certas. Estabelecem normas, não aceitam que podem ter motivos para erros, ou que tem problemas.
A pessoa pensa: “-Eu sou único, sou verdadeiro, eu sou eu, sou bom pai, bom marido...”, isso tudo é bobagem! Somos todos iguais, Deus não estabeleceu diferenças para ninguém. Nós é que fazemos com que as pessoas sejam diferentes.
Alguma vez já ocorreu do senhor considerar seu ingresso na política?
Não! Já fui convidado para fazer parte de alguns partidos, á concorrer para cargos eletivos, mas penso que o radialista que se envolve com política tem vida curta no radio, e acaba tendo vida curta na política. Os colegas que entraram para a política pararam no meio do caminho. O radialista não pode se envolver com política. O radialista tem a fisionomia que o ouvinte gosta. O excesso de exposição da imagem pode atrapalhar a audiência do programa. Se Titio Luiz for candidato os eleitores não estarão elegendo o Luiz Antonio, eles estarão elegendo Titio Luiz. O Titio Luiz é perfeito, Luiz Antonio é imperfeito.
Como é a convivência do Titio Luiz com o Luiz Antonio?
Não é fácil, mas eu convivo. O Titio Luiz exige muito de mim. Ele é perfeito, e luta com a imperfeição do Luiz Antonio. Para mim o Titio Luiz existe das nove horas da manhã até ao meio dia, dentro da Rádio Educadora. Permaneço trabalhando no rádio muito pela gratidão que tenho á Dona Ana Maria Meirelles de Mattos, eu era torneiro mecânico, quando ela e seu pai, Dr. Nelson Meirelles me tiraram do torno para trazer á Rádio Educadora.
Quantos anos de rádio o senhor completou no dia 3 de agosto?
São 35 anos de rádio.
Qual é receita que o senhor dá para ser bem sucedido na vida?
Trabalhar! Trabalhar e Trabalhar! Eu não era nada, não tinha nada. Há 41 anos casei-me com Terezinha Aparecida Furlam Copoli, na Igreja da Vila Rezende, o celebrante foi o primo da Terezinha, Padre José Mainardi, fomos morar na Rua Ângelo Bachi, 6, Vila Bachi, ali na Curva do “S”. De lá mudamos para a Rua Dr. Koch, 340, era uma casa muito velha que compramos para pagar em cinco anos, isso foi em 1978. Os pais têm que ter objetivos para os filhos também terem. Aos 13 anos o meu filho Flavinho começou a trabalhar na Ótica Piracicaba. Passei momentos dificílimos no inicio do meu trabalho no rádio, de sentar em um banco na praça, com a pasta de propaganda e chorar. O grande erro do homem é ao pegar o salário, achar que é mixaria, por menor que seja deve agradecer a Deus. Abençoar aquilo que conseguiu.
O veículo de comunicação é mais importante do que o apresentador?
Não adianta a rádio me colocar no ar se não tenho talento, eu irei ser mais um. Se você não tiver talento só a radio não irá torná-lo um bom profissional. Algumas vezes os interesses comerciais de algumas emissoras prevalecem independentemente de ter talento ou não. Já faz alguns anos que os anunciantes do meu programa me procuram no meu escritório ou na rádio. No inicio da minha carreira já bati muito na porta de clientes, foi muito difícil. Devo gratidão a muita gente, o Ermelindo Sturion da Casa do Papai foi o meu primeiro anunciante, no dia 3 de agosto fez 35 anos que ele anunciou comigo. Sou grato a Ótica Piracicaba, do Norival Favaro, ele me ajudou muito, a Charm Cosméticos do Toninho, me ajudou muito, eu não tinha um nome ainda conhecido, eles fizeram pela nossa amizade. A propaganda é um produto, ela tem que dar um retorno ao anunciante. Deus me deu tanto quanto eu mereço, mais do que preciso, guarde essa frase.
No Programa da Amizade há um momento especial, o momento da consagração, o senhor pode falar a respeito?
Aprendi a Consagração de Nossa Senhora com o Padre Vitor de Almeida Coelho, o Jair de Souza Palma gravou e colocou na internet, pelas suas mãos recebi um certificado dado pelo Papa Bento XVI, seu secretariado está fazendo uma pesquisa para santificação do Padre Vitor, e encontrou a minha apresentação da consagração que é de autoria do Padre Vitor. Conheci o padre Vitor em Aparecida do Norte, ele fazia um programa chamado Marreta na Bigorna, era um programa muito bonito, duro.
O senhor é tímido?
Sou muito tímido! Falo em publico quando faço uma palestra uma vez por ano, geralmente em alguma igreja que me convida.
Seus fãs solicitam seu autógrafo?
Já pediram, mas não gosto de dar autógrafos, fico muito tímido, abraço a pessoa dou um beijo. Tiro muitas fotos, geralmente com senhoras da terceira idade.
Como são os passeios de navio que o senhor promove?
Para mim foi uma vitória. Promovo uma viagem por ano, em 2008 levei 1380 pessoas, já estamos promovendo pelo sexto ano, fico no navio como passageiro, tiro muitas fotos.
Muitos ouvintes colocaram em seus filhos nomes inspirados pelo seu programa?
Existem muitos rapazes que levam o nome de Flávio por seus pais assimilarem o nome que dei ao meu filho, agora tem ocorrido com meninas cujos pais inspiram-se no nome da minha neta Luisa.
A naturalidade com que o senhor apresenta o programa é perceptível!
Todos falam isso, até o Marcos Turolla, nosso colega da Rádio Difusora, com 38 anos de rádio, diz sempre para mim: “-Titio Luiz eu ouço o seu programa no meu carro, parece que você está sentado ao lado, no banco do passageiro!”. Isso me honra muito, principalmente vindo de um profissional como o Marcos Turolla. O rádio tem me dado muitas alegrias.
O senhor recusa-se a fazer propaganda de algum produto?
Não faço propaganda de motocicleta e nem de bebida alcoólica. O que não serve para a minha família não serve para a sua.
Qual seu prato preferido?
Ultimamente tenho comido muito pouco, mas gosto de arroz e feijão bem temperado.
O senhor já narrou alguma partida de futebol?
Eu não aprendi a gostar de futebol. Até o Mário Luiz fala que o sonho dele é me levar para o estúdio para comentar uma partida.

quarta-feira, agosto 04, 2010

MARCELO RICARDO GIMENES



PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
Sábado 31 de julho de 2010
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://www.teleresponde.com.br/                                   
                                                      Foto by JUNassif

ENTREVISTADO: MARCELO RICARDO GIMENES
Dois artistas holandeses Marcelo Gimenes e Jaap Snijder, com reconhecimento mundial, estão trazendo novas técnicas de arte, para exposição no período de 28 de julho a 22 de agosto, no Espaço Cultural “Eugenio Nardin”, no Engenho Central. Uma iniciativa da Barce Fundation (Holanda), que tem como objetivo principal iniciar e financiar projetos culturais para adultos e crianças carentes no Brasil. A Fundação Barce não tem fins lucrativos e arrecada fundos através da venda das obras de arte a preços acessíveis. O valor das vendas é totalmente revertido á Fundação. O que chama a atenção de forma especial é de que um desses artistas é brasileiro naturalizado holandês, tem dupla nacionalidade, e para orgulho de Piracicaba, ele é piracicabano! Marcelo Ricardo Gimenes é filho de Antonio Raul Gimenes e Maria Esther Crivello Gimenes, nasceu um Piracicaba no dia 1 de outubro de 1967. Muito jovem, reuniu a coragem e o destemor próprios da idade e fez o caminho contrário dos seus antepassados, com mil idéias na cabeça e alguma bagagem na mão foi descobrir o Velho Mundo. Desembarcou na Espanha, preferindo imediatamente fazer uma conexão para Lisboa. Ali começava a sua descoberta da Europa. Em 1985 trabalhou na Megastore Benetton do Amoreiras Shopping Center, o primeiro grande Centro Comercial de Portugal. Muito comunicativo, fez novos amigos, com muito talento em decorações logo foi trabalhar em uma empresa que trabalhava com plantas permanentes. Em um dos seus trabalhos teve a oportunidade de trocar rapidamente algumas palavras com o Presidente Sarney, que visitava aquele local. Suas criações artísticas despertaram a atenção de representantes de uma universidade holandesa que fez o convite para cursar a faculdade de arte e design na Willem de Kooning Art Academy A Holanda dita as novas tendências de decorações de interior para a Europa e em conseqüência para o mundo, foi na mais importante instituição que Marcelo foi trabalhar. Galgou os cargos mais importantes, tornou-se o designer mais influente da Holanda, e também cidadão holandês. Foi diretor de arte da Dutch Press Center for Design (Centro de Design da Imprensa Holandesa). É mentor da Fundação Barce. Sem deixar de ser cidadão brasileiro. A história de um Pedro Álvares Cabral no sentido contrário de direção: da ex-colônia para a terra mãe. Marcelo Ricardo Gimenes em 2007 recebeu a “Médaille d'Argent” (Medalha de Prata) "Pour les Hauts serviços rendus uma cultura la" da Societé Académique Arts Sciences Lettres Paris. Teve obras de sua autoria expostas no Salon Du Louvre em exposição da Société Nationale des Beux-Arts.

Exposições relevantes: Salon Nationale des Beaux-Arts du Louvre - Salon Dez.2007;

Bienal de Artes Ciências Lettres - Le Salon d'Arts Plastiques sep.2007; Galerie Philippe Gelot - Paris aug.2007 ; Société Académique Arts Sciences Lettres Paris apr.2007 ; Galerie L'Angle (expo AGH) - Paris may.2007 ; Secretaria de Ação cultural - Pinacoteca Miguel Dutra - Ministerie van van Cultuur São Paulo - Brasil oct.2007

SAC - Salão de Arte Comtemporânea - São Paulo oct.2007 ; Alliance Française Rotterdam feb.2007 ; Banco Fortis Rotterdam jan.2006 ; Voorjaarsexpo 2006 AGH mei.2006 ; Galerie Artwerk - Westvoorne sep.2006 ; A galeria de visão em crianças - Londres - okt.2006 ; Artevent - Feira de Arte de Haia nov.2006 ; Kunst-en Atelierroute Rotterdam mrt.2005 ; Feira de Arte em Ahoy Rotterdam Kunst - may.2005 ; expositie Jaaroverzicht Grupo de Arte Holanda nov.2005 ; Openeningstentoonstelling Grupo de Arte Holanda jun.2004; Kunst Lente Festijn Rotterdam mrt.1997 ; Vernissage Rotterdam - Atelier 47E oct.1995 ; Vernissage São Paulo - Atelier 47E dec.1993

Museu Luiz de Queiroz - USP - Universiteit van São Paulo - Brasil sep.1992

De Regentenkamer, The Hague janeiro. 2008; centrum Rechtbank Rotterdam may.2008 ; Voorjaarsexpo AGH, Rotterdam jun.2008 ; Galeria de MSR, Rotterdam, okt.2008

Seus primeiros estudos foram realizados em Piracicaba?

Estudei no Grupo Escolar Dr. João Conceição, na época em que se hasteava a bandeira do Brasil e cantava-se o hino nacional, todos os dias de aula. Minha primeira professora foi a Dona Mara. Freqüentei o curso científico no Colégio Estadual Dr. Jorge Coury, fomos na época responsáveis pelo retorno desse curso ao colégio. Quando meu pai faleceu, eu tinha seis anos, éramos quatro filhos, minha avó tomava conta de nós enquanto a minha mãe trabalhava. O meu primeiro emprego foi em um escritório de arquitetura que ficava em frente ao prédio do terminal urbano, mais tarde reformado e que deu lugar ao atual. Uma das lembranças que guardo é que ao lado desse escritório existia uma oficina onde era cromados metais, algo impensável nos dias atuais. Com17 anos fui trabalhar como revisor no “O Diário”, situado na Rua São José, entre a Praça José Bonifácio e a Rua Governador Pedro de Toledo, trabalha a noite geralmente até a uma hora da manhã. O editor era o jornalista Nelson Bertolini, o Mario Evangelista trabalhava lá. No inicio trabalhei como revisor, depois apareceu uma vaga como arte-finalista. Eu sempre soube que deveria sair de Piracicaba para outros centros maiores, na época havia uma série de restrições para realizar-se uma viagem ao exterior, uma carga de imposto de cinqüenta por cento em cima do valor da passagem, só podia comprar quinhentos dólares, além disso, tinha um deposito compulsório de vinte e cinco a trinta por cento, pagos ao estado, mas não poderia viajar com menos de mil dólares, dificultava a saída de qualquer cidadão brasileiro para o exterior. Economizei o que pude para realizar a viagem á Europa. Aos dezenove anos fui para Portugal, tinha concluído meus estudos no Mello Moraes, saí do Aeroporto de Viracopos, voei por uma empresa de aviação com sede em um país da Americana Latina, aqueles vôos que são uma verdadeira aventura, era uma das passagens mais baratas que existia na época.

Você desceu onde na Europa?

Desci no Aeroporto de Madri, pretendia ficar por lá, meu avô era madrileno. Não sai do aeroporto, não quis ficar por lá. Fui para Lisboa a minha primeira sensação foi: “Isso é tudo?”, a impressão que o brasileiro tinha e ainda conserva, infelizmente, é de que a Europa é melhor em tudo. A ditadura portuguesa tinha acabado em 1975, estava sendo inaugurado o primeiro centro comercial de Lisboa, existia uma escada rolante, os portugueses vinham do país inteiro para andar na escada rolante, isso para dar uma idéia do atraso do país na época. O Brasil estava já naquela época a anos-luz a frente de Portugal.

A primeira noite em Portugal, quando você colocou a cabeça no travesseiro, qual é a sua sensação?

Essa sensação eu tive já quando cheguei ao aeroporto, coloquei as malas no chão e pensei: “-O que eu vou fazer agora?”. Fiquei uma meia hora, sentado, pensando. Não foi mede, mas a certeza de muita coisa iria mudar. Tomei um taxi do aeroporto até o centro, eu não entendia o que eles falavam. Hoje é outra história, houve uma mudança enorme na língua em Portugal. Naquela época eles estavam bravos com tudo e com todos, tinham perdido o domínio sobre Angola, Moçambique, e na época achavam que os brasileiros chegavam a Portugal para criarem mais dificuldades a eles. A reforma da língua em Portugal iniciou-se nos meios universitários, as universidades de Portugal começaram a crescer, a aparecer novas pessoas, novos cursos. Uma faculdade de medicina pode adotar livros em inglês ou em português, esses livros vem com informações de outros países, a tradução desses livros é dada de acordo com a relevância da língua. Livros em português são traduzidos pela quantidade de pessoas falando português no mundo. O Brasil impôs a condição de unificar a língua portuguesa ou então iria criar a língua brasileira. Os países africanos juntaram-se ao Brasil nessa disputa. Portugal se viu na situação de ter que aceitar a mudança ortográfica.

E a linguagem oral?

Logo que cheguei a Portugal, estava no Shopping Amoreiras, que tinha sido recém inaugurado, fui entrevistado e ao perguntarem-me o que achava da obra. Respondi o que realmente pensava: “-Quando não se tem criatividade constrói-se isso.” Não imaginei que fossem ficar tão magoados comigo por ter dito isso. Tínhamos só duas redes de televisão a RTP1 e a RTP2 uma começava quando outra terminava, uma funcionava até as seis da tarde outra até a meia noite. Fiz muitas amizades, e eles achavam bonita a forma que eu falava. Quando apareceram as primeiras novelas brasileiras elas eram legendadas! Conservo grandes amigos em Lisboa, recentemente passei por lá, pude observar o quanto a língua mudou. A TAP hoje voa para quase todas as capitais brasileiras.

Qual foi seu primeiro trabalho em Portugal?

Foi em uma loja da Benetton no Shopping Amoreira. Para os padrões portugueses eu era alto, por isso chamava a atenção, trabalhei como modelo, em Portugal na época para ser modelo bastava ter todos os dentes era uns pais de desdentados. Os portugueses adoravam os dentistas brasileiros, verdadeiros pedreiros. Os dentistas portugueses diziam: “-Doeu? Então extrai o dente!” Imagine tratar um canal, o que é isso? Víamos pessoas novas sem dentes. Trabalhei várias vezes como modelo para estudantes de uma escola de fotografia.

Você criou um circulo de amigos?

Tínhamos um pequeno grupo de brasileiros. Uma amiga, a Diva Pavesi, trabalhava para a Rádio Cidade uma rádio pirata brasileira, dentro de Lisboa. Era um underground. (expressão usada para designar um ambiente cultural que foge dos padrões comerciais), Portugal ainda tinha muito do europeu, uma festa em boate exigia que se usasse smoking, não se pagava para entrar, tinha que ser selecionado na porta. Se tivesse uma cara boa, se fosse uma pessoa conhecida você entrava. Caso contrário, nem pagando poderia entrar. Até hoje eles são assim. O barzinho “Três Pastorinhos” localizado no Bairro Alto, em Lisboa, é muito pequeno, tinha uma senhora que ficava na porta, parecia uma figura saída de um desenho animado, toda colorida, pequenininha, ela abria o postigo, uma pequena portinha na própria porta, olhava para o rosto do candidato ao ingresso no local, muitas vezes falava: “-Não!” e fechava o postigo. Para outras pessoas dizia: “- Aí, tudo bem? Entre!”, abria a porta e convidava a pessoa a entrar. O contato certo, com a educação certa, tratando as pessoas como elas são as coisas acontecem naturalmente.

Seu próximo trabalho foi aonde?

Conheci a família portuguesa Ferreira que havia morado em São Paulo, tinham trabalhado em uma empresa de concreto no Brasil, ao retornarem a Portugal levaram plantas brasileiras desidratadas. Contrataram-me para trabalhar, montava as plantas, eram árvores, fiz o Hotel Ritz, o Aeroporto do Porto. Existe um restaurante chamado Alcantara-Mar onde construí sete árvores com seis metros de altura, foram mais de mil furos em cada tronco, com um galho de avencão em cada furo, no meio ao restaurante estão quatro arvores imensas de avencão com ventiladores em volta, parecem reais. No Hilton, quando estava montando duas árvores imensas no hall de entrada, o diretor do hotel disse ao presidente José Sarney que estava em visita: “Este rapaz que está trabalhando é brasileiro!”. O presidente Sarney perguntou-me: “Você é brasileiro?”. Respondi-lhe que sim. Disse-me então: “Que você esta fazendo aqui? Que pena que deixou o Brasil!”. Disse-lhe: “-Se eu tivesse tido as mesmas facilidades culturais não teria saído do Brasil”. Deu-me um sorriso e continuou caminhando. Não foi uma frase de cunho político, mas muito natural da minha parte, e a passagem dele por aquele corredor foi casual, sendo que a sua atenção sobre mim foi despertada pelo diretor do hotel.

A sua permanência em Portugal estava legalizada?

Como brasileiro tinha direito a dupla nacionalidade por pertencer a uma ex-colônia de Portugal, só que eles enrolavam e não concediam. Eu tinha registro, podia trabalhar, pagava impostos, mas não podia ter uma conta bancaria como turista podia dirigir, como residente não! Fui chamado pela Policia de Estrangeiros, pegaram meu passaporte e colocaram um imenso carimbo dizendo que eu tinha 30 dias para sair do país. Eu já estava em Portugal há uns três anos e meio, tinha conhecido algumas pessoas da Holanda, inclusive tinha recebido um convite para estudar na Academia de Artes.

Qual motivo foi alegado para que eles tomassem uma atitude dessas?

Apesar de eu estar trabalhando, ter o meu apartamento, tudo de forma absolutamente correta à afirmativa deles é de que eu não tinha meios para sobreviver em Portugal! O cargo de Presidente da Republica em Portugal é mais representativo do que executivo, mantendo influencia política. Uma senhora, com quem eu tinha grande amizade e que foi diretora da Lancôme, mais tarde foi diretora da Avon, em Portugal, era muito amiga do Mario Soares, Presidente da Republica português que mandou uma carta á Policia de Estrangeiros, para que fosse revisto o meu caso. Nesse meio tempo tinha recebido o convite da Academia de Artes de Rotterdam, com o direito de residir na Holanda enquanto estivesse estudando. Após receberem a carta a Policia de Estrangeiros chamou-me, afinal não era tão comum esse tipo de documento. Fui bem mal educado com eles, e me neguei a aceitar a reconsideração. Em 27 de julho de 1990 fui para a Holanda. Hoje tenho dupla nacionalidade, sou brasileiro e holandês. A Rainha da Holanda concedeu-me a nacionalidade por merecimento.

Qual foi o impacto que você teve ao passar a morar na Holanda?

Foi o desenvolvimento social, cultural, econômico, fiquei fascinado com a educação, a organização. Todos têm os mesmos direitos. O básico para o povo holandês, a cesta básica, além de comer, beber e se vestir é a educação, a cultura, o direito as férias.

Você acha a humildade importante?

É tudo! Não existem pessoas arrogantes, existem pessoas menos desenvolvidas moralmente.




Arquivo do blog