Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, abril 24, 2011

ELYDIO (IO) FERRAZZO e CARMEM NATALE FERNANDES FERRAZZO

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 21 de abril de 2011
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/

ENTREVISTADO: ELYDIO (IO) FERRAZZO e CARMEM NATALE FERNANDES FERRAZZO
Nascido em 9 de agosto de 1936 é filho do imigrante italiano Giovanni ( João) Ferrazzo e de Carmem Canhoela Ferrazzo. Assim que chegou a Piracicaba, ainda muito jovem, Giovanni permaneceu por bom tempo residindo junto a família Ferrari, logo acima do pontilhão da Rua Benjamin Constant.
Após alguns serviços de diversas naturezas, em qual atividade ela passou a trabalhar?
Ele trouxe da Itália conhecimentos sobre a fabricação de vassouras, possivelmente aprendidos com seu pai. Aqui no Brasil ele montou uma pequena fábrica de vassouras. No Brasil só existia a vassoura caipira, ele introduziu vassouras das variedades quatro fios, cinco fios, colonial. Aos poucos foi se desenvolvendo, adquirindo um sobrado na Vila Rezende, onde mais tarde funcionou a Rovigo. Era um sobrado com uma casinha ao lado que ele alugava para um bar, embaixo eram portas abertas, onde funcionava a indústria de vassoura, com seis barracões. A primeira indústria que ele teve fabricava vassouras da marca “Elefante”. Tornou-se uma industria grande, carregava-se por dia até dois caminhões de vassoura, cerca de 80 funcionários chegaram a trabalhar nessa fábrica.
Nessa época seu pai já era casado?
Já era casado com a minha mãe que era filha de espanhóis, ele tinha a conhecido quando ela trabalhava nas Indústrias Del Nero, situadas em frente ao Lar Escola Nossa Mãe, na Rua Boa Morte.
Quantos filhos eles tiveram?
Quatro: Antonio, Carmem, Elydio e Ida Maria.
Além da indústria na Vila Rezende seu pai adquiriu outra propriedade?
Meu pai adquiriu da Família Maluf um barracãozinho que era utilizado para a fabricação de bebida, media 5 metros de frente por 45 metros de fundo. A palha utilizada para a fabricação de vassoura era importada da Argentina, era transportada pela Sorocabana, cada fardo pesava 200quilos. Junto com a palha vinha sementes que se desprendiam da palha. Meu pai passou a distribuir aquelas sementes. Com isso ele disseminou a plantação da palha da vassoura na nossa região. Sempre aconselhando o agricultor a fazer uma seleção por amostragem da melhor semente.
A fábrica de vassouras Elefante tinha um sócio?
Bene Gianetti era um dos grandes capitalistas da época, ele e meu pai tinham fortes laços de amizade, era muito comum ver os dois freqüentando o tradicional restaurante Pappini com seu jogo de bocce, o pastel da Giggetta. Era ali que se reuniam os Mazzonetto, Aleoni, Ometto, Dedini. Bertini, Carnera, Giovanetti, Sega. O Bene Gianetti gostava muito de caçar, meu pai tinha uma “baratinha” a gasogênio, os dois iam caçar, passavam o dia juntos, só voltavam a noite, eram amigos inseparáveis. Lembro-me do Posto do Paterniani, que ficava no final da Avenida Rui Barbosa, onde mais tarde se instalou o posto conhecido como “Posto da Velha”. Do lado direito do posto havia a sorveteria do Gustinho Cardinalli, era o melhor sorvete que existiu até hoje. Lembro-me do Comendador Mário Dedini quando iniciou suas atividades em um pequeno barracão, fazia peças para arado, conheci Leopoldo Dedini e o Armandinho Dedini quando jogava no Atlético. Houve uma época em que o meu pai e o Bene Gianetti se desentenderam. Meu pai alugou o prédio para o Bene Gianetti e deixou de participar na indústria de vassouras, mudando-se para o barracãozinho que tinha sido do Maluf, só que ele teve que esperar o Maluf desocupar o prédio, nesse intervalo de tempo ele alugou por alguns meses o barracão situado a Rua do Rosário, 2561, de propriedade de José Nassif. Nesse barracão nasceu a Indústria Canta Galo. Os atacadistas de São Paulo exigiam as vassouras Canta Galo, eles não tinham a mesma técnica que a nossa.
Como surgiu o nome Canta Galo?
Foi meu pai quem criou! Acredito que ele tenha achado o nome bonito, tanto que mais tarde deu origem ao Posto Canta Galo. Um pouco antes de mudarmos para o barracão que tínhamos adquirido na Avenida Dr. Paulo de Moraes adquirimos também um terreno vazio de 10 metros de frente por 45 metros, ficava em frente ao bebedouro destinado aos cavalos que tracionavam as carroças. Ao lado morava o Dr. Jacob Diehel Neto, morava encostado, cheguei a conhecer o célebre deputado Tenório Cavalcanti, que esteve em visita a Dr. Jacob. Vi inclusive a “Lurdinha” da qual o deputado não se separava. Era assim que ele denominava a metralhadora que portava para sua defesa pessoal. Tenório Cavalcanti andava vestido de preto. Nos fundos do nosso barracão havia terrenos vazios, com frente para a Rua Joaquim André, eram terrenos onde existiam pés de goiaba plantados. Na esquina o Joanim Fustaino tinha uma sapataria, os irmãos Giuliani começaram com uma lojinha na esquina. O francês que trabalhava na Morlet tinha uma casa em frente ao bebedouro de água, mais tarde o Morlet mudou-se para a Rua Joaquim André.
Com quantos anos você mudou-se da Vila Rezende para a Paulista?
Eu deveria ter uns 14 anos quando meu pai adquiriu a casa onde mudamos, a vendedora foi a Madame Balboux. Aos poucos meu pai foi adquirindo propriedades e lotes naquela região, inclusive meu tio José Ferrazzo dono das Bebidas Ferraspari de Jundiaí.
Quantos funcionários havia na fabrica de vassouras Cantagalo?
Devia haver uns 50 funcionários.
Na esquina da Avenida Dr, Paulo de Moraes com a Rua do Rosário há um enorme posto de gasolina, atualmente com a bandeira BR, aquela área foi adquirida pela sua família?
Ali tudo era um pasto, da Rua do Rosário até a Rua Alferes José Caetano não havia nenhuma casa. Aos poucos foram sendo construídas casas. Onde atualmente é o posto meu pai construiu uma pequena casa com um rancho, quando chegava a palha para fazer a vassoura existia o rolete para fazer a limpeza. Onde atualmente é a Avenida Dr. Na esquina com a Rua do Rosário, havia um muro, junto a esse muro existiam duas construções pertencentes a Chácara Nazareth, que eram utilizadas para armazenar os produtos colhidos na Chácara Nazareth. Dr. Jorge Pacheco Chaves gostava muito do pessoal do Jaraguá Futebol Clube, ele permitiu que funcionasse ali a sede social do clube, onde ficavam expostos os troféus, havia duas mesas de bilhar.
Foi seu pai que construiu o famoso Posto Canta Galo?
Meu pai construiu exatamente no mesmo local onde hoje existe o posto, a bandeira era Texaco, isso foi em 1957. O posto estava em meu nome, tinha duas bombas de gasolina, uma de óleo diesel, e uma de gasolina azul. Tinha dois lavadores, sendo um com elevador de caminhão.
Você tinha conhecimento anterior do ramo?
Não conhecia, mas não tem muito segredo era só trabalhar, funcionava por 24 horas por dia. Trabalhei por 4 a 5 anos, depois passei a arrendar.
E o restaurante que existia ao lado do posto?
Um dos que tocaram o restaurante foi o cunhado do Luís Inácio Sleiman, o Mugão, enquanto o Mugão tocava o posto.
Você jogou para que time de futebol?
Comecei jogando pelo Atlético, como ponta direita, mais tarde eu joguei como centro avante no Jaraguá, o presidente do time era Abel Pereira, seus diretores eram Jayme Pereira, Waldemar Fornazier, o Ziquinho era desse tempo, Irineu Lopes é dessa época, assim como Osíris, Décio e Pinduca. O Waldir Piccoli da Sapataria Marilu montou um time lá no Campestre, onde nossa turma ia jogar.
Havia uma grande rivalidade entre os times do MAF e do Jaraguá?
Era muito comum haver divergências e algumas vezes acabavam em agressões físicas, mas dentro de uma normalidade própria da situação. Sem uso de armas! Certa ocasião teve uma briga no bairro rural Morro Grande, tínhamos ido num caminhão de propriedade de Abel Pereira, um Mercedes Bens L 312, fomos obrigados a sair correndo, indo esperar o caminhão nos pegar na venda de Tupi. As mudas de roupas ficaram para trás.
Como você conheceu a sua esposa Carmem Natale Fernandes Ferrazzo?
Ela é natural de São Pedro, nascida em 24 de dezembro de 1939, filha de Tereza Carone Fernandes e José Fernandes. Eu a conheci na sua casa, o pai dela viajava e trazia matéria prima, cabos de vassoura, para a fábrica do meu pai. Nossas famílias já eram conhecidas desde os tempos dos nossos avôs.
Natalia completa:
O meu avô plantava vassoura e o pai do Io ia buscar no nosso sítio, com um caminhão Chevrolet Tigre. Quando mudamos para a cidade á Rua Saldanha Marinho eu tinha uns 12 anos, quando o Io ia procurar o meu pai, foi assim que nos conhecemos. Passados mais uns dois anos meu pai adquiriu a Padaria Central ele ficava passeando em frente a padaria com uma caminhonete Ford 1946.
Em que dia vocês se casaram?
Casamos em 4 de fevereiro de 1961 celebrado pelo Frei Fulgêncio na Igreja dos Frades. Fomos morar na Rua Joaquim André. Temos três filhos Marcos, Márcia Viviane e Marcelo.
Há um bairro em Piracicaba chamado Cantagalo, qual é a relação com a sua família?
É a Favela Cantagalo. São três alqueires e meio de propriedade do meu pai. Ele sempre foi uma pessoa de gestos largos, trabalhava muito, tinha gestos generosos. Ficou celebre a vez em que em uma reunião de amigos no Restaurante Brasserie ele quitou o jantar deixando como pagamento um automóvel de sua propriedade, que era objeto de desejo do então proprietário do restaurante.
A área que veio a tornar-se a Favela Cantagalo como foi adquirida?
Ela foi comprada e paga em dinheiro. Havia pequenas edículas precárias, cerca de 30, além de 4 casas boas, meu pai de maneira informal alugava aos interessados. As contas de água e luz passaram a vir em nome do meu pai sendo que ele não estava recebendo o valor das locações. Formou-se um impasse, quem estava lá não saia e nem pagava o aluguel devido, com raríssimas exceções. Meu pai estava muito aborrecido com a situação. Com muito tato fiz o que deveria fazer, consegui a remoção das pessoas invasoras. Com o falecimento do meu pai a situação voltou e após diversas tramitações judiciais, por razões de diversas naturezas, com a interferência de diversas autoridades civis, políticas e religiosas, aquela área tornou-se um imbróglio jurídico com evidente prejuízo á nossa família. Tenho documentação de retirada de mais de 20 anos de cascalhos das nossas terras. Elydio nesse ponto altera-se com as injustiças das quais julga ser vitima.
O seu pai tinha um automóvel que chamava muito a atenção?
Era um Simca Rally, eu a comprei do meu pai e vendi há uns 4 anos para um colecionador de Limeira. Ele reformou inteirinha.

Qual foi a sua primeira moto?
A primeira foi uma “Jawinha”, depois tive uma Lambreta 1957, depois uma Indian de 1200 cilindradas. Tive uma Royal.
Você conheceu o Chico Carretel?
Conheci, era um artista em carrocerias de madeiras, ficava exatamente onde hoje funciona o Toninho Lubrificantes, na Avenida Dr. Paulo de Moraes. Na Avenida Dr. João Conceição, esquina com a Rua Fernando Souza Costa, onde hoje existe um edifício era a Carpintaria do Galesi.
Natalina, o seu pai José Fernandes teve um grande armazém na Rua Benjamin?
Ficava na Rua Benjamin Constant esquina com a Avenida São Paulo, onde hoje é uma loja de produtos de cerâmica.
Você estudou em que escola Natalina?
Formei-me no Assunção, em 1959, dei aulas por sete anos. Resolvi fazer o curso de prótese, terminei em 1978, passei a trabalhar como protética por muitos anos, como não havia ninguém que fazia aparelho ortodôntico removível em Piracicaba, os primeiros fiz para o Dr. Rensi. Parei em 2002.
Qual é o segredo para fazer o aparelho removível?
Paciência! Trabalhar com o fio ortodôntico tem que gostar! O aparelho é feito com uma plaquinha de resina que encaixa. O aparelho fixo quem faz é o dentista.

sexta-feira, abril 15, 2011

Dejandir Jorge Miller (Nenê)

JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 16 de abril de 2011
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/


ENTREVISTADO: Dejandir Jorge Miller (Nenê)
Aos 58 anos de idade, com cinco hérnias de disco, hipertenso, com seqüelas no joelho em decorrência das inúmeras partidas que jogou, o ex-jogador de futebol encara mais um desafio, movido pela sua fé. Estacionada em sua garagem, separada em duas partes que se encaixam através de dispositivos próprios, está uma enorme cruz de madeira, a primeira bi-articulada de que se tem noticia Dejandir nasceu em Piracicaba no dia 12 de janeiro de 1953 filho de Oswaldo Odilon Miller e Maria Sturion Miller. Ele projetou e construiu a maior cruz de madeira de que se tem noticia: 30 metros de comprimento, para se ter uma idéia ela é bi-articulada para dobrar as esquinas, Nenê como é conhecido, juntamente com seus filhos, os artistas Willyan e Wellington irão levar nos ombros essa cruz até Bom Jesus de Pirapora. Um desafio que envolve muita fé e disposição física, o peso da ponta da cruz nos ombros é mais do que 40 quilos, em uma jornada com mais de 100 quilômetros.
Em que bairro de Piracicaba você residiu em sua infância?
Sempre morei na Paulista, morei na Avenida do Café, era uma chácara e tinha o Campo do MAF nos fundos de casa. Cresci aprendendo a chutar as bolas no campo de terra vermelha do MAF. Fiz os meus estudos no Grupo Escolar Dr. João Conceição, no Colégio Dr. Jorge Coury conclui o curso colegial no Sud Mennucci. , fiz curso profissionalizante no SENAI.
Qual atividade você passou a exercer?
Tornei-me jogador profissional de futebol Sou diplomado como Torneiro Mecânico, embora nunca tenha exercido essa profissão. Aos 16 anos eu jogava no juvenil do Jaraguá quando surgiu a oportunidade para jogar na seleção amadora de futebol, onde acabei sendo titular, sendo campeão, bi-campeão e tri-campeão dos jogos regionais, bi-campeão e tri-campeão dos jogos abertos, defendendo na época a CME Comissão Municipal de Esportes. O Seu Gaspar e o Seu Dema eram treinadores do XV de Novembro na época, me levaram para o XV de Novembro, onde com 17 anos me tornei profissional. A primeira partida da qual participei foi contra o Noroeste de Bauru onde perdemos por 3 a 1 sendo que eu tive a felicidade de fazer o gol do XV.
Em qual posição você jogava?
No XV fui lateral direito, embora fosse polivalente, substituía todos os jogadores da zaga, inclusive em Campeonato Brasileiro tenha substituído o goleiro Getulio, só não joguei de ponta esquerda. Na ocasião da Taça São Paulo de futebol Junior substituindo o Ricardo, joguei no gol contra o América do Rio e depois contra o Internacional de Porto Alegre, que tinha entre seus jogadores o Falcão. Acabei sendo considerado um dos melhores goleiros da Taça São Paulo. Na posição de lateral direito foi onde me tornei campeão paulista da segunda divisão por duas vezes, uma pelo XV e outra pela Ponte. Fui jogador profissional de futebol por 16 anos. Muitos clubes como XV de Jaú, Ponte Preta e mesmo o Santos me olhavam com admiração e respeito profissional. A minha postura em não ser conivente com atitudes anti esportivas fez com que tivesse sérias divergências com o treinador do Santos da época, isso me valeu o desligamento do clube, mesmo tendo a admiração e o carinho da torcida santista.
Essas coisas ruins ficaram marcadas em sua vida?
Sem duvida que sim, mas as boas coisas superaram parei de jogar em 1984, conservo meus amigos e sou muito bem recebido em todas as cidades onde joguei. Vou ao campo assisto XV, toco, sofro, adoro o XV que foi o time que me abriu a porta para o mundo.
Qual atividade você exerce atualmente?
Viajo muito com os meus filhos Willyan e Wellington, que formam a dupla sertaneja hoje conhecida no Brasil todo. Já faz 10 anos que eu os acompanho em todos os eventos. A partir de 2003 encerrei uma empresa que atuava no ramo de eletricidade, meus filhos passaram a dedicar-se exclusivamente a carreira musical, hoje tem quatro CDs gravados e um DVD gravado aqui no Engenho Central, para orgulho da nossa cidade. Atualmente trabalhos pelo Brasil afora, temos profissionais da área de divulgação trabalhando em parceria conosco. Esse DVD foi lançado em Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Brasília Tocantins, Rondônia. Fazemos a Expo-Bauru, Expo-Jau, Rodeio de São José do Rio Preto. A dupla realiza constantemente apresentações em locais menores, junto a um publico que é bastante fiel. Tivemos duas músicas que foram sucesso nacional, por falta de recursos financeiros da nossa parte não pudemos dar a divulgação em larga escala, que implica inicialmente em investimento significativo, outro cantor com maiores recursos a lançou e emplacou é a “Beber, cair e levantar”, a composição é do Marcelo Marrone da Bahia, que por sinal não teve o merecido retorno financeiro. Willyan e Wellington estavam esperando sair o registro, quando o André Adriano soltou a musica no mercado sem registro sem nada, acabou pagando uma multa que se mostrou irrisória diante do sucesso de alcance nacional.
Houve outra situação similar?
Uma autêntica jóia de musica “Pense em Mim” foi gravada pela primeira vez pela dupla Willyan e Wellington, por uns seis meses procuraram um investidor para fazer a divulgação em âmbito nacional, tem que ter muito recurso para investir na divulgação de uma musica. Lucas e Luan jogaram um caminhão de dinheiro na divulgação dessa musica e até hoje fazem sucesso em cima da musica “Pense em Mim”. Nós já tínhamos lançado a musica em outubro enquanto corríamos atrás do dinheiro para o lançamento, oito meses depois eles a lançaram.
Podemos observar nas dependências da sua casa algo inacreditável, você pode explicar melhor do que se trata?
São dois módulos de madeira que totalizam trinta metros. Formando uma cruz, composta por vigotas de dezesseis, por cinco e meio, a madeira é araucária, formada com muita fibra, embora comprida não se quebra muito fácil e nem é tão pesada como outras madeiras. São seis peças de cinco metros e meio, mede da ponta até o final trinta metros, o braço mede dois metros e oitenta da mesma madeira. As emendas são feitas com chapas de ferros. Temos que tomar cuidado porque a cruz balança vibra muito, e a quilometragem é longa, uns falam de cento e vinte quilômetros outros de cento e quarenta.
De quem é o projeto dessa cruz?
Foi eu, o Willyan e o Wellington, por vinte anos fui até Bom Jesus de Pirapora a pé, sem cruz, por quatorze anos fui sem nada, apenas com a mochila nas costas. Na época em que jogava futebol cheguei a sair daqui na quarta feira a noite, depois do jogo do XV no Barão de Serra Negra, chegava na quinta feira a noite, sem descansar. Fiz esse trecho por 14 anos seguidos. A seguir por seis anos fui com meus filhos, sem cruz. Eles começaram a levar cruz, eu os acompanhei, a nossa primeira cruz tinha 15 metros, isso a 10 anos atrás. No ano passado levamos uma cruz de arrasto com 11 metros, é uma cruz sem rodinhas atrás, é a madeira esfregando no chão. Ela cala no ombro, é a mais sofrida de ser levada. Quando fizemos a primeira com15 metros projetamos o sistema de estirante, um na parte de baixo e um em cada lateral. O debaixo irá envergar a madeira para cima, formando uma espécie de arco, irá evitar quebrar no balanço para baixo, e os dois das laterais irá evitar que ela entorte, pelo fato de ser muito comprida ela joga.
Qual é o comprimento dessa cruz que vocês estão levando neste ano?
São 30 metros de comprimento, fui obrigado a projetar baseado nos princípios de uma carreta, com dispositivo próprio para dobrar nas esquinas. Em uma base de 3/16 fiz uma luva de ferro de 1/8 coloquei uma bola de engate de carro e na outra base coloquei um cano travando. Nós passamos por dentro de várias cidades; Rio das Pedras, Mombuca, Capivari, Itu, Cabreuva. Nós saímos de casa por volta das sete horas da manhã, o Padre Nivaldo Nascimento ele sai da igreja matriz do Itapuam, ele abençoa, fazemos uma oração e saímos em caminhada. Vou pelo bairro Matão, subo a Avenida Raposo Tavares, entro por trás da Femaq, a primeira parada para respirarmos um pouco é Bairro do Chicó. Paramos por uns vinte minutos, logo seguimos, cruzando o Anel Viário indo em estrada de terra até Rio das Pedras, onde chegamos por volta de onze horas, nessa hora entra os trabalhos das nossas esposas, parentes, da minha sobrinha Silvinha que todos os anos faz o almoço e leva para nós. Em Rio das Pedras paramos junto a uma empresa situada logo na saída para Mombuca, próxima a Painco. Em Mombuca passamos a noite, em um posto de gasolina cujo dono deixa a chave conosco, é onde descansamos, tomamos banho. Por volta das quatro e meia da manhã seguimos em direção á Capivari, onde as dez horas chegamos á praça central. Há uma sorveteria na praça cujo dono já nos conhece sendo que tomamos um sorvete, já se tornou tradição. Cabe lembrar que durante a nossa viagem ninguém ingere nada alcoólico. Na saída de Capivari com destino a Salto há um posto de gasolina chamado Cartola, é lá que tomamos um lanche, descansamos até umas duas e meia da tarde, há um pessoal de Piracicaba que nos leva o almoço. Continuamos andando por uns quatorzes quilômetros de terra até chegar a um lugar chamado Samambaia, lá há uma venda de beira de estrada, cujo dono é tratado por “João Ratão”. Esse apelido surgiu porque onde no antigo paiol onde a gente dorme existe ratazanas que não acaba mais é um senhor de família muito bondosa, que levanta ás quatro horas da manhã para servir o café para nós. Essas refeições são cobradas e por valores nada modestos. Nós saímos de Piracicaba no dia 16 no sábado e chegamos á Pirapora na quinta feira dia 21 na hora do almoço.
No transporte da cruz é uma pessoa só que a carrega?
É colocado um travesseiro no ombro, e a pessoa carrega até agüentar, sendo substituída por outra assim que não agüentar mais. Tanto na subida como na descida outros romeiros auxiliam, pois o peso é enorme. Ninguém leva uma cruz sozinho, quando ela é de 10, 15 metros um carrega outro vai atrás segurando para tirar o balanço dela senão ela quebra. Nunca vi ninguém que tenha levado a cruz sozinho.
Há alguma sinalização especial para ser usada a noite?
Aprendemos ao longo dos anos a não andarmos a noite, só se acontecer algum imprevisto. Na parte traseira colocamos um triangulo de carro, as pessoas que ficam na parte posterior sinalizam com lanternas, sinalizamos tanto a cruz como o braço que a compõem com tiras refletivas.
Nesses seis dias de viagem como é o comportamento do grupo?
Rezamos muito durante o trajeto, rezamos o terço, pedimos pela paz, fazemos nossas profundas reflexões. Nesses trinta anos é minha a responsabilidade de conduzir as orações.
Como é a recepção do romeiro em sua passagem por Itu?
Nós já passamos por tudo em Itu. O povo de lá não gosta muito de nós. Eles dizem palavras nada agradáveis, dizem que atrapalhamos o trânsito, nós que somos romeiros costumamos dizer que o pessoal de lá é meio nervoso! Assim como alguns nos desejam boa viagem outros dizem: “Larga mão disso! Vai trabalhar”. Sequer imaginam a benção, a graça, que alcançamos para estarmos levando essa nossa cruz em manifesto de gratidão. Não coloco nenhum nome na minha cruz, ela é em gratidão pelas graças que alcancei nesses anos todos da minha vida.
Na terça de manha a viagem continua?
Seguimos em frente até almoçarmos na Gruta, pela estrada do Romeiro, é uma estrada muito perigosa, vicinal sem acostamento, com aproximadamente 45 quilômetros. Por volta de 3 a 5 horas da tarde chegamos a Cabreuva, o prefeito libera o ginásio para a acomodação dos romeiros. Passamos a noite, descansamos até as duas horas da tarde, ale é o verdadeiro descanso do romeiro. Prosseguimos a caminhada por mais doze quilômetros até Bananal, que fica distante mais dezoito quilômetros de Pirapora. As cinco horas da manhã da quita feira prosseguimos nossa viagem chegando em Pirapora em torno do meio dia
Assim que chega qual é o procedimento?
Desmontamos os estirantes da cruz, os rodeiros, para entregar a cruz na sexta feira santa. Ficamos por cerca de 300 metros da igreja, não passamos a ponte antes da sexta feira. Do alto de um monte, as nove horas da manhã da sexta feira fazemos uma oração e descemos com a cruz. Na verdade não sou só eu e meus filhos que levamos as cruzes, há outros amigos que nos acompanham, como o Marquinho Cruz, o Tiquinho.

sexta-feira, abril 08, 2011

MARLENE ELIAS CHIARINELLI

JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
Sábado 09 de abril de 2011
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
ENTREVISTADA: MARLENE ELIAS CHIARINELLI
Marlene Elias Chiarinelli nasceu em Piracicaba no dia 17 de novembro de 1931, filha de Amélia Abrahão Elias e Tuffi Elias, primogênita, sendo seus irmãos: Sally, Cecílio, Gabriel, Elizabeth e Amelinha.
Quando você nasceu o seu pai exercia qual atividade?
Morávamos na Rua Tiradentes entre a Rua Prudente de Moraes e Rua Treze de Maio, meu pai era marceneiro. Meus pais eram brasileiros, sendo que minha mãe era filha de libaneses e meu pai filho de sírios. Na esquina aonde mais tarde veio a ser a lanchonete Daytona e posteriormente o Banco Sudameris, atual Santander, papai montou um bar, o Tuffiniquim, esse nome era o mesmo de um aperitivo criado pelo meu pai e que fez um grande sucesso na época.
Ao mudarem para esse local qual era a sua idade?
De cinco para seis anos, logo passei a estudar e sendo a filha mais velha ajudava nas tarefas domésticas e no estabelecimento comercial da família. Estudei no Colégio Assunção desde o jardim da infância até a minha formatura.
Da sua casa até o colégio qual era a condução que você utilizava?
Ia a pé mesmo! As amigas passavam pela minha casa e nós subíamos pela Rua Boa Morte. Logo cedinho, umas cinco horas da manhã eu já estava em pé, ajudando a minha mãe a fazer sonhos, que eram colocados á venda no bar, havia muitos viajantes hospedados nos hotéis das imediações, antes de embarcarem no trem da Companhia Paulista passavam pelo Tuffiniquim para tomar o café da manhã.
Como era o uniforme escolar do Assunção?
A saia era azul marinho pregueada, a meia do tipo três quartos, blusa branca de manga comprida, sapato preto fechado. Não podia usar anéis, batom, maquiagem. Nessa época passamos por um período de grande luta, dificuldades muito grandes, contudo não foi de sofrimento, os meus pais tinham um grande amor entre eles, era um casal apaixonado, e isso tudo sobrepunha ás dificuldades, era um casal muito unido.
O Bar Tuffiniquim permaneceu por quanto tempo?
Por vários anos, após encerrarmos suas atividades mudamos para a Rua São José, no local onde hoje existe o Poupa Tempo, morávamos em uma casinha muito humilde, foi uma fase muito dura em nossa vida. Papai se estabeleceu ali com frutas, doces finos.
Nessa época como filha mais velha já ajudava no orçamento familiar?
Após estudar piano por nove anos formei-me como professora pelo Conservatório Carlos Gomes de Campinas, viajava pelo trem da Cia. Paulista. Lecionando piano eu sustentei meus estudos e ajudei na composição do orçamento familiar. Essa atração pela música faz parte da nossa família, papai tocava violino, integrava a Turma da Seresta, tocou com grandes músicos de Piracicaba como Olenio Veiga, eu tenho dois filhos músicos. É interessante observar que com todas as lutas, dificuldades, meus pais não exibiam sofrimento pela situação. Minha mãe era uma pessoa muito alegre, mesmo tendo um único vestidinho para usar ela estava sempre bonitinha, arrumadinha. Ela era muito bonita. Meus pais realmente se amavam.
Onde foi a próxima residência da família?
Em uma casa que existia na Rua São José, 681 era um casarão velho cujo inquilino anterior tinha sido a Casa da Lavoura e onde mais tarde foi construído o prédio que atualmente abriga a Procuradoria Federal. Nessa ocasião eu tinha por volta de quarenta alunos de piano, com muita dificuldade tínhamos adquirido um piano modelo armário da marca Bechstein, eu ainda dava aulas particulares de latim e francês.
Ali foi o inicio de novas atividades comerciais de Tuffi Elias?
Em uma das salas ele passou a vender máquinas da marca Olivetti em outra sala eu lecionava piano.
Como você conheceu o seu futuro marido?
Roggero Chiarinelli trabalhava na Rádio Difusora de Piracicaba, sendo inclusive locutor esportivo. Naquele tempo a valsa era um dos ritmos mais tocados, eu tinha composto a valsa “Carol” em memória de uma irmã que tinha sido vitimada por um acidente, isso quando ainda morávamos na casa na Rua São José em frente ao Cine Broadway, ao lado existia o Hotel Lago onde ficou hospedado por um bom tempo o Maestro Lameira que estava apresentando uma peça no Teatro Santo Estevão. Ele ouviu a minha musica, gostou muito. A minha mãe tinha um compadre, Carlos Brasiliense, que compunha, fazia arranjos, ele ouviu a minha música e fez um arranjo. Conheci o meu futuro marido no Teatro Santo Estevão na apresentação da minha valsa pelo Maestro Lamera. Três vezes por semana eu participava de uma apresentação ao vivo no auditório da Rádio Difusora, em beneficio do Tuberculoso Pobre. Naquela época não existia televisão, eu me apresentava com Alcides Righetto que tinha uma voz linda, com Alcides Zagatto ao violino, o programa era das sete ás sete e meia da noite, apresentado pelo Roggero. O Roggero formou-se dentista, exerceu por sete anos a profissão, até que associou ao meu pai no comércio de máquinas, mais tarde ele foi proprietário da Comercial Chiarinelli, voltada para o comércio de máquinas e equipamentos de escritório.
Onde foi celebrado seu casamento?
Após namorarmos por sete anos nosso casamento foi realizado na Catedral de Santo Antonio, á 10 de abril de 1955. A lua de mel foi no Rio de Janeiro, fomos até São Paulo de automóvel de lá para o Rio fomos de avião. Ficamos hospedados em Copacabana, em São Paulo ficamos hospedados no Ibiá Hotel na Avenida São João, a nossa viagem durou vinte dias. O Roggero já tinha se formado em odontologia pela faculdade de Uberaba, e montado o consultório que ficava na Rua São José logo abaixo da Rua Governador. Tivemos cinco filhos: Maria Cristina, Maria Silvia, Maria Regina, Roggero e Renato.
Quando começou a sua atividade com o Clube da Lady?
Há 50 anos! Ou mais! Comecei contra a vontade do Roggero, já tínhamos os cinco filhos. O Clube da Lady já existia, a Dona Maria Figueiredo, proprietária da Rádio Difusora tinha muita amizade com uma senhora de São Paulo chamada Aydee Guimarães que tinha introduzido o Clube da Lady naquela cidade. Ela desejava que em Piracicaba também fosse criado o Clube da Lady, que ficou nas mãos de Dona Otilia Furlan. Algumas senhoras se reuniam, era um grupo muito seleto. Sob a direção da Dona Alzira Maluf houve a participação de um maior numero de mulheres, passando a ser feito uma espécie de chá com as integrantes desse grupo. Zelinda Jardim presidiu por dois anos o Clube da Lady. A Ladice Salgot administrou o Club da Lady por um período de seis meses, quando seu marido Francisco Salgot Castilllon teve seu mandato político cassado pelo governo da época. Eu freqüentava o Clube da Lady, participando com sugestões e idéias, mas fui pega de surpresa quando ao ir a uma das reuniões, realizada no Teatro São José, vi escrito: “Presidente Marlene Chiarinelli”. As minhas amigas conversaram com o Roggero na perspectiva de fazer com ele aceitasse a minha atuação como presidente do Clube da Lady. Houve concordância, eu comandaria, mas de dentro da minha casa, com isso até hoje a sede do Clube da Lady é na minha casa.
O que é o Clube da Lady?
É uma entidade muito séria, está na cidade a aproximadamente 53 anos, nós atendemos a comunidade carente de Piracicaba, sem vínculos políticos ou religiosos. Realizamos promoções e distribuímos á entidades que se responsabilizam em assistir aos necessitados. Organizamos eventos mensais que ocorrem no Teatro São Jose, ali se reúnem cerca de 300 mulheres quando então arrecadamos fundos que serão repassados á 22 entidades assistenciais. Temos umas 500 senhoras de Piracicaba que são as beneméritas. O Clube da Lady é a mulher de Piracicaba, constituído de forma legal, obedecendo a todas as regras que ditam a conduta fiscal de entidades congêneres, assistido por um escritório contábil.
Nessas reuniões mensais do Clube da Lady o que acontece?
Nessas reuniões entre outra atividades temos o melhor buffet da cidade, realizamos um bingo onde as prendas arrecadadas são sorteadas.
Qual é a faixa etária das pessoas participantes?
Já tivemos um período onde a faixa etária era alta. Atualmente temos jovens que participam dos nossos eventos, assim como pessoas das mais diversas classes sociais.
Qualquer pessoa interessada pode participar?
Basta adquirir o ingresso para os chás que promovemos na ultima quarta feira de cada mês a partir das duas horas da tarde.
É permitida a participação masculina no evento do Clube da Lady?
Atualmente é permitida a participação de lordes também! Muitas senhoras levam seus maridos, assim como jovens casais de namorados. Essa participação de pessoas mais jovens é muito importante. O Clube da Lady tem como grande patrimônio a confiabilidade adquirida junto a nossa cidade. Uma entidade que permanece funcionando por mais de cinco décadas adquire uma respeitabilidade notável. A historia do Clube da Lady é muito rica, já ganhamos muitos atestados de reconhecimento, até pela Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo. Trouxemos artistas de projeção nacional para se apresentarem em nossos eventos: Sérgio Reis, Dick Farney, Elizeth Cardoso, Altemar Dutra, Antonio Marcos, Roberto Carlos que veio por três vezes, gratuitamente, quando fizemos bailes denominados “A Noite do Rei”, fui muito amiga da Nice sua esposa já falecida. Roberto Carlos tinha um rancho na beira do Rio Piracicaba, quando estavam em Piracicaba passavam pela minha casa com suas crianças. Até a Dercy Gonçalves participou de um dos nossos chás. Em determinada época a Santa Casa de Misericórdia de Piracicaba estava em uma situação financeira muito penosa, precisamos nos mobilizar para socorrê-la. Realizamos um jantar de gala no Grande Hotel de Águas de São Pedro.
O Clube da Lady movimenta o lado feminino das forças vivas de Piracicaba?
Já movimentamos muito, atualmente muitas representantes das forças vivas podem até não freqüentar os nossos chás, mas colaboram muito conosco. Não temos subvenção de nenhum órgão oficial. Não temos vinculo com nenhuma entidade religiosa ou política, temos sim a nossa postura de exercer os nossos direitos de cidadãs. O Clube da Lady é apolítico, mas eu sou uma cidadã.
O Clube da Lady acompanha de perto o trabalho das entidades beneficiadas por ele?
Destinamos recursos para 22 entidades assistenciais de Piracicaba, acompanhamos o desenvolvimento das atuações de cada uma delas, as assistentes sociais nos fornecem os subsídios necessários, acompanhamos o trabalho de cada entidade com muita atenção. Um dos trabalhos mais recentes que conta com o envolvimento do Clube da Lady é o Restaurante Fome Um, que passou por um processo de reestruturação e hoje desenvolve um trabalho muito importante É voltado para assistir aos andarilhos, eles encaminham-se para lá, tomam um banho, recebem novas roupas e almoçam. Esse trabalho visa restaurar a dignidade da pessoa que vagueia pelas ruas.
Bons samaritanos dotados da maior boa vontade, adotam ações isoladas junto á pessoas carentes, como a distribuição de alimentação em logradouros públicos isso pode acarretar mais prejuízo do que benefício?
Alimentamo-nos diariamente, o fato de distribuir uma sopa uma vez por semana não irá atender plenamente a pessoa necessitada. Da mesma forma que ao oferecer um jantar especial na véspera de Natal, é uma ação isolada de impacto pouco representativo no apoio efetivo ao individuo. É necessária uma ação planejada, dentro de um contexto, com uma abordagem feita sob a supervisão de pessoas especializadas. Ao centralizarmos nossos esforços no apoio ao Restaurante Fome Um foi em decorrência do nosso acompanhamento já por mais de cinco anos dessa iniciativa. Acompanhamos passo a passo a trajetória desse trabalho assistencial, no momento apropriado demos o apoio necessário. O resultado tem sido muito gratificante, diariamente são atendidas de 160 a 200 pessoas. Andarilhos que passaram a se alimentar lá estão com outra aparência, um dos que conheço de ver pelas ruas da nossa cidade, é um senhor idoso, que se mostra recuperado fisicamente, simplesmente pelo fato de ter pelo menos uma boa alimentação diária. Às vezes ao encontrá-lo questiono se ele tem ido se alimentar no restaurante Fome Um, ele responde que vai todos os dias. São pessoas que não tem nenhuma perspectiva futura, a não ser esperar pela morte, por isso permanecem jogados nas sarjetas. É só dar um pouco de dignidade á essa pessoa, ela poder sentar á mesa para comer com roupinha limpa.
Isso não é uma obrigação do Estado?
Como o Estado não faz, nós fazemos. Pelo menos com a nossa parte nós contribuímos.
Quais são os propósito das senhoras que participam do Clube da Lady?
A credibilidade que adquirimos no decorrer dessas décadas todas é um fator que atrai as pessoas munidas de bons propósitos. Há o aspecto da interação social durante as realizações dos nossos eventos, outro fator é o desejo de realizar sua colaboração social.
Para quem não conhece as atividades desenvolvidas pelo Clube da Lady ao deparar com esse nome pode cair na tentação de imaginar que se trata de uma entidade de madames?
Se existia essa imagem ela foi extinta. Tive muito trabalho para conscientizar quem nos conhecia de que se o Clube da Lady carrega esse nome é pelo fato de ter sido assim denominado em sua origem, nos Estados Unidos, onde se deu o inicio dessa entidade.
A imprensa de Piracicaba apóia o Clube da Lady?
Ajudam-nos muito, temos o apoio das rádios e jornais de Piracicaba.
Como é a sua relação com informática?
Eu gosto muito, participo do facebook, sou “orkuteira” e “twiteira”! Senti a necessidade de me integrar ás novas tecnologias a partir do momento em que nas reuniões de fim de semana da minha família composta por 15 a 20 pessoas, muitas vezes a conversa girava em tornos desses meios de comunicação digital. Percebi que se não me inteirasse a respeito estaria ficando a margem do assunto em pauta. Senti que poderia ficar analfabeta digital. Já faz um cinco ou seis anos que tenho uma professora particular de informática que está sempre me inteirando das novidades tecnológicas. Coloquei várias musicas no Youtube. Não uso e nem gosto dos sites de bate papo No inicio eu achava que teria muitas dificuldades com a internet, principalmente pela minha idade, sempre digo que o meu passado é grande, mas meu futuro é curto. Hoje qualquer duvida que eu tenha recorro à internet. O Google é o meu santo salvador!






domingo, abril 03, 2011

Uma dedicação de mais de 50 anos.


Em 1957 o presidente do Lar dos Velhinhos era o Comendador Luciano Guidotti, foi nessa época que o funcionário do Acordo Florestal do Estado de São Paulo, vinculado ao Ministério da Agricultura Dr. Jairo Ribeiro de Mattos passou a conhecer melhor o Lar dos Velhinhos. Com o objetivo de colaborar com a entidade o engenheiro agrônomo propôs que se fizesse um posto de produção de mudas na beira do rio, nas dependências do Lar dos Velhinhos. Vendo na iniciativa uma fonte de renda a mais para o Lar dos Velhinhos, sem que implicasse em investimentos o hábil administrador Luciano Guidotti aprovou a idéia de imediato. Essa iniciativa proporcionou que jovens e crianças aprendessem a formar mudas,  com a participação dos idosos nos canteiros das mesmas, comercializadas elas renderam bons lucros ao caixa da instituição, algumas teses defendidas na ESALQ foram alicerçadas em trabalhos desenvolvidos com essas mudas, como testemunha dessa época restou um gigantesco eucalipto na área próxima á Avenida Centenário. Jairo Mattos sempre teve a proteção e simpatia de pessoas idosas, como o velho João Batista Germano que fora proprietário de uma casa de artigos para pintura e deu ao jovem Jairo algumas aquarelas para que o mesmo as utilizasse, estimulando as habilidades potenciais do futuro artista plástico. No inicio de 1971 Jairo Mattos foi convidado por Aristides Giusti a ser presidente do Lar dos Velhinhos. Tendo como vice-presidente Jorge Cesar Vargas e a participação entre outros dos diretores Waldir Martins Ferreira, Humberto de Campos, Orlando Veneziano, Ciro Otávio Gatti de Toledo, Alfredo de Castro Neves, Valencio Clefes, Rui Azevedo, Alcides Boscariol. Na época no Lar dos Velhinhos havia três pavilhões: Pedro Alexandrino de Almeida, Antonio Correia Ferraz e Luciano Guidotti, um barracão construído por iniciativa do Lions Club, além de algumas pequenas construções precárias, totalizando menos de três mil quadrados de construção, abrigando pouco mais de 100 pessoas. Atualmente residem no Lar dos Velhinhos aproximadamente 500 habitantes que têm 185 funcionários capacitados para atendê-los. Em 1972 foi criada uma nova forma de viver no Lar dos Velhinhos, os chalés, atingindo um público que até então não tinha essa inovadora opção. Idealizado por Jairo Ribeiro de Mattos e construído com seus recursos pessoais, o chalé número 1 mudou o conceito de vida em um lar voltado aos idosos. O conceito básico é de quem habita os chalés proporcionar renda á instituição para subsidiar os abrigados nos pavilhões, cujos recursos pessoais nem sempre atendem suas necessidades básicas de saúde, higiene e alimentação. (Pela Constituição Federal uma obrigação do Estado). Hoje existem 250 chalés e 18 pavilhões, sendo 13 deles construídos na gestão Jairo Mattos. Muitas obras realizadas dentro do Lar dos Velhinhos proporcionam uma qualidade de vida acima das existentes em entidades congêneres, inclusive as reputadas como de alto padrão. O Lar tem até uma Colônia de Férias em Praia Grande com 12 apartamentos e seis casinhas. Atualmente Jairo Mattos dedica muitas horas do seu dia ao Lar dos Velhinhos, dinâmico, de personalidade marcante, impõe seu ritmo de trabalho, líder nato, arrasta voluntários dedicados, de forma democrática recebe as criticas naturais á quem administra uma verdadeira cidade: a Primeira Cidade Geriátrica do Brasil. O Lar dos Velhinhos de Piracicaba já recebeu delegações de outros países interessados no modelo criado em Piracicaba, de uma dessas visitas resultou em uma instituição similar implantada no Japão. Jairo Ribeiro de Mattos mostra claramente que instituições filantrópicas que não forem dinâmicas estão fadadas a encerrar suas atividades. O amor de Jairo Ribeiro de Mattos pelo Lar dos Velhinhos é uma relação que perdura por mais de 50 anos.


sábado, abril 02, 2011

Erich Vallim Vicente - Banda MCC (Mazzaropi Contra o Crime)

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
Sábado 02 de abril de 2011
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/

ENTREVISTADO: Erich Vallim Vicente - Banda MCC (Mazzaropi Contra o Crime)
A banda “Mazzaropi Contra o Crime”, também identificada pelas iniciais “MCC”, é uma banda de rock formada em Piracicaba. Seus integrantes são Erich Vallim Vicente (Baixista e Vocalista), Evaldo Augusto Vicente Filho (Guitarrista e Vocalista) e Giuliano da Costa Maestro (Baterista e Vocalista). Ela surgiu em agosto de 1998, os amigos Evaldo (guitarra) e Rafael (bateria) eram integrantes de um grupo que tinha encerrado suas atividades musicais, determinados a continuar a dedicar-se a musica, convidaram Erich, irmão do Evado, para assumir o baixo, nascendo o trio que executou em 8 de agosto de 1998 o primeiro show com a denominação “Mazzaropi Contra o Crime”, ou simplesmente MCC. A apresentação foi no Fest Einstein realizado no Liceu Albert Einstein. No ano 2000 Giuliano da Costa Maestro (Baterista e Vocalista) integrou-se ao grupo que gravou no mês de janeiro do mesmo ano a primeira demo ( CD de apresentação) denominada de “O Jornaleiro”, com seis musicas gravadas. Essa iniciativa alavancou alguns shows onde o grupo se apresentou principalmente em Piracicaba. O grupo encerrou suas apresentações no ano 2000 com um show na Universidade de São Paulo – USP realizado na cidade de São Paulo. Em 2001 a banda gravou seu segundo CD com o título “Deu Branco” colocado a venda a partir do evento realizado no The Garage. Logo a seguir Rafael deixa o grupo, que passou a ser o trio que perdura até hoje. Em 2004 a perfeita integração do grupo proporcionou o lançamento do álbum musical do MCC. A evolução musical da banda juntamente com composições próprias produziu um rock com identidade própria, refletindo as idéias e propostas dos integrantes do grupo. Em 2007 graças a atuação do produtor musical paulistano João Lima com quem juntos delineiam a profissionalização definitiva do grupo, novos rumos foram dados ao trabalho Sem ser exclusivista, a banda executa composições que extasiam os entusiastas do rock, obras de nomes consagrados como Ramones, Bob Marley, Raul Seixas, The Beatles, Jimmy Cliff, Elvis Presley, Johnny Cash, Ozzy Osbourne e uma vasta galeria de outros artistas ou bandas com os quais o grupo se identifica. Essa diversidade de estilos e ritmos imprime um clima contagiante nos shows da banda, oferecendo ao público um ambiente interativo com rock da melhor qualidade.
O jornalista Erich Vallim Vicente nasceu em 6 de junho de 1981, é o filho mais novo do casal de jornalistas Evaldo Augusto Vicente e Astir Vallim Vicente. O casal tem outros dois filhos. Evaldo Augusto Vicente Filho nascido em 27 de abril 1979 e Erika Valim Vicente Maestro nascida em 12 de janeiro de 1978.
Erich como surgiu à inspiração para formar uma banda?
Minha mãe é entusiasta de música, a minha irmã Érica dedicou-se á música clássica, por 11 anos estudou piano. Sua dedicação aos estudos musicais despertou o interesse do meu irmão em tocar guitarra, em especial o rock. Acredito que foi até por sempre me identificar com as iniciativas de ambos passei a tocar contrabaixo, voltado ao rock. Considero que tanto a minha irmã como meu irmão tem um ouvido musical muito superior ao meu.
Seu irmão Evaldo despertou o seu interesse para o rock e jazz?
Desde a minha infância já alimentava o interesse pelas atividades musicais do Evaldo, que juntamente com seus amigos tinham montado a banda “Jeeps in Kombi”, com a qual fizeram alguns shows. Os ensaios eram feitos em casa, eu acompanhava tudo aquilo com muita curiosidade e atenção, pelo fato de ser ainda um menino não havia a menor possibilidade de participar efetivamente do grupo. Passei a estudar no Studio Musical Alexandre Bortoletto (SMAB) com o professor Marcos, o Manguinha, tive aulas de música e contrabaixo, para aprender as técnicas de como cantar, os recursos de respiração, tive aulas com o professor Antonio do mesmo instituto.
Por que escolheu o contrabaixo como instrumento?
Gosto muito de uma banda de rock chamada Rancid, digo que é a minha “banda de cabeceira”, produzem bons discos, boas musicas. Ao contrário de outras bandas de rock punk o baixista do Rancid é um excelente músico. Admiro o seu desempenho musical, isso me estimulou a estudar baixo. Para mim foi uma referência musical.
Onde eram os ensaios da banda?
A primeira banda, onde o meu irmão tocava a, “Jeeps in Kombi” realizava os ensaios em um quartinho no fundo da nossa casa, nessa época havia cinco integrantes. Morávamos na Rua Dr. Alvim esquina coma a Padre Galvão, na divisa entre os bairros Jardim Europa e São Dimas. Nosso vizinho era o senhor Alexandre Alves, ex-vice-prefeito de Piracicaba, ex-secretário de governo, pai de quatro filhos com idades próximas as nossas: Pedro, Ivan, Vitor e Ana, que muitas vezes iam assistir os nossos ensaios, com isso nunca tivemos problemas, mesmo considerando que tocávamos sem isolamento acústico! Tivemos ótimos vizinhos! Os ensaios eram realizados aos sábados e domingos á tarde.
A partir de que período você passou a tocar na banda?
Meu irmão montou uma banda que teve um breve período de existência, ao que consta nem chegaram a dar nome á mesma, dessa iniciativa permaneceu o Rafael (Rafão) Rosolen, para poderem tocar faltava um baixista, era a minha oportunidade, que a principio não foi vista com muita simpatia! Isso foi em 1995, a partir dessa época passamos a tocar formando o grupo que por uma breve etapa chamou-se “De Sarto Arto” e que mais tarde se tornaria a banda MCC - Mazzaropi Contra o Crime,. Ensaiávamos bastante, todos os finais de semana. Tive que me desdobrar para poder acompanhar o Evaldo e o Rafão.
Quem criava esses nomes de bandas?
O Rafão foi quem criou os nomes “De Sarto Arto” e “Mazzaropi Contra o Crime”. São dele essas idéias criativas! (Risos). Em 8 de agosto de 1998 fomos tocar no Fest Einstein, ao chamarem a nossa banda fui surpreendido pelo nome que o Rafão tinha colocado para fazer a inscrição no festival: “Mazzaropi Contra o Crime”.
Que musicas foram gravadas no primeiro CD Demo do grupo?
A nossa demo foi gravada em 2000 no Estúdio Apache com o Celso Rocha, era denominada “O Jornaleiro” consistia em seis musicas de nossa autoria: “Pamonhas de Piracicaba”; “Bem-Te-Vi”; “Tifo – Um Herói Piracicabano”; “Capitães do Piracicaba”; “Terra Natal”. Tínhamos como principio trabalhar com temas referentes a Piracicaba, é um disco regionalista. O nome Mazzaropi acabou por nortear o nosso trabalho de tal forma que uniu o rock que ouvíamos desde garotos com aspectos locais da cidade de Piracicaba, como a música caipira, o peixe na barranca do Rio Piracicaba, pamonha, tudo enfim que é característico da nossa terra. É interessante analisar que o rock é uma musica com fortes vertentes nos Estados Unidos e Inglaterra, e Mazzaropi é quase um sinônimo de aspectos rurais brasileiro. Uma união quase impensável! Estamos tentando somar as diferentes culturas e criar algo em torno desse resultado. Observamos as diferentes posições ocupadas pelos tradicionalistas, progressistas, provincianos, cosmopolitas, antiquados, futurólogos. Vejo que a questão cultural envolve a soma do passado remoto, assim como do recente. Como individuo sou fruto do rock que sempre gostei, ao mesmo tempo sou produto dos aspectos rurais vivenciados pelos meus avós paterno, e mais cosmopolita influenciado pelos meus avós materno residentes em São Paulo. Sofremos influencias do meio que freqüentamos, desde os laços familiares como os locais que freqüentamos. Gosto muito de passear pela Rua do Porto, pela Praça José Bonifácio, o piracicabano valoriza muito as coisas de Piracicaba, o XV de Novembro é um desses exemplos, embora esteja há muito tempo longe da elite do futebol nacional o piracicabano o valoriza e orgulha-se dele. Em minha opinião não se resgata cultura e sim é algo para ser somado, somam-se culturas. O que seria do Ocidente se não existisse a democracia grega e o direito romano? São duas culturas que se somaram.
O segundo disco da banda saiu quando?
Essa pode ser considerada a nossa estréia, isso foi em 2001. Não é uma gravação que eu possa dizer que gosto, penso ser um trabalho muito pasteurizado, não consigo ver uma identidade nesse trabalho que se chama “Deu Branco”. É um CD com 12 músicas. A composição da banda era Erich no baixo e vocal, Juliano na guitarra e vocal, Juliano na guitarra e vocal e Rafael, o Rafão, na bateria. Em 2001 em função dos estudos e trabalho o Rafão deixou a banda, voltamos a sermos três integrantes, com o Juliano na bateria e vocal. Desde essa época permanecemos com a mesma formação. O Rafão casou, é pai de uma menina e mora nos Estados Unidos.
Em Piracicaba a banda se apresenta onde?
Onde somos convidados a tocar, como no Clube Treze de Maio, no Engenho Central, bares mais tradicionais como Garage, no extinto Taberna, The Cave, em chácaras da região, no festival Pirastock, Chaplin, em cidades como Águas de São Pedro, São Pedro, Limeira, Americana, Santa Bárbara, Nova Odessa, São Paulo, Sorocaba, Votorantin.
O cachê é bom?
Apenas do ano passado para cá é que passamos a receber algum cachê! O que nos move é a vontade de tocar, o amor á musica. Entre nós dizemos em tom de brincadeira que somos muito egocêntricos, pagamos para tocar! É o cumulo do egocentrismo!
No momento em que você está executando uma musica há a sensação de sair da realidade?
Posso afirmar que entro em outra realidade, gosto muito de criar, de ver uma letra sendo cantada, há várias formas de um ser humano criar, a musica é uma delas. A música faz parte do meu cotidiano, gosto do rock, assim como de jazz, samba.
O terceiro disco da banda surgiu quando?
Em 2004 surgiu o CD que leva como título o nome da banda, Mazzaropi Contra o Crime. Considero um período muito especial, uma re-fundação da banda, esse disco eu gosto muito. Conseguimos nesse trabalho juntar toda a idéia do regionalismo com uma apresentação universal, ver a identidade das coisas da nossa cidade com situações nas mais diferentes localidades. A música “Mardita Cachaça” tem uma pegada de rock com vocais do cururu que fazemos dentro do rock, já chamaram essa musica de “rock caipira”, “punk roça” eu continuo dizendo que é rock. Esse disco foi gravado e mixado no Estúdio Spalla em Piracicaba por Renato Napty e Roggero Chiarinelli. Desde 2009 estamos com outro trabalho, com um repertório mais amplo.
Quem é o compositor da banda?
Nós três compomos, talvez pelo fato de estar diretamente ligado a redação de jornal acabo de uma forma natural encontrando um volume maior de noticias e informações, proporcionando matéria prima para compor. Ainda criança eu não sabia tocar nem cantar, acabava escrevendo poesia. Sempre gostei muito de escrever.
Quais são os próximos projetos da banda?
Neste ano pretendemos gravar um clip, estamos literalmente trabalhando para isso, juntando recursos financeiros. Possivelmente o clip será com a música “Mardita Cachaça”. Essa musica é de 2001, aborda uma terceira via entre o socialismo cubano que tem entre seus ícones o charuto, e o capitalismo americano, é a “Mardita Cachaça”! Em nosso repertório há uma música com o título “Tudo Que Tem Por Aqui Vale Menos Do Que Um Dólar”, composta em 1999, foi inspirada na valorização do real, em janeiro de 1999.
As mensagens transmitidas nas letras das músicas sensibilizam quem escuta ou funciona mais como um desabafo de quem as compõem e executa?
Pode até ser um desabafo, não são veiculadas com a pretensão de formar nenhuma opinião em quem as escuta. Há muitas mensagens que foram transmitidas em músicas com letras melhores do que as que eu fiz. Acho que a musica faz com que a pessoa sinta a sua realidade de uma forma mais profunda.
No fundo ao compor você estuda uma realidade sua?
Em minha opinião, não falo pela banda e sim por mim, quando vejo alguém buscando uma religião é porque ele descobriu que é insuficiente para ele o que encontra no mundo material, ocorre a busca do entendimento de uma nova existência após a morte, isso transforma a realidade em uma forma mais clara, abre novas perspectivas diante da realidade imediata. Não quero entrar em nenhuma avaliação ou comparação de fé religiosa. Quem escreve sobre algo está indo a fundo na sua própria realidade.
A música traduz sentimentos que não são expressos por palavras?
A música tornou-se uma grande aliada da palavra. Através da música podemos deixar o sentido da palavra mais forte, uma função bem interessante da musica é realçar o sentimento da palavra, pela forma como é cantada. A palavra ao ser cantada toma uma nova dimensão. É triste ver pessoas que não se importam com o sentido das letras que estão cantando, importam-se apenas com o ritmo da musica, da balada.
Somos um país que escuta muitas letras de músicas em inglês sendo o nosso idioma o português.
Falo por mim, já faz alguns anos que estudo e continuo estudando inglês para poder saber o que significam as letras das músicas que escuto. A relação entre a palavra e a sua expressão através da musica ocorre de forma idêntica a que ocorre na nossa língua. A sonoridade da língua inglesa é diferente da portuguesa.
A música composta para ser cantada em inglês contempla a pronúncia própria do idioma?
Eu não gosto de música que passa pelo processo de tradução. Já ouvi versões terríveis em inglês da música Garota de Ipanema. Estava escutando uma banda chamada “No Te Va Gustar” que canta rock em espanhol, nota-se claramente a influência na sonoridade das características próprias de cada idioma. Isso é perceptível no rock em italiano, francês ou alemão. O próprio rock em inglês o britânico é diferente do americano, por conta do sotaque de cada povo, isso ocorre com as bandas canônicas de cada país de língua inglesa.
Mazzaropi Contra o Crime aceita convites para animar qualquer ocasião festiva?
A pessoa interessada pode entrar no nosso site www.wix.com/mazzaropi/mcc, escolher o repertório e agendar a apresentação!

Arquivo do blog