Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, agosto 07, 2011

EROTIDES GIL BOSSHARD

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 23 de julho de 2011
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/
ENTREVISTADO: EROTIDES GIL BOSSHARD
A diplomacia é a arte de conversar e se entender com pessoas de culturas e costumes diferentes do seu país de origem. Entre os principais assuntos que os diplomatas tratam, temos assuntos relativos à Guerra, Paz, Comércio Exterior e acordos de cooperação geral entre os países. Embaixadores são uma parte vital das relações internacionais, gestão de pessoal técnico e pessoal da administração é um componente chave para qualquer embaixador. Erotides Gil Bosshard chegou a realizar exames para ingressar na carreira diplomática, no tradicional Instituto Rio Branco, por circunstâncias alheias a sua vontade regressou a Piracicaba. Ele nasceu em Bauru em 4 de janeiro de 1945, é filho de Aristides Bosshard e Meire Alaíde Bosshard. Sua mãe faleceu quando Erotides tinha apenas dois anos de idade, foi trazido á Piracicaba sendo adotado por Lazaro Gil e Carolina Berrini Gil. Fez o curso primário no Grupo Escolar João Conceição, ao lado da Igreja dos Frades. O ginásio cursou no Dom Bosco e o colégio no Sud Mennucci. Erotides Gil conserva as características de um bom diplomata, fluente em diversas línguas, possui um português impecável, vasta cultura geral, deixa transparecer em suas falas um profundo respeito ao ser humano. Jornalista, radialista, advogado com pós-graduação em Direito do Trabalho, administrador de empresas. Especialista em Relações Trabalhistas e Negociação Sindical. Especialista em Direção de Recursos Humanos, pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Doutor em Administração de Empresas pela FGV- SP. Foi Chefe de Gabinete dos Prefeitos Luciano Guidotti e Homero Paes de Atayde. Diretor da Imprensa Oficial do Município de 1966 a 1968. Participou de transmissões esportivas importantes a partir de 1962, além de todas as grandes conquistas do XV de Novembro de Piracicaba, futebol e basquetebol, do Bicampeonato Mundial Interclubes do Santos em 1963; da série classificatória do Brasil em 1969 e Copa do Mundo de 1970, entre outras. Hoje continua a atividade no jornalismo esportivo da Rádio Onda Livre, AM, como comentarista de eventos esportivos e coordenador do Programa Esporte Livre Radiofônico às 20 horas das segundas feiras. Além dessas atividades jornalístico-radiofônicas, tem experiência de 37 anos na gestão do Jurídico Trabalhista e de Recursos Humanos em empresas como M. Dedini S/A Metalúrgica do ramo mecânico e metalúrgico, 1974 a 1979; Abril S/A/ Cultural e Industrial, do ramo de fascículos e livros, 1979 a 1982; Indústrias Romi S/A, do ramo mecânico, metalúrgico e eletrônico como fabricante de máquinas ferramenta, 1982 a 1987; Cosan, do setor sucroenergético, administradora das unidades produtoras de açúcar, álcool e energia, e terminais marítimos de açúcar e álcool . Atualmente é Consultor Interno de Recursos Humanos da Abengoa Bioenegia Brasil. Gil é casado com Alba Helena Cera Gil, tem 3 filhos e 5 netos. Está prestes a completar 50 anos de rádio.
Como se deu o seu primeiro contato com o rádio?
Antonio Sidnei Cantarelli tinha um programa na “Rádio A Voz Agrícola do Brasil” instalada na Rua XV de Novembro, na parte superior do prédio onde hoje é o Supermercado Jaú. Ele, o Professor João Chiarini, o Vitti do Jornal de Piracicaba, fizeram um concurso sobre a história de Piracicaba, que já estava se preparando com a antecedência de cinco anos para a comemoração do bicentenário da cidade. Naquela época o programa “O Céu é o Limite”, o Cantarelli resolveu fazer algo parecido. Participei desse concurso, o Sidnei disse que eu tinha boas condições para trabalhar em rádio. Em 1962 comecei a freqüentar a rádio, fui registrado em carteira profissional como funcionário da Rádio Difusora de Piracicaba em 2 de março de 1963. O Cantarelli foi trabalhar na Rádio Difusora e pediu que eu me apresentasse ao Caldeira, que era o gerente, o Seu Figueiredo tinha falecido em outubro de 1962. O Caldeira era o braço direito da Dona Maria Figueiredo, que era quem de fato dirigia a emissora. Antonio Jorge fazia a parte comercial, ele tinha vindo da Record de São Paulo para Piracicaba. Lembro-me que fiz uma gravação com Américo Martani, naquele tempo era em gravador de rolo ainda. Isso era por volta das 11 horas da manhã. Lembro-me que o Caldeira após ouvir a gravação disse: “-Então vai ao microfone!”. As 11:15 a Difusora apresentava o programa “Parada dos Esportes”, sentei-me ao lado de Antonio Ulisses Michi e do Márcio Terra para apresentar o programa, o que fiz de fato, apenas as minhas pernas tremiam demais! Eu tinha quase 17 anos de idade. Na rádio havia programas em horário que ninguém queria apresentar, por exemplo, no domingo pela manhã, a Difusora apresentava das 9 ás 10 horas o programa “Rago, o Mago do Violão”, das 10 ás 11 horas apresentavam-se Craveiro e Cravinho e das 11 ao meio dia o Cobrinha se apresentava. Eu fiz a minha estréia nesse horário, como locutor apresentador. A noite ninguém queria ficar na rádio das 20 ás 24 horas. Eu ficava. Naquela época o Michi tinha um programa de segunda a sexta feira que ia das 22 até as 24 horas, era o programa “Ritmos de Boate”. Quando o Michi passou a trabalhar na Itelpa ele ocupava um cargo intermediário entre gerente e diretor. Acabei herdando esse programa dele.
Havia a participação do ouvinte?
Muita gente ligava, dizendo: “Estamos aqui no aniversário de Fulano, ouvindo o programa”. Eu os imaginava divertindo-se na festa de aniversário e eu na rádio trabalhando. Inventei o primeiro “talk show” do rádio piracicabano. (O radialista realiza entrevistas coletivas e públicas em torno de um tema ou convidado). Eu levava os equipamentos da radio, transmitia e participava da festa. Deixava os textos de propaganda gravados no gravador de rolo e programava com o operador de mesa o momento em que tinha que entrar com os jingles. Euler Pitts Prado era o operador.
Qual foi o local onde você fez o primeiro talk show do rádio piracicabano?
Foi na casa do Senhor Arnaldo Ricciardi, na Rua Santo Antonio, onde hoje funciona o conhecido restaurante Monte Sul. Era a festa de aniversário da Beatriz, a filha mais velha do Seu Arnaldo. A alta sociedade de Piracicaba estava lá e eu quiz participar da festa também! A vida nos ensina muita coisa, mas certas coisas o rádio nos ensina um pouco mais. Eu ia ás festas e as pessoas ficavam em torno de mim, com o microfone na mão eu me movimentava e as pessoas me acompanhavam. Com o passar do tempo fui me tornando mais exigente e fui colocando pessoas em meu lugar. Quando tinha um evento mais importante pedia a um companheiro para ficar no programa “Ritmos de Boate”, enquanto eu ia sozinho á festa. Ninguém me notava! A verdade é que o microfone era o astro, e não eu!
Como funcionava essa operação de transmissão externa do programa “Ritmos de Boate”?
A festa começava por volta das 21:30 ou 22:00 horas, eu chegava, ás 21:00 horas, fazia uma ligação telefonica para a rádio, colocava o famoso “jacarezinho”, na maleta para sair um som com maior qualidade. Eu ia sozinho. Naquele tempo eu ia á Presidente Prudente, sozinho, para transmitir jogo de futebol, levava uma maleta com equipamento funcionando com valvulas, pesando quase vinte quilos. Ia de trem e não reclamava!
Não ocorria muitos defeitos técnicos, pelo fato de ser á valvula?
Na véspera o Américo fazia uma revisão muito eficiente do equipamento. Um vez fui fazer uma transmissão de Santos, não havia transistor e nem bateria, o equipamento era ligado na energia elétrica. Ocorre que a energia em Santos funciona com 220 volts e ele se esqueceu de virar a chave, o equpimento funcionou por uns tres ou quatro inutos e depois passou a soltar fumaça.
Nessas festas que você transmitia eram feitas entrevistas e descritos os trajes e ambientes?
Por tratar-se de uma novidade, muita gente que ia a festa levava rádio portátil para ouvir a transmissão que estava sendo feita daquele local! Eu descrevia o convidado, elogiava o vestido, o bom gosto, eu não descrevia com riqueza de detalhes em termos de moda, apenas dizia que era um vestido bonito, qual era a cor, se tinha alguma pedra, botão todo encapado. Conhecimento de moda eu não tinha nenhum, não tenho jeito pra isso! Muitas senhoras chegavam próximas ao meu ouvido e iam relatando os detalhes próprios da roupa utilizada pela pessoa que eu descrevia. Uma palavra que até hoje me lembro de terem assoprado em meu ouvido era que determinada roupa usava “gripir”! Na hora da transmissão as senhoras da sociedade acabavam por me auxiliar passando detalhes técnicos das roupas de gala utilizadas na festa.
Na época você tinha 18 anos, essas apresentações lhe abriram uma série de portas?
Uma das coisas que credito ao meu trabalho na rádio, foi a relação muito profunda que estabeleci com a família Guidotti. Eu transmitia futebol, e o presidente do XV de Novembro era João Guidotti. Certo dia Luciano Guidotti estava na loja de propriedade do seu irmão João Guidotti, ele me chamou e perguntou se eu não queria assumir o recém-criado Diário Oficial. Eu tinha acabado de completar 21 anos, estava cursando direito e tinha informação jornalística. Fui muito bem assessorado, tinha ao meu lado o Bola, o Osvaldo Sobek, Mauricio Cardoso e Ari Pedroso. Passei a trabalhar como seu chefe do seu gabinete, tínhamos uma amizade muito forte, posso dizer que me sentia filho dele. Ele faleceu em 1968 com 63 anos.
Como era Luciano Guidotti?
O lo humano dele tinha seus erros, era meio estabanado, as vezes respondia meio acre. Lembro-me que quando a sua secretária Maria de Lourdes Azur tirou férias, fiquei com alguns encargos dela, uma vez levei alguns cheques para ele assinar. O cheque do seu salário a Maria de Lourdes já colocava com o verso voltado para cima, ele apenas endossava, eu não sabia, quando ele viu o valor do cheque perguntou-me: “-O que é isso?” Respondi-lhe: “- Esses são seus honorários, prefeito.”. Ele então respondeu: “ Tudo isso! Nossa que roubalheira!” Ele endossava o cheque porque o cheque era depositado em favor ao Lar dos Velhinhos. Nunca, nenhum cheque em nome de Luciano Guidotti foi depositado na conta dele. Apesar do folclore em torno de Luciano Guidotti ele era muito inteligente, muito capaz, muito bem informado sobre os fatos que ocorriam no mundo todo. Era um administrador por excelência. Eu tinha recebido um convite para fazer um curso de pós-graduação em processo penal na Itália, fui conversar com Luciano, foi quando ele me disse: “Acho que você não deve ir, estou no fim do meu mandato, prefeitura é ônus que temos que suportar por amor a nossa terra, mas que não dá camisa para ninguém. Se você for honesto não irá ganhar nada na prefeitura”. Ele abriu a mesa da gaveta dele, mostrou 28 projetos de obras, edifícios, casas, e por incrível que pareça, condomínios fechados, isso em junho de 1968. Ele disse: “Você vai trabalhar comigo quando eu terminar o meu mandato, ai sim você vai ganhar dinheiro”. Um mês depois ele faleceu.
A queda do Comurba foi durante uma das gestões de Luciano Guidotti?
Aconteceu a tragédia no dia 6 de novembro de 1964, sexta-feira, por volta das 13 horas e 52 minutos, eu era responsável pelo jornalismo da Difusora, às 14 horas eu entrava no ar para dar o noticiário de hora em hora, estava na sacada da Rádio Difusora, conversando com Waldemar Bilia, á 50 metros do prédio que ruiu, houve uma explosão e uma enorme nuvem de poeira, quando essa poeira abaixou percebi que o sol estava batendo no rosto do Bilia, foi então que percebi que o prédio havia caído. Disse: “- Bília! Olha o que aconteceu!” Até então não havíamos percebido que o prédio tinha ruído. O Luciano comandava todo o serviço de resgate, dizia-se que ouviam a voz de uma jovem que trabalhava na bomboniere do Cine Plaza. Era o desespero de tirar pedras, caminhões, tratores trabalhando. No domingo, dia 8 o helicóptero rodou e desceu em frente a Catedral de Santo Antonio,era o Governador Adhemar de Barros que tinha chegado. Naquele tempo como é hoje, a Rua Boa Morte começava na Rua Prudente de Moraes, o prédio Comurba ficava entre as ruas Prudente de Moraes e São José, de frente para a Rua Boa Morte. O governador ficou no jardim, já era quase meio dia, um sol de novembro, o deputado Domingos José Aldrovandi que era do PSP na oportunidade, ia até o prefeito e dizia: “- Prefeito! O Governador está ai!”. E o prefeito continuava no serviço de resgate. Constrangido, o deputado conduziu o governador até o prefeito. Ao chegar próximo do prefeito o governador que tinha uma forma estranha de cumprimentar, não estendia totalmente o braço, já estava em sua forma habitual de cumprimentar, o deputado Aldrovandi puxou o prefeito pelo braço e disse: “- Prefeito, o governador!”. Luciano simplesmente respondeu: “- Não dou a mão para ladrão!” e voltou a trabalhar nos serviços de resgate. Dr. Domingos Aldrovandi, muito inteligente contornou a situação. O governador conversou com alguns políticos, embarcou no helicóptero e voltou á São Paulo. Eu estava ao lado, eu ia entrevistar o governador. Nem entrevista teve.
Você foi chefe de gabinete do prefeito Luciano Guidotti e tinha um programa na Rádio Difusora?
Na rádio eu fazia jornalismo, fazia um programa chamado “Parada dos Esportes” das 11:15 até 11:45. E o programa “Sentinela Esportiva” que ia das 18:30 ás 19:00 horas. Eu editorava e redigia os textos do jornalismo.
Quais são as qualidades essenciais de um narrador esportivo?
A primeira coisa ele deve lembrar que o ouvinte não está vendo o jogo, ele tem que dar destaque a emoção para quem está ouvindo, muito mais do que simplesmente narrar a jogada que está ocorrendo. Eu me lembro que aqui no Roberto Gomes Pedrosa, o Xixico chutou uma bola que passou por cima da trave quase foi parar na Rua Santo Antonio, foi uito alto o chute dele, eu disse: “Raspa a trave!” o repórter Fausto Silva, que estava no começo da carreira, comentou: “- Ô louco Gil! Você precisa ir a um oftalmologista!”. O narrador de futebol pelo rádio tem que pintar o jogo. Um narrador da mesma época foi Luciano do Valle, ele trabalhava na Brasil Central de Campinas eu trabalhava na Difusora, chegamos a transmitir vários jogos dividindo a mesma cabine. Os estádios do passado não tinham essa estrutura que existe hoje. Cheguei a transmitir partidas no Maracanã tomando chuva. Em 1963 quando o Santos foi campeão pela segunda vez interrompemos a transmissão porque o nosso equipamento molhou e não tinha mais como transmitir o jogo.
Você conheceu Léo Batista?
Eu já tinha visto em Piracicaba e ouvido João Batista Belinazzo Neto pela Difusora de Piracicaba. Conheci o Leo Batista em 1963 quando recebi uma proposta para fazer esportes na antiga TV Rio, que em 1965 transformou-se na TV Globo. O Embaixador Paschoal Carlos Magno me apresentou á emissora, fui falar com o diretor de esportes, ao abrir a porta disse: “-Belinazzo!” Imediatamente ele me disse: “Aqui sou Léo Batista!”. Cheguei a ficar por dois meses na TV Rio, as minhas condições financeiras não permitiam arcar com as despesas. O meu grande sonho era cursar o Instituto Rio Branco, a escola de diplomacia. O Embaixador Paschoal Carlos Magno me apoiava muito.
Como você conheceu o Embaixador Paschoal Carlos Magno?
Eu estava apresentando um programa do Cobrinha, ele cantou Pierrot, sua interpretação foi tão perfeita, a letra é uma ode, quando Cobrinha terminou eu disse ao microfone: “-Meu Deus o autor dessa música deveria estar inspiradíssimo por algo sobrenatural quando escreveu isso. É um vocativo do amor!”. Fiz o comentário fruto da minha emoção. O programa continuou, isso no auditório da PRD-6, mais ou menos ás 11:50 horas entrou um senhor alto, cabeça branca, sentou-se ao fundo. Acabou o programa ele veio agradecer pelas palavras que eu tinha dito sobre a música Pierrot, ele era o autor: Embaixador Paschoal Carlos Magno, que por 16 anos foi embaixador do Brasil na Inglaterra. Ele tinha sido padrinho de casamento em Águas de São Pedro, estava passeando em Piracicaba com o rádio do carro ligado quando ouviu minhas palavras. A responsabilidade de quem está com o microfone na mão é muito grande.











Arquivo do blog