Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

quarta-feira, outubro 12, 2011

ANTONIO JOSÉ QUARTAROLO (TONY JOSÉ)

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/

ENTREVISTADO: ANTONIO JOSÉ QUARTAROLO (TONY JOSÉ)
A voz marcante é a própria identidade de Tony José. Ele é tido como um dos monstros sagrados do rádio esportivo brasileiro. De origem humilde, com sua determinação atingiu um patamar de fama e glória, sem, contudo perder a humildade, preserva suas amizades. Nascido em 29 de março de 1953, filho de Aléssio Quartarolo e Arlinda Todeschini Quartarolo, natural do bairro Barreirinho, pertencente á hoje cidade de Saltinho, na época era um distrito de Piracicaba. Seu avô tinha um sítio logo após o famoso Bairrinho, célebre pelos fumos “de corda”. Filho mais velho do casal, são seus irmãos: Maria Bernadete, Luiz Carlos Quartarolo, Camilo Irineu Quartarolo, Aparecida Quartarolo, Aléssio Quartarolo e Fernando Quartarolo. Quando era muito jovem ainda, sua família se mudou do Bairrinho para o local denominado Glebas Califórnia, região onde havia muitas chácaras, mais tarde uma parte dessa região deu origem ao Bairro Jupíá O menino Antonio estudou em uma escola que hoje não existe mais, ficava no Bairro dos Marins, próxima ao Córrego dos Marins, junto a uma olaria. A escola não oferecia estudos até o quarto ano primário, era necessário freqüentar outra escola, Antonio José estudou na Escola Francisca Elisa da Silva, situada nas esquinas da Rua XV de Novembro com a Rua Antonio Correia Barbosa.
No Barreirinho qual era atividade principal dos seus pais?
Eles trabalhavam na produção de fumo de corda, eu ainda muito novo ajudava, na época não havia a proibição de criança trabalhar, considero que essa lei que proíbe o trabalho da criança está equivocada, caso a criança queira ela deve trabalhar. Como se dizia antigamente: “Serviço de criança é pouco, mas quem perde é louco!” Com 6 a 7 anos comecei a ir para a roça. Não havia outra opção. Eu tinha prazer em ajudar o meu pai, a “virar cambito” fazer corda de fumo. Essa onda de criança não poder trabalhar é um cuidado exacerbado. A criança deve trabalhar de acordo com sua capacidade física, com 14 anos eu carregava saco de 60 quilos, com isso desenvolvi minha musculatura. Como se dizia na época “peguei no guatambu”, puxei enxada, fiz tudo isso sem problema nenhum. O que mais me incomodava era a mesmice de sempre, Piracicaba era pequena demais. Não havia a facilidade de sair daqui como existe hoje.
Na área cultivada pelo seu pai nas Glebas Califórnia, o que mais se plantava?
Meu pai sempre foi interessado em buscar novidades, ele conheceu um japonês que lhe passou determinadas técnicas para o plantio de mamão. Ele plantou mil pés de mamão na chácara, eu o ajudei. Depois ele arrendou um terreno que ficava no alto da pedreira situada na Estrada do Bongue. Era um local com uma vista muito bonita, mas terrível para trabalhar, a inclinação do terreno era muito acentuada. Para o mamão era ótimo: a geada não pegava, o arejamento era fantástico, um terreno pedregoso, justamente o que o mamão queria. Para plantar o mamão tinha que fazer a cova, cercar com pedras, colocar pó de serragem, jogar as sementes e o pé de mamão nascia e crescia. Quando ocorria uma geada ela derrubava as folhas e o mamão amadurecia muito rápido, gerando grande oferta no mercado e caindo muito o preço pago ao produtor.
Como era feita a trajetória da sua casa no Bairro dos Marins até a escola onde você estudava?
Ia a pé! Descia pela Estrada dos Marins, passava pela Cerâmica Piracicabana, nas proximidades de onde hoje é o Carrefour, passava pela Chácara do Morato, a Rua do Porto não fazia a trajetória que faz hoje, era bem mais curta, só existia o caminho á beira do Rio Piracicaba, era tudo terra batida. Passei a usar sapato aos doze ou treze anos, até então ia descalço mesmo. No alto das Glebas Califórnia existia a chamada Chácara do Limão, próxima a Chácara Espéria, onde era mato hoje é um condomínio. Do outro lado tinha a Chácara Nazareth que era do Pacheco Chaves, hoje é loteamento residencial. Não existia o Bairro Nova Piracicaba, era tudo plantação de cana.
Esse trajeto diário ás margens do Rio Piracicaba não era um convite á banhar-se no mesmo?
Não! Minha mãe colocava tanto terror á respeito que eu não me arriscava. Nadei um pouco no Ribeirão dos Marins, escondido, ia para casa todo molhado, no caminho esperava secar. Meu pai tinha carroça, com roda de madeira e aro de ferro, só mais tarde é que passou a ter um carrinho com pneu, um conforto danado. Com a carroça lotada de mamão, íamos ao Mercado Municipal, a ida era feita a partir das quatro horas da manhã.
Eu ficava tomando conta do carrinho com os mamões enquanto meu pai ia negociar com os compradores. No Moratinho, perto da Ponte do Morato, muitas vezes o caminho enchia de água, na época das chuvas, a água batia na barriga do animal, nós torcíamos para que a ponte estivesse ainda ali, pois só dava para ver as laterais da ponte. Subíamos pela Rua Rangel Pestana, ás quatro e meia, cinco horas da manhã, a carroça lotada de mamões, meu pai pulava, ia conduzindo a pé o animal.
A sua família mudou-se para outro local?
Viemos morar perto da antiga revenda de automóveis Colina, na Rua Silva Jardim com a Rua Campos Salles, tínhamos comprado um terreno ali, construímos uma casa e mudamos. Só que o meu pai teve dificuldade em conseguir um emprego, até que ele resolveu fazer feira, arrendamos uma área de quase um quarteirão nos fundos de uma agencia Volkswagen, a Vepira, não tínhamos equipamentos, por 15 dias meu pai e eu cavoucamos aquilo tudo, transformando em canteiros de horta o que era um pasto, isso foi em 1966. Nós molhávamos o pasto e usávamos o enxadão. Meu pai tinha conhecimento técnico para produzir rabanete com 15 dias de plantio, alface com um mês. Aos domingos ficávamos até as duas horas, duas horas e meia da tarde, porque as pessoas iam buscar verduras frescas. A família toda trabalhava nessa horta, preparava-se a verdura para vender no dia seguinte. Com o tempo meu pai passou a ter um armazém na feira, permaneci na feira até os meus18 a 19 anos.
Em que locais eram realizadas as feiras?
Na terça-feira no Largo Santa Cruz, quarta-feira na Vila Rezende, quinta-feira na Paulista, sexta-feira na Rua Riachuelo atrás da Santa Casa, aos sábados era em um terreno onde jogaram as lajes do antigo Comurba, onde mais tarde foi construído o Hipermercado Jumbo Eletroradiobrás e a feira mudou para uma rua ao lado, domingo era atrás da Estação da Paulista e na Vila Rezende perto do Clube Atlético Piracicabano.
Quais veículos vocês utilizavam para levar as mercadorias a serem vendidas na feira?
Inicialmente tínhamos uma Kombi, quando virou armazém tínhamos duas Kombis e um caminhão Ford 36, mais tarde trocamos esse caminhão por um Chevrolet 1957, o famoso “Marta Rocha”, depois adquirimos um caminhão Chevrolet Brasil. Eu aprendi a dirigir em um Ford 1929, o marcador de combustível era um nível, igual ao nível de pedreiro. Essa maravilha era do Fernando Cardinali, eu trabalhei para ele na feira por um período de um ano e pouco. Minha função era vender óleo comestível, vinha em um tambor, colocava-se uma bomba manual e realizava a venda conforme o pedido do cliente: um litro, meio litro. O vasilhame era trazido pelo próprio cliente. Lembro-me que levava um tambor de 200 litros por 50 metros feira a dentro, o comentário geral era: “Esse garoto é muito forte!”. Na realidade tudo se resume na forma como você conduz o tambor, basta colocá-lo de quina no chão, dar dois pequenos impulsos e o próprio conteúdo impulsiona o tambor. Basta controlar o tambor de quina, com os dedos, o próprio tambor se movimenta. Na época foi lançado um produto novo no mercado, o Cardinali vendia sete pedaços por uma unidade monetária da época (1 cruzeiro), era o sabão Ypê, pelo fato de ser amarelo o pessoal dizia que era feito de fubá.
Você fez o Tiro de Guerra?
Na minha época era obrigatório, hoje infelizmente não é. Servi aqui na Paulista, na Avenida Dr. Paulo de Moraes, servi com o Waltencir, o comandante era o Guatura. Acho que todos deveriam servir o exército, inclusive as mulheres. No exército se aprende a ter amor a Pátria, o exército prepara o individuo para a vida. Entra moleque e sai um homem, em qualquer parte do mundo sem disciplina não se chega a lugar nenhum.
Você prosseguiu seus estudos onde?
Fui estudar na Escola Industrial, na época estavam construindo o segundo prédio. Fiz os cursos de torno, fresa. Eu queria fazer o curso de medicina, mas não era possível, tinha que trabalhar. Surgiu a vontade de buscar algo que trouxesse resultados mais rápidos. Eu tinha facilidade em ler textos, interpretando-os. Apareceu um amigo, João Barreto, que era locutor oficial da estação rodoviária “nova” e que precisava de alguém que o substituísse aos sábados e domingos á tarde. Fui para lá e passei a anunciar as partidas de ônibus. Apareceu um japonês, DuarteYamanaka, criamos coragem e fomos falar com Francisco Silva Caldeira que tinha adquirido a Voz Agrícola do Brasil, na Rua Moraes Barros 1191. O Caldeira me aprovou, dizendo: “-Eu não tenho nem verba e nem horário! Se você quiser a partir das 16 horas pode vir para cá e ler os textos comerciais”. Na época não eram gravados, quem programava as musicas era o Cesar Floriano que um ou dois anos depois saiu da rádio. O programa seguinte era apresentado pelo Paulo Roberto, irmão do Jayme Luiz, que tinha saído da rádio, foi trabalhar em São Carlos. O Paulo Roberto deu seqüência ao programa que na época era coqueluche em Piracicaba, chamava “Show das Cinco”. Tinha a participação do ouvinte pelo telefone no ar, era novidade e tinha grande audiência. O Antonio Carlos Pedrassi saiu da rádio, era um locutor com uma característica interessante, normalmente era gago, ao entrar no ar passava a ser um locutor normal. O Caldeira me ofereceu o horário dele e o salário possível da época. O meu sonho sempre foi de comer no restaurante Brasserie, eu passava pela porta, mas nunca tive dinheiro para entrar. Ao receber o meu primeiro salário na Voz Agrícola fui comer um filé á parmegiana na Brasserie! Depois fiquei “duro” pelo mês todo! Mas feliz por ter comido o parmegiana na Brasserie. Ai apareceu o Marcio Terra que tinha um programa das 18 ás 19 horas, o Panorama Esportivo, ele me puxou para o esporte, quem escrevia o programa era o Rubens Righetto, alguns meses depois o Righeto saiu da rádio, eu passei a fazer o programa com o Márcio e alguma coisa também no programa Jornada Esportiva. Disse ao Márcio que meu irmão tinha concluído o curso de datilografia, poderia escrever os textos do programa, assim Luiz Carlos Quartarolo passou a ser redator da Voz Agrícola. Ele fez com grande competência, conhece e gosta de futebol. Fiquei um bom tempo na Voz Agrícola, nessa época chegou por lá Tarcísio Chiarinelli, também apareceu um indivíduo com um gravador enorme nas costas, era o Rogério Aquiles. Naquela época estavam lá: Dinival Tibério, Márcio Terra, Osvaldo Onofre. Eu tinha 18 a 19 anos, vi que aquilo não oferecia melhores perspectivas financeiras. Fui trabalhar como gerente de cine, foto e som da recém inaugurada Jumbo Eletroradiobrás. Em seis meses percebi que não era o que eu queria. Fui trabalhar com Silvio Gonçalves Motta que era atacadista da São Paulo Alpargatas, passei a viajar pelo estado todo. Vendi muitas alpargatas, congas, havaianas, calças e camisas USTOP. Casei-me com Maria Nilcéia Spada, em 24 de dezembro de 1976, na Matriz da Catedral. Na época o carro chefe de vendas era o Ki-Chute, um calçado que utilizava derivado de petróleo, com a crise mundial nesse setor a demanda era maior do que a produção, com jeans acontecia a mesma coisa. Tinha que cobrir cotas vendendo havaiana e conga cujo valor agregado era bem menor. Decidi ir á São Paulo em busca de algo melhor, minha esposa permaneceu em Piracicaba. O Carlinhos Libardi era gerente do Messias que tinha comprado um depósito da Skol que havia falido, ficava na Vila Mariana, na Rua Tutóia. O Carlinhos disse-me: “ – Só preciso de você aqui na parte da manhã, você circula a Avenida Paulista e a Rua Brigadeiro Luiz Antonio, tira os pedidos, faz as notas e depois está liberado”. Ele ainda me ofereceu um aposento no próprio depósito, onde coloquei uma cama e passei a dormir no depósito de cerveja. Comecei a visitar todas as rádios de São Paulo. O que me ajudou é que em Piracicaba eu já havia trabalhado na Voz Agrícola, na Rádio Educadora.
Qual foi a primeira rádio em São Paulo em que você começou a trabalhar?
Certo dia fui a Rádio Gazeta, o Roberto Petri estava começando a comandar a equipe, entrou no lugar do Peruzzi que tinha saído. Ele precisava de alguém para ficar no lugar do Rui de Moura, lá encontrei Athayde Teruel que era de Santa Bárbara D`Oeste e já havia trabalhado em Piracicaba, isso deu uma certa empatia, foi ele quem me apresentou ao Roberto Petri. Athayde disse-lhe: “Esse é o cara que você precisa!”. Marcamos um teste para quinta feira. Eram 15 pessoas para uma vaga. Tinha um candidato do Mato Grosso, experiente, com um vozeirão. Outro de Jaú era fantástico. Mas deu certo, acabei sendo contratado. O Petri foi muito decente, disse-me que naquele mês e no mês seguinte ele só dispunha de metade da verba considerada o piso da categoria. Fiquei. No terceiro mês ele me deu mais do que o dobro de aumento. Na Rádio Gazeta fiquei de 1976 até 1982. O Petri saiu e o Flavio Araujo entrou no seu lugar, Darci Reis era o chefe na Rádio Bandeirantes, me chamou oferecendo um excelente salário, a Gazeta cobriu a oferta. O Darci Reis me chamou novamente, dobrando o meu salário. Em 18 de maio de 1983 fui á Bandeirantes onde permaneci até 1998. Quando o Darci Reis faleceu o Fiori Gigliotti assumiu a equipe, foi um grande chefe e amigo. Com o Eder Luis montamos uma equipe esportiva em FM, inicialmente para a Band FM, de lá fomos para a Transamérica, fiquei com o Eder até 2003. Dei uma parada, passei a fazer gravações de audiovisuais, apresentações de festas, comerciais, mestre de cerimônias, cheguei a fazer três formaturas no mesmo dia. Uma das cerimônias que fiz foi muito marcante, me contrataram para apresentar a cerimônia de ordenação de um padre. A duração foi de umas quatro horas, segui um script. João Thomaz, um amigo, é pai de uma menina portadora de Síndrome de Dow, ela sempre se motivou muito ao ouvir musica clássica, colocada em uma escola de ballet, hoje ela é a única portadora de Síndrome de Dow que realiza todos os movimentos de ballet, ela se apresenta no mundo todo. Na sua formatura fui convidado a narrar a sua apresentação.
Quando você retornou ao rádio?
O Deputado Roberto Moraes, em 2008 me convidou para ajudá-lo na apresentação de futebol aos fins de semana na Rádio Onda Livre, onde permaneci até maio deste ano, quando a Rádio Capital me chamou. Atualmente faço um programa diário das 20:00 ás 21:00 horas e faço futebol quarta, quinta, sábado e domingo. Em 1979 eu trabalhava na Gazeta aos finais de semana e a convite de José Roberto Soave vim para trabalhar na Difusora FM, que foi a primeira FM da cidade, eu e Olívio Pizzani já falecido, éramos as vozes oficiais da Difusora FM. Na Difusora AM eu fazia a parte policial. Quem faz futebol consegue improvisar no rádio. Quando um homem de rádio vai a campo, ele irá narrar geralmente mais de 90 minutos, o locutor tem que narrar tudo que está vendo, isso facilita o trabalho em festas, comerciais. Trabalhei em campo com o Faustão, quando ele fazia a Jovem Pan e depois a Globo, sendo que ele também trabalhava no Jornal O Estado de São Paulo. Naquela época não havia os recursos técnicos de hoje, no intervalo quando todo mundo ia comer um lanche ele ia ao orelhão passar matéria para a redação do jornal.
Você só se dedicou á área esportiva dentro do rádio?
A área esportiva me descortinou o Brasil e o mundo. Estive na América do Norte, Europa, Ásia. Em alguns países permaneci por mais de um mês, a trabalho. Consegui com o rádio ajudar alguns amigos: levei meu irmão Luis Carlos Quartarolo, foi trabalhar como plantão da Gazeta, logo depois foi o Roberto de Moraes, que voltou por ter deixado a noiva aqui, levei Tarcísio Chiarinelli, que depois voltou á Piracicaba, levei de Jaú o Luiz Carlos Bonzanini que também está de volta em Piracicaba.



sexta-feira, outubro 07, 2011

Jorge Luis Uzcátegui

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 08 de outubro de 2011
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/

ENTREVISTADO: Jorge Luis Uzcátegui
“É da nossa natureza sentir mais satisfação ao atingir uma meta quando a tarefa é mais difícil. As coisas fáceis trazem um prazer superficial. As músicas mais simples, rapidamente ficam irritantes e deixam de ser estimulantes”, conforme afirma Nicholas Hudson, biólogo. Boa parte das pessoas ouve músicas eruditas com uma freqüência maior do que imagina sem saber, no entanto, que está diante de uma composição clássica. É o caso da famosa “música do gás”: todos a conhecem, mas poucos sabem que se trata de Für Elise de Ludwig van Beethoven. Filmes e novelas há muito tempo, também utilizam a música clássica. Segundo Charles Sanders Peirce: “Quando se atrela a melodia erudita a um produto, várias e várias vezes (pois a publicidade é repetitiva), o público alvo começa a relacioná-los. Primeiro, é apenas som; depois de certo tempo, a música já é automaticamente ligada ao produto. As sensações que ela provoca, dessa maneira, também se ligam àquele objeto que se quer vender”. A música “erudita” ainda gera um bloqueio, por ser considerada um fenômeno inatingível para as pessoas comuns. Musica erudita é uma das únicas formas de composição que continua a vigorar por séculos. As pessoas que gostam de música "padronizada", simplesmente não perceberam a riqueza e beleza da musica erudita, e o fato dela ser acessível. É interessante observar que para alguns jovens a música erudita é estereotipada como "coisa de velho rico", sendo que muitos deles de forma quase clandestina escutam clássicos em seus aparelhos mp3. Jose Antonio Abreu é o carismático fundador de um sistema de orquestras de jovens que já transformou a vida de milhares de crianças na Venezuela. Em 1975 fundou a Orquesta Sinfónica Nacional Juvenil, criou orquestras infantis e juvenis pelo território venezuelano, especialmente nas localidades mais carentes. A organização dessas orquestras serve como um mecanismo de inclusão social, utilizando a música clássica como meio de integração. Essa iniciativa compreende um conjunto de mais de cento e oitenta conservatórios musicais, contando atualmente com 350.000 músicos profissionais. Uma verdadeira revolução cultural, que desmistifica o acesso a cultura vinculado ao poder aquisitivo, ou a castas de pseudo-intelectuais. Piracicaba dá um grande passo nessa direção. Graças a piracicabanos altruístas, e com rara percepção do futuro, o milagre que José Antonio Abreu realiza na Venezuela passa a ser implantado em nossa cidade com a Orquestra Filarmônica Tchaikovsky, tendo a participação entre outros dos maestros Fernando Ortiz de Villate e Jorge Luis Uzcátegui, regente da Orquestra Sinfônica da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (Estados Unidos), nascido em 8 de janeiro de 1983 em Caracas, Venezuela.

Maestro Jorge Luis Uzcátegui quais gêneros de música se praticam na Venezuela?

Temos as músicas típicas como salsa, merengue. Já faz 35 anos que temos uma boa tradição de música erudita. Crianças de qualquer estrato social estão praticando musica erudita.
Quem é o responsável em despertar tanto o interesse pela musica erudita na Venezuela?
O Maestro Jose Antonio Abreu é a pessoa que fundou o Sistema de Orquestras Infantis e Juvenis da Venezuela. Essa missão está encarregada de agrupar todos os jovens em cada localidade, cidade ou povoado da Venezuela para executar música clássica, retirar ou evitar que esses jovens se envolvam com crimes, drogas, através da música de grande nível.
A Venezuela está atualmente em um regime político diferenciado isso influi nessa ação?
O mais interessante disso é que há uns 10 anos quando o Presidente Chaves havia começado o seu mandato era opositor da cultura. Ele achava que a musica clássica não era importante para a sociedade. A partir do momento em que viu a obra do Maestro José Antonio Abreu e o impacto social que pode ter a música erudita ele redobrou o apoio dado em todos os sentidos para a orquestra.
Quantos jovens venezuelanos estão envolvidos com a música clássica?

Hoje perto de 350.000 jovens são músicos, a população do país é cerca de 30 milhões de habitantes, com isso afirmamos que temos o maior número “per capita” de músicos do mundo, mais de um por cento da população pode tocar em uma orquestra profissional em qualquer parte do mundo. Eles começam a estudar ainda bem novos, a partir de 3 a 5 anos, com 12 anos já são jovens formados, que podem executar música de alto nível. O contrabaixista Edicson Ruiz foi convidado para integrar a prestigiosa Orquestra Filarmônica de Berlin aos 16 anos de idade, se não fosse por essa obra ele talvez nunca tivesse a chance de tocar um instrumento musical. Outro exemplo é Gustavo Dudamel que é o Diretor Titular da Orquestra Filarmônica de Los Angeles.

Como surgiu esse trabalho aqui no Brasil?

O maestro peruano Fernando Ortiz de Villate está tratando de realizar uma obra semelhante a que foi feita na Venezuela. Recrutando pessoas de todos os extratos sociais e idades, para integrarem essa ação musical. Hoje estamos iniciando um ensaio com a orquestra e o coral ás três horas da tarde e deve terminar por volta das 10 horas da noite. Notei que em Piracicaba falta apoio por parte de pessoas particulares, de empresários, do estado brasileiro. Falta muito apoio para se formar em Piracicaba um movimento que se espalhe para todo o país e seja motivo de orgulho para o Brasil. Temos que compreender que essa iniciativa pode mudar o mundo.

Qual a faixa etária dos músicos venezuelanos envolvidos nesse sistema?

As orquestras são classificadas por idade dos seus integrantes: maternal, pré–infantil, infantil, juvenil, profissionais. Qualquer integrante de uma orquestra juvenil venezuelana toca em orquestra profissional.

Eles têm alguma outra profissão ou são apenas músicos?

Os menores ainda são estudantes de escolas convencionais. Muitos exercem outras profissões além de serem músicos, e em muitos casos se não fosse pela música não teriam tido a oportunidade de se qualificarem intelectualmente, academicamente, espiritualmente. O acesso ao instrumento musical supriu toda a sua vida: através de uma bolsa de estudo para que estudassem em um colégio, para se alimentarem. A música é a única linguagem que não sofre barreiras, todo mundo pode falar com o coração: sem impor diferenças de religião, cor, econômico, social. Para fazer musica pode ser a pessoa muito rica ou a muito pobre, a finalidade de ambos é a mesma, a qualidade sonora, capaz de cativar o coração do ser humano.
Qual é a semelhança do brasileiro com o venezuelano?

Há muitas semelhanças! O Brasil é um país ideal para iniciar um projeto assim, somos latinos, muito parecidos, temos a mesma cultura, somos pessoas que se doam por completo para conseguirmos nossos objetivos. Temos humildade suficiente para entendermos que temos que melhorarmos a cada dificuldade encontrada. A música é a única forma onde se encontra igualdade social, tão propagada politicamente como socialismo.

O projeto no Brasil está começando em Piracicaba?

No Brasil existem lugares que são inspirados na obra da Venezuela. Na Bahia há um movimento já bem avançado, e está em um estágio avançado por ter recebido apoio do governo, apoio privado e inclusive recebeu apoio da Venezuela. Isso mostra que pode se conseguir resultados. O Maestro Fernando Ortiz está encontrando uma maneira de que músicos de 12 a 70 anos se exercitem aqui. O coral tem uma média de idade mais elevada. Uma pessoa empenhada em participar em um projeto desses envolverá nele sua família, sua vida irá mudar. Ela irá encontrar a magnitude e a força da música.

O sonho do senhor é realizar um evento com música erudita do porte do Rock in Rio?

Absolutamente! Essa é a idéia! Na Europa acontecem eventos onde são executadas musicas clássicas e músicas eruditas com público de 300.000 pessoas, isso ocorre porque essas músicas são as musicas populares dessas nações. Qualquer musico formado em musica erudita tem nível para fazer musica popular, compreende todos os pormenores da musica ele estudou harmonia, solfejo, composição, contraponto. Para ele a música popular pode parecer um pouco simples demais. A música erudita quando se torna um hobby de uma criança, desenvolve 30 por cento do cérebro, que não irá se desenvolver em quem não pratica esse tipo de atividade, intelectualmente ele estará mais bem preparado para atuar em qualquer área.
Como um povo sem tradição em gostar de música erudita pode mudar tanto?

Através de trabalho árduo e muito apoio. Muitas pessoas ao ver as mudanças ocorridas com os participantes desse projeto, ela também quer participar. Todos querem ser mais felizes. Com a música temos resgatado pessoas que vivem em absoluta pobreza e extrema violência, que seriam possíveis criminosos. O que vemos são resultados, rapazes que trocaram os vícios, as ruas, pelos instrumentos. Temos até uma orquestra dentro de um presídio, estamos ensinando musica clássica aos presos, para acalmar um pouco a violência.

Na década de 60 em diversos países surgiram movimentos jovens de contestação, a era hippie e a contracultura. Estamos vivenciando uma versão repaginada?
Me considero uma pessoa altamente entusiasta e ao mesmo tempo objetivo. Se eu achasse que tudo que estamos falando agora, não vou conseguir, não estariamos perdendo tempo. As pessoas daquela época queriam mudanças, mas não tinham claramente como mudar, queriam a paz e o amor. Só que não sabiam como conseguir isso. No processo que estamos realizando as pessoas estão desenvolvendo sua mente, sua disciplina, na Venezuele é um fato, é algo concreto. Deixou de ser um sonho, hoje é realidade.

O senhor mora em que país?

Moro nos Estados Unidos, em Los Angeles, dirijo a Orquestra da Universidade da Califórnia.

Nos Estados Unidos o senhor está desenvolvendo projeto semelhante?

Sim, atualmente estou elaborando um projeto com o Maestro Fernando, em Los Angeles, formando orquestra com crianças, para resgatá-los, e unificar as culturas, Los Angeles é uma cidade com população composta por pessoas vindas de todas as partes do mundo, muitos extratos sociais distintos. A idéia é criar união entre tantas diferenças, através da musica.

O senhor acredita que no Brasil o sistema deve repetir o sucesso realizado na Venezuela?
Existe todo o potencial para que isto aconteça. Assim como foi na Venezuela irá exigir muito esforço, foram 35 anos de trabalhos.
Porque Piracicaba foi escolhida para a implantação do projeto?

Piracicaba tem uma grande virtude, além de ser uma cidade acessível, pesquisamos qual o local ideal para se prestar a implantar esse projeto, além dos recursos naturais da cidade, o povo aqui parece ser especial, isso é muito importante, a população deve sentir orgulho de que aqui se originou algo muito grande. Há empresas e pessoas importantes que podem colaborar muito, com poder aquisitivo, que contribuam com a sociedade. Hoje em Piracicaba temos o coro, o balé e a Orquestra Filarmônica Tchaikovsky, envolvendo 100 artistas é um grupo que se originou em pouco tempo. Deve seguir crescendo, necessita e requer urgentemente o apoio do povo de Piracicaba.

Como é a relação da Orquestra Filarmônica Tchaikovsky com outras orquestras de Piracicaba?

Existe uma espécie de resistência, por algo novo, que surgiu há pouco mais de um ano, como pessoa eu penso que se me oferecem algo, com muita boa vontade, no mínimo devo provar. Se não der certo abandono. É preciso que apóiem, aprendam, contribuam, escutem. Algum dia as coisas serão movidas por si mesmas, é melhor unir-se, poderá ter o orgulho de ter participado do sistema desde o seu início.

Há algum pré-requisito para entrar para a Orquestra, coro ou balé?

Há! Muita vontade de trabalhar e muito otimismo. Não existem aqui os recursos que temos na Venezuela, mas buscamos conforme a necessidade.

Quanto é cobrado do aluno?

È absolutamente gratuito! Com o devido apoio há a intenção de remunerar o estudante, como fazemos na Venezuela. Há a concessão de bolsas de estudos. O único requisito é que tem que estudar e participar dos ensaios diariamente. Todos os dias de segunda a sexta depois do colégio tem três horas de ensaio.

O senhor está fazendo uma verdadeira revolução!

Estou de acordo! Totalmente! Tudo que fazemos é documentado, para aperfeiçoarmos cada dia mais. Minha tese de doutorado em Los Angeles é sobre nosso projeto. A música é a manifestação artística mais poderosa que existe. Mesmo antes do ser humano aprender a falar havia música, havia ritmos. Quando trabalho com o coral, quero ter a certeza de que eles cantando em qualquer idioma saibam o significado de cada letra, de cada palavra e a sua pronuncia correta. Como cantar se não sabem o que estão dizendo?

Falta divulgação do trabalho feito em Piracicaba?

Falta apoio, divulgação, pessoas que se juntem a nós com o mesmo entusiasmo que temos pela música, há aqueles que têm tempo disponível, outros que possuem recursos financeiros, outros podem ter um instrumento disponível, sem uso. As pessoas têm que se contagiarem acreditando que podem realizar muito através da musica.

Esse trabalho com a música pode ser uma alternativa a dependência química?

Claro que isso pode ser feito! Um rapaz que pode tocar Mozart ou Beethoven e que entende o significado dessa música, e como funciona o comportamento de comunidade de uma orquestra, interdependente, ele também irá compreender como a sociedade vive em harmonia. A droga se converte na música e a música se converte na nossa droga, na nossa paixão, queremos fazer musica o tempo todo, a diferença é que a droga nos mata e a musica nos dá mais vida, mais força.






domingo, outubro 02, 2011

Dr. Lister André Barrichello Tosello Presidente do Conselho Municipal de Saúde do Município de Rio das Pedras

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/

ENTREVISTADO: Dr. Lister André Barrichello Tosello Presidente do Conselho Municipal de Saúde do Município de Rio das Pedras
Dr. Lister existe um canal democrático e legal para a população manifestar suas satisfações ou insatisfações com relação á saúde no Município de Rio das Pedras?
Perfeitamente, esse canal é o Conselho Municipal de Saúde de Rio das Pedras.
Essa via de comunicação é divulgada junto as camadas mais carentes ou até mesmo ao munícipe que é usuário do Sistema Municipal de Saúde?
A grande maioria desconhece as vias legais e democráticas existentes para encaminhar suas reivindicações básicas, aquilo que lhes cabe por direito constitucional. O Conselho atual está empenhado em fazer essa divulgação, conscientizando os usuários, foi criada uma sala específica para atender aqueles que necessitam de informações, essa sala situa-se onde foi a antiga DG Import, lá há uma secretária atendente para receber reivindicações e reclamações. Ela irá protocolar essa ocorrência e encaminhar á Presidência do Conselho, o assunto será então levado ás reuniões plenárias. Nossa intenção é manter um canal de acesso junto às autoridades para que cheguem até elas as insatisfações dos usuários do sistema.
Por exemplo, um atendimento na área de saúde, que não satisfaça as expectativas do paciente qual é o procedimento correto?
Ele dirige-se até esta sala e protocola sua reclamação.
Qual é o tempo de resposta previsto?
Nossas reuniões são mensais. Toda reivindicação protocolada por esta nossa auxiliar será levada na próxima reunião do Conselho.
Quando foi criado o Conselho Municipal de Saúde de Rio das Pedras?
Foi criado conforme a Lei Municipal 004/2005 de 28/04/2005 e resolução 333 de 04/11/2006 do Conselho Nacional de Saúde e Ministério da Saúde.O Conselho Municipal de Saúde terá composição paritária com representação de usuários (Setores da Sociedade Civil Organizada) e Prestadores de Serviços (Público, Governamental, Privado, Filantrópico, Conveniado ou Não Lucrativo, bem como Trabalhadores da Área da Saúde).
Qual é a Composição do Conselho Municipal de Saúde de Rio das Pedras?
A composição paritária corresponde a:
50% de Usuarios da Saúde
25% de Profissionais da Saúde
25% de Prestadores de Serviços ao SUS e Gestores
As entidades componentes do Conselho são escolhidas ao acaso? As pessoas que participam são voluntárias?
As entidades representam segmentos da sociedade. Participam a Maçonaria, Igrejas Evangélicas e Católica, Clubes de Serviços e instituições filantrópicas. As pessoas representantes são designadas por estas entidades. São cidadãos participantes sem remuneração alguma.
Como o senhor vê a saúde em Rio das Pedras?
Ela vem melhorando, está sendo investido além do valor determinado pela lei, de 15% (quinze por cento), neste último mês foi aplicado 22% (vinte e dois por cento) da receita.
Rio das Pedras está crescendo bastante, a saúde tem como acompanhar esse crescimento?
Não tem, embora esteja sendo feito o possível para melhorar, a saúde é uma área que requer muitos recursos, não só técnicos como também financeiro.
Algumas cidades de pequeno porte investem no transporte para que seus pacientes sejam conduzidos á centros com maiores recursos. É uma medida correta?
O ideal era que cada cidade tivesse o seu atendimento pleno, um hospital com UTI, para dar todo acolhimento ao usuário paciente. É o nosso caso aqui. Nós não temos UTI, os casos que necessitam o uso de UTI são encaminhados para Piracicaba.
Os atendimentos de alta complexidade são feitos em um centro com infra-estrutura apropriada?
No nosso caso recorremos aos recursos disponíveis em Piracicaba.
Qual é a entidade assistencial com maior atuação em Rio das Pedras?
É o SUS – Sistema Único de Saúde, que é prestado pela Prefeitura, sendo o Hospital o prestador de serviço. Ele tem o Pronto Socorro que dá plantão 24 horas. Por ser a única porta que está aberta 24 horas é onde existe a maior concentração e o fluxo de atendimentos. No mês de agosto foram realizados 5.367 atendimentos no Pronto Socorro e 1.467 atendimentos em Sistema Ambulatorial nas especialidades oferecidas, totalizando 6834 atendimentos no período.
Como o SUS – Sistema único de Saúde participa?
É o sistema que coordena as Ações voltadas para o cuidado com a saúde da população Brasileira. A função do SUS é garantir acesso Integral, Universal e Igualitário à população Brasileira do simples atendimento ambulatorial ao transplante de órgãos.
Qual é a importância do Conselho para o município?
É muito importante. Os conselhos foram criados em três níveis: Federal, Estadual e Municipal.
A função do Conselho não é executiva?
O Conselho faz um acompanhamento é um elo entre os poderes gestores: Prefeitura com o Secretário de Saúde, O Centro Médico, o Centro Odontológico, os ambulatórios de especialidades e o poder gestor do hospital, que é o complexo do hospital e pronto socorro. Temos o elo com o Departamento Regional de Saúde- DRS, tudo isso é ligado ao SUS. A finalidade do Conselho é acompanhar os problemas de saúde da cidade. Ao detectar um problema o Conselho tem a obrigação de levar ao conhecimento dos gestores, do departamento de saúde, e ao SUS, para que seja solucionado e resolvido.
O Conselho de Saúde tem uma força muito grande?
Sem dúvida. Ele pode interferir em situações desde que sejam respeitados os aspectos legais. O Conselheiro não pode diante de uma reclamação, em uma atitude individualista, tentar resolver algum tipo de situação. Ele deve levar ao conhecimento do Conselho para que em uma sessão plenária seja apreciada a questão. A prestação de contas por parte dos gestores são mensalmente analisadas por uma comissão formada por quatro conselheiros e depois são levadas ao conhecimento de todos os Conselheiros em Reunião Plenária para aprovação. Os Conselhos representam a oportunidade que a sociedade possui de participar das políticas de saúde e controlar a execução dessas políticas, inclusive em relação a aplicação dos recursos públicos na saude, tanto na etapa do planejamento e no final do processo com a fiscalização de como estes recusrsos foram aplicados.
A força do Conselho está na participação da população?
Tem que existir a participação de todos os segmentos da sociedade dentro da representatividade. O usuário deverá buscar esse local já determinado aonde irá levar sua reivindicação. Essas reclamações podem ser atraso no atendimento, atraso do profissional, a falta de determinados medicamentos que são adquiridos através de pregões.
O senhor participa desse Conselho há quanto tempo?
Sou membro do Conselho desde 2005, quando o atual Prefeito Marcos Buzzeto assumiu o primeiro mandato, assim que foi instituído o Conselho comecei a participar.
Em que data o Senhor foi eleito Presidente do Conselho Municipal de Saúde de Rio das Pedras?
Fui eleito Presidente do Conselho no dia 28 de junho de 2011, para um mandato de dois anos, estou sendo o terceiro Presidente Conselheiro, os anteriores foram Osmair Manesco e Dr. Marcílio Coelho
Qual motivo o levou a participar do Conselho?
É uma forma de estar acompanhando a saúde da cidade. Como sou Cirurgião Dentista, atuo na cidade e tenho vivenciado os problemas, achei que era interessante também participar do Conselho. Embora eu tenha nascido em São Paulo, onde residi até 1969, a partir dessa época passei a morar em Rio das Pedras, onde os meus avôs e meus pais residiram. Entrei na Faculdade de Odontologia de Piracicaba (UNICAMP) e me graduei em 1972.
O cuidado na condução do Conselho de Saúde é muito importante para a própria administração do Município?
Sem duvida. É necessária a colaboração de todos os membros do conselho, a iniciar pela presença em todas as reuniões. A ausência do conselheiro á reuniões pode acarretar em sua exclusão do mesmo, conforme dita o regimento.
Quais algumas das metas que o Conselho busca atualmente?
Aprimorar o atendimento, aumentar o número de especialidades, proporcionar á população um atendimento mais amplo com uma cobertura maior.
O senhor pode citar alguns dos projetos e programas da esfera federal que contemplam o Município de Rio das Pedras?
Em Reunião Plenária Extraordinária realizada no dia 14 de setembro de 2011, foi aprovado pelo Conselho Municipal de Saúde de Rio das Pedras as Cartas Consultas protocoladas na FUNASA (Fundação Nacional de Saúde) sobre os recursos provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento PAC 2 num total de 9.000.000,00 (Nove milhões de reais) para serem investidos no sistema de Abastecimento de Água de Rio das Pedras. Este projeto refere-se ao Sistema Armazenagem de água tratada no município e no Sistema de Esgotamento Sanitário.
Estes recursos sem a aprovação unânime do Conselho Municipal de Saúde não são liberados, prejudicando o Município.

Arquivo do blog