Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

quinta-feira, março 31, 2011

Faleceu o professor Guido Ranzani



HOMENAGEM AO CATEDRÁTICO GUIDO RANZANI (1915-2011)
Faleceu ontem, 29 de março, no final da tarde, o professor Guido Ranzani, de 96 anos, formado pela ESALQ, em 1941. Seu corpo está sendo velado no Salão Nobre Professor Helly de Campos Melges, da Câmara de Vereadores de Piracicaba, e será sepultado neste 30 de março, às 16h00, no Cemitério da Saudade.
Em dezembro de 2006, em entrevista ao ESALQ notícias, informativo trimestral elaborado pela Assessoria de Comunicação (ACOM), Guido Ranzani relembrava seus áureos tempos de estudante, depois de docente da Escola e do seu envolvimento com a prática esportiva.
A entrevista na íntegra
“O agrônomo empobrece sorrindo...
...porque é uma profissão dura, mas ela reserva oportunidades que eu não vejo em outras áreas profissionais”. Dessa forma é que o catedrático da ESALQ, Guido Ranzani, faz um balanço de seus muitos anos de trabalho. Ele acredita que todos os profissionais devem, pelo menos uma vez, visitar um outro país para ter um termo de comparação. “Eu fiz isso na minha vida e os meus colegas costumam dizer que eu conheço o Brasil andando”.
Nascido em 1915, Ranzani é natural de Serra Azul (SP), mas foi criado em Santa Rosa do Viterbo (SP), de onde saiu para tentar uma vaga na Politécnica (USP). Não conseguindo, voltou à sua terra, trabalhou na serraria do pai até que um parente sugerisse que ele fizesse o curso de Engenharia Agronômica em Piracicaba. “Eu vim e quem me recebeu foi o professor José de Mello Moraes, diretor da instituição na época. Fiz o coleginho em dois anos e entrei na Agronomia, em 1938”.
Formado em 1941, recorda-se com entusiasmo da época de faculdade. “Minha turma tinha verdadeira adoração pela Escola. Havia realmente motivo para ter muito orgulho, não apenas pela qualidade de professores que nós tínhamos, mas porque possuíamos os melhores atletas disputando campeonatos de vôlei, futebol, remo e outros. Ganhamos uma partida de futebol do XV de Novembro de Piracicaba e fomos carregados até a Praça José Bonifácio”.
Walter Radamés Accorsi, Nicolau Athanassof, Toledo Pizza, Friedrich Gustav Brieger, Mello Moraes foram alguns dos professores de sua turma. Foi a época em que se iniciaram os estudos sobre Genética. “O professor Toledo Pizza dava a entender que o gen não existia, ao passo que Brieger confirmava sua existência e nós, estudantes, colocávamos um contra o outro, mas eles nunca entraram na briga”, relembra o professor.
Santa Rosa, como era seu apelido, iniciou suas atividades profissionais na ESALQ como segundo assistente da Cadeira de Química Agrícola, em 1944. Dois meses depois já era o primeiro assistente da mesma cadeira. Foi substituto do professor Tufi Coury, como assistente de Química Agrícola, em 1956 e, no mesmo ano obteve o título de livre docência em Agricultura Geral. No ano seguinte, tornou-se professor catedrático da 13ª Cadeira de Agricultura Geral.
Ainda na Escola, foi responsável pela criação e direção do Centro de Estudos de Solos da ESALQ (1965 a 1973). Os modelos para análise dos solos foram trazidos por ele, dos E.U.A. . Esse centro tornou-se, então, sede do projeto para caracterização dos solos dos países sul-americanos. Colômbia, Equador, Peru, Chile, Bolívia e Paraguai foram percorridos por uma equipe de pesquisadores para que os estudos pudessem ser desenvolvidos.
Aposentou-se em 1977, mas não parou por aí. No período de 1981 a 2002, foi chefe do departamento de Ciências Agronômicas do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA). Foi assessor do Instituto Interamericano de Ciências Agrárias (IICA). Na Embrapa foi consultor, além de chefe do Centro de Pesquisa Agropecuária dos Cerrados. Na Universidade do Tocantins foi professor visitante e consultor da Fundação daquela universidade.
Aos 91 anos, o professor que já viajou por este mundão afora participando de congressos, seminários, cursos e realizando pesquisas, continua sorrindo com a profissão. Ele está elaborando um projeto, juntamente com outros três profissionais, para acabar com a devastação da Floresta Amazônica. O projeto gira em torno da criação de núcleos produtivos, os quais extrairão de terras férteis mudas destinadas a cosméticos ou fármacos para serem replantadas em áreas devastadas.
O incansável Guido nos deixa uma lição: quem souber classificar um solo, saberá conservá-lo. É preciso conhecer a história, saber qual a rocha que deu origem a este solo e que tipos de transformações foram observadas nessa passagem. “Quando iniciei minha carreira, a análise era feita‘de ouvido’ ”, finaliza risonho... (Alicia Nascimento Aguiar / MTb 32531 / 06.12.06)



Arquivo do blog