Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

sábado, agosto 04, 2012

CELSO DONIZETI MELOTTO

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
Sábado 4 de agosto de 2012
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
ENTREVISTADO: : CELSO DONIZETI MELOTTO
São inúmeros os casos veiculados pela mídia sobre atletas, artistas, políticos, pessoas públicas que deixamos de nominá-los para poupá-los, bem como a seus admiradores, de algum constrangimento ou decepção. Pessoas com alto prestígio, mas que entorpecidos pelo sucesso deixaram-se levar ao sabor dos ventos efêmeros da fama Manter o equilíbrio diante de situações adversas exige elevado grau de maturidade pessoal e profissional, o mesmo acontece quando o indivíduo alcança a fama e o sucesso Celso Melotto é radialista de sucesso, tanto pela qualidade da sua voz como pela simpatia natural que desperta onde passa e pela sua sensatez. Avesso a estrelismo e badalação, encontra no anonimato a paz de espírito que julga ideal. Celso Donizeti Melotto é nascido a 15 de janeiro de 1957 em Piracicaba, na Avenida Barão de Serra Negra, 202 a uma quadra da Praça Imaculada Conceição, a casa existe até hoje. É filho de Oriente Melotto e Guiomar (Zita) Piselli Meloto.
                                    


Qual era a atividade profissional do seu pai?


O meu pai era o que se denominava naquela época de Guarda-Livros, hoje seria chamado de contador. Ele trabalhou na Usina Costa Pinto, na Tatuzinho, quando era ali na Avenida Rui Barbosa, também trabalhei na Tatuzinho como office-boy, quando eu tinha 13 anos meu pai já me levou para trabalhar lá, em vez de ficar sem fazer nada na rua ia fazer alguma coisa de útil. Permaneci por quase sete anos na Tatuzinho.


Você tem irmãos?


Tenho, sou o caçula, acima de mim tem o Dirlei e a Regina. O meu irmão agora que se aposentou tem ajudado junto com o Juliano na parte técnica o Mário Luiz e sua equipe esportiva da Rádio Educadora de Piracicaba.


Você começou seus estudos em que escola?


Foi no Grupo Escolar José Romão. Minha primeira professora foi a Dona Mercedes. Teve também o Seu Regitano, que tinha uma lambreta. Em seguida fui estudar no Colegio Estadual e Escola Normal Monsenhor Jeronimo Gallo, embora o meu avô tenha sido o famoso sanfoneiro Nicola Piseli eu não fiz parte da fanfarra do Gallo. Nicola Piseli gravou vários discos, ele fez homenagem ao Comendador Luciano Guidotti, fez uma valsa chamada Lúcia Cristina. Acredito que trabalho em rádio e gosto dissso por que ele comprou um pequeno gravador e fazia com que eu operasse o gravador. Ele tocava a música, ouvia, procurava aperfeiçoar-se. Sua atividade era entregar bebidas com carrinho de tração animal, isso no tempo em que a Tatuzinho fabricava também refrigerantes.


Após o colégio qual outro curso você fez?


Estudei contabilidade no Colégio Imaculada Conceição, o famoso curso do “Carequinha” na Via Rezende.


Por quê era chamado de “Escola do Carequinha”?


O diretor daquela escola era o Guerino Trevisan, um homem importante na Vila Rezende, teve participação política, ele era bem calvo. Depois ele saiu da escola Dona Angelina assumiu.


Você conheceu o túnel existente sob a Avenida Rui Barbosa que unia os dois prédios da Tatuzinho?


Conheci, o objetivo desse túnel era através de diversos dutos transportar aguardente. Suas dimensões permitiam o acesso as pessoas que davam manutenção. Andei por esse túnel, o cheiro de pinga era muito forte. Na Tatuzinho trabalhei por uns sete anos. Uma curiosidade, na Tatuzinho como a quantidade de motoristas para carregar, pegar a nota fiscal, era muito grande foi instalado um seriço de alto falantes. Eles ficavam na Rui Barbosa, até o Jardim da Vila Resende, com seus caminhões estacionados. Quando ficava pronta a nota fiscal eu anunciava ao microfone: “Atenção senhor fulano de tal, favor retirar a nota fiscal.“ Eu tinha uns 13 anos, usava cabelo comprido, era a moda da época. Lá eu não tinha nenhum recio em falar ao microfone. No rádio era diferente.



Qual foi seu próximo emprego?


Por mais uns sete anos trabalhei na Siderurgica Dedini, na fundição mecanizada, eram peças mais leves, comecei trabalhando no contrôle de qualidade, fazendo anotações, depois passei como encarregado na moldação de peças, que era feito na areia, as peças eram moldadads depois passava para outro setor que fundia as peças. Era um ambiente hostil, com poeira fumaça. Havia uma mistura de areia, argila, betonita. No meu tempo os diretores eram Cinemar Cervellini, Ibrahim Chaim.


Da Dedini você foi trabalhar em rádio?


Sempre gostei de rádio. Ainda trabalhando na Tatuzinho, quando tinha um tempinho saia correndo, conhecia o pessoal da Rádio A Voz Agrícola do Brasil, situada na Rua Moraes Barros, pouco abaixo do Largo Santa Cruz, no tempo do Francisco da Silva Caldeira. Fazia um biquinho de áudio.


Você opera também?


Fiz um tempão a parte técnica, quabrando o galho a noite, fim de semana, sem ganhar nenhuma remuneração.


Rádio é cachaça?


Hoje não é tanto, mas era. Antigamente a pessoa tinha a fissura de trabalhar em rádio porque o radialista era uma pessoa famosa, tinha acesso livre aos artistas.


Você acha que a profissão perdeu muito do seu glamour?


O próprio radialista fez com que essa imagem fosse deteriorada. No meu ponto de vista muita gente deteriorou a imagem do radialista.


Suas incursões na Rádio A Voz Agricola do Brasil foi por volta de que ano?


Isso foi por volta de 1972.


Quando foi a primeira vez em que você falou ao microfone?


O Luiz Carlos Correia estava apresentando um jornal, eu trabalhava como operador, estava sentado ao seu lado, ele pegou uma lauda, me passou e disse-me: “-Vai!”. Eu não consegui falar.Tremi muito e não saia nada. Só que me empolguei, aos poucos fui perdendo o medo, com o tempo fazia uma gravaçãozinha, falava uma outra coisa.


Efetivamente quando você passou a falar ao microfone?


Oficialmente foi na Rádio Difusora de Piracicaba, em 1984, com o programa “Um Toque de Saudade”era apresentado no fim da tarde e início da noite. O programa era gravado na minha casa onde eu tinha equipamento, o Marcos Turola passava pegar o programa pela manhã e reproduzia a tarde. O programa ia pronto, com as músicas, locução, eu cuidava da programação. Basicamente era um programa de Flash Back, saudades.


Estamos falando de fatos ocorridos há mais de 30 anos, Flash Back já fazia sucesso naquela época?


Tanto que apresentei esse programa bastante tempo na Difusora, vim para a Educadora FM 103,1 , atual Jovem Pan, apresentando esse programa também. O Cunha Neto tinha um programana na Difusora, ele saiu eu passei a apresentar ao vivo. Era um programa de variedades, sucessos, atendia ao ouvinte. Era uma rotina gostosa, eu adorova radio, gosto até hoje, não saberia fazer outra coisa. Gosto da parte técnica, da locução, da produção. Não me contento só com a locução. A área de produção de comerciais hoje é toda feita pelo computador, já ensinei muita gente, aprendi sozinho a montar, editar. Acompanhei o desenvolvimento das tecnologias, comecei quando era acetato ainda o comercial, Dante e Américo Martani gravavam no estudio deles. Se mostrar para o pessoal de hoje não irão acreditar.


Hoje você trabalha com tecnologia de ponta?


Temos excelentes softwares, o resultado é surprendentemente superior.


Qual é o melhor software para um amador trabalhar?


O Sound Forge da Sony é um software bem completo, para vídeo uso o Vegas. Há duas décadas nem se pensava nisso, tenho até hoje o meu Akai, guardo com carinho.


Você chegou a pegar o tempo do rádio a válvulas?


Sim. Inclusive mesa de som com válvulas. Lembro-me de uma situação peculiar, na Rádio Avorada, a mesa de som parou de funcionar, o técnico veio para substituir a válvula, elas aquecem muito, ele foi até o banheiro, pegou o rolo de papel higiênico, o centro dele cabia certinho na válvula, ele pegava com o papel higiênico retirava a válvula defeituosa e substituia por outra e a mesa voltava a funcionar. Ele sabia quais eram as válvulas que davam mais problemas e deixava um estoque delas. Eu tive um amplificador a válvulas, até hoje eles são mais eficientes.As respostas tanto no grave como no agudo quem tem um equipamento valvulado valoriza muito. Tem certas frequências que o som digital esconde. Talvez o ouvido humano não perceba. Entre um gravador de rolo (fita) e um digital, no primeiro observa-se mais detalhes. Só que a prticidade do digital não se compara.


Você tem uma discoteca respeitável?


Hoje não tenho mais. Por falta de espaço me desfiz. Em um HD de 1 terabyte você guarda tudo. Até em carro usa-se pen drive, cartão de memória.


Qual sua opinião sobre o pessoal que está cultuando o vinil?


O vinil é a única forma de não ocorrer a pirataria. Depois que apareceu o CD acabou a graça do cantor que vendia o LP. Hoje fazem o show e já dão o CD, torneou-se um brinde, um material promocional do show, da música dele.


O seu nome é muito respeitado na cidade com relação ao trabalho com som, há uma pocura por parte de pessoas que desejam reproduzir algum material de família, obras mais antigas.


Desde quando apareceu o computador, que possibilitou trabalhar o audio, sempe procurei me apefeiçoar, saber das novidades, tecnologias, hoje é possível restaurar tanto audio como vídeo.


No caso de ter um CD riscado é possível recuperar?


No caso do CD depende da profundidade do risco, há um equipamento que é colocado em uma base, faz esse CD ser polido como se fosse uma cera de polir carro, irá eliminar o risco e o CD voltará a produzir normalmente. O reflexo de laser é que faz com que o decodificador interprete como música. Se ele atinge um risco o raio do laser não volta para o lugar certo.


Aualmente você apresenta programa em quais rádios?


Na rádio 92 FM, antiga FM Estância, das 8 horas as 11 horas da manhã apresento sertanejo universitário, e na Rádio Educadora apresento um programa de variedades. O perfil da rádio AM é um público mais adulto.


Você lê uma parábola todo dia?


Leio, começou com mensagens em papel, depois com a internet facilitou muito, e hoje tenho um grande arquivo de parábolas. Me envolvo muito com a mensagem delas. Choro as vezes no final. De tanto que me envolvo esqueço que estou passando a mensagem para o ouvinte.


Os ouvintes comentam a respeito?


Muitos agradecem, há pessoas que dizem que a sua vida mudou. Transformou o modo de pensar, de tratar, de conviver.


Você lançou algum CD dessas parábolas?


São 11 volumes, comercializados pela Lazer Express e A Músical XV. Eu divulgo pouco, mesmo assim teve uma época em que era o CD mais vendido na Laser Express. O primeiro CD gravei em 2001, faço um CD por ano apenas. (ALGUMAS DAS PARÁBOLAS NARRADAS POR CELSO MELOTTO ESTÃO NO: Celso Melotto - Mensagens e Parábolas.wmv You Tube) 



Você é casado?


Sou, com Rosangela Aparecida Martini Melotto. Temos três filhas: Laura, Olívia e Glória.


Existe voz padrão para rádio?


Não. Tem voz para cada estilo de programa. Não é só a voz que importa, mas a forma como é expressa. Não basta ter uma voz bonita, tem que saber usá-la.


O rádio faz com que o ouvinte trabalhe a imaginação?


O mais lindo do rádio é isso, é a magia do rádio. O fato da pessoa poder fechar o olho e imaginar quem está falando. Não acho interessante o ouvinte conhecer quem está falando, isso não é bom para nenhum dos dois. É bom o lucutor estar no estúdio e o ouvinte na casa dele.


O Zé Bettio não se deixava nem fotografar.


Isso é muito importante, para não estragar a magia.


Você tem facilidade de falar em público?


Não muito. Não gosto. Já fiz alguns eventos, mas não gostei da experiência. O Lombardi teria sido tão famoso se aparecesse todo dia na TV?


Você é tímido?


Tímido, tímido! Quando saio da radio torno-me um anônimo. Outra coisa que sempre busquei foi desatrelar a imagem do locutor com a imagem do vendedor de propaganda radiofônica.


Você transmitiu jogos de futebol?


É uma coisa que eu gostaria de ter feito mas nunca fiz. Não fiz reportagem de campo e nem fiz plantão esportivo.


Como você conheceu a sua esposa?


Foi quando entrei na Dedini, ela trabalhava lá também.


Qual seu hobby ?


Música! Gosto de sentar na barranca do rio, sentar e ficar olhando. Não de pescar. Na minha infância inteira pesquei, morava na Brão de Serra Negra, praticamente toda tarde descia no Mirante. Cheguei a andar de bonde. Na esquina da Barão de Serra Negra com a Avenida Rui Barbosa havia o Bar do Botuca, o sobrenome era Rosalem. A minha casa ficava a uns 15 metros da Praça Imaculada Conceição, eu andava descalço, o dia todo na praça. O Padre Luiz Juliani foi padre por um tempo lá. Lembro-me da igreja velha onde fiz minha primeira comunhão. Sábado a noite a praça ficava cheia. Onde é o Hospital dos Plantadores de Cana havia o campo do Central. Logo adiante era um brejo, quando foram construidas aquelas casas próximas onde é o Hospital da Cana o pessoal chamava de Sapolândia. Na Manoel Conceição havia o açougue do Corrente. Como a rua de casa era uma descida íngrime, com cabo de vassoura juntavamos na medida certa do piso feito antigamente, pegava sebo no açougue, pasava no trilho da calçada, o carrinho com cabo de vassoura, se soltava de cima da Barão de Serra Negra e ia até lá embaixo. Pregávamos certinho no vao entre um tipo de ladrilho um cabo de vassoura de cada lado e desciamos. Cheguei a nadar no Rio Piracicba. Pesquei no Rio Piracicaba quando criança, pegava lambari, piava, mandi, era pescador de barranco, não entrava no meio das águas do rio.


O seu programa conserva um alto astral, isso é fruto de alguma reflexão?


É automático! Eu sou de não carregar problemas. Todo mundo tem os seus problemas e por saber disso não vou ser uma pessoa diferente. Dá para conciliar com as horas que pemaneço nas rádios. Posso me isolar dos meus problemas.


Você é religioso?


Sou! Converso com Deus todos os dias. Todos os dias que venho para a rádio passo ao lado da catedral conversando com Deus. Falo com os meus pais que já não estão mais neste plano. Peço proteção. Sempre com o pensamento positivo, não se consegue prosperar na vida pensando negativamente. Pensando e pedindo coisas boas elas vem. Foi pensando assim que estou no lugar em que queria estar. Exatamente o que eu queria para a minha vida é o que tenho hoje.


Dia 1 de agosto é aniversário da Rádio Educadora, voce está aqui a quase 30 anos. Como é trabalhar na Rádio Educadora?


Aqui é a minha casa, conquistei e fui conquistado pela emissora. É dificil viver sem a Educadora hoje, é um lugar que a gente vem com prazer.


Você gravou comerciais veiculados no exterior?


Gravei o “off” de comerciais para a Globo Internacional. São comercias para brasileiros que estão no exterior verem.








Postar um comentário