Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, fevereiro 24, 2013

MARIA RUTH BELLANGA DE OLIVEIRA

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 23 de fevereiro de 2012
Entrevista: Publicada aos sábados na Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/

ENTREVISTADA: MARIA RUTH BELLANGA DE OLIVEIRA
Mombuca limita-se com os municípios de Rafard, Capivari, Rio das Pedras e Tietê, uma localização estratégica com relação a vias de acesso. Para administrar a cidade foi eleita a prefeita Maria Ruth Bellanga de Oliveira. Muito popular a prefeita Ruth como é conhecida no município, terá quatro anos de desafios pela frente. Seja uma metrópole ou uma cidade de pequeno porte os problemas existem em qualquer localidade. Mombuca tem aspectos históricos interessantes, pontos turísticos a serem explorados. Crescer com qualidade de vida para seus habitantes ou trazer para o município empresas que possam gerar renda e também muitos problemas, são decisões que determinam o futuro de uma cidade. Cidades menores têm procurado atrair indústrias consideradas “limpas”, geralmente desenvolvendo tecnologia de ponta, no setor de informática, eletrônica. Para isso criam escolas, formam mão de obra qualificada, “importam” profissionais de alto nível. A placidez da cidade é favorável a esse tipo de iniciativa.
Prefeita Maria Ruth em que cidade a senhora nasceu?
Sou mombucana, nasci a 22 de agosto de 1958, filha do lavrador Rubens Bellanga e da dona de casa Iracema Doriguello Bellanga, que sempre ajudei meu pai na lavoura. Somos cinco filhos: Claudio, Solange, Ruth, Clarice e Rubens. Meus pais eram “meieiros” plantavam em terras de terceiros, mais tarde adquiriram um terreninho onde moram até hoje, na casinha construída por eles. Estudei o primário no Grupo Escolar Bispo Dom Mateus em Mombuca, até a oitava série estudei em Rio das Pedras no ginásio Barão de Serra Negra. Ia para lá de ônibus, perua, a condução que estivesse a disposição.
Com que idade a senhora começou a trabalhar?
Aos 11 anos comecei a trabalhar como empregada doméstica, foi um serviço onde aprendi muito, valeu a pena. Aos 15 anos fui trabalhar na lavoura ajudando o meu pai, plantava pimentão, feijão. Trabalhamos muito com pimentão na época. Era um trabalho difícil. Consegui um serviço em uma fábrica de costura, confecção de jeans, na cidade de Capivari onde permaneci por cinco anos, levantava às cinco horas da manhã, levava cerca de 20 minutos até chegar a Capivari. Entrei sem conhecer nada, quando saí trabalhava em qualquer uma das máquinas: reta, overloque, fechadeira, travete. Gosto muito de trabalhar, a vida tem mais sentido quando a pessoa trabalha. Prestei um concurso em Piracicaba, no Grupo Escolar Dr. Prudente de Moraes, entrei como faxineira. Houve a falta de inspetor de alunos, passei a exercer essa função. Permaneci por um ano, quando me casei.
Hoje a senhora é a prefeita de Mombuca, o fato de vir de origem humilde é motivo de satisfação?
Com absoluta certeza, embora nunca tenha esquecido minhas raízes. Mantenho amizade com todas as pessoas que conheço. Faço questão de receber a todos em minha casa.
Quando a senhora era jovem quais eram as formas de lazer em Mombuca?
Havia poucas opções. O meu pai sempre foi muito rígido em nossa educação, freqüentávamos festas religiosas como de São Pedro, Santo Antônio. Baile praticamente não freqüentava.
A senhora conheceu Dona Emília Benvenuto Ortolani?
Conheci muito a Dona Emília, era uma mulher que só praticava o bem. Quando ela sabia da necessidade de alguém, caso ela não tivesse como ajudar procurava alguém que pudesse fazê-lo. Um exemplo que permanece na memória da cidade.
A vocação de participação política tem origem familiar?
O meu pai foi vereador de 1993 a 1996. Quando conheci meu marido, Enio Niceas de Oliveira, eu tinha 14 anos e ele 24. Após 8 anos, em 3 de janeiro de 1981, nos casamos na Igreja Matriz de São Pedro, em Mombuca. Temos três filhos: Eugênio, Danilo e Miguel.
Como foi o ingresso do seu marido na política?
Ele é advogado, foi convidado por um amigo para ser candidato a vereador. Não foi eleito. Na eleição seguinte meu sogro Eugênio de Oliveira estava fazendo campanha política para ser eleito vereador, as eleições seriam no dia 15 de novembro, no dia 13 do mesmo mês meu sogro faleceu. Eu me envolvi na campanha eleitoral do meu marido, gostei desse contato com as pessoas, conhecer melhor suas necessidades. Meu marido foi o vereador mais votado, tornando-se presidente da câmara municipal., isso foi no final da década de 80. Assim que me casei tornei-me voluntária da Assistência Social. Fazia um pouco de tudo. A esposa do prefeito Antonio Guari, Clarice Guari me ensinou muito, tive uma grande participação na Assistência Social, gostava de ir lá, ajudar: pregar um botão, fazer um agasalho para uma criança. Até hoje cozinho na Festa de São Pedro, ajudo o pessoal.
Enio Niceas de Oliveira, seu marido, foi candidato a prefeito?
Foi uma disputa bem acirrada, o prefeito em exercício apoiaria o candidato indicado pelo PMDB. Houve uma convenção para ver quem saía nesse partido, nessa convenção quase o município todo se filiou e votou. Foi quase uma eleição total. Meu marido ganhou e tornou-se candidato com o apoio do prefeito. Isso foi em 1992, em 1993 ele assumiu como prefeito. Com isso passei a trabalhar muito mais, com gosto, participação. Fui muito ativa, a Assistência Social cresceu, desenvolvemos trabalhos com as pessoas carentes. Tivemos aulas de pintura, crochê, tricô, culinária. Quando uma mulher engravidava as mães vinham aprender a lidar com a criança, a fazer o próprio enxoval. Em 1996 meu marido terminou o mandato, a oposição ganhou as eleições. Permaneci trabalhando da mesma forma. A política passa, as amizades ficam. Temos que conservar as amizades conquistadas.
Há um mastro com a estampa de um santo em frente a matriz.
É alusivo a São Pedro, padroeiro da festa máxima de Mombuca. Permanece por um ano quando é substituído por outro semelhante.
Qual é a população de Mombuca?
Aproximadamente quatro mil habitantes.
A senhora assumiu a prefeitura em que dia?
Dia primeiro de janeiro foi a posse, dia 2 de janeiro de 2013 assumi a prefeitura. A responsabilidade é muito grande.
Como foi a reunião com a Presidente Dilma Roussef em Brasília?
Reuniram-se com a presidente 5.000 prefeitos, estou com muita fé de que teremos bons frutos desse encontro.
Qual é principal fonte de renda de Mombuca?
É a cana de açúcar, temos ainda pequenas empresas de prestação de serviços. No ano passado a Branyl Comercio e Indústria Textil Ltda. instalou-se em Mombuca. Pretendo incentivar a instalação de novas empresas inclusive com incentivos fiscais. Atualmente a oferta de emprego é muito baixa. Vamos dar total apoio às empresas que queiram se instalar em Mombuca. Pegamos a prefeitura com muitas dívidas, dia 2 de janeiro mal acabei de me instalar no gabinete quando recebi a visita do gerente da CPFL para fazer uma cobrança de fornecimento de energia, iam cortar a energia de todos os prédios públicos. Fizemos uma negociação, pagamos uma parcela e faremos o pagamento da dívida de forma planejada para não haver o desligamento de energia. Estou com uma equipe muito boa, estão me ajudando, tenho muita fé de que iremos sair dessa situação se Deus quiser.
Um dos grandes problemas que as administrações encontram é na área da saúde. Como a senhora vê a situação em Mombuca?
Estamos estudando uma parceria com uma cooperativa médica, com funcionamento das 7 horas da manhã as 7 horas da noite.
No caso de atendimento de alta complexidade há ambulâncias para a remoção para hospitais de referência?
Estamos sem nenhuma ambulância, as que existem estão sucateadas. Acredito que já conseguimos com o governo federal uma ambulância que deverá em breve estar servindo a população. A Guarda Municipal que tinha sido desativada deverá ser reativada, ganhamos três motocicletas para esse fim.
Mombuca é vinculada a qual comarca?
A Capivari.
A senhora têm a preocupação em trazer para Mombuca mão de obra com qualificação profissional?
Com certeza. Tenho essa preocupação.
Há mendigos em Mombuca?
Graças a Deus não.
A cidade tem potencial para explorar algum tipo de turismo?
Temos cachoeiras maravilhosas, são quatro ou cinco muito bonitas. O ideal seria o poder público fazer uma parceria com a iniciativa privada. Estamos trabalhando junto a Secretaria de Turismo Estadual para que nos ajude a divulgar essas riquezas naturais da nossa cidade. Poucos sabem que elas existem.
O Caminho do Sol passa por Mombuca?
Passa em dois locais no nosso município, no centro e no bairro rural Arapongas onde era uma escola que foi reformada e transformada em uma pousada para os caminhantes.
A Câmara Municipal é composta por quantos vereadores?
São nove vereadores. Pretendo ser prefeita do nosso município, as solicitações populares feitas através de seus representantes na Câmara Municipal, espero na medida do possível atender a todos.
Como está a educação básica na cidade?
A escola funciona no Sistema Anglo, pago pela prefeitura, temos em torno de 940 alunos matriculados na faixa etária de 4 até 15 anos. A prefeitura disponibiliza transporte para os alunos. Os estudantes que cursam faculdade fora do município, a prefeitura arca com 60 por cento das despesas de transportes aos que se dirigem à Piracicaba, Itu. A partir do mês que vem estamos iniciando a implantação de ensino superior em Mombuca: Administração de Empresas, Pedagogia e Ciências Contábeis em parceria com a Faculdade Uniararas. Será a primeira faculdade na cidade de Mombuca.
Qual é a sensação da senhora como mulher em conduzir os destinos de uma cidade?
Pretendo realizar uma administração participativa, quando se decide em conjunto a tendência é de errar menos. Temos um gabinete itinerante, é uma inovação que implantamos. É feito um agendamento, é feita a divulgação pública através da imprensa. Isso facilita o contato entre a prefeitura e a população, quando se faz com amor qualquer empreitada vai em frente.
Quantos afilhados a senhora têm?
São dezessete. Às vezes em que fui madrinha de casamento já perdi a conta. Lembro-me dos afilhados porque no Natal ou aniversário de cada um eu costumo cumprimentá-los.
A senhora mantêm contato com políticos de outras localidades, deputados?
Sim, com o deputado Roberto de Moraes, gosto muito dele, deputado Chico Sardelli, deputado André do Prado.
A captação de água em Mombuca como funciona?
É feita pela SABESP através de dois poços artesianos localizados no município, o tratamento de esgoto é feito pela mesma empresa. Consumimos a água encanada, no município não há a necessidade de se adquirir água em galões para beber, nem mesmo existe esse tipo de fornecimento na cidade.
Uma lenda diz que a porta da cadeia de Mombuca tem as dobradiças enferrujadas por falta de uso.
Não há cela em Mombuca, a que existia foi desativada. As pessoas se conhecem, há um cuidado de um cidadão para com o outro. Veículos, pessoas de fora da cidade assim que param na cidade são notados, por curiosidade, por cuidado. Em Mombuca todos se conhecem, é uma grande família. Se falecer alguém a cidade comparece ao velório. Casamentos também atraem um grande número de pessoas. É muito comum as pessoas terem um apelido. O vice-prefeito é conhecido como Palito, ninguém o chama pelo nome, Valdemir. Seu filho é conhecido como Palitinho.








sábado, fevereiro 16, 2013

CVV CENTRO DE VALORIZAÇÃO DA VIDA

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
Sábado 16 de fevereiro de 2013
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/


ENTREVISTADOS: CVV CENTRO DE VALORIZAÇÃO DA VIDA


DIRCEU ANDREOTTA GRANJA e ELIANE MARGARETE SOARES




A Sociedade de Apoio a Vida Dr. Nelson Meirelles é a entidade piracicabana que adota o programa CVV. Dirceu Andreotta Granja é um dos voluntários, nascido no bairro rural Monte Branco a 21 de setembro de 1955, filho de Alcides Zonetto Granja e Osvaldina Andreotta Granja, que tiveram mais três filhos: Luis, Jair, Agnaldo. Seu pai era agricultor, adquiriu um caminhão e passou a ser caminhoneiro. Em 1961 a família veio morar na cidade em uma casa situada a Avenida Dona Jane Conceição, uns 130 metros abaixo da Praça Takaki, no bairro da Paulista. Fiz a primeira comunhão na Igreja São José, o pároco era o cônego Luiz. Lembra-se do Cesac ainda cercado por bambu. Aquela região sempre foi muito rica em atividades, o Circo do Veneno instalado em frente a sua casa. O Carlão Ferreiro morava a uns 20 metros da sua casa, ele fabricava ferraduras , forjava ferros, dobradiças, na época era uma função importante. Conheceu Romeu Gomes de Oliveira, o Rodomeu, quando ele estava começando suas atividades com a transportadora, ele e seus filhos tinham alguns caminhões, não era uma transportadora ainda, prestavam serviços para a Klabin, sendo que também terceirizavam o serviço alugando caminhões de outras pessoas. Com isso foram crescendo. Quando garoto Dirceu foi cliente de Crispim Durrer, adquiriu muito papel de seda para fazer papagaios, hoje denominado de pipas. Lembro-se que ao lado havia o açougue do Scarpari onde seus dois filhos Toninho e Alcides também trabalhavam, em frente ao armazém do Fornazier ( Local onde hoje é o Supermercados Balan). A família Scarpari montou o primeiro supermercado daquela região, mais tarde passou à família Canale que permanece nessa atividade até hoje. Quando garoto jogou muito futebol onde atualmente funciona a Escola ETEC Escola Técnica Estadual. Jogou na várzea como quarto zagueiro, zagueiro central, jogava bem. Estudou o primário n Grupo Escolar Dr. João Conceição, o ginásio no Ginásio Estadual Prof. Dr. Alcides Guidetti Zagatto, o colegial no Colégio Dr. Jorge Coury.




O senhor tem algum hobby?


Não. Me dedico ao trabalho voluntário, no CVV já há 10 a 11 anos, realizo trabalho voluntário em uma outra entidade, isso consome o tempo disponível fora do trabalho. Sou casado há 29 anos.


Qual é a sua profissão?


Sou engenheiro agrônomo formado pela ESALQ na turma de 1982. Trabalho atualmente como funcionário público municipal no cargo de fiscal de construção civil.


Eliane Margarete Soares você é nascida em que cidade?


Nasci na cidade de Limeira a 16 de junho de 1972. Vim estudar Administração de Empresas na UNIMEP e acabei permanecendo em Piracicaba. Em Limeira fiz o curso primário na Escola Antonio de Queiroz, estudei contabilidade no Colégio Bandeirante.




Dirceu, quando o senhor conheceu o CVV?


Eu me lembro do CVV quando ele situava-s na Rua Regente Feijó, isso foi em 1982 ou 1983, ao passar em frente vi uma placa escrita “CVV Centro de Valorização da Vida. Venha conversar conosco”. Isso me chamou a atenção. Na época eu acabei saindo de Piracicaba fui trabalhar em Porto Seguro, Bahia, como engenheiro agrônomo, estava montando uma destilaria em Eunápolis. Após sete anos trabalhando fora de Piracicaba, em 1990 houve a quebra do Proálcool. Foi no período do Plano Collor, prestei concurso e ingressei na Prefeitura de Piracicaba. Dois meses depois de ingressar na prefeitura recebi um convite pra trabalhar em São Pedro do Turvo, em uma destilaria chamada Arcângelo, optei por ficar em Piracicaba.


                            Dr. Nelson Meirelles que doou a casa onde funciona o CVV


                            O radialista Luiz Copolli, o famoso Titio Luiz, que após utilizar a casa como posto de atendimento para distribuição gratuita de remédios, cedeu-a para o CVV.

 

Eliane, quando foi fundado o CVV em Piracicaba?


Foi fundado no dia 16 de junho de 1982 por: José Lutero Rodrigues, Antonio Agostino C. Souza, José Antonio Urbano, Wanderley Serrow Camy, Higino Carlos Trindade, João Luiz Lopes Pastorelli, Florisval dos Santos, Manoel Messias Lobo e Antonio Carlos da Costa.


Eliane como você conheceu o CVV?


Após concluir a faculdade senti a necessidade de fazer um trabalho voluntário, que não envolvesse a distribuição de bens materiais. Lembro-me que vi o anuncio do curso para novos voluntários do CVV e assim vim para cá.


Você já sabia quais eram as atividades do CVV?


Não muito bem. Quando eu era criança via o comercial veiculado pela televisão, do telefone preto do CVV. Diziam: “Ligue para nós, um amigo do outro lado da linha”. Eu achava essa frase muito bonita.


Eliane o que o CVV faz exatamente?


A função do CVV é facilitar o desabafo das pessoas. Estamos aqui como um amigo do outro lado da linha. Damos apoio emocional para a pessoa. Esse apoio emocional se dá através da conversa; além do atendimento por telefone temos também o chat. O endereço do chat é http://www.cvvweb.org.br/, funciona das 16 horas até as 23 horas. Atinge mais o público jovem, sem deixar de incluir um pouco do público adulto. O chat fica espalhado pelo Brasil, são voluntários treinados, passa por um curso, o atendimento pode ser feito de casa, não precisa vir ao posto CVV.


 

O CVV é uma ONG?


Legalmente não. Ela é denominada como Sociedade de Apoio a Vida Dr. Nelson Meirelles. Hoje tudo que é filantrópico é levado para uma ONG, muitos entendem que somos uma delas. Somos, isso sim uma sociedade de apoio. Uma sociedade civil sem fins lucrativos.


Quem criou o CVV?


No Brasil surgiu em 1962, com um grupo de jovens em São Paulo, o primeiro posto foi na Rua da Abolição. Eles eram de uma determinada religião, queriam desenvolver um serviço voluntário, não sabiam exatamente de que forma fariam isso, pelo fato de serem muito jovens. Foram aconselhados a irem aos hospitais e conversarem com os pacientes internados. Encontraram muitas pessoas que haviam tentado o suicídio, isso foi no Hospital das Clinicas. O tratamento dado à essas pessoas resumia-se no atendimento médico regular.


Diminuiu o número de pessoas que tentam o suicídio?


Não, ele está aumentando, ano após ano, tanto no Brasil como em outros países.


O que leva a pessoa a procurar o suicídio?


A pessoa tenta quando percebe que não tem uma solução para a sua vida, que aquela é a melhor saída. Ela irá sair dos problemas, seja material, emocional, existencial, moral, familiar. Quando a pessoa não consegue encontrar uma solução adequada ela acredita que o suicídio é a saída.


Qual é faixa etária em que há maior incidência?


Não há uma faixa etária determinada. Atendemos desde jovens até idosos.


Mais pessoas do sexo feminino ou masculino?


Todo mundo tem problemas hoje. Não há um público específico, toda pessoa que está passando por um momento difícil na vida ela se vê muitas vezes encurralada, sem saída. Tanto homem como mulher, casada ou solteira, idoso, adolescente que estão na fase de descoberta, não tem seu amor correspondido. Toda pessoa que está em um momento difícil para ela, procura o CVV. Nós não aconselhamos, fazemos que as pessoas ao falar conosco, percebam por si próprias as saídas para seus problemas. Acreditamos que todo ser humano tem condições de superar as suas dificuldades. Geralmente quando ligam para nós já conversaram com o vizinho, com a mãe, com o pai, com os amigos.


Qual é o tempo médio de duração de uma ligação por telefone entre o consulente e a pessoa do CVV que o atende?


Nós orientamos os voluntários para permanecer em torno de 50 minutos conversando com a pessoa. Já tivemos pessoas muito desesperadas onde a ligação durou 90 minutos. Muitas pessoas ligam chorando são pessoas normais. Quando estão alcoolizadas não choram tanto, falam de forma muito característica. Nesses casos procuramos cortar, a pessoa passa a ser muito repetitiva devido ao estado de alcoolismo eles não estão absorvendo nada da conversa. Nesses casos procuramos evitar em ficar um tempo muito grande. Não é uma coisa produtiva para ele. Quando as pessoas estão desequilibradas e em condições de perceberem pode acontecer da ligação se prolongar.


Dirceu, qual é o significado do suicídio?


Eu entendo que seja uma fuga após perder todas as esperanças, expectativas.


Eliana, a depressão é uma doença dos tempos atuais?


A depressão sempre existiu só que antes era denominada como melancolia. Principalmente as mulheres tinham melancolia, aquela tristeza, aquela coisa de ficar vivendo no passado, isso foi classificada como doença e passou a ter o nome de depressão. Com o avanço da medicina percebeu-se que uma boa parte da sociedade tinha depressão. A vida moderna contribui para que a depressão seja em maior escala. Diversos fatores induzem a isso: afastamento da família, competição, a concorrência pelo “ter material”, a sociedade dita que você é importante pelo que tem e não pelo que você é; Isso leva a pessoa a ter depressão.


Algumas pessoas ligam para o CVV para desabafarem que não tem aquilo que outra pessoa possui?


Em algumas conversas isso transparece. Seja um carro, uma roupa, o corpo bonito que apesar da pessoa estar malhando, fazer regime, não consegue ter. Se a pessoa tem um perfil biológico que nunca a fará magra, as características de um povo ocidental será diferente fisicamente as de um oriental. Esse modismo das pessoas terem o corpo magro as leva a ter muitas doenças.


Vocês andam no fio da navalha?


No caso de algumas ligações, às vezes andamos. Todos que são voluntários passam por um curso de 30 horas. A idade mínima do voluntário é 18 anos, não existe limite para a idade máxima. Após realizar o curso a pessoa passa a atender as ligações telefônicas, uma vez por mês temos a realização de reuniões de grupo. Temo também uma reunião geral dos voluntários para que possam ter um treinamento constante. Essas reuniões ocorrem em dias diversos, como terças feiras, domingos pela manhã. Se você tiver quatro horas disponíveis por semana e tiver tempo de vir nessas reuniões, no domingo ou terça feira, poderá participar.


Quantos voluntários existem no CVV de Piracicaba hoje?


São 19, o número ideal, como são quatro horas dedicadas por cada voluntário, seria de 42 voluntários, funcionando 24 horas por dia.


Esse déficit de voluntários se dá em função do que?


É difícil trabalhar com o emocional das pessoas. Se você passou por um câncer é mais fácil ir a uma ONG que trabalhe com pacientes de câncer do que ser simplesmente voluntário sem ter vivido essa situação. Da mesma forma pais que tem filhos com síndrome de Down é mais fácil de participarem de ações voluntárias. Nós trabalhamos com a parte emocional e nem todas as pessoas estão preparadas para isso. Há muito receio de trabalhar com pessoas em desequilíbrio.


Uma característica própria é que o CVV não consegue ter um retorno de um atendimento. Saber como a pessoa reagiu.


Algumas vezes recebemos a ligação de uma pessoa que foi atendida e conseguiu superar a fase difícil. Tivemos um caso em que a pessoa ligou durante dois anos até sentir-se equilibrada, ligou para nos agradecer. Nem sempre isso é comum, estamos preparados para isso também, não receber nenhum agradecimento. Não temos identificador de número do telefone que nos liga, o sigilo é total. O sigilo da pessoa é acima de qualquer coisa dentro da filosofia do CVV. Por mais desumano o ato que a pessoa tenha praticado o seu sigilo será sempre mantido. A emoção desiquilibrada faz com que tenha um ato desiquilibrado.


Qual é a gratificação que um voluntário do CVV recebe?


A gratificação é ao atender uma pessoa, no final da conversa a pessoa estar bem.


Como funciona o sigilo no CVV?


Eu posso me identificar pelo meu primeiro nome, desde que ela pergunte quem liga não necessita identificar-se.


A segurança que é passada a pessoa que telefona pode gerar algum tipo de envolvimento pessoal com o atendente?


Pode acontecer. Nós somos preparados para que o atendimento seja feito sem ocorrer envolvimento pessoal. Ao mínimo indício de que isso possa ocorrer temos técnicas próprias para barrar qualquer prosseguimento nesse sentido.


Eliane como sobrevive o CVV?


O CVV através dos cursos constantes de aperfeiçoamento, o estudo passa a ser parte da nossa vida. Com esse treinamento passo a lidar melhor com as nossas emoções, trabalhamos melhor com o sentimento de raiva, de frustração, principalmente com as emoções negativas, que mais desestabilizam, ao se tornar voluntário do CVV passa-se a lidar melhor com essas emoções. O que até então nos desestabilizavam não ocorre mais. Ai já tem uma grande vantagem em sermos voluntários do CVV.


Durante o atendimento vocês vivem emoções fortes?


Às vezes tem algumas ligações que são delicadas. Principalmente atendimentos de perdas de pai, mãe, em casos de falecimento de um ente querido, são sentimentos comuns a todos nós, só que algumas pessoas sofrem mais. São mais sensíveis. Graças aos treinamentos e a convivência ao telefone aprendemos a trabalhar melhor com isso.


O CVV segue alguma linha religiosa?


Cada voluntário tem a sua religião. O CVV é apolítico e sem qualquer ligação religiosa.


Como vocês conseguem levar adiante esse trabalho, há algum incentivo financeiro oficial?


Cada voluntário contribui financeiramente.


Isso significa que o voluntário paga para trabalhar?


O voluntário além de não receber nada ainda paga. Realizamos os eventos, o jantar italiano para 200 pessoas, realizado na Casa da Amizade do Rotary, que é feito todo mês de maio, sempre na sexta feira antes do dia das mães. O Rotary Paulista nos dá um apoio muito grande.


Outras entidades de serviços podem ajudar o CVV?


Com certeza podem, Nos desdobramos na realização de eventos para suprir as necessidades financeiras do nosso trabalho.


Quais são as maiores necessidades atuais do CVV de Piracicaba, voluntários, recursos financeiros?


Os dois. Mais voluntários possibilitariam dar um atendimento melhor à sociedade. Uma cidade do porte de Piracicaba, contar com apenas 19 voluntários é muito pouco. Há muitas pessoas que necessitam efetivamente do nosso trabalho. Precisamos de ajuda na parte material, financeira, para que possamos ter um espaço confortável para os voluntários.


O poder público ajuda em alguma coisa?


Não ajuda. Um dos entraves é que não temos como fazer a prestação de contas em decorrência do caráter sigiloso dos nossos atendimentos. Não temos como medir resultados em dados. O que de fato importa é que se salvarmos uma vida o nosso trabalho valeu a pena. Tudo que foi criado na lei prevê o lado material e não o lado emocional. Na hora de se fazer a lei esquece-se desse apoio emocional que as pessoas precisam. Enquanto existe uma infinidade de ONG que prestam outras assistências só o CVV é que presta esse serviço. Um grande entrave é que não podemos ter ligação com nenhuma facção política O Ministério da Saúde reconheceu o CVV como de utilidade pública.


É menos burocrático pessoas e entidades privadas fazerem contribuições espontâneas?


É mais fácil empresas privadas doarem, se alguma empresa colaborar financeiramente com o CVV pode ser divulgado que é um colaborador. O Café Real colocou uma etiqueta divulgando o CVV. Isso é uma grande ajuda. Muitos produtos de consumo poderiam levar o telefone do CVV. A Papoula tem entre os telefones úteis o número do telefone do CVV. Quanto mais se divulgar o trabalho, maior será o retorno para a cidade. Qualquer cidadão piracicabano poderá um dia estar precisando do nosso trabalho. Uma doença grave pode tirar a estabilidade de qualquer família.


Existe um evento programado para data próxima?


O CVV situa-se na Rua Ipiranga, 806. Dia 23 de fevereiro, sábado, iremos ter uma promoção de pizza, nesse mesmo dia realizaremos um brechó literário, das 9 horas da manhã até as 5 horas da tarde. São romances, livros de ficção científica, de história do Brasil ao preço a partir de R$ 2,00.





                              BRECHÓ LITERÁRIO QUE ACONTECERÁ NO DIA 23/02/2013











ARNALDO MARCONDES MACHADO e SUZANA PAPPERT

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado, 09 de fevereiro de 2013
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/


ENTREVISTADO: ARNALDO MARCONDES MACHADO e SUZANA PAPPERT





A Sears, Roebuck and Company é uma rede de lojas de departamentos americana sediada em Chicago, foi fundada por Richard Sears e Alvah Roebuck no final do século XIX. Possui lojas nos Estados Unidos, Canadá e México. A Sears também já possuiu lojas no Brasil até 1992. Por 25 anos Arnaldo Marcondes Machado foi funcionário da empresa no Brasil que tinha a denominação de Sears, Roebuck S.A Comércio e Indústria. Arnaldo galgou passo a passo até chegar ao importante cargo de Gerente Geral de Crédito. A sua história e a da empresa se entremeiam. Piracicaba foi pesquisada em determinado período para possuir uma loja da rede Sears, só que na época não se encaixava no perfil da rede de loja de departamentos. Arnaldo Marcondes Machado é paulistano, nascido a 17 de julho de 1920 na Vila Queiroga, Brás na Avenida Celso Garcia. Antonio Marcondes Machado e Isabel Araujo tiveram os filhos Iracema, Maria, Arnaldo, José, Reinaldo, Osvaldo, Lucila. Arnaldo é casado em segundas núpcias com Suzana Pappert nascida na Iugoslávia a 28 de janeiro de 1922, filha de Henrique Pappert e Bárbara Chaner que tiveram os filhos João, Suzana, Cristina, Eva, Sofia, Rudolf e José. Suzana veio para o Brasil trazida pelos seus pais quando ela tinha quatro anos de vida. Arnaldo e Suzana residem há treze anos no Lar dos Velhinhos de Piracicaba.


Os pais da senhora tinham quais atividades na Iugoslávia?


Meu avô tinha uma propriedade rural onde era cultivado trigo, uva, ali meus pais trabalhavam.


Como decidiram imigrar para o Brasil?


Naquela época dizia-se que o Brasil era muito bom, enriquecia-se em pouco tempo. Os que tinham pouco tempo de casados vinha para se aventurarem. Descemos do navio em Santos, fomos para a Hospedaria de Imigrantes em São Paulo. Nossa família permaneceu em São Paulo, entre outras obras meu pai trabalhou na construção da Catedral da Sé. Ele era serralheiro, fazia as armações de ferro para as coberturas da igreja. Trabalhei em várias fábricas de tecidos entre outras a Mário Filipelli.


 Como a senhora conheceu o Sr. Machado ?


Fui casada em primeiras núpcias, fiquei viúva, fui morar com a minha irmã Cristina que com seu marido tinha um estabelecimento comercial na Mooca, freqüentado pelo Machado. Quando o conheci eu tinha 38 anos e ele 40 anos, também já tinha sido casado. Sou do tempo em que havia bonde em São Paulo, moramos um período de tempo em Santo André, em seguida fomos morar em Santos onde também havia o bonde. Morávamos na Rua Manoel Vitorino, no Gonzaga pertinho da Avenida Ana Costa, isso foi por volta de 1962. O Arnaldo era sempre transferido, com isso conhecemos e moramos em várias cidades.


Qual era a atividade dos seus pais Sr. Machado?


Meu pai era viajante (vendedor viajante), minha mãe era do lar


Sr. Machado em que escola o senhor estudou o curso primário em São Paulo?


Foi no então denominado Grupo Escolar da Barra Funda. Estudei no Colégio Stafford. Esse colégio ficava na Alameda Cleveland, num casarão que havia sido residência de Santos Dumont. Estudei no SESC situado na Rua do Oratório onde fiz o curso de química de couro para fazer tintas para calçados. Naquela época era raro um garoto de 14 anos saber ler e escrever.. Eu trabalhava em uma loja de calçados onde vendiam retalhos de couro por quilo, a proprietária da Loja Italiana pesava e ficava esperando uma pessoa da loja de calçados para dizer quanto custava. Foi quando viram que eu sabia ler, escrever, dividir. Na fábrica de calçados eu ganhava quinze mil réis. Ofereceram-me cinqüenta mil réis, é lógico que eu fui trabalhar na Loja Italiana situada na Avenida Celso Garcia quase esquina com a Rua Bresser, ao lado de um cinema que já não existe mais. Lá fiquei uns dois anos trabalhando. A loja abria além dos dias de semana, também aos sábados e às vezes domingo pela manhã


Qual era o seu trabalho nessa loja?


Eu fazia de tudo, inclusive às vezes ia fazer entrega, ia de bonde, ônibus. Meus irmãos trabalhavam na fábrica de calçados Campana e Companhia, na Rua Marajó, eles não trabalhavam aos sábados após o almoço. Entrei no Campana onde trabalhei por uns oito anos. Comecei tirando a forma que vinha no sapato quando era produzido, limpava o sapato, lixava, realiza várias atividades. Como eu sabia ler e escrever muito bem, colocaram-me para fazer o controle do pessoal que saia para fumar fora da fábrica. Não podiam fumar dentro da fábrica pelo grande risco de combustão dos produtos: cola, couro. Fizeram uma espécie de gaiolinha onde eu passava o dia inteiro controlando o tempo de quem ia fumar, ia ao banheiro. Eu marcava saiu tal hora voltou tal hora.


Quantos funcionários trabalhavam nessa fábrica?


Mais ou menos uns trezentos funcionários. Fabricavam Tênis e Keds, naquele tempo calçado feito com tecido custava muito barato, cerca de um quarto do valor de um sapato de couro. Os Tênis e Keds daquela época eram muito mais simples do que os atuais. O modelista dessa empresa abriu uma fábrica e me chamou para tomar conta da mesma, dirigi-la. Ficava na Rua São Filipe, no Tatuapé. Eu tinha 25 anos, nessa época contrai o meu primeiro matrimonio. Permaneci nessa fábrica por dois anos, chamava-se Fábrica de Calçados Petiz. Fui convidado para trabalhar na fábrica de calçados Clark, uma empresa muito grande. Fui ser mestre de planchamento de sapatos. Após a produção do calçado ele saí todo “quebrado”, sujo, há um trabalho para colocá-lo na caixa, limpar, se for sapato de verniz pintá-lo todinho, de forma que atraisse a atenção do cliente. Naquela época a Clark tinha uns cento e cinqüenta a duzentos funcionários. Era um sapato famoso e de alto custo. A fábrica ficava na Rua da Mooca. Meu cunhado foi trabalhar na “Triunfal” situada na Rua Direita, centro de São Paulo. Era uma loja de mercadorias variadas, fui trabalhar lá. A Sears tinha uns auditores americanos realizando pesquisas nas lojas do centro de São Paulo. Entraram na Triunfal, questionaram-me sobre produtos e preços das mercadorias a venda. Respondi com firmeza e conhecimento. Fui convidado para trabalhar na Sears. A Sears ficava na Rua Treze de Maio, 1947, no Paraíso, próximo a Avenida Paulista. Era tão grande que atualmente funciona um shopping no local. Havia mais de 800 funcionários.




O senhor começou em que função?


Fui trabalhar no crediário. Mr. Roland que era o gerente não me deixou sair mais, me colocaram para obter informações sobre clientes na rua. Passei a ser chefe da sessão de cadastro. O cadastro de uma empresa as vezes levava trinta dias para obter um crédito consegui reduzir o prazo. De três a cinco dias estava concedendo o crédito, as informações eram aprovadas pelo gerente. Permaneci ali por dois anos. Ofereceram-me para ser chefe da cobrança. Fiz um estágio na rua, batendo de porta em porta, cobrando, um mês e pouco depois passei a ser gerente da seção de cobrança. Por seis anos consecutivos ganhei um prêmio de caráter internacional, como o melhor desempenho do grupo Sears na minha atividade de cobrança. Passei a ser assistente de gerente de crédito, a minha carreira foi passo a passo. Havia três categorias de loja Sears: A, B e C. Em Santo André abriu uma loja na categoria “B”. Eu já estava trabalhando em uma loja de classificação “A”. Fui ser gerente da loja em Santo André. Houve a transformação da documentação do crédito de manual para mecanizado. Fiz o curso para fazer a transferência de manual para a máquina. Até nos Estados Unidos estavam com dificuldades nessa migração de escrito para mecanizado. Fui para a loja de Santos, fiz a transferência, deu certo, bateu os balanços.


Em que local da cidade de Santas ficava a Sears?


Ficava no centro, na Rua Amador Bueno. Eu ia trabalhar com um Fusca 1959. Tive um fusca 1952, cujo vidro traseiro era dividido por um friso central. Permaneci em Santos por cinco anos. Inaugurei uma filial Sears em São Vicente, ninguém acreditava no sucesso, em dois meses a despesa de abertura retornou, um verdadeiro fenômeno, o normal era o retorno das despesas demorarem de quatro a cinco anos. Fui transferido para o Rio de Janeiro, onde tinha quatro lojas para tomar conta: Botafogo, Méier, Ramos e Niterói. Enquanto eu trabalhei na Sears ela tinha no Brasil 16 lojas. Em 1970 me aposentei. Depois disso fiz vários trabalhos para a Sears, mas esporádicos. Aqui mesmo em Piracicaba fiz uma pesquisa para a Sears, foi considerado um local com baixa perspectiva, a única loja que se destacava na cidade era a Porta Larga. Atualmente o cenário é outro. Trabalhei nos mais diversos estados, inclusive em Manaus, Sergipe, Alagoas, a Sears tinha nesses locais escritórios de representação. Viajava de avião, lembro-me do Super Convair 303, da Real Transportes Aéreos. Quando fui para Manaus não existia nem hotel, apenas pousadas do governo. A cama era coberta por um mosquiteiro, de manhã quando fui me levantar estava cheio de calango no mosquiteiro.


O senhor lembra-se quais eram os produtos que eram mais vendidos pela Sears?


Vendiam-se muitos colchões, móveis, tapetes importados, a linha branca era o forte, vendíamos televisão, na época em preto e branco. Rádio era um produto muito procurado.

O senhor praticava algum esporte?


Fui campeão paulista de ciclismo em 1938/1939. Tive uma bicicleta Turino, italiana, de oito marchas. Aos 35 anos concorri na Festa do Pedal, realizada no Anhangabaú, isso foi em 1954 ou 1955. Eu concorria pelo Ciclo Clube Teixeira, situado na Rua da Mooca. Cláudio Rossi, que mais tarde foi campeão internacional, iniciou seu treinamento comigo. Quando morava em Santos cheguei a jogar um pouco de vôlei. Cheguei a correr de motocicleta pelo Moto Clube Piratininga no Autódromo de Interlagos.


O senhor acompanhava os jogos do Juventus?


Logo que me casei morei em um prédio em frente ao Juventus, na Rua dos Trilhos, da janela eu assistia aos jogos.


O senhor gosta muito de ler?


Gostava, não leio mais nada. A vista já não ajuda muito e eu também perdi o entusiasmo pela leitura. Lia tudo que estava escrito no jornal, hoje pego o jornal, vejo o horóscopo e fecho.


Na capela do Lar dos Velhinhos em certa ocasião o senhor fez a leitura de um texto que emocionou muitas pessoas.


Devo ter criado na hora. Em reuniões dificilmente falo. Meu negócio não é falar é agir. Aprendi com os americanos algo que no Brasil infelizmente não existe. Quando entrevistaram um brasileiro perguntaram se ele gostava de comer arroz e feijão. Sua resposta foi: “Arroz e feijão, com um belo bifinho, uma saladinha talvez vá”. “Quando me fizeram a mesma pergunta eu respondi:” “- Claro que gosto, é a comida de toda brasileiro”. A resposta do americano é “sim” ou “não”. Observo que em muitas reuniões no Brasil, as pessoas são repetitivas. Para o americano isso não existe. Água é água. Vinho é vinho.


O senhor serviu o exército?


Fui dispensado. Dr. Silvestre Passi que consultava no Largo do Arouche, quando eu tinha uns oito anos, diagnosticou que eu tinha propensão para morrer aos dezoito anos, com um buraco na garganta em decorrência de uma doença chamada ozena (Doença do nariz, onde se formam crostas que exalam cheiro fétido, acompanhada de perda do olfato). Não morri até hoje!


Em 1932 houve a revolução constitucionalista, o senhor participou de algum ato?


Eu era escoteiro, fui de trem, junto com os militares até Itararé levar uma mensagem. Em 1932, a Associação de Escoteiros de São Paulo passou a chamar-se "Boy Scouts Paulista".


Foi fardado?


Fui em trajes civis. Lembro-me do enterro do General Marcondes Filho, parente do Yvens Marcondes. A solenidade foi no Pátio do Colégio. O cavalo dele estava sem ninguém montado, restava apenas a lembrança.


Durante a Segunda Guerra Mundial havia restrições para o uso do rádio por imigrantes italianos, japoneses e alemães. A Sears vendia rádio à essas pessoas?


Podiam comprar rádios. Não podiam adquirir imóveis. Clubes, associações e sociedades italianas, japonesas e alemãs tiveram que trocar seus nomes alusivos ao país de origem por nome tipicamente brasileiro. Onde é o campo da Portuguesa era um clube alemão, passou para o Estado, hoje é o estádio da Portuguesa.


O Rio Tamanduateí como era?


Era um rio fininho, mas já não era limpo. O Rio Tietê era sujo também, só que hoje está demais. Cheguei a nadar com Maria Lenk em 1937, na Vila Guilherme havia um trampolim.



O senhor é do tempo do Avenida Danças?


Eu era mocinho, freqüentava o Avenida Três, quando entrava recebia um cartão que era picotado. Após a gente dar uma parada, a dançarina pegava o cartão e dava para o funcionário picotar o correspondente aos minutos que tínhamos dançado. 10 minutos de danças ela mandava dar 10 picotadas. As músicas eram lindas.


Qual é a receita para chegar com essa disposição toda na idade em que estão?


Estamos juntos há 53 anos. Para ter disposição é tentar manter uma vida saudável, não comer alimentos prejudiciais, não beber em excesso, freqüentar parques, estar junto a natureza, levar uma vida regrada, sem excessos.


O senhor é usuário de computador?


Um pouquinho, comecei no Excel, Word.




 

segunda-feira, fevereiro 04, 2013

NELSON MONTEIRO SPADA

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
Sábado, 02 de fevereiro de 2013
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/


ENTREVISTADO: NELSON MONTEIRO SPADA



 

Nelson Monteiro Spada possui criatividade acima da média. Encara a vida sempre com otimismo, dinamismo, revertendo facilmente situações adversas. Isso lhe proporcionou o respeito de quem o conhece e o sucesso natural dos empreendedores que visualizam boas oportunidades aonde muitos vêem o fracasso. Em seu escritório, no meio de muitos papéis, sempre alguém o procura para “um dedo de prosa. O bate-papo é sempre interessante, rico em informações, desde o lançamento de um produto absolutamente inédito até filatelia, veículos, literatura, ou algum fato marcante na cidade. Conversar com Nelson é uma terapia. Em certa ocasião recebeu uma proposta de uma agência de publicidade de São Paulo onde seu trabalho seria apenas um: pensar, criar novas aplicações para produtos já existentes e novas formas de divulgação. Ele agradeceu e declinou da proposta, pois tinha suas atividades em andamento. Nelson Monteiro Spada criou uma empresa que hoje presta serviço à grande parte da população piracicabana: o Teleresponde. É a tábua de salvação de muitas pessoas e empresas quando necessitam saber um número de telefone desconhecido, qual empresa presta determinado serviço ou comercializa um produto ou serviço específico. Foi uma iniciativa que no seu início, há décadas, alguns não viam utilidade e hoje é objeto de desejo de grandes instituições. A Spada Máquinas é outra empresa que é fruto da determinação de Nelson, incansável na busca de novas ferramentas e aplicações. Nelson Monteiro Spada nasceu a 14 de abril de 1950, filho de José Daniel Spada e Lydia Monteiro Spada, que além do primogênito Nelson tiveram os filhos: Roberto, Osvaldo, Durval, Agenor, Olga, Maria Elvira, Maria Cecília e Ana Lúcia. Nelson Monteiro Spada é casado com a professora Lúcia Aparecida André Monteiro, são pais de duas filhas. Entre outros cursos é Formado em Administração de Empresas pela ECA.


Em que localidade o senhor nasceu?


Nasci no Bairrinho, um bairro rural situado depois de Saltinho. Meu avô Zebedeu Spada veio da Itália, região de Trento, com 14 anos. Desceu no Porto de Santos, não passou pela Casa do Imigrante, fiz uma pesquisa onde não consta sua passagem por aquele local. Conservo comigo a carteira modelo 19 dele (carteira de identidade permanente de estrangeiro). De São Paulo ele veio para uma localidade denominada “35” próxima ao Bairrinho. Lá ele conheceu a minha avó, sua esposa, Itália Zandoná Spada. Após se casarem foram morar no Bairrinho, onde meu avô Zebedeu passou a produzir fumo, foi o início de um período onde o fumo do Bairrinho tornou-se muito procurado pelas suas qualidades. Ainda menino “virei cambito”, expressão usada para quem faz a corda de fumo. Conheço todos os detalhes da plantação de fumo que fazíamos no Bairrinho, assim como os métodos utilizados no Rio Grande do Sul na plantação e produção de fumo. Minhas tias casaram-se com produtores de fumo da região, como o Caetano, Bairro Peruca, Fazenda Velha, Inferninho.


Porque o bairro tinha o nome de Inferninho?


Inclusive o meu pai nasceu no Bairro Inferninho, mês avós logo que se casaram por um período moraram no Inferninho, depois se mudaram para o Bairrinho. Até hoje a denominação do bairro é a mesma. O roteiro é: Saltinho, Formigueiro, Peruca, desce em direção ao Caetano e sai no Inferninho depois vem o Marques. A denominação de Inferninho é pela topografia, bambus entrelaçados sobre a estrada, formando um túnel natural, capoeiras, casas de barro antigas.


Os primeiros estudos foram onde?


Fiz o curso primário na Escola Capitão Antonio Correa Barbosa, situada no Bairrinho. Minha primeira professora foi Dona Rosa Zinsly; tinha mais quatro professoras, o diretor era Leo Litta, ele morava na Rua Governador Pedro de Toledo em Piracicaba. Em 1962, aos 12 anos, terminei o quarto ano primário. Meu avô Zebedeu tinha mudado para Piracicaba, na Rua Carlos Zanotta, 1003. Meu pai tinha uma produção de calcário na Rua Vinte e Três de Maio, ao lado do Posto São Luiz que se situava na Avenida São Paulo. Eu vinha de caminhão até o Posto São Luiz, o pessoal trazia pedra para moer, enquanto o caminhão era descarregado ia até a casa do meu avô, visitava-o e depois retornava com o mesmo caminhão.


Após concluir o curso primário em que escola o senhor foi estudar?


Passei a residir com os meus avós e fui estudar na Escola Modelo, localizada na Rua Boa Morte esquina com a Rua Rangel Pestana, mais tarde demolida e dando lugar ao Edifício Miori. Nessa escola era ensinada a escrita fiscal e datilografia. Após dois anos saí como prático em escrita fiscal e prático em datilografia.


O senhor é um bom datilógrafo?


Fui. A escola tinha máquinas de escrever Remington, na época era utilizada uma tábua, uma espécie de caixa, que não permitia ver o teclado, tinha que memorizar a posição de cada letra e com as mãos sob a tábua, datilografar. Após concluir meus estudos nessa escola, fiz um curso preparatório na Escola Dom Bosco, meus pais já tinham vindo morar em Piracicaba, na Rua Riachuelo, 2004. Fui estudar o curso básico na Escola Técnica Cristóvão Colombo, a Escola do Zanin, situada na Praça José Bonifácio. Meu primeiro emprego foi em uma fábrica de elástico de propriedade do Borghesi, pai do prefeito Borghesi, na época estudante de agronomia. A fábrica situava-se na Rua Saldanha Marinho esquina coma a Avenida Independência, em cada tear o elástico era trançado com fios que saiam de oito carretéis, havia diversos teares, meninos e meninas trabalhavam nos teares, eu controlava o pessoal, isso foi em 1963. Meu emprego seguinte foi em um escritório na Rua XV de Novembro onde permaneci por pouco tempo. Em seguida fui trabalhar na Organização Cruzeiro do Sul localizada a Rua Moraes Barros, 802, telefone 22-5660 de propriedade de Guido Maria Camuzzo e o gerente era meu tio, irmão da minha mãe, Lázaro Antonio Monteiro. Em 1965 ou 1966 fui para a Fundição Técnica Nacional de Venezio Serra Zanetti, que até hoje é vivo. Lá se fundia carcaças para motores GE, Electrolux, e outras grandes empresas. Muitos proprietários de empresas ligadas ao setor metalúrgico trabalharam lá como funcionários. Na época havia 63 funcionários, eu sabia o nome e número do registro de cada um, eu fazia a parte de escritório, departamento de pessoal. A fundição tinha Issa Salles como responsável, ele era um dos sócios e administrava a produção. Dercy Rossetto era o engenheiro químico da empresa. Francisco Tavares era o contador. Em 1968 fui para a Sobar- Sociedade Bandeirante de Reflorestamento, que depois passou a ser Sobar Reflorestamento, ela fazia projetos de incentivos fiscais para reflorestamento. Em 1967 era descontado até cinqüenta por cento do imposto de renda para aplicar em reflorestamento. Em Piracicaba havia a Sobar e a Seta de propriedade de João Hermann Neto.


Como funcionava esse incentivo fiscal?


Havia diversas modalidades sendo que duas eram as mais utilizadas. Através do investimento próprio, que era a terra, plantava-se o Pinus elliottii ou eucalipto em cima, o que era gasto com plantio, custeio, era deduzido do imposto de renda. Se uma empresa fosse pagar 100 reais com imposto de renda, gastava 50 com o plantio do Pinus e só pagava 50 de imposto de renda. Ou seja, a terra e a madeira pertenciam aos investidores, o Pinus para ficar pronto para corte leva 22 anos. Nesse meio tempo era feito o ralhamento, que é o corte dos galhos para serem comercializados para fazer aglomerados de madeira, carvão. Em um hectare de terras plantava-se 2.000 pés de Pinus. Entrei nessa empresa em 1968 e saí em 1979. A área de plantio ficava em Guarei, eram 5.000 alqueires de área plantada. Em Agudos foi feito um reflorestamento com abacate, uma empresa francesa que produzia óleo de abacate para uso em cosméticos projetou uma indústria para produzir o óleo no Brasil. Só que após termos plantado os pés de abacate a matriz francesa deve ter passado por alguma reestruturação e desistiu de montar a indústria no Brasil. Em 1973 eu já tinha a intenção de mudar minhas atividades, me associei a um primo, José Antonio Monteiro com o Depósito de Materiais de Construção Santa Rita, situado na Avenida Piracicamirim; 2.562. Em 1979 vendi a minha parte no depósito de material de construção e montei uma fábrica de rações para pássaros a Cisne, fabricava vitamina para pássaros, rações específicas para cada tipo de pássaro, embalava sementes de diversos tipos como girassol, colza, níger. Gosto das cores das aves, mas não tenho nenhuma gaiola, a fábrica era nos altos da Rua Moraes Barros, havia bastante procura de produtos. Um banco espanhol instalou-se no Brasil, ele dominava na Espanha a área de rações para pássaros, quis fazer o mesmo no Brasil, foi comprando todas as pequenas fábricas, inclusive a minha. Na época eu tinha ao mesmo tempo um depósito de ferro velho, no Jardim das Flores, na Avenida Raposo Tavares.


Qual foi sua próxima iniciativa comercial?


O Luis Chorilli tinha uma empresa na Rua XV de Novembro com Silva Jardim, acabei me associando a ele na venda de abrasivos e outros produtos. a NM Abrasivos, N de Nelson e M de Marcos, filho de Luiz Chorilli. Permaneci nessa empresa de 1980 a 1982. Montei minha oficina própria voltada para abrasivos e manutenção de ferramentas, isso em 1982 a 1983. e onde estou até hoje. .No inicio ela funcionava na Rua Lauro Alves Catulé, próxima a Avenida Alberto Vollet Sachs, mudei para a Rua D. Pedro I, transferi para a Rua Manoel Ferraz de Arruda Campos, fui pata a Rua Treze de Maio, mudei para a Rua Voluntários esquina com a Rua Silva Jardim e finalmente vim para a Praça da Bandeira.


Como surgiu o Teleresponde?


Era uma época em que a inflação era grande, comprava-se uma máquina por 10 vendia por 13, para repor no estoque pagava-se 14. A oficina com a mão de obra é que mantinha o negócio. Fazendo cursos percebi que na mão de obra poderia ganhar dinheiro. Em 1987 comecei a estudar o que veio a ser o Teleresponde.


Como surgiu essa idéia?


Senti que a informática era o futuro, em 1978 eu já tinha feito um curso de informática, tempo do cartão ´perfurado, como foi o início da Loteria Esportiva. Fiz o curso no Piracicabano, o professor vinha de São Paulo para lecionar BASIC , COBOL Eu estava estudando a melhor forma de aproveitar o uso do computador, uma noite vendo o programa Fantástico apareceu Honório Cardoso, de Pato Branco, Paraná. Na época Pato Branco deveria ter no máximo 3.000 telefones, Honório tinha parte do corpo paralisado, era cego, tinha desenvolvido melhor a memória, uma senhora lia a lista telefônica para ele que a memorizava. As pessoas ligavam para ele perguntando qual era o número do telefone de determinada empresa, ele falava. Pensei: “Se ele faz isso com a cabeça eu posso fazer com o computador onde posso armazenar a quantidade de informações que quiser. A parte comercial eu tive que desenvolver. Achei um serviço dessa natureza na França, Em São Paulo tinha algo parecido, mas de forma pontual e precário. Hoje tenho empresas conveniadas que tem a preferência da informação. O primeiro equipamento foi um Itautec 286, cinza, adquiri em 24 parcelas, foi onde iniciei a digitação. Todo negócio tem seus detalhes, devem ser estudados oferecendo vantagens ao consumidor.


Existem serviços semelhantes em outras cidades?


Muitos. Fui o pioneiro. Nós informamos o telefone pelo nome fantasia. Atualmente recebemos 30.000 ligações por dia através do telefone que funciona todos os dias das sete horas da manhã até as 23 horas, No site são 120.000 acessos por mês. Dia 2 de abril iremos fazer 22 anos de atendimento. Em Piracicaba de segunda a sexta feira muda-se os números de 15 telefones comerciais por dia.


Qual é a relação da sua família com a Vila Monteiro?


Meu avô Antonio Monteiro veio de Portugal, casou-se com Elvira Belinatti Monteiro, foram morar na Lapa, em Rio das Pedras onde montou um engenho de pinga. Vizinho ao engenho de pinga morava o irmão da minha avó, da família Zandoná. Meu pai ia passear lá, acabou conhecendo a minha mãe e casaram. Meu avô vendeu o engenho de pinga e veio para Piracicaba, comprou uma chácara que ia das atuais ruas XV de Novembro até D. Pedro II na altura da Rua Silva Jardim, era uma área equivalente a três quadras. Ele vendeu em partes essa área e adquiriu uma área que ficava entre a Avenida Piracicamirim, Coriolano Ferraz do Amaral, João Bottene englobava uma área de quatro a cinco quadras. Lá ele cultivava vaca de leite, banana, e outros produtos. Após um determinado tempo ele loteou essa área que automaticamente passou a se chamar Vila Monteiro. Há uma placa na Avenida Piracicamirim esquina com a Rua Coriolano Ferraz do Amaral em homenagem ao meu avô. Ele construiu diversas casas onde até hoje residem muitos membros da família Monteiro, inclusive o Professor Moacir Nazareno Monteiro, filho de Pedro Monteiro, irmão da minha mãe e meu primo, reside na Vila Monteiro.


A família Monteiro é composta por muitos familiares?


É grande, só que existe vários ramos. Há Monteiros e Monteros. A origem do Monteiro português vem do hábito do rei de Portugal de caçar raposas. Para que isso acontecesse havia cavaleiros que preparavam a raposa a fim do rei atirar. Eles achavam a raposa, com o auxilio de cavalos, cães e conduziam-na em direção ao rei. Esses cavaleiros moravam em uma colônia, quando o rei chegava a sua casa de campo dizia: “Avise os monteiros que amanhã cedo iremos caçar raposas. Todos que nasceram naquela colônia passaram a ter o sobrenome Monteiro.


Qual foi o próximo passo do seu avô após lotear a área?


Vendeu lotes, construiu casas que passou a alugar e construiu uma boa casa onde até hoje reside um dos meus tios.


Sua paixão por filatelia começou quando?


Quando eu fazia o curso primário, no sítio, colecionava figurinhas de jogador de futebol, marcas de cigarros. Aos 15 anos comecei a colecionar selos, aquele papelzinho me chamava a atenção. As cartas que chegavam a empresa geralmente eram abertas por mim, com isso acabava aproveitando o selo que iria para o lixo. Descolava o selo com água ou vapor. Na época a moda era tirar o selo da carta. Hoje tem mais valor o selo na carta. Tenho alguma coisa de moeda. Na verdade gosto mais da literatura sobre filatelia e numismática do que o objeto em si. Coleciono cartão telefônico, devo ter uns 20.000 cartões telefônicos. Fichas telefônicas eu tenho de todos os estados brasileiro. Aparentemente são iguais, a partir do momento em que se aprofunda a análise descobre-se variações muito grandes, tudo em função do peso de cada ficha. O Clube Filatélico e Numismático de Piracicaba foi fundado em 15 de outubro de 1963. Sou filatelista há 50 anos. Existe a FEFIESP Federação Filatelica do Estado de São Paulo, a FEBRAFI Federação Brasileira de Filatelia, a FIP Federação Internacional de Filatelia. Existe uma sociedade americana de filatelia a qual é associada a FEFIBRA. Através da filatelia adquire-se conhecimentos em todas as áreas. O selo não é feito ao acaso, é feito com um propósito e muitas vezes demoram de oito a dez anos para ser lançado.


Quem pode ser o tema de um selo?


No Brasil pessoas vivas não podem ser homenageadas em selo, com exceção do presidente da república após ter deixado a presidência. Apena um ou dois ex-presidentes do Brasil não foram homenageados com sua imagem impressa em selo. Sarney, Collor, Fernando Henrique, Lula após seu primeiro mandato todos tiveram selos em sua homenagem, Existe uma coleção de selos só de presidentes do Brasil. O Pelé tem selo em sua homenagem, só que ele está de costas, porque não pode sair de frente pessoas vivas. Cielo tem selo, só que estilizado. Os selos são fabricados na Casa da Moeda, com papel moeda.


Há falsificação de selos postais?


Em Belo Horizonte ocorreu falsificação de selos. Para o colecionador após uma época ele passa a ser valorizado. Assim como moeda com defeito, desde que seja “flor de estampa”, ou seja, ela não tenha sido usada ou gasta. No Brasil um dos selos mais valiosos é o “Olho de Boi”. Existe um selo das Guianas, é um único exemplar, é de valor único. O penny black foi o primeiro selo postal do mundo feito pela Inglaterra em 1840. O Olho de Boi foi lançado pelo Brasil em 1 de agosto de 1843, é o segundo selo que circulou no mundo. Existe um segundo selo, que circulou em apenas em uma região da Suiça. O Brasil lançou o terceiro selo, mas de circulação mundial foi o segundo.


Piracicaba sediou exposições filatélicas?


Foram feitas diversas exposições, a primeira exposição do Brasil, de um quadro só, foi feita no Teatro Losso Neto. Para se fazer uma coleção e participar de uma exposição patrocinada por federações, tanto do estado, do Brasil como do mundo, tem um ranking, e existem as normas, uma dessas normas é ter cinco quadros que são 80 folhas A-4 de selos. Em cada quadro são 16 folhas A-4. Surgiu uma nova norma: um quadro, com um tema e apenas 16 folhas A-4. A primeira exposição do Brasil, de um quadro, foi feita em Piracicaba.


Atualmente os jovens têm interesse por selos?


Há uma sequência normal, até os 12 anos o jovem admira selos, isso o ajuda muito na escola. Depois que ele passa por essa fase, abandona um pouco os selos. Já adulto, com sua educação completa, ele volta a ter um pouco de interesse pelos selos. Aos quarenta anos retorna seu interesse pelos selos.


Para o colecionador selo é uma espécie de cachaça?


Torna-se um hábito.


Existe um mito de que colecionar selos pode significar no futuro uma grande importância financeira acumulada com as estampas.


Conheço pessoas que guardaram 200 selos do Pelé. Não tem nenhum valor financeiro. Alguns compravam folhas de selos. Pode até ter um valor um pouco maior fora do Brasil, só que ele terá o custo de ir até outro país. No Brasil temos colecionadores qe se dedicam a selos de um determinado país, os temáticos, esses selos podem ser um pouco mais valorizados por causa da sua antiguidade. Angelo de Lima é um dos grandes colecionadores do Brasil, tinha a maior coleção de selos do Império Português, ele a vendeu. Quantos anos foram necessários para realizar essa coleção, os custos, se somar isso tudo o valor de venda pode não ser tão compesatório. O que ele de fato acumulou foi conhecimento.


Quantos membros tem O Clube Filatélico e Numismático de Piracicaba?


Uns cento e oitenta colecionadores. Sem o clube filatêlico não é possível realizar uma exposição, uma coleção dever passar por uma exposição municipal, regional, estadual para fazer isso tem que ser sócio de um clube filatélico que é associado a uma federação estadual de filatelia. Depois pode participar de uma exposição nacional através da FEBRAFI Federação Brasileira de Filatelia. Para expor fora do estado de origem tem que ser filiado a FEBRAFI, se for expor fora do Brasil tem que se filiar a FIP Federação Internacional de Filatelia.


Qual é a origem da família Spada?


Grécia. Eu pensava que era Itália, pesquisando descobri que na Ilha de Creta fabricava-se espadas. Pela internet é possível verificar em Creta o grande número de estabelecimentos comerciais com a denominação Spada.


Isso significa que o senhor é também descendente de gregos?


Mediante a análise exposta, acredito que sim. Com as invasões muitos gregos imigraram para a Itália. É um país onde o sobrenome Spada é tão comum como Silva no Brasil.


O senhor tem uma incursão na área de fabricação de veículos?


Já fabriquei três réplicas do Porsche Spyder 350.


Como surgiu a sua disponibilização de livros na internet?


Eu gosto de histórias de cidades, coleciono livros de histórias de cidades, devo ter uns 450 volumes, alguns autores só fizeram um livro. Geralmente tenho mais de um exemplar do mesmo livro, como forma de manter viva essas histórias coloco a disposição pela internet, em um site, onde comercializo o exemplar excedente.


O senhor criou um site também?


É o site do Teleresponde, onde tem as buscas e uma página de matérias que recebe cinqüenta por cento das visitas ao site. Esse site existe há quase 10 anos, há treze colaboradores com matérias diversas.


Um dos seus grandes incentivos é para o chamado Troféu Caipira?


É o Troféu dos Melhores do Ano na Imprensa e no Esporte coordenado pelo Dinival Tibério. Nossa empresa faz as pesquisas pela internet, os certificados, trabalhos de divulgação, já estamos no décimo sétimo ano.


Com tantas atividades nas mais diversas áreas, como o senhor vê seu empreendedorismo?


Às vezes penso que não sou eu que estou fazendo isso, deve ter alguma força maior ajudando. Estamos trabalhando em um processo para conseguir fazer o selo de 100 anos do XV de Novembro.


Nelson, o senhor é considerado um bom profissional de marketing?


Marketing e criatividade; Já fui convidado por uma empresa de marketing de São Paulo para trabalhar lá. Era para não fazer nada. Só pensar. Isso a uns cinco ou seis anos.


Curitiba tem a celebre “Boca Maldita” na Rua das Flores, Piracicaba tem uma representação congênere?


Na Praça da Catedral esquina com a Rua Moraes Barros, embaixo da marquise do Banco do Brasil há uma série de bancos onde se sentam alguns amigos. Passam ali, por dia 80 ou mais pessoas conhecidas. Isso de manhã até a meia noite, uma hora da madrugada. Uns param ali 10 a 15 minutos, outros permanecem por mais tempo. São pessoas diferentes em horários distintos. Durante o dia é comum encontrar o Carlão Energia, o Arthêmio de Lello, a noite dificilmente eles se encontram lá. A cada horário há pessoas diferentes, de todos os cantos da cidade. Ali todos se informam de fatos acontecidos nas mais diversas partes da cidade. Às vezes alguém quer uma informação, os que estão lá não sabem responder, mas dizem que logo o fulano irá chegar e poderá dar a informação correta. È um encontro natural de pessoas que se conhecem e onde se sabe das notícias e fatos que ocorrem na cidade e nem sempre são divulgados pela mídia. Os que freqüentam aquele local à noite colocaram informalmente a denominação de “Turma do Sereno”, reunir-se ali é uma tradição há dezenas de anos.







Arquivo do blog