Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, junho 16, 2013

ALAIDES PUPPIN RUSCHEL

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 15de JUNHO DE 2013.
Entrevista: Publicada aos sábados na Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/


ENTREVISTADA: ALAIDES PUPPIN RUSCHEL




A artista plástica Alaídes Puppin Ruschel é a representação gritante do potencial do ser humano e em especial do Brasil. Com sólida formação acadêmica em área totalmente diversa, mais uma vez ela prova que os gênios não se limitam, alimentam-se do saber, seja qual for sua origem. Durante décadas atuou em pesquisas científicas. Quando encerrou sua atuação profissional, quase por acaso, se é que existe acaso, descobriu ser exímia escultora, com composições de vanguarda, obras inovadoras, formas coerentes e arrojadas. Peças de volume respeitável, compostas por materiais diversos se interligando em perfeita harmonia, Alayde, seu nome artístico, sem nunca antes ter tido contato com esculturas, aos 60 anos iniciou uma carreira de artista plástica gloriosa, fundamentada em rigor científico e extrema sensibilidade. Alayde não é apenas uma artística plástica a mais no mercado, nem uma senhora da sociedade que ocupa seu tempo ocioso com figuras imaginárias. Ela é o verdadeiro exemplo da energia que cada ser humano tem em seu interior. Premiada e homenageada, em Piracicaba, no exterior, infelizmente ela segue a trilha determinada pela sina dos que fazem arte com vocação: o verdadeiro valor do artista só é reconhecido de fato após deixar de existir fisicamente. Seja por falta de conhecimento das obras do artista, por ego envaidecido de terceiros, por fatores culturais, interesses comerciais, grandes nomes vão para a vala comum até que algum estudioso resgata seu valor e o coloca em seu merecido lugar. É então declarada a temporada de caça a obras do artista, alcançando às vezes cifras inimagináveis. São incensados no altar da fama e glória.
Filha de Santos Puppin Neto e Emília Bressan Puppin, nasceu a 12 de dezembro de 1931, no distrito de Araguaia, pertencente ao município de Alfredo Chaves, no estado do Espírito Santo. São seus irmãos Luiz Puppin Neto e Edson Puppin. Seu pai era agricultor, com a crise do café ele enfrentou uma derrocada, que o levou a trabalhar na cidade de Cachoeiro de Itapemirim onde passou a ser vendedor de títulos de capitalização, profissão que o levou a morar em Itajubá, no sul de Minas Gerais.


Que idade a senhora tinha quando a família transferiu-se para Itajubá?


O curso primário eu fiz em Cachoeiro do Itapemirim, no Grupo Escolar Graça Guardia, em Itajubá fiz o ginásio e o científico. Meu pai incentivava-nos a estudar. Éramos pessoas simples, sem grandes recursos que permitisse ir estudar longe de casa. Eu tinha uma amiga, Elenita Sobral do Nascimento, cujo pai, Augusto, era militar, e ele a levou até a escola de agronomia onde até hoje ela é professora, situada próxima a 47 quilômetros do Rio de Janeiro, distrito de Campo Grande, era a Escola Nacional de Agronomia. Ela iniciou na Praia Vermelha, no Rio de Janeiro, depois foi transferida para esse local, um campus construído pelo paulista Fernando Costa.


Em que ano a senhora prestou o vestibular?


Foi e 1951 e formei-me em 1955 como engenheira agrônoma.


Na época não era comum mulher estudar agronomia.


Era raro. Naquela época houve um “boon” dentro da universidade porque uma escola da Colômbia fechou, muitos colombianos vieram para cá, éramos três alunas, eu, a Elenita e outra aluna isso no meio de outros 55 alunos do sexo masculino. Moramos em um alojamento que tinha sido construído naquela época, dentro da própria escola. Os rapazes, todos moravam nos alojamentos antigos, mas as meninas não tinham alojamento próprio, então foi feito um alojamento feminino, enquanto isso nós moramos a dois quilômetros da escola, o Ministério da Agricultura tinha muitas casas onde residiam seus funcionários. Íamos à escola de carona, desde aquela época aprendi que a carona é uma das coisas politicamente correta de ajudar as pessoas. De manhã vinha um carro e nos pegava, morávamos em sete moças nessa casa. À tarde esse carro nos trazia, se quiséssemos vir almoçar em casa tínhamos que conseguir uma carona. Embora na escola houvesse um refeitório maravilhoso.


Ao formar-se em que local a senhora foi trabalhar?


O único jeito era trabalhar no Ministério da Agricultura. Lá existia o Instituto de Ecologia, era antigo, tinha vindo da Praia Vermelha. Fui trabalhar com microbiologia do solo, tinha uma alemã chamada Johanna Döbereiner (Johanna Liesbeth Kubelka Döbereiner), no tempo da guerra ela refugiou-se no Brasil, mas ela tinha feito cursos semelhantes a agronomia, ela tinha estudado com um francês muito importante no estudo de microbiologia do solo. Ela trouxe todas as práticas que eram feitas no laboratório, fomos indicados a trabalhar e conhecer bacterias que fixavam nitrogênio do ar. Nós respiramos o nitrogênio existente no ar, assim como oxigênio, carbono. Mas nós só usamos o oxigênio. O nitrogênio que está no ar tem a fórmula N2, ele passa pelo nosso organismo e não faz nada. Existem umas bactérias que são responsáveis por tudo isso que você vê de natureza. Essas bactérias pegam esse nitrogêncio e transformam em amônia, que é um produto que toda planta precisa ter para se formar a proteina, que é oxigênio, nitrogênio e hidrogênio. Toda a fotosintese é dependente desse nitrogênio que é assimilado do solo. Essas bactérias são as mais importantes para a formação de toda a natureza.


Isso significa que bactéria não são só prejudiciais?


Posso lhe dar uma aula sobre os benefícios realizados pelas bactérias. Ela está no seu corpo, estômago, intestino, são as bactérias e fungos existentes em nosso corpo que fazem com que ele funcione e absorva tudo que é bom. Quem destroi o lixo? São as bactérias, os fungos, os microrganismos. São os seres mais poderosos e benéficos para o homem e para a natureza toda.


O homem tem consciencia disso?


Nós que estudamos isso sim, mas eu tenho a certeza de que a maioria dos seres humanos não sabe disso. É ilógica a pecha que dão aos microorganismos como destruidores. O nosso pão, só fermenta e se transforma em pão por causa de um fungo.


Como a senhora vê a industrialização dos alimentos, a existência de produtos enlatados, por exemplo?


Acho isso até certo ponto bom. Pessoas que não estão convivendo na natureza podem ter certo tipo de alimento. Só me revolto quando vejo quem vai levar todos os dias alimento aos quinze milhões de habitantes que moram em São Paulo. Quem? É o fruto do trabalho do homem que está no campo que vai chegar através de algo que é uma rodovia, onde milhares de pessoas estão trabalhando para trazer isso para cá. O homem não pensa. Como por exemplo, quando destruiu toda a via férrea no Brasil, o que ele fez de prejudicial ao nosso país. Hoje gastamos tanto combustível para transportar tudo, estamos poluindo a natureza. Eu vivi essa época, nós já tínhamos as estradas de ferro, mas começamos a importar o petróleo dos Estados Unidos. O solo do Brasil central é um solo paupérrimo e tem deficiência só de um elemento: o zinco. A EMBRAPA se expandiu através de Brasília, alguém que veio do exterior, fazendo pesquisas no solo descobriu que tinha que colocar zinco. A agricultura se expandiu, agora temos a melhor agricultura do mundo.


O Brasil tem petróleo?


Tem e muito! Sabemos que na Amazônia há muito petróleo.


No Nordeste pode haver muito petróleo?


Acho que pode ser que tenha. O petróleo é fruto das grandes florestas que haviam em um passado muito remoto, sucumbiram, os microorganismos produziram o petróleo que é a decomposição de toda matéria orgânica. Aquilo que foi enterrado. A nossa capacidade de trabalho é muito grande, um exemplo disso é a EMBRAPA.


O fato do Brasil mais do que duplicou a sua população em um curto espaço de tempo é um fator positivo?


Acho que só seria positivo se a população tivesse condições de receber uma educação perfeita. Atualmente está se tentando fazer isso, o governo tem oferecido escolas boas como SESC, SENAI, ETEC, está tentando melhorar o ensino primário, mas não consegue melhorar o salário dos professores. Se esse processo evoluir como é feito pelo americano, aonde as crianças vão para a escola onde permanecem oito horas por dia, as crianças recebem uma alimentação adequada, muito boa, praticam esportes. No Brasil só se pensa que o aluno vai para a escola para estudar. Ler. O professor não tem nem a capacidade de fazer isso porque ele não tem instrumentos. Enquanto não isso não existir no Brasil no sentido de que ela evolua sem ser pela televisão, que só traz coisas erradas. Eu tenho pena da juventude atual.


Há estatísticas que apontam que a maior fonte de lazer da população brasileira é a televisão.


As mensagens que são passadas através das novelas são criticas. Tudo é uma negação. A mensagem que eles estão passando agora, meninas com 12 anos apresentando uma sensualidade fora do normal. Não é uma questão de moralismo, é definição do que é certo e do que é errado. O certo é não ser desse jeito. Eu assisto a novelas da TV Globo, ela tenta passar uma coisa de arte, os atores são bons, os diretores também são mais ou menos bons, quem escreve uma novela é que deturpa as coisas. O pensamento do homem em chamar a mídia dentro das casas.


Na opinião da senhora os autores de uma novela a deturpam?


Deturpam! Impõem um pensamento negativo.


Em seu ponto de vista há interesses externos de que o Brasil não avance em seu progresso?


No passado, tempo de D.Pedro II, os europeus vieram para o Brasil, fizeram várias coisas boas, mas também levaram muitas riquezas do Brasil. Quando vou à Europa e vejo lugares com aquele ouro todo, fico pensando: “Meu Deus! Veio lá da minha terra!”. Consegui através do estudo, melhorar muito meu entendimento do mundo. Meu pai gostava de ler, comprava jornais, líamos, quando eu perguntava algo, porque determinada coisa estava acontecendo ele dizia: “– Minha filha leia sempre nas entrelinhas!” Se você ler um jornal você tira suas conclusões, A imprensa deveria ser sucinta, dando a mensagem correta e final.


A senhora acessa a internet?


Através do Google consegui acessar dois PowerPoint muito interessante. O local da ciência também me instruiu bastante. As noticias veiculadas pelo meio eletrônico é só no sentido negativo.


Qual é a opinião da senhora sobre a construção dos estádios para a Copa de Futebol?


Me lembro do dia em que foi aprovado que a Copa viria para o Brasil, o Lula fazendo aquela festa toda. Eu pensei: “-Será que essa pessoa não esta sabendo o que está acontecendo no Brasil?” E agora está acontecendo! Dinheiro jogado fora! Algumas pessoas irão frequentar aqueles estádios, algumas vezes, vão ficar felizes ou infelizes. Esse dinheiro poderia ser canalizado para pesquisa de alta tecnologia.


O Brasil tem fontes de pesquisas?


Eu acho que tem, mas tudo direcionado para ganhar dinheiro. O pesquisador tem que ser protegido, através do seu trabalho é que tudo evolui. Até a política pode evoluir.


Há interesse político em evoluir?


Diante agora da competição com outros núcleos na Europa, Estados Unidos, eu acho que deveria haver um interesse.


A senhora aposentou-se em que ano?


Aposentei-me em 1994, na EMBRAPA. Trabalhei 38 anos como agronoma, hoje os grandes agricultores estão apoiados na EMBRAPA. A EMBRAPA foi criada no Rio de Janeiro, nessa ocasião eu trabalhava no Instituto de Ecologia, houve um grande movimento da EMBRAPA ser fundada dentro do Ministério da Agricultura, muitos pesquisadores americanos chegaram ao Brasil e viram que nós tinhamos uma agricultura o ano inteiro, issso abriu os olhos dos brasileiros, tinha um instituto que trabalhava com a cana-de-açucar ha trinta anos no Ministério da Agricultura, em Campos. Eles viram o potencial que existia no Brasil para tudo. Fundou-se a EMBRAPA em 26 de abril de 1973, o banco de germoplasma, todas as sementes do Brasil, ia ser em Piracicaba, meu marido Renato Ruschel foi convidado para ser o presidente. Éramos colegas de turma e casamo-nos em maio de 1957 no quilômetro 47 da Via Dutra, Estrada Velha Rio-São Paulo, a igreja era dentro do anfiteatro da universidade. Tivemos quatro filhos: Regina Celi, Ricardo Henrique, Rosane e Roberto.


A senhora chegou a fazer cursos fora do Brasil?


Fiz o meu Master of Science nos Estados Unidos, na Purdue University Soil Science. Quando fomos já tínhamos quatro filhos, sendo que o mais novo tinha sete anos. Permanecemos lá por dois anos e pouco. Meu marido fez PhD. Quando voltei fiz doutoramento na ESALQ. Ai fui trabalhar no CENA, onde permaneci por 10 anos., trabalhava com microbiologia. Voltei para a EMBRAPA onde permaneci por mais 10 anos. Tive projeto durante doze anos, eu ia à Viena representar o CENA.


Em que ano a senhora mudou-se para Piracicaba?


Foi em 1971, tinha ocorrido a queda do Comurba, não havia quase edifícios na cidade.




 
 

Quando a arte passou a ser uma atividade para a senhora?


Começou quando eu estava para me aposentar em Goiás. Eu gostava muito de Goiânia, tenho muitas saudades de lá. Construímos uma casa em Caldas Novas, havia umas freiras que tinham uma espécie de mini hotel, no período em que estávamos construindo ficávamos hospedados lá. Eram dominicanas, fizemos uma amizade maravilhosa, nos fins de semana ou feriados nós íamos lá. Após a conclusão da nossa casa íamos fazer as refeições no mini hotel das freiras. Um dia uma das freiras me disse “-Alaides, queria que você levasse esse santo para a Irmã Letícia consertar!”. Ficava no centro de Goiânia, onde moravam essas freiras dominicanas. Levei esse Cristo para essa freira consertar, estava todo quebrado. Quando cheguei lá não encontrei a freira, mas deixei o Cristo lá. Na outra semana fui lá e peguei o Cristo, coloquei no meu colo, abri o embrulho, vi que era tão lindo! Mas era tão lindo! Até hoje tenho aquela imagem na minha cabeça. Pensei: “-Vou aprender a fazer isso!”. Falei com a freira de Goiânia, pedi que me apresentasse à Irmã Letícia. Em um sábado falei com ela: “-Eu queria aprender a fazer esculturas, pinturas”. Ela disse-me; “-Toma esse pedaço de barro e faça alguma coisa para que veja como você faz. Na semana seguinte levei um rosto de boneca que eu queria dar de presente para a minha neta. Ela pegou, olhou, falou assim: “-Alaides, não está bom! Você vai melhorar!”. Tive mais duas aulas com ela, ai soube que lá perto tinha um escultor que era filho do presidente do Lions que nós pertencíamos. Falei com esse rapaz se ele podia me ensinar a fazer esculturas maiores, ele me ensinou por três aulas. Aprendi a fazer esculturas grandes. Ele “queimou” a minha primeira peça. Trouxe essa peça para cá, soube que vinha uma pessoa de Campinas à Piracicaba para fazer na fundição a queima das peças dela. Fiquei lá uns quatro a cinco meses. Fui fazendo as minhas peças, fui crescendo, via as peças do pessoal que vinha do exterior e produzia esculturas. Assim fui evoluindo. Sozinha. O prateado das escultura é uma liga de alumínio com sílica, nunca fica escuro. Algumas peças são só em alumínio. Eu faço a minha peça na argila, quando a queimo vira cerâmica. É o mesmo principio de fazer tijolo, pega-se o barro, põem no forno e queima. Eu levo para a fundição a cerâmica ou só no barro mesmo. Eles tiram o molde e fazem o que eu quero.




Isso aqui em Piracicaba?


È a Fundiarte, a melhor fundição da América do Sul. Vem pessoas de todo lugar para fundir suas peças ali. Esse negócio de fundir em uma só peça prateado com dourado fui eu que comecei. Na minha tecnologia eu uso o buraco, chamo de “buraco vazio”, eu pintei o buraco com tinta automotiva. Com isso dei uma nova estrutura na minha obra. Eu uso a linha helicoidal. Há escultores que realizam obras sem nenhum vazio. O meu primeiro trabalho está em nosso museu no Lar dos Velhinhos, eu o levei para a Europa, ele foi apresentado lá. Fui assistir a abertura da mostra, em Roma, tinha muita gente em volta da minha obra e não tinha gente em volta da obra de ninguém. Sabe por que? Porque tinha essa tecnologia: bronze e alumínio. Todos que estavam lá eram artistas plásticos da cidade que queriam ver a artista que tinha feito aquela obra. Isso foi em 1975. Eu fiz isso porque o Luiz da Fundiarte me ajudou a fazer, aqui em Piracicaba! Lá eu ganhei o primeiro prêmio. Tenho obra que ganhou medalha de bronze em São Paulo., no Salão Paulista de Belas Artes. Tenho vários prêmios, até medalha de ouro.








BIGETO - JOSÉ ADROALDO GUIDOLIN

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 18 de maio de 2013
Entrevista: Publicada aos sábados na Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/


ENTREVISTADO: BIGETO - JOSÉ ADROALDO GUIDOLIN




José Adroaldo Guidolin é a pessoa mais indicada para falar de uma figura lendária em Piracicaba há algumas décadas, o seu pai, Bigeto. O escritor, historiador e jornalista Cecílio Elias Netto chegou a experimentar e registrar as delícias gastronômicas do bar do Gigeto. Publicou em 9 de dezembro de 2004 um belo texto sobre elas: “Massas suculentas acompanhadas de caipirinha e cerveja. O inesquecível bar do Gigeto, na Rua Moraes Barros, próximo a Igreja Bom Jesus. Era bar, restaurante, casa de massas, com o inevitável e essencial espaço para jogo de bocha.”- Cecílio prossegue: “ Quem não comeu dos pratos preparados pelo Bigeto perdeu a alegria de saborear, por exemplo, polenta de reis. O Tone Kraide testemunha ocular de nossa história, no seu fulgor octogenário ainda conta com detalhes como foi o grande jantar do Bigeto, aos piracicabanos campeões do mundo de 1958. De Sordi e Mazolla. Duvido, porém, houvesse mulher boba ou inteligente, não importa, que resistisse ao encantamento rústico de um jantar no Bigeto: macarronada com sangria, sabe lá o que é isso madama? E filé com fritas e cerveja? Ou bife a cavalo com caipirinha? Haverá, ainda, quem saiba fazer bife a cavalo?” O autor prossegue: “Sangria do Bigeto, essa foi para poucos”.


Mário Guidolin, o Bigeto, nasceu em Rio das Pedras, a 13 de maio de 1917, exatamente no dia do aparecimento de Nossa Senhora de Fátima aos três pastores em Portugal. Mário casou-se com Leonésia Galesi Guidolin, tiveram os filhos José Adroaldo Guidolin e Creuza Maria Guidolin. A origem da família é Padova, na Itália, José Guidolin e Antonia Pesato Guidolin, tiveram os filhos: Renato, Filipe, Romilda, Angelina, Adele, Paula, Mário (Bigeto), Antonio Durvalino. Imigraram para o Brasil instalando-se em Rio das Pedras. Grande parte da família foi para a cidade de São Caetano do Sul, onde havia muitas fábricas de cerâmicas, porcelanas, a industrialização estava florescendo, foi na época em que havia muitas vagas para trabalhar na General Motors, praticamente todos os seus tios trabalharam na General Motors em São Caetano do Sul, isso foi na década de 40. Quando menino passava as férias em São Caetano do Sul. Permaneceram em Piracicaba os filhos Mário, Paula e Antonio Durvalino.


 

O senhor lembra-se onde morava a sua avó, em Piracicaba?


Após morar inicialmente em Rio das Pedras a família mudou-se para Piracicaba, sendo que a maioria foi trabalhar em São Caetano do Sul. Na minha infância eu ia com freqüência na casa da minha avó, ela morava em uma casinha na Avenida Independência, logo após a curva do Lar Franciscano de Menores. Não era asfaltada, a casa era bem pequena, tinha um banco de pedra na frente e ao lado uma árvore que fazia sombra. Meu avô trabalhava como jardineiro em Piracicaba, ele faleceu em setembro de 1940. Permaneceram em Piracicaba os filhos Mário, Paula e Antonio Durvalino.


Onde o senhor iniciou seus estudos?


Foi no Grupo Escolar Dr. Alfredo Cardoso, situava-se na Rua São José, onde mais tarde foram as instalações do Café Morro Grande. Depois passou para a Rua Moraes Barros onde permanece até hoje. Minha primeira professora foi Dona Olga Iatauro, mãe do médico Dr. Carmo Iatauro. Outras professoras foram: Dona Lourdes, Dona Belica Canto, Dona Branca Sachs Motta de Toledo. O ginásio eu fiz no Colégio Salesiano Dom Bosco que ainda não era no Bairro Alto, funcionava em um local emprestado que nós chamávamos de “coléginho”, ficava na Paulista, vizinho a Igreja dos Frades. Mais tarde ali funcionou o Grupo Escolar Dr. João Conceição e em seguida o Colégio Dr. Jorge Coury. Eu pegava o ônibus da Viação Marchiori, o Circular, na esquina do Orlando Françoso, na Rua Moraes Barros esquina com a Rua Visconde do Rio Branco descia na esquina da Igreja dos Frades. Entrei no Colégio Dom Bosco em 1951. Eles construíram parcialmente o novo prédio, estudei lá até 1958. Em 1959 prestei vestibular na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Não passei, voltei para Piracicaba. Alguns colegas disseram que era o único ano que estava tendo a segunda chamada na ESALQ, as 80 vagas não tinham sido preenchidas. Prestei vestibular, escrito e oral. A prova oral era constituída por uma banca com três professores, eles chamavam o candidato que retirava um ponto, era um saquinho com números de 1 a 15, por exemplo, eu retirei o número 12, tive que falar sobre o Teorema das Forças Vivas. (Relação entre o trabalho mecânico e a energia cinética, forças vivas era a expressão antiga para energia cinética). Quem deu esse ponto para mim foi um dos professores da banca: Jesus Marden dos Santos. Fui até a lousa demonstrar o teorema. Em 1960 entrei no primeiro ano de agronomia da ESALQ.


O seu pai exerceu diversas atividades, sendo uma pessoa muio conhecida em Piracicaba.


Meu pai foi padeiro por muito tempo, ele não fabricava o pão e sim entregava pela cidade toda, com carrinho de tração animal. Trabalhou na Padaria Bom Jesus, do Juca Monteiro. Nessa época deveia ter seus vinte e cinco a vinte e seis anos. Depois ele trabalhou por longo tempo na Fábrica Aurora como vendedor de macarrão, massas, bolachas e biscoitos de pão de mel. A Fábrica Aurora ficava na hoje Rua Dona Felisbina Monteiro, no Largo do Bom Jesus. A concorrente era a Cacique. Era um concorrente forte, uma empresa dirigida por uma mulher, naquele tempo uma novidade, era Dona Augusta Maicon. Parece que a fábrica Aurora era maior em tamanho e produção. O logotipo da fábrica tinha um galo, por isso se chamava Aurora, o galo cantava na aurora. Meu pai deixou o carrinho de tração animal que entregava o pão e passou a trabalhar com um caminhão. Devia ser um furgão Ford da década de 40. O caminhão era pintado de azul escrito “Macarrão Aurora” Depois tinha uma faixa onde estava escrito: Massas, bolachas, biscoitos e pão de mel. A bolacha Maria era tradicional, havia o macarrão comum, o cortado, o Padre Nosso, o macarrão Ave Maria, usado mais para fazer sopa, não chamava espagueti, chamava macrrão comprido, vinha em uma pacote azul, pesava um quilo. Quando eu estava de férias ia ajudar meu pai, mais por brincadeira. Quanto macarrão comprido meu pai vendeu, ele conhecia os armazéns da cidade inteira, hoje foram sustituidos por quatro ou cinco supermercados.


José, lembra-se de alguns desses armazéns?


Subindo a Rua Moraes Barros havia o Munhoz, era o maior armazém da época, meu pai vendia para ele. No Bairro Alto tinha o Zé de Freitas, depois tinha o Orlando Françoso, em seguida vinha o Luiz Guirado, que era vizinho do Cemitério da Saudade. Na Vila Rezende, no começo era o Luiz Viliotti, no centro, o Dova, na rua Governador tinha o Café Brasil, de propriedade de Lélio Ferrari., proprietário do Armazém Brasil. Na Rua Benjamin Constant tinha a Casa Nê. Um pouco antes do meu pai trabalhar na Aurora ele trabalhou com o Zézinho Hellmeister que tinha uma fábrica de mortadela, onde mais tarde veio a ser o Bar do Bigeto, quase me frente ao Bar Cruzeiro, na Rua Moraes Barros.


O senhor chegou a ver a fabricação de mortadela?


Vi, a carne é picada, moída, ensacada, é um processo entre forno e defumada. Na época de frios só havia a mortadela, salsicha e lingüiça. Era isso que a fábrica produzia. Meu pai trabalhou bastante tempo lá, sempre na área de vendas. Depois ele passou para a fábrica de macarrão, o lugar onde ele permaneceu maior tempo.


O seu pai era um dos grandes nomes do esporte amador de Piracicaba?


Isso foi nos anos 36, 37,38 e 39. Ele era goleiro. Tem gente que diz que naquele tempo não é como hoje, que se for bom de bola ele vai para a linha do time, segundo informações, meu pai chegou a ser um goleiro conhecido, tão bom, que foi convidado para treinar no Ipiranga de São Paulo. Lá já tinha um goleiro chamado Osvaldo. Naquele tempo, só de ser chamado por um time era muito significativo.


O senhor sabe se ele se arrependeu em não ter seguido a carreira esportiva?


Naquele tempo futebol não corria dinheiro como hoje, jogava e tinha que pagar, tinha que lavar o uniforme, a bola, não tinha quem pagasse. Acredito que o Zé Tejada e o Toninho Pimenta não pagavam, um era lenhador, outro sapateiro. O Romano naquele tempo acho que ainda não era rico, acho que ele trabalhava em oficina mecânica ainda. O Xoxo mexia com pedra, fazia túmulos e revestia com pedras. O Becari tinha comércio de miudezas.


Quando seu pai abriu o restaurante?


No lugar onde a minha sogra e meu sogro tinham a doceria, na Rua Moraes Barros vizinha ao nosso campeão mundial De Sordi, meu pai acabou montando uma mercearia. Quase toda semana ele ia para São Paulo, o João Carlos Rocha que dirigia para ele, a mercearia para aquele tempo era bem montada, tinha um sortimento grande de frios, começou a vir salaminho, copa, presunto. Começou a sofisticar perto do que existia. Era uma mercearia pequena. Foi até certo ponto, depois parou. Ai ele abriu o restaurante, isso porque meu pai gostava muito de cozinhar nos ranchos, e uma das coisas que ele fazia com freqüência para vários grupos, era a feijoada. A churrascaria acabou quase por ser especializada em feijoada. Segundo um amigo meu, professor da ESALQ, que vinha comprar feijoada, dizia que era a melhor feijoada da cidade servida inclusive em porções generosas. O restaurante do Bigeto foi um dos mais tradicionais da cidade. Era chamado de Churrascaria do Bigeto. A feijoada era feita aos sábados, durante a semana eram feitos churrascos, peixes.


De onde surgiu o nome Bigeto?


Eu já fiz essa pergunta ao meu tio nem ele soube responder. Em certos ambientes se falasse sobre Mário Guidolin ninguém conhecia, mas se falasse sobre o Bigeto, na hora se lembravam. O apelido sobrepujou o nome. Os banheiros eram impecáveis, isso era uma obsessão da minha mãe. Chamava a atenção de quem freqüentava.


Por quantos anos existiu a Churrascaria do Bigeto?


Uns seis anos. Meu pai era uma pessoa muito boa. Délio Lovadini, distribuidor da Brahma em Piracicaba foi um irmão para o meu pai. Ele levou o meu pai para trabalhar com ele, depositando confiança total na honestidade que sempre foi a marca registrada do meu pai. Toda a movimentação de numerário junto aos bancos era feita pelo meu pai. Isso lhe proporcionou uma aposentadoria digna.


Quais eram as bebidas da moda na época?


Água Tonica de Quinino, Gim Tonica, Run, Cuba Libre, Fernet.


O senhor cozinha também?


Sou um colecionador inveterado de receitas, tenho mais de 6.000 receitas catalogadas. Até o momento tenho 92 cadernos de receitas.


Como engenheiro agrônomo em qual empresa foi seu primeiro emprego?


Foi na Nestlé. Quando me formei na ESALQ em 1964, já podíamos escolher o curso optativo, fiz a opção por tecnologia de alimentos, que é uma matéria que eu gosto muito. Dos 86 alunos, 14 ganharam uma viagem de 40 dias para os Estados Unidos. Visitamos as indústrias de alimentos daquele tempo nos Estados Unidos. Um exemplo mais gritante para nós foi a soja, aqui no Brasil não havia nem o cultivo de soja. E lá eles já faziam carne de soja. Cinco professores da ESALQ nos acompanharam nessa viagem. Um dos que colaboraram para que viajássemos foi o Dedini. Meu pai tinha muita amizade com o Jordão, que era professor do Senai e tinha excelente relacionamento com o Comendador Mário Dedini, Meu pai falou com o Jordão sobre a nossa necessidade de complementar recursos para a viagem. O Jordão falou com Mário Dedini, eu e outro colega fomos até a casa do Comendador Mário Dedini que autorizou o seu departamento financeiro a colaborar no complemento de verbas para viajarmos. A estadia foi paga pelos americanos. O ponto alto dessa visita é que cada professor americano era especialista em um assunto, e aqui no Brasil havia professores com conhecimentos genéricos. Os americanos ficaram assombrados em saber que um só professor conhecia tecnologia de óleo, de carne, de frutas, açúcar e álcool. Só que o especialista americano conhecia determinado assunto com profundidade. Quando voltei fui trabalhar na Nestlé em Araras. Permaneci lá por uns quatro anos.


Depois da Nestlé qual foi seu próximo local de trabalho?


Fui para o Instituto Brasileiro do Café, o IBC, onde permaneci por oito anos. Trabalhei em Nova Esperança, a 30 quilômetros e Maringá. Quando cheguei lá tinha 18 milhões de pés de café só na redondeza de Nova Esperança. Setenta por cento da produção mundial do café é Coffea arabica, outros trinta por cento do consumo é do café conilon.


Quantas espécies de café existem?


Umas 18 ou 20. Comercialmente falando no Brasil predomina o Coffea arabica. O Brasil até certo tempo vendia o café commodity, de um tempo para cá, de uns 10 anos para cá, o Brasil acordou para um nicho de cafés especiais. Ai entra um conjunto comerciantes de café americano, produtores de café brasileiro. O café foi deslocado para Minas Gerarais na região do serrado, o diretor da Associação da Indústria Brasileira do Café – ABIC, fez uma comparação do café com a produção do vinho francês, ou seja, agregar valores ao café. Isso está sendo feito.


Quais são os efetos do café no organismo humano?


Há controvérsias. Poucos sabem que a cafeina contida no café é menor do que no chá.


O Brasil depende muito ainda da exportação do café?


Em torno de vinte por cento das exportações brasileiras são de café, parece que não porque a soja cresceu muito. Chegamos a exportar oitenta e oito por cento do café consumido no mundo. Existe um trabalho feito no México onde conclui que o aproveitamento do café ao fazer a infusão (café) o aproveitamento é de apenas seis por cento. Desse resíduo era tudo jogado fora, Hoje estão procurando fazer uma série de indústrias baseadas no resíduo do café.








Arquivo do blog