Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

sexta-feira, abril 03, 2015

JOÃO DE OLIVEIRA

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 28 de março de 2015.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/
ENTREVISTADO: JOÃO ANTONIO TEODORO DE OLIVEIRA

                                 JOÃO DE OLIVEIRA)

João Antonio Teodoro de Oliveira nasceu a 19 de setembro de 1950 em Tomazina, estado do Paraná. João de Oliveira, como é muito conhecido, é filho de Antonio Teodoro de Oliveira e Maria Aparecida de Oliveira que tiveram o s filhos João Antonio, Maria Francisca, Maria das Graças, José Teodoro e Isabel e mais dois outros filhos falecidos ainda muito novos.
Até que idade você permaneceu em Tomazina?
Até meus treze anos. Meu pai era agricultor, cultivava arroz, feijão, frutas, minha mãe trabalhava em nossa casa. Estudei até o segundo ano de ginásio em Tomazina, no Grupo Escolar Carlos Gomes. Embora fosse uma cidade pequena, tinha também uma escola de comércio.
Você lembra-se do nome do seu primeiro professor?
Lembro-me! Foi um tio meu, Alcides, irmão do meu pai, pai do Teodoro da dupla Teodoro e Sampaio! Era uma classe mista, onde estudavam alunos do primeiro, segundo, terceiro e quarto anos, todos na mesma sala. Não foi em Tomazina! Foi em Sertão de Cima, era um povoado, ficava a seis léguas de Itararé. Nós moramos em várias cidades do Paraná, o meu pai era telegrafista substituto antes de dedicar-se a agricultura. Ele trabalhou na Estrada de Ferro Sorocabana. Pelo fato de ser telegrafista substituto ele ficava três meses em uma localidade, seis meses em outra. Eu tinha de sete para oito anos.
Você ia ver seu pai trabalhar como telegrafista?
Ia! Meu pai tentou me ensinar o código Morse, Ele trabalhava muito bem com o telegrafo, eu não me adaptei.
Você então é primo do Teodoro da dupla Teodoro e Sampaio?
Sou primo do Teodoro (Aldair Teodoro da Silva) tanto que meu nome é composto pelo sobrenome Teodoro. Às vezes tenho contato com ele. Ele fazia o terceiro ou quarto ano do grupo escolar eu fazia o primeiro, isso em Sertão de Cima. Estudamos na mesma sala de aula. Lá estudei só o primeiro ano, em seguida fomos morar em outro patrimônio: Euzébio de Oliveira, no fim do ramal da Sorocabana. Nessa época meu pai era feitor de uma turma que dava manutenção na estrada de ferro. Meu pai trabalhou por dois anos lá, onde fiz meu segundo ano escolar, a professora chamava-se Dona Inês Marques Leal. De lá fomo morar em Arapoti onde fiz o terceiro ano primário. De Arapoti fomos para Tomazina onde estudei o quarto ano primário, o professor era Seu Manoel de Almeida, um excelente professor. Ele também dava aula de matemática para o primeiro e segundo ano de ginásio. Tenho muita saudade dele. Ele cobrava muito dos alunos, mas a classe sabia muito também.
Isso era no tempo em que o aluno ficava em pé assim que o professor entrava na sala de aula?
Exatamente! E só sentávamos depois que ele mandava.
Quanto tempo seu pai permaneceu na atividade rural?
Acredito que tenha sido por uns dois anos.
Por que seu pai escolheu Piracicaba para vir morar?
Meu pai já conhecia Piracicaba. Ele tinha pessoas da família que moravam em Piracicaba, seus pais viveram e faleceram aqui.
Em que local vocês vieram morar quando vieram do Paraná para Piracicaba?
Fomos morar no Rancho Alegre. Na casa da Dona Joaninha, casada com o Seu Luiz Acs, o húngaro. Essa história foi muito interessante, viemos para cá com o nome e a roupa do corpo! Conseguimos alugar uma casa de dois cômodos nas dependências do Rancho Alegre, que era uma chácara enorme. Conheci a filha deles a Magali, esposa do Zezo, que até hoje moram ali, em frente onde foi o Rancho Alegre, em uma casa de esquina que eles construíram. Morei 10 anos ali. A minha mãe ajudava Dona Joaninha e Seu Luiz, eles trabalhavam com festas.
Que tipos de festas eram realizadas no Rancho Alegre?
Eram eventos finos, os casamentos mais chiques da época eram comemorados ali. O Seu Luiz Acs trabalhou como confeiteiro no tradicional restaurante Fasano em São Paulo antes de vir para Piracicaba. Ele gostava de fazer palavras cruzadas que vinham impressas na Gazeta Esportiva. O Rancho Alegre ficava a uns trinta ou quarenta metros de distância dessa casa que a Dona Joaninha alugou para nós. Ela foi até a nossa casa e disse: ”- Estou vendo a família aí, mas não vi chegar caminhão de mudança!”. Ela não sabia que não tínhamos nada. Ela olhou, viu a situação em que estávamos e disse à minha mãe: “-Aparecida, não se preocupe, vamos dar um jeito!”. Não sei se ela era espírita ou tinha muita amizade com pessoas ligadas ao espiritismo, em dois dias tínhamos de tudo dentro de casa! Tinha coisas novas, outras usadas, mas em excelente estado de conservação, Dona Joaninha foi uma santa para nós! É por isso que gosto tanto de Piracicaba! Eu só cresci aqui em Piracicaba! Desde a época em que cheguei.
Qual era o acesso para o Rancho Alegre?
Você descia a rua da Mausa, passava em frente a Mescli, passava a linha da Estrada de Ferro Paulista, entrava na Rua Higienópolis, ali tinha um caminho que cortava, passava a linha da Estrada de Ferro Sorocabana, e entrava no Rancho Alegre. Dava também para seguir pela linha de trem da Sorocabana e sair logo abaixo do Seminário Seráfico São Fidelis, onde tem a praça, próxima ao Teatro Municipal Losso Neto.
Você conheceu o Olho da Nhá Rita?
Conheci. Era a nascente de água. Não existia a Avenida 31 de Março. Lembro-me quando abriram a Avenida 31 de Março, onde o trator passou íamos jogar bola. Cheguei a pegar o trem da Sorocabana para ir jogar bola em Rio das Pedras, cheguei a fazer esse trecho com a Maria Fumaça. Era uma viagem demorada. Parava em todo quanto é lugar.
Nessa época seu pai trabalhava em que atividade?
Ele trabalhava com o engenheiro Alberto Coury. Eles estavam fazendo a fundação do Edifício Bandeirantes, aquele prédio ao lado do então Cine Broadway, na Rua São José entre a Praça José Bonifácio e a Rua Alferes José Caetano quando caiu o Edifício Luiz de Queiroz (Comurba) isso foi em 1964. Meu pai estava na obra quando o Comurba caiu, a distância entre os dois edifícios era de uns 100 metros mais ou menos. Naquela época telefone era uma raridade, mas o Rancho Alegre tinha, e meu pai conseguiu avisar a família que estava tudo bem com ele. A telefonia era tão precária que para pedir um interurbano e falar com alguém em São Paulo levava umas seis horas!
Que idade você tinha?
Eu estava com uns treze anos quando vim do Paraná para Piracicaba. Surgiu uma oportunidade para trabalhar com o meu primo Garcia Netto, que veio da Rádio Piratininga de São Paulo para trabalhar em Piracicaba, ele era gerente da Rádio “A Voz Agrícola”, ele me chamou, entrei como Office boy, ia buscar jornais, revistas, a Dona Joaninha que me levou até o juiz para que me autorizasse a trabalhar, eu não tinha 14 anos ainda. Fomos até o juiz de ônibus. O fórum ficava na Praça José Bonifácio, onde hoje funciona o Banco do Brasil, na esquina da Rua Santo Antonio com a Rua Prudente de Moraes. Naquela época desde que tivesse o diploma do primário o juiz autorizava a trabalhar mesmo que fosse menor de 14 anos. Devo ter essa autorização guardada até hoje. Na rádio pela manhã eu ajudava a Dona Maria Navarro, que era a mulher que cuidava da limpeza, lá pelas nove horas ia até as agências buscar os jornais e revistas.

Era a famosa época do “Gillete Press” recortavam-se as notícias publicadas em jornais, colava numa folha de papel jornal e entregava no estúdio, para o locutor do horário ler com aquele entusiasmo que dava a impressão de que o fato estava acontecendo naquele exato momento e na presença do repórter. As revistas da época eram a Fatos e Fotos, Cruzeiro, Manchete, Intervalo. Horóscopo de Omar Cardoso (Homar Henrique Nunes mais conhecido por Omar Cardoso). Trazia tudo para a rádio.  O Celso Ribeiro fazia o horário da uma hora da tarde às sete horas da noite. Ele disse-me: “-João, vem cá, você vai trabalhar na mesa!”. Fiquei lá uns quinze ou vinte dias. Fui pegando o jeito. Trabalhava com picape, era muito mais difícil de trabalhar. Gravador Akai. Para que o som não ficasse muito ruim, cortava-se a fita original e emendava-se com durex.

Tinha que ser meio mágico?

Tinha que gostar muito. Se passasse de um gravador para outro, o original já era ruim! O outro você nem entendia então. Na época futebol utilizava a linha física, se tivesse uma chuva forte no meio do caminho acabava a transmissão.

Pode-se dizer que Celso Ribeiro é o seu padrinho?

Foi o Celso quem me ensinou. Isso foi no final de 1964, começo de 1965.

Você conheceu figuras históricas nesse período todo que vem trabalhando com rádio?

No começo de 1965, eu já sabia trabalhar na mesa. O Garcia Neto ia para São Paulo, para a Rede Piratininga. Ia ser comentarista esportivo da Rede Piratininga junto com Wilson Brasil. Quem assumiu a Rádio “A Voz Agrícola” em Piracicaba foi Pantaleão Pirillo Júnior. O Celso de Moura ia sair de férias, o Pirillo Junior pediu para que eu cobrisse as férias dele. Até então eu não tinha carteira de trabalho assinada. Ele disse-me que iria providenciar minha carteira e eu iria trabalhar na rádio. Na época eu trabalhava com Garcia Neto que era comentarista, Ary Pedroso, que era o primeiro narrador, Jamil Netto que narrava basquete, vi absurdos acontecer no basquete, vi cesta contra, a parte técnica sempre acompanhava o locutor.

João, alguma vez você viu algum locutor narrando uma partida sem ver o jogo?

Já! Ouvindo outra rádio e transmitindo como se estivesse no local! Já vi locutor deixar de narrar um gol porque não viu.

Em que rádios você já trabalhou?

Na “Voz Agrícola”, que mudou de nome diversas vezes, lá eu trabalhei 25 anos. E depois trabalhei na Rádio Educadora. E desde 1999 eu trabalho também na Rádio Educativa.

João de Oliveira, você é um operador, um sonoplasta, que qualquer locutor sente muita segurança para trabalhar com você, qual é o segredo?

Os bons técnicos que eu conheci foram aqueles que nunca tiveram a ambição de ser locutor. É muito comum o técnico usar a mesa como um trampolim para a locução.

Uma grande parte do sucesso de um programa de rádio está na qualidade e profissionalismo do técnico?

Acredito que depende de ambos: operador e locutor, ambos tem que falarem a mesma linguagem. Um tem que olhar para o outro e conhecer. Trabalhando juntos se entendem pelo olhar.

O técnico sabe quando o locutor terá sucesso ou não?

Sabe! Alguns têm muita vontade, mas não tem futuro.

Com sua experiência, quais qualidades você acredita ser importante para um locutor ter sucesso?

A humildade é indispensável. Ler muito. Estar muito bem informado sempre. Isso dará um campo enorme para ele trabalhar. Fazer o rádio para os ouvintes e não para ele. A meu ver esse é o pecado maior do radialista, querer fazer o programa para ele. Quem tem que achar que o programa está bom é o ouvinte. O operador é a mesma coisa, não vou deixar de colocar uma música porque não gosto, não estou fazendo o programa para mim.

Houve uma grande evolução na parte técnica, no momento você está administrando quatro monitores, além de todo complexo de chaves e botões, isso requer uma qualificação muito especializada?

No inicio o técnico aprende o principal. A medida que vai evoluindo ganhará mais segurança para ir desenvolvendo seu aprendizado. Não dá para queimar etapas!

Você é o braço direito e esquerdo de uma figura muito importante do rádio piracicabano: Titio Luiz.  Como é trabalhar com um mito?

Damo-nos muito bem Com Titio Luiz trabalho já há 15 anos, temos uma excelente relação, ao entrarmos no estúdio já o fazemos de forma muito alegre, brincamos muito um com o outro, para descontrair um pouco. São três horas de programa ao vivo., diariamente. Titio Luiz não tem nada redigido, é tudo de improviso. É uma característica que poucos têm. Sempre dizemos que o locutor de AM é capaz de fazer o FM. O locutor de FM não faz o AM. Não é culpa dele, é o sistema em que ele trabalha.

Essa mudança que está havendo de tudo passar para FM, você acha que é bom para o rádio?

O radio em AM irá ganhar em qualidade. Poderá perder em alcance, se for ver que a internet permite com que seja sintonizada no mundo todo, então não perderá seu alcance. No receptor comum irá diminuir seu alcance. Creio que será mantida a rádio em AM. São dois segmentos diferentes com a mesma qualidade.

Você chegou a trabalhar com Nadir Roberto?

Trabalhei! Era fantástico! Era um grande companheiro, um grande vendedor, excelente profissional, eu trabalhei bastante tempo com Nadir. Tenho muita saudade dele. Com Marcio Terra trabalhei bastante tempo fazendo esporte, no olhar um para o outro eu já sabia o que ele queria. Ele também já sabia o que eu estava fazendo. Fiz esporte com Mario Luiz também. É mais agitado. É um ótimo narrador, ele fica preocupado às vezes com a transmissão. Quem está em casa não tem a menor idéia dos problemas que enfrentamos com linha de som. Temos que ir bem cedo para o estádio para deixar tudo em ordem. Com o Mário Luiz eu sempre consegui fazer uma excelente transmissão. Deixava tudo pronto, testadinho, dizia: “_Mário, pode vir !”.

João em sua trajetória, já aconteceu de estar o microfone aberto e a pessoa falar aquilo que não deseja que o ouvinte escute?

Isso acontece sempre! Para nossa sorte e também pelo próprio ambiente, o que vai para o ar geralmente é conversa sem nenhuma importância ou que cause impacto ao ouvinte.

Por muito tempo trabalhei com o Rubens Lemaire de Morais que cobria a polícia. Ele transmitia do carro, naquele tempo tinha muito ruído, dependendo do lugar não funcionava. Trabalhei com Roberto Cabrini, na rádio “A Voz Agrícola de Piracicaba” no tempo em que o Caldeira comandava a rádio. O Cabrini dizia: “- João eu vou para casa agora, qualquer noticia que chegue, seja a hora que for eu venho para a rádio.” Cabrini sempre teve o jornalismo no sangue. Era magrinho e alto. O Francisco Silva Caldeira trabalhou muito tempo como gerente da Rádio Difusora, foi trabalhar como diretor comercial da rádio “A Voz Agrícola”, era uma rádio bem mais simples e tinha certa dificuldade para vender publicidade. Situava-se na Rua Moraes Barros, 1191. O telefone da rádio era 27491. Era 590 Khertz, uma freqüência fantástica. Não sofria pressão de nenhuma outra rádio de São Paulo, ela pegava com 250 watts onde outra rádio precisava de 500 ou 1.000 para ir ao ar. Quem trouxe a radio para o meio do dial foi o Caldeira.

Isso foi em um tempo em que a audiência do rádio era muito grande?

Sem dúvida! Mesmo porque a transmissão da televisão era um desastre! Imagem ruim, em preto e branco. Saía fora do ar.

A internet ajudou ou atrapalhou o rádio?

Acho que ajudou. Se souber usar é uma das melhores ferramentas disponíveis. Para você fazer um programa de duas horas de jornalismo, é só selecionar o material que está a sua disposição. Coloca em uma pasta só para você, na hora em que abrir o programa é só abrir a pasta. Você não tem a menor dificuldade do mundo.

João você é casado?

Sou casado desde 1973 com Maria de Fátima Teles de Oliveira, nos casamos na igreja velha de São Judas Tadeu. Quando me casei o piso da igreja era terra. Eles estavam construindo a igreja nova por fora. A igreja velha estava dentro. O vestido de noiva da minha mulher ficou uma beleza! O véu arrastando na terra vermelha! Temos um sobrinho que é praticamente nosso filho, Rodrigo Teles, trabalha em rádio também.

Você tem algum hobby?

Gosto de futebol, sou corintiano, joguei futebol por alguns tempos, a turma do Rancho Alegre me conhecia pelo apelido, acho que poucas pessoas que moraram lá me conhece pelo nome.

Qual era o seu apelido, João?

Ratinho! Naquela época eu era pequeno. Desenvolvi-me bastante depois de fazer o Tiro de Guerra, que na época já estava na Avenida Dr. Paulo de Moraes. Eu era da turma do Sargento Guatura. Era muito enérgico, mas estava sempre de bom humor. Eu fazia o Tiro de Guerra das cinco às sete horas da manhã.

Você conheceu inúmeras personalidades trabalhando em rádio?

Principalmente cantores. O cantor Daniel, o próprio Nelson Gonçalves, Perla, Altemar Dutra, Nelson Ned, Cezar e Paulinho, João Mineiro e Marciano, Moacyr Franco, Milionário, Teodoro e Sampaio. Os principais nomes passaram pelo rádio. Além do talento esse pessoal lutou muito para vencer. Conheci a maioria dos políticos de renome que vieram a Piracicaba.

Pode-se dizer que hoje o sonoplasta recebe a programação praticamente pronta, com isso seu poder de decisão fica bem limitado?

Antes ficávamos bem mais a vontade.

João se você não trabalhasse em rádio em qual outra área você gostaria de trabalhar?

Bom, eu só fiz isso! Rádio para mim está no sangue! Mas antes de fazer rádio eu pensava em ser engenheiro. Sempre tive muita facilidade com ciências exatas. 

Atualmente você é o técnico de som, ou sonoplasta, com mais tempo de trabalho e que continua trabalhando?


Acho que sou! No dia 4 de abril vou completar 51 anos de trabalho em técnica de som. 

Arquivo do blog