Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

sexta-feira, abril 03, 2015

JURANDYR (JUCA) CHAVES

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 28 de fevereiro de 2015.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/
ENTREVISTADO: JURANDYR (JUCA) CHAVES

O Teatro Juca Chaves fica no bairro Itaim Bibi em São Paulo dentro do enorme prédio onde anteriormente funcionou o Mappin Itaim e hoje funciona nos moldes de um shopping, sendo a rede Extra a loja ancora. Após alguns acertos de agenda o Menestrel Juca Chaves assentiu em conceder uma entrevista. O artista que nos palcos sempre teve um brilho intenso, com seu humor refinado, entra caminhando de forma simples, quase despercebida, cumprimenta de forma afável, pede licença por uns minutos e vai tomar algumas providências muito rapidamente. Sua história e trajetória são vibrantes. Conheceu todos os políticos de alto escalão. Inserido no meio artístico sempre foi uma das grandes estrelas de uma imensa constelação de artistas. O que impressiona positivamente são a simplicidade e humildade de Juca Chaves. Extremamente preocupado com seus compromissos, obedece rigidamente sua agenda, respeitando com rigor o horário pré-determinado. Uma qualidade rara entre o meio artístico. Uma conversa com Juca Chaves pode levar horas de momentos agradáveis. Além da grande experiência de vida, ele nunca perde a oportunidade de inserir em seus comentários uma frase sutil, de extrema inteligência, que às vezes requer do interlocutor um raciocínio rápido para acompanhá-lo. Teve sólida formação musical. Estudou com Guerra-Peixe (harmonia, contraponto e fuga), Oswaldo Lacerda (teoria musical e solfejo), Lurdinha Amaral (violão e canto), Scupinari (violão clássico), Bernardo Federowsky (regência), Fausto Antão Fernandes (canto orfeônico), Nair Medeiros (piano) e Maynard Araújo (curso de folclore). Fundou o movimento Juventude Musical Brasileira, com o Maestro Eleazar de Carvalho, de quem foi também aluno. Dos 16 aos 19 anos de idade, teve intensa produção poética. Nessa época, sua composição "Nas águas de Saquarema" chegou a ser interpretada por Leny Eversong na Rádio Nacional. Foi um dos organizadores, em 1955, da revista "Rua Augusta Chic", onde publicava suas poesias e crônicas
Juca Chaves em tom de humor diz lembrar-se do dia em que nasceu: “-Lembro-me de 1938, no dia 22 de outubro, às cinco horas da manhã, quando eu nasci, no Rio de Janeiro”. Minha mãe deu-me o nome de Jurandyr porque ela estava lendo o livro Iracema de José de Alencar, e na quinta página, se não me engano está escrito: “-E ai surgiu na floresta o índio Jurandyr, o que veio trazido pela luz do sol, alto, moreno, forte, bonito.” Este cara sou eu! Minha mãe surtou! Ela não tem culpa! E ai nasceu o Jurandir!.

Qual é o seu nome completo?
É Jurandyr Czaczkes Chaves, como o nome Czaczkes é austríaco, quando meu pai naturalizou-se brasileiro, estava fugindo da guerra, ele não queria saber de nada da Europa, do Leste Europeu. Naquele tempo era obrigado ao naturalizado ter um nome simples, eles escolheram o sobrenome Chaves. Czaczkes é o nome do Premio Nobel da Literatura em 1966, Shmuel Yosef Halevi Czaczkes. O nome do meu pai é Josef Czaczkes, aqui  no Brasil passou a ser José C. Chaves. Ele montou a primeira fábrica de plasticos do Brasil a Industria de Baquelite Artepast, no Brás, ele foi um precursor desse produto no Brasil. Fechou em 1945, após a guerra. Tinha 400 operários. Situava-se na Rua Maria Marcolina, outro dia passei por lá, já mudou todo o Brás. Para ir até a fábrica eu passava por duas porteiras de trem, indo daqui do Jardim Europa. Meu pai, como todo europeu, morava no Jardim Europa, na Rua França, ele queria morar na Rua Austria mas já estava toda ocupada. Eu era menino, vi asfaltar oJardim Europa. Sentava no portão de casa e ficava olhando aquelas máquinas trabalhando. Vi nascer o Jardim Europa.

Qual é o nome da sua mãe?
Clarita Wainstein. Sou descendente judaico. Minha esposa Yara diz que sou judeu do Paraguai. Só fui à sinagoga para ver casamento dos outros. Eu casei sem sigagoga sem nada, casei-me em casa, só com registro, completamos agora 40 anos, casamos-nos no dia 2 de fevereiro de 1975, dia de Iemanjá na Bahia. Casei-me no Rio de Janeiro, mas no dia2 de fevereiro em homenagem a Bahia. Conheci Yara em 1974, no dia 15 de julho. Eu sou um heroi e ela também é uma heroina.

Juca você estudou em qual escola?
O primeiro ano foi na Escola Britânica de São Paulo (British School), situada no Jardim Paulistano. Sai por causa do horário que não se ajustava com o da minha irmã , Dra. Marly Chaves.
Você lembra-se do nome da sua primeira professora?
Claro! Dona Nicota! O jardim de infância estudei no Jardim Escola São Paulo, era um jardim de infância pequeno que havia no Jardim Europa. Ai fui estudar no Mackenzie, fiz a Escola Americana no Mackenzie, fiz o ginásio, e um ano e meio de científico, no meio decidi que como não iria ser engenheiro deveria estudar o clássico. Consegui recuperar um ano e meio e formei-me no clássico. Fui fazer faculdade de direito. Fiz o curso do Castelões, aprendi português com ele. Ai estorou a minha carreira. O meu disco começou a ser tocado no Brasil todo.

Quando você descobriu sua veia artística?
Desde garoto! Fazia pidas, cantava modinha no Clube Pinheiros, fazia judo, natação, futebol.
Pessoas do seu circulo mais próximo de amizades conhecem uma história onde você se defendeu de um assalto.
Isso foi ha dois anos, foi no Itaim Bibi, naquele tempo o bandido não matava. Quando vi que o assaltante pegou no meu relógio, como eu faço aikido também, foi fácil eu sair.
Você pratica esportes ainda?
As vezes. Quero voltar a treinar judo. Sou mais judoca.
Sua esposa Yara pratica alguma arte marcial?
Fazia Jiu-Jitsu comigo! Mais ai eu teuma aula a mais do que ela sempre! Escondido! Estou inteligente ou não? Se voce deixar a mulher chegar primeiro meu filho....
Como  é a sua relação com a colonia judaica no Brasil?
Eu adoro a colonia! Gosto de Israel, sou um fã de Israel. Mas não sou fã das religiões, nenhuma,  eu acho que religião é bom para segurar uma parte de uma população que precisa. Sou um livre pensador, não diria nem agnóstico. Um ateu ecumenico. Minha esposa é “criston”. Conheço todas aigrejas de todo lugar do mundo por causa dela. Conheço mais igrejas do que sinagoga. Sinagogas frequento em função dos amigos. Tenho uma mágoa com a colônia, tenho 60 anos de carreira e nunca tive um patrocinador judeu! Sou o único artista brasileiro que fala que é judeu! O Silvio Santos fala hoje. Mas nunca falava antes. A colonia cobra. Eu digo-lhes: “-Por quê vocês não me patrocinam?” Para fazer show na Sociedade Hebraica de São Paulo eu pago! Pago a taxa de teatro. E lota, lota, lota! Eles sempre medando uma driblada, são mais inteligentes do que eu! Eles são judeus praticantes! Eu não, sou um judeu do Paraguai!

Você já foi à Israel?
Já estive em Israel em 1970. Fui para ver uma namorada carioca que morava em Israel. Eu queria conhecer um kibutz. Achava que eram cabaninhas, no meio da floresta. Sabe aquelas idéias? Em 1970 já eram prédios com departamentos de altíssima segurança. Sabendo o que é evolução. Hoje é a quarta potência do mundo! Eles e os japoneses são os maiores cientistas do mundo.Eu vejo um povo que conseguiu tirar água de pedra e areia. Lá não tinha nada, foi um erro de Moshe ou Moisés, era gago, está na bíblia que “era balbuciante”, ele disse: “ Vamos para Ca...Ca...” Todo o mundo entendeu Canaan, não, era Califórnia! São erro que não podem acontecer na religião!
A sua carreira como artista estourou em que ano?
Comecei em 1956, com Juscelino Kubitschek quando fiz a música “Presidente Bossa Nova”. 



 Não havia Bossa Nova ainda. Eu já estava cantando Bossa Nova por ter ouvido essa palavra de Stanislaw Ponte Preta: “Isso que é bossa, é bossa nova!”. A música estourou no Brasil, eu fiquei sendo “Presidente da Bossa Nova”. Eu afirmava: “- Não sou Bossa Nova, odeio Bossa Nova, parece música de impotente, é tudo pequenininho: carrinho, patinho, renatinho, antoninho”. Eu gostava de modinha que é a mais importante música brasileira, ela veio com a corte portuguesa em 1745, como música erudita. A modinha era musica erudita portuguesa. Agora mesmo, graças a cultura do PT, que luta muito pela cultura nacional, acabaram com a Lei Rouanet. Destruíram a Lei Rouanet que ajudei a criar para ajudar artistas. Porque todos são intelectuais do PC, acham que sabem tudo. Então veio um idiota e disse: “–Modinha não é erudita, é popular porque já termina em “inha”, se fosse erudita terminava em “ao”.” Perguntei: “-E ópera? Como fica nessa história? É popular também?”. Modinha é do período clássico, erudita é a forma, a cultura da música, da arte. Isso é difícil de fazer entender. Tenho mais de quarenta livros, sobre a história da musica brasileira, que eu conheço, não é dicionário da Editora Abril. Você pega a internet procura Wikipedia, aquilo é feito por garotos de 18 anos. Se procurar o meu nome irá parecer que é outra pessoa. Eles não sabem nada, são garotos que ouviram dizer, puxam o Google, e é cultura feita de pesquisa imediata. Se você quiser saber quem descobriu o Brasil está lá: “Pedro Álvares Cabral”. “O nome correto dele é Pedro Álvares de Gouvêa Cabral”. Gouvêa porque ele era o décimo terceiro filho não podia ter o nome da família Cabral. Mas quando ele descobriu, ou melhor, foi descoberto pelos índios, o Brasil foi dos índios, os grandes protetores da terra, o índio diz que a terra não tem dono, a terra é nossa dona. Eles têm uma cultura maior do que a do povo religioso em qualquer lugar do mundo.



O índio tem mais cultura do que o branco?
Muito mais, que é a cultura da natureza. Eles vivem com o que a natureza tem e respeitam a natureza. O índio só mata para comer. O animal também só mata para comer. O branco não, mata para roubar, é o posseiro, é o sem-terra, estes não gostam da terra. O índio respeita. Onde encostam os sem-terras, ligas desses movimentos, primeiro eles não gostam de terra, pouquíssimos conseguiram tocar uma fazenda que já é dada. Deveriam fazer um exame ante: “-Você gosta de terra? Você sabe trabalhar na terra?”. O Brasil não gosta de estudar, o governo não investe no estudo, não interessa, porque se o povo tiver cultura, souber ler e escrever, já irá ter problemas menores na saúde e na educação e cultura. O Brasil não tem educação nem cultura. E cada vez está piorando, nunca piorou tanto como nos últimos 18 a 20 anos. Eles sabem disso. O Brasil de Juscelino Kubitschek  era bom porque tudo foi promovido para 50 milhões de habitantes. Que já é muito! Hoje tem 210 milhões de débeis mentais e analfabetos. Como salvar o Brasil? O cientista Dr. Elsimar Metzker Coutinho procurou fazer o que foi negado pela igreja: controlar a natalidade! Como fez a China, a India e todos os países da Europa. O Papa que tem dogmas, como toda religião, a judaica, protestante, católica, muçulmana, ele, o Papa, sabe que a biblia católica diz que você deve ter filhos. Ele afirmou que apesar de sermos feitos para termos muitos filhos não precisamos faze-los como coelhos: dois filhos está bom! Ele é muito inteligente. Eu falo que ele é da linha judeu-comunista-argentina. Porém é onde ele está salvando a igreja católica.
Como foi a reação da população com relação a sua musica “Presidente Bossa Nova”?
Foi total! Primeira sátira-política-musical. O disco foi gravado em 78 rotações. Fui na cidade, na Rua Boa Vista, e tinha uma lojinha com os dizeres: “Fazemos Discos”. Você dava vinte cruzeiros e ele fazia o disco. Com aquele disquinho fui até as rádios para mostrar. Ninguém deu bola. Ai eu fiz um programa com Aracy de Almeida, que depois ficou muito minha amiga. A Aracy começou a me apresentar a todo mundo na Rádio Bandeirantes, minha carreira estourou, fui o maior vendedor de discos na época.  Conheço tudo de Noel Rosa, Caymi, Luiz Gonzaga, Lamartine Babo, desses eu conheço a obra toda. Para mim são os máximos da musica brasileira. Os que faziam modinha como Catulo, Pixinguinha, Donga. Tenho uma foto de 1960 onde estão: eu sentado no chão, toda a verdadeira MPB: Pixinguinha, Donga, Bide, é uma turma da verdadeira Musica Popular Brasileira. A modinha brasileira começou antes, quando Carlos Gomes fez modinha, as óperas dele são trechos de modinhas, ai vem um idiota e diz que modinha não é erudita! Eles não sabem nada, vão ser criticosa porque não conhecem música. Pergunte se tocam algum instrumento? A arte é subjetiva. O que eu sei de pintura? Não, porque o pintor quiz dizer, ele não quiz dizer coisa nenhuma, as vezes ele pintou alguma figura feminina que o atraiu. Um dia eu estava vendo um programa de dois pintores famosos, atuais, dois homens cultos da pintura, criticos de pintura, eles criticando um quadro dubio, se seria uma falsificação ou não. Um deles disse: “-Aqui eu acho que o pintor quiz dizer isso!” O outro critico disse: “Não! É um quadro cristão, em que Cristo carregava uma mulher nas costas!”. O brasileiro é um preconceituoso nato. Um dia alguém disse-me que eu era homofóbico, ela tinha ouvido dizer e nem sabia o que significava. Disse-lhe: “É difícil! Tenho duas filhas negras! Na minha família tem dois gays morando comigo!”
Quantas filhas você tem?
Quando estavamos na Bahia adotamos duas: Maria Clara que está com 16 anos e Maria Morena, porque ela é mais clara do que Maria Clara. Elas moram conosco. Para onde vamos elas estão sempre conosco. Elas foram adotadas como filhas. Aliás é uma história bonita, quem fez a Lei da Adoção foi Juscelino Kubitschek  em 1950. A primeira menina adotada no Brasil chamava-se Maria Estela Kubitschek . Até então dizia-se “-Peguei para criar”. Ou então diziam, “aquelas moreninhas”, não são morenas, são negras! Uma é negra outra é mulata, que são as glórias das raças brasileiras. Acho que o branco( entre os quais me incluo) veio para estragar o mundo. Você que o negro na Africa, tudo que ele faz é puro. E foi jogado para baixo. Ele sofre um preconceito maior do que o judeu sofre até hoje. O judeu se defendeu porque tinha um raciocínio mais lógico, não era europeu. Mas o negro foi escravizado sempre. Os melhores musicos do mundo são negros. Sem negros não haveria futebol. Ai vem um idiota e diz : “Negro não pode entra no trem!”. Já estão sendo pegos na Inglaterra. Aqui não acontece nada, mas lá quem afirma isso vai para forca. O maior jornalista sobre esportes do mundo, deu uma entrevista, se não me engano no programa “Roda Viva”. Quando o tema foi corrupção no esporte ele jogou o Brasil no fundo do poço. O Brasil é o país mais corrupto no mundo do esporte, comprou cinco copas! A custa do João Havelange, eu gostava do João Havelange, achei que ele ajudou o futebol brasileiro. Sem ele a Inglaterra ficaria com todos os juizes ingleses. Perguntaram: “Na Inglaterra não tem essa corrupção?”. Ele respondeu: “ –Corrupção não, tem estupidez!”. Segundo ele, o inglês é estupido, mas não é corrupto. Se for corrupto, politicamente ele é crucificado, ele vai para a forca! Não tem brincadeira, aliás isso acontece em qualquer país civilizado do mundo. Nos Estados Unidos se um individuo der um tiroem um policial ele já é preso. Sem direito a defesa. Fica oito anos preso. Após oito anos irá ser julgado por ter atirado em um policial, se matou o guarda já é cadeira elétrica. Igual aqui, o individuo mata a mãe, duas crianças, se apresenta a autoridade policial como réu confesso, e sai pela porta da frente.O delegado com a maior cara de pau afirma que não houve um motivo para o crime! No Japão que é um país mais digno eles pegam a espada e se matam sozinhos, não precisa pedir para ele se matar. Eles tem vergonha da palavra “roubar”. Um dia um jornalista brasileiro estava no Japão e perguntou: “ Voces tem tudo limpinho aqui, vocês tem leis?” A japonesa respondeu-lhe: “Não. Aprendemos com nossos pais!”. Eu pergunto, como um pai, semi analfabeto, que mal ganha para o sustento, mora na favela mixa, não é a boa favela que existia quando eu nasci, tinha uma baba que morava na favela, tinha um pessoal que tocava violão. Hoje a favela é o reduto final, a única alegria deles é o carnaval, que é bonito, muito criativo. A única festa bonita do Brasil é o carnaval.

Juca você iniciou no mundo musical muito jovem?
Quando fiz a música tinha dezesseis anos, eu tenho um programa na Rádio Gazeta, que deixei gravado, foi a primeira vez em que apareci em rádio e televisão. A Regina de Moraes, que lia, disse: “-Vamos apresentar pela primeira vez no rádio, o mais moço e promissor talento da música popular brasileira, trata-se de Jurandyr Chaves, um jovem de 16 anos e muitos sonhos pela frente. Canção de Jurandyr Chaves  "Nas águas de Saquarema" canta Leny Eversong acompanhada da Orquestra Sinfônica da Rádio Nacional, maestro Guerra-Pexe que era meu professor. Eu comecei na rádio, quando fui ao Rio de Janeiro, fui para ser criticado, queria me mostrar, aí recebi um apoio muito bom de Lamartine Babo, Vinicius de Moraes e Jobim. Eu era garoto, achei formidável aquilo tudo.
Outra música sua que marcou época foi “Por Quem Sonha Ana Maria”
Aquilo  marcou porque houve uma musa verdadeira. Perguntavam-me se ela existia, eu respondia que sim, era do Colégio Des Oiseaux. Todo mundo do colégio a conhecia. Eu ia a porta do colégio a freira vinha, a madre superiora vinha. Ana Maria era uma moça linda que nunca deu bola para mim não. Eu era muito pequenininho para ela, ela era mais alta, bonita, Ela dançava comigo, eu punha um tamanco e ela tirava o sapato. Ela era gentil. Fiz umas seisa oito modinhas para ela, muito importantes. Mas fiz mais modinhas para Yara, umas doze ou quatorze modinhas. Para mim as melhores.
A Yara é a mulher da sua vida?
Foi e continua sendo! Até então todas passavam rapidamente. Eu gostava de namorar. Sem maldade, gostava de namorar. Falavam que eu só namorava modelos e mulheres altas. Namorava modelos porque era mais fácil de entrar e de sair e altas porque todas eram mais altas do que eu. E namorava meninas bonitas porque de feio chega eu. Se eu tenho charme , como Jorginho Guinle, mais baixinho do que eu! Nunca tive complexo. Juca poe-se a cantarolar: Eu sou baixinho, feio e narigudo/dizem que eu sirvo só pra dar recado/mas na verdade eu sirvo para tudo/até chifrudo eu sou sem ser casado!/eu tenho chifre mas não tenho queixa/ se bem que a testa fique bem maior/até que é bom quando a mulher nos deixa, agente sempre arruma outra melhor. Essa é a vida que eu sempre quiz,/ eu sou cornudo mais eu sou feliz,/ essa é a vida que eu sempre quiz,/ eu sou cornudo mas eu sou feliz. Peguei essa música e gravei na Itália, como a do Nazo: Nariz, ai, meu nariz,/Como falam mal deste nasal que é tão normal,/Ouço diariamente muita gente infeliz
Você em seus shows, contando piadas ou cantando, faz seu público raciocinar?
Faço sim. Humor não é para gargalhar, gargalhar é uma forma de rir grosseira. Como a mulher que grita durante a relação sexual, grita tanto que o vizinho processa. Como fiz uma vez que processei uma vizinha quando minha filha disse-me: “-Pai estão matando um gato!”. Ainda fui processado por ela! E o juiz deu ganho de causa para ela! O grande problema do Brasil é que o poder mais corrupto do Brasil é a justiça. A justiça é injusta, imbecil. Essa mulher morava no andar acima do meu. Por isso hoje só moro em cobertura, quando subo a escada eu respeito. Se o meu cachorro está fazendo barulho, põe um chinelinho de tecido no cachorro.
Como se  chama o seu cachorro?
João! Outros que tive antes tinham nomes judaicos: Josef, Salomão. Tive dois jegues na Bahia, comprei por R$50,00 cada um. Um colecionador de cavalos raros, disse-me: “-Eu soube que você tem um haras Juca!”. Disse-lhe: “Tenho duas crias! Paguei cinqüenta!”. Ele disse-me: “- Cinqüenta mil! Eu também comprei um árabe agora, cinqüenta mil o cavalo!” Um dia a Tônia Carreiro foi jantar em casa, o jegue encosta nela, na mesa, ela olhou o jegue ao lado. Deu um grito. Disse-lhe: “-É o garçom!”. Muita gente me telefonava dizendo: “quero ver suas crias!”. Coloquei escrito assim: “Haras Duas Marias. Lentas, velhas e sem dentes, aqui estão as nossas crias, independentes. Abaixo assino humilde Mimosa Van Rothschild”. Quando nasceu o filho dela dei o nome judaico: Davids Jacob Salomon Van Rothschild II. Quando eu chegava de viagem eles gritavam durante meia hora. O jegue é um animal muito fiel, é um animal puro. Ele não tem mistura. Não é como a raça brasileira. Só se faz jegue com outros jegues. Usou-se o jegue em todo o Oriente, como meio de transporte. Cristo andava de jegue, é o que tinha na época. A humildade não é virtude, a virtude é você ser bom. Você não é bom pelo que se faz notar, você é bom quando falta e sentem a sua falta. Ninguém morre quando deixa uma saudade. Se você deixa saudade você não morreu! Quando penso em Mozart em Tchaikovsky, penso em amigos meus!
Você é conhecido como “Menestrel”, como surgiu esse cognome?
Quem me deu esse nome foi Flávio Alcaraz Gomes, era o maior repórter do Brasil, da Rádio Guaíba, que fez a revolução de Jango Goulart. Eu ganhei um revólver do Brizola. Ajudei a acabar com o parlamentarismo. Juca canta a música; Constituição ,constituição/acabou-se que tormento/já temos o parlamento falta o rei que papelão./Que papelão, que papelão/o canhão foi superado, pois Brizola, com Machado foi fazer revolução./Revolução, revolução/foi as armas, o gaúcho/o Lacerda deu o repuxo e o Dennis ficou na mão/Ficou na mão, ficou na mão/pois prendia todo mundo/o regime foi pro fundo,/marechal foi pra prisão./Foi pra prisão, foi pra prisão/e o Brizola nem deu bola,/o Jango botou cartola/e acabou a revolução.
Você era amigo do Jango?
Eu gostava do Jango, ele era o Vice-Presidente, igual aos outros vives, igual ao Itamar Franco.
Há uma composição sua dedicada à Primeira Dama, esposa do Jango?
Juca Canta a modinha:
Dona Maria Tereza,/diga a seu Jango Goulart,/que a vida está uma tristeza, que a fome está de amargar,/E o povo necessitado, /precisa um salário novo,/mais baixo pro deputado, /mais alto pro nosso povo./Dona Maria Tereza,/assim o Brasil vai pra trás,
quem deve falar, fala pouco,/Lacerda já fala demais./Enquanto feijão dá sumiço,
e o dólar se perde de vista,/o Globo diz que tudo isso,/é culpa de comunista./Dona Maria Tereza,/diga a seu Jango porque,/o povo vê quase tudo,/só o parlamento não vê,/Dona Maria Tereza,/diga a seu Jango Goulart,/lugar de feijão é na mesa,/Lacerda é noutro lugar háháhá!




Aos dezessete anos comecei a trabalhar como jornalista e fui entrevistar o Carlos Lacerda, cheguei à redação do jornal Última Hora, de Samuel Wainer, ela dizia de mim: “ O Juca é uma quadrilha sozinho”. Ele mandou entrevistar o Lacerda. Perguntei-lhe: “- Quem é esse burguês?”. Samuel então me disse: “-Aprenda garoto, antes de falar burguês, como esse pessoalzinho que começou na UNE, um autêntico burguês que falsifica carteira de estudante, Lacerda é um cara importante, já derrubou cinco governos! Fui falar com Carlos Lacerda. Apresentei-me: “Dr. Carlos, sou jornalista, foca, estou começando, eu queria que o senhor me ajudasse porque estou começando agora. Ele respondeu-me: “-Vou te ajudar na entrevista!” Deu-me uma tremenda entrevista. O jornalista tem que ser humilde, hoje a nova geração é mais simpática, mas houve um tempo que era terrível. O jornalista vinha, o fotografo vinha por traz sem educação nenhuma tirava sua fotografia. E achava que devia atrapalhar tudo, que ele tem o direito da Lei de Imprensa. Não é assim. Todos têm o seu limite, para isso que existe a Lei de Imprensa. É o que falo sempre: “Imprensa é coisa séria, por dinheiro são capazes de publicar até a verdade.”. Isso ocorre no mundo todo.
A imprensa é o quarto poder?       
É o quarto. Mas tem um poder maior que o da imprensa que é o terceiro, que é o gay. Hoje metade dos gays já estão na imprensa, então já uniu, ficou uma força maior. Porém é um poder instantâneo, eles deixam-se sentirem-se poderosos. É um comunicador, assim como nós somos artistas. Qual é o dever da imprensa? É falar a verdade! A verdade doa a quem “doar”.
Você generaliza que a imprensa é constituída por um grande numero de gays?
A maioria! No Brasil gay evoluiu. É uma escolha sexual que é justíssima, até entre os animais existem os gays, eu, por exemplo, seria um caracol, tem os dois sexos. Mas não tenho, nem um! Eu gosto de um sexo só porque sou preguiçoso, já lutei com a minha mulher por quarenta anos seguidos, está ótimo! E ter satisfação! Já é maravilhoso! Eu quero ver pela frente, mas é um gosto. Gay faz o que ele quer. Só que tem uma coisa, o gay é sofisticado, alegre. Geralmente cineastas, intelectuais. Geralmente! O viado é histérico! Faz aqueles gestos, aquelas coisas, desnecessárias. Eu não entendo porque. Por que um homem, que nasceu homem, tem que fazer assim com a mão? Ele se acha chique fazendo assim? Pelo contrário! Parece uma mulher vulgar da sociedade. Uma imitação vulgar das coisas.  Assim como uma menina que quer ser lésbica porque ela gosta, não precisa ficar coçando embaixo. Não precisa ser macho! As lésbicas não gostam de macho. Elas gostam de mulheres. Assim como homem gosta de homem. São direitos e deveres que eles têm. Eu acho uma coisa tão simples, e tem gente publicando e matando. Você sabe que as religiões mataram gays no mundo todo. Tchaikovsky foi um. Está provado hoje que ele morreu não porque tinha cólera, ele morreu porque o Czar mandou matar. Era uma vergonha ter um gay como o maior músico do país! Do mundo! Acho Tchaikovsky acima de todos.
Quantos Presidentes da República do Brasil você conheceu?
Sobre Getulio Vargas eu ouvia falar. Na época eu era menino. Eu era garoto de colégio, quando ele morreu deu aquela alegria: “Hoje não tem aula porque Getúlio morreu!”. Getúlio era o Pai da Pátria e a Mãe do Rico. Após Getulio veio Dutra, fui preso por causa disso. Eu tinha uma coruja a quem dei o nome de Maria Gaspar Dutra. Fui chamado no DOPS, o capitão muito simpático, me recebeu, perguntou-me; “Ô Seu Menestrel, você sabe por que tem o nome de Maria Gaspar Dutra no seu animal?” Disse-lhe, que não era um animal, mas sim uma ave e assim se chamava porque era a cara do Dutra. A coruja tem a cara do Dutra! O capitão perguntou-me: “Só por isso?”. Respondi-lhe: “ O que mais teria?”. O capitão retrucou: “–O senhor sabe quem é a Maria Gaspar Dutra?”.  Respondi-lhe: “– Claro! Minha coruja!”. O coronel perguntou e quem eu me inspirei para dar esse nome. Respondi-lhe que foi no Dutra. Ele perguntou-me: “-Tem certeza?”. Respondi-lhe: “-Absoluta!” Ao que ele me disse: “- Então o senhor está livre!”. Foi a minha vez de perguntar do que era acusado. Ele disse-me então: “ –Maria Gaspar Dutra é a mãe do Marechal Dutra!”. Anos depois encontrei-me com esse capitão, já promovido a uma patente mais alta, ele me perguntou em tom de brincadeira: “-Como está a Maria?”.



Juca você fez uma música de grande sucesso sobre a compra de um porta aviões feita pelo Brasil.
 Juca, poe-se a cantar:

Brasil já vai a guerra, comprou um porta-avioes/Um viva pra inglaterra de oitenta e dois bilhões/Ahhhh! Mas que ladrões/Comenta o zé povinho,/Governo varonil,/Coitado coitadinho,/Do Banco do Brasil/Há há, quase faliu/A classe proletária/Na certa comeria
Com a verba gasta diaria/Em tal quinquilharia/Sem serventia./Alguns bons idiotas,/Aplaudem a medida,/E o povo sem comida,/Escuta as tais lorotas/Dos patriotas.
Porém há uma peninha/De quem é o porta avião/É meu diz a marinha,/É meu diz a aviação/Ahhhh! Revolução!/Brasil, terra adorada/Comprou um porta aviões/Oitenta e dois bilhões/Brasil, oh pátria amada,/Que palhaçada.

Juca Chaves prosegue: A música deu um escândalo, proibiram, a censura de época proibiu, era uma censura religiosa acima de tudo. Eu ganhei o precesso, atraves de um juiz do Rio de Janeiro, a acusação dizia que esse garoto de dezoito anos quer desmoralizar, afundar o porta-aviões! O juiz disse que se um garoto de dezesseis anos pode afundar um vaso de guerra que vocês compraram, então não precisa do vaso de guerra!  No tempo da Revolução de 1964, que poderia ter dado certo, não fosse pelas piguices religiosas, a censura era religiosa, uma mulher definia a censura do Brasil, era a censura do artista. Sou o artista que tem o maior numero de músicas proibidas: 68 músicas. A primeira vez que usou-se a palavra tesão na música brasileira fui eu: Tesão odara/ um beijo santo, se amar é tanto/ Eu te amo Yara/ ... Era uma modinha, a censura proibiu naquela época. Isso foi em 1976 ou 1977. Porém, a censura dizia que a mulher brasileira não estava preparada socialmente e sexualmente para ouvir a palavra “tesão”.  Eu não entendi o que ele quiz dizer com isso, e o irmõa dela que era um intelecual e fez o julgamento, era o sub-chefe da censura, concordou. Nós brasileiros vivemos em função de pieguices, de caipirismos. Tipico de D.Pedro I, que não era o bom, bom era D.Pedri II, mais habil, mais inteligente. D.Pedro I passou sifilis para muitas negras brasileiras, deu um ponta pé no ventre da sua mulher grávida, que causoua morte da criança. D.Pedro II era bom, queria saber o que estava acontecendo no mundo, da Exposição de Paris em 1890 ele trouxe tudo que havia de bom no mundo: cineminha, balão, avião, o próprio telefone ele trouxe dos Estados Unidos. D.Pedri II era Uma pessoa exclarecida. Durou pouco, tudo que é bom dura pouco, veio o Marechal Deodoro e quebrou a Monarquia. Não era para quebrar naquela hora, durasse mais seis anos. O primeiro grande governante brasileiro foi Mauricio de Nassau, que todos diziam ser judeu-holandês, era na verdade judeu-alemão. Fugindo da Inquisição. Ele expos o nome de Nassau por que se escondeu em Nassau, seu pai era um milionário holandês. Tempo das tulipas. Como se sabe que ele era judeu? Porque quando foram redescobrir uma igrejinha em Recife, cavaram, acabaram descobrindo uma sinagoga. Viram que a sinagoga estava embaixode uma igreja. Com isso soube-se que quem chegou primeiro era judeu. Mauricio de Nassau foi o maior governate da História do Brasil. Em seis anos ele fez de Recife a capital das Américas. Ele e mais alguns brasileiros compraram a Ilha de Manhattan (Estados Unidos) dos indios Algonquin. Manhattan (Em 1610, o nome da ilha era Manahat designando em homenagem ao Rio Maurício e ao Rio Hudson) foi adquirida por Mauricio de Nassau e um grupo de brasileiros e holandeses. Essa história está escrita no Blue Bar do The Algonquin Hotel, onde o Lula ( Luis Inácio Lula da Silva) se hospeda, portanto é bom. Ele sabe o que é bom. Ele não é um sem-champagne, ele tem bom gosto! Sabe o que é caviar! Pergunte ao Lula que ele sabe bem, muito bem. Existe uma música que eu respondi ao maior sambista brasileiro hoje, o Zeca Pagodinho,, ele é ótimo, ele fez a música do caviar: Você sabe o que é caviar?/Nunca vi, nem comi/Eu só ouço falar/Você sabe o que é caviar?/Nunca vi, nem comi/Eu só ouço falar...Ele fez para mim essa música, soe eu falava em caviar nesse país! Ele fez por brincadeira. Eu sempre dei aquela idéia de querer vender a ilusão. Mulheres, caviar, champanhe. Eu nem bebo...
Juca, você veiculou pela mídia uma propaganda onde mencionava caviar e o automóvel Jaguar?
As propagandas diziam: “Ajude o Juquinha a comer caviar” e “Ajude o Juquinha a comprar seu Jaguar”. Isso é uma ação de publicidade, que, aliás, deu certo. Foi muito divertido ver como o Zeca Pagodinho fez a música, e eu fiz uma resposta, pena que ainda não conseguimos cantar juntos. Eu tenho a resposta: “ Você que nunca viu, nem ouviu, ô meu/ nem comeu o tal de caviar/ caviar não é coisa só para rico, eu explico/ basta ser pobre e ter bom paladar e aproveitar/ caviar são ovas de esturjão então/ vá para o Mar Cáspio/ Lá esse peixe tem/ Se não souber onde fica eu explico, dou uma dica/ Pergunte ao Lula que ele sabe bem/ e muito bem! ( Essa modinha foi cantada apenas duas ou três vezes em shows, é semi-inédita!).
Você é um ícone nacional, qual é a reação dos seus fãs?
Tem gente que diz: “Juquinha! Eu te adoro quando te vejo na TV!” Mas não paga né? Na TV não é fã, é admirador! Fã é o que vai ao teatro e paga! E não meia! Estudante paga meia entrada no Brasil por culpa do governo. O governo que impõe essa lei. Ensina o estudante a lesar uma profissão que é o artista. Se ele paga meia, vale meia pessoa. Se a culpa é do governo, porque não fica valendo meio voto? Deveria ter uma lei, estudante paga meia, às nossas custas, que o voto dele tenha metade do valor. Eles fazem isso para comprar o estudante. O governo brasileiro compra o estudante brasileiro, e acredita que está dando cultura. Querem formar 4800 em não sei o que, só que são apenas 200 vagas. Por quê? O governo não quer gastar dinheiro nem em cultura, nem em prisão. Preso custa muito caro. O preso só irá dar valor à sua prisão quando ele pagar pelo estrago que cometeu, se ele quebra seu carro, arrebenta você, ele deveria pegar quatro penas, sendo que a mais importante é: pagar o prejuízo. Só sai da prisão se pagar o prejuízo! Pagar como? Ai meu filho, tem várias maneiras na prisão que você pode conseguir dinheiro. Um delas é a mais comum, como existe na s cadeias muita gente, e o governo não tem inteligência para pegar esse pessoal toda e colocar para trabalhar na lavoura, quem trabalha na terra fica com a cabeça boa.  Por que o governo não resolve? Não interessa resolver! Deixa todo mundo junto, fazendo assim, quando saírem de lá, vão entrar inclusive nas grandes manifestações. Para quebrar as boas manifestações. Sou contra essas manifestações em que o povo sai calado na rua e vem a outra para quebrar.
Você conheceu Jânio Quadros?
Muito! O Jânio era muito inteligente e muito culto. Tinha as respostas maravilhosas, sabia tudo. Só que ele era ligado por um problema, a mulher dele era muito religiosa, ela mandava, por exemplo, proibir o biquíni, ela que mandou proibir biquíni, não foi o Jânio! Ela disse: “É uma imoralidade o biquíni!”. Ela não dizia por maldade, é que ela achava imoral. Era aquela geração que não evolui. Como hoje vejo minha filha se shortinho de u palmo, eu morro, mas ela é de uma geração que todas as suas amigas usam isso. Quero dar uma bronca na minha filha, mas como posso fazer isso se aparecem oito meninas amigas dela, adoro receber pessoas amigas, e vejo que que todas as amigas da s minhas filhas pensam da mesma forma. Todas falam através de um aparelhinho odioso chamado celular! Até o garoto que vai tentar conquistar a menina não a toca, ele escreve no Whatsapp . Ai como é bom! Ai fica rápido! Tudo errado! É uma lingua diferente. São estudantes que se orgulham da carteirinha para pagar meia. E ai um milhão foram reprovados, todos, 100% de reprovação na prova do ENEM! Ninguém sabe escrever no Brasil! Uma vez coloquei um anuncio: “Quero uma secretária que saiba ler, escrever e falar português”.
Quantos livros você já lançou?
O primeiro livri foi “Eu - Baixo Retrato”, o segundo livro nasceu depois, “O Incrível Juca Chaves”, saiu junto com um disco. Um terceiro livro pequenininho feito pela Editora Maltese, chamado: “A Culpa é do Governo”, é a história do Brasil liberado pelo Vice-Presidente da Republica do Brasil, como livro didático com humor contando a história de todos os presidentes, ficou entre os cinco primeiros livros mais vendidos nas duas primeiras semanas após seu lançamento. Eu quero editar o final, fui a uma editora, eles querem me dar oito por cento e ficar com noventa e dois por cento. Eu disse-lhes: “Que tal inverter?” “-Vamos brincar, eu sou o judeu e vocês são os palestinos. Eu fico com noventa e dois por cento e vocês ficam com oito por cento.” Jorge Amado era muito amigo meu lá na Bahia, tinha um grupo maravilhoso, nós tivemos grandes momentos na Bahia nós tínhamos reuniões todas as semanas, um dia estava Fernando Sabino, Calazans Neto, o artista plástico Carybé, e outros, quando chegou lá o editor e disse entusiasmado: “Jorge! Tenho uma novidade ótima para você! Não precisa mais numerar o livro! Eu disse: “-Ótima para quem?” Ficou um silêncio na mesa! É ótimo para o editor! Não numerando ele pode dizer o numero de livros que vendeu. Como gravações, eu vendia um milhão de fitas cassetes e recebeia só sobre cem mil. Não havia numeração. Quando protestei todo mundo riu, o primeiro disco numerado no Brasil foi o meu, o garoto que fez a edição numerada, a noite, eu paguei, ele foi mandado embora da Polygram. O presidente da gravadora, inclusive em um programada Hebe Camargo disse: “-Não existe máquina para numerar disco”. Eu disse: “-Existe! Ela se chama honestidade!”.
Qual é a importância da memória para o ser humano?
A memória é mais importante que o coração! O coração eu já antei em uma das musicas”...o coração é um músculo apenas...” A verdade é o que você aprendeu quando era criança: se aprendeu que dois mais dois são quatro e meio, irá repetir isso a sua vida inteira. Como repete os dogmas da sua vida. Você repete o que você aprendeu.
Quantas músicas você tem gravadas?
Trezentas e pucas. Todas compostas por mim. Umas 10 ou 20 também entram outros compositores. Tenho parceria com Olavo Bilac, Guilherme de Almeida, Castro Alves, só de gente bacaninha! Não tenho parceria com mais ninguém, tudo que fiz é meu, eu erro sozinho! Gosto de fazer errando, gosto de compor. Atualmente o Brasil não tem música, são meninos que tocam teclado com duas notas,: sol e dó. Eram três notas antes. Com isso nãoexiste melodia nem harmonia, somente o dedilhar. E tem que dançar com a perna de um lado e a perna de um lado e perna de outro lado. Mais ou menos como indio! Eu danço como indio, aprendi com o índio a dança da chuva, essas chuvas que estão caindo nestes dias é porque eu rezo toda manhã! (risos). Danço a dança do ídio, bato um pé para um lado, outro pé para outro. Estou tentando ajudar a Cantareira! Aliás o desperdício de água é muito maior em função dos erros do homem. Israel já esteve aqui no Brasil para com seus técnicos para ensinar como se faz, não adianta, eles não aprendem que é com gotejamento. Israel tira água do deserto. No Brasil, o nosso lençol freático na beira do mar vai de Fortaleza a Espírito Santo. É o maior lençol freático do mundo! Senão não teria coqueiros! O brasileiro só precisa cavar um metro! Nem precisa pedir autorização. Não pode pedir autorização no Brasil senão o departamaneto de água como da Bahia te rouba. Roubam! A eletricidade te rouba. Passou a se particular, era melhor quando era do governo. Olha que ponto chegamos! É o único país do mundo que quando tem algo privatizado piora. O Brasil diminuiu a sua potencia de honestidade, crriatividade. Faltam tres idades no Brasil: Honestidade, Pontualidade e como dizem os portugueses: Capacidade! Se nós tivermos esssas três coisas, é diferente. O pessoal não bebe cerveja no Brasil, entorna. O brasileiro não diz: tomei uma e sim tomei umas! É ua questão de educação! Pessoas dirigindo bebados e não é preso! Nos Estados Unidos se o individuo estiver bebado e causar um acidente ele está perdido, não tem defesa. Se não causar acidente mas estiver bebado ele já é preso. Vai até o juiz, que bate o martelinho e estipula a fiança em 5.000 dólares. Se o individuo não tiver fica preso. É tão simples!
Juca, qual é sua opinião sobre o Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco?
Ele foi o primeiro idealista da parte deles. Ele cometeu um erro, muito crasso, ele era muito sério, era um militar pensando como pensavam os militares antigamente. Ele era duro. Sua morte , ao meu ver não foi casual. Um jatozinho vai e bate logo no avião do presidente! Não se chegapróximo ao avião do presidente, se chega é para matar. Foi de uma super honestidade. Conheci o Castelo. Depois conheci o Presidente Costa e Silva que era um bonachão, simpático, mas fez uma lei muitodura que foi o AI-5 Ato Institucional número 5, o AI -5 foi feito em um momento em que o Brasil estava quase igual a hoje, não tão ruim! O Brasil naquele tempo por muito menos fez uma revolução.
Porque o país tornou-se mais passivo?
O problema mais grave é a justiça. O maior poder corrupto brasileiro é a justiça. Por erros judiciarios passei por maus momentos, quem me salvou foi um dos raros honestos chamado Peluso. Este homem chegou para me salvar, na hora em que eu já estava devendo ua casa que eu vendi, não recebi, e fiquei devendo 10 anos depois três vezes o valor da casa. Dentro da casa tinha toda a minha coleção de quadros: Portinari, 11 Di Cavalcanti, tantos Volpis e outras obras do mesmo nível. Eu era colecionador. No entanto, a pessoa com quem eu estava demandando ganhava sempre, tinha três juízes do lado, dois eu consegui colocar na cadeia. Eles esatavam envolvidos em grandes coisas, o meu caso chocou, a própria revista Veja transportou o individuo que armou isso tudo, me vendeu a casa, ele se diz arquiteto mas é um decorador muito bom, ele construiu a casa com alvará de demolição. Quando fui vender, o comprador que sabia disso, sem que eu tivesse conhecimento dessa situaçção toda, entrou.  A revista Veja deu toda a força que ele se transformou noEmpresário do Ano de 1976. Com isso ele conseguiu ser preso muito tempo depois no Rio Grande do Sul, quando ele comprou a Rio Guaiba, usando a mesma tática que usou comigo. Na época ele deu um golpe de 30 milhões. O golpe que ele deu em mim foi pequeno, mas era tudo que eu tinha. Ha dois anos ele foi assassinado no Paraguai, pelas costas. Se entrase no Brasil seria morto. E era apoiado por revistas, jormais. Essa é a diferença entre Brasil e Estados Unidos, lá tem poucas leis e boas, aqui tem muitas leis e más. Aqui cada lei tem outras cinquenta leis para defender o bandido dessa lei.Claro que um individuo que é bandido hoje e tem um partido que aprova é claro que ele vai querer leis que o proteja.
Você foi candidato a deputado?
Fui uma vez na Bahia, fui o terceiro candidato, só entravam dois senadores, eu tinha só 20 dias para fazer a campanha. Só falei quatro vezes, nunca fui andar na rua. Mas eu falei: quero três coisas para o Brasil: Controle de natalidade, planificação familiar para diminuir a população, obrigatoriedade de aulas de musica nos colégios, o brasileiro nãosabe cantar, não sabe música também não sabe matemática, a música é ligada a matemática. Isso pouca gente sabe, mas deveria saber! O terceiro ponto é a saúde, sem saúde não adianta nem ter educação.Para que tudo isso aconteça, temos que ter um governo culto, e não irá ter isso com os líderes que nós temos. Ai vem a diferença, quando você tem um governo um pouco melhor, Fernando Henrique era um homem cultíssimo, no entanto ele virou as costas para o Brasil na sua segunda gestão. Quando encontrocom ele falo isso! É um homem cultíssimo mas não usou acultura, no final ele já estava bonitão!
Você disse isso à ele?
Falei! Falei e cantei no Programa  do Jô que ficava por trás acenando negativamente! E o público aplaudindo! O Jô é uma pessoa muito inteligente, sabe fazer as coisas.
O que você achava do presidente  Emílio Garrastazu Médici ?
No final ele já estava calmo! Foi o melhor momento do Brasil economicamente, politicamente. Foi o grande momento brasileiro da Copa do Mundo em 1970.
E as frases como “Ame-o ou deixe-o”
Isso é aquele famoso exagero, nacionalismo falso. Nacionalismo é você saber cantar o Hino Nacional, não gritando, mas cantando. Não precisa colocar a mão no coração, isso é besteira! Você vê que os americanos não ficam clocando a mão no coração, eles ficam duros, parados, não falam, não gritam, não comentam. E cantam afinado. Acho um desrespeito a música desafinar. Quando vejo brasileiros cantando “Parabéns a Você” eu fico nervoso! Nas festinhas de família todos cantam: “Parabéns à você, nesta data querida” (Juca canta propositadamente desafinado). Não sabem cantar Parabéns! O brasileiro não canta nada, é um povo sem música! Hoje qual é a música nacional? É o Funk, são dois acordes.
E a grande musicalidade brasileira tão falada?
Já foi! O Brasil teve coisas maravilhosas. Tinha letras maravilhosas, não esse negocinho de “inho”, “ai”,”ão”. Eu procuro fazer rias ricas. Tanto queu dia uma jornalista gaúcha perguntou-me: “Juca, tchê, Menestrel, porque tu fazes rimas ricas?” Respondi-lhe: “-Porque as musas são pobres!” Aprendi com Guilherme de Almeida, cujas rimas foramas mais bonitas e complexas do Brasil, ele rimava monsilaboscom ditongos, sabia usar a poesia e o sneto. Que é uma arte. Poesia para mim, tem que ser rimada e metrificada. Soneto. Porque senão não é poesia! Mulher que fala: “Sou poeta!” já me irrita. Poetisa! A Dilma diz que é presidenta. Isso criou um problema nacional. O próximo presidente tem que ser ou um homosexual ou mulher, Não pode ser homem, teria que ser “presidento”. Ela estraçalhou a sintaxe brasileira! Simplesmente isso! Não pode ser presidenta! Isso é ua vaidade pessoal, eu achei que lógico, ela com aquela cara de inteligente, ela estava gozando todo mundo! Eu sou cantanta! Não cantante! Ela dá enfase para presidenta! Antes de ser operado fui jogar na loteria, para ganhar 240 milhões, estava precisando realmente. Eu devia 240 mil reais. Mas eu queria 240 milhões porque acho que resolveria meu problema “ ad eternum” (para sempre). A Yara quando casei foi Miss Campinas, primeira bailarinha clássica, foi professora da Claudia Raya.
Você foi comunista?
Picasso e toda uma turma eram todos do “partidão”. Quando fui comunista tinha um grande prestígio. Eu tinha uns 20anos, não tinha nada para dividir com os outros. Quando comprei meu primeiro Jaguar, vieram buscar, eu disse: “-Não! Esse eu não dou!”.
Mas você não era comunista?
Claro, mas ai eu não queria mais dividir com ninguém! Era um Jaguar, não era um livro! Em Portugal logo após a revolução do cravo vermelho, tirando Portugal da maior ditadura que já vi na minha vida, de Salazar, 80 anos, vinha a Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE) e jogava os estudantes no Rio Tejo, o estudante amanhecia morto. Naquele tempo era terrível, eu morei um tempinho em Coimbra, os estudantes eram maravilhosos, jogaram as capas pretas para eu passar por cima! Foi a mior homenagem que recebi na minha vida!
Quantos automóveis Jaguar você teve?
Dezoito! Tenho um amigo jaguarista, que perguntou-me: “-Como você vê o óleo do carro?”. Respondi-lhe: “ Vejo em um dos aparelhos que tem, são aparelhos ingleses, que marcam o óleo.”. Ele disse-me: “ –Eu olho para o chão!”. O carroé baixinho e bate nas belas ruas de São Paulo! Não são rua, são córregos! O bairro mais caro de São Paulo, que é hoje o Itaim Bibi,  o pessoal é louco! Até veio uma mulher em casa para comprar meu apartamento, achei interessante ela perguntar: “-Aqui é o Itaim nobre?”. Respondi-lhe: “- Não senhora, é o Itaim pobre! Nobreza não há no Brasil minha senhora! Aqui não é um pais de nobreza, era um pais de imperadores, não tinha reis!” Disse-lhe: “-Posso recomendar um lugar onde tem nobreza!”. Ela disse: “-Aonde? Aonde?”. “- Em Versailles ! A senhora vai a França no Palácio de Versalhes a senhora procura o Luis, no caso ele é o XIV, a senhora o procura, ele é nobre, fala em meu nome, o Juca me mandou, o Menestrel mandou um abraço Luis! Aí lá tem nobreza que não acaba mais! Tenho até sátiras a nobreza em Portugal, todo mundo era nobre em Portugal! Nobreza não tem valor algum, é o chamado sangue azul, mais importante é o meu sangue! Que é o roxo! Menestrel tem sangue roxo!
Por quê?
Não sei, dizem! Os reis se vão e os menestréis ficam! Aqui já foram muitos! Todos os presidentes que já rodaram já foram! Eu continuo! Já vieram para mim para ceder o orgão. Respondi: “- O orgão eu não doou! Eu doou o piano!”.
Com relação a Piracicaba, voce tem algo a dizer?
Eu me lembro de muita coisa de Piracicaba. A famosa música da pamonha. Piracicaba tem seu rio famoso. Acho aquilo uma delicia. Gosto de fazer teatro lá. É um público maravilhoso. O grande problema do teatro atualmente é o preço do teatro, se eu cobrar R$ 30,00, com a história de pagar meio ingresso, vira R$15,00, não dá! Você paga teatro, paga despesas, paga hotel, sobra quanto?
Quantos patrocinadores você precisa para realizar um show?
As vezes um só!  Uma vez tive uma reunião com uma gerenta de marketing do Banco do Brasil. Disse-lhe: “-Estou com vontade de ir fazer shows no Japão!”. Ela perguntou-me: “-Quanto vai custar para o Banco do Brasil?”. Repondi-lhe: “-Nada!” O Banco Itaú está com mais clientes brasileiros no Japão do que o Banco do Brasil. São 240.000 Dekassegui no Japão (Descendentes de Japonêses). Tive uma idéia. Uma boa idéia. Que é vocês não cobrarem para assistir o show do Juca Chaves que vai para lá, a colonia japonesa gosta de mim, para assistir o show de graça, basta ter o cartão do Banco do Brasil. O Banco do Brasil paga o valor do meu ingresso. Vocês não estão pagando meu ingresso, estão ganhando um cliente que paga por 100 ingressos vendidos.
Você fez curso de publicidade?
Não, eu gostava de fazer publicidade dos meus shows. Criei muita coisa que hoje é marca. A começar do meu boneco, o Juquinha, quem desenhou foi Ciro Del Nero, que foi o maior decor de teatros do Brasil. Era a pessoa que mais sabia sobre Grécia no Brasil. Sou o único artista no Brasil que tem uma marca registrada.
Quando sairá sua biografia autorizada?
Será minha biografia autorizada que eu desautorizei e agora liberei. Assim que eu tiver um tempinho de sentar em cinco dias escrevo isso.
Você vai lançar aqui na terra ou de avião?
Quando eu lanço, faço grandes lançamentos. Por exemplo, quando lancei o meu primeiro disco de ouro lancei do Corcovado, falei: “- É o lançamento mais elevado da história brasileira!”. Quando fiz meu lançamento de carreira fiz no quinto degrau do lado esquerdo de quem sobe no Viadutodo Chá. Por causa da música: “Ultimamente o meu viver tem sido escuro/O vil metal fez de meu bolso um inimigo/O meu sapato é uma manchete, só tem furo/E ando mais duro que o filé que mal mastigo/Tal um foguete americano eu sou um fracasso/Tento subir, porém, só desço neste mundo/Estou mais pobre que cultura de ricaço/Já nem no banco onde adormeço tenho fundo//
Minha família deserdou-me, fim do amor/Me abandonou a interesseira namorada/Até foi bom, só que fiquei "na fina flor"/Bem mais de fora do que quarto de empregada/Hoje o meu lar é o viaduto Dona Sônia,/Aonde insone um boêmio fez-me ser por hobby/E alí vegeto sem ter luxo ou cerimônia/Quinto degrau do lado esquerdo
de quem sobe/Como se vê, não sou esnobe”. Fiz o lançamento lá, dando água com açucar para os jornalistas. Perguntaram-me: “Mas àgua com açúcar Juca?” Respondi: Tá bom! Para quem não ganha nada está ótimo!”. Lotou de jornalistas, que acharam original. Isso que o publicitário brasileiro não tem. Ele não é original. Poucas publicidades você vê com originalidade. Tem sempre exceções, algumas até bonitas,
escrevo, cumprimento. Emílio de Menezes fazia coisas maravilhosas por volta de 1920.
Juca lembra-se do famoso jingle: “Veja ilustre passageiro,/ o belo tipo faceiro/ que o senhor tem a seu lado/E no entanto, acredite,/ quase morreu de bronquite/ salvou-o Rhum Creosotado.” Essa publicidade marcou o Brasil, foi feita em versos. Emílio de Menezes foi poeta, sonetista maravilhoso, só fazia trocadilhos maravilhosos. Ele era amigo de Olavo Bilac, um dia, na Confeitaria Colombo, perguntaram-lhe como estava o Olavo, que tinha ficado doente. Emilio respondeu: “Em casa fazendo um tratado de versificação” (Olavo estava se tratando para ver se ficava são). Emílio era genial! Essa genialidade acabou no Brasil! Uma ou outra pessoa surge com uma frase genial, como a do Joãozinho Trinta: “ Pobre gosta de luxo, quem gosta de miséria é intelectual”. Intelectual adora miséria. Filmes brasileiros agora estão imitando filmes americanos, de morte, crime, ganhamuma fortuna  esses cineastas, para não falar nada! Não fazer nada! Ganham valores absurdos para produzirem aqueles cineminhas baratos, onde você ove a voz diferente do moimento da boca.  Contrate um bom artista! Tanto assim quejá aparece um ou outro já melhor. Mesmo assim o texto é fraco. O cinema brasileiro tem que melhorar muito. Querem fazer cinema porque acham chique! A televisão é bem feita.  A Globo faz uma boa novela, só que acho um absurdo o brasileiro ficar 50 capitulos assistimdo bobagem. Não aprendendo nada.  Poderiam colocar um teatro de vanguarda. Você liga a televisão italiana, que é quadradinha, mas lá tem Cyrano de Bergerac, Victor Hugo,  você vê grandes obras do mundo inteiro. Mas em seriados. Aqui tem muita coisa clássica, José de Alencar, poderia ter tanta coisa bonita no Brasil. Os clássicos brasileiros. Mas não, ficam fazendo 50 capítulos para a mulher chegar e falar: sabe! Falando italianado, como o paulista fala, roubando o nosso “s”, o italianoveio roubar nosso “s” no Brasil. Eles não têm plural, é difícil para eles falarem nós fomos. É muito divertido ver cada colônia falar, com sotaque, nós brasileiros dizemos que os portugueses têm sotaque, nós é que temos sotaques.  A língua portuguesa é de Portugal. Que é a correta. Nós não falamos “vou ir”. “Vou ir” é um pecado para a língua brasileira! O pessoal aqui põe dois verbos juntos, usam de “tu” para “você”. A língua acabou no Brasil. Com o advento da internet parece que você esta escrevendo em hieróglifos. Quando alguém manda uma mensagem para mim, muitas vezes fico pensando: “O que quer dizer isso?”. Como vou saber que “td” é tarde? Antes que o show acaba, vamos para Piracicaba! Tinha uma música que eu gostava de cantar: “ Vamos Marica vamos, vamos para Jundiaí/ com tudo você vai, só comigo não quer ir”. Essa é uma modinha tradicional que a minha mãe cantava para mim.
Nesses anos todos, tivemos grandes programas de humor, pode citar alguns?
A “Escolinha do Professor Raimundo” foi uma das melhore coisas da televisão brasileira, de humor simples, fino, puro, igual ao mexicano Chaves. Acho que podiamos ter humor bom, como tinhamos naqueles programas de rádio: PRK-30, no Rio de Janeiro tinha o “Balança Mas Não Cai”. Eu acompanhava tudo isso. Meu pai trazia o jornal “O Governador”. Como jornalista entrevistei o Barão de Itararé, Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly, também conhecido por Apporelly ( E pelo falso título de nobreza de Barão de Itararé). Fiz a entrevista em um apartamento pequenininho, próximo a Avenida São João, cheio de jornais empilhados, e um formigueiro do tamanho do apartamento, ele montou o formigueiro para ele ver como as formigas vivem. Ele ficava estudando o trabalho das formigas. Ele tinha piadas maravilhosas. Quando a polícia entrou batendo nele, gritou: “Viva a Revolução”, quando a polícia entrou dando cacetada ele gritou “De 30, de 30 !”. Outra grande dele foi que a polícia entrou batendo nele, ele colocou um cartaz escrito na porta: “ Entre sem bater”. Quando estive na última vez com Millor Fernandes, estava a Fafá de Belem, havia um grupo bom de caricaturistas, Millor disse: “Estamos acabando, Juca!”. Nunca mais me esqueci disso.
Você esteve com Nelson Rodrigues?
O vi uma vez, não gostava da maneira como ele se expressava na redação. Mas ele tinha coisas ótimas. Inteligentíssimas. Tinha umas coisas machistas como: “ Nem toda mulher gosta de apanhar, só a normal!”. Não é bem assim! Pelo contrário, acho que a mulher não gosta de apanhar! Mulher gosta de apanhar a carteira do homem!
Como solucionar a situação política, economica e cultural do Brasil?
Fácil. Pintar 120 milhões de brasileiros e jogar na floresta! Uma segunda porssibilidade é mandar cem milhões de brasileiros para o Japão, e eles mandam cem japoneses com alta tecnologia de construção para cá. Ai mandamos outros cem milhões de brasileiros para lá e eles mandam mais japoneses com alta tecnologia para cá. Com isso vamos encher o Japão de brasileiros, vai afundar a ilha! Para alegria dos chineses! Ai vamos para a China e fazemos um negócio da China! Com alta tecnologia japonesa, que é a melhor do mundo!
Há a possibilidade de lançar a chapa Juca Chaves para Presidente do Brasil?
Quero ser Vive-Presidente! Muito melhor! Vice-Presidente faz o que quiser e ninguém está sabendo o que o nosso está faendo. Já percebeu? Já o Presidente todo mundo cai de pau. Essa culpa toda não é da Dilma. É de toda uma equipe de maus administradores, maus economistas, que raciocinaram como pobre, ai vem aquela frase: “Conversa de sapateiro se fala de sola!”, uma frase judaica, pobreza vem do pobre, pobre julgando como pode ficar rico, só pode dar pobreza. Quando Karl Marx e Friedrich Engels previram economia livre, foi para um povo culto, para a Inglaterra ou para a Alemanha, nunca para a União Soviética ou para a China. A China na época era um bando de imbecis em que estudante batia em professor na rua.A União Soviética eram aqueles camponeses todos coitados, e uma elite, que tudo que tem de bom ainda na Rússia, é como o que tem de bom no Brasil do período de Mauricio de Nassau. É o passado, tempo dos czares. Você vai à França, a França de hoje não é a França de Luis XIV, Luis XV, Luis XVI.   Georges-Eugène Haussmann, o Barão Haussmann, entre 1853 e 1870. foi responsável pela reforma urbana de Paris. Ele fez a arquitetura da única cidade do mundo que é toda de quatro andares. Igual a São Paulo, quatro andares acima do possível e imaginável! São Paulo é toda ilegal, completamente. Esse prefeitinho, que já se esperava que não ia fazer nada, fez uma coisa boa, apesar de ser do “partidão”. Ele proibiu novos apartamentos, só agora, mas saiu a lei. No Itaim já iam construir um prédio de 30 andares, colado ao meu prédio que tenho uma vista para a Avenida Paulista. Eu ia morrer. Não deixaram, ele falou, só quatro andares, reposição.Acho já muito. Quando Oscar Niemeyer e Lucio Costa fizeram a Barra da Tijuca era permitido quatro andares no inicio. É o único lugar civilizado do Rio!  A Bahia estava ótima, ai entrou esse petezão e colocou prédio em todo quanto é lugar. Na orla! Todos com aquela cara de prédio de pobre. Pior do que a favela, porque a favela tem mato! Tem verde!Os prédios são favelas sem verde! Eles colocam no anuncio: “Você de frente para o verde”, colocam um coqueiro.
Você gosta de futebol?
Sou torcedor do São Paulo. Fiz até uma música afirmando isso:
 Miau, boa pedida,eu sou um gato,/gato miando nos telhados lá da Augusta./Gato que assusta, gatas que tem,um bom telhado, pois enfim sou um gato bem,/um gato bem, um gato bem, um gato bem./A exemplo do Ricardo Amaral,/sou um gato social,/um bichano disputado/No telhado, porémsendo um gato bem lançado/à velha Novacap/já ouviram o meu miado//Meu nome sai aí a três por dois,/até a rua Augusta, esporte, sociedade pois,/bom São Paulino, fino felino,/não há gata que resista a esse meu miar de artista,/muito em vista,/Na órbita, nos telhados onde eu vou,/fazer a serenata para minha gata do dezoazor,/embora, a plus ultra muito grossa/não entenda a minha bossa/vou miar em teto quente na tangente do conveniente./Miau, miau,/miau miau/sou um gato/social,/miau, miau/miau, miau,/sou um gato social. Sou do tempo de Leônidas, que para mim foi maior do que Pelé. Eu não tenho duvidas, perguntei a vários europeus que conheceram. Ele é para nós é um gênio, um Deus, em 1954 a Hungria teve o melhor futebol do mundo. Ganhava de 7, 8. Perdeu o último jogo para a Alemanha porque a Alemanha conhecia o doping. Um dos aspectos é para quem entra mais dinheiro, futebol tem esse negócio. Futebol sem dinheiro não é futebol. Perde o encanto daquilo tudo. Mas não precisava exagerar fazer um estádio daquele jeito! O Estádio do Corinthians foi uma vergonha! Foi uma doação minha, que sou são-paulino, não temos nada da simpatia do presidente que elege a ele. Um presidente tem que ser neutro. Ele deu três trilhões, ele jogou fora, quantos hospitais se fariam com três trilhões? O que é mais importante?  Política quando entra no esporte acontece o que aconteceu. Sabe lá o jornalista inglês, aquele profissional é bom.
Quais são as novidades que você estará apresentando em breve?
Eu estou aguardando os acontecimentos brasileiros. Vou viajar. Pretendo voltar para a Europa, não quero voltar à América, lá já estive por bastante tempo. América é boa para quem quer consumir. Eu quero ver arte. Itamar Franco foi mandado para Itália. Foi adido cultural. Algo que eu gostaria de ser, para ajudar a levantar mais ainda o nome do Brasil. Perguntaram ao Itamar que ele achou de Roma, morando na praça mais bonita do mundo, que é a Piazza Navona, dentro da Embaixada do Brasil, que é a embaixada mais bonita do mundo. Itamar deu seu parecer sobre Roma: Tem muita estátua!
Qual é a sua visão sobre o grande número de partidos políticos existentes no Brasil?
Sou a favor de dois partidos apenas. Na Suécia existe isso, todo candidato tem que fazer um concurso para entrar. Você quer ser vereador em Piracicaba, tem que prestar um exame. Quantos ônibus, ambulâncias, hospitais, delegacias, a cidade tem. Você tem que saber para ser vereador. Mandar um Tiririca pare ser deputado federal! Não sabia nem escrever, aprendeu no dia! Não que ele seja mau, talvez ele tenha o principio democrático melhor do que muitos. Mas não pode ter, ele nunca leu nada. Ele era divertido. Mais um palhaço no Brasil! Quando fiz a musica “Fim do Mundo Vem Aí” eu canto:“ O mês de dezembro, 21 esse é o seu dia, já em outubro se me lembro, a eleição virá, sorria! Candidato Tiririca, filósofo tão profundo, declarou pior não fica, e ficou, é o fim do mundo! Nem Àfrica, nem Europa, nem tão quente, nem tão frio, teremos a nossa copa, para o Galvão gritar Brasil nos estádios sem escolas, quem paga as obras em agosto, nunca o governo, ora bolas, somos nós pagando imposto. Agredimos um suiço, boa coisa ele não é, Dona Dilma ouvindo isso, revidou o pontapé, seu atraso é que aborrece, presidenta não confunda, politico é que merece um solene pé na bunda.”
Juca você canta descalço, qual é o motivo?
Virou habito. Quiano comecei a cantar, no Clube Pinheiros eu cantava descalço, em um caramanchão, ai comecei a fazer televisão, ficava descalço. Cantei para o Juscelino Kubitschek fiquei descalço, ele tirou o sapato, ficou de meia, posso ficar descalço, agora é um problema quandoé inverno, peguei quase pneumonia, ponho um aquecedorzinho no pé. Mas eu quero ficar descalço. Ai tenho que colocar bota. Ai eu digo: “-Um homem inteligente calça as botas e bota as calças. Muita gente diz: “Vejo você na rua calçado!”. Claro. Eu durmo descalço, na minha intimidade estou descalço, canto descalço, mas não ando descalço na rua!
Isso é só divertido?
Só divertido, mais nada. O Brasil é um país divertido hoje, é carnaval! É o que disse aquele jorrnalista inglês, enquanto vocês ficam “samba, samba”, o Brasil está sendo espoliado, roubado e ninguém pode fazer nada. Porque o próprio governo está roubando. Em uma casa, se o pai roubar, a mãe roubar, o filho irá roubar! É uma questão de educação! Um dia perguntaram-me, qual era o livro qeu eu teria o orgulho de ter a assinatura do autor. Falei: a Bíblia!
Juca Chaves, gostaria de deixaruma mensagem aos leitores e ouvintes?

Tenho uma teoria muito importante que gostaria de torná-la publica: “ Depois da tempestade vem o tsunami” (muitos risos). 

Arquivo do blog