Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, maio 01, 2016

IVONE CLAUDETE COSTA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BETEL ( LAR BETEL)

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado , 16  de abril de 2016.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/
ENTREVISTADA: IVONE CLAUDETE COSTA



 ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BETEL ( LAR BETEL) 

Nos finais da década de 40 um grupo dedicado de senhoras da então Igreja Metodista Central de Piracicaba, lideradas por Branca Leite Marcondes, costuravam para os pobres, também forneciam alimentos e outros auxílios, com materiais que eram doados com esse fim, além de pagarem alguns aluguéis para famílias carentes. Esse trabalho social gerou uma idéia mais abrangente, focada em idosos, decidindo elas criar uma instituição beneficente, em 1953, que denominaram “Serviço de Assistência Social Betel”. O nome Betel vem de inspiração bíblica, significando “Casa de Deus”. A finalidade inicial era de construir pequenas casas para dar abrigo â famílias carentes. Posteriormente a Instituição passou a se chamar “Associação de Assistência Social Betel”, adquirindo ,assim, personalidade jurídica. Adotou a denominação popular de Lar Betel.
Ivone Claudete Costa é piracicabana, nasceu a 23 de fevereiro de 1948, na Rua Santo Antonio 412, filha de Geni Ferreira Barros e Guilherme Ferreira Barros que tiveram ainda os filhos Davi, Jonatas e Guilherme.  Seu pai era corretor, gostava muito de plantas cultivava mudas de eucalipto, café, vendia mudas de uvas, laranja. Ele tinha um sítio onde esse cultivo era realizado.
Em qual escola a senhora fez os seus primeiros estudos?
Estudei o primário no Grupo Moraes Barros, em seguida no Instituto Piracicabano e depois no Instituto Sud Mennucci. Perdi a minha mãe quando eu tinha ainda 14 anos.
Como o seu pai conseguiu educar os quatro filhos?
Ele contraiu um novo matrimonio, passamos a ter uma madrasta. Também casei cedo, cada um de nós foi tomando seu rumo.
A senhora se casou em que data?
Foi a 8 de novembro de 1964, o casamento foi realizado na Igreja Metodista da Paulista. Casamos juntos, eu e meu irmão mais velho, as duas noivas iguais. Meu7 marido chama-se Antonio Fernando Costa, super disposto, joga futebol duas vezes por semana.
Qual era a atividade profissional dele?
Ele foi metalúrgico, trabalhou na Ford, na General Motors. Em 966 mudamos para São Paulo, fomos morar no bairro Ipiranga e depois em São Caetano. Minha atividade era dona de casa. Tivemos quatro filhos: Helenice, Claudia, Fernando e Filipe. Tenho nove netos e no final do ano deve nascer um bisneto.
Como foi o seu ingresso no Lar Betel ?
Ingressei como voluntária, eu vim trazer uma pessoa para vir morar aqui, depois de um tempo o pessoal da Igreja concorreu a uma eleição, foram eleitos. Como mulher integrante da Igreja vim ajudar no bazar: separar roupas, dobrar roupas, ajudar a vender para arrecadar fundos para a Instituição poder caminhar. Depois fui convidada a trabalhar. Trabalhei no bazar, em menos de um ano convidaram-me para ajudar na parte interna.
Como funciona o bazar?
Trabalhamos de segunda a sábado, são funcionários, são quatro funcionários remunerados, senão não funciona. Não posso trabalhar com voluntariado. O voluntário vem acrescentar. Tem que ter gente pilotando. São duas pessoas responsáveis e duas auxiliares. Trabalhamos o dia inteiro, não fechamos nem na hora do almoço. Temos muitos clientes para atender. A nossa clientela é muito boa, e o bazar é uma ferramenta muito boa. Colabora muito com a nossa parte financeira. Às vezes as pessoas perguntam se não temos uma equipe para participar da Festa das Nações. Se for fazer um negócio tem que fazer muito bem feito, fazer “meia-boca” não é nosso perfil. Investimos no nosso bazar, construímos um prédio só para o bazar, temos uma equipe muito boa trabalhando. Tenho o pessoal voluntário, que vem consertar roupa, separar roupa, a roupa quando chega, sobe e vai para uma triagem, ela não chega e vai para a banca. Ela é selecionada, se tem uma roupa boa que merece um conserto, tem um descosturado, falta um botão, isso é refeito e vai para o bazar. Tem roupa que chega boa, mas suja, ela passa por uma lavagem e vai para o bazar. É um processo trabalhoso mas que para gente vale a pena.
As doações são retiradas pelo Lar Betel quando a pessoa ou empresa oferece-as?
Temos um caminhão, com dois funcionários, um motorista e um auxiliar, é um caminhão médio da Hyundai, antes tínhamos uma Kombi, mas era difícil para trazer móveis. Esse caminhão fica disponível para coleta de doações de segunda a sábado até as cinco horas da tarde.
Quantos internos existem hoje no Lar Betel ?
São 90 internos, sendo 45 homens e 45 mulheres. São separados por alas, o lado masculino e feminino dos que são independentes. Tem a enfermaria também separada em masculino e feminino. Já são pessoas acamadas, que usam fraldas. São pessoas dependentes de cuidados as 24 horas do dia, sete dias por semana. Temos quartos  independente, temos quarto para três pessoas, há quarto com cinco mulheres, que é um quarto maior, bem ventilado, com banheiro interno. Temos também os apartamentos individuais, onde a pessoa mora sozinha ou pode compartilhar, há uma privacidade maior.



Existe alguma recomendação quanto a religião que a pessoa pratica?
Os católicos e os evangélicos têm espaço aqui. Há um dia em que é ministrado o culto católico. E os evangélicos têm o dia deles também.  Têm os domingos e sábados organizados, eles vêm e fazem o seu trabalho sem impedimento nenhum. Temos essa liberdade e esse respeito.
Qual é o cargo da senhora no Lar Betel ?
Sou administradora, recebo um salário para desempenhar minha função desde 1999.
Tem um presidente?
Temos! Qualquer documento que for necessário da Instituição, nós temos tudo. Das áreas municipal, estadual e federal.
Existe uma diretoria?
Sempre existiu.
Mas quem manda para valer, no dia a dia é a senhora?
Eu cuido do dia a dia, mas temos uma diretoria que planeja o ano. Toda parte de construções, ou que implicam em obras maiores é sempre discutido, orientado, há um super planejamento. O presidente é o Dr. Luiz Adalberto do Santos. Tem alguns empresários, advogados, e pessoas da comunidade que dirigem. O Vice-Presidente Eduardo Mota Rodrigues, Secretário Sebastião Mário de Souza, Tesoureiro João Antonio de Camargo, Elenice de Souza Aparício Callaú, Jorge Vidigal da Cunha. O Conselho Fiscal é composto por Adolpho Beismann, Juscelino Rodrigues Monção Neto, Ricardo Sales da Silva, Rinalva Cassiano Silva e Uilson Luiz Sancassani. A Equipe de Gestão é formada por: Ivone Claudete Costa, - Administradora,  Celise Helena Calixto – Vice Administradora, Dorivaldo Custódio Barbosa – Médico Voluntário, Antonio Fernando Costa do Setor de Manutenção e Reparos, Davi Ferreira Barros – Controladoria e Finanças, Caroline Pinto de Oliveira – Nutricionista, Isabele Juliana Marques Siqueira - Enfermeira, Kellen Cristina Sabbadin – Assistente Social, Maria Aparecida Medeiros da Silva – Setor de Higiene e Limpeza, Maria do Carmo Duarte Novaes – Fisioterapeuta, Maria Perecim da Silva – Gerente do Bazar, Paula Fernanda de Abreu Maia – Psicóloga e Samira Abude Scheidi – Terapeuta Ocupacional
Aproximadamente quantos funcionários trabalham no Lar Betel?
São em torno de 57. A área que mais temos funcionários é a da enfermaria. Temos enfermeiras, auxiliares de enfermagem, a farmacêutica, depois tem a equipe de técnicos e auxiliares de enfermagem. E os cuidadores, que ficam mais na área do banho, dos procedimentos de higiene, da arrumação das camas. A enfermagem é quem faz a administração de medicação, curativo, procedimentos mais de enfermagem mesmo.

Como é a parte recreativa junto aos moradores?
Temos muitas atividades internas com grupos externos, neste momento está tendo terapia ocupacional, uns fazem caixas de madeira, pinturas. A encarregada prepara também um coral, canta com eles, ensaiam musicas que eles escolhem, depois fazem um apresentação aqui dentro para os funcionários. Toda quinta feira tem atividade física, Dr. Miguel Duarte que é um cirurgião plástico vem há mais de dez anos como voluntário, pega os cadeirantes e os não cadeirantes e faz atividades com bola, com faixas, tem dias que ele Poe musica, canta e dança com eles. Temos grupos externos também, recebemos a visita de cachorros, pessoas que vem apresentar um coral, ventríloquos, palhaços, sessão de cinema com pipoca, guaraná e Coca-Cola. Procuiramos filmes da época, filmes mais antigos, com artistas que eles relembram.  Trazemos muitas atividades para dentro do Lar Betel. Geralmente aos homens gostam de assistir futebol, o programa Cidade Alerta, esses jornais mais intensos. Promovemos muitos passeios, no mês passado fomos até Barra Bonita, de ônibus, incluiu passeio, almoço.Essas viagens fazemos da mesma forma como sai com um bebe, levamos mochila, com medicamentos, primeiros socorros, fraldas, uma peça de roupa para o caso de uma emergência durante o passeio. O ônibus alguma pessoa da sociedade cede para nós.

Quantos anos têm o idoso de idade mais avançada?
Ele completou 97 anos no começo do mês agora.
A grande maioria do pessoal que trabalha aqui ou é voluntário, é ligado a Igreja Metodista?
Temos de tudo, o fato de ser uma Fundação Metodista não implica em sermos fechados. Temos muito apoio de empresas e pessoas. A Drogal é nosso parceiro. O presidente da Unimed, Dr. Carlos Youssef é nosso parceiro. Ele junta lacre e vem trazer cadeiras de rodas para nós, o Vereador André Bandeira doou recentemente duas cadeiras de rodas. O Lar Betel não é uma instituição privada, particular. Não temos barreiras, recebemos bem todos mundo. Temos muitas escolas que vem aqui trazer as crianças, às vezes fazem uma campanha, com detergente, açúcar, açúcar, eles vem e trazem. Outras trazem um sabonete para cada idoso. Eles têm o prazer em entregar. E o olho do idoso brilha quando vê criança. Mexe com eles, é muito interessante. Temos uma agenda que as vezes precisamos organizar, não dá para receber dois grupos de visitantes ao mesmo tempo.

A função do presidente no Lar Betel é voltada mais para que setor?
È voltada para o planejamento. Os três últimos presidentes são advogados. O presidente é a pessoa que dá as diretrizes, são discutidos os assuntos, as necessidades, ouvindo a todos é que acaba surgindo novas ações. O Presidente não fica aqui no dia a dia. A nossa função é servir, só estamos aqui por causa desses idosos. Eu falo para a equipe: “ Nós temos que afofar a cama”. Aliviar as ansiedades, às vezes eles tem problemas familiares, ou de dor. Ontem uma das internas queria um pastel de carne, fomos conseguir um pastel de carne. Ela estava com muita vontade. Eu não consigo fazer isso todos os dias a toda hora, mas se é possível porque não? É por que digo que a nossa função é “Afofar a cama”. Tentamos de todas as formas fazer com que o interno sinta-se bem, com dignidade aqui dentro.
Como é a situação financeira do Lar Betel?
Redondinha! Está muito redondinha! Por exemplo, se eu vejo que não tem recursos, puxo o freio. Se tiver capacidade, caminha. Mas nunca voltamos. A organização dessa diretoria é muito rígida. 2 mais 2 são 4 ! Só damos um passo se tivermos condições de dar esse passo.  Não é questão de sobra, é questão de organizar. Tem que ter reserva, garantia de folha de pagamento. Isso é imexível. Não se faz nada contando com essa reserva. Cuido como se fosse a minha casa, eu peço: “Cuidado com a porta, com o móvel, falta um parafuso, conserta, não deixa cair.”
Há idosos que usam computador?
Temos uma sala de computação para o uso dos idosos. Alguns têm facebook. É uma forma de resgatar a dignidade, colocá-los na comunicação. Aproximá-los o Maximo possível da realidade. Temos jornais e revistas a disposição. Tem gente que traz revista para nós, são coloridas, revistas como Contigo, Veja, revistas de moda, tem um atrativo. Se pensarmos bem, cama e comida é a parte mais simples. Mais fácil. Está mais próximo. Temos convenio com a FOP – Faculdade de Odontologia de Piracicaba, onde são feitas as próteses, extração de dentes que estão prejudicando, isso é resgatar a dignidade, dar para o idoso boas condições de saúde e qualidade de vida. São detalhezinhos que fomos conquistando ao longo do tempo. Fomos crescendo e aprendendo aqui. É um investimento em resgatar a dignidade dessas pessoas. E é trabalhoso, a equipe trabalha muito. O trabalho é intenso, as vezes faltam braços.

A senhora consegue sair no horário normal?
Só que o meu celular fica ligado, já cheguei estar em Florianópolis e ligarem perguntando: Aconteceu isso, mais aquilo, o que eu faço? Onde quer que eu esteja estou a disposição. Já vim para o Lar Betel muitas vezes de madrugada. Hoje a equipe amadureceu mais. Quando comei era muito carente, muita falta de recursos, dependia muito mais da minha presença. Não tinha a equipe de profissionais que hoje existe. Mas mesmo assim aos sábados, domingos, as vezes venho aqui resolver alguns problemas.
Atualmente muitas empresas e entidades lutam com o uso do telefone celular pelo funcionário em horário de trabalho. O Lar Betel conseguiu chegar a uma solução?
No nosso regulamento interno já proibimos o uso de celular durante o expediente. O celular fica dentro do armário de cada funcionário. Não fica com a pessoa durante o trabalho. Se for alguma coisa urgente a família irá ligar na Instituição. Agora ficar com conversa coloquial durante o expediente é impensável. O funcionário que quiser adquirir algo no bazar o valor é descontado na folha de pagamento. Caso tenha atingido o limite pré-estabelecido de compras o funcionário é avisado que já atingiu seu limite de gasto naquele mês, não pode comprar mais. No caso de chegar doações que interesse a um funcionário ele pode adquirir, irá pagar o mesmo preço que um cliente comum pagaria.
Quem desejar ser voluntário passa por algum processo de seleção?
A psicóloga ficou responsável por isso, quem desejar ser voluntário preenche uma ficha, é analisado o perfil da pessoa, qual é a área mais indicada para ela trabalhar. Quando tenho que apontar alguma falha de algum funcionário, digo-lhe: “Como você gostaria de ser tratado quando chegar nessa idade?”. Com respeito! Você tem que olhar para ele como se fosse você nessa situação. Amor e paciência têm que caminhar muito juntos. 
Pode-e dizer que o poder não afetou o comportamento da senhora?
Não tenho poder, só tenho vontade. Tem que contagiar a equipe a atender o idoso com dignidade. Todo dia de manhã, das 8:30 as 9:00 tenho uma reunião com a equipe multidisciplinar, quando resolvemos os problemas. Aqui o idoso, independente de quem ele foi, aqui ele vai ter uma página em branco, aqui ele terá uma nova história.  

Arquivo do blog