Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

terça-feira, julho 26, 2016

ELDA NYMPHA COBRA SILVEIRA

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 23 de julho de 2016.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:tp://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/
ENTREVISTADA: ELDA NYMPHA COBRA SILVEIRA
    

                                        
Elda Nympha Cobra Silveira nasceu a 22 de março na cidade de Piracicaba, filha de Antonio Cobra Filho. Ele veio da Itália, da região de Treviso, completou um ano de idade no navio, durante a viagem. Antonio Cobra Filho casou-se com Eduarda Garcia Cobra, filha de espanhóis, tiveram os filhos: a primeira filha que faleceu precocemente, em seguida nasceu a filha Aneli, depois nasceu Adair, falecida ainda muito nova, em seguida nasceu Amires, nasceu o Esmeraldo, que também faleceu muito jovem, a seguir nasceu Elda Nympha. Quando seus avós paternos chegaram foram para a localidade rural de Paraiso, na região de Piracicaba.
Em que local você nasceu Elda?
 Eu nasci no Bairro Alto, na Rua Manoel Ferraz de Arruda Campos, esquina com a Rua Moraes Barros, em um sobrado, no térreo era um armazém. Quem tomava conta do armazém era a minha mãe. Meu pai tinha a Serraria Cobra, situada onde hoje é a casa de plantas Nativa, na esquina da Rua São Francisco de Assis com a Rua Governador Pedro de Toledo. Aquela área toda pertencia ao meu pai e ao meu tio Pedro. Assim como a área onde hoje se situa o Teatro Municipal Dr, Losso Netto que ao que me consta pertencia a nossa família.
O que o famoso seresteiro Cobrinha era do seu pai?
O meu tio Victório Ângelo Cobra, popularmente conhecido co “Cobrinha” era irmão do meu pai.




O seu pai formou um conjunto musical?
Ele montou o “Chorocobra”, era composto pelos seus filhos e mais duas pessoas que não pertenciam a família.
Você estudou em que escola?
Estudei no Colégio Nossa Senhora da Assunção, usava saia plissada, gravata, meia três quartos, manga cumprida, com aquele calor não sei como agüentávamos !
Como você ia para a escola?
Eu sempre ia e voltava a pé, na época morávamos na Rua Ipiranga quase esquina com a Rua Boa Morte onde atualmente é a Imobiliária Jorge Martins. Foi meu pai quem construiu aquela casa. Nessa época o Colégio Nossa Senhora da Assunção funcionava no prédio do Externato São José, na Rua D.PedroII esquina com a Rua Alferes José Caetano, onde mais tarde funcionou a Faculdade de Odontologia. Fazíamos as aulas de Educação Física acima do Colégio Nossa Senhora da Assunção, era a praça de esportes, era acima do Lar Escola Coração de Maria Nossa Mãe.
Até que ano você estudou no Colégio Assunção?
Em 1951, com 18 anos, me formei em magistério na Escola Normal Livre Assunção. Lembro-me que nas festas que havia na escola eu cantava. Uma delas era (Elda põe-se a cantarolar o Hino Oficial Da Marinha Brasileira (Cisne Branco): Qual cisne branco que em noite de lua/Vai deslizando num lago azul/O meu navio também flutua/Nos verdes mares de Norte a Sul/Linda galera que em noite apagada/Vai navegando num mar imenso/Nos traz saudades da terra amada/Da pátria minha em que tanto penso/Quanta alegria nos traz a volta/À nossa Pátria do coração/Dada por finda a nossa derrota/Temos cumprido nossa missão/Linda galera que em noite apagada/Vai navegando num mar imenso/Nos traz saudades da terra amada/Da pátria minha em que tanto penso/Qual linda garça que aí vai cortando os ares/Vai navegando/Sob um belo céu de anil/Minha galera/Também vai cortando os mares/Os verdes mares/Os mares verdes do Brasil”. 




Cantava também outras musicas.
Você iniciou lecionando em que escola?        
Fui lecionar no Grupo Barão do Rio Branco, em Piracicaba, como professora substituta. Inscrevi-me para lecionar fora de Piracicaba. Lá eu fazia de tudo, organizava desfies, tocava piano, ajudava no canto orfeônico.
Nessa época você já tinha conhecido o seu futuro marido?
Eu conheci Pedro José Silveira Lara em 1954. Fomos a um noivado de uma pessoa conhecida da família, em uma fazenda. Ele me acompanhou até o carro do meu pai.
A lua-de-mel foi em qual localidade?
Foi em Santos, no Atlântico Hotel. Fomos de carro do pai dele. Ele era muito novo ainda, tinha 21 anos.
Vocês tiveram filhos?
Tivemos três filhos: Silvana, Fábio e Gustavo. Hoje além dos filhos tenho sete netos e um bisneto!
Qual era a profissão do Pedro?
Ele era empresário do setor de ônibus. Quando ele se casou aos 21 anos de idade já tinha uma empresa de ônibus. Seus irmãos, todos eram empresários do setor de ônibus, eles tinham atuação na cidade de Sorocaba.
O Pedro foi um dos pioneiros na área de transporte público em Piracicaba?
Acredito que a família Marchiori iniciou antes. O Beneton veio depois. Eram muito amigos, o Pedro e o Beneton, na cidade de Laranjal Paulista.
Seu marido, Pedro José, montou algumas linhas de ônibus em Piracicaba?
Montou a linha que ia até Santa Terezinha, para Rio das Pedras, a linha Jaraguá com dois percursos, via Brasílio Machado e via Avenida 9 de Julho, teve ainda uma empresa que ia para Anhumas cujo terminal ficava na fazenda do meu sogro, a Fazenda Graminha. Por alguns anos a garagem de ônibus da Viação Silveira era no local onde mais tarde estabeleceu-se a Nossa Caixa Nosso Banco, atualmente Banco do Brasil, na Avenida Dr. Edgard Conceição, entre a Rua do Rosário e Rua Sud Mennucci, propriedade de José Nassif, logo acima na esquina morava o Padre, hoje Monsenhor Luiz Giuliani. Havia personagens, funcionários, que fizeram com que a empresa crescesse. Um dos fatos brilhantes era quando fundia o motor de um dos ônibus, aos quais chamavam de “carros”, tinha que fazer o motor, pelo fato da frota ser reduzida, assim que era dada a última volta, o ônibus encostava e os mecânicos passavam a noite fazendo o motor do mesmo, para no dia seguinte o veiculo estar rodando logo bem cedo. Foi uma grande luta. Os funcionários dessa época eram o José, primo do Pedro, o Luiz, o Osvaldo (Vardão), o Xuxu, o Esquisito, o Fusco, o Bento e outros cujo nome não me vem a memória, isso faz décadas. Na lateral de dois ônibus ele escreveu o nome dos filhos, uma estava escrito Fabinho em outra Silvana.




Uma das grandes inovações em termos de conforto foi um novo modelo de ônibus?
Era o ônibus monobloco, cujo motor ficava na parte traseira do ônibus. As cores que prevaleciam nos ônibus eram azul e branca. Da Paulista, a garagem foi para a Avenida São Paulo, onde permanece até hoje. O importante é o pioneirismo, trabalharam muito, os empregados o queriam muito bem.




Como foi a construção do barco em cima de tambores?
Na verdade era uma balsa, em cima da balsa colocaram a carcaça de um ônibus, e navegou por muitos anos pela represa que chamávamos de “Represa do Pontão” mais tarde o Pedro tirou a carcaça do ônibus e construiu uma casa em cima da balsa, com dois quartos, sala e banheiro. A sala e a cozinha eram conjugadas. Freqüentei muito aquela casa em cima da balsa, navegando pelas águas, nós adorávamos passear naquela embarcação. Além do Pedro tinha três sócios na embarcação, eram dois diretores da Alvarco: o Alvaro e o Marcos. O Antonio (Gegé) Beneton também era um dos sócios.
Qual era a sua relação com o seu tio Cobrinha?
Era muito boa. Cantei com ele, ele era muito exigente, tinha que ser perfeita. Cantava em casa, todo aniversário do meu pai ele ia lá, meu pai gostava de dar uma festa, nada era adquirido fora de casa, nós tínhamos que fazer tudo, fazíamos coisas bem caprichadas. O meu tio Cobrinha ia cantar, eu me aventurava a cantar com ele, cantávamos mais serestas. Ele tocava violão, não havia mais nenhum instrumento musical. Eu toquei piano por muitos anos, toquei em casamentos, cantei diversas vezes no Colégio Assunção. Cantei muito na Igreja dos Frades (Igreja Sagrado Coração de Jesus), era um grupo com o Frei Alexandre.  Já cheguei a cantar no coro do Maestro Ernst Mahle.
Atualmente você faz parte de vários movimentos literários?
Faço parte de vários grupos literários como o CLIP – Centro Literário de Piracicaba, o GOLP- Grupo Oficina Literária de Piracicaba, Sarau Literário Piracicabano, sob a coordenação de Ana Marly de Oliveira Jacobino, do Clube dos Escritores cadeira 23 sendo o patrono o meu tio Victório Ângelo Cobra, da Academia Piracicabana de Letras cadeira 21, cujo patrono é José Ferraz de Almeida Júnior. Sou integrante do Lions Club de Piracicaba Leste.
Você é também artista plástica?
Eu pertenci a APAP Associação Piracicabana dos Artistas Plásticos, recebi vários prêmios: medalha de ouro, prata, bronze, sendo o prêmio maior o “Troféu Hors Concurs” recebido na Mostra Almeida Junior, promovida pela Associação dos Artistas Plásticos de Piracicaba.Estudei pintura por vários anos fui formada pelo Ateliê de Geraldo Nascimento e pelo Ateliê Joji Kussunoki, onde permaneci por dezesseis anos.Uso as técnicas: óleo sobre tela, massa sobre Duratex, técnica mista, aquarela, pastel e espátula.
Você tem livros lançados?
Lancei o livro de poesias “Limiares”. Recentemente lancei o livro de crônicas “E...a Vida Passa”.
Elda o que a motiva a envolver-se nessa intensa atividades em diversas áreas  intelectuais?
Eu sempre me dediquei a família. O meu marido sempre se colocou no lugar do provedor, com isso minhas atividades eram voltadas à família. Com o passar do tempo, houve mudanças em nossas vidas. Foi quando afloraram meus sentimentos voltados a arte. Posso dizer que de certa forma tive uma vida privilegiada.
Existiu uma empresa em Piracicaba que foi muito famosa, a Cicobra. Qual é a sua relação com ela?
Era uma loja com material voltado a indústria pesada. Situava-se na Avenida Armando Salles esquina com a Rua Rangel Pestana.  Era de propriedade do meu tio Oswaldo Cobra, mais conhecido como Picchina, porque os pais diziam que ele era picchinin, pequenino. Sua filha, Nilva, é quem tomava conta. Esse meu tio escrevia seus artigos e publicava no jornal. Ele foi motorista de praça, hoje denominado taxista, ele foi empregado do meu pai. Meu pai e meu tio tinham um barco a vapor no Porto João Alfredo, hoje Artemis. 




Meu pai comprava o mato, retirava a madeira.  Eles tinham um guincho que colocava as toras de madeira que eram derrubadas em sua balsa, diga-se de passagem, que a família Cobra toda se reunia de tempos em tempos para fazer piquenique nessa balsa. Meu pai dizia: “-Escolha o peixe que você quer comer filha!” Dava para ver os peixes, ele acabava pescando um peixe, que não era necessariamente o que eu tinha escolhido, mas na minha imaginação era o próprio. Eu devia ter uns cinco anos. Essa balsa vinha carregada de madeira, parava no Porto João Alfredo, com o guincho tiravam da balsa e colocavam no caminhão e vinha para a Serraria Cobra situada na Rua Governador Pedro de Toledo esquina com a Rua São Francisco de Assis. Ali no Porto João Alfredo, do lado havia a Estação da Sorocabana, meu pai e meu tio eram proprietários de uma chácara nas imediações, ali eles colhiam as frutas que a chácara produzia e vinha pela Sorocabana duas caixas de frutas. Tinha uma amiga que dizia: “- Vocês são chiques!” Eu não me lembro se também vinha madeira de trem. A estrada de Piracicaba até o Porto João Alfredo era toda de terra. Nós tivemos um rancho, todo feito em madeira, que se situava no mesmo local onde mais tarde o Roberto Carlos alugava casa para passar temporadas.

                                           LOCAL EM QUE ROBERTO CARLOS FICAVA

E carnaval?
No carnaval éramos muito participativos, fizemos blocos, freqüentávamos o Clube Coronel Barbosa. Lembro-me do carnaval de rua, Piracicaba por um período tornou-se célebre com seu carnaval, vinham muitas pessoas famosas, como Pepita Rodrigues, Décio Piccinini, lembro-me que em um ano fizeram uma réplica de um bonde. O Pedro foi da comissão de frente, sabe aqueles homens bonitos, que ficavam na frente, ele fazia parte. Eu não desfilei na rua. Eu me fantasiei. Ele me chamando: “-Elda, você não vem?”. Eu era magra, minha mãe era gordinha, dei uma volta na saia, prendi, coloquei a cartucheira do Pedro, coloquei uma blusa e escrevi atrás: Bonnie e Clyde . Quando desci a escada ele disse-me: “-Você está louca?”. Vai, vai....Eu era criativa, sempre fui assim. No dia em um amigo da família, hoje médico, Dr. Luiz Henrique, foi em casa, eu estava fazendo a fantasia da minha filha Silvana, com papel alumínio. apropriado, eu prensei tudo, colocava uma vela acesa por trás para dar a noção de relevo, com essa fantasia ela desfilou de egípcia. E também desfilou no Grupo Escolar Barão do Rio Branco, onde ela foi aluna. Quando teve a procissão de Corpus Christi eu enfeitei a rua, um trecho da Rua do Rosário entre a Rua Gomes Carneiro e a Rua José Ferraz de Carvalho. Fiz a minha casa como sede, havia a lavanderia na parte externa, fiz toda aquela mistura de materiais, eu já tinha o dom para a arte.
Vocês chegaram a receber o Divino em casa?
O Divino ia a fazenda do meu sogro, Pedro Joaquim Silveira, a Festa do Divino era maravilhosa. Tinha tachos enormes, acredito que era o Crocomo que fazia, ali era cozidos carne moída com batata, eram muitas pessoas que participavam em tudo. A Irmandade do Divino entrava na casa, agradecia, depois levantavam o mastro do Divino. É algo que não se esquece.
E música da época você chegou a freqüentar alguma rádio?
Tem um acontecimento engraçado! Eu era bem mocinha, gostava de cantar, eu morava na Rua Ipiranga quase esquina com a Rua Boa Morte. Ali tinha um salão de barbeiro cujo proprietário tocava violão na PRD-6. Ele achou que eu cantava bem e me convidou para cantar na PRD-6. Toda escondida, fomos eu, ele e o violão, a pé. Eu cantei. Meu pai estava em um estabelecimento comercial na esquina da Rua Moraes Barros com a Praça José Bonifácio, no local mais tarde funcionou a famosa lanchonete Daytona, hoje é ocupado por um banco. Papai escutou quando o apresentador anunciou: “-Vamos ouvir Talita Rubia! “ Era eu! Na hora ele percebeu, chegou em casa com um sorriso, foi logo perguntado: “- Aonde você foi?” Disse-lhe que tinha ido ao cinema. Ele não me disse que ouviu. Minha mãe é quem disse: “-Seu pai sabe o que você fez!”. Foi a única vez em que me apresentei em rádio. Quando eu era bem novinha, lembro-me que tinha o tanque de lavar roupa, feito de cimento, eu fiz uma poesia ali, com musica. Eu era menina, nisso chegou um fã, um menino, ele entrou, ouviu, eu era muito tímida. Eu era muito amiga da família Cassab, o Luiz era o irmão mais novo, íamos a bailes juntos com suas irmãs. Em uma madrugada ouço alguém assobiando a minha música! Era o Luiz Cassab, que fez isso para me assustar!
Piracicaba cresceu muito, naquela época muitos se conheciam.
Hoje praticamente não conheço mais ninguém! É aquela história do filho do filho de fulano de tal. Antes eu conhecia muitas pessoas e muitas me conheciam. Ainda acredito que sou muito conhecida, mas às vezes a pessoa mudou muito e torna-se difícil lembrar-se daquela pessoa que você conheceu há muitos anos e preserva a imagem daquele tempo dessa mesma pessoa. Então você mantém um dialogo mas se a pessoa não se identificar por fatos ou até mesmo pelo próprio nome fica um dialogo meio estranho.
Você andava de bonde?       
Adorava! Andávamos de bonde só para passear. Ir ao cinema era uma delicia!
Você é religiosa?
Sempre fui, gostava muito também de ouvir as palestras do Dr. Walter Accorsi. Fiz muitas reuniões de oração em minha casa. Quando começou a Igreja Carismática freqüentei muito o Dispensário dos Pobres.
Você fez cursilho?    
Fiz cursilho, Cantei muito no Recolores (O Recolores é uma pequena continuação do Cursilho Encontro). Cantava com o meu cunhado ao violão e com a minha irmã. O Pedro também fez cursilho.
O que você sente quando escreve uma poesia?
Sou muito romântica!
Você também contribui com ações sociais executando inclusive peças em tricô?
Além das que trouxe recentemente, hoje trouxe umas 50 peças, que eu mesma fiz. São doações que faço diante de um inverno rigoroso como estamos passando. Procuro me manter informada, sempre com aquilo que me acrescenta alguma coisa, por isso seleciono o que leio e o que assisto. Uso muito o computador. Uso muito imagens. Gosto de escrever, pintar, fazer tricô. Gosto de novidades. Se estou indo para casa mudo o percurso só para variar. Dirijo muito na cidade, só evito estradas.


IGNEZ VIEIRA E SILVA

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS 
JOÃO UMBERTO NASSIF 
Jornalista e Radialista 
joaonassif@gmail.com 
Sábado 15 de julho de 2016.

Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana 
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/ 

ENTREVISTADA: IGNEZ VIEIRA E SILVA


Ignez Vieira e Silva nasceu em Piracicaba a 4 de de janeiro de 1936, no bairro da Paulista, na Rua Joaquim André, 1134.  Filha de Manoel Vieira e Silva e Maria Prates Vieira,
Seus pais são nascidos no Brasil?
Meu pai nasceu em Portugal, em 17 de janeiro 1889, na região de Leiria em Fátima, veio para o Brasil com 10 anos, junto com meus avós. Desceram do navio em Santos, passaram pela Casa do Imigrante em São Paulo e vieram a residir inicialmente no bairro dos Marins, em Piracicaba.
Sua família é católica praticante?                                              
Além do meu pai, meus avós tiveram outros filhos entre os quais três filhas freiras franciscanas: Irmã Bernadete, Irmã Cesarina que trabalhou na Santa Casa de Piracicaba e Irmã Joana que ajudou o Lar Escola por mais de 50 anos trabalhando com promoções, a busca de donativos. Fora o seu trabalho interno com as crianças. Ela sempre foi muito ativa.
Quando chegaram a Piracicaba o seu avô e a família foram trabalhar no que?
Meu pai foi trabalhar com meu avô como pedreiro, um dos locais onde trabalharam foi no Engenho Central. Em seguida foram morar em uma propriedade das Irmãs Dominicanas, em um colégio na cidade de Amparo. Isso foi em 1917.
O Seu Manoel, seu pai, já mocinho, foi trabalhar em que local?
Meu pai não tinha completado 20 anos quando uma tia que trabalhava na Santa Casa veio buscá-lo para trabalhar na enfermagem. Ele fez um curso em São Paulo onde se diplomou como enfermeiro. Isso tudo ocorreu na Santa Casa quando ela era ainda na Rua José Pinto de Almeida entre a Rua XV de Novembro e a Rua Moraes Barros.  Ele foi um dos primeiros enfermeiros, foi um dos funcionários que fez a mudança para o prédio recém-construido na Avenida Independência, na época toda de terra, onde é atualmente a Santa Casa de Misericórdia de Piracicaba. As árvores eram ainda pequenas, atrás da Santa casa havia pés de eucalipto. No local onde era a conhecida “Santa Casa Velha” passou a ser o Centro de Saúde. Toda a mudança de pacientes, equipamentos, foi realizada pelo meu pai e outros enfermeiros. Meu pai tinha orgulho da sua profissão. Em 1943 o Provedor da Santa Casa na época era o Dr.. Coriolano Ferraz do Amaral, pai da Dona Levica Meirelles, avô da Professora Ana Maira Meirelles de Mattos, esposa do Dr. Jairo Ribeiro de Mattos. Meu pai trabalhou com Dr. Nelson Meirelles, que na época era um jovem médico, trabalhou com Dr. João Correia. Lembro-me que eu ia com a minha tia Joana, que era freira, pedir donativos na casa da Dona Levica, que na época morava na Rua XV de Novembro, entre a Rua Boa Morte e Rua Alferes José Caetano. Principalmente na campanha da Festa do Sorvete.
Como o seu pai conheceu a sua mãe?
Meus avós maternos eram também portugueses, meu avô era José Coelho Prates e minha avó Maria Prates, eram pais de Florisvaldo Coelho Prates, naquela época a minha mãe morava na Rua Moraes Barros, entre a Rua Bernardino de Campos e a Rua Visconde do Rio Branco. Por lá passava todos os enterros, procissões, penso que a Rua Moraes Barros já era calçada com paralelepípedo, mas as ruas adjacentes eram todas de terra. Penso que meu pai conheceu minha mãe em uma dessas épocas. Era uma época em que o carro funerário do Libório ia à frente e atrás ia o caixão carregado por amigos do falecido ou falecida. Todos os homens iam de terno, um calor medonho. Isso eu vi muitas vezes. Lembro-me de quem morava em frente à casa da minha avó era a Teresa Bragion. O marido dela era dono da Casa Becari.
Quantos filhos seus pais tiveram?
Tiveram quatro filhos: Lourdes, Luis, Valdemar e Ignez.
Você estudou em qual escola?
Estudei o curso primário por pouquíssimo tempo na Escola Normal, lembro-me que no avental tinha as letras E N (Escola Normal), mais tarde é que passou a se chamar Sud Mennucci. O Dr. José Rodrigues de Almeida estava trabalhando na Usina Monte Alegre da família Morganti, estava sendo formada a parte de saúde. Quando ele soube que o meu pai tinha saído da Santa Casa, imediatamente ele foi lá em casa, meu pai estava com tudo arrumado, pronto para mudar para São Paulo. Na época eu tinha sete anos. O médico Dr. José Rodrigues de Almeida precisava de um enfermeiro para trabalhar na Usina Monte Alegre. O meu pai já tinha trabalhado com ele na Santa Casa. Mudamos para lá e passei a freqüentar o Grupo Escolar Marquês de Monte Alegre. Meu pai assumiu como chefe da parte de enfermagem. Ele era conhecido como Manoel Enfermeiro. Muitos médicos o conheceram, ajudaram principalmente o Dr. Lula. Meu pai aplicava injeções, ele trabalhava dia e noite naquela época. Chegou a morar na Santa Casa, em função do plantão. Tinha até o quarto dele na Santa Casa, mesmo depois de casado. Ele ficava uma noite sim e outra noite não, trabalhando. Fui estudar na Escola Baroneza de Rezende, outros dois anos fiz em Amparo, com as irmãs da escola de Amparo. A minha primeira comunhão foi na Capela São Pedro, em Monte Alegre, a preparação foi feita pelas irmãs franciscanas. Foi no dia 29 de junho de1943, dia de São Pedro, era a data máxima. Minha adolescência foi toda em Monte Alegre. Quando eu saí de lá tinha 22 anos. Fui morar com meus pais na Rua Joaquim Andre, entre a Rua Governador Pedro de Toledo e Rua Boa Morte. Em frente a casa de José Osoris. O Bellotto era nosso vizinho. Onde hoje é a Assagio era um armazém do Seu Lauro Arthur, mais conhecido como Raul. Em uma das esquinas, em um sobrado morava o professor Lineu Cardoso, na esquina oposta era o Hotel Paulista, que foi demolido. Isso na esquina da Rua Joaquim André com a Rua Boa Morte. Até hoje chamo de “minha padaria” a Padaria Jacareí.

Qual era a doença mais comum na época?

Não era como hoje, onde há especialistas em cada área, o médico tinha que atender o paciente em todas as áreas. Meu pai acompanhou vários médicos moços, fazendo a residência: Dr. Alcides Aldrovandi, Dr. Alfredo de Castro Neves, mais conhecido como Dr. Alfredinho, Dr. Garboggini. Dr. André Ferreira dos Santos mais conhecido como Dr. Preto, meu pai saiu da Santa Casa em 1943.

Seu pai tinha uma irmã que morava próximo a sua casa na Rua Joaquim André?

Era a Tia Emília! Ela foi enfermeira na Usina Monte Alegre. Mãe da Nilza e do Luiz, eles moram até hoje na mesma casa, na Rua São Francisco de Assis, no quarteirão onde fizeram um edifício enorme, da família Cobra e família Coury. Na Rua Governador Pedro de Toledo, esquina com a Rua São Francisco de Assis havia uma pensão, com um porão habitado também por hospedes, foi demolida para dar lugar a um prédio. Na quadra de cima havia a sapataria do Joanim, como era conhecido o João Fustaino. Na esquina oposta existe até hoje uma casa com uma escadaria imponente, foi onde morou o Angeli, irmão do Dr. Jorge Angeli, que residia na metade do quarteirão da Rua Joaquim André. A esposa desse Angeli era Dona Matilda, mãe da Edelza. Ele tinha plantação de fumo. O Francisco Angeli também trabalhava com fumo. O José Osoris é pai da Maria José, Maria Luiza e João José. O Professor Lineu Cardoso sempre dizia: “Vizinha, este quarteirão é o “filé minhom” de Piracicaba. Éramos como uma família. Naquele tempo a criançada jogava bola naquele quarteirão, o sobrinho do Dr. Jairo de Mattos, o Paulinho, filho da Dalva, hoje um dos renomados arquitetos de Piracicaba, Paulo Bellato, era um desses garotos que jogava bola. O Dr. Caio Leitão morava ali.

A Casa Três Irmãos quando surgiu você a conheceu?

Eu morava no Monte Alegre, apareceu uma lojinha pequena, meu tio dizia, vai lá, que aqueles meninos são todos católicos, são todos marianos. Eram o Mario, o Ermelindo e o Otávio. Na Rua Gomes Carneiro morava a Santa Morato, era doceira e organista. A Cidona, Maria Aparecida Ferraz, irmã do Quincas, morava em uma casinha na Rua São Francisco, tinha como vizinho uma horta. A Cidona era a cozinheira dela, ela era excelente cozinheira, isso fez a fama da Dona Santa, que com ônibus para fazer os bufê dela, viajava. A casa onde ela morava era do Lelio Ferrari, a sogra dele tinha morado ali. Vizinho a minha casa morava o João Tedesco, pai do Norival Tedesco, do Nestor. Lembro-me da Casa NÊ, um armazém que ficava na Rua Benjamin Constant esquina com a Rua São Francisco. As filhas dele foram minhas colegas como Filha de Maria. Lembro-me da Zulmira.

Você guarda lembranças da Estação da Paulista?

Dava para acertar o relógio com o apito do trem, tal a pontualidade. Tinha uma caixa de cartas na Estação da Paulista. O meu irmão Luiz morava na Rua Sud Mennucci, foi o braço direito na construção da Igreja São José. Ele foi presidente do Grêmio Dramático da Igreja dos Frades. Foi presidente da Congregação Mariana. Havia teatro no coléginho.


E as quermesses da Igreja dos Frades?

Quando eu era “Filha de Maria”, o que trabalhava nas quermesses! Primeiro com a Dona Ester na barraca das “Filhas de Maria”, depois com Dona Orlandina Sodero que era presidente do Apostalado da Oração, tinha a barraca do Apostalado. Como eu era esperta, vendia muitas rifas, dei a alma naquela barraca de São Francisco. Tomei conta das crianças na missa das oito horas da manhã aos domingos, isso no tempo do Frei Saul, Frei Frederico. O Frei Honório era muito amigo da nossa família. Ele tinha o habito de chamar as senhoras todas de Dona Maria.

Você lembra-se quando foi construída a garagem da prefeitura, em 1954?

Lembro-me sim, foi construída na Avenida Dr. Paulo de Moraes, assim como a primeira  sede dos bombeiros ao lado, construída mais tarde.

Você ajudou muito nas obras sociais, em especial no Lar Escola?

O Lar Escola foi a minha segunda casa. E a congregação minha segunda família. A primeira pedra do Lar Franciscano de Menores foi meu pai que colocou.

O seu pai foi muito ativo nas obras sociais.

Ele foi fundador da Creche São Vicente de Paula. Na Rua Visconde do Rio Branco esquina com a Rua D.Pedro. Ele que montou quase todas as conferências vicentinas de mulheres. João Scudeller foi o Presidente Geral das Conferências Vicentinas. Meu pai que montou a Conferência Vicentina da Matriz da Catedral de Santo Antonio, assim como da Igreja Bom Jesus.

De onde você acha que veio essa vocação dele em ajudar o próximo?

Meu pai foi o vicentino mais velho de Piracicaba. Ele tinha um enorme prazer em poder ajudar quem necessitava. O Pedro Grossi era presidente do Conselho Geral, inclusive das casinhas na Rua D.Pedro, e meu pai fazia parte do conselho, um dia ele chegou em casa com Tereza Nilza Machado. Havia pessoas importantes que eram vicentinas como Maria Helena Chiarinelli, Bia Lacorte, Irene Corazza prima da Maria Helena Corazza. Cecília da Elmo Magazine. Maria Dulce Lordello. O Pedro Grossi foi em casa e disse: “-Seu Manoel, vou fundar uma creche onde estão as casinhas em que moram os pobres. Vamos transferi-los para outro local” Antonio Sallun, proprietário da Casa Paz foi o presidente. Meu pai foi diretor.

Você cantou no coral da Igreja dos Frades?

Cantei, era segundo contralto, o regente era Ditinho Januário, pai do Marcos Januário, o Janu. As vezes eu acho que nasci na Igreja dos Frades!

                                                                                                          


 




Arquivo do blog