Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

terça-feira, novembro 01, 2005

UM ENVELOPE POR TRÊS MIL REAIS

UM ENVELOPE POR TRÊS MIL REAIS

AUTOR: JOÃO UMBERTO NASSIF


Salin Farid estava caminhando pela cidade, quando encontrou com seu conterrâneo Ibrahim Mansur.
- Mansur! Vamos tomar cafézinho!
- Vamos Farid! Eu pago o café para você.
Ambos entraram no Café Central, um local onde circulam as cobras criadas da cidade, as línguas ferinas, os boateiros, também onde se têm informações mais precisas e rápidas do que na internet. Um burburinho toma conta do local. O café não é lá grande coisa. É feito em um bule enorme, que permanece o tempo todo em uma chapa de ferro aquecida.
- Farid, eu fiquei sabendo que você foi visitar a família lá no Líbano!
- Sim, Mansur, eu fui para ver mamãe. Aproveitei para visitar os parentes.
- Alguma novidade Farid?
- Apenas uma dançarina egípcia que anda enlouquecendo os homens com a dança do ventre!
- Você levou sua mamãe para ver espetáculo Farid?
- Mansur, você está louco da cabeça? Sabe que mamãe freqüenta apenas a Igreja. Aquela santa só sabe rezar! Olhe só aqui o que ela me fez trazer, 100 envelopes pré-selados, para que eu não tenha nenhuma desculpa, e sempre escreva para ela!

Aproximando-se do pacote com os envelopes, Mansur fica admirando a beleza do selo, com o tradicional cedro do Líbano estampado, borda dourada, uma maravilha de selo postal, seus olhos ficam úmidos, um clima de nostalgia acompanha o último gole de café.

- Mansur, eu vou indo até o banco, mas como você é meu irmão, quero dar-lhe um presente. Tome um desses envelopes. Escreve para a sua mamãe também!
- Farid, minha mamãe morreu já faz 10 anos!
- Não tem problema! Deixa cartinha no tumulo! Já está selada até o Líbano!

Assim Farid e Mansur despediram-se. Mansur caminhava, pensando em qual seria o melhor destino para aquele envelope que tinha na mão. Não tinha andado cinco minutos quando encontrou o Vitório Romano. Como sempre, muito falante, gesticulando muito, revoltado com a falta de apoio que os agricultores recebiam, Vitório era o típico sitiante. Amava a terra, admirava a força da natureza, e gabava-se de ser amigos de políticos influentes. Tinha na sala da sua casa fotografias tiradas ao lado de políticos em vésperas de eleições. Dizia a todos: - Tá vendo deputado tal? É amigão meu! E fulano que é prefeito? Só faz obras aqui na região depois de falar comigo! Assim prosseguia na sua preleção. Pensando em uma futura necessidade, quem ouvia não duvidava, mas também não acreditava muito naquelas amizades de fotografias.
Seu Mansur! Foi bom encontrar o senhor, que é um homem viajado. Preciso mandar uma carta para o Presidente da República! Ele precisa saber que ali no Ribeirão Tijuco Preto a pinguela (pinguela: apenas um tronco de árvore, sobre as águas) tá quase caindo. O Seu Leôncio, tomou uns goles no bar do Pedrão, foi atravessar a pinguela e quase caiu! Já pensou na tragédia se esse homem cai no Ribeirão? Ele tem quase 78 anos e não sabe nadar!
-Calma seu Vitório! Olha a coronária! O senhor pode ter um enfarte! O senhor chegou na hora certinha! Encontrei com um primo meu que é funcionário da embaixada do Líbano. Ele disse que quando eu precisar alguma coisa do Presidente da República é só mandar uma carta que é com selo da mala diplomática.

-Seu Mansur, homem de Deus, onde vou achar essa mala?

-É um envelope com selo oficial do Líbano. É de governo para governo. Coisa oficial. Está escrito no selo!

Vitório apesar das poucas letras, ainda assim conseguia ler alguma coisa, mas aquilo tava difícil. Um monte de risquinhos. Ele nunca tinha visto nada igual! Deve ser coisa de governo mesmo!
-Seu Mansur, o senhor sabe que sou líder comunitário do Bairro da Conceição, se eu não trocar aquela pinguela por uma ponte, perco prestigio. Se eu colocar uma carta para o Presidente da Republica nesse seu envelope diplomático o senhor garante que ele vai ler?
-Ele faz isso toda noite antes de dormir! Fica lendo envelope diplomático!
-Quanto o senhor quer desse envelope seu Mansur?

-Trezentos reais. É o valor oficial do correio! Só estou cobrando o selo!

Vitório coçou a barba rala, pensou na oportunidade, e fez a oferta:
-Seu Mansur, eu tenho um potrinho novo, que vale isso.

- Eu não tenho o que fazer com um potrinho. Mas para atender o líder da comunidade da Conceição eu aceito

Uma hora depois, caminhava Mansur puxando por uma corda um potrinho, quando passou por ele, o Coronel Ferreira, maior fazendeiro da região. Parou a caminhonete de luxo. Perguntou:
- Bom dia ! Tá vendendo o potro Seu Mansur?

- Bom dia Coronel Ferreira! Na verdade estou levando o
Quincas, esse é o nome dele, para treinar. É um autêntico campeão!

Seu Mansur, gostei do animal! Vou dá-lo para meu neto que faz
aniversário hoje. Aqui têm 3 mil reais.

- Infelizmente não posso aceitar esse negócio, não é honesto coronel.
-
Coronel Teixeira ficou vermelho, quase avança sobre Mansur, mas resolve perguntar porque o negócio não é honesto.
- É que o Quincas só entende árabe, para entender português precisa de uns seis meses de aulas.

- O senhor está contratado! A partir de hoje é o professor de português do Quincas. Quem sabe mais tarde poderá ensinar inglês também!


TODO E QUALQUER NOME OU REFERÊNCIA É APENAS UMA COINCIDENCIA, SENDO O TEXTO IMAGINAÇÃO DO AUTOR.

O MENINO E O PINHEIRINHO

AUTOR: JOÃO UMBERTO NASSIF

O MENINO E O PINHEIRINHO



A viagem de navio foi um terror. As carnes salgadas, defumadas, uma das poucas fontes de proteínas disponível naquele navio davam muita sede, a água era racionada, o calor sufocante. Doenças, choro de saudades, medo do desconhecido. Os únicos momentos em que traziam algum alívio era quando rezavam ou cantavam, parecia que a oração e a música ajudavam a diminuir o sofrimento. Alberto Domenico fora contratado para trabalhar como colono numa fazenda de café, no interior de São Paulo. Embarcou com sua mulher e seis filhos em Gênova em setembro de 1888 no navio Colombo comandado pelo capitão Antonio Mangini. Nesse tempo o café era o ouro, a riqueza do país. As antigas senzalas passaram por mudanças transformando-se em pequenas casas. Foram construídas casas uma ao lado da outra. Formando as colônias. Ali o colono tinha um pequeno pomar, um chiqueiro. Marino era o seu segundo filho. Logo cedo estava ajudando na lavoura do café. De todos os filhos era o que mais se identificava com a lavoura do café. Observava os tanques em que os grãos eram levados depois da colheita, terreiros para secagem. Com muito suor e trabalho, a família Domenico comprou com suas parcas economias um pequeno pedaço de terra. Marino, com seus quatorze anos de idade, era o mais animado de todos! Alberto Domenico tinha orgulho dos seus filhos, mas sabia que Marino seria o que despontaria! Maria Domenico tratava todos os filhos com muito amor, mas também achava que Marino era o mais inclinado para os negócios. O café era transportado por tropas de mulas, do local de produção até o porto de Santos, onde era exportado. As ferrovias trouxeram mão-de-obra e também resolveu o problema de transporte. Em pouco tempo foram comprando terras, e plantando café. A família Domenico ganhava projeção. Marino, passou a freqüentar a Faculdade de Direito, na capital da província. Vinha passar as férias na fazenda. Em uma dessas ocasiões trouxe uma muda de um pinheirinho, (Nome Cientifico: Limnophila sessiliflora). Com muito carinho, plantou no alto da colina a mudinha. De tempos em tempos, ao voltar á fazenda, passava horas olhando a imensidão do cafezal e admirando o pinheirinho. Leonardo Lancilotto, veio também no navio Colombo, fizera progresso na lavoura do café, tinha adquirido as terras vizinhas aos Domenico. Uma das suas filhas, Mariana, tinha a beleza de uma princesa, olhos azuis, cabelos dourados, sempre sorrindo, conquistava qualquer criatura. Crescera junto com seu primo Pasquale, pareciam irmãos, se bem que ele tinha planos de um dia desposa-la. Pasquale com seu olhar malicioso percebeu que Mariana andava olhando de forma mais atenta para Marino. Isso o irritava profundamente! Tinha que fazer algo para tirar o eterno sorriso que Marino exibia! Em uma tarde, vendo Marino cuidando do pinheiro, agora já mais crescido, Pasquale elaborou um plano. Na calada da noite, com um arco de pua (ferramenta manual destinada a fazer furos na madeira), Pasquale perfurou o caule do pinheiro e colocou NaCl, Cloreto de Sódio, no orifício, disfarçando com um pouco de serragem o local da sabotagem. Marino, com o passar dos dias foi observando o pinheiro com aparência anormal. As pontas dos galhos estavam amareladas. Por acaso viu a região do caule onde estava colocado o NaCl. Imediatamente limpou o local, retirou todo o sal ali depositado, enxaguando bem, aplicou glifosato e triclopir no caule do pinheirinho.
Duas semanas depois, percebeu que sua intervenção foi correta. Um ano depois, tinha terminado seus estudos, estava agora dedicado a comercialização do café fino de altíssima qualidade, exportado para os mais exigentes mercados do mundo. Em pouco tempo Marino tornou-se o elemento de sucesso da Fazenda dos Domenico, Tinham atingido a marca de 10 milhões de pés de café plantados. Circulava pela Europa, particularmente em Londres, onde acompanhava o pregão da bolsa do café, agora já com o título de Comendador Marino. Mandara plantar mais dois mil pinheiros em volta do pinheiro original.
Em uma das suas constantes viagens á Londres, Marino percebeu no aeroporto de Heathrow, uma dor de cabeça súbita, semelhante a uma "paulada”, sem causa aparente, seguida de vômitos, sonolência, perda de memória, confusão mental. Imediatamente foi socorrido no Royal Free Hospital de Londres. O diagnóstico foi o conhecido popularmente como "derrame cerebral", o Acidente Vascular Cerebral (designado pela sigla AVC pelos médicos). Em função do seu poder de influência política e financeira, foi assistido pelo corpo clínico com os mais modernos recursos. Após algumas semanas, foi mandado de volta para o Brasil, sem movimentos nos membros, tinha perdido também a capacidade de falar. Foi contratada uma equipe de enfermeiras que se revezavam, assistindo-o 24 horas por dia. Da sua cadeira de rodas ficava horas observando o pinheiral, e particularmente o maior pinheiro de todos, aquele que ele salvara da fúria vingativa de Pasquale. Aquela região aonde estava a fazenda seria cortada por uma estrada. Uma faixa de terras deveria ser desapropriada para abrir a estrada. O pinheiro que Marino plantara deveria ser transferido ou cortado. Os técnicos desaconselhavam a transferência. Uma manhã de sol, as máquinas roncaram, e foram colocando um a um todos pinheiros abaixo. Inclusive o pinheiro que Marino tinha plantado quando criança.As lágrimas escorriam por aquele rosto mudo ao ver seu pinheiro ir sendo tombado. Uma fábrica de urnas funerárias comprou a madeira. Daquele dia em diante Marino foi se definhando, até que seis meses depois, foi encontrado morto em sua cama. O seu prestígio movimentou a todos, inclusive autoridades de outras cidades. Seu velório foi acompanhado por uma multidão. Ninguém, porém observou, que ao ser fechado seu caixão, na tampa tinha uma marca, uma cicatriz na madeira. Alguém tinha furado aquela madeira, quando ela era ainda nova. A marca tinha permanecido. Ali estava em forma de caixão o pinheirinho que um dia ele tinha plantado e salvado do vandalismo de Pasquale. O pinheiro era o seu último abrigo. O menino e o pinheirinho tinham completado o ciclo da vida.

TODA E QUALQUER SEMELHANÇA COM FATOS OU NOMES AQUI MENCIONADOS É MERA COINCIDÊNCIA.

Arquivo do blog