Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

sábado, novembro 26, 2011

PADRE EDVALDO DE PAULA DO NASCIMENTO Paróquia e Santuário de Nossa Senhora dos Prazeres

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
Sábado 26 de novembro de 2011
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/




                                 

ENTREVISTADO: PADRE EDVALDO DE PAULA DO NASCIMENTO

O que faz uma igreja católica atrair tantos fiéis, centenas, até milhares, que se aglomeram inclusive do lado de fora da porta do templo? Qual é a motivação para 300 crianças irem assistir a uma missa de domingo? Fiéis procurando estarem mais próximos do altar levam suas próprias cadeiras e colocam á frente das enormes fileiras de bancos da própria igreja, ás nove horas da manhã já tem pessoas levando suas cadeiras para assistirem a missa das 16 horas. Fiéis de outros municípios, alguns a mais de 100 quilômetros, comparecem semanalmente á celebração de missas. Por melhor que seja a oratória do celebrante, esse verdadeiro fenômeno não seria tão duradouro apenas pelo dom da palavra. Algo muito forte move essa multidão em torno da Paróquia e Santuário de Nossa Senhora dos Prazeres, em Piracicaba. O seu pároco e grande responsável pelo enorme afluxo de fiéis é o Padre Edvaldo de Paula do Nascimento. Nascido em Osasco, em 11 de outubro de 1967, são seus pais Vicente de Paula do Nascimento e Maria de Lourdes do Nascimento. Aos dois anos de idade a família mudou-se para Cruzeiro, onde permaneceram por 12 anos até mudarem-se para Pindamonhangaba. Padre Edvaldo tem apenas uma irmã, Elaine. Começou seus estudos em Cruzeiro, em Pindamonhangaba concluiu o ensino regular seguindo sua formação no Seminário Diocesano de Taubaté. Concluiu sua jornada de estudos em São Paulo e em 17 de junho de 1995 foi ordenado na Igreja Nossa Senhora do Paraíso em São Paulo.

A convite de Dom Eduardo Koiak veio para a Diocese de Piracicaba, na cidade de Santa Barbara D´Oeste na Igreja Matriz, onde passou a ajudar o saudoso Padre Mário. Existia já o projeto de criar mais uma paróquia, pois aquela já estava muito grande. Após nove meses, em setembro de 1997 foi criada a nova paróquia, assumindo como Primeiro Pároco da Paróquia de São Judas em Santa Bárbara D`Oeste, onde permaneceu por 10 anos.

Como ocorreu a vinda do senhor á Piracicaba?

Nosso Bispo atual, Dom Fernando Mason me procurou, perguntando se eu queria fazer uma mudança, quando se ordena padre se põe a serviço de Jesus Cristo e da Igreja. Havia a necessidade de fazer essa transferência, eu disse a Dom Fernando que estava disposto a aceitar. Seria doloroso para o povo da paróquia e também para mim, pelo trabalho que eu estava realizando naquela paróquia.

O senhor veio para a Paróquia e Santuário de Nossa Senhora dos Prazeres em que ano?

Cheguei aqui em fevereiro de 2008. Esta paróquia foi recriada, na realidade Nossa Senhora dos Prazeres foi a primeira padroeira de Piracicaba, só que o povoador de Piracicaba, Antonio Correa Barbosa tinha como santo de sua devoção Santo Antonio, ele preferiu dedicar a cidade a Santo Antonio e assim permaneceu. A Igreja era na margem esquerda do Rio Piracicaba e a imagem de Nossa Senhora dos Prazeres foi encontrada á margem direita do Rio Piracicaba (Atual Bairro Nova Piracicaba). Existia um barracão, sob os cuidados do Monsenhor Jorge. O Padre D`Elboux veio para criar a Paróquia, foi ele quem criou toda a estrutura existente hoje.

Chama a atenção de quem entra pela primeira vez na Igreja o fato muito raro de ser uma Igreja Católica com ar condicionado.

O pároco antigo e eu conversamos muito a respeito da igreja ser muito quente, talvez pelas características da própria construção em concreto e vidro. Um ano e meio após ter chegado aqui conversei com o povo sobre a necessidade de realizar esse empreendimento. Teve um pouco dessa polêmica: ”- É luxo!” “Não é luxo”. Eu comentava com o povo: “- Nós gostamos de estar aqui, desenvolvemos neste local a coisa mais preciosa que é a nossa fé em Deus, a certeza de que Ele é o motivo da nossa vida. É Ele quem nos conduz e nos abençoa, estamos vindo aqui para buscá-lo, vivenciá-lo. As celebrações são diferenciadas, eu nunca sigo folheto de missa, sempre temos um tema diferente, uma proposta que mexe com a vida das pessoas. É preciso que haja um certo conforto ao estar aqui. A temperatura muito elevada interfere na concentração, minhas missas são reflexivas, gosto que as pessoas prestem atenção na argumentação. Trago elementos do texto original, a palavra de Deus é eterna, foi escrita para aquela época mas permanece para sempre. Procuro trazer essa palavra para o momento presente, como isso toca na minha vida. Antes de uma resposta, que coloca o individuo em uma situação passiva, eu prefiro realizar a provocação, para que a pessoa possa sair e buscar, movimentar sua vida em direção aquilo que é bom. Deus nos coloca em movimento. Quando a pessoa está bem ela está movimentando e quando não está bem tem que se movimentar para sair daquela situação ruim.

As pessoas mais conservadoras não criaram obstáculos, alegando motivos de saúde, para o fato inusitado em nossa cidade de uma igreja católica ter ar condicionado?

Quando se trata de um numero muito grande de pessoas nem sempre a opinião é unânime. Às vezes alguém diz “ Está muito frio!” ou “Está calor, não ligaram o ar!” Nós temos grande facilidade de nos acostumarmos com o que é bom, confortável.

Embora o tema ar condicionado seja banal, ele abrange um aspecto em que o fiel julga ser necessário suportar o forte calor, até mesmo sacrificar-se, em louvor á Deus.

Eu não acredito nesse Deus! Não acredito em um Deus que queira que o ser humano sofra! Essa religião do sacrifício leva aonde? Ela se impôs pelo medo, isso que é bom? Isso leva a que lugar? A escravizar as pessoas? Eu não quero que as pessoas voltem aqui por que tem medo, quero que voltem porque gostaram.

É comum a presença de pessoas que normalmente são avessas a freqüentarem igreja, em particular elementos do sexo masculino, em idade produtiva, qual é o motivo?

A proposta é diferente! Não é para a pessoa ao chegar ao final da sua vida e refletir sobre quanta coisa horrível ela fez em sua vida, á beira da morte ter medo do inferno, sentir que precisa se converter e realizar práticas religiosas. É muito bom viver, podemos viver agora mantendo princípios do evangelho, a palavra que Deus tem para nós é a palavra de vida. Na África quando a pessoa está perdida, ela grita em seu dialeto, que traduzindo para o português significa: “Mãe, ou mamãe, eu estou perdido!”. Ele chama pela mãe. Todas as pessoas que eu atendi na hora da morte, chamaram pelas suas mães. Fico imaginando que todos têm a necessidade de um colo de mãe, Deus é esse colo.

A missa que o senhor celebra tem quanto tempo de duração?

Essa é uma questão interessante. Se a missa antecipa o céu, o céu não tem tempo! Aos finais de semana celebro seis missas, duas no sábado e quatro nos domingos. Ás sexta feiras celebro a Missa da Saúde, ás 16 horas, ás segunda feiras ás sete horas da manhã celebro a Missa dos Trabalhadores, eles vem pedir a benção de Deus para começar a sua semana. A missa das 18 horas do domingo eu termino ás dezenove e dez, para começar outra missa ás dezenove e trinta. Quem vem à missa aos domingos não tem a mesma pré-disposição de quem vem á missa ás quarta feiras. A missa de quarta feira eu denominei de Missa Temática, isso porque a cada quarta feira trabalho um tema. Começa as 19 horas e trinta minutos, costuma durar duas horas ou duas horas e meia. Quem vem já sabe que irá permanecer bastante tempo na igreja. E sai satisfeito.

Como o senhor vê esse afluxo de fiéis?

Eu quis ser padre, mas nunca imaginei o que Deus faria com a minha vida. Nunca imaginei estar em Piracicaba. Ainda criança, vivia em Pindamonhangaba, muitas vezes estudando escutava um carro passar pela rua anunciando: “-Pamonhas, pamonhas, pamonhas de Piracicaba!”. Eu pensava onde será essa Piracicaba? O que tem lá? Tenho um amigo. o escritor Rubem Alves, ele tem uma história muito interessante: “A Menina e o Pássaro Encantado”, que conta sobre o encanto da liberdade, com o qual me identifico. A proposta da missa de quarta feira é de que quem vem, venha para experimentar, que faça diferença na vida das pessoas.

A realidade é que o senhor não realiza milagres.

Deus pode realizar milagres, é possível desde que as pessoas queiram. Jesus quando curou alguém disse: “- Vai, tua fé te salvou!” É uma força de Deus que está dentro de nós. Existem inúmero testemunhos, escritos, falados. Nós ouvimos falar: “Deus está entre nós.”. Sentimos a curiosidade de ver sua imagem, a humanidade tem necessidade de uma divindade, e se ele está entre nós, a tradição judeu-cristã fala em Deus que vem visitar o ser humano, o primeiro momento da Bíblia é o momento do Êxodo, acontece quando Deus vem visitar o povo para tira-lo da escravidão. É um Deus que não suporta a escravidão. Quando Deus vem entre nós, o encontramos em um menino, deitado entre os animais. (Nesse momento o Padre Edvaldo mostra-se profundamente tocado pela imagem de Menino Jesus na manjedoura). A figura de Deus é o rosto de uma criança, pura e inocente, indefesa. Ele entrou na história da humanidade pelo porão de uma casa. A manjedoura é o andar de baixo da casa, os animais ficavam embaixo para aquecer os donos que ficavam em cima. O único lugar que encontraram foi na manjedoura junto aos animais. Que casa é essa que acolheu essa mulher grávida? Pode ser a nossa! Essa é a nossa proposta deste Natal. Quando cresceu, Ele disse: “Olhem para mim, vocês se parecem comigo!” Jesus não é o Pai, é o Filho, mas diz: “Quem me viu, viu o Pai”. O filho é a imagem do Pai, e nós nos parecemos com Ele. No coração Dele tem gravado o meu nome, a minha imagem. Não posso sair dessa igreja me sentindo desanimado tenho que sair e dizer: “Vale a pena!”.

Padre, quantas pessoas costumam freqüentar suas missas?

Temos a capacidade para 800 pessoas sentadas. Às quarta feiras as pessoas vem logo cedo colocar banquinhos e cadeiras delas mesmas, para reservar lugares próximo ao altar. Já houve a contagem de 2.000 pessoas na quarta feira. E um fato interessante, foi dito uma vez que só as mulheres vêm à igreja, temos a presença de muitos homens, de todas as faixas etárias.

Chama muito a atenção é o fato de no fundo da igreja ter uma caixa, blocos de papel e uma caneta.

É para colocar os pedidos de oração. Está escrito na caixa: “Deus Proverá”. Essa frase é do livro do Genesis, dita por Abrahão, o pai das três maiores religiões do mundo: o judaísmo, islamismo e o cristianismo que tem Abrahão como referência. Abrahão era um homem que não podia ter filhos ele e Sarah, só que era um homem que sonhava, desejava, rezava para ter filhos. Note bem: sonho, desejo e oração. O encontro dessas três vertentes é absolutamente poderosíssimo. O milagre vem do encontro dessas três vertentes. Deus não deixa de responder quem sonha quem deseja e quem reza. Pode ser que a resposta não esteja onde a pessoa está procurando. A pessoa pode colocar-se diante de um desejo ou diante de uma situação que chegou muito perto dela. (Nesse momento Padre Edvaldo levanta-se e encosta a face junto a um armário) dizendo: “Se eu chegar muito perto deste móvel, eu não consigo ver o que está ao lado, eu tenho que alargar o meu horizonte, Deus criou o infinito para que a vida seja mais. Não posso ficar olhando para o chão, tenho que olhar adiante. Quando mais adiante olhar melhor será a minha amplitude de visão. Abrahão sonha, deseja e reza por um filho, ele e Sarah eram nômades, ele vê três homens vindos de longe, sai ao encontro deles. Sonho, desejo e rezo, para isso é preciso sair do status quo (estado atual das coisas) movimentar, sair do medo que me paralisa. Abrahão disse aos três homens:” Fiquem comigo em minha tenda, vocês estão cansados, e disse para Sarah: “Prepare o melhor que nós temos”, oferecendo para os três um banquete. No final os homens dizem para ele: “-O que você mais deseja vai acontecer. O ano que vem voltaremos e haverá o choro de uma criança em sua casa, você vai ter um filho!”. Abrahão pula de alegria, porque o fato dele sair para acolher aqueles homens foi um gesto que faltava para acolher um filho. Apesar de sonhar, desejar e rezar, mesmo ainda não tendo o filho ele não foi tomado pela amargura. O impedimento nos amargura, e isso nos impede do movimento seguinte, nos paralisa. Na verdade você se afunda mais. Quanto mais amargurado mais afundado você está. Você deixa de acreditar nas forças de Deus que está em você. “A tua fé o salvou”, é absolutamente necessário que você acredite! E que tenha o mínimo, o mínimo que seja de força de vontade, de esperança. Abrahão cortava árvores para fabricar berços, para as vizinhas grávidas. Ele embalava o seu sonho de ter um menino. Alguém poderá dizer: “Mas ele é um masoquista, não podia ter filhos e fabricava berços!” Não, é que ele não era um derrotista! Não era um amargurado, não deixou que o impedimento tocasse nele para que ele deixasse de fazer o movimento, ele faz o movimento. Inclusive o movimento de fabricar berços.

O que chama muito a atenção são crianças escrevendo nesse pequeno papel e colocando-o em uma caixa, escrito logo acima: “Deus Proverá”. Na hora vem a imagem do Muro das Lamentações.

Acho que é um lugar de oração, de pedidos, como essa igreja é. Ali são colocados seus desejos, necessidades e alegrias. Os pedidos são colocados durante a missa, não são lidos, possivelmente devem existir coisas que não devem ser lidas.

O senhor realiza confissões?

Realizo, são atendimentos, nós não temos mais confessionários nesta igreja. Pelo fato de ser muito procurado acabo tendo que fazer uma fila de espera.

O senhor é o único padre desta igreja?

Sou o único. Conversando com um padre meu amigo, disse-lhe que somos três: O Padre Edvaldo, o Padre De Paula e o Padre Do Nascimento, e a Força de Deus.

O senhor realiza alguma atividade física?

Realizo caminhadas, gosto de correr.

Em média o senhor dorme quantas horas?

Seis horas por noite. Gosto muito de ler, escrever.

O senhor escreve suas memórias, elas serão publicadas algum dia?

Talvez, acho que publicarão.

Póstumas?

Acho que sim, serão interessantes.

A Igreja Santuário Nossa Senhora dos Prazeres tem um sistema muito interessante de velas.

A vela é um elemento interessante, de fé, religiosidade, de prática religiosa, acompanha a história da humanidade, é bonita, enfeita e tem o fato da manifestação pessoal. Faço viagens com peregrinos daqui a santuários do mundo, percebemos que é muito presente o uso da vela, só que temos a questão da segurança, na maioria dos santuários, no mundo todo estamos tendo essa substituição, da antiga vela por esse velário, que é mais seguro, a pessoa faz uma oferta mínima, coloca uma moedinha e acende uma vela. Encontrei aqui no Brasil em uma loja. E foi muito bem vindo.

Percebe-se que o senhor é muito bem atualizado.

Não tenho rede social, acho a internet fantástica, necessária. Meu sonho é colocar no santuário monitores de video, para que as pessoas possam participar melhor.

O que chama muito a atenção é a freqüência de crianças no Santuário.

A missa das nove horas do domingo nós não denominamos de “Missa das Crianças”, porque a missa é de Jesus Cristo, da comunidade toda. É uma imprecisão litúrgica dizer “A Missa de Formatura”, “A Missa de Sétimo Dia”, “Missa de Aniversário”, a missa é de Jesus! Prefiro não rotular, não criar situações onde há missa para alguns, mas não existe para outros. A missa das nove horas do domingo é uma missa com a participação dos jovens da catequese, tem uma equipe de catequistas, uma psicóloga, uma mãe, e o pessoal da musica, nós nos reunimos todas as quintas feiras á tarde para prepararmos essa missa. Nós olhamos para missa, vamos levantar situações que se possa trabalhar com as crianças, para que a criança se sinta acolhida. Tem coisas que eu não posso mexer, mas aquilo em que posso para atingir melhor as crianças, para me comunicar com elas, é feito. Temos uma média de participação no domingo de 300 crianças. Em algumas ocasiões chega a 500 a 600 crianças. Em junho estive em Fátima, Portugal, junto com um grupo de peregrinos, eu sempre quero levar todos, a caixa “Deus Proverá” vai comigo, disse ás pessoas, escreva o nome das pessoas da sua família, aquelas que você ama que queira que eu leve até o Santuário de Fátima. Este ano levamos para a Terra Santa e foi colocada na Igreja do Monte Tabor, onde Jesus Cristo se transfigurou. Foi fantástico, porque sem que soubéssemos da existência, ao entramos na igreja havia uma cavidade no chão com uma grade, e ali as pessoas depositam os nomes para a oração. Oramos e eu me ajoelhei e depositei ali os papéis com os nomes que havia levado em uma sacola, aqui do nosso santuário. Eu queria trazer alguma coisa para as crianças, conversei com uma senhora que as fornecia e ela me perguntou quantas medalhas eu desejava, disse-lhe que pelo menos 500. Ela ficou abismada pela quantidade de crianças em uma só missa, teria que somar toda a freqüência de crianças no período de um ano para chegar a esse numero na sua paróquia. No domingo que antecedeu o dia das crianças entreguei a cada uma a medalha em um cordão branco. As crianças freqüentam o nosso santuário, e gostam, porque tem uma resposta. As pessoas correspondem se você as provoca, para o mal e para o bem. As crianças vão percebendo o valor da oração.

Há muitos voluntários servindo o Santuário?

Existem mais de 350 pessoas exercendo o ministério, são pessoas que se dedicam ao trabalho. Temos a Comunidade Nossa Senhora dos Navegantes, na Avenida Cruzeiro do Sul, A Comunidade da Igreja de São Francisco, o Mosteiro das Irmãs e o Santuário.

Nossa Senhora é uma só, porque recebe várias denominações?

Porque é mãe. Minha mãe é amiga, às vezes ela me corrige, às vezes é educadora, às vezes é a mulher prendada que faz crochê, a minha mãe às vezes faz frango com quiabo, que eu adoro. Maria é às vezes as muitas faces da mesma mulher.

Qual é a origem do nome Nossa Senhora dos Prazeres?

É uma devoção de Portugal, por causa de uma vitória em uma batalha, um navegador teve uma visão da vitória.

Qual é a mensagem de Natal do Santuário de Nossa Senhora dos Prazeres?

É que as pessoas acreditem nesse Deus que vem nos visitar. Que o Natal é uma época de troca de presentes, festas, mas não se esqueçam do aniversariante. Marque a sua casa para esperar esse Deus que vem de novo. O nosso lema neste ano é: “Sim Jesus Tem Lugar em Nossa Casa” As pessoas vão receber aqui um selo para colocar na porta da sua casa com essa frase.

















Postar um comentário