Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

quarta-feira, dezembro 29, 2010

BENEDITO ONOFRE SIVIÉRO

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
Produção e apresentação Jornalista e Radialista JOÃO UMBERTO NASSIF
Transmitido pela RÁDIO EDUCADORA DE PIRACICABA AM 1060KHERTZ
aos sábados das 10:00 às 11:00 horas da manhã.
Contato com João Umberto Nassif
Entrevistado: Benedito Onofre Siviéro
(Entrevista realizada em 2005)
Com absoluta exclusividade Benedito Seviéro concedeu essa entrevista á Rádio Educadora de Piracicaba e aos Jornais Tribuna Piracicabana, Tribuna de Rio das Pedras e Tribuna de São Pedro. Extremamente reservado, apesar de ser muito assediado pela chamada “grande imprensa”, tanto escrita, falada e televisionada, Benedito mantém-se longe dos holofotes, ao contrário dos inúmeros ídolos que interpretam suas composições. Cantores como João Paulo e Daniel, Chitãozinho e Chororó, Cristian e Ralf, Gian e Giovani, Joaquim e Manoel, Teodoro e Sampaio, Milionário e José Rico, Mato Grosso e Matias, Duduca e Dalvan, Gilberto e Gilmar, César e Paulinho, Tibagi e Miltinho, Belmonte e Amarai, Lourenço e Lourival, Pedro Bento e Zé da Estrada, Trio Parada Dura, Peão Carreiro e Zé Paulo, Zico e Zéca, Zilo e Zalo, Rudy e Roney, Wellinton e Willian, Jad e Jefferson, Preferido e Predileto. Esses são alguns dos interpretes de suas mais de mil músicas compostas por Benedito Siviéro. Sem nenhum exagero podemos dizer uma grande parte da população brasileira um dia ouviu pelo menos um trecho de uma de suas composições. Afável, simples, Benedito fala com a naturalidade do seu trabalho: traduzir as emoções dos corações apaixonados, algo que faz com a maestria própria dos grandes gênios. Sua fala direta, carregada de emoções traduz os sentimentos que só os apaixonados entendem! Benedito Seviéro é com absoluta certeza a razão de sucesso de muitos artistas brasileiros! Algumas das suas obras: A mancha do pecado (c/ Biguá) • A marca da traição (c/ Zalo) • A volta do seresteiro (c/ Zalo) • Abandono (c/ Paiolzinho) • Abismo da dor (c/ Nízio) • Abismo da vida (c/ Palmito e Jaime Marques) • Abismo de ilusões (c/ Sulino e Marrueiro) • Aliança (c/ Pedro Bento) • Aliança abençoada (c/ Zalo) • Alma aventureira (c/ Luiz de Castro) • Alma de boêmio (c/ Tião Carreiro) • Alma inocente (c/ Zalo) • Amarga confissão (c/ Zalo) • Amargura (c/ Miltinho Rodrigues e Zeza Dias) • Amor em segredo (c/ Basílio) • Aproveita Minha Gente (c/ Ronaldo Adriano) • Cachorro amigo (c/ Luiz de Castro) • Canção da madrugada (c/ Sebastião Aurélio) • Confissão (c/ Miltinho) • Confissão de boêmio (c/ Sereno) • Desengano (c/ Tião Carreiro) • Desse jeito não vai dá (c/ Corumba) • Deusa da madrugada (c/ Sebastião Victor) • Drama da vida (c/ Flor da Serra) • Escuta minha canção (c/ José Vito) • Espelho da vida (c/ Paiolzinho) • Esperança perdida (c/ Osvaldo Galhardi) • Espuma de cerveja (c/ Toni Gomide) • Falsos carinhos (c/ Pirassununga) • Flor da boêmia (c/ Zalo) • Flor da lama (c/ Paiolzinho) • Flor proibida (c/ Miltinho Rodrigues) • Foi um sonho (c/ Benedito da Silva) • Homem de bem (c/ Luiz de Castro e Sulino) • Ingratidão (c/ Luiz de Castro) • Luz vermelha • Mágoa cruel (c/ Zé do Carro) • Meu crescimento (c/ Sebastião Aurélio) • Meu regresso (c/ Antonio Mariani) • Minha mágoa, minha dor • Mula granfina (c/ Pirassununga) • Mulher de ninguém (c/ Paiolzinho) • Mulher dos meus sonhos (c/ Joel da Costa Leite) • Mulher inocente (c/ Zilo) • Negócio de sócio (c/ José Felipe) • O destino não quis o nosso matrimônio (c/ Miltinho Rodrigues) • O dinheiro compra tudo (c/ Luiz de Castro) • O mesmo amigo (c/ Rocha de Menezes) • O silêncio do seresteiro (c/ Zalo) • Palavra de honra (c/ Ronaldo Adriano e Rosa Quadros) • Pião vira-mundo (c/ Campanha) • Pranto amargo (c/ Miltinho) • Preço da traição (c/ Zalo) • Primeira ilusão (c/ Vicente de Oliveira) • Queixumes de amor (c/ Zé da Estrada) • Rainha da traição (c/ Sebastião Victor) • Rainha do meu coração (c/ Barrinha) • Recado mortal (c/ Goiá) • Regresso de boêmio (c/ Paiolzinho) • Rei da capa (c/ Pirassununga) • Remorso (c/ Jeca Mineiro) • Rescisão de contrato (c/ Sulino) • São João Batista (c/ Vieirinha) • Sentenciado (c/ Nízio) • Serenata do adeus (c/ Nascimento Filho) • Seresteiro do amor (c/ Leôncio/Leonel) • Sistema antigo (c/ Teddy Vieira) • Sombra do passado (c/ Zilo) • Sonho de amor (c/ Teddy Vieira) • Taça da dor (c/ Nízio) • Taça da saudade (c/ Miltinho) • Taça vazia (c/ Miltinho) • Tango da meia-noite (c/ Zilo) • Tango da traição (c/ Zalo) • Toalha de mesa (c/ Luiz de Castro) • Triste caminho (c/ Miltinho) • Última noite (c/ Zalo) • Vestido branco (c/ Ronaldo Adriano e Mangabinha) • Violão amigo (c/ Zilo) Em seu repertório predominam as canções rancheiras, tangos e guarânias. Suas composições foram gravadas por diversos intérpretes, entre os quais Tião Carreiro e Pardinho, Zilo e Zalo, Zico e Zeca, Campanha e Cuiabano, Tibagi e Miltinho, Sulino e Marroeiro, Chitãozinho e Xororó, Chico Rey e Paraná e Sérgio Reis, entre outros.Teve sua primeira composição gravada em 1953, "Pião vira-mundo", moda campeira composta com Campanha e gravada pela dupla Campanha e Cuiabano. Em 1958 compôs com Zalo o cateretê "A volta do seresteiro", gravado pela dupla Zilo e Zalo no primeiro disco gravado por essa dupla. Em 1959, compôs com Paiolzinho a guarânia "Flor da lama", gravada por Zé Tapera e Paiolzinho, e com Nízio compôs a rancheira "Abismo da dor" gravada por Pedro Bento e Zé da Estrada.Em 1960, compôs com Zalo o tango "Alma inocente" e a canção rancheira "Última noite", gravadas por Zilo e Zalo. No mesmo ano, compôs com Tião Carreiro o tango "Alma de boêmio", gravado por Tião Carreiro e Pardinho, e com Teddy Vieira a guarânia "Sonhos de amor", gravada por Tibagi e Miltinho. Em 1961, teve gravadas, entre outras, as composições "Amargura", canção rancheira, em parceria com Miltinho e Zeza Dias e gravada por Tibagi e Miltinho, "Sentenciado", corrido em parceria com Nízio e gravado por Leôncio e Leonel e "Confissão de boêmio", corrido feito em parceria com Sereno e gravado pelo Trio Aliança. Ainda nesse ano, fez sucesso com o tango "Taça da saudade", com Miltinho gravado pela dupla Tibagi e Miltinho.
Em 1962, teve diversas composições gravadas pela dupla Zilo e Zalo, entre as quais "Remorso", canção rancheira feita com Jeca Mineiro, "Meu regresso", tango com Antônio Mariani e "Serenata do adeus", toada com Nascim Filho. Em 1963, Caçula e Marinheiro gravaram a canção rancheira "Meu crescimento", de parceria com Sebastião Aurélio, e Zilo e Zalo gravaram o "Tango da traição", de parceria com Zalo. Em 1964, Silveira e Barrinha lançaram a valsa "Rainha do meu coração", de parceria com Barrinha e Zilo e Zalo gravaram de sua parceria com Zalo o carrilhão "Aliança abençoada".
Em 1986, Chitãozinho e Xororó gravaram dele e Luiz de Castro, "O dinheiro compra tudo". Em 1988, Lourenço e Lourival gravaram dele e Luiz de Castro, "Cachorro amigo" e "Toalha de mesa". No mesmo ano, Gian e Giovani gravaram dele e Toni Gomide "Espuma de cerveja". Em 1991, o Trio Parada Dura lançou "Palavra de honra", dele, Ronaldo Adriano e Rosa Quadros, e "Vestido branco", dele, Ronaldo Adriano e Mangabinha. Em 1993, teve a música "Negócio de sócio", com José Felipe gravada por Sérgio Reis na BMG.
Em 1999, teve as músicas "A marca da traição", com Zalo; "Violão amigo", "O silêncio do seresteiro" e "Mulher inocente", com Zilo; "O mesmo amigo", com Rocha Menezes; "Meu regresso", com Antonio Marani, e "Sombra do passado", relançadas no CD "Raízes sertanejas" com os sucesso da dupla Zilo e Zalo, da gravadora EMI. Em 2001, sua composição "Aproveita Minha Gente", com Ronaldo Adriano foi destaque na voz da dupla Chico Rey e Paraná.
Senhor Benedito Onofre dos Santos qual é a sua idade?
Dia 20 de outubro eu fiz 74 anos, nasci em 1931. Sou nascido em uma cidade próxima a Araraquara chamada Boa Esperança do Sul. Eu tenho o privilégio de ir mudando de ares conforme desejo. Moro em São Paulo, em Santo André, fico uns tempos em Boa Esperança, fico uns tempos na casa de Moisés Augusto aqui na cidade de Rio das Pedras, fico uns tempos também em Itapetininga na casa de outros amigos. Meu pai e minha mãe morreram, eu fiquei sozinho, não tenho família, gosto mais de andar, não ficar parado em um lugar só! Sou solteiro, nunca me casei! Fico em Londrina, Campo Grande, Goiânia, a maior parte do tempo tenho permanecido em Piracicaba. Conheci a família do Moisés Augusto, sua esposa Dona Isabel, Garcia, Cezar e Paulinho. O Craveiro e o Cravinho eu já conheço há muito tempo! O Evaldo Augusto da imprensa é um grande amigo. São pessoas com quem estabeleci um laço de amizade e respeito que são muito importantes em minha vida.
O senhor toca algum instrumento?
Não toco nenhum instrumento. Só escrevo as letras das músicas. Comecei a trabalhar na música em 1950 com 19 anos de idade. Meus pais sempre trabalharam na roça. Em 1956 eu já tinha desenvolvido um bom trabalho na música, trouxe-os então para São Paulo. Na época eu tinha 27 anos de idade.
Como o senhor descobriu a música?
Quando eu morava na roça, em Boa Esperança, eu já escrevia na escola. Gostava de escrever poesias, sempre me interessei por isso! Aos 16 anos de idade comecei a escrever alguma coisa! Mas na época não conseguir gravar porque morava na roça.. Só em 1950, quando fui para São Paulo é que consegui gravar. Eu fazia as letras, e mandava para um amigo chamado Teddy Vieira, um compositor muito famoso que infelizmente faleceu, ele gravava com as duplas e punha o meu nome e o dele como compositores. O Teddy gostava muito das minhas composições.
O tema principal das suas letras qual era?
Sempre o romantismo. A rotina do casal não feliz. Se você escrever uma musica do casal feliz que vive nas mil maravilhas não tem comércio! Para a música ser comercial tem que ser do casal infeliz que vive entre tapas e beijos!
O Senhor foi namorador?
Nunca fui! Exagerado não! Fui normal.
Para ter inspiração tem que ter um pouco de desilusão?
Eu faço as músicas observando as desilusões alheias! Desde a primeira musica que eu fiz, “Seresteiro da Lua”, “Taça da Dor”, “Flor da Lama”, “A Mulher de Ninguém” “Alma de Boêmio” todas essas músicas eu fazia das desventuras alheias, baseando na vida de alguém. Quando você faz uma música, ela pode ser sua, intima, mas ela bate uma grande parcela da sociedade!
O senhor morava aonde nessa época?
Morava em Santo André.
O senhor gostava de freqüentar a noite?
Não freqüentava não! Ás vezes devido ao trabalho, eu trabalhava em circo, levava as duplas, ás vezes ficávamos uma parte da noite em atividade, mas a noite toda não! Eu levava as duplas para se apresentarem no circo, naquele tempo não tinha esses cachês que existem hoje, essas festas do peão, essas festas de exposição, então naquele tempo era só circo. O artista era muito bem tratado. Só que não tinha quase nenhum lucro! Você ia para um circo trabalhar na base de cinqüenta por cento da renda, da bilheteria, se chovesse você perdia tudo! Hoje o Zezé de Camargo e Luciano, Chitãozinho e Chororó, Daniel, Leonardo, Bruno e Marrone que trabalham comigo até hoje, ele já vão cantar com o dinheiro no bolso!
Quais são os artistas mais conhecidos do grande público que o senhor trabalha diretamente?
Eu tenho aqui um CD que comemora 50 anos de música, é uma homenagem que a gravadora fez para mim. Aqui têm os artistas que gravaram as minhas músicas, não todos porque eu gravei mais de 1000 músicas! Benedito passa a relatar alguns dos grandes nomes da música brasileira. Não consta neste CD nomes de cantores como Tibagi e Miltinho, Belmonte e Amarai, Lourenço e Lourival, Pedro Bento e Zé da Estrada, Trio Parada Dura, Tião Carreiro e Zé Paulo, Zico e Zéca, Zilo e Zalo, Silveira e Barrinha, Cascatinha e Inhana, Tonico e Tinoco, Tião Carreiro e Pardinho. Gravei com todos eles!
Qual foi a primeira música que “estourou” no mercado?
Foi o “Seresteiro da Lua” com Pedro Bento e Zé da Estrada no ano de 1950.
O senhor lembra um pedacinho dela?
Lembro-me sim! Abre janela! Oh! Querida /Venha ver o luar cor de prata/Venha ouvir o som deste meu pinho/Na canção de uma serenata.Coisinha antiga!
De onde saiu essa inspiração?
Um cara estava fazendo uma serenata no interior eu era moleque, e fui assistir a serenata, ele foi cantar para a moça na janela mais ela não saiu então eu fiz essa música!
O senhor se lembra de um pedacinho da música Taça da Dor?
Muitas mulheres me querem/ Mas não adianta, há somente uma que eu amo na vida... são coisinhas românticas. Depois gravei com Tião Carreiro e Pardinho “Alma de Boêmio”.
Quando vinha o pagamento do direito autoral, de três em três meses, hoje é diferente, você recebe todos os meses. Vinha um dinheiro grande de três em três meses.
Naquele tempo vinha mais dinheiro para o compositor?
Dez vezes mais! Não existia pirataria! Hoje a pirataria tomou conta de tudo!
A sua composição “Boate Azul” é um sucesso muito grande?
Ela está re-gravada em 70 países, tem na França, na Espanha, Portugal, Alemanha, Itália, na Dinamarca, vem dinheiro para mim do mundo inteiro! Não Um dinheirão, os brasileiros que vivem lá pedem pela internet, agora mesmo me telefonaram dizendo que estava tocando em Londres! Eu tenho ela gravada com uns 80 artistas!
O senhor pode relembrar um pedacinho dela?
Doente de amor procurei remédio na vida noturna com a/Flor da noite em uma boate aqui na zona sul, a dor do/Amor e com outro amor que a gente cura, vim curar a/Dor nesse mal de amor na boate azul e quando a
Noite/Vai se agonizando no clarão da aurora os Integrantes da/Vida noturna se foram dormir e a dama da noite que estava/Comigo também foi embora , fecharam se as portas/Sozinho de novo tive que sair, sair de que jeito, se nem/Sei o rumo para onde vou muito vagamente me lembro/Que estou em uma boate aqui na zona sul eu bebi Demais/E não consigo me lembrar se quer qual é o nome/Daquela mulher a flor da noite na boate azul.
Aonde o senhor buscou inspiração para realizar essas composições?
Foi na situação dos outros. Eu tinha um amigo que amanhecia bêbado na porta da boate. Ele era apaixonado por uma mulher dessa boate. Ele ficava lá esperando ela sair. Só que ia bebendo, ia bebendo, na hora de sair não agüentava mais, então na hora de ir embora ele ficava lá caído na porta da boate. É ai que ele fala: “sair de que jeito, se nem/Sei o rumo para onde vou muito vagamente me lembro/Que estou em uma boate aqui na zona sul eu bebi Demais/E não consigo me lembrar se quer qual é o nome/Daquela mulher a flor da noite na boate azul”.
Todas essas composições que o senhor fez são baseadas em fatos reais?
Cada composição é um caso que aconteceu com alguém, não comigo! (risos).
Fazer amizade com o senhor é meio perigoso?
Não. Porque? Se você tiver um passado limpo, não farei musica sua! Eu faço musica só de quem tem um passado de muitas paixões incontrolados.
O senhor acha que o homem vive em função das paixões?
A maioria vive em função das paixões! Se você contar, dos 6 bilhões de habitantes da Terra, mais da metade é apaixonado!
O homem o senhor acha que vive por dois motivos: pela paixão e pelo dinheiro?
Exatamente! Por mulher e dinheiro! Não tem nem dúvida. Alimentação é uma coisa necessária, isso ninguém vive sem. Mas o dinheiro e a mulher são as molas mestras do mundo!
Em todos esses casos que o senhor descreve o senhor se considera um relator das histórias?
De fato eu sou um mensageiro da paixão alheia. Seja de homem ou de mulher! Contando uma história sem por o nome de ninguém! É uma história que pode ser a da metade da população do mundo!
Alguma vez alguns dessas personagens disse ao senhor:- Como é que você fez uma música desse jeito?
Tem muitos casos! Só o Som de Cristal que eu gravei com o Joaquim Manoel. E m São Paulo tem uma Boate chamada Som de Cristal, mas eu não fiz a letra pensando nela! Fiz pensando na orquestra que tocava musica estridente como se fosse um som de cristal. O dono da boate me processou dizendo que eu estava usando nome da boate dele para fazer sucesso. A letra dizia: “a casa noturna, boate falada, lugar de má fama”, e ele achou ruim porque ele queria que eu dissesse: “a casa noturna, boate afamada, boate de fama”. (Letra: A casa noturna/se mantém a noite/em clima de festa/De longe e ouve/vários instrumentos/de cordas e metal/Boêmios bebendo/cantando e dançando /ao som da orquestra/Um som estridente/que lhe deu o nome /de Som de Cristal/A casa noturna/boate falada/lugar de má fama/Com as portas abertas/durante a noite/entra quem quiser/Porém essa noite/Sem que eu esperasse/Entrou uma dama/Fiquei abismado/Porque se tratava da minha mulher/(refrão)/Ela se cansou/de dormir sozinha/esperando por mim/E nessa noite/resolveu dar fim/A sua longa e maldita espera/Ela não quis mais/levar a vida de mulher honrada/Se na verdade/não lhe adiantou nada/ser mulher direita/conforme ela era/Ela decidiu/abandonar o papel de esposa/para viver entre as mariposas/Que fazem ponto /naquele local/E a minha vida/muito mais errante/agora continua/Transformei a esposa/em mulher da rua/A mais nova dama /do Som de Cristal.
O senhor para fazer suas composições chegou a fazer um trabalho de pesquisa?
Não. Eu conhecia histórias nos ônibus, nas emissoras de rádio, ouvindo os colegas cantando, ás vezes por uma música você tira outras duas ou três. Pelo assunto de uma musica você inventa outro assunto! Cria um novo assunto! Pela Boate Azul eu fiz Som de Cristal, que é uma seqüência mais que ninguém sabe que é uma seqüência!
O senhor chegou a fazer letra de música em guardanapo?
Em guardanapo não! Na cabeça eu faço, depois passo a limpo em casa. Nos ônibus, de São Paulo para Piracicaba, ou de São Paulo para Araraquara, no caminho encontro muitos temas para fazer musicas.
Qual é o melhor lugar, qual é a melhor hora para criar?
Eu não tenho! Se você me pedir para fazer uma musica ali agora eu sento ali e faço! Também não tenho mais esse negócio de inspiração, eu faço pela pratica! É só achar um tema e faço pela prática. Sou como um profissional de qualquer área. No começo era tudo por intermédio de inspiração, de fazer aquela concentração como se fosse uma meditação. Agora faço na base de industrialização! Industrializou-se a música! O artista sempre gosta de por no estilo dele. Com o César e Paulinho eu gravei umas oito músicas, mas eu deixei eles fazerem a vontade, o que fica bem para eles, porque são eles que irão cantar. A música tem a cara do artista. Daniel canta o romântico. Teodoro Sampaio cantam mais musica dançante. Milionário e Zé Rico são românticos a bessa. Duduca e Dalvam também eram românticos. Cezar e Paulinho são criadores de tudo, são versáteis a bessa.
O Senhor se lembra de uma música chamada “Jorginho do Sertão”?
Jorginho do Sertão é de Cornélio Pires. Rubens da Silva, o Caçula e Mariano da Silva - Piracicaba, SP eram Irmãos, trabalhavam na roça quando foram descobertos por Cornélio Pires e convidados a integrar a Turma Caipira formada por ele. Foram responsáveis pela primeira moda de viola gravada, "Jorginho do sertão", em 1929 pela Columbia, recolhida por Cornélio Pires:
“O Jorginho do SertãoRapazinho de talento Numa carpa de café/Enjeitô treis casamento/Logo veio o seu patrão/Cheio de contentamento/(tenho treis filhas "sorteira que/ofereço em casamento)/Logo veio a mais nova/vestidinho cheio de fita/Jorginho case comigo/que das treis/sô a mais bonita/logo veio a do meio/vestidinho cor de prata/Jorginho case comigo/ou então você me mata/logo veio a mais veia/por ser mais interesseira/Jorginho case comigo/sou a mais trabaiadeira/Jorginho pegou o cavalo/ensilhô na mesma hora/foi dizê pra morenada/adeus que eu já vou me/embora/Na hora da despedida,/AiAiAi/é que a morenada chora/AiAiAi/O Jorginho arresorveu/é melhor que eu mesmo suma/não posso casá cum as treis, aieu num caso cum nenhuma”. Cornélio Pires foi o pioneiro. Quando eu cheguei em São Paulo só tinha 4 duplas de nome: Torres e Florêncio; Serrinha e Caboclinho, Palmeira e Luizinho e Tonico e Tinoco. Depois tinha outras duplas menos famosas, como o Brinquinho e Brioso, Leonardo e Cunha Junior. Eu cheguei em São Paulo em 1950, a vida inteira eu fui compositor. Fui morar em Santo André. Foi ai que fiquei conhecendo o Ariowaldo Pires, que era o Capitão Furtado! Ele me disse que tinha um tio que deu o ponta-pé inicial na musica! Aí então fiquei conhecendo Cornélio Pires! Tiete, Piracicaba , Sorocaba e Botucatu são os berços da musica sertaneja. Com vários artistas daqui como Mariano e Caçula, Serra, Parafuso, Mandi e Sorocabinha. Issso começou em 1929. Cornélio Pires era alegre, expansivo, companheirão, ele era uma patente, juntava as duplas todas da região e levava para gravar. Naquele tempo só tinha duas gravadoras! A Continental e a RCA Victor. Ele levava 10 a 12 pessoas para gravar. Não tinha gravadora em São Paulo, era só no Rio de Janeiro, então ele pegava o trem no Brás ia para o Rio de Janeiro, gravava, aquele tempo era só duas musicas por disco. Ia bem ensaiadinho, chegava lá, gravava e voltava. Na podia errar! Se errasse estragava o disco. Hoje em dia está muito mais fácil, até eu sou capaz de chegar lá e gravar! Eu não me lembro muito do Parafuso, porque ele morreu faz 32 anos, mas ele era espetacular. Aqui em Piracicaba tinha uma seleção de repentistas bons! Nhô Serra, Pedro Chiquito. Em Piracicaba eu só gravei com Garcia e Zé Matão e Cesar e Paulinho. O Craveiro e Cravinho antes formavam a dupla Manico e Maneco! (risos)
O compositor brasileiro diz que compor no Brasil não dá dinheiro, isso é verdade?
O compositor de uma música, de duas, três ou até de dez ganha pouco. Eu tenho muitas músicas. Tenho mais de 1000 musicas compostas, sendo que umas 300 estão em atividade.Rendendo um pouquinho cada uma.
O senhor é o maior compositor brasileiro atualmente?
Eu me considero entre os 10 maiores compositores brasileiros. Tiro chapéu para José Fortuna, Teddy Vieira, Anacleto Rosa Junior, Lourival dos Santos, Moacir dos Santos, Goiá, foram os novos, como César Augusto, Zezé de Camargo, Elias Muniz, Joel Marques, Randall. No estilo de musica antiga, que tinha aqueles dramalhões eu fui um dos pioneiros, eu, o Teddy, o José Fortuna, o Goiá (Gerson Coutinho da Silva)
O senhor acha que a qualidade da música melhorou ou piorou?
Eu acho que melhorou. Não a qualidade em si da letra. A qualidade da melodia melhorou. A qualidade da letra você tem que acompanhar. Hoje em dia você não pode mais fazer a letra de uma história que o pessoal não grava mais. Então você tem que acompanhar.
Tem muita gente que faz sucesso com a música apelativa? O senhor já fez alguma música com letra mais maliciosa?
Já fiz. Contra a minha vontade, mas comercialmente fui obrigado a fazer. Mulher Boa de Teodoro e Sampaio. Têm várias músicas assim. “Essa noite eu pinto aí” é uma música apelativa, não fala palavrão, ela é maliciosa, induz. Normalmente é tocada em baile. É mais em bailão.
O senhor tem algum hobby, além da música?
Gosto muito de pescar. Mas não sou bom pescador.
Pescando o senhor se inspira? Tem alguma música que fale de peixe?
Pescando a gente se inspira. Mas não tenho nenhuma música que fale de peixe. Já pesquei no Rio Piracicaba. Mas não fiz nenhuma musica para o Rio Piracicaba. Para bater aquela musica do Lourival dos Santos e Piraci é muito difícil! O rio de Piracicaba Vai jogar água prá fora! O que é isso! O Craveiro e Cravinho têm outra também muito bonita. Não tem jeito de fazer musica melhor que a deles e para fazer pior eu não faço!
Quanto tempo o senhor leva para compor uma música?
Ás vezes eu faço uma musica em duas horas, as vezes demora uma semana! Depende! Tem que se achara as palavras adequadas, primeiro eu faço o rascunho, depois vou procurando a substituição de uma frase até chegar a um ponto em que ela esteja comercial.
O senhor já fez composição até em fila de banco?
(risos) Ah! Já! Mas já fiz diversas músicas!
O senhor pretende fazer uma música para Rio das Pedras?
Preciso ir á prefeitura, pegar os dados da cidade, vamos estudar o assunto!
O senhor toca algum instrumento?
Não. Só faço a letra da música mesmo! O Romantismo não está acabando, antigamente existia muito mais sentimentalismo! A modernidade tomou conta. A paixão é uma coisa eterna. Eu escrevo música para crianças, jovens, terceira idade, quarta idade!
O senhor gosta de dançar?
Não. Mas gosto de escrever musica de dança! Musica de bailão eu escrevo muito!
Qual é a sensação do senhor ver o pessoal dançar uma música escrita pelo senhor, ou ouvir uma música de sua autoria?
Isso se torna um caso até meio chato! Quantas vezes eu estou andando no ônibus e escuto o cara cantando minha musica! Você acha que eu vou chegar nele e dizer essa musica é minha! Não tem cabimento! Em todas as casas noturnas que eu chego eles cantam Boate Azul! Eu vou chegar lá e falar que essa música é minha! É chato não é? O pessoal quando descobre que sou o autor fica curioso demais! Principalmente quem esta assistindo! Quem está cantando não é tanto.
Quem está assistindo vem perguntar porque o senhor fez aquela musica?
Ai é que está o meu problema! Eu chego em Boa Esperança o povo está cantando a minha música. Vou para Araraquara estão cantando, chego aqui estão cantando. Se eu chegar lá chega aquele monte de perguntas. Você sabe que eu tenho problema auditivo, operei agra melhorei um pouco.
O senhor é uma pessoa extremamente reservada, está sempre sendo assediado para comparecer em programas em rede nacional. Qual o motivo dessa sua reserva?
Eu sou uma pessoa de uma certa idade, a minha imagem não tem mais interesse para a televisão. Eu acho que não. Esse é o meu problema de achar. Acho que se chegar na televisão o povo irá dizer: - O que esse velho ta enchendo o saco ai! Eu tenho medo do ridículo. O Ratinho cansou de me chamar. A artista Inesita Barroso, quantas vezes ela quis me homenagear como compositor, e eu não fui. Eu gosto dela barbaridade, gosto do Ratinho Barbaridade! O Fustão mandou um recado por intermédio do Bruno e Marrone, para que eu vá lá. Não fui ao Gugu. Não fui ao Raul Gil. Gostaria de ir, mas se tivesse uma imagem condizente!
A sua formação musical é natural?
É natural. Não estive estudo nenhum, só o quarto primário. Tudo o que eu sei foi através da escola do mundo. Da vivência.
Qual foi a música que lhe deu mais satisfação?
É difícil numerar uma só porque eu tive mais de 50 musicas que me deram prestigio. A mais famosa é Boate Azul.
Existe alguma música que o senhor fez e não gostaria de ter feito?
A maioria! (muitos risos). Tem uma que se eu pudesse apagar eu apagava, foi Alma de Boêmio. Tem uma palavra que eu não uso mais. Tirei do vocabulário. Naquele tempo era comum isso ai. É a palavra desgraça!Escrevi isso ai nos anos 50.
“A minha sorte foi tirana e deslinda estou sofrendo por amar quem não me quer/Isto acontece para/um homem que acredita que existe amor no coração duma mulher/Por mais que eu queira esquecer o meu passado meu sofrimento e viver pensando nela/E os amigos só para me ver magoados quando me encontra vem me dar noticias dela/Só tenho as ruas e a bebida como herança essa mulher me deu esse maldito prémio/E hoje dela só me resta uma lembrança a torturar a minha alma de boêmio/Embriagado passo as noites pelas ruas ninguém tem pena deste meu triste viver/Olhando ao céu quanto contemplando a luz da lua me representa a sua imagem aparecer/Foi o desgosto que atirou-me nesta vida abandonado e renegado pelo mundo/Eu vivo sempre naufragado na bebida tornei-me apenas um boêmio vagabundo/Perdi amigos perdi tudo que já tive em altas noites só o sereno me abraça/Essa mulher na mesma rua ainda vive bebe com outro a brindar minha desgraça/Declamado voz mulher/Se hoje vive mal trapilho pela rua/A culpa é toda tua não soubeste me conservar/E por vingança hoje eu bebo nesta taça/A brindar tua/desgraça na mesa deste bar/Declamado voz homem/Segue, segue bebendo que eu continuo vivendo assim/E quando chegar meu fim que eu partir deste mundo/Ais de lembrar com saudade que já foi para eternidade/Eu boêmio vagabundo/Foi o desgosto que atirou-me nesta vida abandonado e renegado pelo mundo/Eu vivo sempre naufragado na bebida tornei-me apenas um boêmio vagabundo/Perdi amigos perdi tudo que já tive em altas noites só o sereno me abraça/Essa mulher na mesma rua ainda vive bebe com outro a brindar minha desgraça”
O senhor conviveu com muita gente famosa, como Inesita Barroso, Airton e Lolita Rodrigues, Adoniran Barbosa, Caçulinha. Demônios da Garoa. O que você acha desse pessoal?
Conheci Inesita Barroso quando ainda era cantora, é um amor de pessoa! Um ser humano espetacular!. O Airton e a Lolita tinham o programa Almoço com as Estrelas. O Caçulinha é filho do Caçula, conheço ele há muito tempo.Eu gostava muito do Arnaldo do grupo Demônios da Garoa.Adoniran Barbosa, o Charutinho, a gente se encontrava na Sociedade dos Autores e tínhamos bastante amizade, sempre foi sarrista. Waldilk Soriano é muito bom.
Francisco Alves, o Chico Viola o senhor conheceu?
Ele morreu no ano de 1952, eu tinha 21 anos. Foi uma tristeza muito grande.
E Nelson Gonçalves?
Nelsão era gente fina, ele era romântico, mas morava no Rio de Janeiro. Eu não tinha muito contato com ele. A gente se encontrava na gravadora. Era terrível falar com ele, ele era gago para falar! Cantando não!











Arquivo do blog