Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

sexta-feira, janeiro 18, 2019

IBRAHIM MATTUS


PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 19 de janeiro de 2019.

Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://blognassif.blogspot.com/


http://www.teleresponde.com.br/
ENTREVISTADO: IBRAHIM MATTUS     




Ibrahim Mattus nasceu a 2 de outubro de 1931na cidade de Conceição de Macabu, nome que deriva de Nossa Senhora da Conceição do Rio Macabu, naquela época era distrito de Macaé. É filho de Abdo Mattus e Izolina Pereira Mattus que tiveram sete filhos: Afair, que faleceu ao nascer,Fair, Nazira, Munira, Ibrahim, Nabile, Amira. Ibrahim Mattus é Procurador Federal. No Exército chegou ao posto de terceiro sargento. Iniciou-se profissionalmente como funcionário terceirizado do Instituto do Açúcar e do Álcool, galgando postos importantes, sendo inclusive nomeado como interventor pelo Presidente Fernando Collor. Batalhador incansável, trouxe ao Bairro Santa Terezinha melhorias usando sua influência pessoal, adquirida por mérito próprio. Uma narrativa de uma vida de lutas, glórias e desafios.                         

 

Qual era a atividade do pai do senhor? 

Mascate! Como todo bom árabe ele começou como mascate, trabalhou muito, pouco antes de falecer tinha um armazém que tinha de tudo. Era o shopping de hoje! De enxada até agulha, da banana ao feijão! Meu pai faleceu muito jovem, com 41 anos, possivelmente com um ataque cardíaco, naquela época não existia os recursos que existem hoje, era um mundo diferente.

Ele veio para o Brasil sozinho?

Veio sozinho, ele tinha um primo que já morava no Brasil, Jorge Tebet Jorge que morava em Conceição de Macabu. Ele e Jorge eram dois moços de chamar a atenção, meu pai era muito charmoso, um homem bonito, conheceu a minha mãe, ela com 17 anos, casaram-se. Era um período em que as famílias tinham muitos filhos.

Ao ficar viúva qual foram as providencias que a sua mãe tomou?

Eu tinha uns cinco anos. O meu pai estava muito bem de vida. Começaram a aparecer credores, minha mãe querendo honrar o nome do meu pai, as dívidas eram na palavra, não usava-se documentação escrita, ela pagou a todos que se apresentavam como credores. Com isso em pouco tempo os recursos escassearam. Como tínhamos uma conhecida em Niterói, fomos todos para lá. Uma viúva e seis filhos! Minha mãe era costureira, começou a trabalhar, fazia costuras para uma empresa do Rio de Janeiro, fazendo calças. Com 12 anos eu levava as calças prontas para o Rio de Janeiro. Ia de barca, naquela época a travessia Rio-Niterói era feita por barcas. Ainda não existia a ponte ligando as duas cidades. A ponte foi construída em 1964 pelos militares.

O senhor pequenininho ia sozinho?

Naquela época não havia maldade, os próprios passageiros se protegiam, assim como aquela criança desconhecida ,no caso, eu, levava as calças prontas e trazia a fazenda para costurar as calcas, camisas, o que precisasse. Minha mãe costurava bem.

Com isso ela conseguiu manter a família?

Conseguiu, e também havia muita solidariedade, por parte de famílias amigas, parentes. Ela costurou durante sua vida toda, faleceu em 1992, com 86 anos. Foi uma heroína, sozinha criou uma família. Criou os filhos, encaminhou-os, se relacionar, hoje nossa família tem mais de 100 descendentes.

O senhor trabalhava em algum local, quando era garoto?

Fui trabalhar em uma farmácia, fazendo entregas de medicamentos. Ia a pé, de bicicleta, dependia da distância. Eu me sentia importante! Depois fui trabalhar com um dentista, uma das minhas atividades era levar as marmitas para ele. Ele fazia restaurações utilizando ouro. Antigamente, o ouro era uma das ligas metálicas mais utilizadas por dentistas em restaurações devido a sua resistência. O procedimento sempre foi muito caro por se tratar de um material precioso. Por isso ter um ou mais dentes de ouro era um símbolo de status financeiro. Permaneci trabalhando para o consultório dentário por uns quatro anos.

O senhor não se interessou em ser dentista?

Não me interessei, talvez por não ter estudos na época. A minha vida de estudante foi muito difícil. Fiz o curso primário no hoje Colégio Estadual Melchiades Picanço em Niterói. O governo lançou um curso que dava a oportunidade de fazer o ginásio e o colegial em um tempo reduzido, proporcionando a oportunidade de fazer um curso superior. Tive um grande amigo chamado João Pires Ribeiro que era meu cunhado, casado com a minha irmã Fair. Ele me indicou a um senhor que tinha um restaurante na

Standard Oil Company era no Brasil a Esso Brasileira de Petróleo Ltda. Fui trabalhar com ele , no prédio que era do Instituto do Açucar e do Álcool, fundado em 1933 por Getúlio Vargas.

O senhor conheceu Getúlio Vargas?

Conheci! Cheguei a falar com ele. Eu tinha um amigo que era o mordomo do Getulio, ele me convidou para ir até o Palácio do Catete para conhecer o Dr. Getúlio. Fui. Ele me cumprimentou, de longe, aí nós fomos embora. Em 24 de agosto de 1954 ele suicidou-se.

Gregório Fortunato foi o chefe da guarda pessoal do presidente Getúlio Vargas, também  conhecido como "Anjo Negro", devido ao seu porte físico e sua pele negra. Gregório começou a ter muito poder, despachava com coronel, general. Antes de falar com o Getúlio os interessados tinham que passar primeiro com ele. Getúlio por suas idéias, foi se isolando, o Almirante Amaral Peixoto casou-se com Alzirinha (Alzira) Vargas filha dele, conheci esse pessoal todo, não tinha relações de amizade, mas quando ia ao Palácio do Catete sempre via um deles. Conheci o Copacabana Palace Hotel, mas não frequentava, era só para quem tinha muito dinheiro, geralmente turistas estrangeirs.

Existem até hoje pessoas que colocam em questão se Getúlio Vargas suicidou-se ou foi assassinado, a seu ver o que de fato aconteceu?

Getúlio sentiu-se encurralado. Tinha o Gregório Fortunato que praticamente mandava e desmandava, Carlos Lacerda, um grande orador, fez uma intensa campanha contra Getúlio. Teve um dia em que ele ficou 24 horas no ar falando mal do Getúlio. Conheci Adhemar de Barros, inclusive lembro-me do caso famoso de suposta "negociata" muito comentado foi o "Caso da Urna Marajoara" do Museu Paulista.

O senhor conhece a história de Jorgr Guinle dono do Copacabana Palace?

Carlos Guinle, seu pai, sabia que logo iria falecer, calculou o tempo de vida do filho Jorge (Jorginho) Eduardo Guinle, e disse-lhe: “Esse dinheiro é para você viver até morrer” Jorginho foi um socialite, playboy, e herdeiro milionário notável por suas conquistas amorosas e falência financeira. Após ter gastado quase todos seus bens, avaliados em cerca de 100 milhões de dólares, em festas, viagens e mulheres, Guinle faleceu aos 88 anos de idade, morando, por favor de seus novos donos, no hotel Copacabana Palace. O hotel fora fundado por seu tio, Octávio, em 1923. Conquistou grandes artistas, entre elas Ava Gardner, Anita Ekberg, Veronica Lake, Romy Schneider, Kim Novak, Hedy Lamarr, Susan Hayward, Zsa Zsa Gabor, Rita Hayworth, Lana Turner, Jane Russell. Casou-se quatro vezes com: Dolores Sherwood Bosshard, Ionita Sales Pinto, Tânia Caldas, Maria Helena Carvalho. Não há dinheiro que aguente!

O Rio de Janeiro dessa época era completamente diferente?

Você saía tranquilo, eu trabalhava no IAA, fazíamos horas extras, a noite saíamos para jantar a meia-noite, íamos no Spaghettilândia, vinham umas cumbucas com espaguete, ficava na Lapa, não havia riscos;

Como era a Confeitaria Colombo?

Ali era o ponto dos políticos, das atrizes, das candidatas a atrizes.

Carnaval, o senhor participou?

Participava mais como assistente. Naquela época havia um desfile de carros, com muito confete e serpentina. O povo se divertia de forma sadia. Era mais romântico.

O senhor chegou a frequentar a Rádio Nacional?

Frequentei no tempo de Cesar de Alencar, Cesar Ladeira, ali conheci Dalva de Oliveira, Emilinha Borba, Aracy de Almeida, Ataulfo Alves, Nelson Gonçalves, Silvio Caldas, era tudo ao vivo. Como bom niteroiense, não tinha o que fazer no domingo, atravessava com a barca, criança não pagava.

E bailes o senhor frequentava?

Fui uma vez no Bola Preta para conhecer. A conotação de baile naquela época era outra.

E o folclórico Tenório Cavalcante o senhor o conheceu?

Ele era de Duque de Caxias, o conheci, tem uma passagem em que o Tenório Cavalcante estava sendo entrevistado, ele andava com uma capa preta e embaixo da capa preta Tenório andava sempre ao lado de sua "Lurdinha", uma submetralhadora MP-40 de fabricação alemã, o entrevistador, radialista, fez uma pergunta ao Tenório, que não o agradou, o Tenório disse-lhe: “Pula na piscina!” O radialista disse-lhe “-Mas eu estou de roupa, com relógio”. O Tenório simplesmente disse-lhe: “Pula na piscina, senão vou lhe dar um tiro!”. Imediatamente o entrevistador mergulhou! Pelos cabos eleitorais, Cavalcanti fora conhecido como "O Rei da Baixada"; pelos rivais, era tachado de "O Deputado Pistoleiro".

Uma das figura folclóricas do Rio de Janeiro foi João Francisco dos Santos mais conhecido como Madame Satã?

Era um homossexual, com uma altura muito acima do padrão, musculoso, uma fera em qualquer briga, inclusive praticava o que na época era novidade Jiu-jitisu. E um exímio manejador de navalha. São fatos que existiram.

O senhor chegou a ir ao Cassino da Urca?

Não, não fui. Só iam artistas, pessoas com alto poder aquisitivo.

A barca que fazia a travessia Rio-Niterói transportava quantas pessoas?

Acho que umas 3.000 pessoas. Foram reformadas e estão funcionando até hoje. Depois vieram as aero barcas. Eram barcos para cerca de 50 pessoas, quando ele pegava uma certa velocidade ele inflava e deslizava na água, fazia o percurso em 8 a 10 minutos, a barca convencional levava 30 minutos.

O Rio de Janeiro lhe traz muita saudade?

Tenho saudade das amizades, bastante familiares que ainda moram lá. Rio de Janeiro, Niterói, eles tem uma característica própria que são as suas praias. Mesmo aborrecido, se você teve um dia pesado, vai para a praia, procura uma sombrinha, deita, você se recupera, se recompõem. Niterói é um município da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, no estado do Rio de Janeiro. Foi a capital estadual, entre 1834-1894 e novamente entre 1903-1975. A Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, que existiu no território do atual município do Rio de Janeiro. Em sua área, esteve situado o antigo Distrito Federal. Foi capital estadual fluminense até a fusão entre os estados do Rio de Janeiro e da Guanabara em 1974. Dista 15 km da Cidade do Rio de Janeiro e possui como acesso a Ponte Rio–Niterói Antes o Rio de Janeiro foi Estado da Guanabara, depois voltou a ser Rio de Janeiro. Niteroi deixou de ser a capital do Rio de Janeiro. Portanto Rio de Janeiro é a capital do Estado do Rio de Janeiro.

A mudança da Capital Federal para Brasília acelerou a deterioração do Rio de Janeiro?

O Rio politicamente não tem mais nada. Tem suas maravilhosas praias. Conheci Juscelino Kubitschek de Oliveira colocou ordem na casa. Transferiu a capital para Brasília. Hoje o Rio não comportaria além do espaço físico, a topografia impõem limites naturais.

Voltando à sua trajetória pessoal, o senhor foi trabalhar no prédio do IAA.

Esse meu cunhado João Pires da Costa Ribeiro, conhecia o Pires, que tinha o restaurante do IAA. Fui na Praça XV, 42, onde hoje é a sede da Policia Federal, disse ao Sr. Pires que eu era cunhado do João Pires. O restaurante ficava no último andar, 11º andar. Era para os funcionários. Me apresentei, o Sr. Pires disse-me: “Você é cunhado do Pires? “

 Respondi afirmativamente. Ele disse-me: “Pega um jaleco e pode começar a trabalhar!” A diretoria do IAA almoçava depois dos funcionários terem feito sua refeição.

Havia diferença nas refeições servidas aos funcionários e aos diretores?

Havia! Não sei se era por ser novinho, talvez bonitinho, ele me mandou servir a mesa da diretoria. Tinha uma senhora, Dona Elza, muito fina, simpatizou-se comigo. Eu me esforçava para tratá-los da melhor maneira possível. Dona Elza perguntou-me: “Ibrahim você não quer ser ascensorista?” Respondi-lhe: “Se o Sr. Pires deixar, eu vou!”.  Ela disse-me: “Com o Pires eu me entendo!”. Eu fui falar com ele, contei-lhe o sucedido. Ele disse-me: “Vai embora, vai cuidar da sua vida”. Fui servir no IAA como ascensorista, era diarista, era terceirizado. Eram duas portas de metal sanfonadas, portas pantográficas. Ali trabalhei uns seis meses.

O que o senhor achou desse trabalho?

Melhor do que o anterior! Trabalhava em pé, tinha que abrir a porta para o acesso ou a saída dos ocupantes. No elevador conheci todo mundo. Tinha um senhor que era de uma usina de São Paulo, todo natal ele ia com uma nota de dinheiro no valor de 20 mil réis, naquela época era um bom dinheiro, notas novinhas, ele ia distribuindo, para o ascensorista, para o garçom, só para os funcionários com cargos mais modestos. Eu trabalhando no elevador, essa mesma senhora, Dona Elza, ela trabalhava no gabinete da presidência, era secretária do presidente Gileno De Carli, ele era de uma família de Pernambuco. Dona Elza disse-me: “Ibrahim, surgiu uma vaga de contínuo no gabinete, você quer ir para lá?” Na hora respondi:” Vou sim senhora, o que a senhora fizer por mim está ótimo!” Após uns seis meses no gabinete ela disse-me: “Ibrahim, você vai fazer um curso na IBM! Surgiu uma vaga e a diretoria disse-me para indicar uma pessoa. Vou indicar você.” Perguntei-lhe: “E o meu horário?” Ela respondeu” Você vai fazer o curso, portanto está dispensado do horário!”

Que curso o senhor foi fazer na IBM?

Um curso de mecanização. Eram digitados os dados e transferidos para um cartão perfurado. Fiz o curso que durava seis meses.

Nessa época o senhor já trabalhava de paletó e gravata?

Sim, eu trabalhava no gabinete da presidência!

Qual era a sua idade?

Eu me casei aos 20 anos, aos 20 anos entrei lá. Deveria estar com 21 a 22 anos.

Como se chama a sua esposa?

Em primeiras núpcias casei-me com Vanusa Barbosa Mattus, tivemos os filhos: Luiz Carlos (falecido precocemente), Paulo Roberto (falecido há uns seis anos), Júlio Cesar, Carlos Alberto, Marco Aurélio, Edna Lúcia, Ana Maria e Carmem Denise. Em segundas núpcias casei-me com Neide Terezinha Gentile Mattus. Além de criarmos uma sobrinha, Maria de Fátima, hoje residente na cidade de Campos, Rio de Janeiro.

Após fazer o curso na IBM o senhor foi trabalhar em que setor?

Fui trabalhar na seção de mecanização. Era ambiente com ar condicionado. Por causa dos equipamentos e dos cartões que no calor ficavam muito rígidos e no frio perdiam a resistência. Tinham que ter a elasticidade ideal. Era um setor de elite. Ali passava a contabilidade, serviço pessoal, naquela época não tinha o Departamento de Recursos Humanos(RH). O  IAA fazia muitos empréstimos para as usinas, tudo era controlado por lá. Imprimíamos os relatórios que o presidente pedisse. Os relatórios eram impressos em papel zebrado (duas cores, sendo cada linha uma cor), em impressoras matriciais, enormes, barulhentas. O IAA tinha no Brasil todo uns 3.000 funcionários. Eu não estacionei, fui evoluindo dentro da empresa, até quando eu estava no Departamento Pessoal veio a revolução de 1964. O General Vargas (Mera coincidência de sobrenome com Getúlio Vargas) foi nomeado interventor do IAA. O Departamento Pessoal sempre foi uma área especial por deter informações de cunho sigiloso. Esse General Vargas me chamava em seu gabinete e dizia: “Me traz a ficha do funcionário tal”. Eu trazia a ficha. E faz aquilo, e faz isso. Acabei fazendo amizade com ele. Lembro-me que um dia ele me disse: "Ibrahim, tem pessoas que vem aqui e me dá vontade de jogar escada abaixo! Você jogaria para mim?” Respondi-lhe: “General, não sou violento, não faço isso e sei que o senhor não faz também!”  A história vai mudar radicalmente. Fui nomeado interventor da Destilaria Gileno De Carli. a pessoa que estava aqui como gerente estava fazendo coisas erradas. Para você ter uma ideia ele andava de patinete no salão da usina. Era maluco. O jipe chapa branca (uso restrito serviço público) era como se fosse propriedade dele. Enfim, ele usava e abusava. Cheguei aqui, com ordem do General Vargas para mandar esse gerente para Ponte Nova - no estado de Minas Gerais, onde havia uma destilaria também. Isso foi no final de 1969. Vim com a missão de acabar com essa destilaria. Elas estão até hoje ai porque a pressão foi muito forte. Havia um serviço especial que administrava essas destilarias: Gileno De Carli, Lençois Paulista, Guararema, Ariranha, eram aproxiamadamente umas vinte destilarias do Instituto. Eu fazia todo mês uma vistoria nessas destilarias, isso no Estado de São Paulo, mandava um relatório para o Rio de Janeiro. Vajava de jipe. Eu tinha um carro Mercury conhecido como “Boi Deitado” . Foi um amigo meu, procurador lá do Rio de Janeiro, que tinha essa Mercury. Ele Disse-me: “- Ibrahim, fica com essa Mercury, vai usando até eu precisar dela”. A cor era verde-água,oito cilindros, muito robusta,era um trator.Fiquei aqui como administrador dessas destilarias, vi que não tinha jeito como acabar. Na Destilaria de Guararema quem mandou invadir a destilaria foi um padre!

Onde situava-se a Destilaria Gileno De Carli?

Ficava em Santa Terezinha , no atual bairro IAA. Levei para Santa Terezinha: Correios, Caixa Econômica Federal e farmácia. Santa Terezinha era constituida pelo Matadouro, IAA e a pracinha, com algumas casas dos moradores mais antigos. Levei água, o prefeito era Adilson Benedito Maluf. Eu liguei para o General Vargas, disse-lhe: “General, aqui não tem água, ela vem de uns dois quilômetros, eu preciso de tubo para levar para a destilaria”.

Mas como funcionava a destilaria sem água ?

Ela tirava água do rio e tratava, era independente. A questão era levar água para a população de Santa Terezinha. Levamos água para toda Santa Terezinha até a destilaria. Precisávamos de luz, eu só poderia deixar as casas terem luz com autorização da Companhia Paulista de Força e Luz., ela era a dona dos postes. Entrei em contato com o IAA para fazer o uso dos postes. A CPFL autorizou o IAA a utilizar a energia, Antes só tinha luz no IAA e no Frigorífico Angeleli.

O senhor morava lá?

Morava na casa nº 1.

Quanto tempo o senhor permaneceu em Santa Terezinha?

Posso dizer que estou até hoje lá! Tenho filho que mora lá. Levei a água, luz e depois o asfalto para Santa Terezinha. Quando era terra eu mandava passar o trator da Destilaria. Um episódio curioso ocorreu quando trouxemos uns ferros de outra destilaria para cá. Um amigo nosso, um negro de sobrenome Bispo, ao perceber que uma barra de aço de uns 200 quilos ia cair e poderia causar uma tragédia, ele abraçou a barra, sózinho, seu corpo tremia com o peso, até chegarem os companheiros e ajudá-lo. Isso ficou na história. Eu era o administrador quando veio a Planalsucar, Com os laboratórios que analisavam as amostras de açúcar que colhíamos. A Planalsucar saiu, uma parte da área está com o municipio, outra com escolas, há outra parte com a Justiça do Trabalho. Em 1970 abriu o vestibular para a Faculdade de Direito em São Carlos, fiz o vestibular e passei. A Unimep tinha faculdade de Direito, já estava no primeiro ano. Passei a cursar a Faculdade de Direito de São Carlos, ia todas as noites eram 240 quilômetros ida e volta, ia com meu fusquinha. No semestre abriu a segunda turma aqui em Piracicaba, pedi transsferência de lá e me inscrevi aqui na UNIMEP. Sou da segunda turma de Direito da Unimep, me formei em 1974. Abriu concurso para procurador do IAA. Eram sete vagas disponíveis, eu entrei. Fui aprovado em primeiro lugar. Fui nomeado procurador, hoje sou aposentado como Procurador Federal. Em 1992, quando o Collor entrou, ele me nomeou interventor no Rio de Janeiro, para fechar o IAA. Todos os dias em meu gabinete havia uma fila de mulheres que descia a escada, a conversa era muito parecida: “ Seu Ibrahim , não manda a minha filha embora!” Eu explicava: “Minha senhora, a minha missão é essa!”. Nesse interim a minha mãe ficou doente, ela veio a falecer em 1992. Passei um telegrama ao Collor pedindo que me substituisse por questão de saúde, a não adaptação as ordens que ele deu, ele atendeu o meu pedido. Eu ainda estava em Niteroi, ele nomeou outro interventor, que foi uma senhora. Pensei: “-Estou com 40 anos de IAA. O que estou fazendo aqui?”. Passei um telegrama ao Collor, agradecendo e pedindo a aposentadoria. Ele imediamente concedeu. Saiu no Diário Oficial, ai me aposentei, em 1992. Aí vim para Piracicaba , de volta.

Hoje o que o senhor faz?Tem algum hobby?

Eu já estou aposentado! Uso muito o computador, converso, telefono. Me lembro de tudo na minha vida.

Em seu trabalho o senhor pegou muitos voos?

A Ponte Aérea era a minha casa! O Constellation foi uma aeronave comercial famosa  operado pelas extintas Varig e Panair do Brasil. Tinha cabine pressurizada, o que era novidade naquela época e era movido por quatro motores radiais a pistão de 18 cilindros. Tinha dias em eu ia e voltava até o Rio. Demorava 45 a 50 minutos de voo. Saia do aeroporto de Congonhas e descia no Santos Dumont.

O senhor chegou a montar escritório de advocacia em Piracicaba?

Montei, no Edifício Kennedy, na Praça José Bonifácio. Após algum tempo decidi fechar. Já estava aposentado.

O bairro de Santa Terezinha conhece o trabalho do que o senhor fez em benefício da localidade?

Eis a questão! O pessoal que vivenciou cada melhoria feita, quase todos faleceram. Quem vai acreditar que levei água, luz e asfalto, correio, Caixa Econômica Federal para Santa Terezinha? O Adilson Benedito Maluf teve participação com recursos locais, mas tive que usar meus contatos em esferas superiores. Fui muito amigo do Deputado Federal João Hermann  Netto, do Deputado Federal Pacheco Chaves, do Deputado Estadual Francisco Antonio Coelho, o Coelhinho, do José Machado. João Chaddad é muito meu amigo. Em 1982 o Chaddad concorreu ao cargo de prefeito de Piracicaba e eu era o candidatado a vice-prefeito. A política é envolvente. E perigosa. Assim como você faz uma amizade pode despertar uma inimizade. Passei por essa experiência e posso afirmar que não gosto. Ouço todo mundo, tiro as minhas conclusões.

O que o senhor acha de Piracicaba?

Quem conhece Piracicaba de 1969! A primeira vez que vim para cá o Edifício COMURBA tinha caído seis meses antes, estava tudo lá, as lajes dos andares dependuradas na parte do prédio que não caiu, ainda tinha muito entulho. Fiquei apavorado com aquilo. A sorte de muitas pessoas, é que o cinema que existia embaixo, Cine Plaza, iria funcionar à tarde e o prédio desmoronou antes.

O senhor foi colaborador com artigos para algum jornal?

Quando o Jornalista Evaldo Vicente iniciou o seu trabalho com “A |Tribuna Piracicabana”, eu escrevia uma página inteira sobre Santa Terezinha. Lá tudo que acontecia em Santa Terezinha eu noticiava, Meu filho o jornalista, apresentador e produtor de televisão Kal  Mattus era garoto, ele era  o responsável pela distribuição de “A Tribuna Piracicabana” em Santa Terezinha. (Alguns anos passados e sua neta, a jornalista Marina Mattus, filha de Kal Mattus, estreou na última sexta-feira, dia 18 de janeiro, uma página/coluna no jornal “A Tribuna Piracicabana”, com seus textos falando sobre nossa cidade e, principalmente, sobre seus cidadãos!).

Nessa época o senhor foi administrador de Sanmta Terezinha?

Na época tinha um amigo, já falecido, o Brandão, que foi diversas vezes candidato a vereador. Fui administrador de Santa Terezinha.

O senhor nunca pensou em ser vereador?

Só em 1982 fiz essa aventura de sair candidato a vice-prefeito! Paulo Maluf estava no auge estávamos o Chaddad, eu e Paulo Maluf na mesma chapa. Eu telefonava para a casa dele, Dona Sylvia Lutfalla Maluf atendia, eu pedia material de propaganda, a noite, no dia seguinte estava aqui em Piracicaba. O Maluf veio à Piracicaba, fazer um comício onde era o COMURBA, eu estava na casa do Dr. Jairo Ribeiro de Mattos, que era candidato a deputado. Disse ao Jairo: “Jairo, nossos votos estão lá na praça, vamos para lá!”. Fomos, o Maluf veio nos cumprimentar. O cantor em alta na época era Waldick Soriano, com a música “Eu Nao Sou Cachorro Não”. Ele apresentou-se com seu repertório incluindo essa música que fazia muito sucesso. Era uma pessoa carismática.

Temos constantemente notícias sobre o desvio de conduta de alguns políticos. Do alto da sua experiência, qual é a solução para essa situação?

Não têm! O mundo não tem solução! A França é um ícone da perfeição política, eu adoro os franceses, pela arte, filosofia, mas a França está corrompida. A Inglaterra está corrompida. A Alemanha está corrompida. 

O senhor sempre foi muito ativo!

Fui! Eu estava no IAA no Rio, adquiri três Gordinis novos, financiados. Coloquei-os para trabalhar como taxi, em uma semana um foi roubado, outro pegou fogo e o terceiro eu devolvi. Quando cheguei aqui em Piracicaba em 1969, estava ainda pagando carnê referente aos carros!

Ir morar no Rio de Janeiro era o sonho de muitos brasileiros?

Era onde tudo acontecia! Tinha tipos característicos como toda cidade têm. Um deles era o Poeta Gentileza. Eu estava em casa dormindo.  Minha esposa disse-me “Levante que o circo pegou fogo vai que estão lá assistindo ao espetáculo sua mãe, sua irmã e sua sobrinha!”, Era o Gran Circo Norte-Americano. Peguei o carro, nessa época eu trabalhava no IAA durante o dia e trabalhava como taxista com um Chevrolet 1938, até umas dez ou onze horas da noite. Fui até onde estava o circo, quando cheguei vi uma cena dantesca, muitas pessoas mortas, desfiguradas. Encontrei minha mãe, minha irmã e a minha sobrinha. Elas me contaram que durante o fogo se abraçaram e colocaram a minha sobrinha no meio. Hoje minha irmã e minha sobrinha moram nos Estados Unidos. A Olga, minha sobrinha, ficou com cicatrizes das queimaduras nas costas. Não sei se ela fez depois alguma cirurgia plástica. Minha irmã Nabile também ficou com marcas das queimaduras. Levei-as ao hospital, e voltei, com o meu carro passei a levar os feridos ao Hospital D. Pedro I, em Niterói. Ficamos a noite toda prestando socorro. José Datrino, o Poeta Gentileza falecido em 1996, perdeu a família toda. José acordou alegando ter ouvido "vozes astrais", segundo suas próprias palavras, que o mandavam abandonar o mundo material e se dedicar apenas ao mundo espiritual. Datrino possuía uma empresa de transporte de cargas e residia, com sua família, no bairro de Guadalupe pegou um de seus caminhões e foi para o local do incêndio onde hoje encontra-se a Policlínica Militar de Niterói. Plantou jardim e horta sobre as cinzas do circo em Niterói, local que um dia foi palco de tantas alegrias, mas também de muita tristeza. Aquela foi sua morada por quatro anos. Lá, José Datrino incutiu nas pessoas o sentido das palavras Agradecido e Gentileza. Foi um consolador voluntário, que confortou os familiares das vítimas da tragédia com suas palavras de bondade. Daquele dia em diante, passou a se chamar "José Agradecido", "Profeta Gentileza" ou “Poeta Gentileza”

 Percorreu toda a cidade. Era visto em ruas, praças, nas barcas da travessia entre as cidades do Rio de Janeiro e Niterói, em trens e ônibus, fazendo sua pregação e levando palavras de amor, bondade e respeito pelo próximo e pela natureza a todos que cruzassem seu caminho. Aos que o chamavam de louco, ele respondia: - "Sou maluco para te amar e louco para te salvar". O Profeta Gentileza, também oferecia, em gesto de gentileza, flores e rosas para as pessoas que cruzavam seu caminho nas ruas do Rio de Janeiro.

(“Fogo!”, gritou a trapezista Nena. Antonietta Stevanovich  foi a primeira a dar o alerta dentro do circo. Junto com os colegas Vicente Sanches e Santiago Grotto, ela apresentava o quadro final de acrobacia, clímax do espetáculo da tarde quente de domingo em Niterói. Foi quando um clarão pode ser notado na parte inferior da lona, à esquerda da entrada. O fogo se alastrou rapidamente e, nos 10 minutos seguintes, as 3 mil pessoas que lotavam o Gran Circo Norte-Americano viveram um inferno. Foi o maior incêndio da História do Brasil. Montado num grande terreno na avenida Feliciano Sodré, no centro da cidade, o circo, de propriedade do empresário Danilo Stevanovich, era um dos maiores da América Latina. Contava com 60 artistas, das mais diversas nacionalidades, A lona verde e laranja, pesava 6 toneladas. Resultou em 503 mortos e 300 feridos foi uma das maiores tragédias do Brasil, ocorreu na tarde de 17 de dezembro de 1961. Foi um incêndio provocado por Adílson Marcelino Alves, o “Dequinha”, que tinha antecedentes por furto e apresentava problemas mentais, motivado por vingança contra o dono do circo que o dispensou. O Gran Circo Norte-Americano comportava tantas pessoas quanto o Cirque du Soleil hoje em dia. O incêndio que o destruiu deu um impulso à cirurgia plástica no país).

O cansaço e o sono do senhor o salvou?

Nós íamos todos ao circo, só que almocei, deitei, adormeci. Com isso meus filhos permaneceram em casa. Minha esposa foi me chamar para levar as crianças ao circo, foi quando veio a notícia pelo rádio, de que o circo estava em chamas. O “Poeta Gentileza”, andava pela Avenida Amaral Peixoto, onde no número 55 minha sobrinha que é médica do Exército tem consultório. Ele usava terno, lembra a figura do artista falecido Pedro de Lara.

Ainda no IAA, em Piracicaba, trabalhava uma personalidade: José Carlos Brasil.

Ele era funcionário do IAA, e projetava filmes para a população. A princípio era projetado a céu  aberto, depois ele passou a passar no galpão do IAA. Naquela época, eu trouxe um costume do Rio, o IAA dava brinquedos através de uma associação que nós tínhamos. Antes tínhamos uma missa e nós chamávamos o Padre Otto Dana para celebrar essa missa. Todo Natal era assim. Na época o Padre Otto estava como pároco em Santa Terezinha.

Às margens da Rodovia Piracicaba-Limeira, em terras da ESALQ, há uma estrutura enorme de uma usina de açúcar, qual é a origem dela?

Aquilo foi doado pelo Instituto do Açúcar e do Álcool, foi iniciada a construção, quando chegou a Revolução de 1964. Parou tudo. Aquilo era para ser um protótipo de usina para formar os engenheiros agrônomos ligados a cultura da cana-de-açúcar, canavieiros, teriam uma usina como laboratório.

Qual é um dos seus sonhos que gostaria de realizar?

Gostaria muito de ir ao Líbano e ao Egito! Conhecer o Vale dos Reis, no Egito, onde dezenas de antigos faraós foram sepultados. Onde foi descoberta a famosíssima tumba de Tutankhamon (1341 a.C. – 1323 a.C.), abriga o túmulo dos filhos de Ramsés II (a.C. 1290 a 1224 a.C.). Neste último foram achados 130 corredores e câmaras, o que o torna o maior do local e um dos maiores do mundo. Com o avançar das pesquisas, aquele número pode, talvez, chegar a 200. Em 1922 foram realizadas grandes descobertas no Vale dos Reis.

 

ESTHER MARIA ZEN BRASIL


PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 05 de janeiro de 2019.

Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://blognassif.blogspot.com/


http://www.teleresponde.com.br/
ENTREVISTADOS: ESTHER MARIA ZEN BRASIL
                   E CARLOS ALEXANDRE BRASIL


                               

A variedade e a qualidade cultural existente em Piracicaba é riquíssima. São tantos talentos, diversificados, que torna-se difícil até mesmo conhecer a todos. Temos vagas impressões desse inumerável conjunto. José Carlos de Godoy Brasil, o “Zé Carlos” ou “Bedas” como era popularmente conhecido tornou a cidade de Piracicaba mais alegre, com inúmeras apresentações musicais que realizou, inclusive nas cidades da região. Este mês de dezembro de 2018 José Carlos silenciou seus instrumentos. Sua presença marcante deixou um vácuo que só o tempo pode superar. Sua esposa Dona Esther Maria Zen Brasil, amparada por um de seus filhos, Carlos Alexandre Brasil, revelou um pouco da história de lutas e conquistas que viveram juntos. Entre muitas glórias, a grande lição é a força do poder do amor. Zé Carlos embora não aparentasse, sofria de uma doença crônica e incurável, o alcoolismo. Só a fé e o amor de Dona Esther, que movimentou todas as barreiras, fez com que Zé Carlos, ao ser pai do primeiro filho, Carlos Magno, deixasse de sequer experimentar uma bebida e continuasse a fazer o que gostava: exercer a música, animar inúmeros bailes, ingerindo apenas água. O amor substituiu a doença do alcoolismo.  Uma verdadeira lição de vida. José Carlos de Godoy Brasil teve um atuação marcante na cidade de Piracicaba. Seu pedido antes de falecer foi de ser cremado e ter suas cinzas dispersas no Rio Piracicaba. Na semana passada a família cumpriu sua última vontade. Reunida, com todo o respeito, entregaram às águas do Rio Piracicaba a última lembrança do ente querido. A cremação é um dos processos mais antigos praticados pelo homem. Em algumas sociedades este costume fazia parte do cotidiano da população os gregos, por exemplo, cremavam seus cadáveres por volta de 1.000 A.C. No Japão, a cremação foi adotada com o budismo, em 552 d.C, Há religiões que não recomendam a cremação. Os cemitérios, que à primeira vista não oferecem riscos, também podem causar danos à natureza e à saúde da população. Foi o que demonstrou um estudo sobre contaminação de águas subterrâneas por necrópoles realizado pelo engenheiro civil e doutor em Hidrogeologia, Bolivar Matos, A possibilidade de contaminação se relaciona, além das chuvas, ao tipo de solo no qual está o cemitério. Terrenos arenosos, que são porosos, facilitam a passagem da água, fazendo que com o necro-chorume chegue mais facilmente ao lençol freático.


Dona Esther, a senhora nasceu em que cidade?

Nasci a 3 de maio de 1942, aqui em Santa Terezinha, Piracicaba. Na época Santa Terezinha era uma vilinha, papai tinha sítio em Santa Terezinha. Havia muitos sítios em Santa Terezinha. Como só tinha filhas, não tinha como tocar a lavoura, ele foi obrigado a vender o sítio. Ele comprou uma casa no centro de Santa Terezinha, essa casa ainda existe, fica na Rua Virgílio da Silva Fagundes, conheci o Zé Carlos lá, e nos casamos. Meu pai chamava-se João Zen e a minha mãe Joana Helena Larroca Zen, tiveram oito filhos: Ermelinda, Ercília, Elvira, Esther, Helenice e Sueli sendo que faleceram muito novos: Alécio e Hélide. Na época os recursos médicos eram com mais limites. Em Santa Terezinha tem uma rua com o nome do meu pai: Rua João Zen.

Nesse sítio em Santa Terezinha o que era cultivado?

Papai plantava de tudo: cana-de-açúcar, café, milho, arroz, mandioca, frutas. O sítio ficava no bairro Boa Esperança, um pouco acima do ribeirão existente lá, onde existe uma vala abaixo do Atacadão era um ribeirão, o sítio do papai ficava nesse ribeirão e ia até lá em cima, no Boa Esperança, pegava toda aquela região da hoje Vila Sônia, onde está o terminal de ônibus urbano. Vizinhos tinha o sítio do Zanin, do Paulo Grandis. A casa do papai era uma casa grande, foi demolida para passar a avenida. Todos nós irmãos ficamos indignados por terem derrubado a casa! Era uma casa muito bonita, com varanda, escadaria. Papai que construiu. O meu avô paterno é Nicola Zen, tem uma rua em sua homenagem em Santa Terezinha. Sua esposa era Elvira Zen. Meu avô veio da Itália com 12 anos, no Fanfulla um navio a vapor italiano que fez o transporte de imigrantes italianos entre a Itália e o Brasil diversas vezes.(No primeiro quarto do século XX foi afundado por um U-Boot alemão.)

O avô da senhora veio sozinho da Itália?

Ele veio com a família toda. Inclusive ele teve irmãos que nasceram no Brasil.

Em que ano o pai da senhora se desfez do sítio?

Foi em 1958. A agricultura sempre foi complicada. Hoje a agricultura é explorada em alta escala por grandes empresas. O pequeno agricultor tem muitas dificuldades para sobreviver.

Nessa época a senhora trabalhava?

Trabalhava na roça mesmo! Saia da escola e ia trabalhar, estudava na Escola Municipal Prof. João Batista Nogueira, que na época situava-se em outro local físico, passava o trenzinho da Companhia Sorocabana de Estradas de Ferro, passava em Santa Terezinha, as crianças do sítio da Santa Lídia, Artêmis, vinham de trenzinho que parava em frente a escola. Enquanto não chegava o trem não entravamos na sala de aula. Minha primeira professora foi Dona Terezinha da Cunha, depois tive aulas com Dona Oscarlina, Dona Gertrudes Barbosa Moretti, tem uma rua no bairro Algodoal com o nome dela, no quarto ano tive aulas com Olga Benatti, ela lecionava Canto Orfeônico para nós, era regente do coro da Catedral.

A senhora ia como para a escola?

Ia a pé, com sol, chuva, não perdia aula. No período em que estudei, quando chegava em casa tinha os deveres, arrumar a casa, a cozinha. Tinha que deixar tudo em ordem. Minhas irmãs mais velhas já cozinhavam, eu não. Minha irmã mais velha aprendeu a costurar, ainda quando era novinha, com 13 anos ela costurava calça, camisa para todo pessoal. Minha mãe comprava peças de algodão cru, na Casas Pernambucanas, Casa Moniz, Casa Dom Bosco. Quando recebia dinheiro da usina papai falava: “-Isto aqui é para as despesas!”. Comprava vestidos para as festas, calçados, tinha que durar até o ano seguinte.

Pelo fato de comprar uma peça de tecido, a estampa era a mesma para todos?

Ficava todo mundo igual! Era comum na época. Não tínhamos rádio, éramos doidas para ter um rádio. Era um sonho ter um rádio para ouvir Tonico e Tinoco, aquela tarde sertaneja, Nelson Gonçalves, ouvir as novelas da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, Paulo Gracindo (pai) era um galã. Lembro-me que dizíamos: “Papai, não vai dar para comprar rádio?”. Ele respondia: “-Se Deus ajudar, aquela rocinha de feijão vamos usar para comprar o rádio!”. Veio a seca, nada de rádio! Muito tempo depois compramos o rádio, como não havia energia elétrica era ligado a uma bateria de carro. As vezes acabava a carga no meio da novela. Uma vez acabou a carga, estávamos sozinhas minha irmã e eu. Dissemos: “Vamos no Alcides Motta, lá em Santa Terezinha, buscar um acumulador?”. Engatamos o burro no carrinho e fomos buscar, depois o meu pai ficou sabendo, deu a maior bronca.  Era um rádio muito bonito, colocamos em um lugar de destaque na sala. Era moderno para a época, uma madeira amarela, passávamos óleo de peroba para ficar brilhando. Tinha duas hastes de madeira nas extremidades do telhado, um fio de metal esticado e outro descendo até a entrada da antena do rádio. Quando víamos uma casa com antena dizíamos: “Lá tem rádio!”. Era sinal de status. Nós éramos os únicos que tínhamos rádio nas imediações. Domingo a vizinhança ia lá em casa para ouvir cururu: Pedro Chiquito, Nhô Serra, Parafuso. Foi uma época em que a amizade era mais forte. Quando um vizinho abatia um porco, um boi, era repartido graciosamente entre todos. Fazíamos linguiça em casa, descascava alho, colocava a pimenta do reino.

Deixava dependurada?


Ficava dependurada, mas não em cima do fogão de lenha, senão ela ficava defumada. Ficava na dispensa. Tinha as peças de toucinho dependuradas, Não se comia essa linguiça mole que se compra em supermercado! Ela tinha que ficar seca, era quase um salame, ficava muito gostosa. Comia crua, colocava no meio do pão.

Naquela época as mulheres geralmente davam a luz na própria casa?

Havia muita solidariedade. A parteira muito competente era a Angelina Chiodi, ela trabalhava na Santa Casa de Misericórdia de Piracicaba e morava em Santa Terezinha, tinha uma farmacinha que atendia a população. Quem tinha dor de garganta, uma febrezinha, ia lá. Ela era a parteira de todas as mulheres do bairro, na hora do parto se ouvia: “Chama Dona Angelina! Chama Dona Angelina!”.

Não havia pré-natal, nenhum desses procedimentos que existem hoje?

Que pré-natal? O pré-natal da mulherada era no cafezal! Eu mesma, ainda mocinha, colhia algodão, café. Isso fiz até 16 anos, quando papai vendeu o sítio, era o Sítio Bela Vista. Tínhamos um cavalo, marronzinho, manso, o “Gaúcho”. Nós vínhamos para a cidade com um carrinho de roda de madeira e aro de ferro, puxado pelo “Gaúcho”. Vinha a família toda, eram colocadas umas cadeirinhas para as meninas menores, outra ia no meio, uma no colo da mamãe, uma dependurada em cada lado e passeávamos.

A senhora era mocinha, naquele tempo tinha bailes em Santa Terezinha?

Tinha! Faziam casamentos com bailes, tinha festas na Igreja de Santa Terezinha, a antiga que está sendo restaurada, vínhamos nas festas. As famílias frequentavam. Havia um respeito muito grande, tinha os amigos, os primos, íamos ao baile, as onze horas tínhamos que estar em casa. E nada de namorar!

A senhora participava das atividades paroquiais?

Todos os dias as seis horas da tarde eu tocava o sino da igreja! Subia na torre e puxava a corda. Eu pegava a chave na casa da senhora que tomava conta da igreja e ia cumprir a minha tarefa. Eu seguia o horário pelo relógio da minha casa. Naquela época relógio de pulso era característica de pessoa rica. Os moços que ganhavam um relógio de presente da namorada era notícia. Um acontecimento.

Como a senhora conheceu o seu futuro marido?

É uma história muito bonita. Embora tenha algumas coisas de triste também. Havia restrições familiares com relação ao nosso casamento. Não era uma relação com aprovação familiar. Casamos e tivemos quatro filhos, nenhum deles ingere bebida alcoólica e nem faz uso de tabaco. Nem os meus filhos viram o pai ingerir álcool. O Zé Carlos era músico, quando o conheci era alcoólatra. A beleza dessa história está na superação do vício. Outro fator é que mesmo alterado era incapaz de provocar uma briga, ter ações violentas, ele tornava-se em uma pessoa mais alegre, extrovertida. Eu trabalhava como telefonista em Santa Terezinha, era funcionária de Prefeitura Municipal de Piracicaba.

Como a senhora iniciou esse tipo de trabalho?

Foi instalada a estação de PBX em Santa Terezinha, abrangia toda aquela região, até hoje lembro-me de todos os números de telefones de sítios, fazendas, fábricas. Lembro-me que 301 era do Hermínio Grisotto, era o subprefeito de lá. 302 era do Chiodi, 303 era do armazém do Mardegan. Para pedir a ligação mexia-se uma manivela e pedia para a telefonista fazer a ligação para o número desejado. Havia uma central com plugue das linhas operada pela telefonista.

Em que local ficava o PBX?

O PBX foi instalado na sala da casa do meu pai. Eu trabalhava em casa! Eu trabalhava até as 14 horas, depois era outra minha irmã que ficava.

De madrugada tinha ligações?

Tinha! E muitas! Geralmente era por motivo de doença, chamar a ambulância, algum bêbado que estava caído em algum lugar.

Tinha trote?

Não tinha. Havia sim dificuldades de expressão quando a pessoa pedia a ligação, algumas vezes tinha que descobrir o que a pessoa queria, como uma pessoa, cuja esposa estava no hospital e essa pessoa pediu: “Por favor! Ligue na maternidade dos homens!”. Fatos dessa natureza, a falha de expressão, era comum. Era um pessoal muito simples que protagonizavam essas situações.

Telefonista era uma profissão importante, respeitada pela população?

Era uma profissão muito respeitada. O nosso atendimento tinha que ser imediato, as vezes estávamos atendendo a uma pessoa, quem tinha que receber o recado não tinha telefone, íamos anotando, enquanto isso outro usuário chamando para completar a ligação. Se demorássemos um pouquinho muitas vezes a pessoa que queria a ligação ficava impaciente.

Uma ligação para fora de Piracicaba como funcionava?

Era o interurbano. Muitas vezes uma ligação para São Paulo demorava mais do que o tempo de ir e voltar de carro, trem. Era comum o interessado marcar a hora para completar a ligação, por exemplo. A pessoa pedia a ligação as 10 hora da manhã e marcávamos a ligação para São Paulo as 15 horas. Para a pessoa não ficar esperando esse tempo todo. Eu ainda passava para a central em Piracicaba, a Companhia Piracicaba de Telecomunicações CIPATEL, o gerente era o Professor Olenio Veiga, grande violinista. Trabalhei como telefonista por três anos, me casei, depois voltei a trabalhar e aposentei-me em 1979.Sempre no PBX. Papai vendeu a casa, nós todos casamos, a casa era grande, ele construiu uma casa menor. O Centro Telefônico mudou-se para uma residência onde era a Guarda Municipal. Depois chegou o telefone automático. Após o PBX sair de casa, eu trabalhava das seis horas da manhã até o meio-dia, minha irmã trabalhava do meio dia até as seis horas da tarde e a minha sobrinha trabalhava das seis horas da tarde até as onze horas da noite. As onze hora da noite o guarda assumia o trabalho. Santa Terezinha era muito diferente, logo na entrada, saindo da pista, passava pela propriedade de Antonio Dias de Souza, a Rua Nossa Senhora do Carmo é em homenagem à sua esposa Dona Carminha, a sua filha Maria do Carmo estudou comigo. O sobrado que existia ali, era histórico, demoliram para fazer banheiro! Onde esse povo está com a cabeça? Onde hoje é a Belgo-Mineira, era só eucalipto, tinha uma estradinha que passava no meio, íamos de carrinho com tração animal até a Fazenda Santa Rosa onde morava uma tia da mamãe, lá de cima papai e nós olhávamos para trás, ele dizia: “Lá é a Casa da Baronesa”. Ficava na região da Nova Piracicaba.

Quantas linhas de telefone havia em Santa Terezinha?

Havia duas linhas para atender a 30 telefones. Se tivessem duas pessoas conversando ao telefone, as outras 28 tinham que esperar! Tinha um relê, quando acabava de falar o relê caía, as vezes dava problema, não caía. Quem estivesse operando o PBX entrava na linha e dizia “Alô, alô!”. As vezes o usuário dizia: “Estou falando ainda!”. No Museu Prudente de Moraes tem um PBX que era de Saltinho. Ártemis também tinha PBX.

As telefonistas se conheciam entre si?

Sim, nos conhecíamos! Fiz muitas amizades, conheci muitas pessoas, pela voz já identificava a pessoa.

A senhora disse que conhecer o seu marido José Carlos de Godoy Brasil foi um acontecimento?

José Carlos de Godoy Brasil nasceu em 01/031937, em Campina Grande, Paraíba, filho caçula de Cornélio Wanderley e Luzinete de Godoy Brasil, que tiveram cinco filhos, sendo que dois faleceram ainda novos. Seu pai, Cornélio era comerciante de algodão e em dezembro de 1937, o armazém da sua empresa “Cornélio Brasil &Cia” sofreu um incêndio acidental de grandes proporções.  Cornélio faleceu em fevereiro de 1938, com apenas 30 anos, vítima de tuberculose. José Carlos aos 11 meses ficou órfão de pai. Sua mãe, viúva, juntamente com os filhos foi para Recife, Pernambuco. Aos 14 anos ele ingressou no Instituto do Açúcar e do Álcool, o IAA, na Delegacia do Recife. Quando ele

completou os 17 anos a Delegacia do IAA em São Paulo estava necessitando de funcionários, ele se inscreveu para vir para São Paulo. Como era menor de idade a mãe veio junto. Permaneceram por oito anos em São Paulo, morando na Rua das Palmeiras. De lá ele foi para Ribeirão Preto, onde permaneceu por dois anos. No final de 1962 ele veio aqui para a Destilaria Gileno De Carli, no hoje conhecido como Bairro IAA.  Ele morava a duas casas da casa da residência da minha irmã, o meu cunhado também era do IAA. Minha irmã chegava em casa e dizia; “Esther, está morando um casal, um rapaz e mãe dele, é um moço muito educado, toca um violão que é uma beleza, ele canta, é muito brincalhão”. Pensei: “quero conhecer essa pessoa”. Um sábado teve um casamento em Santa Terezinha, de uma amiga nossa, Ele chamava-se Benedito Lourenço, um negro muito respeitado no bairro. Naquela época quando tinha um casamento todo mundo ia. Eu estava trabalhando como telefonista, bateram na porta. Abri, um moço muito cavalheiro disse-me: “Senhorita, por favor, preciso fazer uma ligação para a minha mãe na Destilaria, vai ter um baile aqui hoje, vou ao baile e quero avisar que vou chegar tarde.”

Eu perguntei-lhe: “Você é o Carlinhos?” Ele afirmou que era e perguntou-me quem eu era; Respondi-lhe que era irmã da Elvira. Ele era muito formal, respondeu: “Ah, a senhora Dona Elvira! Eu vou ao baile, tive até que emprestar um paletó e uma gravata”. Naquele tempo não se admitia o acesso a bailes, cinemas, sem paletó e gravata. Ele perguntou-me se eu ia ao baile. Disse-lhe que iria. Sua afirmação foi: “-Eu vou dançar com você!”. Fui ao baile, ele veio tirar-me para dançar. Minha mãe já sabia da fama dele, o seu vício pelo álcool, ela olhava com olhar estalado! A nossa família toda estava em um salãozão. Ficava na Travessa Luiz Franchi, 55 Santa Terezinha. Hoje nesse salão é a Academia de Ginástica do Ernesto Randolfo Bernardino. Dançamos, depois de terminado o baile ele me acompanhou até o portão de casa. Ele disse-me: “Amanhã venho buscar você para irmos à matinê!” Disse-lhe: “Nem venha!” Ele disse que estaria no dia seguinte a uma hora da tarde para me buscar. No dia seguinte me arrumei e fomos ao cinema, no Cine Polyteama. Viemos com ônibus que vinha de São Pedro e tinha um ponto em Santa Terezinha. O ônibus passava às 13:20, a sessão começava as 14:00 horas. Descia no Largo São Benedito. O ônibus fazia uma parada no Largo e depois ia para a Paulista para pegar os passageiros que vinham de trem até Piracicaba. Estava próximo do carnaval, ele disse que não iria estar em Piracicaba, ele tinha uns amigos de seresta em Pirassununga: o Nelson, o Roberto Batistella.  Eram amigos desde quando moraram em São Paulo. Após o carnaval, uma sexta-feira à tarde, eu estava fazendo faxina em casa, batem na porta. Atendi. Era ele! Passamos a ter uma relação de Romeu e Julieta, minha família era contra o nosso namoro. A mãe dele sabia que a minha família não queria, ela também não queria. Encontrávamos às escondidas. Pensávamos que só nós sabíamos. Mas quando eu chegava em casa Santa Terezinha inteira sabia que tínhamos nos visto. Foi um período muito sofrido. A contragosto o meu pai aceitou o nosso namoro, ficamos noivos, por algum motivo terminamos. Teve um baile na Fazenda Dona Lavínia, Seu Hermes era o administrador, pai da Cida Abe, eu era amiga das meninas: da Edna, Elza. Meu pai sabia que eu tinha terminado o namoro, deixou-me ir. O Zé Carlos também foi ao baile. Minha irmã não podia nem vê-lo. O Zé Carlos e eu ficamos conversando, minha irmã viu. De lá ela telefonou para o meu pai, dizendo que eu tinha voltado a namorar com o Zé Carlos. E aí para chegar em casa? Eu disse a ele, vamos embora a pé? A fazenda é em frente a Usina Costa Pinto, viemos andando pela estrada, estava uma noite de lua cheia, quando chegamos na estrada de Charqueada passou um colega nosso de caminhonete, ele também estava no baile, nos deu carona. Nos deixou na Destilaria, na casa da minha sogra. Ela e ele me levaram até a minha casa. Quando me aproximei de casa estava tudo iluminado. Era umas três horas e meia da manhã. Até o meu avô estava acordado! Foi aquela confusão! Nem deixei o Zé Carlos e a mãe entrarem em casa. Me deitei na cama, o meu pai falando muito, disse: “-Amanhã quero esse rapaz aqui, vou falar com ele!”. Não tinha acontecido nada demais, viemos de um baile a pé.  Eu tinha que levantar para trabalhar no PBX, as seis horas da manhã. Conforme meu pai desejava, liguei para o Zé Carlos, meu pai queria falar com ele. Ele veio, meu pai foi direto ao assunto: “Amanhã vocês vão casar!”. Eu pensei: “Ô coisa boa!”. Só que eu não tinha nem enxoval pronto ainda, não tinha vestido de noiva, não tinha nada. Sei que diversas pessoas, amigas, da família, prontificaram-se a fazer cada um alguma coisa. Eu tinha uma amiga, Deise, que emprestou-me seu vestido de noiva, ficou impecável. Outra tinha a grinalda. No domingo a tarde fui atrás das minhas amigas, do meu padrinho de batismo, Na segunda feira cedo fomos ao cartório de registro civil situado na Avenida Rui Barbosa. Os papeis ficariam prontos as quatro e meia da tarde. Fui até uma loja, comprei um corte de tecido, fui até a minha irmã Ermelinda e disse-lhe: “Quero esse vestido desta forma, para casar hoje à tarde no civil!”. Ela fez o vestido para mim. No dia. Casamos. Fomos até a Igreja da Vila, combinamos com o Padre Jorge para casarmos no sábado. Eu o conheci em fevereiro, em agosto nos casamos. Dia 19 de agosto de 1963 casamos no civil, no dia 24 de agosto na Igreja Matriz antiga da Vila Rezende, quem celebrou o nosso casamento foi o Padre Jorge. Eu era Filha de Maria em Santa Terezinha.


Quantos anos vocês permaneceram casados?

Ficamos 56 anos casados. Sem uma briga, nunca dormimos brigados. Dessa união nasceram quatro filhos: Carlos Magno, ele tem uma franquia de escola de arte, seu talento deve ter origem na atividade do Zé Carlos, que gostava de desenhar. Tinha a mão habilidosa para a arte, nos anos 60 fazia “bicos” como desenhista publicitário em Santa Terezinha. Pintava e ilustrava estabelecimentos comerciais. Lá ficou conhecido como “Bedas” (pronuncia-se “bédas”). Nos anos 70, a manutenção de instrumentos eletrônicos era onerosa, Zé Carlos decidiu estudar eletrônica sozinho tornando-se o mais requisitado técnico de manutenção de órgãos eletrônicos nos anos 70/80. Ele aceitou o desafio de transistorizar completamente um órgão a válvulas. Isto é converter para transistores todo o circuito com válvulas, o que exigiu que fizesse todo o projeto eletrônico e ele mesmo o executasse. Foram dias e noites debruçados nos livros de eletrônica estudando as possibilidades, desenhando o circuito e executando o projeto. Ficou espetacular. Outra proeza foi projetar e montar o seu próprio órgão eletrônico, que usou entre 1979 e 1983.

Ele fazia órgãos com pedaleiras. Ele gostava muito de cinema, tinha seu projetor de filmes, alugava os filmes e passava em Ártemis, Saltinho, no Engenho Central. Isso antes de tornar-se músico profissional.

Quando a senhora o conheceu tocava algum instrumento?

Eu estava estudando órgão. Parei. Eu renunciei a tudo, por paixão. Meu objetivo era que ele deixasse de ingerir bebida alcoólica. Eu pensava em ter filhos. Abri mão de tudo, por um período me afastei um pouco da minha família, Depois voltamos, papai o elogiava, meu pai teve um problema de saúde, o Zé Carlos foi quem tomou todas as providências para que ele fosse tratado com recursos médicos. Um dia, após algum tempo, ele disse: “Zé Carlos, você foi quem eu mais critiquei e no entanto foi quem mais me ajudou”.

José Carlos e Esther tiveram quatro filhos: Carlos Magno, Alex, Liliane e Carlos Alexandre. Carlos Alexandre Brasil, físico, professor de física na Universidade Tecnológica do Paraná é um dos filhos do casal.  O gosto pela arte foi herdado por Carlos Magno que estudou desenho artístico, Alex Ricardo é funcionário público federal, formado pela USP de São Paulo, em história com especialização em arquivologia. Apaixonado por cinema. Responsável pelo Cinepiano, onde filmes mudos são projetados com trilha sonora ao vivo e as improvisações de um pianista, como era feito nos primórdios do cinema. Liliane Magda estudou teclado em Tatuí. É professora de música. Carlos Alexandre afirma: “Somos todos o nosso pai, que sozinho, fazia o que todos juntos fazemos!”.

Carlos Alexandre onde foi a sua formação acadêmica?

Estudei na USP em São Carlos, onde fiz graduação e doutorado, passei três anos na Unicamp fazendo pós-doutorado, voltei para a USP onde fiz o segundo pós-doutorado, quando prestei o concurso e passei nesse cargo que ocupo hoje em Cornélio Procópio, na Faculdade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR.

Carlos Alexandre. qual era a relação do Zé Carlos com o Cobrinha?

O meu pai, Zé Carlos, as vezes estava tocando, o Cobrinha estava na festa, eles acabavam tocando juntos. Zé Carlos lançou vários talentos como tecladista, como o Tadeu da Academia Styllus de Música, o Hermes Petrini. Nos anos 50 quando ele ainda morava em São Paulo, viajava frequentemente até Pirassununga para fazer serenatas com um grupo de amigos. No final dos anos 60 tocou violão acompanhado pelo seu grande amigo Antonio Carlos Coimbra na harpa, no restaurante Sobrado em Águas de São Pedro. Amava bossa-nova e gabava-se de ter sido um dos primeiros a trazer para Piracicaba a “batida”, as dissonâncias e a voz mansa do novo ritmo criado por João Gilberto. Apresentava-se com sua banda New Soul nos carnavais de diversas cidades da região. Foi animador de auditório no então Clube de Campo de Santa Terezinha, (Localizado onde hoje situa-se o Atacadão) com shows de calouros e outras atrações.  Na metade da década de 70 iniciou os estudos de órgão eletrônico na Yamaha, em São Paulo, instrumento que faria dele presença constante no cenário musical de Piracicaba, São Pedro, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná. Em Águas de São Pedro inaugurou o Hotel São João e tornou-se músico contratado do hotel, tocando em almoços e jantares ao longo dos anos 70. Após o término do contrato foi contratado Pelo Grande Hotel-Escola SENAC de Águas de São Pedro de 1979 a 1981. Nos anos 80, acompanhando a tendência fez a transição para o “teclado eletrônico”. Sozinho, com esse instrumento, animou casamentos, bodas, formaturas, aniversários, recepções solenes. Animou sozinho carnavais nos clubes Coronel Barbosa e Cristóvão Colombo, além de fazer a decoração do espaço!  Compôs marchinhas de carnavais para esses clubes, na época em que Heitor Montenegro era o presidente do Clube Coronel Barbosa. Em Águas de São Pedro, apresentava-se sozinho como atração no restaurante Roda d`Água, nos hotéis Avenida e Jerubiassaba. Foi o musico oficial da Força Aérea em Pirassununga e na Base Aérea Santa Cruz, no Rio de Janeiro, atuando nos eventos promovidos pela Aeronáutica, inclusive nas visitas dos Presidentes da República, ministros de Estado, apresentações da Esquadrilha da Fumaça. Tornou-se presença constante no Egidio`s Buffet em Sorocaba, Marinho em Marília, Lona Branca em Ribeirão Preto e Panela Preta em Pirassununga. Nas festas do Chope em Votorantim. Lembro-me do meu pai enchendo o carro com pesados amplificadores, caixas de som, órgãos/teclados partindo para alguma cidade apenas com um mapa. Ele tocou ao lado de músicos consagrados como Araquém Peixoto (Tromponista, irmão de Cauby Peixoto), abriu shows com Dick Farney e Pedrinho Mattar. Em reconhecimento ao seu trabalho em 1992 recebeu o diploma de consagração pública, em primeiro lugar como “Show Man – Tecladista” por estar enaltecendo a arte e a cultura brasileira. Em 8 de dezembro de 2017 recebeu um diploma de consagração da Ordem dos Músicos do Brasil. Através do seu canal do You Tube recebia curtições de várias partes do planeta, com seu repertório baseado em Bossa Nova, Julio Iglesias e Frank Sinatra.

Dona Esther, ele compôs alguma música para a senhora?

Não, mas cantava muito “Dio, come ti amo”! Ele fazia serenatas para mim quando eu era solteira. Meu pai gostava de jogar boche, e naquele tempo havia um bar, enquanto meu pai estava jogando ele estava no bar tocando violão. Meu pai chegou em casa e disse: “E não é que o “estrupício” toca bem!”. Era uma época de muito romantismo. Meu marido tocava o repertório de Júlio Iglesias, Nelson Gonçalves, Altemar Dutra.




O José Carlos executou músicas para Armando Dedini?

Tocou em muitas festas do Armando Dedini, do Dr. Dovilio Ometto, realizadas na propriedade deles no bairro Água Seca. Quem gostava da sua música é Nelson Torres. O Mário Terra tinha uma coluna no jornal e sempre noticiava suas apresentações musicais. Ele tocou muito na boate Zum-Zum. Ele tinha uma grande amizade com João Chaddad, que ia em casa com a Dona Esther. O Zé Carlos e o João ficavam cantando as músicas executadas no teclado. Os dois fizeram gravações. Ele ultimamente cantava muito a música de


Nelson Gonçalves “Quando Eu me Chamar Saudade”. Ele fazia muitas festas em Votorantin para o Dr. Antonio Ermírio de Moraes.


A senhora ia também?


Eu acompanhava ele! Não deixavam ele parar de tocar, tocava seis horas sem repetir, sozinho, no teclado. Não bebia nada, só água! Ele dizia que eu o havia salvado. Conheci o presidente do IAA Dr. José Maria Nogueira, pai do Ronnie Von (Ronaldo Nogueira). Acredito que ele veio para Piracicaba na inauguração do Hospital dos Fornecedores de Cana, ele e o meu marido almoçaram no Restaurante Mirante. Meufilho Carlos Magno foi convidado para dar uma entrevista no programa “Todo Seu” do Ronnie Von, isso foi no ano passado. Fomos eu e meu marido juntos com o meu filho. Quando o Zé Carlos fazia programa de calouros em Santa Terezinha eu também cantava, meus ídolos eram Francisco Carlos, Elvis Presley, Paul Anka, Nat King Cole, Frank Sinatra, Neil Sedaka, Miguel Aceves Mejia, Altemar Dutra, Nelson Gonçalves, Trio Cristal, Trio Los Panchos. Lembro-me do Clube dos Artistas, Almoço com as Estrelas com Ayrton e Lolita Rodrigues. Cacilda Lanuza de Godoy Silveira, conhecida no meio artístico como Cacilda Lanuza era prima do Zé Carlos, ele conheceu Dorival Caymmi. Apresentou-se na Rádio Mayrink Veiga.Conheceu o maestro e arranjador Adylson Godoy irmão de Amilton Godoy pianista do Zimbo Trio.


O desejo do seu marido, era após o falecimento ser cremado?

Atendemos o seu desejo, ele foi cremado. As cinzas estão aqui em casa, e devemos cumprir sua vontade, vamos entregar às águas do Rio Piracicaba, que ele tanto amou. Será ao som de violino tocado pelo meu neto.

Arquivo do blog