Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

domingo, outubro 23, 2016

MARGARIDA LOPES RODRIGUES DE AGUIAR PERECIN

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS 

JOÃO UMBERTO NASSIF 

Jornalista e Radialista 

joaonassif@gmail.com 

Sábado 22 de outubro de 2016.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana 

As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/ 



ENTREVISTADA: MARGARIDA LOPES RODRIGUES DE AGUIAR PERECIN

 Margarida Lopes Rodrigues de Aguiar Perecin é graduada em História Natural pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (1960). Possui título de doutora em Genética e Melhoramento de Plantas pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo (1968). Realizou estágio de pós-doutoramento na Universidade de Oxford, UK(1971/1972), e estágios técnicos e visitas nas Universidades de Nottigham, UK e Gent, Bélgica (1985), Plant Breeding Institute, UK e Royal Botanic Gardens KEW , UK (1987), Rothamsted Experimental Station, UK (1989). Observação: Reino Unido (em inglês: United Kingdom - UK), oficialmente Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte. Aposentou-se em 2008, como Professora Titular da Universidade de São Paulo, ESALQ, e atualmente é Professora Sênior na mesma instituição. Iniciou sua carreira na área de Citogenética de Aves e posteriormente desenvolveu pesquisas em Citogenética Vegetal, atuando nos seguintes temas: evolução do cariótipo e do genoma, variabilidade da freqüência de quiasmas entre genótipos de milho, estrutura molecular dos cromossomos, cultura de tecidos e alteração dos cromossomos em resposta ao estresse in vitro. Principais espécies estudadas: milho (Zea mays), Passiflora, Crotalaria, Hypochaeris, Capsicum, Mikania, Stylosanthes, cana-de-açúcar e Smilax. Citogenética vegetal, milho, genética vegetal, melhoramento de plantas e evolução. Faz parte da Academia de Ciências do Estado de São Paulo, da Sociedade Brasileira de Genética. Teve participação relevante em sua área.
A senhora nasceu em qual cidade?
Nasci em Manaus a 10 de junho, quando eu tinha aproximadamente um ano de idade meus pais vieram para Piracicaba.
Qual era a atividade do pai da senhora em Manaus?
Meu pai, José Pessoa de Aguiar, nasceu no Ceará, era médico, formou-se em 1936 pela Faculdade de Medicina da Bahia, foi lá que ele conheceu a minha mãe Isabel Lopes Rodrigues de Aguiar. Casaram-se em Manaus, onde ele passou a clinicar. Tiveram quatro filhas: Margarida, Lúcia, Cristina e Maria da Graça.
A senhora tem um avô que foi um pintor muito importante?
O meu avô materno Manoel Lopes Rodrigues  foi pintor, era da Bahia, ficou por dez anos em Paris uma parte com bolsa do Imperador D. Pedro II, após a proclamação da república, com bolsa do governo, depois trabalhou por conta própria, foi convidado a ficar lá, não quis mudar de nacionalidade, voltou para o Brasil. Enquanto ele esteve em Paris teve uma produção muito boa de quadros. Quando ele voltou, casou-se, teve seis filhos. Os quadros dele estão nos museus da Bahia, tem quatro quadros na Pinacoteca de São Paulo e oito quadros no Museu Nacional do Rio de Janeiro. Eu tenho vontade de escrever um livro sobre ele, principalmente para colocar reproduções desses quadros. Ele teve um aluno muito importante na Bahia que é Presciliano Silva.

Manuel Lopes Rodrigues
Pintor, desenhista, ilustrador, cenógrafo, ensaísta e professor.
Manoel Lopes Rodrigues (1860: Fonte Nova do Desterro, BA – 1917: Salvador, BA).
Filho do pintor e professor João Francisco Lopes Rodrigues, estudado em Salvador com seu pai e com o mestre Miguel Cañisares. Um dos fundadores da Escola de Belas Artes de Salvador, foi artista eclético e competente acadêmico.
“Manoel Lopes Rodrigues praticou o retrato, o interior, a natureza-morta, a pintura histórica, a paisagem, o gênero, postando-se estilisticamente entre o Realismo e o Simbolismo, e podendo ser reclamado pelo Ecletismo em vigência na última década do Séc. XIX.” (LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988, p. 290).
1878 – Lecionou desenho no Liceu de Artes e Ofícios e na Escola de Belas Artes, em Salvador.
1882-85 – Residiu no Rio de Janeiro, RJ, para onde se transferira com a intenção de estudar na Academia Imperial de Belas Artes, o que, contudo, acabou não se concretizando.
No Rio, tornou-se crítico de arte do periódico Gazeta Literária, executou desenhos e aquarelas para a Exposição Médica Brasileira e produziu ilustrações para diversos livros da área médica, entre eles o Atlas da clínica de olhos, de autoria do Dr. Moura Brasil, e o Atlas de moléstias da pele, escrito por Silva Araújo.
1886-95 – Estabeleceu-se na França, onde viveu inicialmente dos rendimentos obtidos no Rio de Janeiro e mais tarde da ajuda financeira de mecenas baianos e do próprio imperador Pedro II. Com o fim do regime imperial, em 1889, recebeu bolsa do Ministério da Fazenda do novo regime republicano. Em Paris, foi discípulo de Raphael Colin, e posteriormente estudou com Jules Lefebvre e Tony-Robert Fleury. Além disso, participou da classe de Leon Bonnat, na Escola Superior de Belas Artes.
1895 – Permaneceu três meses na Bahia em decorrência do falecimento do pai. Nesse período, executou trabalhos encomendados pelo governador baiano Rodrigues Lima e para o mosteiro de São Bento. Ainda neste ano viajou para Roma, onde terminou a pintura do quadro Primeira Reprimenda.
1896 – Retornou à Bahia, em virtude do fim da bolsa que recebia do governo brasileiro. Pintou a tela A República, encomendada pela Assembleia Geral baiana.
1897-98 – Trabalhou como diretor da parte artística do periódico baiano O Album.
1917 – Foi um dos organizadores da Sociedade Propagadora de Belas Artes de Salvador.
Realizou a seguinte exposição individual:
1896 – Teatro São João, Salvador.
Realizou, entre outras, as seguintes exposições coletivas:
1884 – XXVI Exposição Geral de Belas Artes, Academia Imperial de Belas Artes, Rio de Janeiro.
1889 – Exposição Universal de Paris, Paris.
1890, 92, 94, 95 – Salon des Artistes Françaises, Paris.
1894, 96 – Exposição Geral de Belas Artes, Escola Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro.
1895 – Retrospectiva, Escola de Belas Artes da Bahia, Salvador.
Foi homenageado, entre outras, nas seguintes exposições póstumas:
1918 – Retrospectiva, Sociedade Propagadora de Belas Artes, Salvador.
1950 – Um Século da Pintura Brasileira: 1850-1950, Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro.
2000 – Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, Fundação Bienal, São Paulo.
2004 – Mestres da Pintura Baiana, Museu de Arte da Bahia, Salvador.
2008 – De Colônia a Império, Museu de Arte da Bahia, Salvador.







Boa parte da obra produzida por Manoel Lopes Rodrigues encontra-se no acervo da Escola de Belas Artes e do Museu de Arte da Bahia, entre outras instituições baianas. O Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, também guarda importantes trabalhos do artista.

                                                      Prisciliano Silva  


Presciliano Athanagildo Izidoro Rodrigues da Silva mais conhecido como Presciliano Silva (Salvador, 17 de maio de 1883Rio de Janeiro, 7 de agosto de 1965) foi um pintor brasileiro. Algumas de suas obras estão expostas no Museu de Arte da Bahia‎.
Presciliano o primeiro filho das segundas núpcias de Possidônio Izidoro da Silva e de Clotilde Rodrigues da Silva, que foi sua grande incentivadora; a mãe o matricula, já aos 13 anos, na Escola de Belas Artes e desde então frequenta aulas particulares no Liceu de Artes e Ofícios, com o professor Manoel Lopes Rodrigues.
O mestre apoia sua ida a Paris, em 1903, onde sofre preconceito e experimenta o sofrimento causado pelos ruídos e surdez de uma esclerose nos tímpanos. Fica em França até 1906, quando retorna à Bahia e tem resposta favorável aos seus trabalhos, o que, com incentivo de amigos como Olegário Mariano, o motiva a expor no Rio de Janeiro.
Em 1912 vence as resistências e consegue expor em Paris, no Salão Oficial, o quadro que retrata Mme. Le Clinche. Com o início da I Guerra Mundial volta à cidade natal, onde estabelece seu ateliê, no ano seguinte.Na cidade leciona na Escola de Aprendizes e Artífices. Em 1920 tem de Ruy Barbosa as mais elogiosas palavras: "...o meu instinto, minha intuição, algum gosto que terei, talvez, e o meu hábito de ver obras de mestres, me indicam em Presciliano Silva um pintor de extraordinário merecimento e futuro."
Ingressa como docente, em 1928, na Escola de Belas Artes da Bahia, onde mais tarde seria diretor e professor emérito. Em 1930 realiza seu maior trabalho, retratando o 2 de julho de 1823, data que marca o fim da guerra pela Independência da Bahia, intitulada Entrada do Exército Libertador
O artista continua pintando até sua morte, em 1965, tendo seu trabalho sido consagrado por diversas exposições e prêmios. Era casado com Alice Moniz Silva, com quem teve uma única filha, Maria da Conceição



                                          Presciliano Silva - Farol da Barra 

Em que local de Piracicaba o pai da senhora montou consultório?
Na Rua XV de Novembro entre a Rua Benjamin Constant e a Rua Governador Pedro de Toledo. Ele tornou-se muito conhecido em Piracicaba como Dr. Pessoa. Era especialista em otorrinolaringologia e oftalmologia. A minha mãe além dos afazeres do lar, pelo fato de conhecer a língua francesa, deu aulas particulares de francês e também lecionou francês no Seminário Seráfico São Fidelis
Assim que se mudou para Piracicaba a família passou a residir em que local?
Residimos na Rua Boa Morte, no centro, logo mudou para a Rua XV de Novembro. Naquele tempo era comum o médico ter o consultório ao lado da casa em que residia. Após muitos anos ele mudou-se para o Jardim Europa. O consultório continuou na Rua XV de Novembro. Ele praticamente clinicou a sua vida inteira em Piracicaba, ele clinicou até os 72 anos faleceu com 74 anos, em 1986. A minha mãe já tinha falecido antes dele. Meu pai era muito conhecido, naquele tempo havia poucos médicos na cidade. Sempre trabalhou na Santa Casa de Misericórdia de Piracicaba. Ele dava atendimento gratuito aos chamados na época de indigentes, isso na parte da manhã, nessa época os médicos faziam isso.
Essas pessoas de parcos recursos procuravam retribuir a atenção recebida de alguma forma?
Geralmente de pessoas residentes na zona rural ele ganhou cabrito, porco, sempre traziam algum agrado dentro das suas possibilidades. Era uma demonstração de carinho e gratidão. Naquele tempo era possível receber esse tipo de presente porque as casas tinham um quintal grande.
Ele realizava cirurgias?
Fazia na Santa Casa. Já eram realizadas cirurgias de catarata. Ele chegou a ter um equipamento moderno no consultório.
O curso primário a senhora estudou em qual escola?
Estudei no colégio das freiras, no Externato São José, localizado no prédio que existe até hoje, na esquina da Rua Alferes José Caetano com Rua D. Pedro II, onde mais tarde funcionou a Faculdade de Odontologia de Piracicaba. O primeiro ano do ginásio fiz no Colégio Assunção na Rua Boa Morte. Depois me transferi para o Sud Mennucci, colégio estadual.  Naquela época era tida como a melhor escola de Piracicaba. Lá fiz o curso científico. Concluído, fui para São Paulo fazer o curso de História Natural na Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo. Uma parte do curso era na Alameda Glete e outra parte já tinha se mudado para a Cidade Universitária. Eu freqüentava os dois locais, tinha algumas matérias na Alameda Glete, no centro, e outras matérias Cidade Universitária.
Em São Paulo em qual local a senhora morava?
Morava no centro, em um pensionato de freiras salesianas, situada na Rua Guaianazes, eram dois casarões conjugados. Era um pensionato grande, às oito horas da noite os portões se fechavam. Às vezes pegávamos um bailinho na Alameda Glete, a freira deixava ir e voltar mais tarde. Acredito que na época São Paulo não era assim tão perigoso, costumávamos ir aos domingos nas matinês do cinema, no centro da cidade. Lembro-me do Cine Paissandu, Cine República, Cine Marrocos, naquele tempo São Paulo tinha bonde, era uma cidade mais tranqüila.
A senhora chegou a conhecer o requintado chá do Mappin?
Conheci, na época em que o Mappin já estava em frente ao Teatro Municipal, na Praça Ramos de Azevedo. Fui uma vez com meus pais. Freqüentava o Teatro Municipal, tinha uns concertos matinais, nas manhãs de domingo.
Para ir do pensionato onde a senhora morava até a Cidade Universitária, qual a condução era usada?
Tomava três conduções: o bonde “camarão” até a Praça do Correio, ali tomava outro bonde que ia até a Praça de Pinheiros, ali tomava um ônibus para a Cidade Universitária. Tinha que acordar muito cedo, as aulas começavam às oito horas, eu saia  de casa entre seis a seis meia da manhã. O prédio onde eu estudava deve existir até hoje, ficava na Rua do Matão. Permanecia na escola até as seis da tarde, estudava em período integral. Chegava a minha casa às oito horas da noite, para o jantar. Depois às vezes ia dormir outras vezes ia estudar. O curso era de quatro anos, eu me formei em 1960, como Bacharel em Ciências Naturais, fiz o bacharelado e licenciatura.
A senhora permaneceu em São Paulo?
 Voltei â Piracicaba, consegui uma bolsa de estudo no Departamento de Genética da ESALQ no tempo do professor Professor Friedrich Gustav Brieger, isso foi em 1961, ele tinha fundado um Departamento de Genética junto ao Instituto de Genética. Ele tinha bolsas para contratar pessoas, tinha muito contato e recebia subsídios da  Fundação Rockefeller  que é uma fundação criada em 1913 nos Estados Unidos que define sua missão como sendo a de promover, no exterior, o estímulo à saúde pública, o ensino, a pesquisa e a filantropia.
Como era o Professor Brieger?
Ele veio da Europa a convite da ESALQ em 1936, era uma pessoa muito dinâmica, foi quem criou o Departamento de Genética na ESALQ, convidado pelo diretor José de Melo Morais, conhecido como Melinho. O professor Brieger além de fundar o Departamento de Genética, incentivou várias áreas de pesquisa, tanto a pesquisa básica como a aplicada. Tanto em genética como em citologia, na área de melhoramentos de plantas, ele incentivou muito o melhoramento de milho, de hortaliças, mais tarde ele incentivou um laboratório de genética de microorganismos. Ele era alemão, falava o português, com bastante sotaque. No inicio ele começou as pesquisas sobre raças de milho, depois ele se dedicou a pesquisas sobre evolução de orquídeas. Nessa época ele organizou uma coleção muito grande de orquídeas que existe até hoje no Departamento de Genética.
Na visão da senhora, o que significa o trabalho do Professor Brieger para a genética no Brasil?
Foi um trabalho muito importante, ele foi considerado um dos pioneiros, um dos fundadores da genética no Brasil. Foi quem implantou a genética de plantas o Brasil. O nosso país deve muito a ele. Existiam outros departamentos de genética em São Paulo, no Rio de Janeiro.
Na ESALQ a senhora teve a sua ascensão profissional.
Tive, naquela época quem não era agrônomo não podia ser professor, também não era muito comum ter mulheres professoras, após a bolsa tive o cargo de biologista, como se chamava na época, fazia pesquisa e preparei a minha tese de doutoramento como biologista. Meu orientador foi o Professor Almiro Blumenschein, eu trabalhava n laboratório dele, era o Laboratório de Citologia. Fiz um estudo sobre cromossomos de aves, estudei várias aves, foi entre 1962 a 1968, quando fiz meu doutoramento. Em 1971 é que fui nomeada professora do departamento de genética. Assumi como professora, depois fiz o concurso de livre docente, mais tarde fiz o concurso de professor titular.
O professor Brieger ainda estava na ESALQ ?
Ele tinha se aposentado, foi para Brasilia, depois foi para a UNICAMP e depois  regressou para a Alemanha. Ele faleceu na Alemanha. Ele era casado com  Da.Anneliese Kaiser Brieger, tiveram dois filhos: Barbara e Franz. O Franz estudou agronomia e depois foi trabalhar em Ribeirão Preto.
A senhora morava aonde nessa época?
Morava na Rua XV de Novembro, com meus pais, eu ia de bonde para a ESALQ. Aposentei-me em 2008, continuo lá fazendo pesquisas, mais especificamente publicando trabalhos, artigos científicos em revistas científicas. Devo ter uns 60 trabalhos citados. Publiquei um livro e tenho um livro traduzido junto com outros colegas. O livro publicado é sobre citogenética,a minha área é citogenética estudo dos cromossomos, Citogenética e Evolução de Plantas. Esse livro contém artigos que foram apresentados em um colóquio sobre citogenética e evolução de plantas que organizei com mais dois colegas em 1984, o livro foi publicado em 1985.
Já conseguimos entender os cromossomos?
Conseguimos! Os cromossomos são muito bem estudados, são filamentos de DNA onde estão os gens responsáveis pela hereditariedade. A estrutura deles é muito bem estudada, o funcionamento deles é muito bem estudado, existe várias maneiras de enfocar o estudo dos cromossomos, podemos estudar cromossomos de várias espécies que são da mesma família e entender a evolução dessas espécies, podemos estudar cromossomos para ver modificações que eles tiveram, por causa de stress por exemplo, por causa de irradiação, hoje temos técnicas mais sofisticadas para estudar cromossomos em que o pesquisador mapeia tipos de DNA ao longo do cromossomo.
As suas pesquisas continuam?
Agora estou escrevendo sobre cromossomos de milho, sou especialista em cromossomos de milho. A produção de milho hoje é sobre milho hibrido. O meu trabalho é muito básico, é sobre cromossomos de milho, estrutura dos cromossomos de milho, alterações dos cromossomos de milho, é um trabalho sobre estrutura de cromossomos de uma maneira geral, esses estudos contribuem para entendermos a evolução das plantas. A genética contribuiu muito para o melhoramento do milho, através de cruzamentos entre variedades diversas, o melhorista tem o papel de selecionar linhagens que depois cruzadas dão milho hibrido.
A informática deu uma revolucionada nessa área?
A informática deu no estudo do genoma, chamamos de genoma todo DNA da célula. Os cromossomos são o DNA compactado. Todo DNA pode ser estudado hoje. Chamamos de genoma todo DNA que existe na célula. A informática tem ajudado muito nessas seqüências de DNA.
A senhora trabalha só com plantas ou com animais também?
Trabalhei com animais em minha tese de doutorado. Depois passei a trabalhar só com plantas.
Há uma diferença muito grande nesses estudos?
Os cromossomos são constituídos de DNA e proteínas.
A cadeia de cromossomos do animal e a cadeia de cromossomos da planta têm semelhança?
Não, elas têm diferenças! A estrutura tem diferença. Mesmo o cruzamento entre plantas tem que ser da mesma família, do mesmo gênero.
A nossa flora é de fato muito rica?
A nossa flora possui uma riqueza muito grande, ainda não totalmente estudada.
Fitoterapia tem alguma relação com a área de estudo que a senhora realiza?
Não. Eu já estudei plantas medicinais, mas sempre a minha área é o estudo dos cromossomos.
A ESALQ tem um nome muito forte pelo trabalho que realiza, dispõem de recursos materiais, mas principalmente recursos humanos preciosos. Isso é um motivo para Piracicaba ter um orgulho muito grande.
A ESALQ é um orgulho não só de Piracicaba, mas para o Brasil. É uma escola importante, que tem contribuído muito para o ensino, formação de pós-graduados, formação de doutores que depois vão trabalhar em diversas regiões do Brasil. Muitos dos nossos ex-alunos foram formar núcleos de pesquisa em várias universidades do Brasil. Ou foram trabalhar na EMBRAPA. Ou em outras instituições de pesquisa.
O marido da senhora exercia qual atividade?
Meu marido, Antonio Perecin, era economista, formou-se pela UNIMEP, no curso de administração de empresa, depois ele fez mestrado na USP, foi professor da UNIMEP por algum tempo, mas ele dedicou-se mais ao seu escritório, que era um escritório de consultoria auditoria, contabilidade. Ele era grande entusiasta da área, teve muitos alunos da UNIMEP que depois foram ser bons profissionais.
A senhora permaneceu estudando na Inglaterra por quanto tempo?
Fiquei um ano e meio.
Como que a senhora compara o ensino inglês ao nosso ensino?
Eles têm um nível muito bom. A pós-graduação lá era diferente da nossa. Aqui nós temos cursos estabelecidos, presenciais, que o aluno tem que assistir. Lá os alunos não tinham curso, assistiam um ou outro curso, tinham que estudar sobre temas que o orientador desse, escrever sobre esses temas. É outra didática. Nos Estados Unidos a pós-graduação é como a nossa.
Mesmo aposentada a senhora continua trabalhando na ESALQ.
Continuo trabalhando através de um programa que se chama Professor Sênior onde podemos colaborar principalmente em pesquisa. Dependendo do perfil de cada professor ele colabora em aulas. Orientação de aluno. Trabalhos de extensão à comunidade. O programa Professor Sênior é um trabalho não remunerado, é para quem tem mania de trabalhar.
Qual é a  forma de lazer preferida da senhora?
Gosto muito de ouvir música clássica Eu tocava piano, estudei com a Dona Dirce de Almeida Rodrigues durante uns 10 anos. Tenho uma assinatura na Sala São Paulo e vou uma vez por mês à São Paulo para assistir os concertos. Tenho assistido os concertos da Orquestra Sinfônica de Piracicaba que está muito boa graças ao trabalho do Maestro Jamil Maluf. Sempre freqüentei os concertos da Escola de Música de Piracicaba.
Além da musica alguma outra atividade que a senhora faz?
Gosto muito de viajar, tenho uma irmã que mora na Bélgica, vou quase todos os anos para lá. Viajo por outros países, gosto de visitar museus, gosto muito de arte, tenho feito um curso de História da Arte com o professor Fernando Furquim Fiz vários módulos do curso que ele dá e agora estou fazendo um curso de História da Grécia.
A senhora acredita na existência de Deus?

Acredito não naquele Deus com forma humana, a figura de Deus é muito incompreensível. Freqüento um grupo de estudos espirituais. A minha ligação com Deus é de forma muito natural. Tem-se que estudar sempre, ler sempre, para manter a fé viva.

Arquivo do blog