Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

domingo, novembro 30, 2008

ESALQ SEDIARÁ INSTITUTOS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Em Brasília, o Ministro Sergio Rezende anunciou 101 novos institutos que receberão R$ 600 milhões para pesquisas em áreas estratégicas


Em solenidade de apresentação dos projetos selecionados, o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) anunciou ontem (27), novas centros de pesquisas que ocuparão posições importantes no Sistema Nacional de C&T. O investimento anunciado, proveniente do Programa de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia, é o maior valor destinado para uma chamada pública para apoio à pesquisa já disponibilizado no Brasil.

Rezende informou que o programa, que contava com R$ 523 milhões, recebeu cerca de R$ 70 milhões em reforço financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) e da Petrobrás. Esses recursos serão repassados diretamente ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCT) para dar suporte aos projetos selecionados de todo território nacional.

No Estado de São Paulo, onde se encontram 35 novos centros de produção científica e tecnológica de ponta, serão investidos R$ 187 milhões a partir de um termo de cooperação firmado entre a Fapesp e o CNPq, cujo montante será dividido igualmente entre as duas instituições para dar suporte aos projetos selecionados.

Selecionadas em âmbito internacional, as propostas foram avaliadas por pesquisadores especializados em cada uma das áreas de pesquisa dos projetos contemplados. Dezessete desses trinta e cinco novos centros de produção científica e tecnológica do estado de São Paulo, encontram-se na Universidade de São Paulo (USP) espalhados pela capital e por algumas unidades no interior.

Em Piracicaba, a Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (USP/ESALQ) sediará dois Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT). São eles o INCT de Semioquímicos na Agricultura, sob coordenação de José Roberto Postali Parra, docente do departamento e Entomologia, Fitopatologia e Zoologia Agrícola (LEF) e o INCT de Engenharia da Irrigação, sob coordenação de José Antonio Frizzone, do departamento de Engenharia Rural (LER).

Antonio Roque Dechen, diretor da ESALQ declara que “nesses 75 anos da Universidade de São Paulo é muito importante saber que a ESALQ terá dois laboratórios sede do INCT, demonstrando que os departamentos envolvidos possuem tecnologia de ponta correspondendo sempre a dimensão da ESALQ nesses segmentos. Com certeza, não só a comunidade esalqueana vai se beneficiar, mas toda a agricultura brasileira”.

Programa
O Programa dos INCTs tem metas abrangentes em termos nacionais como possibilidade de mobilizar e agregar, de forma articulada, os melhores grupos de pesquisa em áreas de fronteira da ciência e em áreas estratégicas para o desenvolvimento sustentável do País; impulsionar a pesquisa científica básica e fundamental competitiva internacionalmente; estimular o desenvolvimento de pesquisa científica e tecnológica de ponta associada a aplicações para promover a inovação e o espírito empreendedor, em estreita articulação com empresas inovadoras, nas áreas do Sistema Brasileiro de Tecnologia (Sibratec).




Free Counter

sábado, novembro 29, 2008


Aparecida Terezinha Gardenal Vicente


PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS

A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/


Entrevista: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://www.tribunatp.com.br/

http://www.teleresponde.com.br/









Entrevistada: Aparecida Terezinha Gardenal Vicente

Comunicativa, otimista, bem informada. Nota-se, porém que cada palavra que ela pronuncia tem o peso da experiência de vida adquirida ao longo dos anos. Pode-se dizer que se trata de uma pessoa de muita garra. Nascida para enfrentar os desafios que a vida oferece, sem perturbar-se. Ancorada em sua fé religiosa, que não é apenas um conceito relativo, e uma relação familiar muito consistente, Dona Cida, como muitos carinhosamente a tratam, revela uma vida de muita luta, trabalho e conquistas. Dentro da sua simplicidade construiu uma existência expressiva. Para si mesma e para muitos que já estiveram e outros que ainda permanecem á sua volta. Dona Cida é uma pessoa impossível de ser esquecida. Pelo seu caráter, sua retidão, a sua disponibilidade em ajudar seus semelhantes sem questionamentos indigestos. Ela é o testemunho vivo de que nossa sociedade só irá mudar e melhorar se as famílias mudarem e melhorarem.
A senhora nasceu em qual cidade e em que dia?
Nasci na cidade de Laranjal Paulista, no Bairro do Bicame, em 9 de abril de 1930. Sou filha de Adamo Gardenal e Anunciata Mateucci Gardenal, eles eram filhos de imigrantes italianos. Meu avô chamava-se João Batista Gardenal e minha avó Vitória Schincariol Gardenal. Vieram da Itália com três filhas pequenas e minha estava prestes a dar a luz ao meu pai, ele nasceu poucos dias após a chegada ao Brasil. Meu pai tinha o ofício de marceneiro, fazia móveis, jogos de quarto, fabricava carroças, troles, ferrava as rodas de madeira que eram utilizadas na carroça. A serra era movida a água. Ele construiu com madeira uma roda d água muito bonita. Ele desdobrava as toras de madeira na serra maior, e depois cortava nas medidas e repicava na serra circular. Além de ter um moinho de milho, fazia fubá, canjica. Eu trabalhava com qualquer máquina que havia no moinho.
Quem abastecia o moinho de milho durante o beneficiamento?
Nós mesmos! Nós éramos pau para qualquer obra! Hoje vejo essa criançada reclamando por qualquer coisa! Naquele tempo havia a troca de fubá beneficiado por milho que a pessoa trazia. Havia medidas de cinco, dez, quinze, e vinte litros. Era trocada uma vasilha cheia de milho por uma de fubá. Ou era vendido o fubá por peso. O fubá era um mimo! Meu pai aos sábados matava boi pela manhã quando chegava ao meio dia ficava lotado de gente. O bairro era grande. O povo vinha com as vasilhas para levar a carne.
Qual é a receita para fazer uma boa lingüiça?
Com cinco quilos de carne de pernil de porco, 300 a 400 gramas de sal, três cabeças de alho, uma cabeça de cebola, porque ela solta muita água, pimenta do reino bem fininha a gosto. Mói tudo junto. Se a máquina for boa basta moer uma vez só. Naquela época a máquina era manual, não era elétrica. Com o funil ensacava na tripa do boi. Jogava fubá em cima da lingüiça e deixava curar. Na época não havia geladeira, pegava-se uma lata de óleo de vinte litros, derretia gordura, tinha uma arte nessa função, a banha era bem branquinha. O bucho, a barrigada, era utilizado para fazer sabão. Para cada seis quilos de ingredientes usava-se um quilo de soda e dez litros de água.
Quantos filhos os pais da senhora tiveram?
Em vinte anos a minha mãe teve treze filhos, todos nascidos em casa eu sou a primeira filha deles, depois veio meu irmão que faleceu aos 50 anos de idade, Antonio Natalino Gardenal. A seguir nasceram os filhos: Vitória Domingas Gardenal, Maria Gardenal, Josué Elias Gardenal, Isabel Ely Gardenal, Irene Gardenal, João Mathias Gardenal, Junia Gardenal, Loide Herminda Gardeal,Tito Gardenal, Noemi Gardenal e Juraci Gardenal.
Após o nascimento de um filho havia o resguardo?
Por quarenta e cinco dias a mãe não mexia com nada. Não lavava nem roupa. Não fazia nenhum serviço mais pesado.
Como chamava o sítio em que a família da senhora morava?
Era chamado de Moinho do Damo Gardenal. Eles não costumavam chamar o nome completo do meu pai: Adamo. O único que o chamava pelo nome correto foi o Neco Escrivão, dono do cartório.
A família da senhora freqüentava alguma igreja?
Freqüentávamos a Igreja Presbiteriana do Bicamo.
Geralmente as famílias de origem italiana seguem a religião católica, como ocorreu a orientação da família da senhora para outra religião?
De fato, eram todos católicos. Mas em uma ocasião veio um missionário com o nome David Azevedo. A primeira casa para a qual ele se dirigiu foi á casa do meu pai. No diálogo entre eles saiu o assunto de religião. Após um bom tempo meu pai convenceu-se de que deveria seguir a religião presbiteriana. O povo do bairro dizia: “-Fulano é protestante agora!” Na época meu pai era o único. Um dia o David passou em casa e convidou meu pai para ouvir uma pregação na igreja. Meu pai escutou um versículo que o marcou muito: “-Filho meu dá-me teu coração.” É inacreditável o que meu pai fazia por causa desse versículo. Com o tempo o pessoal do bairro não se importou mais com o fato dele ser protestante. Com o tempo houve a adesão de outras pessoas, meu sogro foi um deles. Com o tempo quase todos do bairro converteram-se para a igreja presbiteriana.
Com quantos anos a senhora casou-se?
Casei-me com Américo Augusto Vicente. No dia 9 de abril eu completei 17 anos de idade, no dia 12 de abril de 1947 casei-me. O pastor que celebrou o casamento foi Lazaro Manoel de Camargo. Entrei vestida de branco, conduzida pelo meu pai. Quem deu a festa foi o Schincariol. Tivemos quatro filhos: Adão Lourenço Vicente era químico. Eunice Augusto Vicente, advogada, Evaldo Augusto Vicente, jornalista, e Américo Augusto Vicente Júnior, advogado. Mudei-me para Piracicaba com 34 anos de idade.
Como a senhora conheceu o noivo?
Morávamos todos próximos um do outro. Estávamos sempre na igreja. Ele era dez anos mais velho do que eu. Ele dizia aos amigos dele que ia casar-se comigo. Meu sogro Lourenço Augusto, casado com Vitalina Augusto dizia para o Américo: “Case com a filha de Damo que você terá uma verdadeira mulher dentro de casa: trabalhadeira, uma boa mãe.” Infelizmente ele morreu antes de nos ver casados.
Onde foi a lua de mel da senhora?
Foi no sítio mesmo. Trabalhando. A minha mãe quando se casou com meu pai passou oito dias em Salto de Itu em lua de mel. Naquela época não era comum viajar-se em lua de mel.
Depois de casada quanto tempo a senhora permaneceu no sítio?
Já faz quarenta e três anos que estamos morando em Piracicaba. Nós mudamos do sítio para Laranjal Paulista, lá tivemos um bar. Mudamos para Piracicaba com a intenção de montarmos uma pensão. O local escolhido foi uma casa situada na Rua São José esquina com a Rua do Rosário. Ali morei quinze anos. A casa pertencia á Luiz Dias Gonzaga, anteriormente tinha sido de Antonio Ribecco, onde hoje existe uma série de salões comerciais no local. Tinha oito quartos, uma cozinha grande, uma sala de jantar grande, e uma sala que era muito grande, onde servíamos as refeições. Os nossos vizinhos de esquina era a família Gianetti, o Pretel, onde hoje está a Uniodonto. Onde hoje se situa a Biblioteca Pública Municipal era um jardim muito lindo, com bancos, árvores. Na Rua Alferes com a Rua São José, onde hoje existe um moto taxi, morava Dona Mariquinha Libório. Mais á frente existia o Cine Broadway.
Quando a senhora mudou-se para essa casa uma parte foi reservada para uso da família?
Um quarto ficou para meu marido e eu e outro quarto para os filhos. O resto era alugado. Além de servir refeições. Davi Barros foi meu primeiro hospede, ele era funcionário do Banco Itaú, adorava carne moída e ovo frito com arroz e feijão. Entre os muitos hóspedes que tivemos lembro-me de Eduardo Daruge, João Paulo Feijão Teixeira, Luiz Antonio Campos Penteado. Onde hoje está a Uniodonto funcionava o Pronto Socorro de Piracicaba. Os médicos tomavam refeição na pensão. Ás vezes eles mandavam buscar um prato de comida já pronto. Adoravam a comida. Na época era tudo feito no fogão a lenha. Acordava ás cinco horas da manhã.
A senhora forneceu refeições para grandes empresas?
Forneci para os funcionários do Banco do Brasil. Quando foi construída a empresa Philips de Piracicaba eu forneci as refeições para o pessoal que estava executando as obras. A mesma coisa aconteceu durante a construção da Caterpillar de Piracicaba. Teve uma época em que chegamos a fornecer cinco mil refeições por dia. Só que já tínhamos comprado um fogão industrial de grande porte. Era uma comida trivial, bem caseirinha. A sobremesa eram frutas, doce de abóbora, doce de mamão, arroz doce. Para o arroz doce ficar gostoso deve-se cozinhar o arroz com leite.
A senhora fez um malabarismo para comprar o seu primeiro telefone?
O número do telefone era 7815. O cômodo reservado para os filhos foi ocupado por pensionistas. Essa renda extra é que complementou o valor necessário na compra do telefone. Por um período, os filhos se acomodaram em colchões colocados em área que durante o dia era de uso comum para os hóspedes, colocados a noite e retirados logo pela manhã cedinho. Assim que foi pago o telefone, os filhos voltaram a ter o quarto de novo.
Como era o nome da pensão?
Pensão da Aparecida. O pessoal chegava a Piracicaba e já se dirigia para lá. Principalmente os estudantes. Muitos até hoje, já formados, passam para nos visitar. Teve época em que chegaram a morar lá até 22 estudantes. Tudo com a mais absoluta ordem e higiene. Antigamente era muito comum haver um conjunto que compunha um jogo de marmitas, geralmente cinco unidades distintas. Em cada uma ia separado um tipo de alimento: arroz, feijão, salada, complementos. Com o tempo, a pensão foi dando lugar á um restaurante, havia grande procura pela comida. Os estudantes passaram a morar em repúblicas. Houve um período em que saímos dessa casa e fomos para o Bairro São Dimas. Mais tarde fomos para um local muito amplo na Avenida Luciano Guidotti. Nessa época já era um restaurante industrial, na época um fato não muito comum em cidade do interior.
A senhora mesma ia até o mercado para comprar os ingredientes?
Pedia por telefone e o pessoal mandava. Uma das fornecedoras era a Dona Maria Portuguesa. Carne eu comprava no Açougue Municipal, em frente ao antigo prédio da prefeitura, que foi demolido. O proprietário do açougue era o Seu Reialdo. Ao lado havia a Relojoaria do Tedesco. Nesse quarteirão havia uma Barbearia, o Berti Alfaiate.
De quem a senhora herdou essa garra toda?
Dos meus pais. Meu pai e minha mãe eram dois trabalhadores incansáveis.
Quem trazia a lenha para ser utilizada na pensão?
Era o Domingos Spolidoro, pai do Diógenes Spolidoro. A lenha chegava umas quatro horas da tarde, era descarregada do caminhão, deixada na calçada. Os filhos Eunice e Evaldo é que recolhiam. O Junior era muito pequeno ainda e o Adão estava fora de Piracicaba.
De onde surgiu o espírito de jornalista do seu filho Evaldo?
Foi um pedido meu. Foi uma benção que recebi de Deus. Meus pais moraram por um período de uns três anos em Maringá, no Paraná. A mudança quem levou foi o pai do Aldano Beneton, da Agencia Monte Alegre de Turismo. Fui visitar os meus pais, na volta fiquei grávida do Evaldo. Eu admirava muito a cultura que os reverendos possuíam. O nome do Evaldo foi uma forma de homenagear o pastor Evaldo Constantino Ramos. Pensei no meu intimo que meu filho deveria seguir uma carreira brilhante como a do pastor, que era um excelente escritor. O Evaldo com 11 anos de idade já lia e resumia livros para uma determinada professora que necessitava desse resumo em sua atividade profissional. Sempre foi precoce. O Evaldo é um homem muito bravo, só que ele domina seu temperamento. Deve ter herdado isso do pai. Muitos conhecidos da igreja que freqüento dizem: “Dona Cida, quantas mães gostariam de ser mãe do Evaldo”.
Qual foi a sensação que a senhora sentiu quando foi editado o primeiro exemplar do jornal feito pelo seu filho Evaldo?
Foi muito grande. Na época o jornal funcionava na esquina formada pela Rua Voluntários de Piracicaba com Rua Alferes José Caetano, onde hoje existe um laboratório de análises clínicas, ali nasceu o primeiro número da Tribuna. Na Rua Alferes José Caetano, 701 havia a Padaria Brasileira, era do Seu Yeda. Comprava muito pão ali. No final de ano levava quitutes para serem assados ali: leitoa principalmente. Também havia a Padaria Santo Antonio do Sergio Sachs, ficava para baixo da delegacia de polícia. Lembro-me do Dr. Alfredo de Castro Neves, ele que cuidava de todos nós. Lembro-me da Loja da Lua na esquina da Rua Prudente de Moraes com Alferes José Caetano, a Sapataria Oliveira que ficava na esquia da Rua Pudente de Moraes com a Rua do Rosário. Na Rua Prudente de Moraes entre Alferes e Rosário existia o Supermercado Guerra, a Agro-Comercial. Cheguei a ver o Governador Roberto de Abreu Sodré quando inaugurou o fórum no prédio existente até hoje, que também vi ser construído.
A senhora ia passear quando?
Nunca! Meu lazer era sentar na máquina de costura e trabalhar. É uma máquina Singer que conservo até hoje.
A senhora gostava de ouvir rádio?
Gostava, mas por causa do barulho não conseguia ouvir direito.
Uma profissão que a senhora gostaria de ter, se tivesse tido a oportunidade?
Eu tenho certeza de que seria jornalista!
A senhora tem algum apelido?
Algumas pessoas me chamam de Nena.
A senhora chegou a participar de algum coral?
Sempre cantei na igreja, como contralto.
Quantos funcionários a senhora chegou a ter no seu restaurante industrial?
Cheguei a ter cerca de 100 funcionários.
A senhora e seu marido chegaram a criar alguma criança sem lar?
Se somarmos todas as crianças que criamos em diversos períodos, foram mais de 40. De todas as origens possíveis. Alguns hoje ocupam cargos de destaque no trabalho que desempenham.
Tem uma passagem muito interessante de um menino que trabalhava em um circo?
Fui com meu marido ao Circo do Veneno, levar uma criança que queria conhecer o circo. Tinha um garoto bem miudinho, magrinho, vendendo amendoim. Quando terminou o espetáculo fui até a casa desse menininho. Lá encontrei o pai muito doente. Uma semana depois ele faleceu. Ele deu os documentos do menino para mim e para meu marido e disse: “Faça dele um homem”. Além desse menino havia mais quatro crianças. Foram todos morar na minha casa. E ali cresceram.







Free Counter
"O medíocre é solene. Na pompa grandíloqua das exterioridades, busca um disfarce para a sua íntima vacuidade. Acompanha, com fofa retórica os atos mais insignificantes e profere palavras insubstanciais, como se a humanidade inteira quisesse ouví-las."
(Jose Ingenieros, in O Homem Medíocre)



Free Counter
"A faculdade principal da alma é comparar. O bom senso é a justa comparação das coisas."
Montesquieu



Free Counter
Luís Pereira, pintor de parede, dormiu com 200 votos e acordou como deputado federal. Era suplente de Francisco Julião, líder das Ligas Camponesas, em Pernambuco, cassado pelo regime vigente. Chegou a Brasília de roupa nova e coração vibrando de alegria. Murilo Melo Filho melou o jogo, logo no aeroporto, com a pergunta abrupta :
- Deputado, como vai a situação ?
Confuso, nervoso, surpreso, sem saber o que dizer, tascou :
- As perspectivas são piores do que as características.




Free Counter

quinta-feira, novembro 27, 2008

"Devido às quebras de Bancos, queda nas Bolsas, cortes no orçamento, crise nos combustíveis e racionamento mundial de energia, informamos que a famosa luz no fim do túnel será desligada!..."
by ACGB



Free Counter

sábado, novembro 22, 2008

Postado por Luiz Bassetti em 22/11/2008 17:44 HOJE A TARDE EM CURITIBA...CIMENTEIRO C37 SEGUINDO PARA O PATIO DE CURITIBA, PASSANDO PELO BAIRRO ALTO DA XV EM CURITIBA.



Postado por Luiz Bassetti em 20/11/2008 18:13
MANUTENÇÃOAUTO DE LINHA COM PESSOAL DA MANUTENÇÃO, QUE PASSA FAZENDO ANOTAÇÕES SOBRE A VIA PARA DEPOIS EQUIPES ARRUMAREM OS TRECHOS DEFEITUOSOS.

sexta-feira, novembro 21, 2008

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS

A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/


Entrevista: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://www.tribunatp.com.br/

http://www.teleresponde.com.br/


Entrevistada: Jussara Maria Siqueira Sansígolo


Jussara conquistou Piracicaba. Piracicaba conquistou Jussara. Jussara dança a vida, para ela dançar é viver. Quase um ritual sagrado. Vivifica a música. A vibração musical desperta nela uma alegria quase ingênua, porém de uma força extraordinária. Pode-se dizer que Jussara explode quando dança. Essa característica foi reconhecida desde os seus três anos de idade. Seu magnetismo pessoal, sua paixão pela dança, transformaram-na, até de forma precoce, em uma personalidade de Piracicaba. Por inúmeras vezes teve convites e oportunidades para integrar a seleta classe de artistas reconhecidos por sua atuação no eixo Rio-São Paulo, o sonho de muitos que aspiram ao estrelato nacional. O que mais fascina em Jussara é sua firmeza de caráter. Sempre soube definir muito bem suas metas e objetivos, algumas vezes até por intuição. Renegou a fama para continuar fazendo o que sempre gostou de fazer: dançar. Sem submeter-se a encilhamentos culturais. Pode-se dizer que se seu espírito para dança é indomável, sua autodisciplina é irretocável. A sua sólida formação moral, adquirida a partir do seu próprio berço, faz de Jussara uma das grandes figuras femininas da nossa época. Jussara nasceu em Piracicaba em 14 de dezembro de 1955, filha da professora Maria Angélica Fernandes Siqueira e do professor Juciê Roberto Siqueira.
A sua vida escolar iniciou-se onde?
Fiz o curso primário no Grupo Escolar Barão do Rio Branco. De lá fui para o Colégio Assunção, em seguida para o Colégio Estadual Dr. Jorge Coury. Em seguida fui fazer o curso de Letras na Unimep.
Com quantos anos você começou a estudar ballet?
Minha mãe colocou-me no curso de ballet quando eu tinha três anos de idade. Existem aulas específicas para crianças com essa idade! Eu me apaixonei pela dança e nunca mais parei, até hoje. A primeira escola em que estudei ballet funcionava na Escola de Música Dr. Ernest Mahle, a minha primeira professora de ballet foi Íris Ast. Depois tive Silvia Hage como professora, ela dava aulas na Societá Italiana di Mutuo Soccorso. Eram professoras de ballet clássico. Depois disso, o ballet em Piracicaba ficou um período estagnado. Não havia professoras dando aulas. Minha mãe dirigindo o seu automóvel passou a me levar para Campinas, na Escola Lina Penteado, íamos uma a duas vezes por semana. Nesse período o Lions Independência passoua trazer de novo o ballet para Piracicaba. Passei a fazer ballet no Lions Independência, que por coincidência tinha um docente da Lina Penteado, que foi meu professor. Foi a primeira escola com grande número de alunos, havia 1.500 estudantes de ballet!
Existe um vinculo entre o ballet de Piracicaba e o de Londres?
Estudei sempre o curso da Royal Academy of London. É um curso em inglês, vem uma pessoa da Inglaterra para realizar os exames. O certificado tem validade internacional. Este ano tenho nove alunos recebendo certificado de Londres, eles fizeram o exame em setembro.
Além do ballet clássico existem outras derivações de danças?
Muitas! O Baby Class para crianças de 3 a 5 anos de idade, o Pré Primary de 5 a 6 anos de idade, o Clássico, o Jazz, Contemporâneo, Flamenco, Dança Espanhola, Dança do Ventre, Dança de Salão, Sapateado, Street Dance. O balett clássico tem suavidade, o flamenco é forte, a dança do ventre é sensual, cada dança tem uma linguagem. O corpo responde á modalidade de dança que está realizando.
Qual é o significado do ballet para você?
Ballet é a minha vida! (risos). Vivi a vida intera com danças, me apresentando em teatros, acho que ballet é primordial para todo mundo, independente da profissão que vá seguir. O ballet, em qualquer das formas que se apresenta é um alicerce para a vida. Faz parte da formação, da disciplina, da postura. Percebem-se facilmente as crianças que fazem ballet daquelas que não fazem. O movimento em si é muito importante para extravasar. Eles passam a serem melhores alunos em outras atividades escolares, fazem uma redação melhor, se expressam melhor.
Há uma grande procura de clinicas psicológicas, psiquiátricas, independente da faixa etária. Se forem dados maiores incentivos para escolas de dança pode haver uma redução nessa busca? (N.J. Após uma pausa, Jussara respira profundamente e responde).
A dança é terapia. Tanto que existe dança terapia. Eu não sou psicóloga. Meu irmão é médico psiquiatra, e em sua clinica conta com uma equipe de quatro psicólogas. Tive a oportunidade de colaborar em um trabalho de dança terapia que foi realizado na clínica. Foi um sucesso! Só não levei adiante esse projeto por absoluta falta de tempo. É um trabalho maravilhoso. As crianças são muito criativas em sala de aula. Possuem leveza. Elas levam isso para casa! É um mundo muito colorido, com muita dança. Além de evitarem possíveis terapias, algumas corrigem a postura corporal. Médicos pediatras e ortopedistas indicam a dança como forma de tratamento. Após quatro a seis meses o resultado é visível. Já tive casos de alunas com Síndrome de Down. Não há necessidade de nenhuma linguagem especial, basta a energia do amor. Elas entrosam sem ter receber algum trabalho diferenciado.
Você tem filhos?
Um casal. Meu filho é apaixonado, ele adora. Quando vê minhas alunas dançando, ou quando me via dançando, ele sempre manifestou muito entusiasmo pela dança. Hoje tenho as minhas obrigações dentro da minha academia, a coordenação e direção da escola, muitos alunos, muitas montagens de apresentações. O bailarino tem que estar dedicado por inteiro. Não tenho como me apresentar em um palco, pensando que determinada aluna precisando da minha atenção. Eu não estaria totalmente como bailarina. Eu não consigo atuar pela metade.
É sua característica pessoal tratar a todas as pessoas, inclusive seus alunos, professores, com a mesma deferência?
A minha escola, Ballet Jussara Sansígolo, tem essa receptividade. As alunas que possuem um padrão financeiro mais elevado sabem que na hora do espetáculo isso não influi em nada. Vou pela arte! Cada um vai buscando seu tempo, seu espaço. São tratados com profissionalismo. Quem entra na minha escola já sabe. Pobre ou não, todos são tratados de forma que se sintam muito bem aqui. Hoje tenho por volta de duas centenas de alunos, sendo que tenho alunas de 3 anos de idade e alunas com mais de seis décadas de vida.
Qual é a proporção entre alunas e alunos?
Existem bem mais mulheres. Existem rapazes freqüentando a escola. Tem um caso bastante interessante, trata-se de um garoto de 11 anos de idade, que os pais o trouxeram sorrindo, com muita alegria por poderem dar essa oportunidade ao filho. Os pais gostam de dança de salão, andaram fazendo dança de flamenco. O menino está realizado. No dia 16 e 17 de dezembro será o primeiro espetáculo em que irá dançar. Essa força grande que ele está recebendo da família é bastante rara. Normalmente eles chegam já na fase adulta, por saberem que gostam de dançar, não se preocupam com a opinião familiar a respeito.
Esse preconceito do homem dançar ballet é uma característica da sociedade latina?
Hoje já diminui muito. Antigamente era um pensamento mundial. A própria mídia define para o indivíduo, segregando o que deve ser exclusivamente feminino ou masculino. Já está diminuindo bastante, mas ainda existe, principalmente com relação ao ballet clássico. O bailarino de flamenco já não sente essa discriminação, é uma dança mais forte, mais determinada. O Street Dance hoje é coreografada, não tem nenhum tipo de discriminação.
A dança pode despertar romantismo entre uma aluna e um aluno?
Existe um bailarino, que hoje é flamenco, mas que já fez ballet clássico na minha escola. Na ocasião ele namorava. Na época eu tinha uma bailarina também clássica. Montei um Pas de Deux (Passo a dois), romântico. Ele não olhava para a bailarina como deveria fazer. Eu dizia: “Marcelo, olha para a Diane com mais vida!”. Ele acabou descobrindo que gostava da Diane. Terminou o namoro com a moça que estava namorando e passou a namorar a Diane! Após doze anos de namoro, ele está com 30 anos de idade e ela com 28, estão na minha escola até hoje e irão casar-se no começo de 2009. E com certeza serei a madrinha! Eu disse que eles deveriam casar-se no palco, esse amor começou na dança! (Risos).
A bailarina tem que estar vigilante quanto a sua alimentação?
Sim, embora eu não deixe em minha escola como uma determinação. Acho que a dança tem lugar para todos. Independente de ser mais cheinho. Para os que pretendem seguir carreira existem limitações. De um modo geral ao faço restrições na minha escola. Eu tento usar uma forma suave para passar a mensagem. Se eles tiverem comendo uma bolacha, pergunto se trouxeram alguma fruta. Percebo que as crianças passam a trazer de lanchinho pêra, maçã. Caso queiram comer bolacha deixo que comam. A dança traz todos os benefícios possíveis, mas se a pessoa não estiver com a cabeça centrada na dança e gostando, a pessoa continuará com seus problemas. A bailarina tem que ter um ideal, sentir-se por completa. Para que isso aconteça cada um tem seu tempo. Cada pessoa tem suas características próprias.
Quanto tempo dura um curso de ballet?
O ballet clássico é longo. Elas entram com 3 anos de idade, e algumas já estão comigo há 10, 12 anos. Algumas delas são minhas professoras. Eu mesma estudo até hoje. Não danço mais faço aulas, existe a reciclagem, os programas mudam. Os professores estão periodicamente participando de cursos. Tem que fazer para saber mostrar.
Você já sonhou que estava dançando?
Muito. Principalmente em véspera de espetáculo, já sonhei que estava dançando, sonhei até que estava caindo no palco! (risos)
Algumas bailarinas podem sofrer alguma queda durante a apresentação?
Isso é mais comum acontecer do que se pensa. Até bailarinas famosas já vi cair no palco do Teatro Municipal de São Paulo. Isso acontece. As bailarinas quando dançam nas pontas dos pés, elas estão usando uma sapatilha que tem um pouco de gesso na extremidade. Hoje já estão lançando novos modelos de sapatilhas. Esse tipo de apresentação pode estar sujeito ao menor desequilíbrio da bailarina.
È verdade que os pés de uma bailarina são de uma aparência um tanto quanto trágica?
Imagine! Nem tanto, só tem um pouco de calinho! (risos).
Qual é o uniforme da bailarina?
Usa-se meia calça, collant, algumas gostam de usar saia. Usa quem quiser. E a sapatilha, que pode ser de couro, lona, couro sintético, no caso de sapatilha para meia ponta. A da ponta é feita de cetim. A bailarina deve usar coque. O cabelo solto atrapalha ao fazer movimentos.
Quantos dias por semana uma aluna tem aulas?
Dois dias por semana com a duração de uma hora cada aula, isso para crianças. A partir de 11 anos de idade passa a ser uma hora e meia cada aula.
Uma pessoa que nunca praticou dança pode se matricular com qualquer idade?
Pode. O ballet não tem limitações. O que acontece é que o curso deve ser voltado para aquela idade. A pessoa não terá o mesmo programa que é dado para uma criança de 3 anos.
Você tem muitas alunas da terceira idade?
Não tenho. Mas trabalhar com crianças e com pessoas da terceira idade é uma das minhas paixões.
A mulher está mais sujeita a osteoporose, a dança contribui para que a perda de cálcio seja menor?
Contribui. A dança propicia o fortalecimento, isso não significa que a partir de certa idade a pessoa não irá necessitar a ingestão de medicamentos que reforcem o teor de cálcio em seu organismo. A atividade física fixa mais o cálcio. Acho que com a idade as bailarinas irão cair e quebrarem. Não irão quebrarem e cair! (muitos risos).
Você desfilou no carnaval de Piracicaba?
Saí por vários anos. Isso aconteceu nos anos 1974, 1975 a 1976. Eu estava na minha casa, era só dançava ballet clássico, meu tio Waldomiro Lopes, e convidou para participar do desfile. A princípio considerei a proposta fora de propósito, até que pela insistência dele eu concordei desde que eu dançasse do meu jeito, sem regras. A dança para mim vem de dentro. Fui até a concentração da escola, aquele som era muito gostoso. Comecei a dançar com um pouco de coreografia, jogava minhas mãos, meus cabelos.
Baixou o samba em você?
Jussara responde rindo muito: “É bem por aí!”. Aquela cuíca. Aquele som me emocionava. A única condição era de que eu saísse na frente da bateria, eu queria aquele som muito próximo. Gravei um pedaço do ritmo da escola e saí á procura de discos de escolas de samba do Rio de Janeiro. Comprei todos que encontrei. Pensei nos atributos que uma pessoa tem que ter para sair desfilando na rua. O visual, cabelo, corpo, cor e resistência. Ia até o Clube de Campo de Piracicaba, nadava, tomava o sol da manhã. As 10 horas eu vinha colocava o disco da escola de samba do Rio e ficava dançando até ao meio dia. Das duas horas até as cinco horas da tarde eu dançava de novo. Minha mãe e meu pai ficavam admirados! Isso foi dos meus 15 aos meus 18 anos de idade. Eu olhava na televisão e via as pessoas que desfilavam no Rio de Janeiro quase sem roupa. Pensava, eu quero ter uma roupa que tenha muito brilho, quero ter um anel com pedras que brilhem em meu dedo. Minha mão bordava a minha roupa cheia de pedraria. Eu usava sapatilha, na época o pessoal saía muito de salto alto. Quando desfilei foi uma sensação. Foi notícia em de primeira página em todos os jornais da cidade.
Você lembra-se do trajeto do carnaval?
Os primeiros desfiles desciam a Rua Governador, entrava na Rua Prudente de Moraes, passava em frente ao cinema Politeama e subia pela Rua Boa Morte. Só que na época não existia tempo determinado para que a escola desfilasse. A escola que estava na frente sacrificava a escola que vinha atrás. Permanecia o tempo que queria em frente a arquibancada do júri. Cheguei a passar as três horas da manhã em frente ao júri, sendo que tinha começado a sambar as 10 horas da noite! Olhe a resistência que era necessária!






Free Counter

terça-feira, novembro 18, 2008

Passeio virtual pela Roma antiga

Novo programa do Google permite passeio virtual pela Roma antiga
San Francisco, 12 nov (EFE).- Passear pelo Coliseu Romano ou pelo Ludus Magnus sem sair de casa já é possível graças a uma ferramenta lançada hoje pelo Google que permite viajar no tempo -virtualmente- até a antiga Roma.O Google apresentou hoje Ancient Rome 3D para Google Earth, uma aplicação que recria em três dimensões 6.700 edifícios da Roma Antiga para que os usuários a percorram ou descubram seu interior como era no ano 320 durante o mandato do imperador Constantino.Entre os monumentos que se incluem estão as Basílicas de Julia e a de Maxentius, o Arco de Constantino ou o Ludus Magnus, onde treinavam os gladiadores e do que hoje só ficam ruínas.O programa, que pode ser baixado gratuitamente na Internet a partir de hoje, oferece também informação detalhada sobre muitos dos edifícios, elaborada por historiadores.A aplicação foi possível graças a uma cooperação do Google, as universidades da Califórnia em Los Angeles e o Instituto de Tecnologia Avançada para Humanidades da Universidade da Virgínia."Esta conquista demonstra como a tecnologia pode ajudar a promover a cultura e a disseminar o conhecimento", escreveu Gianni Alemanno, prefeito de Roma, no blog corporativo do Google."A idéia de que a tecnologia virtual permite às pessoas experimentar a cidade como era no ano 320 A.C. me enche de orgulho, um orgulho que herdei do glorioso passado de Roma", acrescentou.Paralelamente, Google lançou um concurso para professores de ensino fundamental e médio nos EUA a fim de que utilizem o Ancient Rome 3D como ferramenta educativa.



Free Counter

domingo, novembro 16, 2008

TroopTube

Um ano e meio depois de restringir o acesso dos soldados ao YouTube e páginas similares, o Exército americano lançou um de compartilhamento de vídeos criado especialmente para eles. O TroopTube.




Free Counter
Depois de virar piada na TV, Sarah Palin se transformou no centro de uma grande farsa na internet. Logo após o pleito que elegeu o democrata Barack Obama, no início de novembro, o canal conservador Fox News afirmou, com base em uma fonte anônima da campanha de John McCain, que a candidata a vice-presidência pelo Partido Republicano não sabia que a África era um continente. No início da semana, o âncora David Shuster, da MSNBC, desmascarou a fonte. "Tratava-se de Martin Eisenstadt, um assessor de McCain, que se identificou hoje como a fonte do vazamento", afirmou.
Há apenas um problema: Martin Eisenstadt não existe. Seu
blog existe, mas ele não – apesar de, no blog, ele negar que não exista. O think tank onde ele trabalharia, o Instituto Harding para Liberdade e Democracia, também não passa de um sítio de internet. Os vídeos onde ele aparece no YouTube são falsos.
Lição
Eisenstadt é uma farsa muito bem elaborada que vem sendo posta em prática há meses. A MSNBC, que rapidamente corrigiu o erro, não errou sozinha: a revista New Republic e o jornal Los Angeles Times foram alguns dos veículos que também caíram na armadilha. Agora, uma dupla de cineastas desconhecidos alega ter criado Martin Eisenstadt para ajudá-los a lançar um programa de TV baseado no personagem. Eitan Gorlin – que interpreta o assessor nos vídeos – e seu parceiro Dan Mirvish dizem que não são a fonte dos vazamentos sobre as gafes de Sarah Palin; apenas assumiram a responsabilidade para chamar a atenção.
Os dois culpam a mídia e, em especial, a blogosfera pela facilidade que tiveram em armar a farsa. "Com o ciclo de 24 horas das notícias, eles absorvem tudo o que conseguem achar pela frente", diz Mirvish. Jeremy Gaines, porta-voz da MSNBC, explicou que o erro da emissora ocorreu porque alguém da redação recebeu a história em uma mensagem de e-mail de um colega e achou que as informações haviam sido verificadas. "[O conteúdo da mensagem] Não havia sido avaliado", diz Gaines. "Não devia ter ido ao ar."
Mais do que os veículos tradicionais, as maiores vítimas de Eisenstadt foram os blogueiros, que caíram no conto das informações falsas apesar de alertas na própria internet sobre o suposto assessor – inclusive uma investigação online por parte de um blogueiro que tentou, a todo custo, desacreditá-lo.
Plano sofisticado
A farsa teve início no ano passado, com vídeos curtos sobre um manobrista de carros – que era a idéia original da dupla para o programa de TV. Em vídeos posteriores – que atraíram dezenas de milhares de visitas online, e pouca atenção da mídia –, o personagem aparecia dirigindo e soltando elogios sem sentido ao político republicano Rudolph Giuliani.
Quando Giuliani abandonou a corrida presidencial, o personagem foi transformado em Eisenstadt, uma paródia a comentaristas políticos nas emissoras de TV a cabo. Ele logo se tornou assessor de John McCain e ganhou um blog, atualizado com supostos comentários de dentro da campanha, e outros blogueiros começaram a reproduzir seu conteúdo. O Instituto Harding também foi inventado.
Gorlin e Mirvish ainda produziram um pequeno documentário "da BBC", em vídeos postados no YouTube, no qual Eisenstadt aparecia como convidado. Em julho, quando a campanha de McCain comparou Barack Obama à socialite Paris Hilton, o falso assessor afirmou em seu blog que o telefone estava "queimando" no escritório republicano, com ligações irritadas do avô de Paris. O blog político do Los Angeles Times estava entre os que morderam a isca e reproduziram a história, citando Eisenstadt e colocando um link para sua página.
O blogueiro William K. Wolfrum foi quem seguiu as mentiras de Eisenstadt pela internet e, por diversas vezes, derrubou suas alegações. Gorlin e Mirvish elogiam sua persistência, e dizem que a mídia tradicional poderia aprender umas lições com ele. "Como se já não houvesse desinformação demais nesta eleição, foi chocante ver tanto tempo perdido com coisas que não existiam", afirmou Wolfrum em entrevista. Mas como saber se o blogueiro realmente existe e não é, na verdade, parte da farsa? "É, esta é uma pergunta difícil", responde. Informações de Richard Pérez-Peña [The New York Times, 13/11/08].






Free Counter
COLUNET - PIRACICABA ANO I NÚMERO 2


DOCENTE DO CENA É PREMIADO NO JAPÃO


Juntamente com pesquisadores de universidades do Japão, Venezuela, Espanha, Portugal, Estados Unidos, Tailândia, República Checa, Alemanha e Reino Unido, Elias Ayres Guidetti Zagatto, docente do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA), foi homenageado em Nagoya (Japão), pela Japanese Association for Flow Injection Analysis, entidade responsável pela outorga do FIA Honor Award for Science.

De Nagoya, onde participou da 15th International Conference on Flow Injection Analysis and Related Techniques e do 25º aniversário da associação japonesa, no período de 28 de setembro a 3 outubro, Zagatto trouxe diploma e medalha de mérito científico, honrarias que são concedidas àqueles que se destacam pela atividade científica na área de fluxo.

Perguntado sobre sua recente conquista declara - “compartilho esse prêmio com colegas, funcionários, alunos e colaboradores do CENA que, de alguma forma, contribuíram para o desenvolvimento das pesquisas na área de automação em Química Analítica nestes últimos 25 anos”.

O pesquisador
Engenheiro Agrônomo pela Universidade de São Paulo (1971), mestre em Energia Nuclear na Agricultura pela Universidade de São Paulo (1974) e doutor em Química Analítica pela Universidade Estadual de Campinas (1981).

Atualmente é professor titular do Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo e membro titular da Academia Brasileira de Ciências. Suas atividades de pesquisa contemplam principalmente o projeto e desenvolvimento de sistemas de análises químicas em fluxo, com aplicações nas áreas agronômica, ambiental, farmacêutica e industrial.





Free Counter

sábado, novembro 15, 2008

Foto by J.U.Nassif ALEXANDRE SARKIS NEDER






PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS











Foto by J.U.Nassif FOTO PARCIAL DA FACHADA DA SBSL



A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/


Entrevista: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:




http://www.tribunatp.com.br/

http://www.teleresponde.com.br/

Entrevistado: Alexandre Sarkis Neder



A Sociedade Beneficente Sírio-Libanesa de Piracicaba tem como lema “A União Faz a Força”, conforme cita o Prof. Dr. Elias Salum, em seu livro “Sua Gente E Sua História”, lançado em 2002, ano de comemoração do centenário dessa instituição. O jornalista e apresentador de televisão Alexandre Sarkis Neder é atualmente presidente da instituição. Com propósitos inovadores e arrojados, Alexandre Neder ao mesmo tempo em que preserva as memórias da SBSL, visualiza o presente e o futuro, inovando com a inclusão digital, ações sociais voltadas para a comunidade piracicabana, formulando projetos de obras de grande envergadura. O artista da televisão piracicabana é bastante conhecido do público, apresentando o Programa Neder Especial, desde 1999. O presidente Alexandre e seus diretores são depositários da credibilidade adquirida pela SBSL nesses mais de 100 anos de existência, que abriga entre seus associados muitos nomes de expressão local, nacional e até internacional. Uma responsabilidade e tanto!

Alexandre Neder você nasceu em Piracicaba?
Nasci em Piracicaba, no dia 30 de janeiro de 1969.
Qual é o nome dos seus pais?
Sou filho do Prof. Doutor Antonio Carlos Neder e da Professora Jamile Sarkis Neder.
Quando iniciou seus estudos?
Guardo até hoje a lembrança da minha primeira escola, a Escola Nova Recanto Infantil. Depois fui para o hoje denominado Colégio Salesiano Dom Bosco Assunção, depois fui para o Barão do Rio Branco e Colégio Piracicabano. Fiz o curso de jornalismo na Unimep. Sempre tive uma relação maior com a área central da cidade. Meus estudos foram feitos por aqui.
Como é realizar um programa na televisão?
O Programa Neder Especial teve o seu início ao surgir uma oportunidade junto á televisão local. Sempre tive vontade de realizar um programa de televisão. Em 1999 eu vinha de uma transição profissional, tinha terminado a minha etapa de oito anos no jornal O Democrata. Reuni um grupo de amigos, montamos uma pequena produtora e passamos a fazer o programa. É interessante observar que ao iniciar o projeto, temos como parâmetros um conceito pré-formulado. Ao colocar em execução esse projeto, há uma mudança no critério de quem executa o programa, há uma mudança no critério do programa. Em 1999 o Programa Neder Especial tinha um formato, hoje ele está bastante diferente, evoluiu, identificou-se com os anseios da cidade. O telespectador ao ligar a televisão procura um programa que seja do seu agrado. As críticas sempre foram muito importantes para realizarmos uma sintonia mais precisa com o público.
Qual é a linha do Programa Neder Especial?
Hoje a linha do programa tem algumas vertentes diferenciadas. No início o programa tinha um olhar jornalístico. Eram feitas entrevistas mais pesadas, entrevistas de fundo, que esmiuçavam o entrevistado. Ainda fazemos entrevistas dessa natureza, mas não é uma constante de todos os programas que apresentamos. Anteriormente eu via essa característica como sendo obrigatória para a apresentação do programa, uma pauta com conteúdo mais jornalístico. Alteramos esse conceito. Hoje abrimos para a cobertura de eventos, embora a formação como jornalista seja bem acentuada ao apresentarmos um entrevistado. Embora estejamos falando sobre a festa que está sendo realizada, acabamos formulando perguntas de cunho político, social ou econômico, com abrangemos assuntos que não se restringem apenas a festa em si. Realizamos também as entrevistas jornalísticas, feitas em estúdio ou externa. Há muita matéria relacionada com a área de saúde, um aspecto que considero muito importante para que seja abordado pelos meios de comunicação. Quando é aberto um espaço para o especialista comunicar-se é prestado um grande serviço á comunidade. Infelizmente para grande parte da população não há uma cultura de prevenção de doenças. Ao ver um profissional abordando certas características de determinada doença, o portador da mesma identifica-se pelos sintomas que são apresentados. Há a conscientização, ela então procura um médico. Esse sacerdócio do jornalismo deve ser mantido e levado á frente.
Quantos profissionais compõem a equipe que realiza o programa?
A equipe é composta por um número de seis pessoas permanentes: o apresentador, o editor, a pessoa que faz a pós-produção, cinegrafistas. Há ainda uma jornalista que é produtora, participa das formulações de pauta. Dependendo do evento que será realizado, do projeto editorial, existem programas que são bem diferenciados, nesses casos há a necessidade de agregarmos mais profissionais para realizarmos a contento a nossa tarefa. Com isso a nossa equipe de trabalho passa a ser uma parte da nossa família. É uma outra família. Muitas emoções são divididas pelo grupo, com isso um passa a fazer parte da história do outro.
Fazer televisão no interior é uma tarefa arrojada?
Acredito que fazer televisão no interior é uma missão além de arrojada também heróica. Não falo apenas por mim. As dificuldades são muito grandes. Quando alguém de um centro maior, como São Paulo, como por exemplo, a pessoa fica assustada com os preços que praticamos, são valores extremamente acessíveis. Desperta também a atenção do visitante a nossa criatividade para driblar dificuldades técnicas. Eu considero que no interior fazemos televisão inda de uma forma mais poética. Isso apesar de estarmos a cada dia aprimorando o nosso trabalho com o uso de equipamentos de ponta, agregando sempre as novas tecnologias.
Qual é o publico que você atinge hoje?
A TV Beira Rio tem uma abrangência muito grande na cidade. Primeiro pela tradição. Pelo fato de ser a primeira TV da cidade. Outro fator é que com o passar dos anos, consolidou-se como uma emissora de programação bastante diversificada. Tem um jornalismo atuante. Quando é feito um projeto de divulgação pelo anunciante são imediatamente lembrados de alguns veículos de comunicação, considerados básicos. A TV Beira Rio está entre esses veículos. É uma televisão de grande penetração. Principalmente por usar o sistema UHF de transmissão. Ela não está só na TV a cabo. O fato de estar sendo utilizado o sistema UHF fica mais difícil estabelecer um limite de até onde a televisão atinge. Isso é gostoso. Já tive a experiência de visitar bairros mais afastados do centro da cidade, e fiquei surpreso com o número de pessoas que assistem a TV, no caso, particularmente o nosso programa. Fatos que de início consideramos que não seriam tão importantes para determinadas regiões da cidade, nesses contatos percebemos o quanto eles eram valorizados pelos moradores locais. Há uma carência de informações locais. Hoje atingimos não só a classe formadora de opinião, mas principalmente estamos chegando a camadas mais populares. Isso não é um aspecto só do meu programa, mas da TV Beira Rio com sua grade de programação. Isso é conseqüência de um trabalho fundamentado em propostas de prestação de serviços e de uma grande variedade de programas que são apresentados.
Cada programa apresentado tem quanto tempo de duração?
Ele tem no mínimo uma hora de duração. Pode ultrapassar cinco ou dez minutos. Já tivemos programas especiais de até duas horas de duração.
É fundamental para a existência do programa que ele tenha patrocínio, como é tratada essa questão?
No início, quando comecei a fazer o programa o patrocínio funcionava de um jeito. Hoje tem outras características. Para lançar um produto são inúmeras as dificuldades. No início é muito difícil. Depois fica só difícil! O nosso patrocínio tem diversos formatos, como a vinheta de trinta segundos, que é um patrocínio mais tradicional, Fazemos o merchandise, onde destacamos um produto, uma empresa. A reportagem comercial tem uma grande aceitação por parte do lojista, do comerciante. Tem características informativas de cunho comercial. Com aspectos de informação jornalística e não de informe publicitário. É uma diferenciação que atingimos com anos de experiência.
Nos tempos de rádio, você narrou partidas de futebol?
Fui repórter de campo da Rádio Difusora de Piracicaba. Eu cobria sempre o adversário do XV de Novembro. O Roberto de Moraes cobria o XV. Isso foi na época em que o XV disputava o campeonato paulista da primeira divisão e o campeonato brasileiro da segunda divisão. A diversidade de jogadores de outras equipes obrigava a ter um lembrete do número da camisa do jogador e o seu nome. Isso enquanto ele está usando o uniforme. A entrevista feita no vestiário, com o atleta sem o número correspondente, exigia certo malabarismo, particularmente aqueles de clubes de localidades distantes, como por exemplo, de Belém do Pará. Nessa hora o repórter tinha que usar de muita habilidade para abordar o atleta com seu respectivo nome. Isso tudo sendo transmitido ao vivo. Em campo, o repórter podia ser abordado por torcedores, que da arquibancada exibiam os mais diversos tipos de comportamentos, inclusive agressivos. Principalmente aqueles torcedores embalados por ingestões de bebidas alcoólicas.
O ouvinte de uma transmissão pelo rádio nem sempre percebe o que de fato está ocorrendo no estúdio. A televisão é uma janela instantânea, onde tudo é perceptível, inclusive as falhas?
Na televisão o apresentador tem que ser mais objetivo e ao mesmo tempo não há espaço para mudar uma pergunta. No rádio há mais improviso. Na TV por causa da imagem é quase inexistente certo tio de improviso do qual o rádio se utiliza. Até certo ponto, na transmissão pela TV é possível consertar alguma falha, depois desse limite não há como. Isso na transmissão feita ao vivo.
Além das celebridades locais e regionais, você já entrevistou artistas de renome nacional?
Posso citar um caso muito curioso. Gravei uma entrevista com Cauby Peixoto no Hotel Antonio’s, em Piracicaba. Foi uma entrevista muito interessante. Um artista do quilate de Cauby Peixoto mostrou ser extremamente profissional, valorizando mais ainda sua imagem. A atenção que ele dedicou ás nossas perguntas, sem usar da sua condição de astro reconhecido para impor qualquer tipo de restrição ao teor e á duração da entrevista. Isso não é muito comum quando abordamos pessoas desse nível.
Você conseguiu desvendar o grande segredo de Cauby Peixoto, a sua idade?
Isso eu não consegui! Ele não conta para ninguém.
Além do Programa Neder Especial, uma outra atividade que você exerce é a presidência da Sociedade Sírio-Libanesa de Piracicaba?
Hoje eu exerço a minha atividade na televisão e a administração da Sociedade Beneficente Sírio- Libanesa. Assumimos no dia 24 de janeiro desse ano, com nossa diretoria. Felizmente estamos conseguindo cumprir a nossa programação. Estamos colocando novas propostas não só para o associado, mas também á serviço da cidade. Estamos fazendo com que a palavra que integra o nome da nossa sociedade, Beneficência, torne-se cada vez mais presente. Todos os eventos que realizamos esse ano tiveram um caráter social, beneficente. Além de ser uma entidade que congrega os sírios e libaneses de Piracicaba, tem que colaborar na construção de uma cidade mais justa e inclusiva.
Recentemente foi anunciado um projeto próprio da SBSL de inclusão digital?
É um projeto que temos muita alegria em realizá-lo. O nosso prédio é pequeno. Desde a gestão passada há a intenção de adquirir-se um novo local. Esperamos nessa gestão concretizarmos a aquisição de mais um prédio. O objetivo é realizar atividades com um número maior de pessoas, aumentarmos o atendimento. Nesse momento a nossa intenção é de deixar o prédio atual extremamente ocupado, e com caráter beneficente. Conseguimos dispor de um espaço onde construímos uma sala aparelhada com computadores, criamos ali o Centro de Inclusão Digital e Ensino Profissionalizante. Trabalhamos em parceria com algumas empresas da cidade e com professores de informática. A prioridade é o atendimento para os adolescentes da Casa do Bom Menino.
Esse centro pode ser usado pelo associado?
Um fato que chama a atenção é de termos pessoas com idades acima de 70, 80 anos, que descobriram a internet e estão mudando as suas vidas. Estão tendo um prazer a mais. Estão realizando a comunicação instantânea, com voz e imagem, com seus parentes do exterior. Isso contrasta com a realidade existente há algumas décadas, onde comunicar-se com um parente no exterior envolvia a espera de determinada hora do dia, e um custo bastante elevado.









Free Counter
Fotos by J.U.Nassif PROFESSORAS CLEMÊNCIA PIZZIGATTI E JOANA FALANGHE

MIGUEL SALLES RECEBENDO TIA ZEZÉ E COMITIVA



MURAL








COLUNET- PIRACICABA








EDIÇÃO NÚMERO I








POR J.U.NASSIF
A PROFESSORA E ARTISTA PLÁSTICA CLEMÊNCIA PECORARI PIZZIGATTI reuniu uma centena de amigos em um alegre pic-nic realizado nas antigas dependências (hoje desocupadas) do Restaurante Mirante em Piracicaba. Com muitos comes e bebes, bom papo, foi uma tarde de muita alegria. O evento foi capitaneado pelo incansável MIGUEL SALLES, sempre com muita determinação no que se propõem a fazer. O PAINEL DO MIRANTE é um projeto de autoria de CLEMÊNCIA PIZZIGATTI. Os amigos foram até lá para recordar(muitos dos presentes participaram da confecção do mesmo).






Tropas alemãs bebem 1 mi de l de cerveja por ano

Tropas alemãs bebem 1 mi de l de cerveja por ano Fontes militares informaram que as tropas alemãs no Afeganistão receberam cerca de 1 milhão de litros de cerveja no ano passado, além de 70 mil litros de vinho e Sekt (um espumante germânico). Os dados foram divulgados neste sábado pelo jornal The Guardian. Os números chocaram o país, onde é cada vez mais difícil recrutar soldados. De acordo com o jornal, está seria uma das maneiras de mantê-los nas áreas de combate. Os números sugerem que os 3,6 mil soldados alemães no Afeganistão consumam 278 litros de cerveja cada por ano. As tropas britânicas são autorizadas a consumir apenas pequenas quantidades de álcool, enquanto as americanas são absolutamente proibidas de ingerir bebidas alcoólicas. O Ministério da Defesa alemão reagiu friamente à informação, dizendo que o consumo está dentro do permitido. Thomas Raabe, porta-voz do ministério, disse que as bebidas não são consumidas exclusivamente por soldados, mas também por polícia alemã, diplomatas e jornalistas.




Free Counter

SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE



O Tricolor do Morumbi, como conhecemos hoje, nasceu em 1935, mas a paixão de um grupo de paulistanos pelo esporte vem de antes. Mais precisamente do último ano do século XIX, em 1900, quando foi fundado o Clube Atlético Paulistano.
O Paulistano era o "bicho-papão" do início do século. Jogar contra o time de Friedenreich era um orgulho, e o time ia freqüentemente ao interior atendendo a convites. Também foi a primeira equipe a fazer uma excursão à Europa, em 1925. Contudo, o clube não aceitava que seus jogadores se profissionalizassem, e resolveu acabar com o departamento de futebol para não abandonar a Liga amadora à qual pertencia.
E o que fazer com a paixão dos sócios aficionados por futebol? O mesmo problema tinha acabado com o futebol da Associação Atlética das Palmeiras (clube alvinegro que só tem o mesmo nome dos rivais do tricolor). E em 1930, nasceu o São Paulo da Floresta, com jogadores e as cores vermelha e branca vindos do Paulistano (cracaços como Araken, Friedenreich e Waldemar de Brito), e com o branco e o negro cedido pelo A.A. Palmeiras. Da união, também veio o nome: São Paulo da Floresta. O primeiro presidente do São Paulo da Floresta foi eleito pelos sócios: o dr. Edgard de Souza.
No mesmo ano, um vice-campeonato já dava sinais da glória destinada ao clube. E na temporada seguinte, chegaria o primeiro troféu, com Nestor (Joãozinho); Clodô e Barthô; Milton, Bino e Sasse; Luizinho, Siriri (Armandinho), Fried, Araken e Junqueirinha, e Rubens Salles de técnico. E em 1933, o São Paulo da Floresta bateria o Santos por 5 x 1 na primeira partida de futebol profissional do Brasil.
Só que devido a uma pendência financeira pela compra de uma sede na rua Conselheiro Crispiniano - um palacete chamado de Trocadero - o São Paulo da Floresta se complicou com dívidas e viu-se obrigado a procurar uma fusão com o Tietê, que determinou que não se usassem cores, uniformes e vários outros símbolos do São Paulo da Floresta. E no dia da extinção oficial do clube - 14 de maio de 1935 - o amor de alguns sócios pela entidade manteve-a viva criando o nosso São Paulo de hoje. Em 4 de junho daquele ano, nascia o Clube Atlético São Paulo, que em 16 de dezembro, passaria a ser o São Paulo Futebol Clube.
Manoel do Carmo Meca foi o primeiro presidente e os outros fundadores do Mais Querido foram: Cid Mattos Viana, Francisco Pereira Carneiro, Eólo Campos, Manoel Arruda Nascimento, Izidoro Narvais Caro, Francisco Ribeiro Carril, Porphírio da Paz, Eduardo Oliveira Pirajá, Frederico A G. Menzen, Francisco Bastos, Sebastião Gouvêa, Dorival Gomes dos Santos, Deocleciano Dantas de Freitas e Carlos A. Azevedo Salles Jr.

terça-feira, novembro 11, 2008

SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS




Palestra Itália(Palmeiras) fundado em 1914



A fundação do Palestra Itália
O Palestra Itália foi fundado em 26 de Agosto de 1914, por membros da colônia italiana da cidade de São Paulo, especialmente funcionários das Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo. O intuito era de o clube unir todos os imigrantes italianos sob uma única bandeira e que, ao mesmo tempo, representasse o enorme contingente italiano já existente na cidade de São Paulo, no campeonato oficial de futebol.A formação de um clube de futebol foi simpático ao cônsul italiano, que via naquela nova entidade um meio de informar a todos italianos que agora havia uma só Itália, reunificada no final do século XIX. Os principais idealizadores da fundação do clube foram; Luigi Cervo, Luigi Marzo, Vicente Ragognetti e Ezequiel Simone (que foi designado seu primeiro presidente).Em 24 de Janeiro de 1915, o Palestra Itália disputa a primeira partida de futebol de sua história, e vence a equipe do Savóia, em Votorantim, por 2 a 0, com gols de Bianco e Alegretti. Logo nesta primeira partida, o Palestra Itália conquista seu primeiro troféu, a "Taça Savóia". No ano de 1916, o Palestra Itália consegue a vaga no campeonato paulista da APEA (Associação Paulista de Esportes Atléticos). A notícia da entrada do Palestra Itália no Campeonato Paulista oficial foi comemorada entusiasticamente pelos italianos e descendentes. A estréia no campeonato aconteceu no dia 13 de maio de 1916, no Estádio da Chácara da Floresta, contra a A.A Mackenzie College . O resultado desta primeira partida oficial foi empate por 1 a 1. Jogaram pelo Palestra: Fabrini; Grimaldi e Ricco; Fabbi II, Bianco e De Biase; Gobbato, Valle, Vescovini, Bernardini e Cestari. O gol palestrino foi marcado por Valle. Em 1917, a equipe se reforça, com alguns jogadores vindos do Ruggerone, clube do bairro da Lapa, e outros vindo do futebol do interior de São Paulo, e já no seu segundo campeonato, o Palestra Itália termina na segunda colocação.Neste campeonato acontece o primeiro confronto com aquele que se tornaria, ao longo da história, o seu maior rival, o Sport Club Corinthians Paulista. Na primeira partida desta história, o Palestra vence por 3 a 0 . Os três gols foram marcados pelo atacante Caetano Izzo. O ano de 1920 foi importantíssimo para a história Palestrina. O clube compra, por 500 contos de réis, o Estádio do Palestra Itália, incluindo todo o terreno da área social. Neste mesmo ano, conquista o seu primeiro título de campeão estadual, batendo o então poderoso Paulistano, por 2 a 1, em partida extra, já que ambos terminaram o campeonato com o mesmo número de pontos.



SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA











Corinthians fundado em1910



FUNDAÇÃO» Um grupo de homens de vida humilde - os pintores de casa Joaquim Ambrósio, Antônio Pereira e César Nunes; o sapateiro Rafael Perrone; o motorista Anselmo Correia; o fundidor Alexandre Magnani, o macarroneiro Salvador Lopomo, o trabalhador braçal João da Silva e o alfaiate Antônio Nunes - decidiram fundar o seu próprio clube de futebol. No dia 01 de setembro, à altura do número 34 da Avenida dos Imigrantes (atual José Paulino), no Bom Retiro, eles se reuniram e redigiram o primeiro estatuto do clube. Faltava apenas financiamento para o sonho se realizar. Foi aí que Miguel Bataglia entrou em cena. Bataglia era um requintado alfaiate; aceitou participar e foi oficialmente nomeado o primeiro presidente.» O clube já tomava uma cara, mas faltava o nome. As idéias passaram por Santos Dummont, Carlos Gomes e até Guarani, mas nenhuma delas foi escolhida. Foi então que Joaquim Ambrósio sugeriu homenagear o famoso time inglês que fazia uma excursão pelo país: o Corinthian Casuals Football Club. O clube que se tornaria o mais querido do Brasil já tinha nome. A torcida e a imprensa chamavam a equipe de Corinthian’s Team. Assim, a letra "s" foi acrescentada ao nome, e o clube ganhou o elegante nome Corinthians. Os primeiros jogos» A estréia aconteceu dez dias após a fundação, em 10 de setembro de 1910. O adversário era o União da Lapa, uma respeitada equipe da várzea paulistana. Jogando fora de casa e esperando levar uma goleada, o Corinthians já mostrava que não estava para brincadeiras, e jogando com muita raça, acabou perdendo por apenas 1 a 0.» Foi apenas um deslize. Quatro dias depois, o Corinthians já mostraria que nasceu para vencer: 2 a 0 sobre o Estrela Polar. A honra do primeiro gol coube ao atacante Luís Fabi, que assim entrou para a história do clube. Depois disso, foram dois anos de invencibilidade.» Com os bons resultados e o crescimento da torcida - que desde sempre já se mostrava fiel e fanática - o Timão passou a pleitear uma vaga no Campeonato Paulista. A Liga Paulista resolveu conceder uma chance, mas o Corinthians teria que disputar uma eliminatória. Não deu outra: dois jogos, duas vitórias - 1 a 0 no Minas Gerais e 4 a 0 no São Paulo do Bexiga - e o passaporte carimbado para disputar o Paulistão.» Na primeira partida oficial, o Timão tropeçou no Germânia, perdendo por 3 a 1. Mas Joaquim Rodrigues escreveu seu nome na história do Corinthians como o autor do primeiro gol em partidas oficiais. O Coringão acabou seu primeiro Paulista em 4o. lugar.» Em 1914, começava a hegemonia: no segundo Campeonato Paulista que disputou, o Corinthians não deu chance para os adversários. Uma campanha arrasadora, com dez vitórias em dez jogos, 39 gols marcados e goleadas para todos os lados. Neco (12 gols) ainda se sagrou o artilheiro da competição.» Começava assim a história futebolistica do Sport Club Corinthians Paulista.





Programe-se desde já ! Feriados 2009 - Brasil
01/01/09 **quinta-feira** Confraternização Universal* *
20/01/09 **terça-feira** São Sebastião (RJ)* *
23/02/09 **segunda-feira** Carnaval* *
24/02/09 ** terça-feira** Carnaval* *
10/04/09 **sexta-feira** Paixão de Cristo* *
21/04/09 **terça-feira** Tiradentes* *
01/05/09 **sexta-feira** Dia do Trabalho* *
11/06/09 ** quinta-feira** Corpus Christi* *
09/07/09 **quinta-feira Revolução Constitucionalista (SP)
07/09/09 **segunda-feira** Independência do Brasil* *
12/10/09 **segunda-feira** Nossa Sra Aparecida - Padroeira do Brasil* *
02/11/09 **segunda-feira** Finados* *
15/11/09 domingo Proclamação da República* *
20/11/09 **sexta-feira ** Zumbi/Consciênciência Negra* *
25/12/09 **sexta-feira** Natal* *
Total: 13 Feriados (em dias úteis)* *
by ACB.

Charge do Correio Braziliense

LULA E OBAMA




Free Counter

segunda-feira, novembro 10, 2008

Noedy Perecin
Foto by J.U.Nassif


PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS

A Tribuna Piracicabana
http://www.tribunatp.com.br/


Entrevista: Publicada no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://www.tribunatp.com.br/

http://www.teleresponde.com.br/

Entrevistado: NOEDY PERECIN


Utilizando a madeira como matéria prima, Noedy Perecin realiza verdadeiras obras de arte. Por muitos anos teve sua indústria trabalhando em larga escala, fabricando móveis, e peças que exigiam qualificação técnica na sua produção. Após aposentar-se, mostrou a sua verdadeira veia artística, realizando inclusive importantes obras de restauro em objetos de madeira. Em suas mãos a madeira torna-se dócil ao seu espírito criativo. Constituiu sua família, casando-se com a professora, pesquisadora e historiadora Dra. Marly Therezinha Germano Perecin com quem teve filhos. Noedy Perecin nasceu no dia primeiro de abril de 1934, estando hoje com 74 anos. Filho de Augusto Perecin, nascido em Rafard e Laudicéia Ferreira Perecin, natural de Itu.
O senhor é natural de Piracicaba?
Sou piracicabano. Nasci na Rua do Rosário, em frente á Escola Industrial. Aos seis anos de idade mudei-me para a Rua 13 de Maio, onde hoje está o prédio construído por Luciano Guidotti. Depois mudei para a Rua Voluntários de Piracicaba. Na época as ruas aqui eram ainda sem qualquer tipo de calçamento. Chão de terra. Tempo em que passava o bonde, havia o trem que ia para São Pedro, Santa Maria da Serra. Tomávamos o trem na estaçãozinha velha e ia até a Vila Rezende. Onde hoje é a Avenida Armando Salles, corria a céu aberto o Ribeirão Itapeva. Nós dávamos um pulinho lá para nadar, bebíamos a água do Itapeva! Para atravessar o córrego havia diversas pontes: nas ruas: Voluntários, 13 de Maio, Prudente de Moraes, Moraes Barros. Quando o Stolf montou a fábrica de cerveja foi construída a ponte da Rua XV de Novembro.
O senhor realizou seus estudos em que escola?
O grupo escolar eu fiz no Moraes Barros. Depois estudei no Colégio Piracicabano.
Em frente ao Grupo Escolar Moraes Barros havia uma fábrica de refrigerantes, o senhor a conheceu?
Conheci! Nós íamos até lá para assistir as garrafas estourarem! Na esquina das Ruas do Rosário e Voluntários havia uma vendinha onde tinha puxa-puxa, rapadura com coco, rapadura com amendoim coisinhas do tempo antigo. Era a vendinha do Bento Chulé.
Além do senhor seus pais tiveram mais filhos?
Tenho mais duas irmãs, Dionete Ferreira Perecin de Magalhães Gomes e Vera Lúcia Perecin Galesi.
Inicialmente onde a família do senhor estabeleceu as atividades comerciais?
Na Rua 13 de Maio, José Pinto de Almeida e Avenida Armando Salles de Oliveira. O nome da empresa era Irmãos Perecin, era constituída por quatro irmãos: meu pai e meus tios Afonso Perecin, Heitor Perecin, Ângelo Perecin. Meu tio Dionísio Perecin participou por um período muito breve, logo em seguida montou uma fábrica de rapadura no Bairro Areião. A fábrica Irmãos Perecin trabalhava com carpintaria e marcenaria, principalmente portas, janelas, carrocerias de caminhão. Eu entrei para a empresa como sócio, na época eu tinha 18 anos de idade. Com o tempo comprei a parte do meu pai. Um dos meus grandes clientes foi o Rizzolo da Coopersucar. Acabei conhecendo o Sr. Luiz Cantamessa, ele era sócio com o Sr. Antonio Girão em uma fábrica de cadeiras. O local onde ele tinha a sua fábrica havia sido vendido. Ele então passou a trabalhar junto a nossa indústria, que tinha uma área de terreno disponível, permanecendo por quatro anos. Nesse período montei uma serraria de toras. Comprava mato, derrubava as toras vinham para cá e eram processadas.
Quantos funcionários o senhor chegou a ter?
Contando todos inclusive aqueles que ficavam derrubando a madeira no mato, cheguei a ter 81 funcionários. Todos registrados. Isso eu digo com voz grossa. O empregado entrava, era registrado.
Em que local era retirada a madeira?
Derrubei toda a mata que formou a Barra Bonita. Foram 3 anos, havia 60 homens trabalhando. Eu ganhei a concorrência do governo para derrubar aquela área.
Que tipos de madeiras havia lá?
De tudo! Cedro, ipê, caviúna, cabriúva. Quando acabou a madeira, sobraram muitos galhos. O Vitório Polizel comprou tudo para fazer carvão. Ele fez carvão por mais de três anos.
Que tipo de carroceria de caminhão o senhor fazia?
Todos os tipos. O Walter Hans recebia um chassi Mercedes Bens por semana, vinha comigo fazia a carroceria, colocava uma segunda em cima, e ia para Brasília, onde vendia rapidamente tanto o caminhão completo como também a carroceria avulsa que ia em cima. Ele foi um grande cliente meu.
Aquele trabalho de entalhes na madeira da carroceria era um trabalho artesanal?
Era feito tudo com máquinas! Eu tinha 60 máquinas. Desengrossadeira de quatro faces, desengrossadeira simples, desempenadeira de comprimento de dois metros e oitenta centímetros, serras de fita de todos os tipos, respingadeira, tupias que fazem molduras, tinha uma serra Tissot que dava início á serra da tora. Comprei de Pedro Cobra uma serra francesa que tinha 10 laminas de alta rotação. Era como cortar um pão. Entrava o toco certinho e saiam treze tábuas, a maioria da madeira serrada nessa máquina era jequitibá. Passei a fabricar um outro tipo de porta, compensado com colméias dentro. O compensado vinha de uma empresa chamada Wagner de Joinville. Eu tinha prensa e montava essas portas. A colméia interna era feita com sobras de madeira.
Havia cupim nessa época?
Muito pouco. Quando era serrado ipê, não ficava um cupim no quarteirão! Isso ocorre com o ipê roxo. O ipê amarelo é bom para fazer o assoalho da carroceria. Depois eu passei a comprar o pinho de Pato Branco. Vinham aquelas carretas feitas com madeira: o caminhão, a tabua de pinho sobre quatro rodas. Vinha de FNM, o grande caminhão que corria até 50 quilômetros por hora! Dirigi bastante FNM. Em uma ocasião comprei um caminhão Leyland. Vendi para a Usina Costa Pinto, no tempo em que o Arnaldo Ricciardi era diretor. Trabalhei bastante para a usina, fiz muitos serviços lá. Construí muitos tonéis aproveitando o jequitibá, que é uma madeira muito boa para fazer tonel.
O senhor conheceu os tonéis do Del Nero?
Conheci! Ele era um amigão meu. Era o maior artista em tonel. Ele inclusive passou a fazer tonel para ser assentado em carroceria de caminhão. Para fazer um tonel não é necessário utilizar uma gota de cola. O Del Nero fez uma série de tonéis de canela-sassafrás (Ocotea odorífera), foi uma maravilha aquilo, tinha um aroma maravilhoso!
O senhor estudou no Dom Bosco?
Muitos anos depois de sair do colégio fui estudar química no Dom Bosco.
O senhor freqüentava cinema?
Freqüentava o Colonial, São José, Broadway, Politeama e depois veio o Palácio.
Na época era comum quadrar jardim?
Eu não quadrava, mas ficava em frente ao cinema Politeama. Freqüentava muito os bailinhos, que havia em diversos lugares. Na Sociedade Italiana era um dos locais onde eram realizados esses bailinhos. Foi lá que eu conheci a Marly.
Como foi a primeira impressão que o senhor teve dela?
Despertou a minha atenção quando vi aquela morena bonita, delicada. Veio o Edson Rochelle com o correio elegante. Eu então escrevi á ela, algo do tipo “Podemos nos conhecer?”. Era música ao vivo, daqueles bailinhos de formatura. Assim começou. No fim dos dias passei a freqüentar a Escola Normal onde ela estudava. Eu ia até lá só para acompanhá-la na saída das aulas.
Como o senhor e a Dra. Marly resolveram casar-se?
Foi assim, foi indo, até que um dia andando na Rua Governador Pedro de Toledo eu disse-lhe: “-Vamos casar?”. Ela respondeu: “-Vamos sim!” Só que tínhamos que ficar noivo primeiro. Na hora entramos na relojoaria Gatti e compramos essa aliança aqui. Descemos até a casa da Marly que ficava na Rua Moraes Barros, e dissemos ao pai e á mãe dela: “ Ficamos noivos e vamos casar.” Na hora pensei: “Estou morto!”. O meu sogro, Nestor Soares Germano era dentista e fiscal do governo, uma grande pessoa, mas muito bravo. Minha sogra era a Dona Djanira Ribeiro Germano.
O eles disseram na hora?
Nada. Nem responderam. Na época eu tinha 24 anos de idade, e a Marly 22. Ela já era professora, estava estudando na PUC em Campinas fazendo a faculdade. Depois de um bom tempo, seu Nestor chegou do cinema com a esposa, falamos: “Seu Nestor, no mês que vamos casar!”. Fiz os convites e dentro de um mês casamos. É uma recordação muito boa. Fomos passar a lua de mel em Santos. Eu só tinha conduções próprias para o trabalho, caminhões, caminhonetas. Não tinha automóvel. Alugamos um carro de praça. Lembro-me muito bem que levei sete mil cruzeiros e ainda sobrou dinheiro! Ficamos hospedados no Hotel Atlântico, permanecemos uns 10 dias, na época existia ainda o Parque Balneário.
A indústria do senhor passou a crescer?
Eu comprei a fábrica de cadeiras do Cantamessa, a produção passou de 20 cadeiras fabricadas por dia, para 200 cadeiras. E ainda uma carroceria de caminhão era fabricada todos os dias. Até propaganda no cinema passei a fazer! Mostrava como funcionava uma indústria no cinema. Cheguei a construir umas 20 rodas d'água.
Qual é o segredo para construir uma boa roda d'água?
Tem que ser feito um projeto antes de passar a produzi-la. Cheguei a fazer um curso de desenhista projetista na Escola Megatec. Um berço de água depende da rotação que for necessária. Eu tinha uma tabela que ganhei do Emílio Adamoli, ele construía lancha e mandava para Santos. Para a Boyes eu fiz muitas lançadeiras para tear. Para a Fábrica de Papéis São Paulo fiz carretéis compridos para enrolar papéis. Para o Virgilio Fagundes dono da fábrica de corda eu fiz uns rolos para enrolar corda de sisal. Quem fez as janelas do Edifício Rita Holland fui eu. Eu tinha a máquina que fazia o montante e em frente havia uma empresa que fazia o resto. O Luciano Guidotti encomendou todas as janelas e portas do prédio dele na Rua Treze de Maio.
O senhor chegou a construir botes?
Fiz uns 30. Fiz os barcos do Divino quando Nélio Ferraz era prefeito.
O senhor tem uma habilidade muito grande com a madeira?
Tenho. Eu pego um pedaço de madeira e consigo visualizar uma peça desse pedaço da madeira.
Para que serve o nó da madeira?
Só serve para fazer cachimbo, e requer uma máquina específica para esse fim. Uma madeira leve serve para fazer aeromodelos. Cheguei a fazer alguns. O embiruçu é metade do peso da madeira balsa. O pau d’álho por exemplo era uma madeira muita procurada. A madeira mais dura é a caviúna, para trabalhar com ela tem usar serrinha de serrar ferro. Não tem jeito de quebrar.
Como começou a paixão do senhor por avião?
Conheci um amigo por acaso: Lídio Duarte. Ele era professor de pilotagem de avião. O Aeroporto Morganti estava abandonado, com dois aviões velhos. Reunimos alguns amigos e fizemos uma diretoria. A proposta foi levada ao DAC. O Lino Morganti que era dono da área passou a escritura para o Aeroclube de Piracicaba. Até então o Aeroclube de Piracicaba funcionava em frente á Esalq. Fui a São Carlos com outro diretor e encontramos dois aviões arrebentados. O Lídio foi junto. Não havia gabarito para reconstruir os aviões. Conseguimos com o Aeroclube de Campinas o Gabarito para aqueles aviões. O nosso intermediário entre o Aeroclube e o DAC era o Tito Bottene, piloto do Dedini. Ele levou um dos aviões para o inspetor de São Paulo chamado Ercy César vistoriar, e o avião foi aprovado. Colocamos a Escola de Piloto para funcionar com um avião, era um Paulistinha. Reformamos o segundo. O Dedini deu todo o linho
Especial, para encapar o avião todo. A Mausa deu o Dope. Eram dadas 10 mãos de dope para impermeabilizar e afixar o revestimento do avião. Antonio Romano retificou cinco motores de aviões para nós, graciosamente. Com isso depois ele acabou retificando mais de 150 motores de outras cidades.


Arquivo do blog