Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

domingo, setembro 22, 2013

PAULISTENSES













MÁRCIO MONTEIRO TERRA


PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 19 de setembro de 2013
Entrevista: Publicada aos sábados na Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/



 



ENTREVISTADO: MÁRCIO MONTEIRO TERRA


 
Márcio Monteiro Terra nasceu no dia 17 de novembro de 1943 na cidade de Itaí, na região de Avaré, Estado de São Paulo. Filho do professor Aracy de Moraes Terra e Zoraide Monteiro Terra que tiveram os filhos: Magnus Monteiro Terra, Mário Monteiro Terra, Márcio Monteiro Terra, Maurilo Monteiro Terra e Milton Aguiar Terra este último filho das segundas núpcias do seu pai. Marcio tem um grande amigo, que considera como um irmão: Daniel Libardi.
Até que idade você permaneceu em Itaí?
Posso afirmar que não conheço Itaí, meu pai era inspetor escolar, era removido constantemente de uma cidade para outra. Em Itaí ele permaneceu em torno de um ano, foi quando eu nasci, sou itaiense por força das circunstâncias. Logo em seguida meu pai foi removido para Tietê onde permanecemos por alguns anos, ele foi diretor do grupo escolar de Tietê que existe até hoje. A minha mãe era formada professora, mas não exercia a profissão.
Qual era a forma de lazer muito praticada na época?
Sempre gostei de jogar tênis de mesa, que na época era denominado de “ping-pong”. Lembro-me das famosas goiabadas feitas em Tietê, a “Curuçá” era a mais conhecida.
De Tietê meu pai foi promovido de diretor de grupo para inspetor escolar e transferido para Santos.
Quantos anos você tinha quando ocorreu a transferência do seu pai para Santos?
Eu deveria ter mais ou menos uns dez anos de idade. Fomos residir no bairro Gonzaga, na Avenida General Francisco Glicério, travessa da Avenida Ana Costa, próximo onde havia a linha de trem, não muito distante da praia. Meu pai inspecionava os grupos escolares estaduais de toda a região de Santos. Permanecemos residindo em Santos por cinco anos. Um concunhado dele era delegado de ensino de Piracicaba, hoje o cargo recebe o nome de dirigente de ensino. A sede era na antiga casa do Preté, onde chegou a ser o gabinete do prefeito de Piracicaba, na Rua São José esquina com a Rua do Rosário. O concunhado dele, Mário de Almeida Mello, estava se aposentando. Meu pai não queria permanecer em Santos.
Tinha algum motivo para que o seu pai não permenecesse em Santos?
Nas visitas de inspeção ele tinha que ir a lugares inóspitos, algumas vezes usava canoas para atravessar pequenos rios, e em uma dessas vezes ele caiu, o barco virou e ele quase morreu afogado, ele não sabia nadar. Estava só ele e o condutor do barco. Ele ficou traumatizado. Sólon Borges dos Reis era muito amigo do meu pai. Meu pai foi nomeado delegado de ensino em Piracicaba, imediatamente ele veio para cá.
Você passou uma fase muito interessante da vida, dos 10 aos 15 anos em Santos.
Lá estudei no Instituto Canadá, na região do Gonzaga, na Rua Mato Grosso, 163. Lembro-me que eu freqüentava muito a praia. Jogava tênis de mesa no Clube Sírio Libanês que ficava na Avenida Ana Costa. Meu irmão Maurilo jogava muito bem, eu era razoável. Formávamos uma dupla e disputávamos o Campeonato Santista de Tênis de Mesa. Naquele tempo o melhor jogador de tênis de mesa do Brasil morava em Santos, o famoso “Biribinha” cujo nome é Ubiraci Rodrigues da Costa, isso em 1954, 1955. Na época, Santos ainda tinha bonde.
Aproximadamente em que ano a sua família mudou-se para Piracicaba?
Foi em torno de 1957, viemos morar no centro da cidade, no Edifício Gianetti, no décimo andar, bem ao lado do relógio da catedral. Eu era moço, não me importava com as batidas do relógio marcando as horas. Talvez se fosse hoje me sentiria incomodado. Meu pai adquiriu uma casa, fomos morar na Rua São João, quase esquina coma Rua Regente Feijó. Eu tinha 18 anos e estava fazendo o Tiro de Guerra, quem comandava era o sargento Guatura. Nessa época minha mãe faleceu, ela pediu para que eu viesse até o centro comprar a revista Coquetel, ela gostava de fazer palavras cruzadas. Quando voltei, vi a vizinhança toda em torno de casa, ela tinha sido conduzida ao Hospital Gimenes, que mais tarde passou a ser o Hospital Unimed, e hoje está desativado. O falecimento dela abalou a família toda. Meu pai sofreu um golpe violento, viviam muito bem, era um casal fantástico. Meu pai sempre foi um homem muito sério, respeitoso, integro e honesto. Morei com o meu pai até meus 35 anos, via que ele era corretíssimo ao extremo.
Nessa época fazia o Tiro de Guerra e estudava onde?
Estudava no Sud Mennucci, depois fui estudar no Colégio Dom Bosco, onde conclui o científico. Sou do tempo do Padre Pedro Baron, primeiro diretor do Colégio Salesiano Dom Bosco. Foram colegas de colégio Adilson Maluf, Celsinho Silveira Mello. Nesse ínterim fui participar de um curso de oratória promovido pelo SESI, que ficava no último andar do prédio onde se situava o Cine Politeama, prédio que foi demolido e deu lugar ao estacionamento do Banco Bradesco, na Praça José Bonifácio, no centro. Osvaldo Sobeck, jornalista, trabalhou na Folha de Piracicaba de propriedade de Cecílio Elias Neto, como funcionário do SESI ele deu um curso de oratória, participei desse curso. Alguém me falou: “- Você tem jeito para trabalhar em rádio!”. Nessa época fui trabalhar no Jornal de Piracicaba, onde permaneci por três anos como revisor. Entrava as onze horas da noite e saia as cinco ou seis horas da manhã. Trabalhei com Losso Netto, Nene Ferraz, Acary de Oliveira Mendes, Luiz De Francisco. Eu tinha uma atenção especial com o editorial feito pelo Dr. Losso Netto. Isso no tempo do linotipo. Eu saia do Jornal as seis horas da manhã e ia para o Tiro de Guerra. As vezes ia trabalhar já com a farda. Era um tempo em que para encerrar o jornal eram levadas horas e horas. O jornal fechava as matérias as onze horas da noite, até fazer todo o jornal era um trabalho desgastante para o pessoal da oficina. E para o revisor também, tinha que ficar acompanhando, eles traziam a prova para ser revisada.
Quando você começou a trabalhar em rádio?
Comecei a trabalhar na Rádio “A Voz Agricola do Brasil” da Rede Piratininga, situada na Rua XV de Novembro, onde atualmente é o Supermercado Jaú Serv,  havia uma padaria da família Maranhão, existiam poucas padarias na cidade na época, na parte superior era a rádio. Pela Rua XV tinha uma escada, que dava acesso a  parte superior.
 
 

 
 
 
Como se deu o seu ingresso na rádio?
Falei com Ary Pedroso, Hugo Pedro Carradore, este último tinha um programa do meio dia a uma hora da manhã, eu participava um pouco do programa.Trabalhei com Duarte Filho que era o nome artistico de Miguel Célio Hyppolito, ele tinha um programa de esportes sobre o futebol amador. Naquele tempo era comum , esse habito permanece até hoje, a pessoa ter um nome civil e outro artístico.
Na rádio você fazia o que?
Locução. Fiz um teste e passei. Iniciei trabalhando nos setores de jornalismo e esportes. “Piracicaba em 60 minutos” era um programa comandado pelo Hugo Pedro Carradore, fazia uma participação a tarde com Duarte Filho e depois passei a ser reporter volante da equipe de esportes que era comandada pelo Ary Pedroso, um dos melhores locutores da história de Piracicaba. Ary era muito bom narrador de futebol.
O que é reporter volante?
É o locutor que fica dentro do campo, fazendo entrevistas com jogadores, com técnicos, é o reporter de campo, com cabo (fio) até o microfone. O cabo que liga o microfone a central até hoje é insubistituivel, mantém a fidelidade do som. Existe os aparelhos sem fio, só que perdem um pouco a qualidade, principalmente onde sofrem interferências. Eu entrava em campo e ia entrevistar os jogadores de futebol, técnicos, e passando as informações. Muitas vezes o locutor não via alguma coisa que havia acontecido embaixo. Entrevistava o juiz, presidente do clube.
Você tinha acesso aos bastidores?
Após o jogo os vestiários eram abertos, hoje já não é mais assim, há uma sala só para entrevistas. Naquele tempo entravamos no vestiário, entrevistando jogador por jogador, alguns tomando banho.
Ali você ouvia os comentários dos jogadores entre si sobre a partida?
Nós tinhamos bastante afinidade. Como repórter de campo, sem falsa modéstia, eu era muito bom. Eu tinha umas tiradas boas. No então Estádio Roberto Gomes Pedrosa, que deu lugar ao Extra-Hipermercado, na Rua Governador Pedro de Toledo, para chegar até o vestiário tinha um túnel e os degraus, eu narrava, “Ary, estou no primeiro degrau, segundo degrau, terceiro degrau.” Batia na porta e dizia: “ -Estou batendo na porta, vamos ver se alguém abre para me atender!”. Na época isso era novidade.
Era no tempo em que o torcedor ia ao campo levando seu rádio de pilha?
De cada dez torcedores, oito levavam seus rádios. A audiência era muito grande dentro e fora do campo. Fiquei nessa função por pouco tempo, o Ary transferiu-se para a Rádio Difusora e passei a ser narrador. O programa chamava-se “Papo de Bola”, era das 11:30 às 12:00 horas. A tarde fazia outro programa chamado “Panorama Esportivo”, das 18:00 às 19:00 horas. Meu redator era Luiz Carlos Quartarollo, Rubens de Oliveira Bisson era meu comentarista. Ai que apareceu Júlio Galvão. A rádio “ Voz Agricola” peguei o final dela na Rua XV de Novembro, depois ela passou para a Rua Moraes Barros, 1191. Depois passou para a Rua Moraes Barros, bem em frente ao portão da Companhia Paulista de Força e Luz, o prédio foi demolido e deu lugar a uma agência do Banco Itaú. Ficou alguns anos ali quando Francisco Silva Caldeira comprou a rádio que era da Rede Piratininga. Ele mudou o nome para Voz de Piracicaba, depois passou a ser Rádio Alvorada, Foi Rádio Antena 1, Rádio Globo, hoje é a Rádio Onda Livre. Trabalhei um ano com Ulisses Micchi e Raul Hellu na Rádio Difusora.
Qual foi o primeiro jogo que você narrou?
Foi XV de Novembro e Palmeiras jogo disputado no Estádio Roberto Gomes Pedrosa, em Piracicaba.
Você ficava na cabine de transmissão, tinha que ter um grau de visão muito bom para distinguir os jogadores a distância.
Naquele tempo ao qual estamos nos referindo, começo da decada de 60, tinha ponta direita, ponta esquerda, centro avante, zagueiro central, lateral esquerda eles guardavam mais as posições do que hoje. Após uns 10 minutos você pegava mais ou menos a fisinomia e a localização do jogador em campo. Quem narra jogo de futebol, não pode corrigir um erro seu ao relatar um passe de bola, apesar de que muito jogo de futebol que hoje é transmitido pelo rádio a televisão também o transmite. Quem transmite não pode perder a sequencia. Voce marca a escalação de 1 a 11, põe em um papael duas fileiras de números e nomes, dos dois times, o juiz, e aí você comanda a transmissão.
Qual era o seu bordão na época?
O meu bordão, que ficou famoso era: “ Enquanto a bola dança, o tempo avança!”. De cinco em cinco minutos eu falava isso para anunciar o tempo e o placar do jogo. Eu sempre falei: “ O XV é o time mais importante do mundo!”. Isso para ressaltar a importância que o XV representava para a cidade de Piracicaba. Como representa até hoje, se bem que o XV naquele tempo teve uma fase bem melhor do que a fase atual. O XV passou por várias fases, muitas alternativas, teve uma fase bem próspera com o Comendador Humberto D `Abronzo. Montou um grande time, em 1967 estavamos na segunda divisão.  Em 1948 o XV foi o campeão da Lei de Acesso. Foi o primeiro time do interior que ganhou a Lei de Acesso, passsou a participar da Divisão Especial do Futebol de São Paulo. Foi o primeiro ganhador em 1948 e 1949. Se manteve até cair em 1965. O presidente era José Luiz Guidotti. Ai entrou o D`Abronzo, o XV quase subiu em 1966, em 1967 acabou ficando campeão. Seu maior rival era o Paulista de Jundiaí. Lembro-me perfeitamente que através de nossas rádios lotávamos dezenas de onibus levando torcedores para assistirem jogos decisivos no Pacaembu,  no Estádio Jaime Cintra em Jundiaí onde saia muitas brigas. Os torcedores esperavam na estrada, sobre os pequenos viadutos e ficavam jogando pedras nos onibus. Tivemos jogos violentos, tanto em Jundiai como em Campinas.
O que está acontecendo com o futebol nos campos, que não levam mais o mesmo perfil de público?
Atualmente há muitas transmissões por televisão, canal aberto, canal fechado. O público vê pela tevisão grandes classicos, e em times menores irá ver jogos de menor expressão. Há um grupo de torcedores do XV que são aficcionados, são no máximo 10.000 pesoas, a média do XV nesse torneio deve ser em torno de 500 pessoas pagantes. Quando vem Corinthians, Palmeiras, até dividem o estádio, metade da torcidaa do Palmeiras, outra metade é para a torcida do XV. A média de público chega a 6.000 pessoas. O Estádio Municipal Barão de Serra Negra comporta 18.500 pessoas. Eu acompanhei o XV durante 42 anos. Segundo o saudoso Rocha Netto, eu fui a pessoa que assistiu mais jogos do XV. Devo ter assistido a uns 2.000 jogos do XV em minha carreira.
Você após ser por muito tempo narrador dos jogos ocupou outra atividade no rádio esportivo?
Após narrar por uns 15 anos fui ser comentarista. Conheci Chico de Assis, quando ele passou a narrar bem uma partida disse-lhe “- Você narra a partida que eu comento!” Diversos comunicadores iniciaram sua carreira comigo, entre os mais famosos: Roberto Cabrini, Luiz Carrlos Quartarollo que está na Rádio Jovem Pan ha uns 30 anos, ele era meu redator, depois o passei a reporter de campo, Rogério Achiles, Tony José, Tarcisio Chiarinelli que fazia o plantão esportivo, informações sobre jogos da rodada.
Márcio você fez algum curso de nível superior?
Sou bacharel em Direito, pela Faculdade de Direito de São Carlos, sou da segunda turma, me formei em 1973. O meu pai não admitia que tivesse na família um filho que não fosse diplomado. No Jornal de Piracicaba, quando eu era revisor escrevia também uma coluna sobre basquete, chamava-se “Basquete Bolando”. Naquele tempo em que mudei para Piracicaba o forte do XV era o basquete masculino. OXV foi campeão Sul-Americano, tempo do Vlamir, Filetti, Pecente, Zé Boquinha, Valdemar Blatkauskas que faleceu em um acidente na Rodovia Anhanguera. Os melhores times de basquete do interior eram o XV e Franca. Em São Paulo eram o Palmeiras e o Sírio.
Essas coisas foram acabando por quê?
Nessa época o basquete era esssencialmente amador. Hoje é profissional, o XV tem um time de basquete, uma luta insana do Caprânico que é o presidente e mais alguns colaboradores. A diferença de receita do basquete do XV com relação ao Pinheiros por exemlo é muito grande. Além do apoio oficial há também patrocinadores.
Quando encerraram as atividades da Rádio Alvorada, você ficou parado?
A Rádio Alvorada foi arrendada para uma instituição religiosa. Fui convidado pelo Evaldo Vicente para escrever na Tribuna Piracicabana, logo depois o Jairinho Mattos me convidou para vir trabalhar na Rádio Educadora. Ele queria lançar um programa jornalístico, e estava encontrando dificuldades, segundo ele me falou, em encontrar um ancora. Assim surgiu o programa “Comentaristas da Educadora”, que já está no ar a quase oito anos, das 12:00 às 13:30, todos os dias de segunda a sexta feira, é o programa jornalístico de maior audiência de Piracicaba. Esse programa inicialmente começou comigo, com Waldir Guimarães, Jairinho Mattos participava de alguns programas, e a Eliana Teixeira. Eu era o produtor e o ancora. De três anos para cá foi contratado Mauricio Furlan, que tem muita experiencia em rádio, hoje ele produz o programa e eu continuo sendo o ancora, junto com Waldir Guimarães, Jairinho Mattos tem uma participação maior agora, o Beto Godoy que está de férias, e o Paulo Eduardo Carlin, mais o Rogério Leme que faz o noticiário policial. Essa é a equipe que comanda atualmente o programa “Comentaristas da Educadora”. O programa começa com o meu comentário que se chama “ A Força da Opinião”.
Marcio você casou-se?
Fui casado com Maria de Fátima Pachani, dessa união que durou quinze anos nasceu uma filha, Maria do Carmo, residente em Los Angeles nos Estados Unidos, tenho uma neta, Victoria, nascida lá. Uma vez por ano minha filha vem à Piracicaba.
Você chegou a viajar pelo mundo?
Devo conhecer pelo menos uns 30 países, em 1983 foi realizado o Prêmio Sanyo de Radialismo, fui eleito o melhor radialista de Piracicaba, do Interior do Estado de São Paulo, na festa de encerramento relizada no Maksoud Plaza, envolvendo os radialistas do interior e os grandes nomes da capital, foi feito um sorteio entre 60 agraciados, fui sorteado com uma viagem de 30 dias para o Japão, com tudo pago pela Sanyo. Conheci o Japão inteiro.
Você recebeu convites para trabalhar na capital?
Tive bastante convites para trabalhar em São Paulo, nunca fui, apenas em 1978 quando teve a Copa do Mundo na Argentina, eu tinha muita amizade com Osmar Santos e com a equipe dele, fui convidado e participei pela Rádio Globo de São Paulo, das transmissões, da Argentina mandava os flashs para Piracicaba e participava das transmissões da Rádio Globo. Conheço bem Osmar Santos, estive em seu casamento, ele veio diversas vezes me visitar em Piracicaba. Osmar Santos criou um novo modelo nas transmissões esportivas.
Você já transmitiu algum jogo sem ver a partida?
Cheguei a transmitir um jogo inteirinho, quando cheguei a Piracicaba a transmissão não tinha ido ao ar. Isso aconteceu umas quatro ou cinco vezes, hoje é linha dupla, naquele tempo era uma linha só, não havia o retorno do estúdio para quem estava transmitindo.
Você acha que o rádio melhorou ou piorou?
Acho que os mais antigos radialistas ainda continuam sendo os melhores de Piracicaba, a renovação não acompanha a mesma capacidade de antigamente. Com raríssimas exceções a renovação no rádio não alcança a qualidade dos antigos. O locutor de rádio precisa vender propaganda para sobreviver, antigamente não era tanto assim. Sempre vendi propaganda, já tivemos em Piracicaba um caso em que um gago fazia um programa, ele só não era gago ao falar no microfone, era um bom locutor. Trabalhou comigo muitos anos.
Márcio você participou da política?
Fui vereador durante 10 anos, por duas legislaturas. Estive na Câmara de primeiro de janeiro de 1983 a 31 de dezembro de 1992, sendo prefeitos Adilson Maluf e José Machado. Naquele tempo o rádio elegia, hoje não elege mais, tanto que não temos nenhum radialista na Câmara. Outras profissões ocuparam espaço na política.
Você realizou entrevistas com personalidades políticas de expressão nacional?
Entrevistei Laudo Natel, Mário Covas, Fernando Henrique Cardoso, Paulo Maluf entrevistei dezenas de vezes, tive amizade com ele por muito tempo, frequentei a casa dele na Rua Costa Rica, 146. Conheci sua esposa, Dona Sylvia. Almocei na casa dele diversas vezes. Isso quando eu era vereador. Ele era prefeito de São Paulo.
Você acha que o fato de ser um comunicador ao se envolver com política pode se comprometer?
Se o tempo voltasse eu nunca teria saido candidato a vereador. Apenas entrei porque quem me convidou foi Jairo Mattos, que é uma pessoa integra, honesta, tanto como pessoa como político.
Você já transmitiu algo inusitado?
Transmiti velório e sepultamento do ex-prefeito Luciano Guidotti, fiz a cobetura total. A queda do Edificio Luiz de Queiroz (Comurba) eu e Hugo Pedro Carradore ficamos instalados na farmácia do Kalil, localizada na Rua Prudente de Moraes, durante 15 dias fizemos a cobertura de todos os acontecimentos.


EURIDES GIMENES CASAGRANDE


PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 12 de setembro de 2013.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/

 


ENTREVISTADA: EURIDES GIMENES CASAGRANDE


 
Eurides Gimenes Casagrande nasceu a 12 de agosto de 1935, no município de Piracicaba. Filha de João Domingues Gimenes Filho e Isabel Alonso Gimenes que tiveram quatro filhos: João, Diogo,Eurides e Aparecida. Seus avós maternos e paternos imigraram da Espanha, os paternos adquiriram uma área com mais de 100 alqueires de terra, a uns trinta quilômetros de Piracicaba. Ela tem paixão por animais, pela vida rural, embora resida na cidade, com sua picape Pampa vai sozinha toda semana até o sítio de sua propriedade. Lá é recepcionada com muita alegria pelo seu cão de estimação que sem nenhuma cerimônia cumprimenta ao seu modo a sua amiga, entra na picape e a acompanha até a abertura da casa da sede do sítio. Patos, pavões, galináceos, desfilam pelo terreno. Eurides e sua família sempre levaram uma vida de muito trabalho. Aos 11 anos ela já montava em sua égua e conduzia as vacas que estavam mais afastadas para serem ordenhadas pela sua mãe.
Conheceu seu marido quadrando jardim, um bom hábito cultivado pela juventude da época. Os rapazes circulavam a praça central em um sentido enquanto as moças andavam no sentido contrário. Foi assim que surgiram muitos namoros e casamentos. Eurides foi funcionária da famosa Fábrica de Bolachas Cacique.  
Qual era a atividade principal desenvolvida no sítio?
Era a criação de gado leiteiro. Criavamos também animais de médio e pequeno porte, como porcos, galinhas. As plantações eram feitas principalmente para alimentar os animais. A renda familiar vinha da comercialização de leite, meu tio trazia os latões de leite para a cidade com uma caminhonete velha de sua propriedade.
Com que idade a senhora começou a trabalhar no sítio?
Eu tinha onze anos quando comecei a ajudar a minha mãe na leiteria. Eu montava na Baia, uma égua marrom,  muito mansa, para subir tinha que encostá-la em um barranco. Ia com ela ao encontro das vacas que estavam mais distantes, elas já sabiam que era para virem em direção a mangueira onde minha mãe as ordenhava. Ela já era viúva, meu pai faleceu quando eu ia completar nove anos. As vacas eram muito mansas, vaca brava minha mãe vendia. Quando minha mãe ficou viúva tínhamos mais de trinta vacas. Às cinco horas da manhã ela já se levantava para tirar leite.
Mesmo trabalhando a senhora ia à escola?
Estudava, a escola se chamava Escola Mista da Fazenda Figueira. Lá só estudava-se até o terceiro ano. Minha primeira professora foi Dona Angélica, a segunda professora foi  Dona Lavínia, a terceira Maria de Lurdes Frota Escobar, que mais tarde tornou-se minha tia ao se casar com meu tio. Nós entravamos na classe, ninguém falava nada, a primeira coisa que fazíamos era cantar o Hino Nacional, em pé, com a mão sobre o coração. Na parede havia um quadro enorme com a fotografia de Getúlio Vargas.
A mãe da senhora fazia o pão que a família consumia?
Boa parte da nossa alimentação provinha do próprio sítio, o pão era feito em casa, a lingüiça era caseira.
Com que idade a senhora veio junto com sua família, residir na cidade de Piracicaba?
Quando mudamos para cá eu tinha catorze anos. Nós alugamos o sítio para um tio e viemos para a cidade, fomos morar em uma casa alugada por nós e situada na Rua Dr. Otávio Teixeira Mendes, no Bairro Alto. Ali eu a minha mãe fazíamos marmitas, antigamente era uma atividade chamada “dar pensão”. A comida era separada em cinco ou seis marmitas presas a um varal com uma alça para transportar. Muitas famílias iam buscar, ou então eu ia levar até a casa delas. Da Rua Dr. Otávio eu ia com dois jogos de marmitas pesadas lá perto da Igreja Bom Jesus, a pé. Com essa atividade minha mãe ia nos mantendo. Quando ela parou com o fornecimento de marmitas eu fui trabalhar na Fábrica de Bolachas Cacique, lá trabalharam também meu irmão e minha irmã. A Cacique ficava na Rua Santa Cruz, sua proprietária era Dona Augusta, que foi dona também da Padaria Vosso Pão, onde hoje se situa o Edifício Canadá, na esquina da Rua Santo Antonio com a Rua Prudente de Moraes.
Que tipos de bolachas eram fabricadas na Cacique?
Fazíamos as bolachas: maisena, Maria e a água e sal. Eu ligava a máquina, a estampa ia cortando a massa, iam à assadeira, outras duas moças colocava-as no forno que tinha de 12 a 15 metros de comprimento, as bolachas saiam assadas na outra extremidade. Lá existiam dois batedores, batiam em uma caixa, havia as mesas do lado onde eram empacotadas. Trabalhei na Cacique por uns dois anos, uma semana eu trabalhava das cinco horas da manhã até uma e meia da tarde. Na semana seguinte da uma e meia da tarde até as dez horas da noite. Minha mãe me colocou em uma escola de costura situada próxima ao Líder Bar, na Rua Governador Pedro de Toledo. As aulas eram após o almoço, começava a uma hora da tarde, existiam mesas grandes, as professoras ensinavam a fazer o molde, cortar, tirar as medidas.
A senhora costurava qualquer tipo de roupa?
Só costurava roupas femininas. Eu tirava a medida, pegava o pano, fazia o molde, cortava e costurava. Usava-se muito tecido de algodão, tafetá (Tafetá é um tecido fino e acetinado feito de seda). Comecei a trabalhar em casa, minha mãe tinha uma máquina de costura Singer, para funcionar tinha um pedal que transmitia a força dos pés para uma correia e movimentava a máquina. Costurei mais para as pessoas de casa, parentes, amigas.




Foi nessa época que a senhora conheceu seu futuro marido?
Aos 16 anos conheci José Erasmo Casagrande. Antes de completar 19 anos nos casamos, foi no dia 25 de julho de 1953. O casamento foi realizado na Igreja Bom Jesus pelo Padre Martinho Salgot. No tempo em que eu namorava às 10 horas da noite tinha que estar dentro de casa, a cavalaria (soldados montados a cavalo) andava pelo bairro inteiro. Eles davam “um pega”,  ficavam bravos, com quem estivesse na rua depois de 10 horas da noite. A cidade parava, tinha muitos cavalarianos, e impunham respeito. Quando eu morava no Bairro Alto na Rua Moraes Barros esquina com a Rua Visconde do Rio Branco havia a sorveteria do Seu Florindo, era só lá que pegávamos sorvetes.
Qual era a profissão do seu marido?
Era pedreiro. Casamos e fomos morar na Rua XV de Novembro, um pouco acima do Cemitério da Saudade. Na época não havia muitas casas naquela região, havia muitas chácaras. Residimos ali por uns três anos, nessa casa nasceu a minha filha Sonia. Continuamos morando na mesma rua, mas mais abaixo, onde nasceu o nosso filho Celso, voltei a morar na Rua São José, próximo a Igreja Bom Jesus, passado uns tempos, meu sogro nos deu um casarão situado na Rua Moraes Barros, após passar o cemitério. Era conhecido como Bairro Casagrande, tinha muitas famílias com o sobrenome Casagrande. Lá eu tive minha filha Sandra. Para nos locomovermos usávamos o ônibus que passava em frente ao cemitério.
A senhora trabalhava na época?
Por três anos fui proprietária do Bar Furlan, situado na Rua XV de Novembro, tinha boche, as bolas eram feitas de madeira, mais tarde que vieram as bolas de massa. ( Ou bocha, consiste em lançar bochas (bolas) e situá-las o mais perto possível de um bolim (bola pequena), previamente lançado. O adversário por sua vez, tentará situar as suas bolas mais perto ainda do bolim, ou "remover" as bolas dos seus oponentes). Esse bar existe até hoje. Eu fazia polenta com frango para a turma de boche quando faziam torneio. Também fazia os salgados que eram vendidos no bar. A noite era meu marido quem tomava conta do bar. A nossa casa era junto ao bar. Em 1969 vendi o bar e fui morar na Avenida Dona Jane Conceição esquina com a Rua da Palma, na Paulista. Eu ia de ônibus até São Pedro, pegava malas de tecido com o bordado riscado, bordava, levava de volta para São Pedro. Bordava só o Ponto Rococó. Por uns cinco anos eu exerci essa atividade.
Qual foi a sua próxima atividade?
Fui limpar casa, fui ser faxineira. Limpava para a minha tia Araci Gimenes, irmã do meu pai, casada com Otávio Sturion, ele e seus irmãos Ermelindo e Mário eram os proprietários da Casa Três Irmãos. Permaneci nesse trabalho por um ano aproximadamente.  Meu filho Celso começou a trabalhar com onze anos. Eu comprava leite, e ele ia vender até a Escola Nossa Senhora da Assunção. Comprei um carrinho de mão, verdinho, guardo até hoje no sítio os engradados aonde iam os litros com a tampa de plástico. Eu enchia os litros de leite, tampava e ele ia vender. Meu irmão trazia o leite, eu comprava dele. Depois a fiscalização não permitiu mais a venda de leite em via pública. Só podia ser vendido leite pasteurizado.
O que a senhora fez?
Fui até uma horta de propriedade do Seu Inácio, situada no Bairro Jaraguá,  eu comprava canteiro de verduras, Seu Inácio cortava, fazia os maços de verdura e o meu filho Celso ia, enchia o carrinho de verdura, e fazia o mesmo percurso, até a Escola Assunção. Tenho até hoje uma cadernetinha que o Celso marcava o nome do freguês para quem ele vendia fiado, quanto era o lucro, quanto eu tinha que pagar para o Seu Inácio no dia seguinte, ele fazia essa contabilidade na rua, chegava e dizia: “Está aqui mãe, o dinheiro. Este daqui é da senhora, esse outro é para pagar o Seu Inácio”.  A noite ele estudava na Escola Estadual Professor Alcides Guidetti Zagatto. Minha filha Sonia foi trabalhar na Padaria Suiça do meu tio Francisco Castilho, vivo até hoje, com 104 anos. A minha outra filha, alguns anos depois, aos 14 anos foi trabalhar em um pequeno escritório, em seguida foi trabalhar na famosa Casa Raya, de material esportivo. Meus três filhos sempre estudaram em escola pública, e os três concluiram o curso superior de Administração de Empresas.
Atualmente a senhora é proprietária de um sítio?
Herdei um sítio do meu pai. Quando meu avô Gimenes repartiu a fazenda com os filhos, a parte do meu pai ficou com a minha mãe. Ela dividiu para os quatro filhos.
Quando a senhora era mocinha qual era a sua forma de lazer?
Na época era habito das moças e rapazes quadrar o jardim. Frequentava muito pouco o cinema.
A senhora segue alguma religião?
Sou Católica Apostólica Romana. Frequentava as Igrejas Bom Jesus, Catedral, dos Frades, São José.
A senhora chegou a usar véu durante a missa?
Para comungar se fosse solteira usava véu branco na cabeça, e se fosse casada usava véu preto.
A senhora gostava de ouvir rádio?
Gostava muito do Atinilo José. Lembro-me até hoje quando o radialista Ary Pedroso terminava o seu programa dizia: “- Obrigado Senhor! Para todos que tem um lar para voltar!”.
No ponto de vista da senhora as mudanças de comportamento ocorridas nesses anos foram melhores ou piores?
Acho que as mudanças ocorridas no relacionamento humano pioraram muito. Hoje temos muito mais ofertas de bens materiais do que naquela época, Tudo era meio esticado, para tomar um refrigerante só em ocasiões muito especiais, como casamentos, batizados, Natal. Não existia geladeira. Minha mãe matava um porco, passava o dia inteiro picando. Fritava todos os pedaços no fogão a lenha, pegava latas de 20 litros que tinham sido usadas para o transporte de querosene, lavava-as muito bem, conforme ia fritando com toda a gordura despejava, enchia de duas a três latas com carne, torresmo, gordura. Elas tinham um aro, eram tampadas as bocas das  latas com um pano preso pelo aro. Amarrava uma tira de pano, na madeira do telhado havia um gancho, as latas ficavam dependuradas lá, livres de insetos ou roedores. Cada vez que ia almoçar ou jantar, ela pegava a lata, esquentava aquela carne, aquilo era a “mistura” (acompanhamento) da refeição. A outra opção era fritar um ovo. Meus filhos Sonia e Celso iam assistir televisão no vizinho, o famoso “televizinho”, eles iam a um bar de propriedade da Dona Helena e do Seu Pedro, isso no Bairro Alto. Eles perguntavam-me: “- Mãe! Posso ir na Dona Helena assistir televisão?”. Eu os deixava irem.
O marido da senhora chegou a ter automóvel?
O primeiro carro ele adquiriu de um cunhado que morava em São Caetano, era um Buick, depois ele teve um DKW, mais tarde um Fusca (Volkswagen sedã). Eu tinha quase quarenta anos quando tirei carta (habilitação) de motorista. Meu marido comprou uma Belina I, mais tarde uma caminhonete, vendemos o sítio e adquirimos outro mais próximo da cidade, a uns 15 quilômetros, são nove alqueires de terras no bairro rural da Água Bonita. Compramos já faz 20 anos. Nessa época adquirimos uma caminhonete Pampa. Quando meu marido era vivo nós tínhamos gado, tratava no cocho. Depois que ele faleceu a 19 de agosto de 2005. vendi tudo. Gado, cavalos.
A senhora dirige até hoje?
Dirijo, vou sozinha, eu e Deus.
E se furar um pneu?
Levo meu celular, ligo para meus filhos. Se eu me esquecer de ligar dizendo que já cheguei, meus filhos já ligam para saber. Eles cuidam muito de mim. Essa educação, esse carinho, reflete na formação dos meus sete netos, que me chamam de mãe-avó. O que me ajudou a vencer todas as dificuldades foi a minha fé e os meus filhos.
Seus filhos nasceram em hospital?
A Sonia e o Celso nasceram em casa, com auxilio de parteira, a Sandra nasceu na Santa Casa de Misericórdia de Piracicaba, o médico foi o Dr. Matheus. Na época era costume ter os filhos em casa. Havia o resguardo de 40 dias após o parto. Não usei fralda descartável para nenhum dos meus filhos. Eu comprava o tecido e fazia as fraldas, fazia a bainha a maquina em todas. Existia a calça plástica. Até os netos mais velhos não usaram fraldas descartáveis.
O que a senhora vê no sítio que acha tão bom?
Gosto de ir lá ver, tenho um cachorro no sítio, o Tufão, toda vez que chego ele quer me abraçar, abro a porta da caminhonete ele sobe, me cheira, morde devagarzinho a minha mão. Enquanto não vou abrir a minha casa ele não para de pular e chamar a atenção. Depois do almoço, deito no sofá ele deita no tapete,dorme, chega a roncar. No sitio tenho galinha, pavão, ganso, pato, peru, cordeira, carneiro. Arco-Íris é o nome de um dos pavões, é um pavão raro, tem penas de todas as cores, inclusive brancas. Outro pavão é o Pitu.
A senhora abate os animais?
No meu sítio eles morrem de morte natural.

 
 

JOSÉ TIBUTINO DE SOUZA


PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado  07 de setembro de 2013.
Entrevista: Publicada aos sábados na Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
 
 
 

ENTREVISTADO: JOSÉ TIBUTINO DE SOUZA
 

Piracicaba criou uma tradição no setor sucroalcooleiro, principalmente na metalúrgica voltada a essa atividade. Por muito tempo o setor metalúrgico foi uma das grandes molas propulsoras do desenvolvimento da cidade. Com isso criou um nome muito forte e respeitado em todo o país e fora dele. O Brasil, país de extensão continental, tem regiões onde o desenvolvimento é até hoje bastante precário, a massa humana, principalmente os mais arrojados, se deslocam de uma região para outra. Muitos sem o mínimo conhecimento necessário, para exercer qualquer tipo de atividade dentro de uma indústria. Graças a sua determinação, conseguem com muito esforço vencer os obstáculos a principio intransponíveis. José Tibutino de Souza, é um exemplo vivo de que pode-se vencer com a força do trabalho. Nascido a 10 de dezembro de 1930 em Juru, município do estado da Paraíba, filho de Antonio Tibutino de Souza e Maria Idalina da Conceição que tiveram tres filhos. Viuvo, Antonio casou-se com Francisca Idalina da Conceição, irmã de Maria Idalina, com quem teve quase uma dezena de filhos. Até os 22 anos José Tibutino trabalhou na agricultura de algodão, com o advento de pragas, o algodão perdeu sua produtividade.
O senhor saiu de Juru e foi para qual localidade?
Naqquele tempo tinha esse negócio de trazer peão de lá para cá, geralmente iam para o Mato Grosso. Arrumavam um caminhão, o “Pau-de-Arara”. Um tio meu juntou uma turma e de “Pau-de Arara”,viemos até o Ceará. Seguimos para Juazeiro, na Bahia, onde ficamos hospedados em um barracão. A prefeitura fornecia alimentação. Lá permanecemos esperando alguma condução. O meu destino era vir para São Paulo. Tomamos um trem da Central do Brasil e viemos até Minas Gerais, em Teofilo Otoni permanecemos por mais uns quinze dias. Eram vagões especiais, destinados só para migrantes. Chegamos a São Paulo de trem, na Estação do Norte , no Brás. De São Paulo fui para Presidente Prudente, trabalhar emuma lavoura de hortelã, cuja finalidade era produzir óleo. Fui  pensando que não iria trabalhar na enxada, nunca gostei de trabalhar na enxada. Permaneci por dois meses lá e vim para Piracicaba.
Porque o senhor escolheu Piracicaba?
Eu tinha um irmão aqui, o Moisés e meu tio, João Nobre que ocupou um posto elevado na Guarda Civil. Cheguei em Piracicaba em 1952, vim de Ourinhos para cá pela Estrada de Ferro Sorocabana. Peguei um biriba (taxi) e fui até uma pensão na Vila Rezende, onde meu irmão morava.
O senhor arrumou algum trabalho?
Eu não sabia fazer nada. Através da minha tia, fui apresentado ao Luizinho, funcionário da Dedini. Após tirar a carteira de saúde fui trabalhar na Indústria Dedini. Iniciei na caldeiraria como ajudante, meu chefe era o Bergamim, que queria que eu trabahasse como mçariqueiro. Após algum tempo, fiquei sabendo pelos comentários dos colegas, que  a melhor função era a de soldador, tinha oportunidades de viajar. Ganhava um salário maior. Coloquei como objetivo o de ser soldador.
O senhor sentiu algum tipo de preconceito contra pessoas que vinham do norte do país?
Na época tinha demais. Eu não ligava, levava na esportiva, trazia costumes e linguajar próprios da minha terra, era conhecido como Paraiba. Eu tinha 22 anos, queria vencer na vida. Por cinco meses trabalhei como ajudante. Tinha levado nesse período duas suspensões, porque pegava algum serviço de solda sem o conhecimento  do Bergamim. Na terceira vez, acabei me desentendendo com o Bergamim. Deixei o emprego. Passando perto do Clube Atlético Piracicabano tinha uma caldeiraria, a Motocana. Eram umas quatro horas da tarde de uma sexta feira. Perguntei se não estavam precisando de um soldador. Pergutaram em que empresa tinha trabalhado, quando disse que foi na Dedini, como soldador, imediatamente fui aceito. Disseram-me que tinha um serviço na Usina São Martinho, em Ribeirão Preto, mandaram que eu voltasse na segunda-feira, com minha mala de viagem. Na segunda-feira de madrugada eu já estava lá com a mala. Quando cheguei na Usina São Marinho, vi que havia uma reforma grande sendo feita. No momento em que chegeui era uma fase em que estavam usando mais o maçarico do que a solda e de maçarico eu era bom. Quando chegou a hora da solda, o chefe era um pernambucano chamado Benicio, naquela época a cana era presa ao caminhão por cabos de aço, e na ponta eram soldadas ponteiras de latão. Seu Benício me disse: “-Após o horário de expediente, você quer pegar esse trabalho?”. Aceitei na hora. Eu ficava até as dez, onze horas da noite para soldar aquilo. Quando começou a parte de solda para valer, SeuBenicio me chamou e disse: “ Olha Paraiba, soldador você não é! Mas como você é esforçado, vou te dar uma chance, vou mandar vir um soldador, e você vai acompanhá-lo. Tive tanta sorte que o soldador que foi para lá era meu conhecido, era o Toninho Zéfundo. Permaneci por onze meses na Usina São Martinho. O soldador mandava eu dar o primeiro passo na solda, ele dava o segundo. Ai eu aprendi a soldar. Quando voltei à Piracicaba, fui trabalhar em Carioba, na Companhia de Força e Luz. Estavam precisando de soldador, eu não tinha carteira profissional, na época podia trabalhar sem  carteira profissional. Fiz um teste, usei o eletrodo 5-P, fui provado. Já com carteira profissional, registrado. Alguns funcionários que trabalhavam lá eram de São Paulo, me incentivaram a ir para lá, diziam que lá em São Paulo eu poderia arrumar um serviço melhor. Fui trabalhar em São Caetano. Foi uma decepeção, permaneci por quase um ano trabalhando em um lugar com poucas com poucas condições. O lado bom é que conheci São Paulo. Morava em São Caetano mas trabalhava em Osasco, São Bernardo. De lá fui trabalhar na Fichet, situada em Santo André. Trabalhava em montagens em todos os lugares.
O senhor conheceu sua esposa em Piraicaba?
Em 28 de fevereiro 1960 decidi me casar, casamos em Piracicaba, na Matriz de Santo Antonio.  Eu a conhecia, nós quadravamos o jardim em Piracicaba. Fomos morar em Piritituba. Eu trabalhava em uma firma no Bom Retiro, essa empresa estava mudando-se para Cumbica. Foi no período em em que Brasilia estava sendo construida, tinha muito serviço em São Paulo. Em Santo André a  Mannesmann fabricou grande parte dos postes de luz de Brasilia, passei a trabalhar lá como soldador. Eu já tinha me especializado. Da Mannesmann fui trabalhar como terceirizado na Petrobrás em Capuava, Santo André.  Ali soldava tubulações, depois chegou a solda em aço inoxidável fiz alguns curso de soldagem passei  a soldar com argônio, aluminio. As coisa melhoraram. Em 1961 nasceu a minha primeira filha. Em empresas contratadas trabalhei na Sambra, na Liquigáz, comprei um terreno e fiz uma casinha em Pirituba. Eu sempre vinha a Piracicaba, na época eu tinha um automóvel Volkswagen. Em uma dessas vezes quando voltei para SãoPaulo,tinha chovido muito e a água inundou a minha casa. Decidi mudar. Apareceu um loteamento próximo ao Pico do Jaraguá, ali comprei um terreno. Contratei um pedreiro e também trabalhei na construção da minha casa. Ali morei mais de 10 anos.
Quando o senhor voltou a Piracicaba para morar definitivamente?
Foi em 2002. Eu já estava aposentado. Comprei uma casa antiga no centro de Piracicaba, a minha esposa não queria nem ver, de tão ruim que estava a casa. Derrubei a casa antiga e fiquei um ano construindo uma nova casa. Eu estava com 70 anos, hoje,2013, estou com 83. Esses dias choveu muito, entortou a antena parabólica, esperei secar o telhado, subi e endireitei a antena.
Com 83 anos o senhor subiu no telhado da sua casa para fazer reparos?
Além da antena parabólica, troquei umas telhas que a chuva tinha danificado. O unico problema de saúde que estou tendo é um gripe muito forte.
O senhor dirige veiculos ainda?
Dirijo, a renovação da carteira de motorista é feita a cada três anos.
O senhor pratica algum esporte?
Meu esporte é trabalhar. Sempre gostei de trabalhar com soldagem.
Qual é a diferença da solda normal para a solda de alumínio?
Além do material utilizado para soldagem, o argônio, tem que ter uma mão muito firme.
Atualmente o soldador usa equipamentos de segurança e proteção, isso já existia quando o senhor começou a trabalhar?
No inicio não usava nada, não sabia, ninguém me orientava. Quando entrei no Dedini nunca tinha visto isso. Quando me queimava saia correndo.
Tanques de combustíveis, de grande porte, o senhor soldava?
Em uma ocasião fui soldar um tanque em Ribeirão Preto, ele tinha 10 metros de altura. Por uma abertura entrava no tanque, a cada duas horas saía de lá de dentro com a roupa encharcada de suor,  o sapatão tinha que ficar em cima de uma tábua, isso a noite, durante o dia parecia que do teto saia fogo de tanto calor.
Tanque de transporte de combustíveis em caminhão o senhor soldou?
Soldei em Limeira, trabalhei em uma fábrica de tanques de transporte de combustíveis. Um tanque tem três repartições dentro, em cima só tem a boca de entrada, trabalhava dentro, onde não dá para ficar em pé.
Soldar tanque de combustível que já foi usado para o transporte, não é perigoso?
É perigoso explodir. Tem que deixá-lo cheio de água por bastante tempo, depois tira-la e fazer o serviço. Primeiro tem que ser bem lavado. O ideal é soldar o tanque usado cheio de água. Se a solda for no fundo, vira-lo. A água ocupa o espaço onde ficaria o gás residual do combustível transportado.
O senhor trabalhou em Brasília?
Trabalhei com a Liquigás, fazendo os encanamentos de gás para os apartamentos funcionais, de propriedade do governo federal. Trabalhei no Eixo, isso foi na década de 70. O cano que foi colocado era de meia polegada, de ferro. As curvas feitas no cano para passar da sala para a cozinha eram feitas a mão. Um serviço de qualidade duvidosa. Eram canos que conduziam gás, e que com o passar do tempo iriam enferrujar. E nós tínhamos que soldar, o que aumentava o risco de no futuro ocorrer problemas s´rios de vazamentos.
Não é muito arriscado usar cano de ferro para conduzir gás?
O correto é usar cano de cobre.
Chuveiro a gás é seguro?
Pessoalmente não acho prático. Levam uns 20 minutos para poder aquecer a água, ou esquenta demais ou de menos. Não tenho paciência de ficar  regulando a temperatura ideal.
O senhor chegou a trabalhar a solda com carbureto?
A solda a carbureto tem um botijão de oxigênio e o carbureto que dá a chama. (O Carbureto de Cálcio aplicado em geradores apropriados reage com água, produzindo o acetileno que quando combinado com oxigênio, proporciona uma chama quente). Na Petrobras, quando íamos soldar um tubo era colocado um produto que produzia um ar a baixa temperatura, internamente, mesmo fazendo a solda por fora do tubo, internamente não ficava nenhuma rebarba, a superfície interna do tubo, onde foi soldada, ficava totalmente lisa.
Qual é a solda mais resistente que existe?
Quem faz a solda ficar mais ou menos resistente é o soldador. Todas são resistentes, o importante é como a superfície foi preparada para receber a solda, como essa soldagem foi realizada. Se não tiver uniformidade na solda, fica um buraco, ali ela perde a resistência e quebra. Por isso existe um exame de Raio –X em determinadas peças que foram soldadas, se existir algum ponto fraco, nesse exame aparece.
O senhor como pessoa nascida no nordeste, experiente, consegue responder por que até hoje o nordeste não resolveu o problema da seca?
Não há empenho de fato em resolver. Falta orientação, educação para o povo.
 


 

 
 



Arquivo do blog