Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, outubro 26, 2014

ROMI ISETTA! A HISTÓRIA DO 1º AUTOMÓVEL GENUINAMENTE BRASILEIRO!!! VÍDEO...


sexta-feira, outubro 24, 2014

O resgate da locomotiva 18 da Estrada de Ferro Perus Pirapora.


Romi-Isetta em Santa Bárbara d'Oeste - 1955-1960


CYRILLO BALESTERO


PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 25 outubro de 2014.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/





ENTREVISTADO: CYRILLO BALESTERO

 

Cyrillo Balestero nasceu a 9 de setembro de 1929, no Bairro Monte Alegre, filho de Miguel Balestero e Alzira Della Valle Balestero que tiveram quatro filhos: Inês, Pedro, Cyrillo e  Ernesto.

A atividade do pai do senhor qual era?

Ele trabalhava na seção de mecânica , na Usina Monte Alegre, na época de propriedade de Pedro Morganti.

O senhor estudou inicialmente em que escola?

Estudei no Grupo Escolar Marquês de Monte Alegre.Lá estudei do primeiro ao quarto ano, minha primeira professora foi Da. Lavínia Tricânico, com ela estudei o primeiro ano os outros três anos tive como professora Dona Rafaelina. No Bairro Monte Alegre tinha vários núcleos de moradores, o nome do lugar em que eu morava era Córrego da Onça, era uma colônia, com umas dez casas, existe até hoje só que com o nome de Colônia Marco Ometto. Terminei o quarto ano de grupo escolar com onze anos. Naquele tempo não era como  hoje que é proibido trabalhar com essa idade. Tinha que trabalhar para conseguir comer. Os pais eram pobres. Com 11 anos fui cortar cana-de-açucar, era um ganho irrisório mas ajudava, nesse serviço trabalhei até os quatorze anos, idade em que entrei na seção de mecânica. 

A que horas começava o corte de cana?

Lá pelas sete horas da manhã, levava o almoço em uma marmita, ia sempre a pé, eu ia cortar sempre por perto, quando era muito distante o proprietário da cana levava-nos na carroça. Naquela época usava-se muito a alpargatas roda, um calçado feito de lona com solado em corda. A minha mãe costurava todas as nossas roupas, ela era costureira de mão cheia, dava aulas de costura em casa. Voltava lá pelas quatro e meia, cinco horas da tarde. Tomava um banho, na época não havia chuveiro, era banho de bacia, colocava a bacia no quarto e tomava banho lá.  A água nós íamos buscar em um tanque que ficava em frente de casa, distante uns cinqüenta metros, tinha uma lagoa, ia buscar água lá. Bebíamos aquela água só que antes era filtrada em um pote de barro. As brincadeiras de criança na época era jogar pião, jogava bola, com uma bola feita de meia. A noite ficava embaixo do poste brincando de esconde-esconde, eram brincadeiras inocentes.



 


                                                         ALPARGATAS RODA


12 MILHÕES DE PARES EM 1951 

O senhor lembra-se quantas pessoas trabalhavam na usina?

Não posso afirmar com absoluta certeza, mas ouvia dizer que era de 400 a 450 pessoas.

A Usina Monte Alegre tinha uma linha de trem própria?

O trenzinho da usina puxava cana, trazia das fazendas onde era plantada. Naquele tempo era Fazenda Santa Rita, hoje Bairro Santa Rita, Fazenda Taquaral, que é o atual Bairro Taquaral, Fazenda Varginha, onde hoje é a UNIMEP, Fazenda Santa Isabel, na estrada velha de quem vai para Tupi.  Todas essas áreas eram onde se plantava cana-de-açúcar. O transporte era feito pelo trenzinho. 

A missa era realizada na capela?

Todos os domingos havia missa às oito horas da manhã, eu fui coroinha. Batia o sino da Capela São Pedro, Alfredo Volpi já tinha pintado o interior da capela. O pároco da Igreja Bom Jesus, Monsenhor Martinho Salgot ia celebrar as missas. Quando ele não podia ir era substituído por um dos três frades que geralmente iam. A missa era em latim, o celebrante e os coroinhas ficavam de costas para o povo, olhando para o altar que ficava em frente. Como coroinha usava batina de cor cinza em dias normais e em dias de festa era usada batina vermelha, sempre com roquete branco. No dia de São Pedro, nosso patrono, tinha festa o dia todo. A tarde havia procissão.

A missa era celebrada com o celebrante e os coroinhas dando as costas para os fiéis.
 

Havia a pratica de esportes?

Cheguei a jogar no União Monte Alegre Futebol Clube, eu não era titular, tempo do Baltazar que depois jogou pelo Jabaquara e pelo Corinthians.

Qual sua função ao entrar no setor de mecânica?

Completei 14 anos dia 9 de setembro, no dia 13 de setembro entrei na mecânica com carteira de trabalho assinada. Minha função era ajudante de torneiro. Limpava o torno para o oficial, varria o chão, arrumava as peças, de vez em quando dava uma mexidinha na máquina, era um torno alemão. O torneiro com quem eu trabalhava era um senhor muito bom, chamava-se Bernardo Trevisor, mais tarde ele foi chefe da mecânica da Mausa. Ele fazia questão que eu aprendesse, com isso aprendi mesmo! Na oficina era feita a manutenção da usina. Tinha muito serviço. O chefe da oficina era  João Bottene, era um “crânio”, muito inteligente. Foi pioneiro do uso do álcool combustível no Brasil. Em 1945 nem se falava em motor a alcool, João Bottene transformou lá no Monte Alegre, três ou quatro motores da gasolina para o alcool. Do caminhão que regava as ruas, e no trilho tinha uma peruinha que inspecionava as linhas, o motor era a gasolina ele transformou para usar alcool. O João Bottene morava no Monte Alegre na época.
 

Ele que construía as locomotivas utilizadas pela usina?

Uma das que ele construiu eu trabalhei junto, na fabricação da locomotiva. No dia em que foi colocada em uso a máquina, todo pessoal da oficina ficou em frente, em cima, da locomotiva. Tenho até hoje a fotografia desse momento histórico. Era a locomotiva número 5, foi batizada de “Joaninha Morganti”. Meu irmão, mais velho do que eu, gostava muito de locomotiva, ele viu essa locomotiva em Perus, localidade próxima a São Paulo, isso foi a uns 7 ou 8 anos, ela estava puxando cimento.

Locomotiva a vapor número 5, "Joaninha Morganti", construída por João Bottene, na fotografia estão todos os funcionários da oficina em cima e em volta dela
 

Qual era a bitola dela?

A distância entre os dois trilhos era de 60 centímetros. Era movida a vapor e alimentada por lenha.

Após iniciar como ajudante na oficina, quantos anos o senhor permaneceu na Usina Monte Alegre?

Fiquei quatro anos, com 18 anos me aventurei em São Paulo. Minha irmã já morava lá. Um amigo que tinha trabalhado comigo na oficina já tinha ido para lá. Uma das vezes em que ele esteve em Monte Alegre, visitando a família, perguntou-me se eu queria ir para lá. E explicou-me como eram as coisas por lá. Ele acertou tudo para mim, fui  trabalhar na Vila Leopoldina, era na manutenção de uma tecelagem. Passei a morar na Vila Leopoldina, em um prédio em que tinha um restaurante embaixo e alugava quartos na parte superior. Quando eu vinha para Piracicaba vinha de trem pela Companhia Paulista. Após algum tempo, minha irmã e meu cunhado insistiram para ir morar com eles, tinha serviço bem próximo ao local onde eles moravam, nos Campos Elíseos, ao lado do convento Coração de Jesus, na Alameda Dino Bueno. Meu cunhado trabalhava em uma retífica que ficava embaixo do sobrado em que ele morava. Eu passei a trabalhar em outra retífica que se situava mais ou menos a uns seis quarteirões dali, era a Retífica Delgado. Naquele tempo ali havia uma estação de bondes, na Rua Vitorino Camilo.

Quais motores eram retificados na época?

Retificavam-se muito motores de automóveis Dodge, Ford, Chevrolet. Todos de carros importados. Motores de ferro fundido e pistão de alumínio. Lá também eram fabricadas algumas peças para diferencial, que eram as peças mais difíceis de serem encontradas. Era uma retífica com 50 a 60 funcionários. No Monte Alegre eu ganhava dois mil réis por hora, lá entrei ganhando seis mil réis por hora. Eu não estava acostumado a ganhar tanto dinheiro assim, cada vez que vinha para casa deixava um dinheirinho com meus pais. Passado um tempo, um irmão veio trabalhar em Piracicaba, perguntou-me por que eu não voltava agora a cidade já tinha locais que ofereciam emprego. Acabei vindo à Piracicaba. Fui trabalhar na Mecânica Irval, era uma oficina de recuperação de tratores, situava-se na Rua Alferes José Caetano, a meia quadra abaixo da Estação da Paulista. Não trabalhei ali por muito tempo, fui trabalhar na Mausa situada na Rua Santa Cruz, junto com João Bottene, o Bernardo que era o meu professor lá no Monte Alegre era o chefe da oficina na Mausa. Os proprietários da Mausa eram João Bottene e Dr. Rubens de Souza Carvalho. Quando entrei ali existia só o barracão do lado debaixo da Rua Santa Cruz, depois foi aumentando, compraram na frente, ao lado.

Piracicaba era bem menor nessa época.

As indústrias daqui aram muito limitadas, havia uma restrição de funcionários de uma empresa não ser bem aceito em outra empresa, em termo vulgar, as famosas “panelinhas”, grupos fechados. Quem trabalhava na Mausa não podia entrar no Dedini, quem trabalhava no Dedini não podia entra na Mausa. Quem trabalhava no Monte Alegre não podia trabalhar na Mausa. Tinha que trabalhar em outro lugar para depois ser aceito em uma dessas empresas. Com a expansão das indústrias isso tudo acabou.

Na Mausa em que setor o senhor trabalhava?

Trabalhava em torno mecânico. A Mausa fabricava maquinas e peças para usina de açúcar. Turbinas, filtros rotativos, João Bottene projetava tudo. Ele residia na Rua D.Pedro II a 50 metros da Mausa. Eu entrei na Mausa em 1950 e permaneci lá até 1962. Em 1955 eu me casei com Oralda Orlandim, naquela época havia o costume de quadrar o jardim, lá que nos conhecemos, casamos no dia 8 de maio de 1955, na Catedral de Santo Antônio, estava ainda em construção a catedral nova, mas já estava funcionando. O padre celebrante foi um primo da minha esposa, Padre Otales Schimidt, era de Rio Claro, pertencia a ordem dos claretianos. 

O senhor sempre foi religioso?

Sempre. Fui vicentino a partir de 1966 quando passei a trabalhar na Paróquia do Bom Jesus. O trabalho do vicentino é um trabalho no anonimato, fazemos o trabalho, as campanhas, distribui gêneros alimentícios para as famílias necessitadas. Antes de a família receber ajuda é feita uma sindicância. Trabalhávamos para elevar o nível da família necessitada, mas exigia que estivessem trabalhando. Não era para receber a cesta de alimentos e ficar em casa sem fazer nada. No inicio distribuíamos um vale íamos a um armazém, uma venda, próxima a casa da família assistida, acertava com o proprietário, o socorrido iria com o nosso vale, e ele fornecia as mercadorias até o limite daquele vale. E dava só gêneros de primeira necessidade.

Quantos socorridos eram atendidos?

Os vicentinos formam grupos, cada grupo é chamado de conferência. Na Paróquia do Bom Jesus tinha seis conferências, seis grupos de vicentinos. Cada conferência recebia o nome de um santo. A minha era a Conferência São Francisco de Sales. Chegamos a ter 11 membros, assistindo 8 famílias.

De onde surgiam os recursos para essa ação?

Colaborávamos na medida do possível. Também pedíamos. No natal fazíamos uma lista e pedíamos dinheiro mesmo para comprar uma cesta de natal para os pobres. Depois acabou essa ação de fazer lista e pedíamos os alimentos mesmo.

Quantas unidades de vicentinos havia em Piracicaba?

Até quando eu estava na ativa eram 33 conferências. Até hoje em todas as paróquias os vicentinos atuam ativamente. Ainda na Paróquia Bom Jesus fui Ministro da Eucaristia, por onze anos, o padre Reinaldo Zaniboni era o pároco. No inicio éramos onze ministros, depois passamos para quatorze.  Isso foi de 1995 até 2005.

Até 1962 o senhor trabalhou na Mausa, de lá o senhor foi trabalhar onde?

No SENAI. Prestei concurso no fim de 1961, fiz os exames teóricos e práticos em São Paulo. Chamaram-me para trabalhar em São Paulo, eu já era casado, tinha três filhos: Rosany, Miguel e Maria do Carmo. Depois que veio o André. Não aceitei ir para São Paulo, iria modificar muito a vida da minha família. Aí ofereceram para trabalhar em Santa Bárbara D`Oeste. Naquele tempo era Fundação Romi-SENAI. Os funcionários eram do SENAI e as instalações do Romi. Aceitei. Ia às segundas feiras e voltava as sexta feiras a noite. Lá eu fazia minhas refeições no Restaurante do Bacchim e morava em uma espécie de república, tinha mais uns três ou quatro funcionários que eram de Piracicaba e trabalhavam lá no SENAI de Santa Bárbara. Conheci os filhos do Comendador Emílio Romi. Isso foi de 1962 a 1965.

Foi na época em que a Romi fabricava a Romisetta?

Eu vi lá! Não cheguei a dirigir. Eu trabalhava no prédio onde até hoje é a Fundação Romi, a fábrica da Romisetta era abaixo, atrás da estação de trem. Um funcionário da Romi fazia o contato Romi-Escola, ele usava uma Romisetta.


Romisetta
 

                                                                              
                                                                               
 
 

Qual era a função do senhor no SENAI?

Fui instrutor de torneiro mecânico. Em maio de 1965 fui transferido para o SENAI de Piracicaba. O Jordão era o diretor. Conheci João Pires da Rosa, Luiz Alberto Gonçalves Rosa, Clemente Nelson. Mesmo após ter saído do SENAI dei uns cursos extras lá.

O SENAI era motivo de orgulho para os piracicabanos?

Era uma escola diferenciada. O aluno entrava para aprender a trabalhar. O curso durava um ano e meio. Tinha aulas teóricas e práticas. Naquele tempo o aluno não pagava nada. As indústrias é que mandavam os alunos para lá, ele já ia empregado.

Em média uma turma tinha quantos alunos?

Na oficina, na minha seção, tinha dez tornos cada um com um aluno.

No SENAI só havia alunos do sexo masculino?

Em Santa Bárbara D`Oeste eu vi uma aluna, no curso noturno. Ela fez um semestre comigo. Foi a única que vi até hoje. E era uma boa aluna.

Qual era a carga horária do aluno?

Entrava as sete e meia, saia as onze e meia, voltava a uma hora da tarde até as cinco horas. De manhã ficava na sala de aula, a tarde na oficina. Passava o dia inteiro na escola. No começo não havia cantina, o aluno trazia o almoço de casa, ou ia almoçar na sua casa. Depois colocaram cantina.

Quantos professores lecionavam no SENAI em Piracicaba?

Na seção de torno éramos três, na seção de ajustagem eram quatro, na seção de mecânica de auto eram dois. Depois tinha os professores que lecionavam matemática, português, ciência. desenho.

O senhor chegou a projetar diversos produtos, um deles é uma chocadeira?

A história da chocadeira é interessante. O professor Salatti um dia apareceu na escola com uma caixinha, ele sabia que eu era muito interessado no assunto. Antes de entrar no SENAI, ainda trabalhava na Mausa, conheci o instrutor do SENAI, Seu Ozias, ele morava perto de casa. Sempre tive uma queda para criação. Ele me disse: “-Cyrillo! Quer fazer uma chocadeira? Eu ensino!”. Fiz, uma até grande, cabia 220 ovos. O Salatti devia saber do caso, quando apareceu com aquela chocadeirinha me chamou. Conversamos. Fiz uma idêntica. Era para 30 ovos.

Como funciona uma chocadeira?

Os ovos são colocados em bandejas, tem que serem virados três vezes ao do dia, tem que estar com a temperatura de 38 a 39 graus, umidade controlada de 70 a 80 por cento. Para chocar um ovo é o mesmo tempo que leva a galinha, 21 dias. Eles nascem sozinhos, são colocados em uma caixinha com água e ração eles se viram sozinhos. Naquele tempo meu pai era vivo, ele fazia a caixa, eu fazia a instalação. Já fiz mais de 200 chocadeiras. Até hoje faço, mais para me distrair. Já fiz chocadeira para 480 ovos. Já levaram chocadeiras que fabriquei para o Paraná, Minas Gerais, até em Tocantins.

O senhor aposentou-se quando?

Em 1 de fevereiro de 1978, aos 49 anos. Tinha 35 anos de carteira de trabalho assinada. Meu irmão e eu abrimos uma oficina, “Retifica de Carcaças Pedrinho”, carcaças são os blocos do motor. A empresa existe até hoje, meu filho que assumiu. Trabalhei 20 anos junto com meu irmão. Trabalhávamos para as retificas Consentino, Rezende, São Cristóvão. Em 2007 eu fiz cirurgias nos joelhos, parei de trabalhar na retífica.

Qual é o segredo de estar com tão boa disposição como o senhor têm?

Não consigo ficar parado. Tenho que fazer alguma coisa. Entrei na Conferência Vicentina em 1966, parei no ano passado. Fiz parte do Conselho da Creche dos Vicentinos, na Rua D.Pedro com a Rua Visconde de Rio Branco. Fiz parte do grupo que cozinhava nas promoções. Fazíamos feijoada para 600 marmitex, puchero e de vez em quando jantares. Quando fazia bingo era galinhada. Eu fiz o cursilho em 1970, em 1978 fui trabalhar no cursilho. Em dois cursilhos eu trabalhei na sala de aula. Depois fui para a cozinha. Comecei como ajudante, lavava pratos. Depois passei para fazer o café, já estava no fogão junto com os cozinheiros. Passei para ajudante de cozinheiro, em seguida cozinheiro, fui coordenador da cozinha, fazia o cardápio, calculava quantidades, fazia as compras. Tudo na chácara da diocese no bairro Nova Suissa. Trabalhei no cursilho por 27 anos. No cursilho tinha o Hércio Cortozi e o Elpídio Roberti, formamos uma equipe e fomos trabalhar na Festa das Nações, na barraca italiana. Desde a primeira festa, que foi realizada no Lar Franciscano de Menores, e lá permaneceu até a décima segunda. Trabalhei até a décima quarta Festa das Nações. No Engenho trabalhei apenas em duas festas. Trabalhava para a Creche São Vicente de Paula e para a Creche Ada Dedini Ometto. Alguns cozinheiros da creche Ada Dedini Ometto assumiram e nós paramos. Era gostoso, cansativo, mas gostoso.

sexta-feira, outubro 17, 2014

Gliwice Radio Tower - Operation Canned Goods - Gleiwitz incident


Gleiwitz O.-S.


ALFRED ALFONS ALEXANDER POTTAG


JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 18 outubro de 2014.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
 


ENTREVISTADO: ALFRED ALFONS ALEXANDER POTTAG
 
Alfred Alfons Alexander Pottag nasceu a 27 de fevereiro de 1926, na cidade de Gleiwitz O/S, Alemanha, filho de Martha Pottag e Fritz Pottag. Hoje ele reside em Piracicaba, do alto dos seus 88 anos conserva uma vitalidade invejável, ao apanhar uma caneta que ia cair seus movimentos foram rápidos, conserva um forte sotaque, muito sorridente e solícito, extremamente organizado, mantém documentos que demonstram sua trajetória pessoal e profissional. Trabalhou no Brasil em uma empresa de origem alemã, na parede estão dependurados os quadros com muitos certificados atestando seu excelente desempenho profissional nessa conceituada empresa. Sua trajetória de vida é exemplar, mesmo em condições mais adversas possíveis.  Atualmente Gliwice (em alemão Gleiwitz) é uma cidade no sul da Polônia. Após o fim da Primeira Guerra Mundial ocorreram confrontos entre alemães e poloneses por questões de territórios. Habitantes etnicamente poloneses queriam incorporar a cidade de Gleiwitz. Houve resistência por parte da população etnicamente alemã. A Liga das Nações realizou um plebiscito em 20 de março de 1921 sendo que 78 por cento da população votou pela sua permanência como integrante da Alemanha. Quando o território era parte da Alemanha, em Gleiwitz foi erguida uma torre de rádio em madeira, existente até hoje e é a mais alta estrutura em madeira da Europa. Têm 118 metros de altura, uma escada de 365 degraus dá acesso ao topo. A 31 de agosto de 1939 ocorreu o famoso Incidente Gleiwitz, a invasão da rádio por um grupo de pessoas usando uniformes poloneses apoderou-se da estação de rádio de Gleiwitz para transmitir em polonês uma mensagem anti-germânica. No dia seguinte, a 01 de setembro de 1939, a Alemanha invadiu a Polônia iniciando a Segunda Guerra Mundial. Alfred Alfons Alexander Pottag então com 13 anos, morava em Gleiwitz, centro do teatro de operações. A casa em que residia permanece no mesmo estado em que se encontrava na ocasião, sendo que nesse período foi totalmente conservada pelos proprietários, sem alterar as características originais.

ALFRED ALFONS ALEXANDER POTTAG

O senhor estudou na Alemanha?
Estudei na Mittelschule, termo em alemão literalmente traduzido para nível intermediário entre ensino fundamental e ensino superior, utilizado nos sistemas de ensino das diferentes partes da Europa de língua alemã, isso foi em 1941. A profissionalização concluí em 5 de maio de 1944, como técnico mecânico. A 15 de maio fui convocado pela marinha alemã para ir para a França. Em janeiro embarquei no navio Julius Rütger, era um navio tanque, eu tinha feito o curso de telegrafista na marinha, trabalhei nessa função. Depois embarquei no Gazella. Embarquei na Flotilha Hella DGO 29.

CAPA DA CADERNETA COM TODAS AS ANOTAÇÕES DA FAMÍLIA

Como era a bordo?
 Passamos por muitas batalhas, sempre sendo bombardeados, por aviões, navios.
O senhor teve algum ferimento nessas batalhas?
Felizmente não. Meu posto era na sala de telegrafia.


Como era a alimentação dentro do navio?
Normal. Tinha um cozinheiro que preparava a comida. Todos os alimentos eram enlatados. Isso foi muito ruim, quase tive escorbuto, doença que surge como conseqüência da falta extrema de vitamina C no organismo. O médico trouxe-me pomada a base de limão para higienizar e passar na gengiva. Havia muito peixe, defumado.


Quantas horas dormia-se por dia?
A cada quatro horas havia revezamento. O telegrafista tinha que mandar e receber mensagens em código. (Criptografia- Enigma é o nome por que é conhecida uma máquina electro-mecânica de criptografia com rotores, utilizada tanto para criptografar como para descriptografar mensagens secretas, usadas em várias formas na Europa a partir dos anos 1920. A sua fama vem de ter sido adaptada pela maior parte das forças militares alemãs a partir de cerca de 1930).


Quando descia no porto qual era o melhor local para abrigar-se?
Escondíamos na floresta. Os russos sempre vinham na hora certa. Às oito horas da manhã já vinham os aviões bombardeando. Já ouvia o motor dos aviões que estavam chegando. O navio tinha a defesa antiaérea. As flotilhas tinham metralhadoras, canhões.
Quanto tempo durou a participação do senhor na Segunda Guerra?
Foram alguns meses, os russos chegaram muito rápido. Sempre fugíamos antes de eles chegarem. Quando os navios estavam no porto os russos vinham atacar com seus aviões, às oito horas da manhã, ao meio dia, às quatro horas e às seis horas da tarde, eram quatro ataques sempre na mesma hora. Antes de chegarem os bombardeiros já fugíamos. Em 8 de maio de 1945 acabou a Segunda Grande Guerra. A capitulação foi propalada à todo mundo, ao meio dia tinha acabado a guerra. Após o meio dia viriam os russos, teríamos que entregar tudo para eles. O comandante do nosso navio disse-nos que às oito horas da noite iríamos fugir, no meio daquela confusão toda. Voltamos para a Alemanha. Encontramos com militares da Suécia, iríamos nos rendermos a eles. Perguntaram se tínhamos algum ferido, dissemos que não. Perguntaram se tínhamos combustível para continuar, dissemos que tínhamos, eles então não nos deixaram aportar. Foi bom. Bem depois eu ouvi falar que os soldados da Suécia, da Noruega, mandavam os que se rendiam para os russos e os russos mandavam os prisioneiros para a Sibéria! Continuamos a viagem, até o ponto em que perguntei a outro marinheiro se sabia onde estávamos, ele disse-me que conhecia aquele local, era a Ilha de Rügen, Alemanha. Era 13 de maio de 1945, viajamos a noite, foram cinco noites. Nosso navio era o DGO-29. Permanecemos no porto, até que veio uma patrulha mista, alemães e ingleses, perguntaram quem erramos, respondemos que éramos marinheiros. Permanecemos algumas semanas, fomos até Franzburg, voltamos.


Os ingleses estavam comandando a operação naquela área?
 
 
MAQUINA DE CRIPTOGRAFIA ENIGMA COM TRÊS ROTORES

O comandante inglês, junto com seus oficiais, nos separou por idade, acima de 25 anos para um lado, com menos para outro lado. Ele perguntou quais eram as funções em que cada um era especialista. Telegrafista, mecânico, especialista em minas, fui trabalhar uns dias em um navio inglês, em agosto de 1945 veio um navio chamado Tanga, com 20 ingleses, sendo 2 oficiais, 2 russos, 1 telegrafista russo, foram pegar pequenas flotilhas, passar para eles, todos os navios eram levados para os russos, fizemos isso umas cinco ou seis vezes, levar navios para os russos, inclusive entregamos um navio chamado “Pátria”. Estávamos na condição de prisioneiros. Os ingleses nos deixaram com os holandeses, para tirar a minas deles.

 BRINQUEDO ALEMÃO COM DEZENAS DE ANOS PERTENCENTE A FAMÍLIA DE ALFRED

Como eram retiradas as minas no mar?
Os holandeses tinham cinco ou seis flotilhas, sempre com patrulha holandesa. Quando via as minas, deixavam que fizéssemos o trabalho perigoso para eles. Dá para ver onde está a mina. Normalmente a mina é ancorada num lugar pré-determinado, ficando flutuando sob a superfície e na altura determinada por um cabo ligado a uma espécie de  ancora, quando cortado o cabo a mina subia. Para cortar o cabo eram passados um navio a cada lado do cabo, a mina subia e aflorava a superfície. Passava três vezes pelo cabo em um sentido, e mais três vezes no sentido perpendicular ao sentido anterior.  Assim cortava o cabo. Esse cabo que passavamos era como uma serra de metal. A  artilharia holandesa então atirava e explodia a mina, desativando-a.

PLACA EM GLIWICE ONDE INICIOU A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

O senhor está vivo por ter muita sorte, esse é um serviço perigoso!
Eu nunca fiz esse desarme, ficava no navio Tanga que acompanha as operações! Tiramos minas até chegar a Roterdan.

NAVIO TANGA

Quando o senhor deixou de ser prisioneiro de guerra?
No começo de dezembro de 1945, subinhos em caminhões que iriam nos levar em campos de prisioneiros. Inclusive tenho uma marca proxima ao olho, isso foi uma passagem que nunca me esqueci. Um coronel inglês, muito altivo, com um bastão sob o braço, deu ordem de comando em inglês, de forma enérgica, muito rápido, não compreendi imediatamente, ele perguntou-me de forma mais energica alguma coisa que não entendi. De alguma forma entendi que ele queria que em consideração a sua autoridade batesse a continência para ele. Imediatamente obedeci, e fiz o sinal de continência a que estava acostumado no exército...alemão! Imediatamente ele bateu com o bastão em meu rosto, muito próximo ao olho, deixando a marca que tenho até hoje.
Nesse período é que o senhor foi libertado?
Só que antes de tudo fizeram avaliações médicas, tudo anotado em uma caderneta, as injeções e vacinas que eram dadas. Cada folha era analisada, passava por várias mãos de analistas do exército inglês. Era feita uma autentica classificação e análise do soldado prisioneiro. Incluindo fotografia, impressão digital. Alfred busca em seus arquivos a ficha original e exibe com satisfação, dá para sentir o prazer da perfeita ordem e disciplina germânica, que zelou por seus documentos todas essas décadas, no mais perfeito estado de conservação.  Na Alemanha cada família tem uma caderneta, em capa dura, com o símbolo do Estado Alemão onde são registrados os eventos importantes, desde o casamento, nascimento dos filhos, com toda a relação de ascendentes e descendentes diretos. È uma cópia dos documentos arquivados na prefeitura da localidade aonde a pessoa reside.
O senhor casou-se?
Casei-me com Anna Paula Pottag, na Alemanha, tivemos três filhos: Carmen, Ralf Siegfried e Fred Wolfgang. Em 1960 cheguei ao Brasil. Trabalhei sempre na Bosch, a Bosch inventou e produziu o primeiro aquecedor do mundo, sendo a pioneira neste mercado. Os Aquecedores a Gás de Água Bosch Junkers. Existiam várias fábricas e divisões, mas todas com a marca Bosch.
Quanto tempo o senhor trabalhou na Bosch?
Foram quarenta anos.
O senhor voltou a passeio a atual Gliwice, hoje território polonês, (em alemão Gleiwitz)
 Em 2005 fiz uma viagem com meu filho pela Alemanha, fui visitar a casa onde nasci o local onde foi a prefeitura, a estação de trem, a universidade, a escola onde estudei, ao lado, o jardim biológico com dois leões de pedra na entrada, a maior torre de rádio em madeira da Europa, com décadas de existência. Há uma placa onde marca o dia da entrada da Alemanha na Polônia, foi quando se iniciou a Segunda Grande Guerra Mundial a 31 de agosto de 1939. Alfred mostra a fotografia de uma estrutura em vidro e alumínio que compõem um edifício, construída quando ele morava em Gleiwitz. Nesta igreja (ele mostra a fotografia tirada em 2005), onde fui batizado, recebi a primeira comunhão. Conversei com o padre, que embora seja polonês fala alemão, fiquei impressionado que bastou dar a data do meu nascimento e ele imediatamente localizou o documento do meu batizado. Todos os meus dados estão anotados, filiação, ascendentes. Ele fez uma cópia, só que traduzimos em português. Encontrei meu cunhado, ele tinha voltado em 1959 para a Alemanha, ele foi escravo dos russos até 1959.  O pai dele fez a opção de ser cidadão polonês. Almoçamos, juntos com mais parentes e amigos na casa dele. Todos optaram pela nacionalidade polonesa.  
 
 

sexta-feira, outubro 10, 2014

MARIA ODILA RAZERA GERAGE GARDENAL e JOÃO MATIAS GARDENAL


 
 PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 11 outubro de 2014.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/



 



ENTREVISTADOS: MARIA ODILA RAZERA GERAGE GARDENAL  e  JOÃO MATIAS GARDENAL

 

A Sra. Maria Odila Razera Gerage Gardenal nasceu em Piracicaba a 2 de agosto de 1942 filha de Rafael Gerage e Herminia Razera Gerage que tiveram 12 filhos: Leni, Neli Carolina, Darci, Miguel, Luzia, Antonieta, Irineu, Maria Odila, Terezinha, Roseli, Rafael e Carlos.  O Sr. João Matias Gardenal, nasceu em Laranjal Paulista a 3 de agosto de 1942, filho de Adamo Gardenal e Anunciata Mateucci Gardenal que tiveram treze filhos: Aparecida, Natalino, Vitória, Maria, Josué, Isabel, Irene, João Matias, Junia, Herminda Loide, Noemia, Tito e Juraci. A 10 de setembro de 1966, Maria Odila e Matias tiveram seu casamento celebrado pelo Padre Antonio Geroto na Igreja Sagrado Coração de Jesus, mais conhecida como Igreja dos Frades, em Piracicaba, tem os filhos Maria Adriana, Carlos Alberto e Emerson.

Da. Maria Odila como vocês se conheceram?

Foi na casa de uma cunhada do Matias. Na época eu fazia bordados ponto cruz, rococó,  para a cunhada dele, a Rosa, eu pegava peças dela como lençóis, para bordar. A Rosa e seu marido Josué Elias Gardenal moravam na Avenida do Café, duas casas antes de chegar a Rua da Glória. Nessa época o Matias estava residindo com eles, foi lá que o conheci. A Rosa incentivou o nosso namoro. Casamos e fomos morar na Rua Alfredo Guedes, 1828, era casa do meu sogro.

O senhor exercia qual atividade na época?

Trabalhava no Dedini.

Com quantos anos o senhor veio de Laranjal à Piracicaba?

Eu estava morando com meu irmão Josué quando completei 19 anos.

Quando o senhor chegou aqui qual foi a sua primeira atividade?

Em Laranjal Paulista eu trabalhava na roça, carpia mesmo! Aqui chegando fui trabalhar na oficina mecânica de propriedade do meu irmão Natalino. Antonio Gardenal. Comecei trocando molas, lonas. Serviços que não exigiam conhecimentos técnicos relevantes. O que eu fazia era serviço próprio de ajudante mecânico. Permaneci lá por cerca de um ano e pouco, de lá fui trabalhar no Dedini.

Que serviço o senhor fazia no Dedini?

Trabalhava na manutenção, a noite.

Como era o Comendador Mário Dedini?

Pelo menos nas vezes que nos encontramos era do tipo da pessoa que vinha cumprimentar, dava um aperto de mão, perguntava, falava, quando passava perto de alguém sempre cumprimentava a pessoa. Era um homem simples. Pelo menos dentro da oficina. Era interessado pelo serviço e atencioso com os funcionários. Permaneci trabalhando lá por três anos.

Saindo desse emprego no que o senhor foi trabalhar?

Fui ser motorista de caminhão, isso foi em 1965. Fui trabalhar com um Alfa-Romeu, o famoso FNM. O proprietário do caminhão era Raul Fernandes do Depósito de Madeiras Fernandes.

Como é dirigir um FNM?

Para quem tem braço bom é um caminhão gostoso. Não tinha direção hidráulica, era câmbio seco, tinha que ter uma boa audição, o câmbio seco só se engata a marcha no tempo certo do motor, na rotação correta do motor. Eram quatro marchas todas reduzidas. Tinha um motor muito bom.

Quebrava muito?

Quebrava, mas não por defeito do caminhão, as estradas é que não eram boas. A grande maioria das estradas era de terra. As estradas eram ruins, tinha que ficar engatando as marchas o tempo todo. Carregava 20.000 a 22.000 quilos. Saia de Chopinzinho, Pato Branco, Marmeleiro, Cascavel, Foz do Iguaçu no Paraná, só estradas de terra, com aclives que quando chegava ao topo o motor estava no último estágio de potência.

E quando chovia?

Tinha que esperar passar a chuva. Nesses caminhões não adiantava colocar correntes nos pneus. O motor era diesel.

Quem trocava o pneu quando furava?

Eu mesmo trocava. Colocava o macaco conhecido por “Chicão”. Só que usavamos uma madeira resistente, alta o suficiente para que pudéssemos aliviar o peso, ai entrava com o macaco hidráulico embaixo. O estepe ficava dependurado atrás, tinha uma catraca para solta-lo. Dava trabalho. Não furava muito os pneus.

O Alfa-Romeu esquentava muito o motor?

Não tinha esse problema. Era barulhento. Na época poucos caminhões tinham a cama dentro da cabine, o Alfa-Romeu tinha uma cama, dormia-se dentro da cabine. A velocidade normal era de 60 quilômetros por hora. No ponto morto não tinha limite. Em lugar que podia soltar, descia no ponto morto. De vez em quando dava uma cutucadinha no freio para ver se estava funcionando. Se precisasse segurar a curta distância era impossível. Para dar partida tinha duas baterias de 24 volts. Motor com seis pistões. O motor dele é muito semelhante ao do Scania, a diferença é que do Scania é bloco fundido e o do FNM era todo em alumínio.

O senhor lembra-se do Papa-Fila, que era o caminhão FNM com o reboque em forma de carroceria de ônibus, conduzia um grande número de pessoas?

Era o famoso Romeu e Julieta.  Vi em São Paulo esse Papa-Fila. O motorista ficava isolado na cabine. O FNM era um caminhão bom, o que tirou a fama dele foi a qualidade das estradas. De onde ele saia com carga pode ser que tenha caminhões fabricados hoje que não saiam.

Que cor era o caminhão do senhor?

Era um verde claro. Trabalhei com esse caminhão de 1965 até 1968.

Quanto tempo o senhor levava até Pato Branco?

Fazia uma viagem por semana. Trazia 60 dúzias de madeira, pinho, tábua de 30 centímetros por uma polegada e levava 300 sacos de açúcar, na época eram sacos de 60 quilos cada um. 

Viajava a noite?

Sempre! Aproveitava que a temperatura era mais baixa. Não esquentava os pneus. Não se ouvia falar em assalto, era raríssimo. As estradas eram bem menos movimentadas. Eu ia até Itapetininga, Capão Bonito, descia a Estrada da Ribeira e subia a Estrada 27 para descarregar açúcar em Curitiba. Lá descarregava no Dias Martins, era depósito que refinava o açúcar, ficava no centro da cidade, entrava com o caminhão na Rua João Negrão, Rua XV de Novembro onde hoje é calçadão, tempo em que havia bonde em Curitiba. Em Londrina passava pela Avenida Paraná, com o caminhão carregado de madeira. Hoje a avenida toda é calçadão.

Após três anos e pouco o senhor foi trabalhar com o que?

Mudei de profissão, fui trabalhar como motorista de ônibus na empresa de ônibus Paulicéia. Os proprietários eram Ademar, Aldano e José (Gegé) Beneton. A mãe deles deve ser prima do meu avô. Fui fazer a linha do Centro até a Vila Rezende. Saia do abrigo, hoje denominado Terminal Urbano. A cada meia hora ia e voltava. Trabalhei uns 15 dias na rua. Não me adaptei ao serviço. Sai da rua e fui trabalhar de lavador e borracheiro, dentro da empresa. Um dia ele me disse para levar uma excursão de um pessoal do Bairro de Santana para Santos. Eu nunca tinha ido para lá. Era um ônibus monobloco, com poltrona. O meu problema era atravessar São Paulo, nunca tinha entrado em São Paulo dirigindo. Ia pela Via Anhanguera, pelo centro de São Paulo, bairro Ipiranga e Via Anchieta. Parei no Posto Santo Antonio em Jundiaí, tinha um pessoal de Jundiaí que estava saindo para Santos. Fui acompanhando um dos ônibus que ia para Santos e deu certinho. Lá fomos para a Praia José Menino. Durante a semana eu era borracheiro e lavador, aos finais de semana motorista de excursão. Ganhava horas extras, percentagem de 15 por cento do valor da excursão, ganhava o cigarro, almoço no restaurante, na volta faziam coleta de gorjeta para o motorista. Era bom. Isso foi em 1968 Em 1969 comprei uma borracharia na Renovadora de Pneus Rezende. Oswaldo Mantellatto e Antonio Domingos Gerolamo eram sócios, tinham uma filial em Barra Bonita. Fui ser gerente lá, de 1970 a 1978. Voltei à Piracicaba e adquiri a borracharia lá no Posto Menegatti, o “Postão”. Lá permaneci por sete anos.

O que melhorou nos pneus nesse período de tempo?

O pneu radial. A lona em vez de ser feita em nylon é feita em aço. Atualmente é muito fácil consertar furos de pneus, muitas vezes não é necessário nem tirar da própria roda.

Quantas libras de ar são colocadas em um pneu de caminhão?

Depende da medida do pneu. No caso do pneu radial é cerca de 100 libras.

Algumas vezes vemos tiras de pneu soltas nas estradas, por que isso ocorre?

Geralmente é falta de conservação do pneu. Um pneu novo, se pegar um prego e o prego ficar no lugar de tal forma que fique vazando ar, ele tampa o buraco na borracha, mas na lona ele não tampa, o aro vai saindo e procurando espaço, até soltar a casca do pneu, que são esses pedaços a beira da pista. Muitas vezes o motorista não vê, não bate pneu.

O que é bater pneu?

É ter um martelinho ou um pedaço de ferro, e aonde você para, você vai lá e dá uma batida, se ele estiver cheio ou baixo percebe-se na batida.  

O senhor chegou a viajar para o Norte do Paraná?

Viajei para Paranavaí, Campo Mourão, Nova Londrina, de Maringá a Paranavaí foi asfaltado em 1964. Eu levava cimento para colocar no piso, era areia, quando chegava com o caminhão carregado com 300 sacos de cimento já tinha os quadrados todos prontos, para fazer a base da pista. A carga de cimento é uma das piores cargas para transportar. O caminhão fica seco, dá um soco seco. A carga não tem balanço.

Após permanecer com borracharia no Postão, qual foi a próxima atividade do senhor?

Fui trabalhar como vendedor de pneu, na Ressolagem Jardim. Como conhecia bem Barra Bonita, Jaú, comprei um caminhãozinho e fui fazer essa linha. Logo já consegui quatro usinas de açúcar como clientes. Pegava os pneus gastos, trazia, ressolava e devolvia. Quando eram sete horas da manhã eu já estava dentro da usina. Muitas vezes eu chegava à Barra Bonita com o caminhão carregado e o chefe ainda não tinha chegado, às seis horas da manhã. Daqui até lá eu levava uma hora e meia para chegar. Tive caminhões Mercedes Benz, Volkswagen e o ultimo foi um Ford Cargo.

Por que o pneu de trator tem que ser cheio de água e ar?

Para o trator ficar mais pesado e não patinar. Você coloca o pneu em pé, o bico na extremidade superior, sem a válvula, coloca a água até começar a vazar no bico. Depois se coloca a válvula e completa-se com ar. Ele tem mais água do que ar.

Quem consegue erguer um pneu desses?

Só o guincho.

Em que ano o senhor parou de trabalhar com pneus?

Parei de trabalhar em 2003, foi quando fiz uma cirurgia e tive uma infecção. Acabei decidindo parar. Atualmente só faço tarefas em casa, cuido da manutenção. (Por opção o casal mantém a casa sem auxílio de terceiros).

Dona Maria Odila complementa:

Acho que é bom para a saúde, trabalho não mata ninguém. Se tiver o que fazer não fica apenas lendo, deitadinha, com depressão. Indo à luta é muito mais saudável, dorme-se melhor, alimenta-se melhor, a vida é outra. Caminhamos cerca de quatro quilômetros todos os dias.

Dona Maria Odila vocês são católicos praticantes?

Somos, tornamo-nos mais assíduos após voltarmos de Barra Bonita, quando os filhos estavam mais crescidos, morávamos próximo a Igreja Matriz da Vila Rezende, na Rua Rafael Aluisi, a minha filha como era pianista tocava o órgão da igreja na missa das sete horas, a família inteira estava presente. Em 1995 mudamos para um local mais distante, mas continuamos a freqüentar a mesma igreja. Depois a nossa filha casou-se passamos a ir às missas das três horas da tarde, aos sábados. O coordenador geral, Edélcio Camargo viu em nós a oportunidade de sermos ministros da eucaristia. Fizemos um curso preparatório para sermos ministros. Atualmente o pároco é o Padre Orivaldo Casini, o Monsenhor Jorge continua exercendo suas funções.

O que faz um ministro da eucaristia?

O ministro é Ministro Extraordinário da Eucaristia, o padre é Ministro Ordinário. Os Ministros Extraordinários ajudam o padre a participar da missa, distribuindo a eucaristia. Na Igreja Matriz da Vila Rezende a eucaristia são duas espécies, o pão e o vinho. Existe uma escala de ministros para cada missa e data a ser realizada. São 18 ministros para cada missa, sendo que 10 participam e 8 ficam como substitutos, o nosso coordenador, Dimas Broió organiza a escalação dos ministros. Caso não estivermos escalados nem por isso deixamos de ir a missa. Há ainda os coroinhas, os diáconos, que auxiliam o padre diretamente na celebração. Na Matriz da Via Rezende, a cerimônia de entrada segue a seguinte ordem: a cruz é introduzida em primeiro lugar, a seguir os três leitores, em seguida cinco ministros de cada lado, formando uma fila dupla, seguido do padre com os coroinhas. É um cerimonial.

É uma função do Ministro da Eucaristia a visita a enfermos?

É uma função que é determinada pelo coordenador. Levar a comunhão aos enfermos. Nós ainda não fomos escalados para realizar essa atividade.

Existe alguma atividade dos ministros antes da celebração da missa?

Dona Maria Odila responde que a preparação da missa por dois ministros ou duas ministras, consiste em preparar as âmbulas com o cálice. Âmbula é um recepiente onde são colocadas as hóstias não consagradas. O vinho é um vinho especial distribuido pela Curia Diocesana. São colocadas onze âmbulas, para os 10 ministros e uma para o padre. Em média em cada âmbula são colocadas 40 hóstias.

E ficam em que local essas ambulas?

Fora do sacrário elas permanecem em volta do cálice. São preperados três corpóreos, são três toalhinhas, que são colocadas em cima do altar, só para colocar as âmbulas, o cálice do padre, a âmbula maior onde está a eucaristia, hóstias já consagradas, após a consagração o padre inicia a distribuição da eucaristia seguido dos ministros que fazem a distribuição.

Quando é distribuída a eucaristia ela é colocada na mão ou na boca do fiel?

O fiel é que determina. Todos os ministros antes de fazer a distribuição fazem a assepcia das mãos,

Qual o número de fiéis que participam da missa?

A igreja comporta 1.000 pessoas sentadas.

O Ministro da Eucaristia usa algum paramento?

Usa a Opa, que é um blaser branco, especial, próprio para a distribuição da eucaristia. Usamos apenas durante a missa. O sangüineo é uma toalhinha que é colocado junto a âmbula, a hóstia consagrada simbolizando o corpo é molhada no vinho que simboliza o sangue de Cristo, ou nós ou o fiel molhamos a hóstia no vinho, a maior parte das pessoas prefere ela mesma molhar a hóstia no vinho, se ficar alguma particula de vinho em seu dedo ela usa o sangüineo para reter essa minima porção de vinho, que significa o Sangue de Cristo. O Sangüineo é mais tarde lavado em uma taça, e a àgua que resulta dessa limpeza é colocada em uma planta. Ele é lavado isoladamente, não pode ser misturado a mais nenhum tipo de tecido ou roupa. Simboliza o nosso respeito ao Jesus Eucarístico. Após a celebração da missa é feita a purificação, se restou alguma eucaristia, é colocada na âmbula maior e depositada no sacrário. Os ministros comungam após os fiéis comungarem, tomamos o vinho consagrado. As âmbulas são colocadas em um aparador. Após o término da missa dois ministros vão até esse aparador e passam em média meio copo de água em cada âmbula, depois em todos os cálices, são enxugados com o sangüineo existente no local. A água após passar pelas âmbulas, ou tomamos ou é colocada em uma planta. Nós usamos uma âmbula que têm um cálice encaixado dentro. Nesse pequeno cálice é que é colocado o vinho. As hóstias ficam em torno do cálice.  
Sangïneo
 

Dona Maria Odila qual é o sentimento em ser Ministro da Eucaristia?

Quem escolhe as pessoas é Deus. Para nós foi uma grande honra em sermos escolhidos. É um ministério muito lindo. Acredito que a pessoa que nos convidou foi orientada pelo Espírito Santo. Para nós significa uma grande responsabilidade. Acho que os pais devem dar o exemplo aos filhos, aos netos. O Sr. João Matias complementa dizendo:  Considero importante a pessoa freqüentar uma igreja, é um local aonde poderá encontrar a paz.