Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

sexta-feira, setembro 30, 2011

VOVÔS VOADORES - HELENA MENDES FERNANDES E JOSÉ FERNANDES MERLO

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado de setembro de 2011
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/

ENTREVISTADOS: HELENA MENDES FERNANDES E JOSÉ FERNANDES MERLO

Segundo o Professor Luiz Machado, Ph.D.: “Estamos equipados com estruturas cerebrais para encontrar meios de ultrapassar obstáculos e vencer desafios. Precisamos distinguir entre obstáculos-ameaça e obstáculos-desafio. Desafios são obstáculos, dificuldades que não ultrapassem os limites até onde podem estender-se as capacidades humanas. Como viver é vencer desafios, a natureza equipou-nos para isso. Se não estamos aceitando os obstáculos como desafios, não estamos realmente vivendo e não estamos sendo felizes. Em situações normais, o ser humano usa apenas uma pequena parte de seu potencial, de suas reservas cerebrais”. O casal Helena Mendes Fernandes e José Fernandes Merlo é exemplo de disposição invejável. Residem no Lar dos Velhinhos, onde são conhecidos como “Vovôs voadores”, embora possuam automóvel ambos cortam a cidade diariamente em cima de uma motocicleta, trabalham na administração de um pensionato. Não haveria nada de extraordinário se ambos não contassem com mais de setenta anos! Helena é natural de Tabapuã, próximo a Catanduva, onde nasceu em 1 de novembro de 1932, filha de Raul Mendes e Clara dos Anjos de Souza Lobato, José nasceu em 17 de dezembro de 1933, em Catanduva, filho de Guilherme Fernandes Pastor e Maria Pastora Merlo.

 

Sr. José até que idade o senhor permaneceu morando em Catanduva?

Eu era criança de colo quando a nossa família mudou-se para São Paulo, fomos morar no bairro Itaim-Bibi na Rua Urupês (atual Rua Jesuino Arruda). Estudei no Grupo Escolar Aristides de Castro que na época ficava na Rua Joaquim Floriano (O antigo prédio dessa escola, chamada de “Grupo Escolar do Itahim”, ainda na Rua Joaquim Floriano com a Rua Urussuí, foi inaugurado em 1925.). Éramos em 10 irmãos. Meu pai era negociante. Naquele tempo era tudo chão de terra, a condução mais fácil era o bonde que passava pelo Jardim Europa. O meu pai cortava lenha no meio do mato que havia ali no Jardim Europa, para usarmos no fogão á lenha da nossa casa. Ainda muito jovem quando fui trabalhar na garagem de ônibus da CMTC que existia no Itaim Bibi. Minhas irmãs trabalhavam na Fábrica de Chocolates Kopenhagen localizada na Rua Joaquim Floriano, ao lado havia um rinque de patinação. Em frente á Kopenhagen havia um cinema. O meu pai vendeu a nossa casa no Itaim Bibi, a área do terreno era 1.000 metros quadrados, com esses recursos ele adquiriu duas casas em São Caetano do Sul.

O Senhor permaneceu trabalhando na CMTC?

Por ser muito distante de São Caetano eu sai da empresa, meu chefe queria me transferir para a garagem do Brás. Meu pai queria montar um comércio para todos nós trabalharmos juntos, mas infelizmente ele faleceu, isso foi em 1945. Fui trabalhar na Cerâmica São Caetano, era ajudande de prensista, recolhiamos os ladrilhos que a máquina prensava. Em 1957 passei a trabalhar na DKW Vemag, onde permaneci por oito anos e meio. Lembro-me dos testes que eles faziam subindo nos morros para ver se os veículos tinham potência necessária. De lá eu fui trabalhar na Mercedes-Benz, nessa época tomei uma vacina e peguei hepatite, permaneci tres anos “de molho”! Trabalhei na Ford, na Divisão de Caminhões que ficava na Rua Henry Ford no Ipiranga. Fui funcionário da General Motors. Em 1965 entrei na Volkswagen onde me aposentei em 1983. Quando produziam algum carro para exposição, para deixar o carro no capricho, eu era convidado para trabalhar a parte de tapeçaria, estofamento e vidros. Eu trabalhava na Ala 13 da Volkswagen da Via Anchieta.

O senhor participou das famosas greves do ABC?

Eu era lulista até debaixo de água. Por causa das greves chegamos a levar cacetadas da polícia, época em que o Paulo Maluf era governador do Estado de São Paulo. Connheci Vicentinho, Jair Meneghelli e outros sindicalistas que se tornaram famosos.

Até que idade a senhora permaneceu em Tabapuã?

Fiquei na fazenda de propriedade da nossa família até os meus 31 anos. Em 1975 nos casamos e fomos morar na Vila Califórinia em São Caetano do Sul. Meus irmãos tinham se casado, só eu e um irmão estavamos solteiros. Eu trabalhava na roça, ia com o carro de boi enchia de milho, trazia até o paiol. Plantava e colhia mamona, vinha sentada em cima da carga. Tudo sózinha. Esse boi que puxava o carro era lindo, chamava-se Galante. Eu galopava a cavalo, lembro-me da Pampinha.

Após se casar a senhora foi trabalhar onde?

Fui trabalhar na Chocolate Pan. Quando fui me candidatar á vaga, passei na cabelereira, mandei cortar o cabelo no estilo franja, fiz um penteado. Já funcionária da Pan, comprei uma enceradeira na Eletroradiobraz a Chocolate Pan ficou sabendo que eu era casada. Fui mandada embora, eles só admitiam mulheres solteiras. Depressa fui trabalhar na Alpargatas, na Avenida Radial Leste. Houve um inicio de incêndio, fui até a cozinha tirei rapidamente as toalhas da mesa, molhei e abafei o fogo. Eles me colocaram para fazer curso de bombeiro, recebi o certificado com nota 10. Nessa época a Alpargatas fabricava entre outros produtos, o jeans, faziam a famosa alpargatas de sola de corda. Ao deixar a Alpargatas fui trabalhar nas Linhas Correntes, na Rua do Manifesto, no Ipiranga. O chefe chamava-se Eduardo, disse-me que não tinha serviço para mim, só tinha vaga para varredeira. Disse-lhe que aceitava, eu precisava do emprego. Antes de 90 dias de empresa passei a encarregada da seção de tubos. Funcionárias com anos de empresa não gostaram da minha promoção tão rápida. Desci o “Chico Reio”! Mostrei serviço, fiquei magrinha. Quando tinha que levar o óleo nos regadores para as meninas colocarem nas poçinhas e lubrificarem as máquinas eu era rápida. Dois anos depois, minha perna travou, não andei mais. Meu filho pequeno que fazia a comida e trazia para mim. Eu fiquei deitada. Voltei, passei pelos médicos, após cinco anos me aposentaram.

Dona Helena o que os trouxe á Piracicaba?

A nossa filha veio estudar na Esalq, em 1983 mudamos para Piracicaba, alugamos uma casa de propriedade do Ludovico Trevizan. Chegamos aqui não tinhamos o que fazer, eu coletava papelão, um carrinho de papelão dava para comprar uma caixa de óleo. Íamos a São Paulo, compravamos carros lá e trazíamos para vender em Piracicaba. Com o tempo o lucro já não compensava. Inventei de colocar um pensionato, vi umas casinhas velhas, entrei em uma divida enorme,devagarinho fui ajeitando e aluguei para estudandes. Na época a TAM tinha muitos pilotos, instrutores, em Piracicaba e eles passaram a se hospedarem lá. Foi o que me ajudou muito.

Quando foi a decisão de virem morar no Lar dos Velhinhos?

Era meu sonho! Diz Dona Helena. Dia de São Pedro vai fazer 13 anos que vim falar com a Rose, aqui no Lar dos Velhinhos. Nosso chalé é amplo e confortável, no quintal plantei muitas frutas.

Como surgiu a moto na vida do casal ?

Dona Helena responde: “Meu filho anda de motocicleta desde pequeno, meu neto, minha filha ia para a faculdade de moto”. Seu José completa: “A primeira vez que andei foi em Piracicicaba, eu já tinha uns quarenta e poucos anos. Decidi tirar a carteira de habilitação de motociclista.” Andamos todos os dias de moto, em tempo de matrícula da Esalq já chegamos a ir de moto cinco vezes ao dia até o pensionato.

A senhora ganhou uma medalha recentemente?

Foi nos Jogos Abertos das Ollimpíadas da Terceira Idade, ganhei a medalha de ouro de Miss Simpatia e Luxo. Aprendi sozinha a trabalhar com bijouterias, faço colares, lenços, pego caixa de fósforos, encho de lantejoulas fica muito bonito para festas juninas

Seu José o senhor navega na internet?

Quando conheci um computador, gostei. Comprei monitor, depois teclado, CPU montei um equipamento. Passei a digitar. Resolvi entrar na internet. Gosto muito disso ai. Se eu tivesse uns quarenta anos iria fazer de tudo para me aprofundar no campo de informática, já mexo com a internet há uns tres anos, eu sou muito persistente. Coloquei webcam para falar com a minha filha no exterior. Hoje já tenho também um notebook.

O senhor acha que independente da faixa etária a pessoa tem que estar atualizada?

Eu acho, com 77 anos sou atualizado, moderno. Ando de moto entro na internet, onde inclusive pesquiso preços de viagens.

Nas Festas Juninas do Lar dos Velhinhos a senhora é a noiva?

Todos os anos me escolhem para noiva. Eu e meu marido que puxamos a quadrilha. Eu mesma que costuro as roupas minhas e do meu marido.

Qual é a receita que vocês dão para chegar nessa idade com essa disposição?

Dona Helena diz: “ A receita é trabalho, trabalho, trabalho!” Seu José completa: “A pessoa tem que se atualizar, velho parado é velho atrofiado. Tem pessoa com menos idade do que a minha e que está toda bombardeada, porque não pratica nenhuma atividade”.

No Natal a senhora usou uma fantasia especial?

Mostrando várias fotografias ela diz: “Neste último Natal me vesti de àrvore de natal, a roupa ia até os pés cheia de contas, entreguei ás velhinhas cadeirantes quarenta e poucos colares que eu mesma fiz, a minha roupa pesava mais de cinco quilos, para o José fiz a roupa de Papai Noel, compramos sabonetes e ele levando o tradicional saco de presentes distribuiu aos velhinhos, foi o melhor natal da minha vida. ”. Qualquer evento que acontece no Lar o pessoal já nos inclui. Um dos hobby do José é a fotografia. Somos conhecidos como “Vovôs Voadores” ou “Casal 20”. Quando há blitz policial nós nem somos parados. Trabalhos muito, não dá tempo de ficar olhando o que passou. Eu já estou fazendo as roupas que vamos usar no próximo ano, utilizo muito babados de cortinas.

Dona Helena, vocês gostam de dançar?

Muito! Há uns cinco ou seis anos vencemos um Concurso de Dança por Resistência, quem ficasse mais tempo dançando ganharia o primeiro lugar. Foi uma promoção do Shopping Piracicaba, nós dois dançamos mais de duas horas. O prêmio foi um fim de semana no Hotel Fazenda Fonte Colina Verde, localizado na Estância Turística de São Pedro, o taxi nos levou na sexta feira e foi nos buscar no domingo, fomos tratados como principes.

A senhora acha que a falta de participação nas atividades coletivas piora a vida da pessoa?

A pessoa vai ficando velha! A pessoa se entrega, dorme o dia todo. Aos sábados temos o Clube do Vinil, depois tem o bingo. As quinta feiras temos um bailaço. Á noite eu fico fazendo minhas bijouterias, colares, e o meu marido fica na internet. Vamos dormir lá pela uma hora da manhã. No dia seguinte lavantamos as 8 ou 9 horas.
    
                                      

Arquivo do blog