Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

domingo, janeiro 09, 2011

MADRE MARIA CELINA DA IMACULADA CONCEIÇÃO e IRMÃ MARIA ANTONIA DE SANTANA GALVÃO

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
Sábado 08 de janeiro de 2011
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/

                  
                       Irmã Maria Antonia e Madre Maria Celina
ENTREVISTADAS: MADRE MARIA CELINA DA IMACULADA CONCEIÇÃO e IRMÃ MARIA ANTONIA DE SANTANA GALVÃO
Segundo o teólogo, músico, filósofo e médico Albert Schweitzer “um homem não é grande por aquilo que ele faz e sim por aquilo a que ele renuncia”. Dr. Wanderley Ribeiro Pires, médico, professor universitário e consultor organizacional, afirma que os caminhos que conduzem a felicidade passam, necessariamente pelo altruísmo, solidariedade e compaixão. Afirma ainda: “Quando não estamos centrados naquilo que estamos fazendo, não estamos vivendo. Desperdiçamos muito tempo com preocupações irrelevantes, não percebemos a vida passar enquanto estamos ausentes, sonhando com o futuro ou vasculhando as lembranças do passado”. Os mosteiros ou monastérios cristãos ocidentais também são chamados de abadias, a vida em comum de um mosteiro cristão é chamada cenobítica, ela surgiu quando eremitas (homens do deserto) ou anacoretas (homens que se retiram) concluíram que viver sozinho podia conter o perigo da falta de discernimento, de orientação. Segundo a tradição, no século III, Antão do Deserto foi o primeiro cristão a adotar este estilo de vida. Dr. Wanderley R. Pires em seu livro “Qualidade de Vida” diz que “a humanidade está sofrendo “excesso de exteriorização”, vivemos ansiosos, tensos, sonhando com um lugar tranquilo, cada vez mais dificil de ser encontrado. A alternativa que se apresenta é procurar esse refugio dentro de nós mesmos, na paz e no silêncio do nosso mundo interior”. Com isso concluimos que a vida das irmãs do Mosteiro Imaculada Conceição está bem proxima da tão sonhada felicidade almejada por todos nós e oferecida em cada produto novo que a mídia introduz no mercado. Isso não significa que para descobrir a felicidade seja necessária uma conversão em massa da população, mas sim uma descoberta de onde encontra-se exemplos práticos de exercícios de auto conhecimento e fé. Aproximar-se destas monjas pode ser que determine novos parametros, novos pontos de vista sobre a exisntência humana. No próximo domingo, dia 9 de janeiro de 2011, Madre Celina, Abadessa do Mosteiro da Imaculada Conceição, das Monjas Concepcionistas completará 60 anos de vida religiosa. A comunidade cristã estará festjando essa ocasão de grande alegria. O Mosteiro localizado na Avenida Armando Cesare Dedini, 891, telefones números 3421 0319 e 3421 2249 deverá receber um grande afluxo de pessoas de todos os credos, alguns para conhecerem a Abadessa Madre Celina, cumprimetá-la, outros para agradecerem pelas suas orientações e orações.
Madre Maria Celina tem o nome civil de Maria da Conceição de Souza, nasceu em São Paulo no dia 13 de fevereiro de 1926, filha de Francisco Antonio de Souza e Ana de Souza que foram pais de 11 filhos, dos quais duas filhas seguiram a vocação religiosa: além da Madre Maria Celina a sua irmã Maria de Lourdes de Souza optou pela ordem salesiana. Uma das contemporâneas da Madre Maria Celina no Mosteiro da Luz é a Irmã Maria Antonia de Santana Galvão, que nasceu em 2 de maio de 1935, tem o nome civil de Maria das Dores Valente Paraiso é filha de Aureliano Paraiso e Anália Franco, originários da cidade de São Manoel.
Sua família era muito religiosa Madre Celina?
Iniciei o estudo do curso primário em uma escola no Belém, depois minha família mudou para a Penha, lá passei a estudar no colégio das Irmãs Vicentinas, ia diariamente de bonde aberto para as aulas. A minha família era muito religiosa, meus pais eram de comunhão diária, lembro-me que eles frequentavam a Igreja de São José do Belém. As minhas brincadeiras de infância eram tipicas das crianças da época, brincava com boneca e demais atividades normais á idade, eu era uma criança ativa, espertinha, saudável. As vezes acompanhava pessoas da minha família que iam até o centro de São Paulo realizar alguma compra, atravessava a cidade para visitar o meu irmão casado. Eu levava uma vida comum a todas as moças da minha idade que moravam em nosso bairro.
Em que ano a senhora ingressou na ordem religiosa?
Foi em 1949, eu tinha 23 anos.
O que motivou a senhora a ingressar na vida religiosa?
O desejo de perfeição! Uma entrega total á Deus. Manifestei a minha intenção á minha mãe e ao Conêgo Mayer, vigário da Paraóquia de São José do Belém. A minha mãe me acompanhou até a porta de entrada do Mosteiro da Luz, na Avenida Tiradentes. Após alguns meses pasei a utilizar o habito religioso, algum tempo depois fiz a primeira profissão de fé, mais três anos fiz a segunda, permanecendo até hoje na vida religiosa. Na vestição o meu nome civil foi trocado pelo nome utilizado na vida religiosa.
Mosteiro da Luz - Fachada
Irmã Maria Antonia, a senhora nasceu em que cidade?
Nasci a 2 de maio de 1935 em São Paulo, no bairro Campos Elísios, estudei com as Irmãs Vicentinas nas dependências localizadas atrás do Liceu de Artes e Ofícios, de lá fui para Guaratinguetá estudar com as Irmãs Salesianas. Em 1952, com 16 anos ingressei no Mosteiro da Luz que na época contava com 29 irmãs.
Ambas são fundadoras do Mosteiro de Piracicaba?
Atendendo o convite do Bispo Dom Ernesto de Paula, viemos á Piracicaba, no início éramos cinco irmãs: Madre Maria Celina, Madre Maria Helena do Espírito Santo, Madre Oliva do Coração de Jesus, Irmã Maria Cecília do Menino Jesus e eu Irmã Maria Antonia de Santana Galvão. Em 15 de agosto de 1956 fundamos o mosteiro em Piracicaba, que funcionou por 16 anos á Rua 13 de Maio, em uma casa de propriedade da Diocese de Piracicaba. Recebíamos muitas noviças. Em 1972 foram construídas as instalações do Mosteiro da Imaculada Conceição, das Monjas Concepcionistas, com a importante participação do prefeito Francisco Salgot Castillon. Em 9 de janeiro de 1979 Madre Maria Celina tornou-se Madre Abadessa (superiora e responsável pelo mosteiro).
Como é a vida em clausura?
Saímos da clausura apenas para ir a alguma consulta ou tratamento médico e para cumprir o dever cívico de votar nas eleições.
Há algum contato com o mundo externo?
Antes não havia nenhum contato. Nem jornal, rádio ou qualquer outro tipo de veículo de comunicação.
Como se sente uma pessoa isolada dessa forma?
Quando ingressamos á ordem, movidas pela vocação sentimos que Deus preenche o nosso coração, não há nenhum tipo de aflição ou preocupação. Não sentimos a necessidade de ficarmos impacientes.
Atualmente sofremos um verdadeiro bombardeio de informações e mensagens, ao que parece isso está gerando stress. Como à senhora, Irmã Maria Antonia, vê isso?
Quando se tem Deus no coração ele preenche tudo. Isso basta!
A vida reclusa aumenta a profundidade da fé?
Aumenta muito, há um isolamento do turbilhão que envolve o mundo. Atualmente por aconselhamento superior, acompanhamos as principais noticias que são veiculadas pela televisão. Procuramos sintonizar as programações das emissoras católicas. É uma mudança que ocorreu, antes estávamos totalmente isoladas.
A imprensa noticiou que em uma reforma que foi feita no Mosteiro da Luz descobriu-se que em algumas paredes havia os restos mortais de algumas irmãs. Isso era um fato conhecido internamente?
Sabíamos que nas paredes estavam restos mortais das irmãs falecidas ha muitos anos. Era uma prática corrente na época, havia também um cemitério nos moldes mais conhecidos. Existia uma orientação deixada pelo Frei Galvão de que não se mexesse nesses sepulcros.
As pílulas milagrosas de Frei Galvão estão disponíveis em Piracicaba?
Nós produzimos aqui no mosteiro. São confeccionadas a partir de papel higienizado, que já vem com a frase escrita: "Post partum, Virgo, inviolata permanansisti! Dei Genitrix, intercede pro nobis!” "(Depois do parto, ó Virgem, permaneceste intacta!
Mãe de Deus, intercede por nós! Antônio de Sant'Ana Galvão, Frei Galvão, em 2 de fevereiro de 1774, fundou o Recolhimento de Nossa Senhora da Conceição da Divina Providência, hoje Mosteiro da Imaculada Conceição da Luz, das Irmãs Concepcionistas da Imaculada Conceição. No dia 11 de Maio de 2007, Frei Galvão foi canonizado pelo Papa Bento XVI, a Irmã Helena Maria do Espírito Santo empenhou-se muito para que ocorresse a fundação do Mosteiro da Luz. Essas pílulas foram originariamente criadas por ele, o principal elemento ativo delas é a fé.
Quem quiser ingressar na ordem é só ir até o mosteiro mais próximo?
Buscamos encontrar novas vocações, fazemos a divulgação dessa disponibilidade em aceitar novas candidatas a vida religiosa.
Madre Maria Celina poder comemorar 60 anos de vida religiosa a faz sentir como?
Sinto-me muito feliz! Completamente realizada. (Nesse momento chega a Irmã Elizabete, da ordem carmelita e que veio da cidade de Franca, especialmente para assistir ao ingresso á ordem de uma nova religiosa, fato que deve ocorrer no dia seguinte)
Como é a cerimônia de ingresso a ordem?
A postulante despede-se dos seus familiares á porta do mosteiro. Em seguida é conduzida a Sala do Capítulo, há duas ocasiões em que essa sala é ocupada por uma irmã, no seu ingresso á ordem ou quando vai á Casa do Pai, ao falecer é nessa sala que a religiosa é exposta até ser sepultada. A vocação é o principal motivo para se levar uma vida reclusa e voltada para os propósitos de Deus. Tendo isso, a religiosa começa a passar pelos estudos filosóficos e teológicos, que dão seqüência nos processos e nas regras do mosteiro, os quais envolvem cerimônias e rituais de confirmação da vocação
A visita as dependências do mosteiro é livre?
Só é permitida se houver a necessidade de um operário dar manutenção ao prédio, a rotina diária do nosso trabalho é feita por nós, vivemos o regime de Clausura Papal. O bispo da diocese a cada três anos nos faz uma visita canônica. Há uma sala chamada parlatório, reservada para atendimentos.
Religioso de outra ordem pode entrar no ambiente de clausura?
Não é permitida a sua entrada. A capela aberta ao público é distinta da nossa capelinha interna.
No mosteiro são feitos trabalhos de restauro?
Fazemos trabalhos de restauro, montamos terços, costuramos nossos trajes e vestes, realizamos todos os trabalhos necessários á nossa sobrevivência, cozinhamos, lavamos, passamos, cuidamos da horta.
A quem se reporta o Mosteiro local?
Cada mosteiro é autônomo, temos uma federação que reúne todos os mosteiros.
Há internet instalada no mosteiro?
Ainda não, mas a tendência é de logo ser instalada
Apesar de reclusas há trabalhos realizados com a comunidade?
Realizamos obras sociais, uma das mais conhecidas é a construção da escolinha “Menino Jesus” e do Centro Comunitário Santa Beatriz, no bairro Novo Horizonte, realizadas com o apoio dos nossos amigos e colaboradores.
Madre Maria Celina a senhora foi homenageada pela Câmara Municipal?
Recebi o título de Cidadã Piracicabana, sendo que a cerimônia de entrega do título foi feita aqui no mosteiro, pelo impedimento da minha saída do mesmo, entre as autoridades presentes estava o Vice-Prefeito Dr. Sérgio Pacheco, e sua esposa a vereadora Márcia Pacheco, o vereador Capitão Gomes, o deputado federal Antonio Carlos de Mendes Thame.
Na mão direita das irmãs há uma aliança, qual é o significado?
Recebemos em ocasião solene, simboliza o nosso casamento com Jesus Cristo.






Arquivo do blog