Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

sábado, janeiro 22, 2011

CESAC: CENTRO SOCIAL DE ASSISTÊNCIA E CULTURA PARÓQUIA SÃO JOSÉ

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
Sábado 15 de janeiro de 2011
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
Regiane, Joelma, Mel, Cidinha e Sueli
ENTREVISTA: CESAC: CENTRO SOCIAL DE ASSISTÊNCIA E CULTURA PARÓQUIA SÃO JOSÉ
O CESAC é uma entidade assistencial constituída em 29 de maio de 1967, são 43 anos de serviços prestados promovendo ações que possam melhorar a qualidade de vida da população da nossa cidade. O seu relacionamento com seus diversos públicos: beneficiários, colaboradores, voluntários, setor público e privado, comunidade, é pautado por valores éticos, profissionalismo e uma extensa relação de excelentes resultados. Situa-se na Avenida Marquês de Monte Alegre, 777, telefone 34342020. Aparecida Lizanêa de Lima Albino é assistente social do CESAC e da Creche Maria Maschietto Juliani, com seu auxílio é possível conhecer um pouco melhor essa instituição que poderá ser desconhecida por alguns, mas cuja atuação fez uma grande diferença na vida de muitos.
Quem é o atual presidente do CESAC ?
Luis Antonio Penteado é o atual presidente, função que iniciou em 5 de setembro de 2009 e cujo mandato termina em 4 de setembro de 2011. O Padre Marcelo Salles, pároco da Paróquia São José é diretor nato, conforme dispõe o estatuto.
Que trabalhos o CESAC realiza?
Seu inicio foi com uma obra social, encabeçada pelo Monsenhor Luiz Gonzaga Juliani,
três anos após a sua vinda á paróquia, vendo que havia muita pobreza na comunidade, o Bispo D. Aniger tinha uma visão voltada para o social, convidou o Monsenhor para realizar uma obra voltada ao social, com isso criou-se o CESAC. O inicio foi com o próprio Monsenhor Luiz dando as aulas de datilografia. A Vila Cristina era conhecida como Risca Faca, foi nessa comunidade carente que ele iniciou o trabalho com famílias, o curso de corte e costura foi um dos primeiros a ser implantados e que existe até hoje. A informática substituiu a datilografia. Desenvolvimento de habilidades que inclui curso de cabeleireiro, manicure, artesanato, corte e costura, panificação, padaria artesanal, é um projeto que engloba todos esses cursos, eles acontecem não só no CESAC, mas em diversas periferias da cidade, em todos os CRAS Centro de Referência da Assistência Social. Há o CRAS do bairro Mario Dedini, do Jardim São Paulo, do Piracicamirim, da Vila Sonia, ao todo são sete CRAS. Há outros projetos como Apoio e Orientação a Gestantes, Programa do Trabalhador Aprendiz, Construído Laços. Em conjunto com a prefeitura o projeto Pró-Família atendeu em 2009 a 4.697 famílias. O CESAC depende da sua parceria com a prefeitura para manter seus profissionais. O Programa Nacional de Assistência Social exige que o quadro seja constituído por profissionais. Essas verbas passadas pela União, Estado e Município com a finalidade de assistência social nos CRAS são administradas pelo CESAC. No critério adotado o gestor é o responsável, quem executa é o governo, a sociedade civil, que inclui entidades como a nossa, fazem as parcerias.
Como funciona o projeto Pró-Família?
Em cada CRAS existe uma equipe de assistente social e psicóloga que realiza o trabalho sócio-educativo, envolve as famílias integrantes do programa de transferência de renda, como a Renda Cidadã e a Bolsa Família, são famílias que estão em vulnerabilidade social. O CESAC tem os projetos em parceria com a prefeitura através da Secretaria de Desenvolvimento Social, mas ele também é que faz a gestão dos projetos realizados nos CRAS. As contratações de recursos humanos para administrarem esses projetos em outros CRAS são feitas pelo CESAC.
A Creche Maria Maschiett Juliani atende a quantas crianças?
Em 2010 foram 137 crianças de 2 a 5 anos, matriculadas.
Em Piracicaba quantas famílias estão cadastradas para receberem a Bolsa Família ou Renda Cidadã?
Cadastradas existem em torno de 15 mil famílias, tanto para o programa Bolsa Família que é um programa do Governo Federal, a Renda Cidadã é uma iniciativa do Governo do Estado, são similares, em alguns casos as famílias pode se beneficiar dos dois.
Há opiniões de que ao receber um desses auxílios ocorre certa acomodação por parte do beneficiado, isso ocorre?
Pode acontecer só que o objetivo do projeto é realizar a emancipação dessas famílias, e isso tem de fato acontecido. O exercício da Assistência Social porta várias outras éreas como a saúde, habitação, educação. Há um relatório anual feito pela prefeitura onde são relatadas as ocorrências com esses projetos, inclusive informando o número de famílias desligadas do projeto. Para uma família receber esses benefícios ela passa por três crivos: da saúde, educação e assistência social. As crianças dessas famílias têm que ser levadas para serem vacinadas regularmente, é verificada a freqüência dessas crianças á escola, na falta de cumprimento de algum critério a família é desligada. O cadastro único é de alcance nacional, a prefeitura faz através das assistentes sociais visitas e monitoramento, essas informações são enviadas a Brasília no caso da Bolsa Família, nesse caso é o governo federal que aprova o cadastro.
Qual é a posição que Piracicaba ocupa no cenário nacional?
Piracicaba não é considerada uma cidade pobre. Às vezes temos dificuldades em receber recurso federal ou estadual pelo fato da cidade ser considerada rica, desenvolvida.
Temos bolsões de pobreza?
Exatamente.
Como está a situação no território em que o CESAC atua diretamente?
Atualmente o meu trabalho envolve mais a parte administrativa. Quando atendo no CESAC ás pessoas que nos procuram em busca de cesta básica, vaga na creche, ou outras opções procura orientá-las. Ao chegarem aqui identifico á que território elas pertencem em função do seu domicilio, encaminho ao CRAS correspondente. A porta de acesso ao atendimento do serviço social é o CRAS.
Quantas pessoas trabalham no CESAC?
Em 2009 o total assalariados eram 73 pessoas. Voluntários permanentes eram 40 e voluntários eventuais 200, estes incluem os que trabalharam na barraca da Festa das Nações.
Os diretores recebem alguma remuneração?
São voluntários, não recebem nada pelo seu trabalho.
Quais são os riscos que envolvem as pessoas com vulnerabilidade social presentes na área de atuação administrada pelo CESAC?
O que mais influi é a deficiência de educação. Enquanto essa camada não se conscientizar continuaremos a ter sérios problemas sociais. Muitos procuram emprego para uma função á qual eles não estão classificados.
Há diretriz orientada aos professores da rede estadual de ensino para evitar reprovações de alunos, em sua opinião, isso é bom?
Considero isso ruim. A falta de educação é uma realidade nacional. O Plano Nacional de Educação está passando por mudanças.
O que falta para evoluir a educação?
Falta conscientização da sua importância no desenvolvimento individual e coletivo.
Os problemas que acometem aqueles que procuram assistência social são de difíceis soluções?
As pessoas nos procuram com um objetivo, ou é conseguir uma vaga na creche ou ganhar uma cesta básica. Conversando com a pessoa descobrimos o subjetivo, o que está atrás da sua procura, não é exatamente aquilo que ela fala inicialmente que quer. Muitas vezes com esses argumentos nos procuram, mas na verdade elas querem é serem ouvidas! Procuram atenção e acolhimento. Quando elas saem daqui não levam cesta básica, ao nos deixar saem orientadas. Ao recebermos alguém que nos foi encaminhado fazemos um levantamento da sua família, realizamos o diagnóstico socioeconômico dessa família. O trabalho técnico é diferente do assistencialismo.
Há atuações de pessoas e entidades que movidas pelas boas intenções promovem ações pontuais de assistência humanitária, qual é sua opinião a respeito?
Na maioria dos casos estão contribuindo para quem recebe o benefício não queira mais deixar de tê-lo. Uma coisa é assistência social que faz parte de uma política pública, onde existe diretrizes para trabalharmos dentro desses parâmetros, outra coisa são atitudes cristãs de amor ao próximo. O assistencialismo impede o crescimento do indivíduo, ele permanece inerte, age apenas como receptor de benefícios. O objetivo da assistência social é conscientizar a pessoa de que ela pode emancipar-se.
Elevar a auto-estima de um indivíduo é um ato de caridade?
Considero que sim.
Há políticos que se valem do assistencialismo para a autopromoção?
Não se pode generalizar, mas existem políticos que usam o assistencialismo para capitalizar votos. Se ele entendesse o que é assistência social ele não faria isso. O nosso trabalho sócio educativo tem como objetivo fazer com que as famílias caminhem pelas suas próprias pernas.
Orientar o indivíduo pode ser tão importante quanto fornecer-lhe algo?
Sem dúvida! Muitas vezes o objetivo da pessoa não é aquele que ela expõe ao nos procurar. O seu objetivo verdadeiro é revelado se tivermos a disposição de ouvi-la. Das dezenas de pessoas que estiveram comigo no ano de 2010, a grande maioria a medida que passei a ouvi-las, descobri que elas procuram de fato algo totalmente diferente daquilo que inicialmente haviam pedido.
É uma característica própria de indivíduos pertencentes a classes menos favorecidas?
Não! Isso abrange a todas as classes sociais.
A dependência química em todas as suas versões, incluindo o álcool, afeta as famílias?
Muito! Bastante! A principal atitude a ser tomada é ter muita paciência e amor. Existem programas por parte do Estado, embora para a classe menos privilegiada seja muito difícil manter uma pessoa em uma clinica especializada. É um aspecto que envolve a área da saúde. Só que a demanda é maior do que a capacidade que a saúde tem em atender, passa a ser um problema administrado pela assistência social! Se há um dependente químico em uma família ela adoece com ele. Quando um membro dessa família nos procura para buscar uma cesta básica pode até existir a necessidade da mesma, mas o fator que o trouxe de fato é o problema que o envolve. É isso que necessitamos entender. Temos que oferecer oportunidade á quem quer evoluir, não adianta orientarmos se a pessoa não quer ter atitudes diferentes, se ela não se conscientizar de que ela quer mudar, não será assistente social que a fará mudar.
Atualmente qual é o foco principal do CESAC?
É a gestão administrativa. Pelos seus estatutos o CESAC privilegia a família, isso se torna um fator importante a favor da nossa instituição. O Programa Nacional da Assistência Social trabalha voltado á família. Quando faço entrevista com alguma família, pergunto se ela tem algum principio religioso, independente de qual seja, percebo que as famílias que professam alguma fé administram melhor os seus problemas. O CESAC hoje está dividido em programas de um projeto: com adolescentes, famílias, gestantes, desenvolvimento com habilidades.
Na creche ao identificar um problema com alguma criança qual é a ação a ser tomada?
No programa Construindo Laços cuidamos da relação das famílias com as crianças da Creche Maria Maschietto Juliani. Às vezes acontece de alguma mãe dizer que não consegue educar seu filho, acha que a creche tem essa obrigação. Ao analisarmos a estrutura e a convivência da família descobrimos que não é a criança que deve ser trabalhada, e sim os pais. Há muitas crianças educadas sem nenhum limite. Filhos de pais separados tornam-se “parafusos”, o pai fala uma coisa à mãe fala outra, é quando temos que chamar a ambos e mostrar a situação.
Quais são as atitudes de uma criança educada sem limites?
Ela é agressiva com as professoras e com outras crianças, se o pai está envolvido com alguma atividade escusa ela diz que pretende ser igual a ele, é seu referencial, considera-o como seu ídolo. Cada caso é um caso em particular. A creche através de seus horários para as diversas atividades ensina a criança a ter disciplina. Geralmente a criança problemática é o reflexo da sua família. Tivemos o caso de um menininho que mordia determinada menina na bochecha. Fizemos um estudo mais detalhado do fato e descobrimos que quando os pais brigavam a mãe mordia o pai na bochecha! A criança via e fazia a mesma coisa.

Arquivo do blog