Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

segunda-feira, outubro 19, 2009

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS



JOÃO UMBERTO NASSIF


Jornalista e Radialista


joaonassif@gmail.com






Sábado 17 de outubro de 2009


Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana


As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:


http://www.tribunatp.com.br/


http://www.teleresponde.com.br/














ENTREVISTADOS: ALINE INOCÊNCIO E SILVINO INOCÊNCIO


























A alma básica do ser humano é uma alma nômade. O espírito de busca do desconhecido sempre foi uma mola propulsora da humanidade. Quantos já não se colocaram a olhar para a lua, para o mar, para o infinito, dando corda á imaginação. Nos dias atuais, as notícias correm o planeta no momento em que ocorre o fato. Convivemos com o cotidiano de pessoas das mais diferentes nações. Essa familiaridade nos aproxima de nossos sonhos, e cada ser humano tem o seu. Os cruzeiros marítimos que até pouco tempo eram exclusividades de milionários tornaram-se acessíveis em até suaves prestações mensais. Há algumas décadas o programa de muitos paulistanos era ir até o Aeroporto de Congonhas para ver os aviões saírem ou chegarem. Tornam-se cada dia mais comum embarcar nos aviões e não apenas admirá-los. Algumas passagens de determinados vôos domésticos são mais baratas do que o mesmo trajeto de ônibus. Ir á Europa, Estados Unidos, Oriente, era apenas para os ungidos pela fortuna. Hoje temos muitos conhecidos, que graças a uma programação bem elaborada, conhecem dezenas de países. A similaridade de condições de vida, transporte, alimentação, hotelaria, hospedagem, propiciou a quebra de muitas barreiras estabelecidas pelos idiomas. É interessante falar a língua de outro povo, mas não é fator que impeça uma viagem á qualquer parte do mundo. Profissionais com experiência decidiram oferecer para a cidade de Rio das Pedras e região a possibilidade de acessarem as maravilhas do nosso país e concretizar o sonho de conhecer o exterior. Entre os pioneiros desse empreendimento, destacamos Silvino Inocêncio e Aline Inocêncio.


Silvino você é natural de qual cidade?


Nasci em Piracicaba, no dia 30 de setembro de 1960.


Aline e você?


Sou mineira de Poços de Caldas nasci no dia 12 de junho de 1980. Aos dezoito anos de idade fui ser comissária de bordo, anteriormente denominada aeromoça. Meu início foi na Varig, vim para Piracicaba onde fiz o curso de pós-graduação em Administração Hoteleira no Senac em Águas de São Pedro. Trabalhei em gerencia de hotel, em seguida fui trabalhar em uma conhecida agencia de turismo de Piracicaba. Com isso acumulei 10 anos de experiência na área de turismo.


Aline, seus pais são da área de turismo?


Não, meu pai é oficial do Exército Brasileiro e minha mãe dona de casa.


Qual foi a reação da sua mãe quando você disse que iria ser comissária de bordo?


Minha mãe quase morreu! Ela não gostou, achou que eu não teria família, que era um trabalho muito perigoso. Só que eu não me via fazendo outra coisa.


Quais são os pré-requisitos para exercer a atividade?


É feita uma pré-entrevista, é necessário ter um conhecimento básico de inglês, no mínino 18 anos de idade, 1,60 metros de altura. Muitos vêem o glamour da profissão, acham que são moças simpáticas e sorridentes atendendo as solicitações gastronômicas do viajante. E não é nada disso, o carrinho onde são conduzidos os lanches e bebidas é muito pesado. A chefia geral da aeronave é do comandante, mas as situações de pânico, de atendimento á alguém que está se sentindo mal, situações corriqueiras, isso fica a cargo da comissária. O próprio curso de formação de comissária implica no ensino de primeiros socorros até situações de maiores dificuldades. A profissão exige um controle emocional muito grande.


Antes só os ricos voavam?


Era muito elitizado, hoje voar é um turismo de massa. A relação custo-benefício é muito importante. Até Fortaleza se gasta via terrestre três dias. De avião gasta-se menos tempo e menos dinheiro.


Você realizou muitas viagens ao exterior?


Trabalhando em agencias de viagens, além das viagens de natureza pessoal, já estive em muitos países. Existe um programa chamado fantur aonde eu ia para conhecer os hotéis, os locais em que ficariam hospedados os viajantes clientes da nossa agencia.


Silvino, o brasileiro viaja muito?


Não sei precisar exatamente qual posição ele ocupa na escala de turistas, mas sei que está entre os cinco povos que mais viajam. Nós tivemos a oportunidade de fazer novas amizades, na França, na Itália, em Mônaco, Buenos Aires, sendo que nessas viagens também encontramos pessoas de Rio das Pedras, Piracicaba. Na hora pensamos: Nossa! Aqui encontramos essas pessoas da nossa cidade!


È clássico o turista brasileiro tentar fazer entender-se de qualquer maneira?


Isso é um fato que ocorre muito. Temos um amigo que chegou á uma loja, e em portunhol mostrou ao dono da loja que ele queria um tênis e tentava usando de todos s seus recursos comunicar-se com a pessoa. O dono da loja permaneceu quieto, escutando. Meu amigo disse para mim: “Ele não está me entendendo!”. Eu disse-lhe: “fale de novo!”. Até que o proprietário da loja falou no mais perfeito português: “Eu falo português!”.


Qual é de uma forma geral a sensação do brasileiro em viagem?


Vou dizer pelo que sinto. Primeiro que dá saudade do Brasil. Mas é uma sensação gratificante estar no Champs Elysée, em Paris. Mesmo sabendo que ali para tomar um café e uma água você paga 18 euros, equivalente a 54 reais! O que irá permanecer será a lembrança de que um dia você esteve no Camps Elysée, sentou em um bistrô e tomou um café!


Silvino você já esteve na China?


Já! Estive em Cantão, Dongwan, Hong Kong, Macau. (ex-colônia portuguesa na Ásia), na China o transito é extremamente complicado. Não existe contramão, não há conversão proibida, não tem placa pare, o semáforo tem as três cores mais ninguém respeita nenhuma. A primeira vez em que pegamos um taxi era uma van que nos conduzia do aeroporto para o hotel, o motorista chinês não conhecia a localização do hotel. Quando chegou ao pedágio ele perguntou. A pessoa informou-lhe que ele tinha que voltar, o hotel ficava do outro lado. O motorista simplesmente deu marcha ré por uns trezentos metros! Outra característica curiosa, o pedágio não tem cancela, o responsável pela cobrança após o pagamento feito sinaliza com a mão para seguir em frente. Do hotel onde estávamos filmávamos os carros, as manobras são feitas de tal fora que em determinada hora para tudo! E é interessante que dificilmente você vê uma batida de carros.


Você comeu algum prato típico na China?


Comi. Até por curiosidade. Foi uma serpente, que eles preparam á sua vista.


Cada país tem um aroma característico?


De certa forma sim. Os restaurantes chineses, eu acredito que por usarem óleo de soja não refinado, deixam um forte cheiro de óleo de soja. Em Paris sente-se uma fragrância de perfume. Na Itália, o aroma de pizza, que por sinal é bem diferente da nossa, eu prefiro a nossa!


Aline qual foi o motivo que a levou deixar de ser comissária de bordo?


Eu era muito jovem quando entrei quase uma menina ainda, a imagem que se tem é de um glamour, uma coisa muito linda. Na realidade é uma vida de muito sacrifício. Além de deixar a sua família, não existem dias certos para estar em casa. Você tem que abrir mão da sua vida pessoal.


Em determinada hora a pessoa cansa de ouvir turbinas de avião?


Cansa. Vira uma rotina Muitas vezes você vai até o local de destino, dorme em um hotel e volta. Não há a possibilidade de conhecer o lugar, passear. Hoje trabalhando com turismo, vamos a determinado local conhecer hotéis, ou conhecer um navio. Há pessoas que dizem: “Nossa que gostoso, que delícia!”. Só que nossa atenção está toda voltada para os detalhes do que é oferecido ao cliente. Temos que preencher relatórios é uma vista técnica. Conhecer o tamanho do quarto, a qualidade dos serviços oferecidos. Nós temos que estar super atentos, porque há locais que fazem uma maquiagem para nos impressionar. O que eles nos oferecem durante o período em que estamos avaliando o local não é oferecido ao nosso passageiro.


A capacidade da agencia de avaliar e selecionar torna-se muito importante?


Vemos muitas pessoas vendendo viagens como se vende calça jeans. Isso não existe. Há a necessidade de sentir o que realmente o passageiro precisa, do que ele gosta. O que pode ser um sonho para uma pessoa, para outro pode ser um pesadelo. É interessante não vender baseando-se somente pelo destino para onde todos estão indo. E sim o que ele quer o que irá gostar. Muitas vezes eu gasto duas horas com um passageiro só, entrevistando, pesquisando o que ele realmente espera da viagem. É um trabalho que exige uma psicologia muito grande da parte do profissional da agencia. Não basta mostrar uma imagem de um local, de um hotel. Tem que ser traçado um perfil do viajante, um filtro para saber se ele gosta de um hotel fazenda, onde há múltiplas atividades. Pela própria natureza da pessoa, às vezes ela não quer simplesmente permanecer em estado contemplativo da natureza. É importante satisfazer o passageiro, e não simplesmente atender aos apelos da mídia.


O perfil dos clientes da agencia é para viagem doméstica ou internacional?


Temos tido um pouco de tudo. Hoje saiu um grupo grande para a visita á Maria Fumaça. Viagem para Europa tem vendido bem.


Porque a agencia foi criada na cidade de Rio das Pedras?


Rio das Pedras abriga pessoas naturais de outras localidades e que precisam adquirir passagens para seus locais de origem. Boa parte da população que trabalha nas empresas de Rio das Pedras viaja para outras cidades, outros estados.


Há muita procura de passagens para o Rio de Janeiro?


Bastante, e com o Brasil sediando as Olimpíadas deverá haver uma procura maior. Uma das conseqüências deve ser o aumento da infra-estrutura para o turismo.


O europeu ainda tem a imagem de que no Brasil há cobras atravessando as ruas?


Infelizmente ainda pensa! Acha que só existem índios, carnaval, mulheres nuas. Essa imagem do Brasil com o evento das Olimpíadas deve melhorar. O turismo no Brasil tem que crescer muito, principalmente na mão de obra qualificada. O turismólogo não tem a sua profissão reconhecida.


O que é um turismólogo?


É a pessoa que faz a Faculdade de Turismo, um curso com quatro anos de duração. Fiz a faculdade de turismo em Minas Gerais. O turismólogo planeja os roteiros. Quando escolhemos a cidade de Rio das Pedras para montar a nossa agencia de viagem, fizemos um estudo, pesquisamos estradas, meios de transportes. O turismólogo qualifica as pessoas que vão trabalhar em hotéis, dá o treinamento, gerencia alimentos e bebidas. Se em um hotel os eventos não estão apropriados ele irá formar uma equipe para melhorar esses eventos. É uma faculdade muito abrangente, onde se aprende economia, administração, geografia, história, direito.


Aline, cada povo tem seu habito, isso é muito importante que o turista saiba?


Se uma turista brasileira for a Dubai, não poderá usar o seu habitual biquíni. No curso de comissária foram dadas aulas sobre costumes de alguns países, teve uma comissária que uma vez viu uma linda criança, e passou a mão no rosto dela, um habito nosso de mostrar carinho. Essa comissária levou um tapa no rosto, porque para a cultura daquela mãe a criança é pura, uma pessoa adulta é impura, não pode passar a mão no rosto da criança.


Aline é comum o brasileiro que viaja querer ingerir alimentos semelhantes ao que come aqui?


Tem muitas pessoas que desejam viajar e não querem usufruir da comida do local para onde vão, não querem saborear novos paladares. A idéia de viajar é sair da sua rotina e vivenciar coisas novas. Você deve experimentar o que o local está oferecendo, depois de determinado tempo, se quiser pode comer um arroz, feijão, para matar a vontade.


Silvino completa: “- O prato mais famoso que você encontra em diversos países é a feijoada.”


É uma feijoada igual a que se faz no Brasil?


Não! Em Macau as ruas e alamedas são todas escritas em português. Mas são muito poucos habitantes que falam português. Encontramos dois gaúchos que trabalhavam em um restaurante, fomos lá para comer feijoada. Não dá para dizer que se tratava de uma feijoada. É o mesmo que querer comer acarajé em Macau. O nome pode ser acarajé, só que não é o acarajé que conhecemos. Aline diz: “-Procuramos dar orientações sobre tudo, vestuário, que lugares que são interessantes para conhecer, os passeios que nós denominamos de “tabajara”, é aquele passeio que você perde tempo e é horrível.


O turista gosta de vez em quando fazer um passeio “tabajara”?


Não é por gostar, mas para dizer que esteve lá! Para visitar o Arco do Triunfo em Paris, você paga, sobe uma escada razoável, quando está lá em cima não tem mais nada para ser visto. É uma canseira, um lugar escuro e frio. Se me perguntarem se subiria de novo eu diria que não. Mas existem sempre os que vão pela primeira vez, pagam sete euros e sobem. Se você subir no portal que existe na entrada de Rio das Pedras deve ser mais bonito. Só que lá você está na França!


Silvino, o visto no passaporte de um viajante para a China tem uma particularidade?


Há uma observação, de que se o turista for pego portando droga sofrerá pena de morte.


Já há algum projeto para atender o publico que irá assistir á Copa de Futebol e para as Olimpíadas?


Trabalhamos em conjunto com as operadoras, e elas devem começar a montar os roteiros, a estrutura.


O ex-prefeito Galvão afirma com muito bom humor, que Piracicaba faz parte da Grande Rio das Pedras, assim como Saltinho, Mombuca e localidades próximas. Vocês irão montar uma programação especial envolvendo essa população?


A idéia é dar a oportunidade para que todos que puderem usufruam dessa estrutura, e desfrutem dos grandes eventos que devem se realizar no Brasil. Nunca foi tão fácil viajar. O parcelamento das viagens dá a oportunidade para viajar sem comprometer o orçamento.

Arquivo do blog