Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

terça-feira, janeiro 27, 2009




Celebrações marcam os 75 anos da USP












Sessão Solene do Conselho Universitário homenageia comunidade uspiana

A Sessão Solene do Conselho Universitário, ocorrida na última segunda feira (26/1), no Auditório Simon Bolívar, do Memorial da América Latina, em São Paulo, marcou as comemorações dos 75 anos da USP com várias homenagens. Com a presença da Reitora, Suely Vilela, do Vice-Reitor, Franco Maria Lajolo, dos Pró-Reitores Armando Corbani Ferraz (pós-graduação), Selma Garrido Pimenta (graduação), Mayana Zatz (pesquisa) e Ruy Alberto Corrêa Altafim (cultura e extensão), dos diretores das unidades fundadoras da Universidade, professores, funcionários e alunos, a cerimônia apresentou um saudável caráter de resgate histórico e congraçamento da comunidade uspiana.

O diretor da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” - ESALQ (uma das unidades fundadoras da Universidade), Antonio Roque Dechen, saudou, em nome do Magno Conselho Universitário, os ex-Reitores da USP, que foram homenageados com a Medalha Armando de Salles Oliveira (a honraria é oferecida aos que contribuíram com o engrandecimento da Universidade). Dechen traçou um panorama histórico da Instituição, lembrando que a USP teve seu início em um período de grande dificuldade política e social: pós-crise de 1929 e pós-revolução de 1932. “A USP na versão de seus idealizadores seria a espinha dorsal de um projeto de longo prazo que devolveria à unidade da Federação derrotada em 1932 no plano militar, a posição de liderança nacional no plano político. Seria também o instrumento de formação de quadros intelectuais, técnicos e profissionais em condições de liderar a industrialização de uma economia em ascensão”, disse o diretor da ESALQ. Na referência aos ex-Reitores, Antonio Roque Dechen lembrou dos desafios enfrentados ao longo de mais de sete décadas. “Cada Reitoria em seu tempo – sábias mãos professando alvoradas, antecipando e alinhada aos movimentos e demandas sociais, foi contribuindo para a evolução do conhecimento e para o desenvolvimento socioeconômico do país. Imaginar a USP apenas como um centro de excelência em pesquisa e ensino é omitir sua enorme contribuição para a extensão universitária, atendimento à comunidade e sua inserção social nas diferentes áreas do conhecimento e em atividades socioambientais, culturais e artísticas”, afirmou Dechen em seu discurso.

Em seguida, conforme decisão tomada pelo Conselho Universitário em 2 de dezembro de 2008, a Reitora Suely Vilela entregou a medalha Armando de Salles Oliveira aos ex-Reitores: professor WALDYR MUNIZ OLIVA (Mandato: 18.01.1978 a 17.01.1982) – na oportunidade representado pelo professor SÉRGIO MUNIZ OLIVA FILHO; professor ANTONIO HÉLIO GUERRA VIEIRA (Mandato: 18.01.1982 a 17.01.1986) – na oportunidade representado por Eduardo Castejon Guerra Vieira; professor JOSÉ GOLDEMBERG (Mandato: 18.01.1986 a 17.01.1990); professor ROBERTO LEAL LOBO E SILVA FILHO (Mandato: 09.01.1990 a 05.08.1993); professor RUY LAURENTI (Mandato: 05.08.1993 a 25.11.1993); professor FLÁVIO FAVA DE MORAES (Mandato: 18.11.1993 a 25.11.1997); professor JACQUES MARCOVITCH (Mandato: 26.11.1997 a 25.11.2001); professor ADOLPHO JOSÉ MELFI (Mandato: 26.11.2001 a 25.11.2005).

Outro momento marcante na Sessão foram as homenagens feitas aos professores, funcionários e alunos. Estiveram representando cada categoria a professora Berta Lange de Morretes, que cursou História Natural na USP entre 1938/1941, a funcionária aposentada da Faculdade de Direito, Marilena Pinheiro Lobo, o ex-aluno, pós-graduado em 1942 pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, professor Paschoal Ernesto Américo Senise e o ex-aluno da ESALQ da turma de 1936, Fernando Penteado Cardoso. Em seus discursos, revelaram traços da emoção por participarem da história da USP, como o relato da professora Berta Morretes, que lembrou bem humorada das dificuldades de comunicação com os professores europeus na década de 1930. Fernando Penteado Cardoso, que era aluno da ESALQ em 1934, reforçou o sentimento de gratidão e orgulho para com a Universidade.

Durante a Sessão Solene do Conselho Universitário, os Correios fizeram o lançamento do selo e carimbo comemorativos dos 75 anos da Universidade. Na oportunidade, a reitora Suely Vilela fez a primeira obliteração. Logo após, a reitora recebeu, das mãos de Laércio Evangelista dos Santos, funcionário da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, o bastão da USP, objeto de cerca de 1,60m, entalhado em madeira e onde estão postos lado a lado os brasões das unidades fundadoras da USP. Para encerrar, a reitora discursou, lembrando que a USP é fruto da garra paulista, que nasceu após a derrota do Estado na Revolução de 1932 e se transformou em patrimônio científico e cultural do País. “A criação da USP representou um novo paradigma no ensino superior no Brasil e hoje a Universidade consolida seu papel como universidade de classe mundial, contribuindo na formulação de políticas públicas sustentáveis, abordando sempre temas estratégicos, mantendo uma relação direta com a sociedade e preservando seu caráter de pioneira. A USP cultiva pessoas e delas colhe sua grandeza”, frisou a reitora.

Até o dia 1º de fevereiro, o hall de entrada do auditório Simon Bolívar do Memorial da América Latina abrigará a exposição “USP em Obras – A Construção da Cidade Universitária”, que reúne 60 imagens do acervo da universidade que vão de 1952 a 1972. O Memorial está localizado na Rua Auro Soares de Moura Andrade, nº 664, Barra Funda, São Paulo.

Arquivo do blog