Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

sexta-feira, fevereiro 20, 2009

ISSA ELIAS RISK

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com

Sábado, 21 de fevereiro de 2009
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/
http://blognassif.blogspot.com/



ENTREVISTADO: ISSA ELIAS RISK


Inúmeras cidades têm um local onde os moradores dessa cidade freqüentam até com certo orgulho. São Paulo é uma cidade pródiga nesses locais. Em frente ao Instituto Biológico, próximo ao Parque Ibirapuera, existe uma residência, que foi transformada em pizzaria e que é freqüentada já por muitos anos pelo atual governador José Serra e uma revoada de tucanos de alta plumagem. O dono é um piracicabano. A característica principal desses locais é que assumem a personalidade do proprietário. No Largo de Pinheiros existe uma lanchonete especializada em batidas de frutas, onde a principal atração é o malabarismo que os donos fazem com as garrafas e o gelo ao atenderem um cliente. Geralmente são lanchonetes, restaurantes, muitas vezes situados em locais bastante discretos, quase anônimos, mas que ganham fama e vida própria. Piracicaba tem vários desses locais, um deles é especializado em comida árabe. Situado á Rua Tiradentes, 740 o Restaurante Árabe do Issa é propriedade de Issa Elias Risk. Calmo, atencioso, sorridente e sempre muito solícito, com seus quibes, esfihas, homus, e demais delícias da cozinha árabe, Issa fisgou o piracicabano pela boca. É comum ver o Issa sentado em uma das mesas dispostas em frente ao seu estabelecimento, ocupado em alguma atividade referente ao restaurante. Em uma dessas tardes escaldantes de Piracicaba, a pessoa que conduzia um veículo, por motivos desconhecidos subiu pela calçada com o mesmo desgovernado, parando a poucos metros de onde Issa trabalhava. Além do grande susto, nada mais aconteceu a não ser danos de pequena monta no veículo. Logo se formou um grupo de pessoas em torno do local. Como se estivesse mentalmente viajando pela terra natal, Issa continuou seu trabalho placidamente. Alheio á toda aquela movimentação. A sua tranqüilidade chamava a atenção dos presentes ao fato. Nascido em Beirute, no Líbano, em 22 de fevereiro de 1932, filho de Elias Risk e Maria Risk, o cidadão piracicabano, título que lhe foi concedido pela câmara de vereadores, transformou seu restaurante em um local aprazível, típico. Com muitas fotos, títulos recebidos, quadros, tapetes, objetos decorativos, o Restaurante do Issa passou a ser uma galeria de memórias. O cliente sente-se como se estivesse na própria casa do Issa.
O senhor nasceu no Líbano, onde viveu, e depois foi para o Kwait?
Fiz o curso de cozinheiro em Beirute, em uma escola de hotelaria. Em 1952 fui para o Kwait. Era um país maravilhoso. Na ocasião havia um bom campo de trabalho. Lá é que me casei com a minha esposa que se chama Rosa. Temos três filhos: Loud que é médica, e está no Líbano, Eli é engenheiro-químico e está na Arábia Saudita, e a Lílian que é jornalista e mora na Inglaterra. Após permanecer por quinze anos no Kwait voltei para o Líbano, onde construí um prédio de três andares. Morava na parte superior e alugava as demais dependências. Permaneci no Líbano por dois anos. Em seguida fui para Trípoli na Líbia, na época governada pelo Rei Idris I. No período da Guerra dos Seis Dias que se iniciou em 5 de junho de 1967 eu estava lá, trabalhando. Com a minha família voltamos para o Líbano. No Líbano eu tinha um amigo que o filho dele era o proprietário de uma padaria na Rua 25 de Março em São Paulo. Fui convidado para ser o padrinho de casamento desse moço, aqui no Brasil. Após o casamento, fui visitar uns parentes deles em Botucatu. No trajeto houve um acidente com o nosso automóvel. Batemos na traseira de um caminhão, sendo que o meu lado foi o mais atingido. O carro era um Aero-Willys. Permaneci por dezoito dias no hospital em Botucatu. Os “patrícios” de São Paulo me transferiram para o Hospital Sírio-Libanês onde permaneci por oito meses. Fiquei com todo o corpo engessado. Após sair do hospital, fui para a casa de um amigo na Vila Mariana. Logo depois quebrei a perna. Fui para o então Hospital Matarazzo, em seguida para o Hospital das Clínicas, onde permaneci por mais alguns meses.
Como o senhor veio para Piracicaba?
Os patrícios (libaneses, sírios) de Piracicaba me visitavam no hospital. Eles me convidaram para vir para Piracicaba. Entre muitos posso citar alguns como Elias Sallum, Abrahão Maluf, Dr. Adilson Benedito Maluf que na época já era prefeito de Piracicaba. Já em Piracicaba fui convidado para ir á um jantar, quebrei a perna de novo. Fui para a Santa Casa, lá recomendaram para fazer a cirurgia no Hospital das Clínicas. Fui encaminhado para lá, onde fui operado.
O senhor, já curado, voltou para Piracicaba?
Exatamente. Os dólares que eu tinha já estavam acabando. Pedi ao Dr. Adilson para montar uma banca de frutas atrás da Catedral. Ele me disse que ia pensar no assunto. Eu estava louco para trabalhar. Na época eu morava na Vila Rezende. Atrás do Hospital dos Plantadores de Cana, tinha um circo. Fui até lá para comprar uma barraca. Comprei com a condição de tirar na hora. Eu coloquei a barraca ao lado do ponto de táxi, atrás da catedral. Estava ainda escrito nas laterais da barraca as atrações do circo: leão, macaco. Dr. Adilson ficou bravo quando soube. Ficou nervoso. Eu disse que iria tirar a barraca de lá. Um dos seus secretários pediu que esperasse e foi ver a barraca. Ele então disse que eu deveria pintar os dizeres originais daquela barraca que um dia foi de um circo. Assim, passei a trabalhar, e após quatro anos mandei trazer a minha família. Na ocasião meus filhos que já estavam quase formados teriam que começar de novo seus estudos. Na ocasião o Prof. Elias Sallum correu muito para tentar resolver o impasse. Mas infelizmente não era possível fazer nada, eles então voltaram. Lílian estudou na Inglaterra. Load e Eli em Paris.
No início a banca que o senhor montou trabalhava só com frutas?
Trabalhava com frutas, eram frutas selecionadas. Na época não havia o Ceasa em Piracicaba. Por volta da meia noite começava o comércio de frutas em frente ao prédio do Mercado Municipal. Com o tempo comprei uma perua Kombi, usada, e passei a ir para São Paulo. Passei a fornecer pão sírio, doces típicos, pistache. Tinham muitas famílias que encomendavam. Nesse período entrei em uma concorrência pública para montar um restaurante dentro do Ceagesp em São Paulo. Acabei ganhando. No dia da inauguração estavam presentes diversas autoridades, como o Prefeito Adilson Maluf, o Deputado Francisco Antonio Coelho (Coelhinho), já falecido, Fernando Henrique Cardoso. (Issa mostra a fotografia que comprova o fato). Permaneci por oito anos com o restaurante no Ceasa de São Paulo. Com o passar do tempo percebi que não compensava. Os custos eram decorrentes do mês inteiro, só que lá só funcionava 12 dias por mês, 3 dias por semana.
O senhor fez o que?
Após terminar o período do contrato, voltei para Piracicaba, onde montei um depósito de bebidas (refrigerantes). Com o passar do tempo aumentou a minha dificuldade em ficar carregando caixas para fazer as entregas. Resolvi montar o restaurante.
Há quanto tempo o senhor montou o restaurante?
Estou aqui há 25 anos, foi em 1983.
Qual era a sua expectativa quando começou?
Quis montar um restaurante árabe. Pratos frios e quentes. Salgados e doces.
O piracicabano gosta da comida árabe?
A maioria gosta.
O senhor já recebeu muitas personalidades em seu restaurante?
Graças a Deus sim. Vem gente muito boa. O Adilson Maluf. Todos os deputados: Roberto Felício, Roberto Moraes, Antonio Carlos Mendes Thame, João Hermann Neto. Vem muitas pessoas importantes da cidade.
Um dos pratos muito procurados é o carneiro?
No ano passado fiz 55 carneiros assados e recheados. A procura é muito grande no Natal e no final de ano. O recheio é composto por pistache, carne do próprio carneiro, especiarias. Faço também lingüiça de carneiro. O segredo da cozinha é preparar o prato na hora, em 10 minutos fica pronto o kibe crú. Não deve se deixar comida no balcão (refrigerado) de um dia para outro. Coalhada seca, fresca, charuto de folha de uva isso temos sempre.
Onde o senhor arruma as folhas de uva para fazer os charutos?
Eu tinha uma parreira. Hoje vem de São Paulo.
Aqui na parede do restaurante tem uma foto do senhor vestido a caráter, como um sheik árabe, quando foi tirada essa fotografia?
Nós temos uma entidade sírio-libanesa situada á Rua Governador Pedro de Toledo. Todos os anos, na data de comemoração da independência deste querido país que é o Brasil, nós participamos do desfile. Colocaram um carrinho para que eu saísse caracterizado dessa forma. Neste carnaval a Ekyperalta vai representar a Sociedade Sírio-Libanesa. Eu estarei lá, na avenida.
Qual é a religião do senhor?
Católico maronita. Todo mês é celebrada a missa na Catedral de Santo Antonio, onde o pároco é Monsenhor Jamil Nassif Abib. O Bispo Maronita de São Paulo esteve aqui em Piracicaba.
Como é a relação entre árabes e judeus aqui no Brasil?
Tenho amigos que são judeus, sunitas, católicos ortodoxos. Lá no Oriente Médio o motivo é religioso, árabe não gosta de judeu, judeu não gosta de árabe.
Como o senhor vê o futuro do Brasil?
Maravilhoso. Houve um encontro com alunos de faculdade, na Rua Boa Morte. Olhando para cada aluno eu vi o rosto de Deus. Não estampam mágoas, ódios. Estávamos apresentando uma palestra, eu e Jayme Rosenthal.
Do que o senhor mais tem saudade do Líbano?
É a minha terra natal. Eu nem para São Paulo tenho ido mais.
O senhor gosta de dançar?
Adoro dançar. Gosto de todo tipo de música. Na Sociedade Sírio-Libanesa recentemente foi realizada uma festa maravilhosa com a presença da Secretária Municipal de Cultura Rosangela Camolesi e seu marido, onde a Ekyperalta animou com um samba. Eu até sambei.
O senhor lê e escreve o árabe?
Leio e escrevo. É interessante um fato que vem ocorrendo. Muitas moças querem fazer uma tatuagem com o nome "do querido dela", do noivo. Tatuam-se nas costas. Eu escrevo em árabe o nome ou a frase que elas desejam tatuar. Elas então levam o modelo para a pessoa que faz a tatuagem.
O brasileiro deveria conhecer melhor a cultura árabe?
No período em que a Turquia dominou o Líbano no final do século XIX, vinham para o Brasil com o passaporte turco, isso gerou muita confusão e preconceito. Os árabes vieram para o Brasil com pouco dinheiro, sem saber falar nada em português. Hoje a maioria tem filhos que se destacam em suas profissões, como médicos, engenheiros, advogados e outras.
Quando o senhor chegou ao Brasil, sabia alguma palavra em português?
Nada. Nem para falar colher. Garfo. Faca. Tenho orgulho da nossa comunidade. Os primeiros que vieram iam de porta em porta, oferecendo mercadorias. Não havia estradas, transportes, hotel. Dormiam em casas particulares, no dia seguinte presenteavam a pessoa que o acolhia com um lenço, ou alguma outra lembrança. Teve imigrante que veio de São Paulo á Campinas a pé. Hoje a maioria tem filhos com diploma de curso superior.
O senhor tem algum Masbaha?
Tenho dois. Um no carro outro em casa. (N.J.Conhecido no Oriente como Masbaha e na Grécia como Comboloi, é chamado também de terço grego, terço árabe e terço islâmico, e usado por todas as religiões para meditação, orações e pedidos de auxílio. Criado há milênios por mestres orientais, é um acumulador e transmissor de energias positivas, além de eliminador de tensão nervosa).
E o narguile?
Tenho dois. Só não dá tempo de usar. O narguile simboliza a hospitalidade, serenidade e a harmonia. Deve ser fumado em grupos, para os fumantes conversarem entre si.
Como é feito o café árabe?
O bom não café não é filtrado, é decantado. Existem pessoas que sabem ler o que significa o pó de café que fica no fundo, se tem sorte. Não se põem açúcar no café. É colocada uma semente de snubar no café.
O senhor sabe ler o pó de café?
Eu sei um pouquinho.
Qual é o significado do cedro para o Líbano?
É a árvore que não morre. Ele está presente na nossa bandeira. Veja uma foto onde há neve, com vinte graus negativos, ele permanece vivo. No Líbano não se corta o cedro. Ele possui um perfume natural. O cedro só nasce na montanha.
O senhor sabe a letra do Hino Nacional do Líbano?
(Imediatamente Issa põe-se a cantar em árabe):

Hino Nacional Libanês (tradução)
(Fonte: Embaixada do Líbano no Brasil)

Somos todos para a Pátria
Para a sublime, pela bandeira
Nossa espada, nossa pena
Fulguram aos olhos do tempo
Nossos vales e montes
São o berço dos bravos
Nossa palavra e ação, só buscam a perfeição

Somos todos para a Pátria
Para a sublime, pela bandeira
Somos todos para a Pátria
Velhos e moços ao apelo da Pátria
Investem, como leões da floresta,
Quando surgem os embates
Coração de nosso Oriente
Que Deus o preserve ao longo dos séculos

Seu mar, sua terra são a pérola dos dois Orientes
Sua opulência, sua caridade
Preenchem os dois pólos
Seu nome é seu triunfo
Desde a época de nossos ancestrais
Sua glória é seus cedros
Seu símbolo é para a eternidade

Somos todos para a Pátria
Para a sublime, pela bandeira
Somos todos para a Pátria






Arquivo do blog