Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

domingo, novembro 08, 2015

JURANDIR BERTONCELOS



PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 07 de novembro de 2015.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://blognassif.blogspot.com/
http://www.teleresponde.com.br/
ENTREVISTADO: JURANDIR BERTONCELOS



Jurandir Bertoncelos é filho de Ernesto Bertoncello e Inês Campeão Bertoncello que tiveram 11 filhos: Antonio, Maria, Jurandir, Maria Helena, Ernesto, Humberto, Nivaldo, Marisa, Márcia, Silvana e José que faleceu ainda muito movo.
O senhor nasceu em que cidade?
Nasci em Piracicaba, na Avenida Rui Barbosa, onde mais tarde demoliram a nossa casa e construíram um banco. Ficava bem na esquina, logo após a Farmácia Droga Vila, a “Farmácia do Zézinho”. Meu umbigo está enterrado ali! Nasci a 22 de março de 1947. Na época em que nasci a Avenida Rui Barbosa era chão de terra. Já havia o bonde. Conheci a venda do Papini, ficava em frente ao jardim que existe até hoje, no local mais tarde foi uma filial da PANSA- Padaria Nossa Senhora Aparecida, no nosso tempo já existia o jardim em frente a Matriz da Vila Rezende. Eu ia até o Papini buscar compra para a minha nona (avó). As moças da Vila Rezende quadravam o jardim. Nós ficávamos esperando elas passarem. Na Avenida Rui Barbosa havia o boche do Papini, os famosos pastéis da Gigeta. Na época na Avenida Rui Barbosa quase não tinha comércio. Conheci a fábrica de vassouras do Gianetti e do Paulo Sega. Sua irmã Anita Sega é a pessoa responsável por trazer para Piracicaba a entidade AA - Alcoólicos Anônimos. Eu pregava latinhas em volta de um determinado tipo de vassoura que ele produzia. Meu irmão Antonio pintava cabos de vassouras na Fábrica de Vassouras Elefante, onde um dos proprietários era o Giovanni (Joanne) Vassoureiro. A palha da vassoura vinha da Argentina, pelo trem da Sorocabana chegava até Piracicaba.
Só podia quadrar aquele jardim quem morava na Vila Rezende?
Quem era de outro bairro e passava pela ponte iria enfrentar uma guerra. Era briga na certa. Inclusive o pessoal dos próprios bairros da Vila Rezende, Paieiro com a Bimboca, Nhô Quim com Bimboca não se entendiam.
Logo passando o Grupo Escolar José Romão, existe uma baixada, qual é o nome correto dessa baixada?
Ali é o Nhô Quim! Na verdade é bairro São Luiz, mas foi apelidado de Nhô Quim. A Bimboca é acima da Igreja São Luiz. E lá para cima é o Paieiro.
O senhor conheceu o Mario Areas Witier, popularmente conhecido como “Mário da Baronesa”?
Minha irmã Maria Conceição, foi pajem da Isa, sua filha caçula. Eu vivia na casa do Mário jogando futebol. Sua filha mais velha, a Ana, casou-se com o Mauro. A Nice é casada com o Mazzonetto.
Quantos filhos o Mário teve?
Teve a Ana, a Nice, o Mário e a Isa. O Mário teve muita proteção da Baronesa de Rezende. Ele começou trabalhando como uma espécie de carteiro, ou mensageiro, do Barão de Rezende. O Mário considerava o Barão e a Baronesa como se fossem seus pais. Eles eram pessoas muito simples. Éramos tratados como se fossemos da família. Os franceses já eram proprietários do Engenho Central. Meu pai trabalhou na casa de um dos franceses.
O senhor chegou a freqüentar escola?
Não. Aprendi a ler e a escrever como autodidata. Comecei a trabalhar muito novo, com seis a sete anos de idade já ia marrar feixes de cana para a minha mãe, que cortava a cana. 
Qual era a área pertencente a Mário Witier?
Ela ia de onde hoje é o Hospital dos Fornecedores de Cana até a beira do Rio Piracicaba. Abrangia toda aquela região onde hoje é a Nova Piracicaba, Jardim Monumento. A beira do Rio Piracicaba pertencia ao Engenho Central.  Do Nhô Quim em diante era tudo brejo, na época quando pisávamos ali parecia areia movediça, o pé afundava na terra preta. Ali foi plantado muito eucalipto, a idéia era que o eucalipto absorvesse a água.
O senhor conheceu o bairro do Pitá?
Morei lá quando nem luz não havia, era tudo lamparina.
Havia duas linhas de trem, uma do Engenho Central e outra da Sorocabana. O senhor ouviu falar de uma tragédia ocorrida com um maquinista do Engenho Central?
Ocorreram várias, uma que o povo comentava era sobre um maquinista, negro, que trabalhava para o Engenho Central, sua casa era ao lado da linha, quando passava por ela reduzia ao máximo a velocidade da locomotiva, corria até sua casa que ficava ao lado da linha, tomava um café e voltava dirigindo a máquina. Até que um dia escorregou e perdeu uma perna quando uma das rodas da locomotiva passou sobre ela. Presenciei atropelamentos. O Antonio Matavelli era parente nosso, ele foi maquinista do Engenho Central durante muito tempo.
O bairro Areão fica exatamente onde?
Fica ali perto do Oratório São Mário, da atual Faculdade de Odontologia de Piracicaba, para cima, é o Areão. Inclusive onde se localiza o Shopping Piracicaba. Era tudo mato. Onde é o Shopping Piracicaba era despejado os resíduos da laminação Dedini, foram inúmeros caminhões de resíduos industriais que foram depositados ali para soterrar e nivelar o terreno, era depositada areia que havia sido utilizada na fundição.
Após ajudar a sua mãe qual foi outra profissão que o senhor exerceu?
Fui trabalhar como aprendiz de sapateiro, com o Juca Santin, na Rua Dona Francisca. Na época sapatão fazíamos com prego normal e com torno (prego de madeira), para lugar alagado tinha que ser o prego de madeira senão não durava nada. O couro usado era a vaqueta. O mais fino era o sapato de cromo alemão. Só milionário que usava. Quem tinha ficava sempre limpando com um lencinho! Aprendi a fazer sapato com cromo.
E a sua carreira artística quando começou?
Comecei a cantar em 1957 na Rádio Difusora de Piracicaba, no programa patrocinado pelo Café Morro Grande, o apresentador era o Atinilo José. Na época ali havia um auditório na rádio. Éramos muito pobres, o cachê era um pacotão de Café Morro Grande e um pacotão de Bolachas Júpiter, a embalagem era amarela e azul. Toda semana eu ganhava.
Que estilo de música você cantava?
Na época as músicas de Nelson Gonçalves, Cauby Peixoto. Canto até hoje, só que agora canto seresta. Na época formei uma banda, a “Geniais”. Em outro local mais boêmio da cidade a mesma banda era conhecida como “Os Apaches”. Havia um certo preconceito por parte dos clubes, onde tínhamos que nos apresentarmos como “Geniais”. Nós tocávamos onde o pessoal pagasse, até em velório se fosse necessário, embora isso nunca tenha ocorrido. No Clube de Campo de Piracicaba fizemos um contrato para nos apresentarmos por um ano, éramos os “Five Boys”. Quem compunha a banda era eu, o Marcos Cavalari, artista plástico, era o guitarrista, Jamil Ravelli, o Tutão, trabalha na Hima, é um baterista muito bom, Gilberto Zen, tocava o teclado, Alvaro de Castro tocava o baixo, eu era o vocalista. Eu tinha uma voz que se destacava, era muito considerado na região, cheguei a ganhar um troféu como melhor vocalista no “Brinco de Ouro”, que é o ginásio da Guarani de Campinas. Na época participava o Gilson de Souza, aquele que cantava “Poxa, como foi bacana te encontrar de novo...”.





 Noriel Vilela que fez muito sucesso com a música que cantava: 
                                          ZECA PAGODINHO


                                          NORIEL VILELA SÓ O OME
 Você compunha músicas?
Eu compunha e vendia as letras. Eu, um amigo da Vila Boyes, o Paulo Batateiro, o Bebeto Surian, que inclusive teve musica gravada pelo Roberto Carlos. Na época era muito difícil gravar um disco.
Qual música sua fez muito sucesso?
Não está em meu nome, mas é a musica Tijolinho: “Sei que se esperar mais um pouquinho, Meu amor e meu carinho a você voltar” Nós a compomos e depois a vendemos, quem a gravou foi Boby De Carlo. Depois o grupo “Polegar” também gravou. 




Você tem quantos filhos?
Do primeiro casamento com Maria Luiza Ventura tenho três filhos, do segundo com Suzilaine tenho um filho com 16 anos.
Além da banda você trabalhava no que?
Eu tinha uma sapataria na Bimboca. Na esquina da Rua Dona Santina com a Rua Dr. Eulálio. Lá eu trabalhava só com conserto de calçados.
Além do Clube de Campo, você tocou em outro lugar famoso em Piracicaba?
Toquei no Jardim da Cerveja. Teve um período em que nomes de projeção nacional estiveram no Jardim da Cerveja. Nos intervalos a minha banda tocava. Quem me ensinou a manusear com a técnica correta o microfone foi Agnaldo Timóteo. Minha voz era bem alta, existe toda uma técnica para que o som saia de forma perfeita. Tive a oportunidade de cantar com ele no Clube Cristóvão Colombo, na Rua Governador Pedro de Toledo, no então “Palácio de Cristal”. Tem uma musica dele que gosto muito: “o véu da noite vai chegar e docemente vai nublar”. 



AGNALDO TIMÓTEO - MAMÃE
Em sua opinião qual é a melhor voz que você admirava?
Em minha opinião era a de um cantor que era gago: Nelson Gonçalves. Ele é pai de uma empresária famosa a Lilian Gonçalves. Eu a conheci no Programa do Bolinha, o Edson Coury. Houve uma época em que quem não tinha a carteira da Ordem dos Músicos não podia cantar. O Maestro Vicente Gimenes era o representante da Ordem dos Músicos em Piracicaba. Eu consegui obter a carteirinha de musico profissional. Quando o Bolinha esteve em Piracicaba fui classificado, mas pelo fato de ter a carteira de cantor profissional não podia participar do show de calouros do Edson “Bolinha” Coury em São Paulo, na televisão. Isso foi em 1971. Aqui em Piracicaba só teve um calouro classificado, cujo apelido era Dori Ruspioso. O Bolinha era uma pessoa muito coerente, o que ele era no palco era fora do palco. Sempre tratou a todos com muito respeito. Conheci o Wanderley Cardoso. Conheci também o Wilson Simonal, era bem vaidoso, em compensação o Jair Rodrigues sempre tratou a todos da mesma forma. Sempre rindo, sempre contente, alto astral.
As suas roupas de apresentação como artista eram feitas por quem?
Eu desenhava e minha tia costurava. Uma ocasião fui tocar no Oratório São Mário, o Padre Nery doou uma peça de tecido preto, mandei fazer camisa para o conjunto todo, eram camisas pretas com renda branca. Eu tinha uma Lambretta ano 1957, vermelha e branca.
O conjunto permaneceu até que ano?
Permaneceu até 1973 a 1974.
Você conheceu Armando Dedini?
Fiz a churrasqueira da chácara dele. O Armandinho tinha um coração que não era dele, era uma pessoa boa demais. Ele trazia Altemar Dutra pare cantar em seu rancho. Cheguei a conversar com Altemar. Nos anos 60 eu fazia a programação para o Ciro Ambrosano na Rádio Educadora de Piracicaba, ele tinha um programa às terças feiras das 20 às 22 horas. Tocava música só dos anos 60. Altemar Dutra faleceu nos Estados Unidos, a primeira rádio a dar a notícia em Piracicaba foi a Rádio Educadora, eu tinha ouvido a notícia em outra rádio.
Você conheceu o famoso radialista Titio Luiz?
Conheci! Fui catequista com ele na Matriz da Vila Rezende. O pai dele trabalhava no Engenho Central. Nós éramos crianças, íamos buscar açúcar mascavo no Engenho Central, era de graça e era o único doce que tinha. Mais tarde Titio Luiz começou a trabalhar como torneiro mecânico no Dedini. De lá ele saiu e entrou na Rádio Educadora de Piracicaba. Eu participei do movimento jovem TLC - Treinamento de Liderança Cristã. Conheci Babico Carmignani, Humberto D `Abronzo, Romeu Ítalo Ripoli. Fui diretor do XV de Novembro, em 1976 quando o XV ficou vice-campeão fazia parte do conselho do XV.
Você desempenhou outras profissões?
Tive outras atividades, uma delas foi ser serralheiro, profissão pela qual me aposentei. Trabalhei na Auto-Pira cujo proprietário era Luiz Holland.
Você nessa época tinha uma motocicleta?
inha uma Leonette. Tive três Leonetttes, uma de farol quadrado, mais antiga e duas de farol redondo, mais moderna.


 Fui três anos à Pirapora de Leonette, sozinho, estrada de terra, sem capacete. Levei umas seis horas para chegar lá. Fui de Lambretta, de Jawa 250 cilindradas, sem farol. Entrei na Auto-Pira sem conhecer nada, aos poucos fui aprendendo, até que com o Zezo Simioni aprendi a interpretar desenho mecânico. No fim cheguei a ser encarregado. Meu compadre João Desuó saiu da Dedini e convidou-me para montar uma serralheria. Após algum tempo vendi minha parte para ele mas continuei trabalhando com ele.  Até que sofri um acidente de carro e fui aposentado. Fiquei vários dias em coma, Dr. Walter Gravena que me atendeu.
Você desfilou em carnaval?
Fui puxador de samba na Avenida Armando Salles. Era o tempo em que havia cordão, tinha o cordão da Neidona, lá do Pitá. Eu freqüentava a Sociedade Treze de Maio, meu pai era cacifeiro do baralho, era quem vendia fichas, servia café. Piracicaba era pequena, Taquaral, Santa Rosa, era tudo fazendas. Por muito tempo cantei em uma boate, a “Brinco de Ouro” em Santos, perto do cais, ficava na General Câmara. Ganhava bem, morava na boate, tinha muitos estrangeiros que freqüentavam. Quando vim embora eu tinha um automóvel Simca Chambord Três Andorinhas, novo. 



Fui gerente do hotel de propriedade de Clarício de Jesus, o Cruz, ficava na Rua José Pinto de Almeida.Em 1992 meu filho apareceu com nove cartelas para o jogo da sena. Preenchi, ele jogou na Lotérica Copa 70, comecei a olhar, na época o salário mínimo era 42.000 cruzeiros, ganhei na quina dois milhões seiscentos e cinqüenta e oito mil cruzeiros. Comprei uma mobilette zero, comprei um jogo de sofá, uma televisão a cores, um vídeo cassete, fui com meus filhos para a Argentina, o resto do dinheiro estourei com a minha molecada! Passamos um mês na Argentina, onde tinha um casal amigo. 


História do TLC

 

 


Em 1964 chega ao Brasil Pe. Haroldo J. Rahm (SJ) vindo de El Paso, Texas, onde já trabalhava com o Cursilho de Cristandade. Ao chegar ao Brasil, participou do 40 Cursilho realizado em Campinas, S. Paulo. A partir deste encontro, Pe. Haroldo começou a atuar como um dos diretores espirituais do Cursilho no Brasil. Por volta de 1967, Pe. Haroldo junto com um grupo de leigos (jovens e adultos), decidi criar uma espécie de Cursilho para jovens. Combinando técnicas dos exercícios espirituais de St. Inácio, da Congregação de Maria, da Legião de Maria, da Ação Católica, documentos do Concílio Vaticano II e do movimento Search for Christian Maturity, surge o TLC. A partir da sua criação, o TLC se espalhou rapidamente por todo o Brasil. Pe. Haroldo e todo o grupo eram freqüentemente convidados a participar de TLCs do Amazonas ao Rio Grande do Sul. Hoje, além de participar do TLC, Pe. Haroldo faz um forte trabalho de recuperação e de prevenção de dependentes químicos na Fazenda do Senhor Jesus em Campinas, enquanto o projeto AE (Amor Exigente) trata da melhora de relacionamento entre pais e filhos, prevenindo assim o surgimento de futuros dependentes químicos. Objetivo O T.L.C. objetiva ser essencialmente um movimento de evangelização, de chamado dos mais afastados da Igreja, de levar as palavras de Cristo a todos em todos os níveis ("Ide pelo mundo e pregai o evangelho a toda a criatura" Mc 16,15). Ele também objetiva despertar uma verdadeira liderança cristã dentro das pessoas, através de uma conversão lenta porém constante. Hoje, mais do que nunca, as palavras de Mc 16,15 ressoam dentro da Igreja Católica. Às portas do Jubileu de N. Senhor Jesus Cristo, tantas e tantas pessoas nunca ouviram falar de Cristo nem conhecem a fundo os seus ensinamentos. Não conhecem a importância dos sacramentos, da Família e da oração. Por isso, leigos de boa vontade, se juntam para levar a um maior número possível de pessoas esses ensinamentos, esta alegria de Cristo. O T.L .C. é um grande e maravilhoso instrumento de evangelização. Durante dois dias completos, leigos de vivência se reúnem para falar das coisas de Deus, para mostrar uma Igreja alegre, viva, entusiástica. O T.L.C. se propõem a isso, através de nosso testemunho no dia a dia (em nossa casa, no trabalho, na escola, etc...) transmitir o verdadeiro evangelho de Jesus Cristo. N. Senhora de Guadalupe, Padroeira do T.L.C., Rogai por nós, e olhai por todos os T.L.C.'s do Brasil. O T.L.C. só faz sentido se estiver a serviço da Igreja em todos os níveis (Diocesano, Vicarial e Paroquial). Por isso o TLC deve, e sempre caminhará, em sintonia com as diretrizes da Igreja Católica e de seus pastores. É isso que nós pretendemos com o TLC, fazer um trabalho conjunto de evangelização pelo crescimento do Reino de Deus ("Por melhor que eu seja, eu nunca serei tão bom ou tão eficiente quanto todos nós juntos" - Pe. Harold). Por Cristo, com Cristo e em Cristo. Alegria.... Sempre mais Alto !

Obs: Texto retirado da Home Page do Secretariado do TLC do Rio de Janeiro

Pe. Haroldo

 

 

 
O Padre J. Rahm em 1978, juntamente com Professor Osvaldo Cândido Ferreira e a socióloga Núbia França, fundam a entidade filantrópica então denominada Associação Promocional Oração e Trabalho. Muito antes disso, já desenvolvia trabalhos sociais nos Estados Unidos, país onde nasceu com jovens marginalizados na fronteira com o México. No Brasil desde 1965, naturalizou-se brasileiro em 1986. Já ministrou dezenas de cursos, recebeu diversos prêmios e até hoje ministra o curso de Yoga Cristã e apresenta um Programa de TV na Rede Vida de Televisão. O FUNDADOR Padre Haroldo Rahm, SJ, um iluminado, criativo, obstinado, amoroso e Terrível Jesuíta!

 Trabalhos Realizados: 

Autobiografia: Este terrível jesuita - Rahm, Harold – Ed. Loyola. Nasceu em 22 de fevereiro de 1919 em Tyler, Estado do Texas nos EUA.

1952-1964 - Trabalhou com jovens e adolescentes marginalizados na Zona Chamizal na cidade de El Paso e fundou o “Our Lady’s Youth Center”, que funciona até hoje.

1964 – Chegou ao Brasil e veio para Campinas.

1965 – Criou o Movimento de Liderança Cristã – TLC que se espalhou pelo Brasil todo e chegou à Itália e até hoje trabalha na formação e desenvolvimento de jovens lideranças cristãs – TLC de Campinas.Fundou o Centro Social Presidente Kennedy em Campinas que tem dado formação profissional a dezenas de milhares de jovens e adolescentes até hoje.

1972 - Fundou o movimento da Renovação Carismática no Brasil - RCC.

1978 - Fundou em Campinas a Comunidade Terapêutica Fazenda do Senhor Jesus para o tratamento e recuperação de adultos dependentes químicos e de álcool.

1984 - Implantou o Movimento “Amor Exigente”, adaptação ao Brasil do Movimento “Tough Love” dos Estados Unidos e que hoje está presente em todo Brasil, Argentina, Uruguay, através da FEAE trabalhando a prevenção e apoio às famílias Amor Exigente.
Fundou o CEPROMM - Centro de Estudos e Promoção da Mulher Marginalizada no Jardim Itatinga em Campinas CEPROMM Centro de Estudos e Promoção da Mulher Marginalizada - CEPROMM

1990 - Co-fundador da Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas – FEBRACT

1992 - Fundou a Federação Latina Americana de Comunidades Terapêuticas - FLACT

2000 – Encabeçou a Campanha da Fraternidade: “Por um mundo sem drogas” gerando um alerta nacional e dentro das comunidades religiosas para a questão da drogadicção. Fundou a Pastoral da Sobriedade - uma ação concreta da Igreja católica que evangeliza pela busca da Sobriedade como um modo de vida www.sobriedade.org.br.

2006 – Iniciou a Campanha de Prevenção às drogas através da Espiritualidade um movimento ecumênico que chamou-se “Fé na prevenção” e gerou uma cartilha de orientação a religiosos e famílias publicada pela SENAD (Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas).

2007 – Iniciou cursos de Yoga Cristã, levando esta prática a várias cidades do Brasil. Yoga significa união com Deus, com a natureza e consigo mesmo.

2010 - Fundou o Programa Além da Rua em parceria com a Prefeitura Municipal de Campinas para enfrentamento à situação de rua com serviços de abordagem de rua e serviços de acolhimento de meninos e meninas que estão vivendo nas ruas da cidade.

 

 

 

 


Arquivo do blog