Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

domingo, junho 08, 2008

Excelentíssimo Dom Fernando Mason, OFMConv

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
Rádio Educadora de Piracicaba AM 1060 Khertz A Tribuna Piracicabana
Sábado das 10 ás 11 Horas da Manhã Publicada ás Terças-Feiras

JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
19 3433.8749 / 8146.0313 / 8171.5774
Rua do Rosário, 2561 Cep 13401.138 Piracicaba-SP
joaonassif@gmail.com

Entrevistado: Excelentíssimo Dom Fernando Mason, OFMConv

Em 24 de julho de 2005 tomou posse o 5º bispo da Diocese de Piracicaba, Dom Fernando Mason, OFMConv. (A pronúncia correta é Mazon). Ele foi nomeado pelo Papa Bento XVI no dia 25 de maio. OFMConv significa Ordem dos. Frades Menores Conventuais e passa a integrar o nome completo do franciscano. Nasceu em 21 de janeiro de 1945 em Loreggia, cidade de cerca de 4 mil habitantes, na Província de Pádua, Itália. Foi batizado em 28 de janeiro. Filho dos lavradores Florindo Mason e Ângela Piccolo Mason, é o oitavo de nove filhos do casal. Recebeu o nome de Ernesto Ferdinando Mason. Mais tarde, ao tornar-se frade, adotou o seu nome: Fernando.Cursou o primário em Rustega de Camposampiero.Em 24 de setembro de 1955, seguindo sua precoce vocação à vida religiosa, entrou no seminário franciscano de Camposampiero, onde completou o primeiro grau. Cursou o ensino médio em Brescia e Pedavena. Em 1961, no Convento Santo Antônio, em Pádua, fez o Noviciado, o “ano de provação”, findo o qual, em 26 de setembro de 1962, fez sua primeira profissão religiosa como franciscano da Ordem dos Frades Menores Conventuais. Cursou Filosofia e Teologia em Pádua, no Instituto Teológico Santo Antônio Dottore, tornando-se bacharel em Teologia. Sua profissão solene aconteceu na Basílica de Santo Antônio em 4 de outubro de 1966. No mesmo local, em 3 de abril de 1971, com 26 anos, foi ordenado sacerdote. Depois de ter cursado Português na Universidade de Coimbra, em Portugal, e de ter feito um curso de preparação para a missão no CEIAL, no dia 21 de junho de 1972 embarcou no porto de Gênova com destino ao Brasil. Chegou ao porto de Santos no dia 4 de julho. O seu lema é: "Christus Factus Obbediens" (Seguir Cristo Feito Obediente). Antes do episcopado exerceu as atividades de 1972 a 1977 Vice-Pároco em Guaira, Diocese de Toledo-PR; de 1977 a 1981 foi Reitor do Seminário Menor em Ibema, Cascavel-PR; 1983 Reitor de Seminário Maior em Santo André-SP; 1984 a 1985 Vice-Pároco em Ubatuba-SP; 1986 a 1991 foi Mestre de Noviços em Caçapava-SP; 1992 a 1994 Pároco em Santo André-SP; 1995 a 1999 Mestre dos Noviços em Caçapava SP. Entre seus estudos realizou doutorado em Teologia pela Faculdade Teológica S. Boaventura Seraphicum de Roma. Teologia de 1967 a 1971 no Instituto Teológico Santo Antônio Dottore em Padova. Filosofia de 1965 a 1966 no Instituto Teológico Santo Antônio Dottore, Padova. Em 1992 fez o Curso "Cefepal” Centro de Estudos Franciscanos e Pastorais para América Latina (Franciscanismo para Formadores) em Petrópolis-RJ. Obras publicadas Artigos no "Mensageiro de Santo Antônio" e no "Mílite".
O senhor considera interessante um curso de nível universitário voltado exclusivamente para a formação de novos políticos?
Nossa cultura é uma cultura muito exigente, comporta grandes conhecimentos, por isso cursos desse tipo são sempre bem vindos e sem dúvida podem ajudar. O importante é a orientação desse curso, os valores que ele irá buscar transmitir. O estilo político que esse curso desenvolver. Sem dúvida, vivemos em uma época de muito estudo, de muita competência. Existe a questão de como encaminhar um curso dessa natureza. As possibilidades de como realizar esse curso são inúmeras. Todo conhecimento nesse sentido é bem vindo!
O senhor tem um ligeiro sotaque estrangeiro, qual a origem desse sotaque?
Eu nasci na Itália! Mas já vivi muito mais no Brasil do que na Itália! Vim para o Brasil em 1972, fui para Guairá, quase na divisa com o Paraguai e Mato Grosso. Chegamos ao Brasil após uma viagem de 14 dias de navio. O avião não era tão usual como hoje. Além de estarmos trazendo nossos pertences pessoais, o que acarretava em uma bagagem mais compatível com esse tipo de transporte. Desci no porto de Santos. Quando desci a terra tremeu, começou, a ondular, a balancear. Como Cristóvão Colombo colocou o seu primeiro pé na terra ao descobrir a América! Depois de 14 dias de navio o viajante já está todo adaptado ao mar e as condições do navio, ao pisar em terra firme a mesma parece dançar! Depois se estabiliza tudo.
O senhor participou de 2 a 11 de abril da 46ª assembléia da CNBB. Qual é a importância desse evento para a Igreja?
CNBB é a sigla da Conferencia Episcopal dos Bispos no Brasil. A Igreja deve sempre se questionar sobre a sua presença, sua atuação, da sua missão. Essas conferências episcopais têm como objetivo principal esse tipo de questionamento, em busca de respostas. Nessa última assembléia foi debatido e foi identificado o caminho da Igreja no Brasil a partir da 5ª Conferencia dos Bispos da América Latina e do Caribe que se realizou em Aparecida do Norte, quando então se elaborou as novas diretrizes para a Igreja no Brasil. Isso faz parte da conduta da Igreja, sempre se interrogar acerca da sua missão, de se interrogar em profundidade e lançar suas respostas.
Na última assembléia, qual foi o tema principal e quais foram outros assuntos estudados?
O tema principal a partir de um documento preparado anteriormente, foi de fato a formulação definitiva das diretrizes da Igreja no Brasil ao longo dos próximos quatro anos. Na assembléia foram tratadas de outras questões, desde aquelas um pouco mais simples até questões mais profundas como a defesa da vida, a comunicação da Igreja, e a questão especialmente particular em que alguns bispos se acham. Existem bispos que estão ameaçados a sofrerem atitudes violentas, até contra a própria vida. Também foram analisados os aspectos dos momentos político, social e religioso vividos atualmente. A Assembléia é articulada em atividades bastante diferenciadas e algumas é chave, como definir as diretrizes da Igreja no Brasil.
Quem ameaça bispos no Brasil?
As ameaças não estão só distantes de nós. Ás vezes elas estão aqui bem próximas de nós! Faz parte do coração humano, querer, poder, se impor a outro. E se não pode fazer isso pelos meios apropriados o faz por meios impróprios. Existem situações limites. São aquelas em que os bispos têm que tomar posições, as quais desagradam algumas pessoas, que tem como objetivo principal o seu interesse próprio, a manutenção do seu poder, do seu domínio. Quando isso ocorre, estabelece situações próximas ao limite!
O senhor deixa transparecer que o poder é extremamente sedutor em qualquer esfera da sociedade?
Poder! Dinheiro! São fenômenos do humano que atingem profundamente a existência. A pessoa sente a necessidade de buscar o poder. Como o fará? Em que medida? Quais os meios para alcançar o objetivo? Elas podem descambar e se tornarem fatores que deturpam o ser humano, o relacionamento com os outros. Afeta o convívio da nossa sociedade, inclusive da sociedade eclesial.
Os pais estão descobrindo que educar implica em colocar limites determinados aos seus filhos?
Nós herdamos no pós-guerra uma mentalidade que diz o seguinte: “O ideal do ser humano é aquilo que ele é a partir da sua natureza espontânea”. Isso vale para todos os níveis de vida. Porém não têm sentido para o ser humano! Posso citar um exemplo banal. Casas em que as crianças rabiscaram todas as paredes e os pais não colocaram um limite! Era a ideologia pedagógica que dominou algumas décadas do pós-guerra. De um tempo para cá, percebeu-se que isso não forma o ser humano! Não dá a perspectiva saudável de condução de si! Agora de novo fala-se em colocar limites. Por quê? Porque o limite afirma um valor! A palavra limite sugere algo negativo, mas na realidade na sombra do limite existe um valor importante. Colocar limites significa afirmar valores. A criança ao conhecer esses valores, que deve ser explicitado, ela acaba colocando eixos referenciais, eixos de comportamento. Colocar limites é uma forma nobre de educar!
A assembléia aprovou novas declarações. Uma delas faz referências às eleições municipais deste ano. Qual é o papel da Igreja nessa área?
A Igreja não vive fora da sociedade! Se bem que existem alguns que gostariam de manter a Igreja restrita á sacristia! Os membros da Igreja são cidadãos, isso dá o direito á Igreja a ter suas posições, suas opiniões. Quando se fala em política, logo se fala em partido, e partido é referente à parte. A Igreja nunca fará uma opção partidária! A Igreja é acima de tudo católica, significa que ela é includente. Se for uma Igreja “de parte”, que toma partido, ela é excludente, exclui aqueles que não são da mesma opinião, não tem a mesma leitura das problemáticas sociais e políticas. Por isso a Igreja nunca fará uma opção partidária! É contra a sua natureza. Por outro lado, por também ser cidadã, por participar e pertencer ao convívio da sociedade ela busca desenvolver toda uma atenção que faça com que o exercício de eleições, o exercício da vida partidária, o exercício da vida de cidadãos, seja bom! Ela persiste em contribuir. Não pretende ser dona do desejo do indivíduo. Não pretende determinar a atitude a ser tomada por seus fiéis. A Igreja quer que haja um crescimento, um amadurecimento, uma capacitação política maior por parte do cidadão participante desta sociedade.
Existem empresas especializadas em marketing político que apresentam candidatos tão perfumados como um sabonete. O senhor acredita que a Igreja e as forças vivas da sociedade podem, desde que, munidas de documentos oficiais apresentar o currículo do candidato, facilitando a tarefa de análise do eleitor?
A Igreja, a OAB, juntamente com outras instituições, anteciparem para essa conscientização é um fator extremamente importante. Quando se trata de eleições de deputados e senadores por não termos o voto distrital, o conhecimento das pessoas é muito difícil e ficamos sujeitos á essa publicidade. Mas na política local normalmente os políticos são conhecidos do eleitor. Não se pode votar em pessoa desconhecida, a partir da propaganda! Deve ter todo um esforço para ter um conhecimento direto e pessoal. Nisso a Igreja pode participar convidando os candidatos a participarem de debates. Que o voto dado seja de fato o voto consciente! Uma das fragilidades do nosso sistema político é quando votamos em pessoas desconhecidas. Devemos ficar atentos e críticos diante da apresentação de políticos que na realidade são desconhecidos na sua atuação.
Um bom orador, sem ser bom administrador, pode superar em votos um administrador excelente com oratória inferior ao oponente?
Aqui que se trata da tal de conscientização! De ter faro para distinguir essas coisas! E ter a capacidade de entender que fulano tem uma vida cuja atuação política é de valor, ainda que não seja um grande falador! Por que senão ficamos muito sujeitos a esses populismos, os mais diversos, que são explorados por pessoas expertas, espertalhões, que de fato conseguem com isso manipular as pessoas e com isso induzirem a votarem neles. Sendo que depois não tem um substrato de história política, idéias, a força política do indivíduo não ajuda.
Uma questão muito delicada, a mídia constantemente traz notícias de desvios e verbas mal geridas. A Igreja e outras entidades representativas podem deixar essas questões mais transparentes?
Uma das piores coisas que pode acontecer á uma instituição, inclusive para a Igreja, é extrapolar suas atuações além da sua área específica. Ocupar espaços que não lhe pertencem. A Igreja junto com a OAB e outras entidades encabeçou a lei contra a corrupção eleitoral. Hoje muitos políticos de diversos graus, diversos níveis, foram cassados devido a essa lei! Como agora a CNBB estão participando desta campanha que através de uma proposta de lei popular impedir as pessoas condenadas em primeira instância de participar de candidatura á cargos públicos. Há um empenho da Igreja em conjunto com outras instancias para que haja uma moralização. Devemos lembrar que corrupção é endêmica no sistema político de todos os países. Não existe país que não tenha esse problema. Ás vezes nós pensamos que os países europeus são melhores. O que é dolorido para nós é a proporção da corrupção! O fenômeno em si é uma face do próprio embate político. Dos grandes volumes administrados. Tem que se ter muito realismo. A Igreja está participando nesse sentido, e quando fala de conscientização do voto, é uma forma de participação para que esses fenômenos, sobretudo quando macroscópicos sejam corrigidos na medida do possível sem grandes ilusões, que sejam reconduzidos a padrões toleráveis. Não devemos ser injustos com os políticos. Há pessoas bem intencionadas, que querem o bem do povo. Mas também há pessoas altamente problemáticas!
A Diocese de Piracicaba está programando para o dia 18 de maio a 2ª Concentração Diocesana. O que vem a ser esse acontecimento?
É um momento de comunhão. Nós temos uma igreja estruturada em paróquias. Esta concentração visa com que nós das paróquias nos sentirmos pertencentes a uma realidade maior. A Igreja Católica é a comunhão de igrejas.
Qual é a programação dessa concentração?
Ela tem fundamentalmente dois momentos: uma grande celebração eucarística é em torno da eucaristia que a Igreja acontece. E depois o momento de lazer, se assim podemos dizer. Deixamos vir á tona a nossa dimensão lúdica, de alegria, com a presença dos Cantores de Deus.
Quem pode participar dessa concentração?
Todos são bem vindos. Será realizada no Clube de Campo do Sindicato dos Metalúrgicos.
O senhor pratica algum esporte?
Faço caminhada. Uma hora por dia.
O prato preferido do senhor qual é?
Macarrão! Um bom risoto também é uma coisa boa!




Free Counter

Arquivo do blog