Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

sábado, março 14, 2009

Aparecida de Jesus Pino Camargo

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS JOÃO UMBERTO NASSIF Jornalista e Radialista joaonassif@gmail.com
Sábado, 07 de março de 2009.
Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:
http://www.tribunatp.com.br/
http://www.teleresponde.com.br/ http://blognassif.blogspot.com/ ENTREVISTADA: Aparecida de Jesus Pino Camargo

A mulher conquista cada dia mais o espaço que antes era um privilégio exclusivo dos homens. Se antes ela ficava com as tarefas domésticas, hoje ela já participa efetivamente nos mais diversos setores da sociedade. Com isso obtém a sua realização pessoal, beneficia a coletividade e põem por terra o paradigma de que lugar de mulher é na cozinha. Em Piracicaba temos muitos exemplos de mulheres ocupando cargos de toda natureza, e fazendo seu trabalho com distinção. A entrevista de hoje é com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Piracicaba e Saltinho: Aparecida de Jesus Pino Camargo. Nascida em Piracicaba, no dia 17 de maio de 1956, é filha de Francisco Pino Rodrigues e Isabel Garcia Pino.
A senhora nasceu em que bairro?
Nasci no Bairro da Floresta. Estudei na Escola de Emergência do Bairro da Floresta, depois fui para escola do Monte Branco, onde havia a quarta série. Íamos todo dia a pé, a distancia era de quatro quilômetros na ida e quatro quilômetros na volta. Eu e um primo meu íamos juntos. As outras crianças não quiseram enfrentar a estrada. Era perigoso porque tinha vaca na estrada, tinha cana, capim molhado, nós chegávamos á escola molhados de orvalho quando era tempo de cerração. Entravamos as oito da manhã, mas saiamos de casa antes da sete horas. No Monte Branco tive como professora a Dona Therezinha. Na Floresta fui aluna da professora Maria José, Joana Sato, Luciana.
Ao retornar da escola para casa quais eram as atividades das crianças?
Não era como na cidade onde estão todas as casas agrupadas. Eram quatro irmãos que moravam perto e a criançada ia brincar com os primos. Brincadeiras como pular corda, bola, boneca de pano, queimada, brincar de balanço. Meus pais eram muito zelosos para que não brincássemos com pessoas que não fossem da nossa família. O pessoal era muito reservado, as crianças não iam até a casa de outras pessoas.
Quando os adultos conversavam as crianças também davam opiniões?
Os pais ou pessoas mais velhas nunca deixaram. A criança ouvia e ficava quieta. Geralmente era recomendado que a criança fosse fazer determinada tarefa ou lazer, para que saísse do ambiente onde os adultos conversavam. Na época havia políticos que de vez em quando visitavam os bairros. Lembro-me de um deles: Francisco Castillon Salgot. A reuniõ não era em minha casa, era em uma fazenda, onde todos os moradores se dirigiam para lá.
Tem mesmo floresta nesse bairro?
Muita. É um bairro cercado por serras. A propriedade pertencente ao meu pai existe até hoje. Quando eu era jovem, cultivávamos lavouras e hortaliças. Havia plantações de milho, arroz, vassoura, algodão. Plantávamos muita cebola e alho, além de vagem, abobrinha, pepino, produtos que eram cultivados o ano todo. A princípio vendíamos o que colhíamos no entreposto municipal, na época ficava no prédio do então Matadouro Municipal, hoje restaurado e utilizado para outros fins. As vendas realizadas ali foram transferidas para o Ceasa de Piracicaba.
Existia igreja perto?
A igreja da Floresta ficava a uns três quilômetros e a do Monte Branco a uns quatro quilômetros. Freqüentávamos a igreja da Floresta, mas eram poucos os eventos realizados. Uma festa por ano, na quaresma havia a via sacra, que era o período em que mais freqüentávamos a igreja. A igreja está vinculada a Paróquia São José de Piracicaba, cujo pároco Monsenhor Luiz Giuliani ia até lá. Frei Romário também ia celebrar as atividades religiosas. Uma vez por ano havia quermesse. Eu ia aos bailes, que eram realizados duas vezes por ano.
A senhora foi casada?
Casei-me em 1979, com Luiz de Camargo, ele possuía uma horta no bairro Nova Suíça.
Em 1991 fiquei viúva com uma criança de 10 anos de idade. Eu e meu filho continuamos trabalhando. Embora meu filho fosse ainda uma criança, o serviço leve ele ajudava a fazer. Na ocasião tínhamos a horta e a banca no varejão que ocorria na Vila Rezende, no Centro e na Avenida Raposo Tavares. Quando o meu marido faleceu, eu achei muito arriscado continuar com essa atividade, porque tudo é feito durante a madrugada, principalmente com uma criança de 10 anos. No início tive o auxilio de uma pessoa para dirigir a nossa kombi. Embora fosse habilitada não dirigia regularmente. Mediante a necessidade, passei a dirigir um automóvel e a vender cheiro verde, uma mercadoria que não tinha tanto volume como as demais. Fiz as entregas com o carro.
Como foi que a senhora conheceu o seu marido?
No trabalho. Conhecemo-nos no Ceasa. Casamos na Igreja dos Frades em 17 de novembro de 1979.
O contato da senhora com a roça vêm desde a infância?
Lembro-me que ainda muito pequena, minha mãe acompanhava o meu pai na roça e deixava-nos embaixo de uma árvore. Levava as marmitas, a espiriteira que era usada para esquentar o leite, os alimentos. Pela manhã, ao levantarmos era servido café, pão feito em casa ou bolinho de chuva doce ou salgado. O bolinho de chuva salgado é feito com ovo, sal, óleo, trigo, leite ou água, bate, põe fermento e frita.
O frangueiro era uma figura presente na vida rural?
Chamávamos esse comerciante de frangueiro porque ele fazia a barganha dos produtos. Ele levava todas as miudezas necessárias para uma casa. Desde tecido xadrez para fazer camisas, calças para a roça, linha, botão, macarrão, massa de tomate, produtos básicos. Até hoje não tem nenhuma venda, ou armazém, no Bairro da Floresta. Quando a minha mãe queria fazer uma roupinha pedia para o frangueiro: “-Traz um paninho assim.” Quem escolhia a nossa roupa era o frangueiro! Vestíamos aquilo que o frangueiro levava! Ele era o nosso estilista! Nós barganhávamos esse tecido por ovo, frango, os produtos que tínhamos no sítio. O frangueiro mais fiel que nós tivemos era o João Wolff, desde que nasci ele estava lá. Eu casei-me e ele continuou a ir. Ele por muitos anos percorreu aquelas estradas com seu carrinho de tração animal.
A vinda para a cidade era feita em ônibus?
Vínhamos de ônibus. Tinha que ir da Floresta até o Bairro Monte Branco com carrinho de tração animal. Lá deixávamos o carrinho e tomávamos o ônibus. Outra forma era combinar com alguém do bairro que tinha condução, geralmente era um caminhão que trazia todo mundo.
Quais eram as formas de diversão praticadas no sítio?
A energia elétrica passou a existir na minha casa só depois que eu casei. Antes eu conhecia a energia elétrica na casa dos parentes da cidade. A noite era utilizado o lampião, lamparina, rádio de pilha. Não havia televisão, geladeira. O alimento tinha que ser feito e consumido, não havia como armazenar. A única exceção era a carne suína que era conservada em latas de banha.
Uma iguaria muito apreciada é o chouriço, difícil de ser elaborado, e que exige muito cuidado na sua elaboração. A senhora sabe fazer essa iguaria?
Eu faço um chouriço muito bem feito. Coloco o sangue fresco, ovos, farinha de rosca ou arroz cozido, cheiro verde, bastante cebola refogada, toucinho feito com o couro da barriga do porco, sal, pimenta e um pouco de cravo e canela. Um prato que faço e as pessoas gostam é a galinha caipira com batata.
O fogão a lenha deixou saudades?
Gosto do fogão a lenha. O problema é fazer aquele fogão esquentar. Não pode ter pressa. Depois de quente é bom porque conserva, faz uma comida gostosa. O ferro de passar roupa era com brasa. Quem trabalhava na roça passava a roupa aos fins de semana. Sábado e domingo era para fazer a faxina pesada na casa e passar roupa. Lavava roupa na vertente. Usava sabão feito em casa.
A senhora continua residindo no sítio?
Moro ainda até hoje.
Como despertou essa vocação da senhora pelo sindicalismo?
Sinto que tenho um espírito de liderança. É uma característica natural. Quando meu marido faleceu fui convidada a fazer parte da diretoria do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Piracicaba e Saltinho. Nós já éramos sócios. Comecei como suplente. Isso foi em 1992 a 1993. De suplente fui para secretária, depois vice-presidente. Nunca fiz nada com muita pressa. Tudo aconteceu naturalmente. O presidente da época não ia mais continuar, formamos uma chapa, isso foi em 2003. Após 4 anos a mesma chapa concorreu de novo e ganhou.
Qual são os objetivos do sindicato?
Oferecemos facilidades de atendimento médico odontológico, jurídico e trabalhista para os associados. Defendemos os legítimos interesses á que a classe tem direito legal. O trabalho rural é classificado em três classes: o empregado assalariado, a agricultura familiar, onde em uma pequena propriedade o trabalho é exercido apenas pela família, e a propriedade maior onde há empregado registrado, quando o agricultor torna-se também patrão. O sindicato abrange as duas primeiras classes: o assalariado e aqueles que trabalham com agricultura familiar. Essas duas faixas geralmente têm dificuldades de acessar o ensino e complementar seus estudos, isso faz com que permaneçam no meio rural. Meu trabalho é ter profissionais competentes, cada um ocupando uma função importante, para que o sindicato possa oferecer o melhor possível ao associado.
O pequeno agricultor deve buscar alternativas de plantio?
Principalmente aqueles que praticam a agricultura familiar. Eles não possuem grandes recursos. Devem procurar diversificar, ter de tudo. Quando um produto está no final da colheita outro estará iniciando. Deve haver uma rotatividade de plantações, onde ele tenha sempre a disponibilidade de recursos. Se ele plantar só arroz para o inicio do ano, o resto do tempo ele irá ficar sem ter o que fazer. O sítio tem que ter rotatividade de cultura.
Existe alguma possibilidade do sindicato envolver-se mais com os alunos da Esalq, com o objetivo de melhorar o pequeno agricultor?
Nós nunca fomos procurados por eles. Caso haja interesse da parte deles estamos abertos para criarmos planos que beneficiem os associados. Existe a Casa do Agricultor, a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral – CATI, que apóiam o pequeno agricultor. Isso não impede que os alunos possam realizar trabalho de campo nas hortas, orientando os trabalhadores e eles também coletando informações, isso está disponível.
Comparando o tempo em que a senhora era menina e hoje, a variedade da fauna e flora sofreu mudanças?
No Bairro da Floresta, que ainda está rodeada de matas, existe seriema que vem na porta de casa. Na Nova Suíça existia codorna, nhambu. Hoje eu não vejo mais.
O homem do campo é uma pessoa de aparência simples, mas dono de uma sabedoria muito grande?
Muitas vezes uma pessoa de aparência humilde é dona de muita sabedoria. Na prática eles sabem mais do que pessoas que tiverem uma educação formal nas escolas. Hoje há um culto pelo computador, algumas pessoas julgam que ali irão obter qualquer tipo de informação necessária para a vida. Ao passo que uma pessoa que tem pouco acesso ás informações, muitas vezes não teve a oportunidade de estudar, ela quando ouve um conselho de uma pessoa, a pratica que essa pessoa realizou para obter um resultado, isso ficará gravado na memória de quem não tem acesso ás modernidades atuais. Fica gravado na memória. Ele analisa as poucas informações que recebe e as retém.
Hoje o pessoal da zona rural tem contato com televisão, computador?
Tem. A televisão teve influencia na zona rural. Hoje a primeira vista, pelas roupas, maneira de comportar-se não se vê muita diferença entre o pessoal da zona rural e da zona urbana. Ninguém mais sabe quem mora no sítio ou na cidade. Houve uma uniformização. Hoje há ensino completo do segundo grau, até o colegial. Todo mundo tem seu carro.
Quando a senhora entrou no cinema pela primeira vez?
Entrei quando eu já era casada para levar o meu filho assistir Os Trapalhões.
Qual é o seu lazer preferido?
Eu adoro mesmo é ir para a praia. A primeira vez que eu fui devia ter mais de quarenta anos de idade, fui para a Praia Grande. O mar me dá uma paz muito grande.
O sindicato recebeu visitas internacionais?
Recebemos de vários países. Da Alemanha, Inglaterra, França. Pelo fato da Cosan ser o maior grupo açucareiro de álcool, e a matriz é em Piracicaba, toda atenção volta-se para Piracicaba. Eles geralmente nos visitam em grupos grandes. Muitos nem conheciam cana de açúcar. Nunca tinham visto. Eles vêm para ver o processo, qual é a idoneidade da empresa, não ter trabalho escravo.
Os trabalhadores que vem de outra região para trabalhar no corte de cana em Piracicaba tem uma melhor condição de trabalho hoje?
Eles têm que serem transportados do local de alojamento para o local de trabalho em um ônibus em bom estado, tem um toldo com mesa, sanitário químico. Tem que ter um depósito com água fresca. Quando vem para Piracicaba já saem da região de origem registrados e com seguro de vida.
Essa mão de obra que vem de outros estados concorre com a mão de obra local?
Não concorre, porque o pessoal residente em Piracicaba já não se submete a esse tipo de trabalho. Fazem qualquer outra coisa, menos cortar cana.



Arquivo do blog