Se alguém ainda duvida da importância de conhecermos o passado para construirmos o nosso futuro, então que revogue todos os conhecimentos acumulados pela humanidade até a presente data. J.U.Nassif

"A força está na serenidade do ânimo e no equilíbrio dos sentimentos."

domingo, agosto 24, 2014

JOSÉ ANTONIO DUARTE PENTEADO


PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
JOÃO UMBERTO NASSIF
Jornalista e Radialista
joaonassif@gmail.com
Sábado 26 de julho de 2014.

Entrevista: Publicada aos sábados no caderno de domingo da Tribuna Piracicabana
As entrevistas também podem ser acessadas através dos seguintes endereços eletrônicos:

http://blognassif.blogspot.com/


http://www.teleresponde.com.br/
ENTREVISTADO: JOSÉ ANTONIO DUARTE PENTEADO

 

José Antonio Duarte Penteado, ou Antonio José como é mais conhecido no meio radiofônico de Piracicaba, nasceu a 15 de julho de 1947, em Piracicaba, na Vila Rezende, na Avenida Conceição, 492, próximo a então estação da Estrada de Ferro Sorocabana, onde hoje funciona o Pronto Socorro Municipal da Vila Rezende. Isso na época em que a Família Valler tinha diversas atividades comerciais nas proximidades. A casa onde nasceu existe até hoje. O bonde que fazia a linha Vila Rezende parava próximo a estação. José Antonio Duarte Penteado é filho de Emílio Duarte Penteado e Amábile Maria Schiavolin Penteado, que tiveram quatro filhos: Valdemar, José Antonio, Dorival, Antonio Carlos.

Você estudou em que escola?

Eu fiz parte da história do bonde, até o segundo ano primário estudei no Grupo Escolar Moraes Barros, vinha de bonde todos os dias com o meu pai, ele era funcionário da Biblioteca Pública Municipal, situada na Rua Alferes José Caetano esquina coma a Rua Voluntários de Piracicaba, onde mais tarde funcionou a Escola João Wesley e recentemente foi demolido para dar lugar a uma nova construção.

Aquela casa, onde funcionou a Biblioteca Municipal pertenceu a quem?

Ali chegaram a morar diversas pessoas, uma delas era o Sr. Joaquim, conhecido como Joaquim Corre-Corre, negro, que trabalhou e aposentou-se na biblioteca. Os moradores anteriores eu não tenho conhecimento de quem seriam. Infelizmente colocaram abaixo um prédio com muitas décadas de história.

Lembra-se o nome das suas primeiras professoras no Grupo Moraes Barros?

A primeira foi Dona Amélia, depois foi Dona Irene, nessa época estudávamos eu e o Beto Pianelli, a quem chamo de forma carinhosa de Betão, e o famoso jogador Coutinho, ex-jogador do Santos Futebol Clube, o nome do Coutinho era Wilson Honório. Ele morava no Bairro Alto.

Quando você vinha de bonde, vinha sentado ou em pé no estribo do bonde?

Se o meu pai não “pegava no meu pé” eu vinha no estribo, gostava de vir em pé no estribo! No Grupo Escolar Moraes Barros eu estudei até o segundo ano, quando passei para o terceiro ano fui estudar no Grupo Escolar Honorato Faustino, na Vila Boyes, onde meu pai tinha adquirido uma casa. Nesse período meu pai ficou muito doente, quando eu tinha 14 anos ele faleceu. Passei a trabalhar na Biblioteca Pública Municipal, onde permaneci de 1962 a 1964. O chefe era o Professor Leandro Guerrini.

Como era Leandro Guerrini?

Uma pessoa sensacional! Espírita de carteirinha. Uma pessoa extremamente correta. Sua esposa era a Professora Jaçanã.

O seu trabalho na biblioteca era de atendimento?

O consulente buscava os dados no fichário, preenchia uma papeleta, retirava o livro e por três dias ficava com ele emprestado pela biblioteca.

O leitor então trazia o livro de volta?

Quando não traziam eu ia buscar. Não era muito comum ter que ir buscar, mas tinha algumas pessoas que davam trabalho. Uma das formas de punição era impedir que aquela pessoa retirasse qualquer livro da biblioteca por um determinado período.

Você lia muito?

Eu gostava muito do Cornélio Pires.

Na esquina, oposta a biblioteca, havia uma funerária?

Correto, era uma funerária, onde hoje funciona um laboratório de análises clínicas.

Ao lado havia a Fábrica de Bebidas Andrade?

Antes de ir trabalhara na biblioteca trabalhei na Fábrica de Bebidas Andrade, devia ter uns onze anos, fui ajudar a lavar garrafas. Valter e Djalma Altafim eram os proprietários. Produzia-se entre outras bebidas a Cotubaina, Gengibirra, Caçulinha, “Caninha Tourinho”. Um refrigerante de grande sucesso, tão comum como determinada marca que existe hoje no mercado das colas, era a Abacatina. Melhor que muitos refrigerantes atuais.

Uma curiosidade mais do que normal, logo que você entrou para trabalhar na Indústria de Bebidas Andrade, fartou-se de tanto refrigerante?

Os proprietários permitiam, e nessa idade era uma grande oportunidade de tomar refrigerante à vontade, uma vez que na época só se bebia refrigerantes em épocas ou ocasiões muito especiais (Natal, Ano Novo, casamentos, batizados, e mesmo assim de forma muito moderada).

Como era o processo de lavagem das garrafas de vidro?

Colocavam-se os vasilhames em um tacho com soda cáustica, usávamos luvas protetoras, ficava de molho para retirar o rótulo e impurezas, depois as garrafas eram colocadas em uma escova elétrica, eram lavadas externamente e internamente, enxaguadas, quando saiam dalí eram colocadas como gargalo voltado para baixo, a água escorria por gravidade, quando iam para a máquina para engarrafarem os produtos os vasilhames estavam limpinhos. De vez em quando a pressão com que eram preenchidas provocava o estouro de algumas garrafas. Isso às vezes provocava pequenos acidentes, Eu mesmo cheguei a fazer um corte em uma das mãos.

Aos 16 anos você saiu da biblioteca?

Quando eu estava trabalhando lá o prefeito era Francisco Salgot Castillon, quem assumiu o próximo mandato foi Luciano Guidotti. Teve a chamada “poda”, foram demitidas mais de 100 pessoas e eu fui um deles. Meu pai tinha falecido, em casa era minha mãe, que lavava roupas de terceiros para ganhar algum dinheiro, meus tres irmãos e eu. Muitas vezes meu irmão mais velho, o Valdemar e eu chegamos a descer a Rua Tiradentes com malas de roupas para lavar e também subir com elas limpas, lavadas pela minha mãe. Nós morávamos na Vila Boyes, na Rua Dona Eugênia. Senti que tinha que arrumar um serviço. Fui trabalhar na Mausa, entrei como ajudante geral, tinha uns 16 anos. Varria chão, trabalhava na politriz, polia peças. Trabalhei com Abilio, Dorival “Diva” Gobbo,  Antonio “Gibinho” Gibin, Francisco “Chico” Gobbo.

A que horas você entrava na Mausa?

Entrava as seis e meia, levantava as cinco horas, ia trabalhar a pé, atravessava a Cidade Jardim inteira, dava umas quinze quadras. Levavava a cestinha de vime, com um caldeirãozinho, dentro tinha arroz, feijão e um “medalhão” (ovo frito). Carne era um acompanhamento elitizado!Trabalhei na Mausa de março de 1964 até julho de 1967. Um dia conversando com o Paulo Moraes,na época reporter da Rádio Educadora, hoje gerente do Esporte Clube XV de Novembro de Piracicaba,  tinhamos estudado no Honorato Faustino, disse a ele que gostaria de tentar uma vida no rádio. Ele e Xilmar Ulisses são os melhores repórterers de campo que eu conheci. Se o Xilmar Ulisses fosse meu irmão de sangue talvez eu não o quisezesse tão tão bem como o tenho em consideração.

Como surgiu esssa paixão por rádio?

Foi por vontade própria, de escutar o rádio. Escutava muito jogo de futebol, sou corintintiano. O Paulo Moraes me apresentou o Garcia Neto que me deu uma oportunidade. O Garcia Neto disse-me: “-O rádio tem um problema, só paga quando tem verba!”. Isso foi em setembro de 1967. Teve uma época, no final do ano, que a minha mãe me disse: “-Você não recebe, não vai ficar mais lá!”. O Garcia trabalhava na Rádio Nacional e na Rádio Educadora.Era comentarista de futebol. Duas vezes por semana ele ia para as transmissões em São Paulo. O Garcia me disse : “-Se você quiser ficar você fica, nós não temos condições de pagar!”. Minha mãe achava que eu tinha que arrumar algum trabalho que ganhasse algum dinheiro. Acabei narrando isso ao Garcia. Ai entra a minha admiração por Xilmar Ulissses, todo dia de pagamento ele fazia uma “vaquinha” onde perticipavam ele, o Mike, o Paulo Moraes, Edirley Rodrigues, Fernando Rui Coutinho, Jamil Netto, Nadir Roberto, dessa vaquinha saia o meu salário. Chegou uma época em que o Garcia Neto me levou para trabalhar na TV Excelsior, em um programa chamado “Aquela Feliz Cidade”. Isso foi entre 1967 e 1970. Eu viajava toda quinta feira logo cedo e voltava na sexta-feira, o programa era na quinta feira a noite. Gravava e voltava. Trabalhava com Ary Leite, Dedé Santana, Gastão Rene, Costinha. Conheci Ary Toledo quando ele casou-se com  Marly Marley. Ele ia leva-la na TV Excelcior em um Fusquinha amarelo. O Rony Cócegas chegava em outro fusquinha bem deteriorado. Conheci Arthur Miranda, que depois tornou-se em um dos componentes da equipe do Neymar de Barros. Minha mãe achava que aquela minha aventura na Excelsior não iria resultar em nada. Eu ganhava por programa o que ganhava no mês aqui na rádio. Trabalhei junto com o Mussum. Conheci a Regina Duarte que com Francisco Cuoco na época iam começar a novela “Sangue do Meu Sangue”. Nessa época a Excelsior foi cassada. Voltei à Piracicaba e continuei trabalhando na Rádio Educadora. Em 1970 fui para a Rádio Difusora com o Garcia Neto, integrar a “Seleção de Ouro”. Foi no tempo do José Roberto Soave. Permaneci lá até 1982, criei um programa, por sugestão do Capitão Furtado, um dos renomados compositores de musica sertaneja na época, o nome dele era Ariovaldo Pires. Passei a fazer o programa “Bom Dia Homem do Campo”. Comecei a fazer esse programa em 1971, era apresentado aos domingos das 5 as 7 horas. Terça e quinta eu fazia o programa “Boa Noite Homem do Campo”, das 20:30 às 22:00 horas. Nessa época já era patrocinado e recebia comssão. Lá eu permaneci até julho de 1982. Nesse ano fui trabalhar no Teatro Municipal, com Roberto Diehl e Alceu Marozzi Righetto. Tenho uma admiração muito grande pelo Dr. Adilson Benedito Maluf, sua esposa, Dona Rosa. O Dr. Adilson é do tempo em que o fio de bigode tinha tanto valor como o que estava escrito. Um dia Jamil Netto me convidou para participar de shows de bairros, o objetivo era divulgar a candidatura a prefeito do Dr. Adilson. Passei a apresentar programa sertanejo em bairros. Aprendi muito com o Nhô Serra, ele foi meu padrinho de casamento. O Adilson tornou-se prefeito, entrou no gabibete no dia primeiro de fevereiro de 1982. No dia 2 eu estava trabalhando com ele, Jamil Neto, Gaiad, Justino, Benedito Hilário, Atinilo José. Permaneci na assessoria de imprensa por uns quatro anos. Com o Paulinho Mazziero e Jailton fomos trabalhar no Procon, ajudamos a fundar o Procon em Piracicaba. Sai de lá em 1994 e fui para a FM Municipal. O Gaiad era diretor da FM Municipal e precisava de alguém para apresentar musica sertaneja. Passei a fazer o horário das 5 às 7:30 horas. Fazia o programa e ao mesmo tempo junto com Xilmar Ulisses redigia o Jornal da Manhã. Quero muito bem ao Xilmar Ulisses. Ele é uma potência em Piracicaba. Em novembro de 1998 aposentei-me na Rádio Educativa.

Você aposentou-se e por um período ficou sem participar do rádio. Como foi o seu retorno ao rádio?

Conversando uma vez com Murilo Urbano ele intercedeu junto a Professora Ana Maria Meirelles de Mattos, o Zé Mineiro tinha saído, o horário estava vago, e assim faz dois anos e meio que estou na Rádio Educadora. Apresento o programa “Bom Dia Homem do Campo” das 5 às 8 horas da manhã, apresento musica sertaneja. Dona Ana me acolheu, sou muito grato a ela, assim como sou grato ao Jairinho.

Você participou do carnaval de Piracicaba?

Fui Rei Momo em 1967 pelo Clube de Regatas Piracicaba, a pedido do Dorival “Diva” Gobbo que na época era presidente do Regatas.  Por cinco anos fui Rei Momo de Piracicaba. Com o Taquara, com o Aldano, Marilena Voltani, Pela antiga Casa Portuguesa, situada na Rua Governador Pedro de Toledo, ao lado do Cardinalli  fui Papai Noel da cidade. A pessoa adquiria um presente na Casa Portuguesa eu ia levar caracterizado como Papai Noel. O primeiro ano em que fui Rei Momo quem me acompanhou em desfile de carro aberto foi o saudoso Humberto D`Abronzo e o Cesário Ferrari que está em plena atividade empresarial.

Qual foi a reação da sua esposa quando você foi eleito Rei Momo?

Foi a pior possível. Nessa época existia as escuderias em Piracicaba, a Equipelanka, Ekyperalta , Pé Chato, Zoom Zoom. Outro dia conversando com o Mugão, José Inácio Mugão Sleimann, ele chorou. O Mugão é um guerreiro. Tenho um grande carinho por ele. Através do Mugão chegamos na TV Tupi, no programa do Airton e Lolita Rodrigues, “Almoço Com as Estrelas”. A maquiagem do Rei Momo era feita dentro do onibus, pela Célia.

Essa sua atividade intensa em várias áreas artisticas sempre foi movida pela emoção?

Sempre fui expontâneo, sou aquilo que sou. Aprendi com o Luizão Carreteiro, que se ficar sentado em seu canto já não está incomodando ninguém.

Você é religioso?

Todo sábado participo de missa, lembrando que participar é diferente de apenas assistir. As quarta feiras temos no bairro a novena de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Todos os dias as seis horas da tarde rezamos o terço. Casei-me em 24 de janeiro de 1976 com Luiza de Fátima Arthuso Penteado, na Igreja São José, o celebrante foi o então Conego, hoje Monsenhor Luis Juliani. O casamento deve ter sido um dos poucos, senão o único transmitido pela rádio, o Djansen fazia um programa todos os sábados das 14 as 18 horas, ele cedeu o horário prara transmitir meu casamento.

Arquivo do blog